Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária"

Transcrição

1 Secretaria de Portos da Presidência da República Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Ministro Leônidas Cristino São Luiz, abril 2011

2 AGENDA: 1. Aspectos Institucionais 2. Números do Setor 3. Investimentos nos Portos 4. Inteligência Logística 5. Custos Logísticos 6. Portos Classe Mundial

3 1. ASPECTOS INSTITUCIONAIS

4 ANTECEDENTE HISTÓRICO RECENTE DA GESTÃO PORTUÁRIA Ministério dos Transportes Lei nº , de 5 de setembro de 2007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTRO SECRETARIA DE PORTOS FACILITADORA SECRETÁRIO EXECUTIVO SEGES SECRETARIA DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSPORTES DEPTA DEPARTAMENTO DE PROGRAMAS DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS DEPTA (Status: DIRETORIA) COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS CGPAQ CGPAQ RECONHECIMENTO DA IMPORTÂNCIA DO SETOR PORTUÁRIO

5 ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR PORTUÁRIO BRASILEIRO Órgão regulador Políticas e investimentos

6 Porto de MACAPÁ Porto de SANTARÉM Porto de MANAUS Porto de BELÉM Porto de VILA DO CONDE RORAIMA Porto de ITAQUI AMAPÁ Porto de PECÉM Porto de FORTALEZA Porto de AREIA BRANCA CE = 1 TUP AMAZONAS PARÁ 14 TUP MARANHÃO CEARÁ 13 TUP AL= 1 TUP PIAUÍ SE= 2 TUP 129 Terminais de Uso Privativo 1 TUP SERGIPE BAHIA MATO GROSSO Porto de MACEIÓ Porto de SALVADOR Porto de ARATU 8 TUP GOIÁS S ALAGOA Porto de SUAPE Porto de ILHÉUS Porto de BARRA DO RIACHO ES = 9 TUP Porto de VITÓRIA O Porto de FORNO Porto de NITERÓI MATO GROSSO RJ =22 TUP Porto de RIO DE JANEIRO DO SUL Porto de ITAGUAÍ O SP = 7 TUP EIR JAN DE Porto de ANGRA DOS REIS RIO SÃO PAULO Porto de SÃO SEBASTIÃO PR = 6 TUP PARANÁ Porto de SANTOS 6 TUP IT O SA NT MINAS GERAIS PÍR 34 Portos Públicos Marítimos TOCANTINS PERNAMBUCO ES 7 TUP Porto de RECIFE A PARAÍB ACRE RODÔNIA RIO GRANDE DO NORTE RN = 2 TUP 3 TUP Porto de NATAL Porto de CABEDELO SC = 11 TUP RIO GRANDE DO SUL RS = 16 TUP Porto de ANTONINA Porto de PARANAGUÁ Porto de SÃO FRANCISCO DO SUL Porto de ITAJAÍ Porto de IMBITUBA Porto de PORTO ALEGRE Porto de PELOTAS Porto de RIO GRANDE SANTA CATARINA

7 Gestão

8 NOVO MODELO DE DELEGAÇÃO Maior responsabilidade dos Delegatários Empresas públicas independentes Gestão moderna Portos auto-sustentáveis Plano de Trabalho conjunto Monitoramento dos resultados

9 2. NÚMEROS DO SETOR

10 O Comércio Internacional / Conteinerização PIB Global Comércio Internacional 14x Transporte Global de Contêiner Movimento Global de Contêiner 11x 6x 2x Fonte: WTO, IMF, Drewry Shipping Consultants, Baltic Maritime Advisers

11 Brasil: uma das economias com mais rápido crescimento em 2010 * Previsões: The Economist ** Previsões do Governo Brasileiro Fonte: The Economist

