Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do"

Transcrição

1

2 Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m) 1966 Declarado Porto Organizado criação da JAPI ª. destruição dos berços (enchente) 1990 Extinção da Portobrás / Administração passa à CODESP 1995 Convenio de descentralização criada a autarquia ADHOC ( Teu s) 1997 Convenio 008/97 Delegação por 25 anos 2000 Lei criada a Superintendencia do Porto de Itajai ( Teu s) 2001 Licitação do TECONVI ª. Destruição dos berços (enchente) ( Teu s) 2010 Entrega dos berços reconstruidos. ( Teu s) 2011 Inicio da dragagem para a cota de -14m

3 O Complexo Portuário do Itajaí está estrategicamente localizado em um dos principais entroncamentos rodoviários do Sul do Brasil, distante poucos quilômetros das rodovias BR-101 e BR-470. A posição geográfica o coloca no centro da Região Sul, (engloba, no raio de 600 quilômetros, as capitais de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo, além de importantes municípios desses quatro estados), que congrega 46 % do PIB nacional. Característica esta que transforma o Complexo em um centro concentrador e distribuidor de cargas, o que possibilita o atendimento dos mercados exportadores e importadores de quase todos os estados brasileiros.

4 O Complexo Portuário do Itajaí conta com uma bacia de evolução de 1,1 mil metros de extensão, 400 metros de largura, e profundidade de 10,5 metros. O canal interno do Complexo tem comprimento de 3,2 mil metros, largura de 120 metros e profundidade de 10,5 metros. O canal externo tem a extensão de 3,3 mil metros, largura de 120 metros e profundidade de 11,3 metros. Dragagem já contratada deve garantir, a partir de 2011, profundidade de 14 metros no canal de acesso interno e bacia de evolução, e 14,5 no canal de acesso externo. Além do Porto de Itajaí, formado pelo Porto Público e APM Terminals Itajaí, o Complexo ainda conta com a Portonave S/A Terminais Portuários de Navegantes, Terminal Portuário Braskarne, Trocadeiro Terminal Portuário, Poly Terminais S/A e Teporti Terminal Portuário Itajaí S/A.

5 O Complexo Portuário do Itajaí opera com uma rede completa de apoio logístico, formada pelos terminais portuários e retroportuários, portos secos, empresas de apoio logístico e outras prestadoras de serviço que garantem excelentes condições operacionais. Instalações: Capacidade estática total para armazenagem de carga congeladas para 160 toneladas ou 150 mil posições pallets; Capacidade total de armazenagem de contêineres cheios e vazios para 140 mil TEU; 9,6 mil tomadas para contêineres reefer; Área total de 465 mil metros quadrados para armazenagem coberta, divididos em 28 armazéns.

6 Praticagem: A utilização de práticos para a manobra de navios no Complexo Portuário do Itajaí é compulsória e o serviço é realizado pela empresa Itajaí e Navegantes Práticos e Serviços de Praticagem S/S LTDA. Contato pelo telefone e pelo VHF canais 16 e 14. Os práticos embarcam nos navios na posição: Lat S e Long W. Rebocadores: O serviço de rebocadores no complexo Portuário do Itajaí é prestado pelas empresas Tug Brasil Apoio Portuário S/A e Sulnorte Serviços Marítimos LTDA. Juntas dispõem de um total de quatro rebocadores (Abrolhos, com HP e 50 tons BP; Brigantia com HP e 50 tons BP; Callean com HP e 50 tons BP e Maraú com HP e 45 tons BP). Restrições a Navegação: Atualmente navios acima de 235 metros de comprimento somente podem manobrar à luz do dia. Tamanho máximo de navios que podem operar no Complexo Portuário: navios panamax de 282 metros de comprimento, estando em fase de testes operações com navios panamax de até 287 metros de comprimento. Correnteza e Maré: A correnteza do rio em geral oscila em torno de 0,5 nó. Avaliação média da maré gira em torno de 0,7 metro. Cartas Náuticas do Porto: DHN 1801 (brasileira) e BA 549 (Britânica). Fornecimento de Água para Navios: A água é fornecida por caminhões-pipa contratados de fornecedores privados. Fornecimento de combustível: Somente é possível fornecer óleo diesel marítimo com a utilização de caminhões. Reparos em navios: Existem oficinas que podem efetuar pequenos reparos em navios, mas não há estaleiros com capacidade para docagem.

