Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel"

Transcrição

1 Indicator Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

2 ÍNDICE Introdução... 1 Preparação das Planilhas de Apuração... 1 Montando as Planilhas... 3 Para o berço Para o conjunto de berços 5 a Formatando as Células... 6 Planilhas dos Berços 11 e Porto de Vila do Conde Disquete para Utilização... 11

3 Introdução A apuração sistemática dos indicadores de desempenho, de forma que venham a servir como elementos de gestão, nos níveis estratégico, tático e gerencial, poderá ser desenvolvida a partir do sistema operacional de processamento de dados da empresa, utilizando-se dos mesmos elementos que servem ao faturamento das receitas de tarifa e ao controle dos operadores portuários. Entretanto, à falta desse sistema integrado, poderão ser utilizadas outras fontes de informações da operação portuária, tais como as que foram fornecidas para a elaboração do Relatório Anual de Gestão. O que se propõe, neste momento, é o aperfeiçoamento dos processos e procedimentos, mantendo-se a utilização dos mesmos aplicativos atualmente em uso nas administrações dos portos. Assim, são apresentados, a seguir, os procedimentos e processamentos a serem adotados em Belém e Vila do Conde para a apuração sistemática dos indicadores. Ressalte-se que, com a adoção dos procedimentos sugeridos, o gestor ou gerente poderá obter informações gerenciais constantes e em curto espaço de tempo acerca das operações em curso em qualquer dos terminais e para qualquer navio ou operador. O aplicativo sugerido para a apuração dos indicadores é o EXCEL, disponível no programa Office instalado em todos os computadores da empresa, não havendo necessidade da aquisição de nenhum programa ou aplicativo adicional. Preparação das Planilhas de Apuração Em cada porto deverão ser abertas, a cada mês uma pasta do Excel para o lançamento dos dados operacionais e apuração dos indicadores. Cada pasta deverá conter tantas planilhas quanto forem os terminais berços ou conjuntos de berços selecionados para análise. No porto de Belém estão selecionados quatro terminais, a saber: Berço 4, onde atracam os navios de cruzeiros marítimos, navios de recreio, de pesquisa, da Marinha de Guerra e outros que não movimentam cargas; Os berços de 5 a 8, onde é possível atender, ao mesmo tempo, até três navios de carga geral ou de contêineres dentro dos padrões que atualmente freqüentam o porto: Berço 11 1

4 Berço 12 ou silos. Manual de Acompanhamento de Desempenho Em Vila do Conde são selecionados 4 (quatro) berços, seguindo a mesma designação atual, a saber: 101, 102, 103 e 104. A figura seguinte mostra a configuração sugerida para a pasta mensal para o porto de Belém. Abrir uma pasta para cada mês, por exemplo: Belém Jan 2002 O cabeçalho sugerido para cada berço (ou cada planilha) tem conteúdo diferente, vez que se destinam a analisar operações com diferentes cargas ou serviços: Berço do Armazém 4 operações de navios de cruzeiros marítimos, da Marinha, de pesquisa e outros (eventualmente de carga geral ou de contêineres); 2

5 Montando as Planilhas Manual de Acompanhamento de Desempenho Berços de 5 a 8 (considerados conjuntamente como tendo três pontos de operação), destinando-se, preferencialmente, para navios de carga geral ou de carga geral e contêineres; Berço 11 para atendimento preferencial aos navios de contêineres; Berço 12 ou Silos atendimento de navios de trigo em grão a granel. A primeira tarefa é fazer o preenchimento do cabeçalho de cada planilha com a designação das colunas a serem preenchidas com os dados de movimentação para cada navio que operar no berço ou conjunto de berços. Os cabeçalhos sugeridos para as planilhas do porto de Belém são os seguintes: Para o berço 4 As diversas colunas deverão ser preenchidas conforme as instruções e figuras seguintes: As colunas A até F são destinadas ao lançamento dos dados básicos operacionais dos navios, a saber: Coluna A: numero de entrada o número seqüencial do navio, designando o processo de cobrança e faturamento; é o número identificador da viagem ou entrada de um navio no porto; A B C D E F Dados Operacionais dos Navios Entrada Atracação Desatracação Nome Dia e Hora Dia e Hora Dia e Hora Nº entrada Coluna B: o nome do Navio; Operador Portuário Coluna C: a data de entrada (dia e hora) o dia, mês, ano e hora que o navio entrou no porto. Esta data deverá corresponder ao posicionamento do navio aguardando atendimento (ou atracação), após sua entrada na barra e manobra até o local de fundeio (ou de espera para atracação); quando o navio atracar imediatamente após a entrada no porto a data de entrada deverá ser igual à data de atracação (na coluna D). O formato da célula será mostrado em item especial, a seguir. Coluna D: a data de atracação (dia e hora) semelhante à coluna anterior, tomando como início da atracação o lançamento do primeiro cabo de amarração do navio ao berço. 3

