CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)"

Transcrição

1

2 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON DE LIMA Diretor de Infraestrutura e Operações EQUIPE EXECUTORA ANDRÉ FEDERICI MENDES Coord. de Planejamento e Desenvolvimento ADRIANO FROSSARD RASSELI TNS Economista EDUARDO LYCURGO DE ARAÚJO SERRA TNS Administrador JOSÉ LUIZ DE REZENDE TINOCO TNS Administrador INFORMAÇÕES (27)

3 3 Sumário Considerações Gerais... 4 Síntese da Movimentação de Cargas... 5 Tabela 1 Atracações nos terminais públicos e arrendados Gráfico 1.1 Atracações de movimentação de cargas e de apoio portuário no período Gráfico 1.2 Atracações gerais no Porto de Vitória Tabela 2.0 Movimentação de cargas , por terminal... 9 Tabela Movimentação de cargas de carga , por natureza de carga Gráfico 2.1 Movimentação de cargas , por natureza de carga Tabela 3 Quadro comparativo da movimentação de cargas Gráfico 3 Movimentação de cargas nos terminais públicos e arrendados Tabela 4 Movimentação de contêineres no período , por terminal Gráfico 4.1 Movimentação geral de contêineres em Gráfico 4.2 Movimentação de contêineres em 2012, por terminal Tabela 5 Principais mercadorias movimentadas nos terminais públicos e arrendados no período , em toneladas Gráfico Principais Mercadorias - Maiores Altas (%) Gráfico Principais Mercadorias - Maiores Quedas (%)... 19

4 4 Considerações Gerais Em 2012 transitaram pelos portos brasileiros mil toneladas de carga bruta diversa, sendo mil t em importações e mil t em exportações e, pelos portos do ES, mil t e mil t, respectivamente. As principais mercadorias exportadas através dos portos do ES foram: minério de ferro 125,996 milhões t; celulose - 5,763 milhões t, produtos siderúrgicos 5,277 milhões t, soja e farelo de soja 3,125 milhões t, milho 2,106 milhões t, combustíveis e óleos minerais 908,22 mil t. As principais mercadorias importadas foram: carvão mineral - 10,447 milhões t, fertilizantes ,532 milhões t, combustíveis e óleos minerais 561,367 mil t, trigo, malte e cevada 498,172 mil t e automóveis 201,660 mil t. Os dados estatísticos do Porto Organizado de Vitória apresentados neste anuário refletem, exclusivamente, a movimentação de cargas nos cais públicos e arrendados, a saber: Cais Comercial de Vitória berços 101 a 104, Cais de Capuaba berços 201 e 202, Dolfins de Atalaia berço 207, Terminal Ilha do Príncipe (arrendado) berço 906, Terminal Paul/Codesa berço 905; Terminal de Vila Velha (arrendado) berços 203 e 204 e Terminal Portuário Peiú (arrendado) berço 206. Os dados estatísticos da Companhia Portuária Vila Velha-CPVV e dos Portos de Barra do Riacho e Praia Mole, apesar de operarem em área do Porto Organizado, encontram-se disponíveis para consulta no site da ANTAQ (ANTAQ /SIG - Sistema de Informações Gerenciais). Pelo Porto de Vitória transitaram mil toneladas de carga bruta (incluídas as Taras dos contêineres), sendo mil toneladas em importações e mil toneladas em exportações. Considerando a carga por peso líquido, foram movimentadas no total mil toneladas, sendo mil toneladas no desembarque e mil toneladas no embarque. As principais mercadorias exportadas pelo Porto de Vitória foram: rochas diversas 1.368,52 mil t, café em grãos 321,85 mil t, minério de cobre e seus concentrados 240,8 mil t, celulose e papéis diversos 126,662 mil t, café em grãos mil t e açúcar 112,963 mil t. As principais importações foram: fertilizantes 685,09 mil t, Gasolina, Óleo diesel, álcool e outros combustíveis 531,372 mil t, trigo, malte e cereais diversos 516,95 mil t, automóveis e suas partes e peças 230,887 mil t, soda cáustica 169,23 mil t, produtos químicos diversos 165,102 mil t, máquinas e equipamentos autopropulsores, suas partes e peças 159,912 mil t, alimentos diversos e bebidas 159,637 mil t e aparelhos, máquinas e equipamentos diversos 128,285 mil t.