7 Tendo na carga geral seu principal foco, hoje, o Complexo Portuário do Itajaí é o maior porto da Região Sul e o 2º do Brasil em termos de movimentação de contêineres, liderando o ranking entre os exportadores de congelados. O Complexo encerrou o ano de 2010 com uma movimentação de 957,13 mil TEU. O resultado representou um avanço de 61% em relação a Com relação ao número de escalas, em 2010 o Complexo rergistrou1,25 mil atracações, ante 1,02 mil atracações em Em análise segmentada da movimentação do ano, constata-se que as importações de contêineres cheios cresceram a uma taxa de 98,26% e que os desembarques de contêineres vazios tiveram um avanço de 14,63%. Já as exportações de contêineres cheios cresceram a uma taxa um pouco menor, de 50,23%, e os vazios exportados apresentaram crescimento de 117,38%.

8

9

10

11

12 Primeiro terminal brasileiro exclusivo para passageiros, alfandegado e fora da área portuária comercial, o Terminal de Cruzeiro Guilherme Assemburg está inserido no Centro Histórico de Itajaí e é dotado de infraestrutura necessária para receber navios de passageiros em rotas nacionais e internacionais. É composto por píer com 78 metros de comprimento e dolfins de amarração com distância de 250 metros entre eles, calado de 10 metros, além de salas para embarque e desembarque (check-in e check-out). O local ainda abriga instalações da Polícia Federal e Receita Federal, acessos isolados para serviços e também áreas de lazer destinadas à tripulação dos navios.

13 O Centro de Treinamento Portuário de Itajaí é uma instituição que se destina a promover o ensino, capacitação e profissionalização e tem o objetivo de promover e facilitar o acesso ao ensino profissionalizante e aperfeiçoamento das atividades portuárias. Foi criado pela Superintendência do Porto de Itajaí para garantir a atualização e capacitação permanente do trabalhador portuário, agentes marítimos, despachantes aduaneiros, transportadores, marítimos e demais trabalhadores ligados à atividade portuária.

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28 Alta eficiência na liberação de cargas Extensa e forte estrutura de apoio logístico Localização geográfica privilegiada Excelente força de trabalho

29 Integração Porto x Governo Municipal Forte participação e empenho da comunidade local no processo decisório do porto; Câmara do Porto da Associação Empresarial de Itajai ACII; Conselho de Autoridade Portuária CAP Universidade do Vale do Itajaí

30 Excelente relacionamento e diálogo constante entre os usuário do porto, terminais e autoridades intervenientes, materializado em reuniões mensais conjuntas com a Aduana, MAPA, ANVISA, Policia Federal, Marinha Mercante, Banco do Brasil, etc.

31

32 AMEAÇAS: Aumento do tamanho dos navios; Alto custo da dragagem de manutenção; Restrição de área para expansão do cais acostável; Alto custo para expansão da retro área no porto de Itajai; Desenvolvimento e crescimento de portos e terminais na região sul.

33 OPORTUNIDADES: Crescimento do Brasil e seu comércio exterior; Solidez e tamanho da infra estrutura logística; Capacidade da estrutura atual dos terminais em absorver o crescimento do tráfego de containeres pelos próximos cinco anos, bastando investir em mais equipamentos; Localização estratégica da região; Excelência na prestação de serviços ao longo de toda cadeia logística; Comunidade focada no negócio.

