Janeiro PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Janeiro 2016. PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil"

Transcrição

1 Janeiro 2016 PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil

2 Estrutura Societária 74,3% 6,7% Outros Minoritários 19% FERROPORT PORTO DO AÇU GNA AÇU PETROLEO T-MULT BP-PRUMO 100% 100% 100% 50% 20% 50% 2

3 Porto do Açu Características: Cobrindo uma área de 90 km² e localizado estrategicamente no norte do estado do Rio de Janeiro, o Porto do Açu está a aproximadamente 123 km da Bacia de Campos, onde quase 80% do petróleo brasileiro é produzido. Com 17 km de cais e até 24m de profundidade, o porto poderá receber até 47 embarcações simultaneamente, incluindo navios de grande porte. Em operação desde outubro de 2014, o empreendimento é formado pelos terminais T1 - offshore e pelo T2 - onshore. Poderá movimentar carga de projetos, contêineres, rochas, bauxita, grãos agrícolas, granéis líquidos e sólidos, carga geral e petróleo. O Porto desenvolve hoje 5 unidades de negócios: Ferroport T-OIL T-LEASE T-MULT BP-PRUMO Terminal de Minério de Ferro Terminal de transbordo de petróleo e serviços Retroárea de 90Km2 Terminal Multicarga Terminal de combustíveis marítimos Joint Venture entre a Prumo (50%) e Anglo American (50%). 25 anos de contrato de take-or-pay (26.5 MM de toneladas por USD /ton) Focado na operação de minério de ferro. Focado na operação de óleo e derivados Localizado estrategicamente perto das principais áreas de produção de petróleo, e especialmente da Bacia de Campos Focado no aluguel de áreas com alto valor industrial 48 km 2 de área disponível Infraestrutura completa para attender asnecessidades da indústria Focado na movimentação de cargas gerais e granéis sólidos Fácil acesso rodoviário e proximidade às principais áreas metropolitanas (Minas Gerais, Espirito Santo e Rio de Janeiro) Joint Venture entre Prumo (50%) e BP(50%) Focado na comercialização de combustíveis marítimos Operacional Operação estimada para 3T2016 Operacional Operacional Fonte: Company Fillings Operação estimada para 1T2016 3

4 Porto do Açu ACESSO. Nenhuma restrição de acesso. Localização marítima estratégica para Região Sudeste e O&G. Integração com dois complexos de terminais portuários (T1 e T2). Vias de acesso projetadas para atender demandas industriais Típico Porto Brasileiro ACESSO. Restrição de acessos terrestres. Muito próximo das cidades. Falta de integração com terminais portuários. Precário acesso a rodovias BERÇOS e RETROÁREA. Berços e equipamentos com alta tecnologia instalada. Capacidade para receber navios de grande porte. Profundidade de até 24m. Retroárea de mais de m². Modelo operacional de baixo custo BERÇOS e RETROÁREA. Berços pequenos e pouco especializados. Retroárea limitada pela cidade. Restrição de calado. Falta de máquinas especializadas. Alto custo operacional 4

5 Porto Modelo Com investimento 100% privado, o Porto do Açu contribui para a concretização da política nacional de portos e o desenvolvimento do país. Nova lei dos PORTOS Investimento 100% privado Obtenção de 25 licenças ambientais 90km² complexo industrial Dragagem 100% privada Acesso pelas Principais rodovias brasileiras Duas Ferrovias previstas no PIL 17km de cais 5

6 O Porto do Açu é um exemplo de união de forças Público - Privado Governo. TUP Terminais de uso Privado. DUP Decreto de utilização pública > Desapropriação para instalação de complexo industrial no Porto do Açu > 70 km² > 476 ações judiciais + Iniciativa Privada. 11,2 bilhões em investimentos. Comercialização. Gestão de Obras > Cronograma > Contratações > Orçamento. 25 licenças ambientais. Financiamento > R$ 2,3 bilhões BNDES > R$ 750 milhões FI-FGTS 6

7 Investimentos no Porto R$50 milhões R$5,5 bilhões R$400 milhões R$11,2B Total investido R$3,3 bilhões R$650 milhões R$950 milhões R$360 milhões 7

