A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL"

Transcrição

1 A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL Fernando Cunha Diretor de Operações e Logística Petrobras Distribuidora Agosto de 2003

2 INTRODUÇÃO A BR no Mercado de Distribuição Dados Gerais (2002) Cerca de funcionários próprios; Faturamento Bruto de R$ 23 bilhões Lucro (EBITDA) de R$ 641 milhões; Participação de 32,9% do mercado nacional de distribuição de combustíveis; Vendas de 27,1 milhões de m 3 ;

3 INTRODUÇÃO A BR e o Mercado Interno de Álcool Mercado de Álcool (ANP): m 3 /mês (Álcool Anidro) m 3 /mês (Álcool Hidratado) Mercado de Álcool (DATAGRO): m 3 /mês (Álcool Anidro) m 3 /mês (Álcool Hidratado) Participação da BR (ANP) Álcool Anidro: 22,6%; Álcool Hidratado: 18,8%; Cerca de 320 Unidades Produtoras;

4 INTRODUÇÃO A BR e o Mercado Interno de Álcool Infra-Estrutura Logística da BR Distribuidora: 51 Bases de Distribuição Próprias; 9 Bases de Distribuição em Pool; 11 Armazenagens em Bases de Terceiros; 8 Centros Coletores de Álcool; Terminal Ferroviário de Paulínia; Mais de postos de serviço;

5 INFRA-ESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO Centros Coletores Bases de Distribuição Malha Ferroviária Terminais Portuários Principais Mercados de Álcool

6 INFRA-ESTRUTURA- REGIÃO CENTRO-SUL

7 INFRA-ESTRUTURA- REGIÃO NORTE-NORDESTE Aracaju

8 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO A LOGÍSTICA ATUAL DAS DISTRIBUIDORAS - MERCADO INTERNO DE ÁLCOOL ALTERNATIVAS MAIS UTILIZADAS

9 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO 1 - Diretamente através das Bases de Distribuição (70% dos casos) T.R.R. Coleta Entrega DESTILARIA BASE DE DISTRIBUIÇÃO MERCADO REVENDEDOR

10 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO 2 - Por Transferência Ferroviária (Região Sul e Região Central) Ex.: Ourinhos-SP Canoas-RS Ijuí-RS T.R.R. Coleta CENTRO COLETOR/BASE Transferência Ferroviária Transferência Ferroviária DESTILARIA Coleta BASE DE DISTRIBUIÇÃO Entrega BASE DE DISTRIBUIÇÃO Entrega MERCADO REVENDEDOR

11 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO 3 -Por Transferência Multimodal (Ferrovia e Oleoduto) Ex.: Grande São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina T.R.R. Coleta CENTRO COLETOR/BASE Transferência Ferroviária DESTILARIA Coleta BASE DE DISTRIBUIÇÃO Oleoduto Entrega MERCADO REVENDEDOR BASE DE DISTRIBUIÇÃO

12 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO 4- Por Transferência Fluvial (Região Norte) T.R.R. Coleta Transferência Fluvial DESTILARIA (MT) BASE DE DISTRIBUIÇÃO (Porto Velho) BASE DE DISTRIBUIÇÃO (Manaus) Entrega ou Fluvial MERCADO REVENDEDOR

13 ALTERNATIVAS DE DISTRIBUIÇÃO Planejamento da Logística de Suprimento e Distribuição do Álcool A definição da alternativa de distribuição mais interessante está relacionada à obtenção do menor custo total de suprimento do cliente final; Uso intensivo da Tecnologia de Informação (Sistemas de Apoio à Tomada de Decisão); Sistemas utilizados: LogÁlcool: Otimiza o suprimento de álcool às bases de distribuição, em função do preço de aquisição e dos custos de transporte; LogDis: Define a área de influência ótima de cada base de distribuição (postos de serviço e clientes consumidores que cada base de distribuição deve atender).

14 INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL

15 INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO INFRA-ESTRUTURA DE EXPORTAÇÃO 8 centros coletores, interligados à malha ferroviária; Os centros coletores são instalações localizadas próximo às usinas produtoras, recebendo o álcool pelo modal rodoviário e expedindo-o pelo modal ferroviário, de menor custo. Através da malha ferroviária, podem atingir os portos de Paranaguá e Santos; Possuem capacidade total de armazenamento de m 3 ; Terminal ferroviário de Paulínia, interligado à malha dutoviária; Pode receber álcool diretamente das usinas (por rodovia) ou dos centros coletores (por ferrovia); Capaz de enviar o álcool ao porto do Rio de Janeiro, através do sistema dutoviário da Transpetro.