34 Arrendamento da área publica do porto de Itajai e consolidação da Superintendência do Porto de Itajai em seu papel de Autoridade Portuária ; Arrendamento e construção da Marina do Saco da Fazenda; Construção da via Portuária em Itajai; Viabilização de uma nova bacia de evolução para atender os navios post panamax (300 metros de comprimento e boca de 45m); Construção do Centro Comercial Portuário e consolidação de Itajai como home port de navios de cruzeiro; Construção de um entroncamento multimodal na confluência da BR 101, BR 470 e as futuras ferrovias litorânea e leste x oeste; Investimento permanente em programas de qualidade em toda a cadeia logística; Investimento permanente em formação de pessoas para a área.

35

36 ANTIGO BRASÃO DE ITAJAÍ Ex Flumine Magnitudo Mea (do rio vem minha grandeza)

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Informações do Porto de Sepetiba

Informações do Porto de Sepetiba Sumário 1. Introdução... 03 2. História e Desenvolvimento do Porto... 03 3. Vista Paronâmica de Sepetiba... 04 4. Infra-Estrutura Portuária... 04 4.1. Localização... 04 4.2. Cartas de Navegação... 05 4.3.

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

. Conceituação da Região. . A Formação do Porto. . A Engenharia no Porto de Itajaí. . O Desenvolvimento Regional

. Conceituação da Região. . A Formação do Porto. . A Engenharia no Porto de Itajaí. . O Desenvolvimento Regional . Conceituação da Região. A Formação do Porto. A Engenharia no Porto de Itajaí. O Desenvolvimento Regional Estrategicamente localizado em um dos principais entroncamentos rodoviários do Sul do Brasil.

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista FIESP/CONSIC PORTO 24 HORAS Complexo portuário santista José Cândido Senna, Coordenador do Comitê de Usuários dos Portos e. Aeroportos do Estado de São Paulo - COMUS São Paulo, 16 de agosto de 2011 Participação

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG Panorama: Logística Portuária Bacharel em Comércio Exterior pela Unicenp (Curitiba/PR) Rodrigo FONSECA rodrigo.fonseca@tcp.com.br +55 41 3420.3334 +55 41

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando:

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando: A Gavea Logística é uma operadora logística que oferece soluções de logística Portuária, Marítima e Terrestre, em seus terminais localizados no Rio de, e. Com estrutura voltada para atendimento no mercado

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA O projeto de revitalização do Porto de Vitória é uma obra do Plano de Aceleração do Crescimento PAC e complementa os projetos de Ampliação do Cais Comercial,

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910,começou a implantação do Porto Novo,

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO 2007 MR13 LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO 16 de Agosto de 2007 Fabiano Bardauil

Leia mais

Projeto: Náutica, Portos, Infraestrutura e Logísticas. Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina

Projeto: Náutica, Portos, Infraestrutura e Logísticas. Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina Projeto: Náutica, Portos, Infraestrutura e Logísticas Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br O Projeto Tem como principais objetivos: Atrair empresas e investimentos

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS SUAPE Movimentação de Cargas Complexo Industrial Portuário Movimentação de Cargas TECON Suape Novo Terminal de Containers Localização Privilegiada

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS Conheça o que é o projeto da Plataforma Logística Multimodal de Anápolis, investimentos e os benefícios que trará para a economia goiana. O que vai funcionar

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

O TURISMO MARÍTIMO SOB A PERSPECTIVA DA ANTAQ. Giovanni Cavalcanti Paiva Ilhabela, 29 de março de 2010

O TURISMO MARÍTIMO SOB A PERSPECTIVA DA ANTAQ. Giovanni Cavalcanti Paiva Ilhabela, 29 de março de 2010 O TURISMO MARÍTIMO SOB A PERSPECTIVA DA ANTAQ Giovanni Cavalcanti Paiva Ilhabela, 29 de março de 2010 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ Terminal Privativo

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE JULHO/2011 Aprovado pelo Conselho de Autoridade Portuária do Porto do Rio Grande Av. Honório Bicalho, s/nº - CP 198 Rio Grande RS Brasil/CEP