8 Engenharia e Infraestrutura Foram aplicados os mais modernos e inovadores métodos de engenharia na construção do Porto 01 Para a construção do quebra-mar dos terminais do Porto do Açu, a Prumo utilizou 89 grandes blocos de concreto, construídos pelos 3 maiores diques flutuantes do mundo. 02 Os blocos são assentados de forma alinhada no fundo do mar sob um leito de pedras previamente lançadas e preenchidos com água e areia formando o quebra-mar. 03 Esta tecnologia possibilita que o quebra-mar também seja utilizado como píer, além de reduzir a quantidade de pedra utilizada no empreendimento 8

9 Dragagem do canal no terminal Onshore Agosto 2011 Janeiro

10 Resolvendo Problemas O Porto do Açu é a melhor solução de infraestrutura e energia para o país O mais próximo dos campos mais produtivos do sistema: CAMPOS DISTÂNCIA Açu DISTÂNCIA Macaé Porto do Açu Bacia de Campos BACIA DE CAMPOS DISTÂNCIA MÉDIA TEMPO MÉDIO

11 Resolvendo Problemas 01 Redução de custos na exploração e produção de petróleo Maior base de apoio do mundo, no porto mais próximo da Bacia de Campos 6 berços contratados pela Petrobras e 9 em negociação com empresas internacionais (Porto de Macaé possui seis berços) 02 Aumento de segurança e competitividade do pré-sal Transbordo de petróleo abrigado reduz o frete de exportação em até 60%, com muito mais segurança Única opção com atracação na costa brasileira 03 Aumento da produção de energia e escoamento eficiente do gás natural Instalação, no curto prazo, de três termelétricas a gás natural, gerando 3,3 GW (licenciado) Consumo de 15 milhões de m³/dia de gás associado da Bacia de Campos, com redução no custo da produção de energia 04 Solução de gargalos de infraestrutura para indústria de petróleo Única opção de porto com profundidade mínima de 10m para instalação de indústrias no Sudeste Estaleiro de reparo naval nacionalizando uma série de serviços 05 Nova opção para a logística nacional Capacidade para receber os maiores navios de conteiner do mundo Acesso terrestre sendo desenvolvido nos conceitos mais atuais e eficientes 06 Moderno complexo Porto-Indústria Conceito chinês de integração com grande aumento de produtividade 90 km² de retroárea Heliporto no porto mais próximo da Bacia de Campos 11

12 Sustentabilidade Um dos desafios da Prumo é investir nas áreas em que atua, valorizando a cultura local, patrocinando projetos de desenvolvimento agrícola e capacitando profissionais e empresas. 49 famílias reassentadas na Vila da Terra 7.500% aumento da arrecadação da ISS de S. João da Barra trabalhadores na construção do Porto, sendo 54% moradores da região 70% menos acidentes que o índice médio da indústria 12

13 Sustentabilidade Investimentos Socioambientais já realizados Investimento em Conservação da Biodiversidade R$ ,00 Infraestrutura Urbana do Município R$ ,19 Investimento na Pesca Artesanal R$ ,03 Apoio à Administração Pública R$ ,30 Agricultura Familiar R$ ,00 Saúde Pública R$ ,00 Segurança Pública R$ ,00 Realocação de Comunidades Rurais R$ ,53 Valorização da Cultura Local R$ ,60 Investimento em Diagnóstico Socioeconômico R$ ,00 PBA Gestão de Impactos Sociais R$ ,29 TOTAL ,94 13

14 Sustentabilidade ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL (IDHM) São João da Barra IDHM 0,484 0,548 0,671 IDH Renda 0,565 0,609 0,686 IDH Longevidade 0,715 0,737 0,800 IDH Educação 0,281 0,367 0,551 14

15 Sustentabilidade RPPN Fazenda Caruara 4 mil Hectares de área protegida R$ 1,5 milhão Repasse de ICMS ecológico em mil Mudas produzidas 245 Espécies de fauna catalogadas Prêmio Firjan Ação Ambiental Selo Verde Instituto Chico Mendes Benchmarking Brasil Prêmio 15

16 16

17 Terminal Offshore 1. Correia transportadora 2. Carregador de navios 3. Espaldão 26,5 milhões De toneladas de minério/ano 1,2 milhão Barrís de petróleo/dia 17