5 5 Síntese da Movimentação de Cargas Ao longo de 2012 o Porto de Vitória movimentou toneladas líquidas de mercadorias diversas, das quais toneladas corresponderam à navegação de longo curso, sendo toneladas correspondentes ao desembarque e toneladas ao embarque, com variações de -16,34 % e de -31,67 %, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano anterior. Essa queda deve-se, em parte, à desaceleração do comércio internacional entre os principais parceiros comerciais brasileiros e da queda de preços das principais commodities, além das obras de dragagem e derrocagem e da ampliação dos berços 101 e 102 do cais comercial do Porto ao longo do ano. As operações portuárias de movimentação geral de cargas nos berços públicos e arrendados totalizaram atracações. Computadas as atracações da Companhia Portuária Vila Velha CPVV, foram embarcações que aportaram ao Porto de Vitória. A movimentação de carga geral (contêineres, carga solta, produtos siderúrgicos e automóveis) somou t (60,57% da movimentação total), sendo t no embarque e t no desembarque; os granéis sólidos somaram t (27,59%) t no embarque e t no desembarque e, os granéis líquidos totalizaram t (11,84%). A movimentação de contêineres foi de unidades, correspondentes a TEU s, sendo unidades desembarcadas ( TEU s) e embarcadas ( TEU s). Desses totais, unidades (30,33%) são contêineres vazios, sendo no desembarque de longo curso e no embarque de longo curso. Na cabotagem foram unidades. Foram importados automóveis, uma queda de 50% em relação ao ano anterior, quando transitaram pelo Porto unidades. Esse fato deve-se, em grande parte, às alterações na legislação tributária, as quais influenciaram o fluxo de comércio exterior do Espírito Santo.

6 6 Tabela 1 - QUANTITATIVO DE ATRACAÇÕES NOS TERMINAIS PÚBLICOS E ARRENDADOS E NO TERMINAL DA CPVV_ ATRACAÇÕES NO PORTO DE VITÓRIA - Janeiro a Março ATRACAÇÕES Apoio Portuário + Movimentação de Cargas Geral B E R Ç O S: Δ% D % B/A Δ% D % D/C (A) (B) (C) (D) Cais Comercial (Carga Geral) ,55% ,7% Cais Comercial (Carga Geral) ,2% ,4% Cais Comercial (Carga Geral) ,4% ,6% Cais Comercial (Carga Geral) ,7% ,7% Cais Comercial de Vitória ,5% ,8% Capuaba (Terminal de Cereais) ,9% ,5% Capuaba (Cereais/Carga Geral) ,1% ,6% Dolfins Paul (Carga Geral) ,8% ,8% Terminal de Capuaba ,6% ,0% TVV (Produtos diversos) ,7% ,6% TVV (Produtos diversos) ,3% ,5% TERMINAL DE VILA VELHA-TVV ,6% ,5% PEIÚ (Produtos Diversos) ,2% ,0% SÃO TORQUATO (Graneis Líquidos) ,7% ,0% PAUL / CODESA (FERRO GUSA) ,0% ,1% FLEXIBRÁS (Tubos Flexíveis) ,2% ,6% Total dos Berços Públicos e Arrendados ,4% ,1% CPVV ,2% ,9% TOTAL GERAL DO PORTO ,8% ,8% Fonte: Codesa online Data de Apuração: Elaboração: COPLAD