6 Coluna E - data de desatracação (dia e hora) da mesma forma que as colunas anteriores, neste caso tomando como hora de desatracação a desamarração do último cabo ao berço. Coluna F Operador Portuário (ou agente do navio) indicado por sigla ou nome abreviado do operador ou agente designado para atender ao navio. As colunas G a J destinam-se à apuração imediata dos indicadores relativos a cada um dos navios atendidos no conjunto de berços, conforme a seguir: Coluna G tempo de espera obtido pela diferença entre a data de atracação e a de entrada, ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação; = (D C) *24 G H I J Indicadores Básicos Tempo de Espera Tempo Atracado Taxa de Ocupação Nível de Serviço Coluna H tempo atracado obtido pela diferença entre a data de desatracação e a de atracação, ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação 1 : = (E D)*24 Coluna H taxa de ocupação obtida pela relação entre o tempo atracado (coluna H) e o tempo total do mês (31 dias x 24 horas, no caso de janeiro) ou: = H/(31*24) Coluna J nível de serviço dado pala relação entre o tempo de espera e o tempo atracado ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação; = H/G As colunas K, L e M são destinadas à caracterização das embarcações atendidas neste berço, quais sejam as indicadas na figura seguinte. 1 Observação: a multiplicação indicada, por 24, decorre da diferença obtida nos cálculos estar em frações de dias. 4

7 K L M Tipo de Navio Passageiros ou Turistas Transportados Observações Para o conjunto de berços 5 a 8 As colunas A até J são idênticas às já mostradas para o berço 4. As colunas subseqüentes de K até V - referem-se aos dados e indicadores básicos relativos à movimentação das cargas. As colunas de K a Q deverão conter os dados básicos sobre as mercadorias transportadas em cada navio sob a forma de carga geral solta e contêineres. Coluna K Carga Geral Solta (t) onde deverão ser lançadas as quantidades de carga geral solta movimentadas pelo navio, em toneladas (ou em quilos, separando-se os três últimos algarismos por virgula). Coluna L Mercadoria Principal onde deverá ser indicada a principal mercadoria movimentada pelo navio (madeira, pimenta, etc.); K L M N O P Q Dados sobre a Carga Carga Contêineres Mercadoria Geral Unidades de 20' Unidades de 40' Principal Peso (t) Solta (t) Cheios Vazios Cheios Vazios Colunas M a R dados sobre contêineres, sendo: Colunas M e N as quantidades de unidades de 20 cheias e vazias movimentadas pelo navio; Colunas O e P - as quantidades de unidades de 40 cheias e vazias movimentadas pelo navio; Coluna Q o peso total do conteúdo dos contêineres transportados. As colunas de R a V contêm alguns indicadores e informações sobre quantidades movimentadas de contêineres. R S T U V Dados sobre a carga Prancha de Total dos contêineres por navio Observações Atendimento Sentido em Unidades em TEU (t/dia) 5