12 Variação da movimentação portuária com o PIB - Brasil Fonte: ANTAQ 2010 /IPEA

13 Contêiner motor da globalização Conteinerização no Brasil Carga Geral Fonte: ANTAQ 2010

14 Evolução da movimentação por natureza de carga (tonelada) Fonte: ANTAQ 2010

15 PROJEÇÕES: CONTÊINER Portos Públicos

16 PROJEÇÕES: GRANEIS SÓLIDOS Portos Públicos

17 Movimentação de Carga nos Portos 27,5% 72,5% Fonte: ANTAQ 2010

18 Movimentação de Carga nos Portos / Ilha Guaíba / Petrobrás

19 INVESTIMENTOS

20 3. INVESTIMENTOS NOS PORTOS

21 DRAGAGEM Fortaleza R$59,2mi 87% RORAIMA Natal R$35,8mi 87% AMAPÁ Cabedelo R$45,9mi 68% AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE Recife R$30,7mi PARAÍBA PIAUÍ PERNAMBUCO S ALAGOA ACRE TOCANTINS SERGIPE RODÔNIA BAHIA MATO GROSSO Suape R$89,5mi 89% Canal Interno Aratu R$41,2mi Salvador R$58,4mi AN T O GOIÁS OS MINAS GERAIS SÃO PAULO PARANÁ Rio Grande R$244,8mi SANTA CATARINA RIO GRANDE DO SUL Investimentos: R$1,122 bilhão ES P São Francisco do Sul R$97,9mi 34% Rio de Janeiro R$138,6mi 83% ÍRIT MATO GROSSO DO SUL D RIO O NEIR E JA Itaguaí - R$80,3mi Angra dos Reis R$3mi Santos R$199,5mi 61% Iniciada Concluída

22 DRAGAGEM RORAIMA AMAPÁ Luís Correia R$28mi Areia Branca R$70mi AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE Suape R$78mi Canal Externo A PARAÍB PIAUÍ PERNAMBUCO Maceió R$25mi S ALAGOA ACRE TOCANTINS SERGIPE RODÔNIA BAHIA MATO GROSSO Barra do Riacho R$78mi OS MATO GROSSO DO SUL SÃO PAULO Itajaí R$54,8mi Imbituba R$55mi Rio Grande R$110mi AN T MINAS GERAIS ES PÍR IT Investimentos: R$1,076 bilhão O GOIÁS PARANÁ SANTA CATARINA RIO GRANDE DO SUL D RIO Barra do Furado R$50mi O NEIR E JA Rio de Janeiro R$95mi Itaguaí R$265mi Santos R$115,5mi Paranaguá R$52,4mi Obras Não Iniciadas

23 OBRAS - NORTE Santarém R$152mi Terminal de Múltiplo Uso 1 e 2 Roraima Amapá Amazonas Pará Maranhão Ceará Rio grande Do norte Vila do Conde Const. Rampa RoRo R$7mi Ampliação Pier R$115,8mi 46% Paraíb a Piauí Pernambuco s Alagoa Acre Tocantins Rodônia Sergipe Bahia Mato grosso Goiás írit os ant o Minas gerais Es p Mato grosso Do sul São paulo Paraná Santa Catarina Rio grande Do sul o neir de ja Rio Investimentos: R$274,8 milhões

24 OBRAS - NORDESTE Itaqui Dragagem berços 100,101 e 103 Roraima R$ 55mi Const./Recup. Berços 100,101,102 e 108 R$ 279,4mi Amazonas Fortaleza Derrocagem do berço 103 R$5,6mi Term. Mov. CTNR - R$60mi Pecém R$29,8mi Modernização terminal Portuário Amapá Areia branca Ampliação e Adequação R$223,9 60% Sistema de Atracação R$12,7mi Pará Maranhão Ceará Rio grande Do norte Paraíb a Piauí Natal R$108mi Const. Berço 4 e Retro-áreas Pernambuco s Alagoa Acre Tocantins Rodônia Sergipe Luís Correia R$64mi Const. do Porto Bahia Mato grosso Fernando de Noronha R$82mi Recuperação do Porto, Dragagem e reforço do molhe Goiás írito san t o Minas gerais Mato grosso Do sul Esp Salvador R$100mi Ampliação do Quebra Mar São paulo o neir de ja Rio Paraná Investimentos: R$1,908 bilhões Santa Catarina Rio grande Do sul Maceió R$51,2mi Const. cais CTNR Recife R$28,8mi Melhoramento da infraestrutura Suape Const. Acesso Rodoviário R$89mi Terminal de Granéis Sol. e Dragagem R$300mi Melhoramento da Infraestrutura R$418,8mi