7 7

8 8

9 9 Tabela 2 - Movimentação de Cargas por Terminal ANO Embarque Embarque (toneladas) (t) Desembarque (toneladas) (t) CAIS Longo Curso (t) Cabotagem (t) Longo Curso (t) Cabotagem (t) TOTAL Total CAPUABA TERMINAL PAUL/CODESA TERMINAL PEIÚ TERMINAL TVV TOTAL DOS TERMINAIS DE V.VELHA Participação dos Terms. V.Velha (%) 83,36% 39,06% 97,66% 85,49% 89,76% CAIS COMERCIAL FLEXIBRÁS TOTAL DOS TERMINAIS DE VITÓRIA Participação dos Terms. Vitória (%) 16,64% 60,94% 2,34% 14,51% 10,24% TOTAL DO PORTO DE VITÓRIA EM Fonte: CODESA ONLINE Apuração: Elaboração: COPLAD CAPUABA TERMINAL PAUL/CODESA TERMINAL PEIÚ TERMINAL TVV TOTAL DOS TERMINAIS DE V.VELHA Participação dos Terms. V.Velha (%) 87,81% 48,70% 99,74% 94,11% 93,59% CAIS COMERCIAL FLEXIBRÁS TOTAL DOS TERMINAIS DE VITÓRIA Participação dos Terms. Vitória (%) 12,19% 51,30% 0,26% 5,89% 6,41% TOTAL DO PORTO DE VITÓRIA EM

10 10 Tabela Movimentação de Cargas por Natureza Fonte: CODESA Apuração: Elaboração: COPLAD Natureza da Carga Embarque (t) Desembarque (t) Longo Curso (t) Cabotagem (t) Longo Curso (t) Cabotagem (t) TOTAL Total Carga Conteinerizada Carga Geral Granel Líquido Granel Sólido TOTAL Natureza da Carga Embarque (t) Desembarque (t) Longo Curso (t) Cabotagem (t) Longo Curso (t) Cabotagem (t) TOTAL Total Carga Conteinerizada Carga Geral Granel Líquido Granel Sólido TOTAL

11 11

12 12 ESPECIFICAÇÃO LONGO CURSO LONGO CURSO Carga Geral (**) Tabela 3 - Quadro Comparativo da Movimentação de Cargas_ Embarque (t) Granel Sólido Granel Líquido Soma Carga Geral (**) Desembarque (t) Granel Sólido Granel Líquido Soma Carga Geral (**) Granel Sólido Granel Líquido Total Soma CABOTAGEM TOTAL LÍQUIDO TOTAL LÍQUIDO (*) Cais Comercial de Vitória, Capuaba, Flexibrás, Paul, Peiú, São Torquato e TVV (**) Carga Geral = Σ Carga conteinerizada, solta, produtos siderúrgicos e automóveis. Fonte: CODESA ON LINE Apuração: 24/01/2013 Elaboração: COPLAD

13 13

14 14 TERMIN AL TERMINAIS Unid.Medida CHEIOS VAZIOS TOTAL CHEIOS VAZIOS TOTAL CHEIOS VAZIOS TOTAL GERAL Fonte: CODESA ONLINE Elaboração: COPLAD Apuração: 29/01/2013 DESEMBARQUE PEIÚ Tabela 4 - Quadro Comparativo da Movimentação de Contêineres no Porto de Vitória DESEMBARQUE EMBARQUE TVV DEMAIS OUTROS TERMINAIS TOTAL TOTAL GERAL GERAL PEIÚ TVV DEMAIS OUTROS TERMINAIS TOTAL TOTAL GERAL GERAL PEIÚ TVV DEMAIS OUTROS TERMINAIS TOTAL TOTAL GERAL GERAL PEIÚ TVV DEMAIS OUTROS TERMINAIS TOTAL TOTAL GERAL GERAL QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. QUANTIDADE Unid. QUANTIDADE Unid. TEU QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. TEU QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. TEU QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. QUANTIDADEQUANTIDADE Unid. Unid. TEU LONGO CURSO EMBARQUE 20' ' SOMA ' ' SOMA ' ' SOMA CABOTAGEM 20' ' SOMA ' ' SOMA ' ' SOMA TOTAL 20' ' SOMA ' ' SOMA ' ' SOMA