8 Coluna R Prancha de Atendimento (em t/dia) ou a relação entre as quantidades totais de cargas movimentadas (carga geral solta e contêineres) pelo navio e o tempo atracado, dado pela operação: = (K + Q)/ H Coluna S total dos contêineres movimentados em unidades ou a soma das colunas M a P: = Σ(M:P) Coluna T total dos contêineres movimentados em unidades equivalentes de vinte pés (TEU) ou a soma das colunas M a P, multiplicando-se as quantidades de 40 por 2, conforme a operação:: = M + N+ 2* (O+P) Coluna U Sentido onde deverá ser indicado o sentido de movimentação das cargas: importação (imp) ou exportação (exp). Caso o navio haja movimentado cargas nos dois sentidos devem ser utilizadas duas linhas consecutivas, uma para cada sentido. Coluna V Observações onde deverão ser anotadas informações relevantes sobre a operação do navio. Os demais indicadores serão obtidos a partir da sistematização das informações lançadas nas planilhas, como se indica na planilha de resumo do mês. Formatando as Células Atenção especial deve ser dada à formatação das células relativas ao lançamento dos dados de entrada, atracação e desatracação dos navios nos respectivos berços, de modo a possibilitar os cálculos da planilha. As datas de entrada, atracação e desatracação deverão ser lançadas de acordo com o formato indicado nas figuras seguintes. ATENÇÃO as datas (e horas) a serem lançadas nas células, relativas a cada navio, devem obedecer à mesma formatação adotada para a célula, ou seja, se um navio atracou no dia 04 de janeiro às 15 horas e 35 minutos, o lançamento na célula deverá ser: 4/1/02 15:35. 6

9 7

10 A partir desse formato de células de datas, é possível calcular, rapidamente, por simples diferença, os tempos operacionais necessários à apuração dos indicadores, como mostrado na figura anterior e no texto acerca dos cabeçalhos. Planilhas dos Berços 11 e 12 Para os berços 11 e 12 as colunas de A até J das planilhas são idênticas às já mostradas para a planilha dos berços 5 a 8. As diferenças decorrem do tratamento específico às cargas do 11 e 12 contêineres e granéis sólidos. Embora a ordem das colunas tenha algumas pequenas variações, a diferença marcante está no cálculo da produtividade ou prancha de atendimento para os navios de contêineres. Neste caso, a unidade indicada é unidades por hora ou boxes por hora, o que acarreta mudança na operação da coluna S, ou seja: = Q/H 8

11 A planilha do berço 12 é simplificada, vez que este movimenta, apenas uma única carga (granéis sólidos) e uma única mercadoria (trigo em grão). A prancha de atendimento é apurada de forma semelhante à carga geral, ou seja, em toneladas por dia, como indica a figura seguinte. 9

12 Porto de Vila do Conde À semelhança dos procedimentos apresentados para o porto de Belém, sugere-se a abertura de uma pasta para cada mês calendário, com tantas planilhas quantos forem os berços operacionais, reservando-se uma última para o resumo mensal e desenho de gráficos. A figura seguinte mostra o exemplo da pasta Vila CondeJAN2002, com as planilhas relativas aos berços 101, 102, 201 e 202 e ao resumo do mês. A organização dos cabeçalhos e formatação das células deverá ser feita de forma semelhante à proposta para o porto de Belém. 10

13 Disquete para Utilização É fornecido, de forma complementar ao presente manual, um disquete contendo os padrões sugeridos para a apuração dos indicadores em ambos os portos. Para sua utilização é bastante salvar diretamente do disquete, todos os meses, o arquivo PastaPadrão relativo ao porto desejado, utilizando-se da opção salvar como e designando como nome do arquivo o porto e o mês desejado. Por exemplo: Belém JAN2002. Em seguida, é bastante lançar os dados básicos que a planilha operará, automaticamente, na obtenção dos indicadores. Para a obtenção dos indicadores médios mensais deverão ser somadas as colunas respectivas aos tempo de espera e tempo atracado para serem obtidas, automaticamente, os valores da taxa média de ocupação e o nível de serviço do berço no mês. O mesmo procedimento de soma deverá ser aplicado às colunas relativas aos dados sobre as cargas (colunas J a P no conjunto de berços 5 a 8 de Belém), quando serão obtidos, automaticamente, os indicadores das pranchas de atendimento e total dos contêineres (colunas R a U do conjunto de berços 5 a 8 do porto de Belém). Para as demais planilhas e demais portos os procedimentos são semelhantes. 11