25 OBRAS - SUDESTE Roraima Investimentos: R$1,801 bilhões Amapá Amazonas Pará Maranhão Ceará Rio grande Do norte Paraíba Piauí Pernambuco s Alagoa Acre Tocantins Rodônia Sergipe Bahia Mato grosso rito san to Goiás Vitória Ampliação e recuperação de cais R$133,4mi Const. de berço R$40mi Const. de Pátio e Realocação de sede Adm. R$40mi Minas geraisprojeto Porto de Águas Profundas R$20mi Esp í Mato grosso Do sul São paulo Paraná Santa Catarina Rio grande Do sul o neir de ja Rio Rio de Janeiro Dragagem R$72,9mi - Concluída Reforço estrutural de cais R$200mi Santos Avenida Perimetral R$629,6mi Const. de 5 Píeres R$222mi Acessos terrestres R$40mi Reforço de Cais Píer e Berço R$304mi

26 OBRAS - SUL Roraima Amapá Amazonas Investimentos: R$935,5 milhões Pará Maranhão Ceará Rio grande Do norte Paraíba Piauí Pernambuco s Alagoa Acre Tocantins Rodônia Sergipe Bahia Mato grosso São Francisco do Sul Recuperação do berço 201 R$26,8mi 84% Reforço no berço 101 R$18mi 89% Goiás írito san t o Minas gerais Esp Mato grosso Do sul São paulo Paraná Santa Catarina Rio grande Do sul o neir de ja Rio Itajaí Recuperação e reforço do molhe R$16,2mi Obras na retro-área R$ 60mi Alinhamento e reforço do berço 4 R$85mi Imbituba R$38,3mi Recuperação do Molhe de Abrigo Rio grande Ampliação e recuperação dos Molhes R$542,4mi Modernização do cais público R$148,8mi

27 INVESTIMENTOS PRIVADOS Vila do Conde Itaqui US$ 909,4 mi Roraima US$ 1,588 bi Amapá Suape Amazonas Pará Maranhão US$ 27,1 mi Ceará Rio grande Do norte Paraíba Piauí Pernambuco s Alagoa Acre Tocantins Rondônia Terminal Privado Cotegipe Bahia US$ 77,1 mi Investimentos: US$18,4 bilhões Terminal Privado Ponta Ubu Goiás írito san t o Minas gerais Esp Mato grosso Do sul São Paulo US$ 284,7 mi US$ 243,5 mi Sergipe Mato grosso Imbituba Porto de Aratu Ferrus US$1,482 bi o neir de ja Rio Açu Paraná US$5,823 bi Santa Catarina Rio grande Do sul US$ 177,1 mi Santos US$ 3,282 bi Rio de Janeiro US$ 387,6 mi Rio Grande Itapoá Itaguaí US$ 262,4 mi US$ 370,6 mi US$ bil

28 COPA 2014 SALVADOR RECIFE NATAL FORTALEZA SANTOS RIO DE JANEIRO MANAUS Implantação ou adaptação de terminais marítimos de passageiros e receptivos Atendimento à demanda de turismo Criação de leitos em navios de cruzeiro

29 Manaus R$89,4 milhões COPA 2014 Mucuripe R$105,9 milhões RORAIMA Natal R$53,7milhões AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PARAÍBA Recife R$21,8 milhões PIAUÍ PERNAMBUCO S ALAGOA ACRE TOCANTINS SERGIPE RODÔNIA BAHIA MATO GROSSO Salvador R$36 milhões AN T O GOIÁS OS MINAS GERAIS SÃO PAULO ES P ÍRIT MATO GROSSO DO SUL D RIO O NEIR E JA Rio de Janeiro R$314 milhões PARANÁ SANTA CATARINA RIO GRANDE DO SUL Investimentos: R$740,7 milhões Santos R$119,9 milhões

30 PORTO DE SALVADOR - BA Projeto Terminal Marítimo de Passageiros

31 PORTO DE RECIFE - PE Projeto Terminal Marítimo de Passageiros e Estacionamento

32 PORTO DE MUCURIPE - CE Projeto Terminal Marítimo de Passageiros e Estacionamento

33 4. INTELIGÊNCIA LOGÍSTICA

34 PORTO SEM PAPEL Investimentos: R$114 Milhões Fase 1: Santos, Vitória e Rio de Janeiro Fase 2: Demais portos públicos brasileiros