16 INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO BRASÍLIA ALTO TAQUARI STD. ADÉLIA LONDRINA BAURU OURINHOS SERTÃOZINHO ARARAQUARA PAULÍNIA DUQUE DE CAXIAS SANTOS/SÃO SEBASTIÃO PARANAGUÁ LEGENDA: REGIÕES PRODUTORAS DE ÁLCOOL CENTRO COLETOR PORTO BASE DE DISTRIBUIÇÃO FERROVIA DUTOVIA

17 CONCLUSÃO Investimentos Necessários em Infra-estrutura Ampliação da tancagem e melhoria no sistema de descarga e expedição nos Centros Coletores; Malha e desvios ferroviários bem como tração e vagões; Facilidades portuárias principalmente nos portos de maior calado (São Sebastião e Rio de Janeiro) tancagem, linhas de recebimento e expedição; Dutos, estações de bombeamento e tancagem intermediária desde as regiões de produção até os terminais aquaviários; Sistema de movimentação exclusiva para álcool (alcoolduto) aproveitando as áreas de servidão dos polidutos de derivados de petróleo.

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Biocombustíveis no Brasil: Comercialização e Logística

Biocombustíveis no Brasil: Comercialização e Logística Biocombustíveis no Brasil comercialização e logística Ildo Sauer 1 Os combustíveis verdes já chegaram. E, com eles, toda uma nova dinâmica de comercialização e logística precisou ser estabelecida e colocada

Leia mais

3. O Sistema Petrobras

3. O Sistema Petrobras 3. O Sistema Petrobras O Sistema Petrobras possui 56 bases de distribuição por todo o país, que são responsáveis por fornecer produtos para as distribuidoras, para que estas possam entregá-los no mercado.

Leia mais

Suprimento de Combustíveis Base de Macapá. Brasília-DF 07.11.12

Suprimento de Combustíveis Base de Macapá. Brasília-DF 07.11.12 Suprimento de Combustíveis Base de Macapá Brasília-DF 07.11.12 Informações sobre a Base de Macapá Inaugurada em 1968, a base de distribuição de combustíveis de Macapá é responsável pelo suprimento de todo

Leia mais

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS ANP - Regulação no setor de combustíveis Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento Abril de 2013 O que é a ANP A Agência Nacional

Leia mais

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento EBDQUIM 2014 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento 19 de Março de 2014 Atividades da ANP Números do Setor de Petróleo

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

Visão geral das operações

Visão geral das operações Visão geral das operações Visão geral das operações Ipiranga O forte posicionamento no mercado e a sua agilidade comercial permitiram à Ipiranga se beneficiar do bom desempenho do setor automobilístico

Leia mais

Investimento e Logística da ALE: Do RN para o Brasil

Investimento e Logística da ALE: Do RN para o Brasil Investimento e Logística da ALE: Do RN para o Brasil Outubro 2013 ALE Abrangência 4ª maior distribuidora de combustíveis do país; Rede de 1900 postos, sendo 95 no RN; Mais de 5.500 clientes ativos; 4 escritórios

Leia mais

Análise do escoamento da produção de etanol na microrregião de Dourados-MS: Comparando os modais rodoviário e ferroviário

Análise do escoamento da produção de etanol na microrregião de Dourados-MS: Comparando os modais rodoviário e ferroviário Análise do escoamento da produção de etanol na microrregião de Dourados-MS: Comparando os modais rodoviário e ferroviário Rafael Henrique Barros da Silva rafaelhenrique.bs@gmail.com UFGD Vanessa de Souza

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados Carlos Valois Maciel Braga Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS

DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS DUTOS E TERMINAIS PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS Diretor de Dutos e Terminais Faustino Vertamatti DUTOS E TERMINAIS Produtos Movimentados: Petróleo, Derivados de Petróleo, Álcool,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

Rodoviário. O Modal. Logística. Brasil é um país voltado para

Rodoviário. O Modal. Logística. Brasil é um país voltado para O Modal Rodoviário Logística por José Luiz Portela Gómez O Brasil é um país voltado para o uso do modal rodoviário. Esse fato se deve às poucas restrições para a operação do crescimento da indústria automobilística

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias

4: Mapa da infra-estrutura de distribuição de combustíveis (ex-estradas). Fonte s : ANP, Transpetro e Ferrovias Gargalos logísticos na distribuição de combustíveis brasileira Renata Figueiredo Os resultados que serão apresentados neste artigo são fruto de um extenso estudo realizado pelo Centro de Estudos em Logística

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura. Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar

Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura. Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar Comércio Internacional Consumo Mundial Produção Mundial Açúcar: demanda mundial em crescimento...