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh DESEMPENHO PORTUÁRIO Sistema Permanente de Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços Portuários XXI Encontro Nacional de Entidades Portuárias e Hidroviárias ENEPh Santos, 30 de Março

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

PRACTICO LIVE! FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA

PRACTICO LIVE! FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA PRACTICO LIVE! FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA Acessando Gerencial, temos: Fluxo de Caixa Visualização de Receitas/Despesas D.R.E. com base no Plano Financeiro Fluxo de Caixa Através desta rotina pode-se visualizar

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

Banco de Dados. Microsoft Access

Banco de Dados. Microsoft Access Banco de Dados Microsoft Access PARTE 01 edição 2007 Índice 01-) Conceito... 2 02) Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional (SGBDR)... 3 03) Access... 3 04) Etapas para elaboração de um Banco de

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Excel é um programa de planilhas do sistema Microsoft Office. Você pode usar o Excel para criar e formatar pastas de trabalho

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5 Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S.A. SANESUL MANUAL OPERACIONAL COMPRAS Gerência de Suprimentos SUP/GESU SUMÁRIO Acessar o sistema MICROSIGA... 3 Elaborar Solicitação de Compra... 5 Gerar Relatório

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas.

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. O que é o Excel? O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. Ele possibilita ao usuário desenvolver planilhas que efetuem cálculos, dos mais simples aos

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único Gestão Pessoal Relatório Único Manual preparação do software para o relatório único Wincode, 30 Março de 2011 Introdução Este manual tem como principal objectivo ajudar o utilizador a preparar o software

Leia mais

Microsoft Office Excel 2007

Microsoft Office Excel 2007 1 Microsoft Office Excel 2007 O Excel é um programa dedicado a criação de planilhas de cálculos, além de fornecer gráficos, função de banco de dados e outros. 1. Layout do Excel 2007 O Microsoft Excel

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais PROCEDIMENTO Nº Revisão: 3 Data: 20/05/2013 1 OBJETIVO 2 2 ABRANGÊNCIA 2 3 REFERÊNCIAS 2 4 DEFINIÇÕES 3 5 INSTRUÇÕES 4 Nº Revisão 3 Data: 20/05/2013 1 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo definir

Leia mais

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 2013 Relatório Gerencial Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Seleção dos registros... 4 2.1 Seleção dos executores... 4 2.2 Parâmetros...

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Excel Planilhas Eletrônicas

Excel Planilhas Eletrônicas Excel Planilhas Eletrônicas Capitulo 1 O Excel é um programa de cálculos muito utilizado em empresas para controle administrativo, será utilizado também por pessoas que gostam de organizar suas contas

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

Capítulo 1 Conceito Básico

Capítulo 1 Conceito Básico Capítulo 1 Conceito Básico O Forzip é um software de gerenciamento de produção de cartões de identificação, desde pequenas quantidades até volumes industriais, que vem sendo aprimorado constantemente com

Leia mais

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS Manual de digitação de contas Portal AFPERGS 1 Sumário Acesso à função digitação de contas... 3 O que é a Função digitação de contas (DC)... 4 Como proceder na função digitação de conta médica (DC)...

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

A Diretoria Executiva, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando:

A Diretoria Executiva, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando: Resolução n.º 001, de 25 de agosto de 2015. Estabelece normas para uso das instalações públicas de armazenagem do Porto Organizado de Imbituba e dá outras providências. A Diretoria Executiva, no uso de

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta)

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa.