35 VTMS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ACESSO MARÍTIMO Segurança da navegação Controle do tráfego Aumento da capacidade com melhoria operacional Utilização ótima do canal de acesso Informações para planejamento portuário Instalação em 5 portos brasileiros: Santos, Rio de Janeiro, Salvador/Aratu, Rio Grande e Itaguaí

36 CARGA INTELIGENTE Investimentos: R$115 Milhões Aumentar a visibilidade dos fluxos de carga pelos portos Reduzir congestionamentos nos portos Aumentar a eficiência pelo uso de informações confiáveis e antecipadas Rastreabilidade da carga ao longo das cadeias logísticas

37 5. PLANEJAMENTO PORTUÁRIO

38 Investimentos: R$ 45 Milhões Aumentar a CAPACIDADE PORTUÁRIA Definir claramente a ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL que permite o crescimento do setor Melhorar a EFICIÊNCIA DA GESTÃO dos portos

39 ÁREAS TEMÁTICAS Gestão Logística e Áreas de Influência Economia e Finanças Infraestrutura Operações Portuárias Meio Ambiente

40 CRONOGRAMA - PNLP ABR 2011 JUN 2011 SET 2011 FEV 2012 MASTER PLANS 15 PORTOS MAI 2012

41 DIRETRIZES E METAS INICIAIS PARA 2022 Ampliar a capacidade portuária: De 834 milhões em 2010 para 1,7 bilhão de toneladas em 2022 Aumentar a eficiência: Figurar entre os 10 países com melhor desempenho logístico no mundo (Índice de Desempenho Logístico do Banco Mundial Atualmente, em 41º lugar) Navegação de cabotagem: Aumento da movimentação de contêineres de 1,162 milhão em 2010 para 2 milhões de TEUs em 2022 Desenvolvimento sustentável: Ampliação dos instrumentos de gestão ambiental, integração das políticas portuárias e do entorno urbano com o porto

42 5. CUSTOS LOGÍSTICOS

43 MATRIZ DE TRANSPORTE BRASILEIRA 0,4% 13% 3,6% 58% Fonte: MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES (2010) 25% Aéreo Aquaviário Dutoviário Ferroviário Rodoviário

44 EVOLUÇÃO DOS NAVIOS 1ª Geração (Pre ) TEU Ideal X 2ª Geração ( ) TEU Full Cellular 3ª Geração (1985) TEU Panamax 4ª Geração ( ) TEU Pós-Panamax 5ª Geração ( ) Super Pós-Panamax TEU 6ª Geração (2006 -?) TEU Super-size Maersk

45

46 QUANTO CUSTA PARAR A CADEIA LOGÍSTICA? VEJAMOS O CUSTO DE PARAR UM CAMINHÃO: toneladas movimentadas no comercio exterior em 2008 (fonte: Antaq) Custo da estadia: R$ 1,00/hora.tonelada (fonte: Lei /2007) Simulação: Tempo de fiscalização por veículo = 1 hora 1h x 1,00 R$/t.h x t/ano R$/ano 10 horas? 1dia?

47 6. PORTOS DE CLASSE MUNDIAL

48 PLANEJAMENTO 48

49 CONTROLE NÁUTICO 49

50 CAPACIDADE NÁUTICA 50 Emma Maersk encontra Estelle Maersk (mais de 20 mil TEUS em 2 navios)

51 MODELO DE OPERAÇÕES

52 OPERAÇÕES ININTERRUPTAS

53 INTEGRAÇÃO INTERMODAL 53 index

54 ATIVIDADES LOGÍSTICAS

55 LOGÍSTICA MULTIMODAL

56 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

57 RECEPTIVIDADE

58 Secretaria de Portos da Presidência da República OBRIGADO! Ministro Leônidas Cristino 28 de abril de 2011

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS Presidência da República Secretaria de Portos INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS Eng. Antonio Maurício Ferreira Netto Diretor de Revitalização e Modernização Portuária Brasília, 23 de

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo

Infraestrutura portuária para o Turismo Infraestrutura portuária para o Turismo Senado Federal Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 6 de abril de 2011 Aspectos institucionais

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Antonio Maurício Ferreira Netto Secretaria de Portos da Presidência da República Rio de Janeiro