18 Terminal de minério de ferro 18

19 Operação de minério de ferro 19

20 Iron Ore Terminal 20

21 Iron Ore Terminal 21

22 Terminal Onshore 1. Wärtsilä 13 km cais 6,5 km extensão 300m largura Até 14,5m profundidade 2. Technip, NOV and Intermoor 3. Edison Chouest/Petrobras 22

23 NOV BP Prumo Operation 23

24 T-MULT Terminal Multicargas 24

25 T-MULT Terminal Multicargas 25

26 Segunda Operação de Bauxita R$50 milhões R$5,5 bilhões R$400 milhões R$3,3 bilhões Primeira Operação de Bauxita R$650 milhões R$950 milhões R$360 milhões 26 26

27 Terceira Operação de Bauxita 27

28 Subestação 28

29 29

30 Cais dos Clientes Technip e NOV 30

31 Base de Apoio Offshore Edison Chouest 31

32 Wartsila 32

33 O PORTO DO AÇU JÁ ESTÁ EM OPERAÇÃO E CONTA COM UMA AMPLA BASE DE CLIENTES. 33

34 Principais marcos Outubro de 2014 Primeira operação de minério de ferro no Terminal Offshore Junho de 2015 Conclusão das obras de infraestrutura do Terminal Onshore Início de 2016 Início da operação da Edison Chouest Início da operação da unidade da BP Prumo 2017 Aumento da profundidade do Terminal Offshore Novembro de 2014 Primeira operação comercial no Terminal Onshore Setembro de 2015 Início da operação do T- MULT, primeiro carregamento de Bauxita Agosto 2016 Primeira operação de transbordo de Petróleo 34

35 Carta Náutica R$70 milhões R$5,1 bilhões R$3,0 bilhões R$650 milhões R$950 milhões R$600 milhões 35

36 36

37

Reunião Pública Prumo. 25 de Novembro de 2015

Reunião Pública Prumo. 25 de Novembro de 2015 Reunião Pública Prumo 25 de Novembro de 2015 Estrutura Societária 74,3% 6,7% Outros Minoritários 19% FERROPORT PORTO DO AÇU GNA AÇU PETROLEO BP-PRUMO 100% 100% 50% 20% 50% 2 Porto do Açu Características:

Leia mais

SUPERPORTO DO AÇU. Rio de Janeiro Junho de 2013

SUPERPORTO DO AÇU. Rio de Janeiro Junho de 2013 SUPERPORTO DO AÇU Rio de Janeiro Junho de 2013 SUPERPORTO DO AÇU X PORTOS BRASILEIROS Típico Porto brasileiro: estrangulado pelo crescimento da cidade X Superporto do Açu: Complexo Industrial de 90Km²

Leia mais

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014 Apresentação Corporativa Dezembro 2014 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil Terminal Offshore (T1) 2 1 3.000m 2.600m 3 1. Correia transportadora 2. Carregador de navios 3. T-OIL Terminal Offshore (T1) 25.10.14 80

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2014

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2014 Relatório de Resultados DIVULGAÇÃO DE RESULTADO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 13 de Agosto de 2014 - A PRUMO LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ou PRUMO ) (Bovespa: PRML3), empresa privada brasileira

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo e Gás Natural

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo e Gás Natural SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo e Gás Natural Outubro 2015 Anúncios de investimentos no Estado Fonte: Decisão Rio

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 3T15

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 3T15 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 3T15 Rio de Janeiro, 11 de Novembro de 2015 - A PRUMO LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ou PRUMO ) (Bovespa: PRML3), empresa privada brasileira responsável pelo empreendimento do Porto

Leia mais

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes,

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, sociedade, profissionais, governos e investidores. O Mercado

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil BACIA DE CAMPOS AÇU (km) MACAÉ (km) DISTÂNCIA MÉDIA* 123 km 191 km TEMPO MÉDIO* 5,7h 8,5h * Usando como referência o centro de massa da Bacia

Leia mais

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

PORTO DE OPORTUNIDADES

PORTO DE OPORTUNIDADES PORTO DE OPORTUNIDADES A UNIÃO DA OPORTUNIDADE COM A EXPERIÊNCIA Porto do Açu em Números O Porto de Antuérpia em Números Área total de 130km² Cerca de 4 mil trabalhadores no porto 11 empresas operacionais