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

APOSTILA DE EXCEL 2007

APOSTILA DE EXCEL 2007 APOSTILA DE EXCEL 2007 1. Introdução Quando você cria uma planilha nova, a tela do computador é dividida em linhas e colunas, formando uma grade. A interseção de uma linha e de uma coluna é chamada de

Leia mais

RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO UTILIZADOR 1 RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES E DE DESEMPENHO MANUAL DO UTILIZADOR

Leia mais

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Manual de instruções Cadastro Avaliação 2013 Caro Usuário, Este manual contém todas as instruções necessárias para preenchimento dos dados de sua escola e alunos.

Leia mais

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Sumário 1. Ambiente Group Shopping... 3 2. Alteração na Tela de Contratos e Controle de Edições... 7 3. Propagação de Contratos... 10 4. Configuração de Impressora

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo O Tabnet, aplicativo desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), permite ao usuário fazer tabulações de bases de dados on-line e foi gentilmente cedido para disponibilização

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

GRRF GUIA DE RECOLHIMENTO RESCISÓRIA DO FGTS PROCEDIMENTOS NA FOLHA CONSISA SGRH

GRRF GUIA DE RECOLHIMENTO RESCISÓRIA DO FGTS PROCEDIMENTOS NA FOLHA CONSISA SGRH GRRF GUIA DE RECOLHIMENTO RESCISÓRIA DO FGTS PROCEDIMENTOS NA FOLHA CONSISA SGRH ACESSAR O MENU CÁLCULOS GRRF Nesta opção deverá ser selecionado o período a ser informado: Data início e Data Fim, este

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO...51 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51 3. DEFINIÇÕES...51 3.1. Tabela...51 3.2. Espaços...51 3.2.1. Topo...51 3.2.2. Centro...51 3.2.2.1. Espaço do cabeçalho...51 3.2.2.2. Coluna...52

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

CPS FINANÇAS PESSOAIS MANUAL DO USUÁRIO

CPS FINANÇAS PESSOAIS MANUAL DO USUÁRIO APRESENTAÇÃO O CPS FINANÇAS PESSOAIS é um software desenvolvido para gerenciar a movimentação financeira de forma pessoal, rápida e simplificada fornecendo relatórios e demonstrativos. Este manual é parte

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda Manual do Sistema para Apuração Simplificad plificada do Crédito Acumulado Versão 1.0.0.1 do Anexo I da Portaria CAT - 207, de 13-10-2009 Página 1 de

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

Treinamento Sistema Condominium Módulo III

Treinamento Sistema Condominium Módulo III Financeiro (Lançamentos Despesas e Saldos) Nesse módulo iremos apresentar os principais recursos da área contábil do sistema. Contábil> Lançamentos Nessa tela é possível lançar as despesas dos condomínios,

Leia mais

A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema.

A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema. Página1 Configurações A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema. Como vimos o Plano de Contas dá a ideia inicial

Leia mais

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial Manual de Conversão para PDF Manual de Conversão para PDF 3 Conversão para PDF Microsoft Office 2003 Instalação da impressora PDF O pacote de aplicativo Office 2003 não possui nativamente o recurso de

Leia mais

Controle Patrimonial WEB

Controle Patrimonial WEB Cccc Controle Patrimonial WEB Manual Inventário Conteúdo. Introdução... 3 2. Inventário... 3 2.. Abertura do inventário... 4 2.2. Relatório para Inventário... 5 2.2.. Contagem física e verificação do estado

Leia mais

Agendamento de Produtos de Uso Contínuo

Agendamento de Produtos de Uso Contínuo Agendamento de Produtos de Uso Contínuo Os usuários do Call Center do ASAsys agora podem agendar ligações para os clientes de produtos de uso contínuo para oferecer o produto do cliente antes que ele acabe.