Leia mais

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 Os avanços e a sustentabilidade da logística brasileira São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 1- A ANTAQ 2- Contexto 3- Portos e Terminais 4- Navegação Marítima e

Leia mais

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 9 de outubro de 2013 A g e n d a 2 1. Cenários dos portos no

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza REFORMA DO SETOR PORTUÁRIO Lei n 12.815, de 05 de Junho de 2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira Fernando Fonseca Diretor Rio de Janeiro, 25 de maio de 2015 DADOS GERAIS SOBRE O BRASIL 2

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA COSAG São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA ESCOPO DA ABIEC Fonte: MAPA Milhões de Cabeças Abatidas SIF 2008 2009 22,4 21,6 2010 2011 21,9 21,8 2012 (jan-fev) 4,3 ESCOPO DA ABIEC

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

Transporte Aquaviário e Portos

Transporte Aquaviário e Portos Transporte Aquaviário e Portos Arrendamentos operacionais de áreas e instalações portuárias A Constituição Federal de 1988 estabelece que compete à União explorar os portos públicos diretamente ou mediante

Leia mais

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Agenda 1 2 3 4 5 6 Situação Anterior Concepção do PSP Implantação do PSP Resultados e Benefícios Alcançados Dificuldades Encontradas

Leia mais

A Marinha Mercante Brasileira. Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores

A Marinha Mercante Brasileira. Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores A Marinha Mercante Brasileira Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores André Luís Souto de Arruda Coelho Superintendente da Navegação

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

PROGRAMA: 2074 - Transporte Marítimo

PROGRAMA: 2074 - Transporte Marítimo Filtro selecionado Período: Monitoramento Temático Ano 2014-2º Semestre Listagem por: Programa - Transporte Marítimo Órgão: 68000 - Secretaria de Portos Elementos a serem exibidos: Indicadores; Metas;

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

INCLUSO NO VALOR ACIMA O PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA

INCLUSO NO VALOR ACIMA O PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC ÓRGAO EMPENHADO PGTO TOTAL EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DE 2007 A 2011 2007 A 2011 DOTAÇÃO DESPESA RESTOS A PAGAR PG % ATUAL EMP % LIQ PG % INSC. CANC.

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ Data: 06/08/2010 Local: Escola Superior de Guerra - CAEPE Fatos Gerais sobre o Brasil

Leia mais

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 256.092.869 26 TRANSPORTE 468.989.333 TOTAL - GERAL 725.082.202 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL 21.077.996 126 TECNOLOGIA

Leia mais

Portos e hidrovias brasileiras

Portos e hidrovias brasileiras Portos e hidrovias brasileiras UFRJ Curso de pós-graduação de engenharia portuária Rio de Janeiro 19 de maio de 2011 Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 2 Dados gerais sobre o Brasil Área

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14 Reforma Portuária Breakbulk South America 01.12.14 AGENDA 2 Reforma Portuária Desafios Oportunidades e Decisões das Empresas Expectativas EVOLUÇÃO DO MARCO REGULATÓRIO 3 1990 1993 2001 2007 2008 2013 EXTINÇÃO

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Aspectos Gerais O Novo Marco Portos no Espírito Santo Concessão, arrendamento e Autorização Perspectivas 3 1960 Contexto

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS

DRAGAGEM POR RESULTADOS Seminário: Reforma Portuária para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES A = Calado B = Distância entre a quilha

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes A Melhoria da Estrutura Portuária AGENDA PORTOS Coordenação das ações de governo, na Câmara de Política de Infra-estrutura,

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS 27, 28 e 29/10/2015 Workshop Observatório Logístico de Transporte ANTAQ - RAM 1 ROTEIRO 1 CONTEXTO ATUAL DO SETOR 2 SISTEMAS

Leia mais

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor Panorama Aquaviário Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Volume 4 outubro de 2009 EXPEDIENTE Fernando Antonio Brito Fialho DiretorGeral Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor Tiago

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC ÓRGAO SIAFI: 30 de setembro de EMPENHADO 2007 A 2011 DOTAÇÃO EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DE DESPESA ATUAL EMP % LIQ % INSCRITOS A B C C/B D D/B E 20.128