15 15

16 16

17 17 Tabela 5 - PRINCIPAIS Principais MERCADORIAS Mercadorias Movimentadas MOVIMENTADAS no Porto NO de Vitória PORTO em DE 2012 VITÓRIA EM 2012 Movimentaç Acum Movim. Mercadorias MERCADORIAS Unid. Sent. Janeiro Fevereiro Marv Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro ão média 2012 (A) (A) Média mensal AUTOMÓVEIS Unid ,87% Ardósias, Mármores, granitos, travertinos e quarzitos t Exp ,58% Fertilizantes t Imp ,76% Gasolina, Óleo diesel, álcool e outros combustíveis t Imp ,52% Trigo, malte e outros cereais em grãos e farinhas t Imp ,97% Cobre, outros minérios de cobre e seus concentrados t Exp ,67% Automóveis, suas partes e peças t Imp ,66% Outros produtos siderúrgicos t Imp ,02% Soda cáustica t Imp ,82% Tubos e equipams. acess. p/ prospecção de petróleo t Exp ,78% Outros produtos químicos, farmacêuticos e de perfumaria t Imp ,38% Máquinas empilhadeiras, escavadeiras, veículos diversos, tratores e outros equipamentos auto-propulsores, suas t Imp ,06% partes e peças Alimentos e bebidas t Imp ,27% Computadores, aparelhos, máquinas e equipamentos diversos, suas partes e peças t Imp ,34% Celulose e papéis diversos t Exp ,42% Café em grãos t Exp ,46% Açúcar t Exp ,12% Agasalhos, calçados, roupas, tecidos, tapeçaria e outros t Imp ,22% Barita, bentonita, fluorita, magnesita e outros minerais t Imp ,01% Trilhos de ferro e aço t Imp ,92% Borracha e seus artigos t Imp ,77% Carga de apoio (1) t Exp ,31% Alumínio em chapas, barras e ligas t Imp ,72% Coque de hulha e outros carvões t Imp ,81% Outras mercadorias, incluindo carga de supply t Exp ,75% TOTAL GERAL DO PORTO DE VITÓRIA ,44% * Acumulado até o mês de junho Nota: (1) - Carga de apoio à plataformas, peças (suporte), caixas e acessórios diversos. Fonte: CODESA ONLINE Data de Apuração: 14/01/2013 Elaboração: COPLAD Acum. 2011* (B) Variação Var.% % (A) A/B/ (B)

18 18

19 19

20 20

CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE

CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE 2 CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ DIRETOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON DE LIMA DIRETOR DE INFRAESTRUTURA

Leia mais

CORPO DIRETOR: EQUIPE EXECUTORA: CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE

CORPO DIRETOR: EQUIPE EXECUTORA: CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE 2 CORPO DIRETOR: CLOVIS LASCOSQUE DIRETOR PRESIDENTE DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ DIRETOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON DE LIMA

Leia mais

Relatório Estatístico Trimestral de Movimentação de Cargas. Janeiro a Março de 2011

Relatório Estatístico Trimestral de Movimentação de Cargas. Janeiro a Março de 2011 Movimentação de Cargas Janeiro a Março de 2011 CODESA DIRETORIA EXECUTIVA ANGELO JOSÉ DE CARVALHO BAPTISTA DIRETOR PRESIDENTE DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ DIRETOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO HUGO

Leia mais

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS 600 Milhões de toneladas 500 400 397 424 433 437 466 479 300 253 275 284 280 295 311 200 144 149 150 157 171 168 100 0 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Porto TUP Movimentação Fonte:

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Aspectos Gerais O Novo Marco Portos no Espírito Santo Concessão, arrendamento e Autorização Perspectivas 3 1960 Contexto

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

BOLETIM ANUAL ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS. Brasília 2014

BOLETIM ANUAL ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS. Brasília 2014 BOLETIM ANUAL DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS 2013 ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS NOS PORTOS ORGANIZADOS E TERMINAIS DE USO PRIVADO Brasília 2014 SUMÁRIO 1. CONJUNTURA ECONÔMICA DE 2013...3 2. INSTALAÇÕES

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA O projeto de revitalização do Porto de Vitória é uma obra do Plano de Aceleração do Crescimento PAC e complementa os projetos de Ampliação do Cais Comercial,

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL

MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL Mineração na América Latina neoextrativismo e lutas territoriais 3 e 4 da Agosto de 2015/ UFMG Cristiana Losekann - UFES MAIOR POLO EXPORTADOR DE MINÉRIO