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Terminal de contêiner é bom negócio? São Paulo 25 de Maio de 2009 José Eduardo Bechara Diretor Comercial e Marketing E Grupo Libra Nossa atuação em Contêineres

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ESPEDITO SALES e CLELIA MAROUELLI Especialista em Regulação A AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Criada

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 28 de agosto de 2013. 1 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA 1. Introdução 2. Modelo de Gestão dos Portos Portugueses 3. O Regime de Gestão Financeira dos Portos 4. Conclusão 2 1. Introdução

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

contexto estratégico, económico e empresarial

contexto estratégico, económico e empresarial A Marina de Albufeira Uma história de 10 anos A Marina e a cidade de Albufeira, uma relação de futuro 1997 2001 2020 A Marina de Albufeira - descrição Albufeira Algarve - Portugal 475 postos de amarração

Leia mais

Portos e Hidrovias. Extensão da costa brasileira: 7.400 Km. Extensão hidroviária 47.882 Km. Fonte: DNIT

Portos e Hidrovias. Extensão da costa brasileira: 7.400 Km. Extensão hidroviária 47.882 Km. Fonte: DNIT 1 Portos e Hidrovias Extensão da costa brasileira: 7.400 Km Extensão hidroviária 47.882 Km Fonte: DNIT 2 Ferrovias Extensão da malha ferroviária: 29.283 Km Fonte: DNIT 3 Rodovias Extensão da malha rodoviária:

Leia mais

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA.

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. Objecto Geral do projecto: Este projecto insere-se no âmbito do "Projecto Infra-estrutura" do MCA-CV (Millennium Challenge Account Cabo Verde) e tem

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

Terminais de uso privativo

Terminais de uso privativo Terminais de uso privativo Audiência Pública do Senado Federal, PLS nº 118/2009 Brasília, 23 de maio de 2012 Wilen Manteli Presidente da ABTP Porto da USIMINAS Lei nº 8.630/1993 (Modernização dos Portos)

Leia mais

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a ABTTC representa um grupo de empresas e profissionais

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL HISTÓRICO ESTADO DE SANTA CATARINA PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL A história do Porto de São Francisco do Sul teve inicio em dezembro de 1912, quando a Companhia Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02.

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02. NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SEREM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES E VOLUMES, EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO, NOS PORTOS ORGANIZADOS -

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Edson Dalto Departamento de Transporte e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura Brasília, 15/10/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br O que é o Projeto O Projeto pretende contribuir para promover a imagem de Santa Catarina como destino de investimentos

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

Portos 2021. Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil

Portos 2021. Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 1 Agenda Portos

Leia mais

NAVEGAR RUMO AO FUTURO

NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVALRIA HISTÓRIA DESDE 2008 2013 Os navios AmaVida e Queen Isabel são entregues em fevereiro, e batizados em março. As atrizes Sharon Stone e Andie MacDowell foram as madrinhas,

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística (PORTOS, FERROVIAS, RODOVIAS, FISCALIZAÇÃO E ÓRGÃOS FEDERAIS) UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF) A UNIÃO BRASILEIRA

Leia mais

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO)

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) A HISTÓRICO. O TUP do Estaleiro Brasa Ltda foi o primeiro Terminal de Uso Privado autorizado pela Secretaria de Portos da Presidência da Republica (SEP/PR) com a interveniência

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária. Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA

Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária. Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência Regional do Rio de Janeiro - SRRJ Coordenação de Meio Ambiente MERJ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística.

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística. Grupo CARGO Um jeito inteligente de fazer logística. Empresas do Grupo Cargo Iniciou suas atividades em 1.980 em Córdoba Argentina, prestando serviço no segmento de Transporte Nacional e Internacional.

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

6. Terminais Dedicados

6. Terminais Dedicados 6. Terminais Dedicados 6.1. Viáveis no caso brasileiro? Com base no que já foi exposto, cabe ainda outra discussão que cada vez mais está presente para armadores e operadores portuários. Existe real vantagem

Leia mais