Leia mais

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC ÓRGAO SIAFI: 31 de outubro de EMPENHADO 2007 A 2011 DOTAÇÃO EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DE DESPESA RESTOS A PAGAR ATUAL EMPENHADO % LIQUIDADO % INSCRITOS

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão

O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão Universidade Federal do Maranhão São Luís - MA, 23 de setembro de 2011 Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Dados gerais sobre

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015 Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP BLOCO 1 BLOCO 2 BLOCO 3 BLOCO 4 Arrendamentos em Portos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM 1 - ZP-FAZENDINHA (AP) - ITACOATIARA (AM) Esta Zona de Praticagem está compreendida a partir do paralelo 00º 03 S (Fazendinha- AP) para o interior

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

IRRIGAÇÃO Recuperação para Transferência da Gestão. Nilo Coelho/PE Bebedouro/PE. Maniçoba/BA Curaçá/BA. Mirorós/BA ESTUDOS E PROJETOS

IRRIGAÇÃO Recuperação para Transferência da Gestão. Nilo Coelho/PE Bebedouro/PE. Maniçoba/BA Curaçá/BA. Mirorós/BA ESTUDOS E PROJETOS IRRIGAÇÃO Recuperação para Transferência da Gestão Nilo Coelho/PE Bebedouro/PE Maniçoba/BA Curaçá/BA Formoso/BA Mirorós/BA Gorutuba/MG ESTUDOS E PROJETOS EIXO NORTE Trecho VI / PE Estudos Barragens do

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

PARTE 4 RELAÇÃO DE CARTAS ELETRÔNICAS PART 4 LIST OF ELECTRONIC NAUTICAL CHARTS

PARTE 4 RELAÇÃO DE CARTAS ELETRÔNICAS PART 4 LIST OF ELECTRONIC NAUTICAL CHARTS PARTE 4 RELAÇÃO DE CARTAS ELETRÔNICAS PART 4 LIST OF ELECTRONIC NAUTICAL CHARTS Original 4 2 CATÁLOGO DE CARTAS E PUBLICAÇÕES Encontram-se disponíveis para aquisição junto ao Centro Internacional de Cartas

Leia mais

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA

INCLUSO NA TABELA ACIMA O VALOR DO MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC ÓRGAO SIAFI: 31 de agosto de EMPENHADO 2007 A 2011 DOTAÇÃO EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DE DESPESA RESTOS A PAGAR ATUAL EMP % LIQ % INSCRITOS A B C C/B

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007 Logística Maritima Brasileira Nelson Carlini Setembro 2007 Agenda 1. Evolução do volume de Contêineres no Brasil. 2. Aspectos Operacionais. 3. Custos para o Armador e para a Carga. 4. Intermodalidade.

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Competitividade Portuária Rogério Menescal

Competitividade Portuária Rogério Menescal Competitividade Portuária Rogério Menescal ANTAQ RAM 1 1 Introdução 2 Importância dos portos na economia brasileira 3 Estatísticas do Setor Portuário/Aquaviário 4 Planejamento Multimodal Integrado 5 Comentários

Leia mais

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36 UF Estado Capital DDD SP São Paulo São Paulo 11 RJ Rio de Janeiro Rio de Janeiro 21 ES Espírito Santo Vitória 27 MG Minas Gerais Belo Horizonte 31 PR Paraná Curitiba 41 SC Santa Catarina Florianópolis

Leia mais

O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL)

O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL) O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL) Gustavo Eccard Especialista em Regulaçao Gerência de Meio Ambiente

Leia mais

Portos 2021. Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil

Portos 2021. Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 1 Agenda Portos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS

REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS Aquarela: PAULO MARTORELLI Brasília - DF Novembro 2013 Regulamentação da Segurança Portuária CONTEXTO PASSOS PERCORRIDOS PRÓXIMOS PASSOS PREVISTOS

Leia mais

Relação das VISAS Municipais (capitais)

Relação das VISAS Municipais (capitais) ACRE AC Edson Carneiro da Costa Filho Diretor AV. CEARÁ, 3188 - BAIRRO ABRÃO ALABI ABRÃO ALABI Rio Branco AC 69907-000 (68) 3226-2113 (68) 3213-2113 devisa@riobranco.ac.gov.br ALAGOAS - AL Ednaldo Balbino

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura

Leia mais