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO DE 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO DE 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADO DE 2015 Rio de Janeiro, 23 de Março de 2016 - A PRUMO LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ou PRUMO ) (Bovespa: PRML3), empresa privada brasileira responsável pelo desenvolvimento do Porto

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil Ports in Rio de Janeiro, São Paulo and Espírito Santo states normally handle more than 4 million TEU. Minas Gerais e Espírito Santo usually

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

Relatório de Resultados

Relatório de Resultados Relatório de Resultados LLX Relatório de Resultados do 2 Trimestre de 2012 Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2012 - A LLX LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ou LLX ) (Bovespa: LLXL3), empresa privada brasileira

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA UM NOVO MOMENTO DA INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA ENSEADA. A QUALIDADE, A PRODUTIVIDADE E A TECNOLOGIA DOS MELHORES ESTALEIROS DO MUNDO AGORA NO BRASIL Resultado da associação entre Odebrecht, OAS, UTC e Kawasaki,

Leia mais

Um superporto de águas profundas integrado ao maior e mais eficiente complexo industrial da América Latina. Conheça o Superporto do Açu.

Um superporto de águas profundas integrado ao maior e mais eficiente complexo industrial da América Latina. Conheça o Superporto do Açu. Um superporto de águas profundas integrado ao maior e mais eficiente complexo industrial da América Latina. Conheça o Superporto do Açu. A LLX, empresa de logística do Grupo EBX, nasceu para prover o país

Leia mais

Mineroduto - Porto do AçuA. Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado

Mineroduto - Porto do AçuA. Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado Mineroduto - Porto do AçuA Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado o município Em junho deste ano São João da Barra completou 333 anos de fundação. É uma longa história iniciada por pescadores

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Oportunidades e desafios de qualificação profissional III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Petrobras Plano de Negócios 2014-2018 Inovação e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Seminário A competitividade do comércio exterior capixaba: infraestrutura logística e controle aduaneiro Cristina Vellozo Santos Subsecretária de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Dalmo Marchetti Gerente Setorial do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, 09/11/2012 Associação

Leia mais

foram investidos pela LLX Minas-Rio e R$ 3 bilhaes pela Prumo. Segundo a LLX Minas-Rio, a capacidade de movimenta~ho anual atinge 26,s milh6es de

foram investidos pela LLX Minas-Rio e R$ 3 bilhaes pela Prumo. Segundo a LLX Minas-Rio, a capacidade de movimenta~ho anual atinge 26,s milh6es de Nos trcs prirneiros rneses de 2014 o Porto do Aqu obteve volume recorde de investirnentos, corn aportes de R$ 633 rnilhees, o rnaior rnontante de recursos registrado em um trirnestre desde que comegaram

Leia mais

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil SISTEMA MINAS-RIO Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil A ANGLO AMERICAN A história da Anglo American teve início em 1917 na África do Sul, onde as primeiras operações aconteceram. Desde então, a

Leia mais

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO

Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO Campos dos Goytacazes, 14 de Outubro de 2014 Engenharia Civil PROJETO MINAS-RIO: MINERODUTO AUTORES: THAYS CRISTINE CORRÊA CAMINHA ARIANA ANDRADE SANTOS GISELE

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

O Grupo Technip no Açu Aspectos Jurídicos. Odilon Castello Borges Neto Gerente Jurídico da Technip Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2015

O Grupo Technip no Açu Aspectos Jurídicos. Odilon Castello Borges Neto Gerente Jurídico da Technip Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2015 O Grupo Technip no Açu Aspectos Jurídicos Odilon Castello Borges Neto Gerente Jurídico da Technip Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2015 Sumário 1. O Grupo Technip 2. Contrato de Adesão com o Poder Concedente

Leia mais

CONSTRUINDO RELAÇÕES DURADOURAS 25 ANOS. Engesique Engenharia Construções e Montagens Ltda.

CONSTRUINDO RELAÇÕES DURADOURAS 25 ANOS. Engesique Engenharia Construções e Montagens Ltda. CONSTRUINDO RELAÇÕES DURADOURAS 25 ANOS Engesique Engenharia Construções e Montagens Ltda. O VALOR DAS RELAÇÕES Investir em um empreendimento vai muito além do valor monetário que é empregado em um projeto.