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol

Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol Rafael Cezar Menezes, Líder de Compras de Etanol / Petrobras Thiago de Siqueira Rodrigues, Líder de Projetos TI / Petrobras Maithê

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Logística para o etanol: situação atual e desafios futuros

Logística para o etanol: situação atual e desafios futuros Sucroenergético BNDES Setorial 31, p. 49-98 Logística para o etanol: situação atual e desafios futuros Artur Yabe Milanez Diego Nyko Jorge Luiz Faria Garcia Carlos Eduardo Osório Xavier * Resumo As vantagens

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Ferrovias e o Impacto na Gestão de Transporte de Cargas. Adriana Silva Jéssica Alves PEU/POLI/UFRJ

Ferrovias e o Impacto na Gestão de Transporte de Cargas. Adriana Silva Jéssica Alves PEU/POLI/UFRJ Ferrovias e o Impacto na Gestão de Transporte de Cargas Adriana Silva Jéssica Alves PEU/POLI/UFRJ INTRODUÇÃO O cenário econômico atual incita a criação de novas alternativas para a gestão integrada da

Leia mais

Determinação do Custo Logístico de Distribuição para a construção e manutenção de Estoques Estratégicos no Brasil

Determinação do Custo Logístico de Distribuição para a construção e manutenção de Estoques Estratégicos no Brasil 5.0 Determinação do Custo Logístico de Distribuição para a construção e manutenção de Estoques Estratégicos no Brasil Neste capítulo será apresentada toda a estrutura para constituição dos estoques estratégicos,

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS Conheça o que é o projeto da Plataforma Logística Multimodal de Anápolis, investimentos e os benefícios que trará para a economia goiana. O que vai funcionar

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Fórum Nacional de Secretários rios de Estado para Assuntos de Energia Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Alisio Vaz Vice-Presidente Executivo Rio de Janeiro 29 de outubro de 2009 SINDICOM

Leia mais

Transportes de Carga no Brasil - 2

Transportes de Carga no Brasil - 2 Transportes de Carga no Brasil - 2 SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Transportes Ferroviário Hidroviário Aéreo Dutoviário a. Situação; b. Histórico; c. Vantagens X Desvantagens; d. Malha; e. Frota; f.

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 INFRA- ESTRUTURA PARA E&P NO ESTADO DA BAHIA Rio de Janeiro, 18 de março de 2004 ÍNDICE 1 HISTÓRICO 2 BAHIA EM NÚMEROS 3 INCENTIVOS 4 MERCADO 5 INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Comercialização e Movimentação de Gás Natural

Comercialização e Movimentação de Gás Natural Comercialização e Movimentação de Gás Natural Regulamentos Básicos Felipe Dias Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177,

Leia mais

3. Transporte Dutoviário

3. Transporte Dutoviário 37 3. Transporte Dutoviário Neste capítulo será apresentado o transporte dutoviário brasileiro, suas características e participação na Matriz de Transporte de carga no Brasil. Será abordada a história

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO FORTALEZA 01-08-2013 1 LEI DO PETRÓLEO LEI Nº 9.478

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro. Palestrante: Jediael Pinto Jr.

Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro. Palestrante: Jediael Pinto Jr. Aplicação da solução Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro Palestrante: Jediael Pinto Jr. TRANSPETRO VISÃO GERAL Petrobras Transporte S.A. - TRANSPETRO Presente em quase todos os estados

Leia mais

Determinação do Potencial de Transporte em Corredores Logísticos: Aplicação na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar

Determinação do Potencial de Transporte em Corredores Logísticos: Aplicação na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar Determinação do Potencial de Transporte em Corredores Logísticos: Aplicação na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar Vinicius M. Magalhães Centro de Estudos em Logística, Infraestrutura e Gestão (CELIG) do

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel -

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel - Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil - Desafios do mercado de diesel - Nos últimos anos, os limites de poluentes tem sofrido redução através da legislação de emissões Evolução dos padrões