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS JULHO DE 2013 DC/SCM/GCE, 02/09/2013 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP 11015-900 Site:http://www.portodesantos.com.br

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Hidrovia do Madeira Hidrovia do Paraguai Hidrovia Paraná-Tietê Hidrovia Solimões-Amazonas Hidrovia do Sul Hidrovia Tocantins-Araguaia AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Dados preliminares sujeitos a alterações Roteiro de Apresentação Definição de Transporte Intemodal

Leia mais

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel Indicator Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel ÍNDICE Introdução... 1 Preparação das Planilhas de Apuração... 1 Montando as Planilhas... 3 Para o berço 4... 3

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO Esta tabela remunerará as facilidades portuárias constituídas pelos molhes, quebramares, canal de acesso

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do segundo trimestre de 2014 mostram que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 244,2 milhões de toneladas

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário 300 250 200 150 100 Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do primeiro trimestre de 2014 apontam que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 214,5

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador O Terminal Desempenho Operacional Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador Antes da Expansão Sem os portêineres, o cais de Ligação era voltado para a

Leia mais

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor Panorama Aquaviário Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Volume 4 outubro de 2009 EXPEDIENTE Fernando Antonio Brito Fialho DiretorGeral Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor Tiago

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão. Ampliação e Construção

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão. Ampliação e Construção Ministério dos s PNLT - Plano Nacional de Logística e s Aeroviário Ferroviário Aeroporto de Vitória/ (Eurico de Aguiar Salles): Ampliação e Construção de Mais um Módulo do Terminal de Passageiros, incluindo

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). PORTO DE SANTOS ORIGEM A expansão da cultura do café na província de São Paulo, na segunda metade do século passado, atingindo a Baixada Santista, originou a necessidade de novas instalações portuárias

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7.1 Informações Gerais da Ferrovia A Ferrovia Centro-Atlântica S.A. obteve a concessão da Malha Centro-Leste, pertencente à Rede Ferroviária Federal S.A., no

Leia mais

EIXO ECONÔMICO PORTOS. Engenheiro Henrique Germano Zimmer

EIXO ECONÔMICO PORTOS. Engenheiro Henrique Germano Zimmer EIXO ECONÔMICO PORTOS Engenheiro Henrique Germano Zimmer VITÓRIA, 2008 2 PORTOS DIAGNÓSTICO Foto do Porto de Vitória 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...4 1. PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO DO PORTO PDZP... 7

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014 Apresentação Corporativa Dezembro 2014 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS SUAPE Movimentação de Cargas Complexo Industrial Portuário Movimentação de Cargas TECON Suape Novo Terminal de Containers Localização Privilegiada

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Espírito Santo 2025. Nota Técnica: Desenvolvimento da Logística e dos Transportes no Espírito Santo

Plano de Desenvolvimento Espírito Santo 2025. Nota Técnica: Desenvolvimento da Logística e dos Transportes no Espírito Santo Plano de Desenvolvimento Espírito Santo 2025 Nota Técnica: Desenvolvimento da Logística e dos Transportes no Espírito Santo Agosto de 2006 Plano de Desenvolvimento Espírito Santo 2025 Nota Técnica: Desenvolvimento

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009)

Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009) Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009) TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRA ESTRUTURA MARÍTIMA E FACILIDADES PORTUÁRIAS INFRAMAR. (TARIFAS DEVIDAS PELO ARMADOR,

Leia mais

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes Maria Cristina Pereira de Melo Doutora epós-doutora em Economiapela Universidade de Paris XIII Professora do Departamento

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo Modal indicado para distribuição de grandes cargas, com transferências de longas distâncias a baixo custo O TRANSPORTE DE CARGAS NO BRASIL de longo curso Há 30 anos a velocidade de cruzeiro era de 10 nós;

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Plano Diretor DPZ 1997-2020

Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano diretor de desenvolvimento do Porto de Fortaleza A alternativa de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Fortaleza, a seguir apresentada, busca obter o atendimento às

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA. Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80:

INFRA-ESTRUTURA. Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80: INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA N.º 26 MAIO/98 LOGÍSTICA E CONTÊINERES NO BRASIL Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80: a adoção maciça

Leia mais