Leia mais

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Gerente de Relações Institucionais Marcio Mendonça Cruz Revitalização Revitalização da da indústria indústria

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

LLX - Resultados referentes ao 2º Trimestre de 2011

LLX - Resultados referentes ao 2º Trimestre de 2011 LLX - Resultados referentes ao 2º Trimestre de 2011 Autorização da ANP para construir Unidade de Tancagem e Tratamento de Petróleo (UTP) no Superporto do Açu - passo importante para se tornar um grande

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO PETRÓLEO E GÁS

ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO PETRÓLEO E GÁS ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO PETRÓLEO E GÁS A SEGURANÇA DE NOSSOS COLABORADORES E O CUIDADO COM AS COMUNIDADES E COM O MEIO AMBIENTE SÃO A NOSSA PRIORIDADE A Techint Engenharia e Construção está comprometida

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Exportação - US$ FOB 16% 84% Exportação - Toneladas 2% Marítimo 98% Outros PIB (US$ Bilhões) 4,59X Corrente de comércio

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Outubro de 2012 Agenda Missão e Visão Tipos de Inovação Financiáveis Áreas

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA

Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Manutenção da Ponte Tocantins Estrada de Ferro Carajás / Km 724 + 806 - Marabá / PA Introdução A Vale é a empresa que mais investe em logística no Brasil. Ao longo dos anos, temos trabalhado para aprimorar

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

O mercado imobiliário no Rio de Janeiro

O mercado imobiliário no Rio de Janeiro O mercado imobiliário no Rio de Janeiro Índice 1- Potencial do Setor Imobiliário População Demanda Financiamento e taxa de juros 2- Mercado do Rio de Janeiro Evolução do Setor Grandes Investimentos Programa

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP I WORSHOP SETORIAL DE AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP OUTUBRO / 2009 1 I..

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 2013

DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 2013 Relatório de Resultados DIVULGAÇÃO DE RESULTADO 2013 Rio de Janeiro, 26 de março de 2014 - A PRUMO LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ou PRUMO ) (Bovespa: LLXL3), empresa privada brasileira responsável pela implantação

Leia mais

Polo Produtivo 2 de Julho

Polo Produtivo 2 de Julho Polo Produtivo 2 de Julho Cadeia de Óleo & Gás offshore, onshore e Indústria Naval Recôncavo - Bahia Apoio: OBJETIVO Implantação de um complexo Industrial para atender a crescente demanda da Indústria

Leia mais

Investimentos RIO 2012.2014. Sumário executivo. Sumário executivo

Investimentos RIO 2012.2014. Sumário executivo. Sumário executivo Investimentos Decisão RIO 2012.2014 Sumário executivo Sumário executivo Rio de Janeiro: Localização privilegiada, logística estratégica O Rio de Janeiro avançou extraordinariamente na última década com

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Brasília, 27 de agosto de 2013 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração; Histórico de baixos investimentos em

Leia mais

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA.

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. 1 Disposições Iniciais...3 Normas gerais...4 Condições de Uso de Instalações de Acostagem...5 Da Operação Portuária...5 Do Manuseio

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás Área de Insumos Básicos Outubro de 2011 1 Agenda 1.OBNDESeaIndústriadeP&G 2.ACadeiadeFornecedoresdeP&G

Leia mais

Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil

Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil Ciclo de palestras Certificação Ambiental Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil Dr. Newton Narciso Pereira Centro de Inovação em Logística e Infraestrutura

Leia mais

AÇU PORT Infrastructure and energy solutions for Brazil

AÇU PORT Infrastructure and energy solutions for Brazil AÇU PORT Infrastructure and energy solutions for Brazil Ports in Rio de Janeiro, São Paulo and Espírito Santo states normally handle more than 4 million TEU. Minas Gerais e Espírito Santo usually require

Leia mais

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007 APIMEC SP Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores 8 de Agosto de 2007 1 Agenda A Log-In Logística Intermodal A Indústria Performance Estratégia 2 A Log-In Logística Intermodal 3 Único

Leia mais

Plano Diretor DPZ 1997-2020

Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano diretor de desenvolvimento do Porto de Fortaleza A alternativa de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Fortaleza, a seguir apresentada, busca obter o atendimento às