Leia mais

CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO. Introdução

CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO. Introdução CAPITULO 5 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Introdução O transporte de carga é um importante alicerce da economia de um país e um setor determinante para as exportações, as quais causam importante impacto na produção

Leia mais

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Eduardo Tinoco Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177, Inciso III: a importação

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Objetivo 0057 Implantar sistemas coordenados de exploração, produção e processamento de petróleo e gás natural, em terra e mar, com conteúdo local, bem como de transporte

Leia mais

LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL. André J. Lepsch TRANSPETRO

LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL. André J. Lepsch TRANSPETRO LOGÍSTICA PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL COMBUSTÍVEL André J. Lepsch TRANSPETRO Quem é a Petrobras Transporte TRANSPETRO? TRANSPETRO é uma Subsidiária da PETROBRAS, foi criada oficialmente em 30/06/98 por determinação

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Uma análise dos conceitos de Crossdocking e componentes de desempenho logísticos em uma empresa da indústria do petróleo

Uma análise dos conceitos de Crossdocking e componentes de desempenho logísticos em uma empresa da indústria do petróleo Uma análise dos conceitos de Crossdocking e componentes de desempenho logísticos em uma empresa da indústria do petróleo Izamara Cristina Palheta Dias (izamarai@hotmail.com / UEPA) Marcelo Carneiro Gonçalves

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

5.662. postos de serviços. A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados.

5.662. postos de serviços. A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados. ipiranga 35 A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados. 5.662 postos de serviços Este crescimento é fruto dos benefícios da expansão do mercado de combustíveis, dos investimentos

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

Fábrica de. Imperatriz

Fábrica de. Imperatriz Fábrica de Industrial Por que Maranhão? Logística Florestal Fábrica de Por que Maranhão? COMPETITIVIDADE FLORESTAL Nova Fronteira para produção de celulose PA MA PI TO BA FLORESTAL 25 anos de pesquisa

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 TRANSPORTE DUTOVIÁRIO Módulo 6 DISTRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES DUTOVIÁRIOS TRANSPORTE

Leia mais

Solução em Geotecnologia para a área de Transportes e Logística.

Solução em Geotecnologia para a área de Transportes e Logística. Solução em Geotecnologia para a área de Transportes e Logística. Antônio VENICIUS dos Santos venicius@labtrans.ufsc.br skype: avenicius msn: avenicius@hotmail.com Setor de Tecnologia da Informação e GeoTecnologia

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Seminário Estadual Álcool, Leite e Cachaça Produção Integrada e Sustentável Belo Horizonte, 29 de novembro de 2011 Crescimento Consumo Aparente Combustíveis

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Terminal de contêiner é bom negócio? São Paulo 25 de Maio de 2009 José Eduardo Bechara Diretor Comercial e Marketing E Grupo Libra Nossa atuação em Contêineres

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

A Dimensão Estratégica da Logística e Supply Chain Management

A Dimensão Estratégica da Logística e Supply Chain Management A Dimensão Estratégica da Logística e Supply Chain Management Como a logística contribui para o sucesso das empresas Prof. Jamil Moysés Filho jamil.moyses@fgv.br Algumas Macrovariáveis Mundiais Econômicas

Leia mais

Os serviços de impressão na Petrobras Distribuidora: conjugando ganhos ecológicos com diminuição de custos

Os serviços de impressão na Petrobras Distribuidora: conjugando ganhos ecológicos com diminuição de custos Os serviços de impressão na Petrobras Distribuidora: conjugando ganhos ecológicos com diminuição de custos Paulo Abreu Petrobras Distribuidora S.A. Gerência de Tecnologia da Informação pauloabreu@petrobras.com.br

Leia mais

NOVO DESENHO LOGÍSTICO PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL: UMA VISÃO DE LONGO PRAZO

NOVO DESENHO LOGÍSTICO PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL: UMA VISÃO DE LONGO PRAZO NOVO DESENHO LOGÍSTICO PARA EXPORTAÇÃO DE ETANOL: UMA VISÃO DE LONGO PRAZO MIRNA IVONNE GAYA SCANDIFFIO 1 mirna@fem.unicamp.br MANOEL REGIS LIMA VERDE LEAL 2 regislv@energiabr.org.br Resumo A produção

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades APIMEC-RIO Seminário sobre Logística e Infraestrutura 30 de maio de 2012 Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades Carlos Felipe Guimarães

Leia mais

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 Faturamento do e-commerce no Brasil Vitória está entre

Leia mais