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

UVV POST Nº76 24 a 30/11 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

UVV POST Nº76 24 a 30/11 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional ESTALEIRO JURONG Alunos de Gestão Portuária participaram de visita técnica no Estaleiro Jurong No dia

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste MACUCO SÃO SEBASTIÃO DO ALTO FRIBURGO CACHOEIRAS DE MACACU SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS BARRA MANSA RIO CLARO BARRA DO PIRAÍ VALENÇA 5º Congresso Fluminense de

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS

DRAGAGEM POR RESULTADOS Seminário: Reforma Portuária para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES A = Calado B = Distância entre a quilha

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig

Leia mais

SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria.

SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria. SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria. Instituto SENAI de Inovação Química Verde e Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental. As soluções inovadoras agora têm endereço certo. O Instituto

Leia mais

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro?

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Nos últimos anos, o planejamento governamental, tendo como

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria tecnológica com a Kawasaki na sede da Odebrecht S.A.

Leia mais

Afirmações sobre o Futuro

Afirmações sobre o Futuro 1 2 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações materiais entre os resultados,

Leia mais

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento Márcio Félix Secretário de Estado de Desenvolvimento Vitória, 04 de outubro

Leia mais

Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais

Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais Seminário FIESP A competitividade industrial chinesa no século XXI Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais Prof. Moacir de Miranda Oliveira Junior mirandaoliveira@usp.br São Paulo, 04 de setembro

Leia mais

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 MArço 2014 Diálogo Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 ambiental Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam fev/2013 Inovação e

Leia mais

Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio

Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio Orgão: 36000 - Ministério da Saúde Unidade Responsável: 177127 - definido Momento do Programa: Objetivo Dotar a área administrativa

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI Os nós da infraestrutura OS CENÁRIOS CONSIDERADOS Patinando na infraestrutura deficitária Atingindo a velocidade de cruzeiro Para

Leia mais

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades APIMEC-RIO Seminário sobre Logística e Infraestrutura 30 de maio de 2012 Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades Carlos Felipe Guimarães

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

1.1. Contextualização do problema

1.1. Contextualização do problema 1 Introdução O setor de Petróleo & Gás apresentou nos últimos anos um crescimento vertiginoso no Brasil. Como consequência, o ambiente competitivo das empresas prestadoras de serviços deste segmento tem

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. Parcerias Público-Privadas

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. Parcerias Público-Privadas SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS Parcerias Público-Privadas Setembro 2015 Ambiência INDÚSTRIA NAVAL ESTAGNAÇÃO DA ECONOMIA DÉFICIT PRIMÁRIO INFLAÇÃO EM ALTA PN PETROBRAS

Leia mais

Lusofonia junta engenheiros em Lisboa

Lusofonia junta engenheiros em Lisboa Lusofonia junta engenheiros em Lisboa Pela mão da Ordem dos Engenheiros, o Centro Cultural de Belém foi palco da celebração da língua portuguesa no sector da engenharia. Com a internacionalização a representar,

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público nº 345 novembro 2014 Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público Odebrecht 70 anos: histórico e perspectivas em Óleo e Gás Foz Saneatins passa a se chamar Odebrecht Ambiental Saneatins

Leia mais

Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre

Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre Bairro Quartier é apresentado em Porto Alegre Primeiro bairro sustentável do Rio Grande do Sul tem projeto de Jaime Lerner Arquitetos Associados A Joal Teitelbaum Escritório de Engenharia e a Guapo Capital

Leia mais

Infraestrutura Logística Parte 1. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Infraestrutura Logística Parte 1. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Infraestrutura Logística Parte 1 Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Introdução Infraestrutura de Transporte no Brasil Cenário, ações e projetos

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011 PAINEL Navegação Marítima de Cabotagem A experiência do armador nacional como investidor em navios no Brasil Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro

Leia mais

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência Gleuza Jesué Nossa agenda 1 2 3 4 Pilares estratégicos e ações estruturantes Metodologia da gestão da licença para operar Case:

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA

Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA Logística da Vale Marcello Spinelli Diretor Comercial de Logística e Presidente da FCA Logística da Vale Pilares estratégicos Investimentos Sistema Logístico Vale A CVRD oferece serviços de logística integrada

Leia mais