Leia mais

DIÁRIO DE CLASSE. Atenciosamente,

DIÁRIO DE CLASSE. Atenciosamente, DIÁRIO DE CLASSE Estamos apresentando aos Professores e Professoras da UNEB o sistema de registros acadêmicos que será feito online a partir de qualquer computador com acesso à internet. Salientamos que

Leia mais

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4 EXCEL 2007 e 2010 2 ÍNDICE ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4 A série... 4 01 LISTA COM VALIDAÇÃO... 5 02 FUNÇÕES FINANCEIRAS... 7 03 FUNÇÃO DE BANCO DE DADOS... 12 04 RÓTULOS... 15 05 TABELA DINÂMICA... 18 06

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. (Texto compilado) Estabelece os procedimentos para o registro das tarifas aéreas comercializadas correspondentes aos serviços

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Julho -2012 Conteúdo Sumário... 2... 3 Consultar Registros... 4 Realizar Atendimento... 9 Adicionar Procedimento... 11 Não Atendimento... 15 Novo Atendimento... 16 Relatórios Dados Estatísticos...

Leia mais

FICHA ORIENTADA Nº3 PARTE I. 1 Importar e exportar informação T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O

FICHA ORIENTADA Nº3 PARTE I. 1 Importar e exportar informação T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O FICHA ORIENTADA Nº3 PARTE I 1 Importar e exportar informação IMPORTAR E EXPORTAR INFORMAÇÃO UTILIZAR A FOLHA DE CÁLCULO PARA PUBLICAR

Leia mais

1. Reordenação da aba Fiscal 1. 2. Consulta simplificada de itens vendidos por NCM, CFOP e Alíquotas 2. 3. Parametrização de NCM 4

1. Reordenação da aba Fiscal 1. 2. Consulta simplificada de itens vendidos por NCM, CFOP e Alíquotas 2. 3. Parametrização de NCM 4 CADASTROS FISCAIS 1. Reordenação da aba Fiscal 1 2. Consulta simplificada de itens vendidos por NCM, CFOP e Alíquotas 2 3. Parametrização de NCM 4 4. Faturamento de pedidos entregues no endereço do revendedor

Leia mais

PRATICANDO... EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1

PRATICANDO... EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1 EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1 1. Entre no Microsoft Excel e digite as informações da planilha A e, em seguida efetue a formatação visual seguindo as especificações da planilha B: 2. Salve a planilha na

Leia mais

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas Aula 02 Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Operações básicas; 2. Utilizando Funções; 3. Funções Lógicas; 4. Gráficos no Excel;

Leia mais

Movimento. Financeiro. Bancário. Contas a Pagar. Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber. Lançamento de Contas a Receber (simples)

Movimento. Financeiro. Bancário. Contas a Pagar. Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber. Lançamento de Contas a Receber (simples) Movimento Financeiro Contas a Pagar Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber Lançamento de Contas a Receber (simples) Movimento de Caixa Fechamento Caixa Bancos Apropriações de Centros de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. Estabelece os procedimentos para o registro das tarifas aéreas comercializadas correspondentes aos serviços de transporte

Leia mais

Módulo SAC Atendimento ao Cliente

Módulo SAC Atendimento ao Cliente Módulo SAC Atendimento ao Cliente Objetivo O Módulo SAC ou Serviço de Atendimento ao Cliente é uma ferramenta que gerencia, cria e administra informações num canal de comunicação informatizado entre a

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

Apresentação. Módulos integrantes

Apresentação. Módulos integrantes Apresentação O Sistema de Informações Gerenciais de Acompanhamento de Projetos (SIGAP) tem por objetivo organizar informações referentes ao acompanhamento da execução de projetos de cooperação técnica

Leia mais

Manual do Usuário. Integrador FC Store V.1.0.0. ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com.

Manual do Usuário. Integrador FC Store V.1.0.0. ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com. 49 Manual do Usuário Integrador FC Store V.1.0.0 ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com.br Conteúdo Módulo 1: Visão Geral... 3 INTRODUÇÃO... 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL NO FINANCE Finance V10 New 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pela Caixa Econômica... 3 Como efetuar a Conciliação por Extrato

Leia mais

Travel Agent Service Fee TASF

Travel Agent Service Fee TASF Travel Agent Service Fee TASF O que vem a ser TASF Um mecanismo simples e eficiente para a cobrança de taxas de serviços por meio de cartão de crédito, possibilitando o controle dos recebíveis contra um

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EDITAL N.º 07/2015-CONCILIADOR E JUIZ LEIGO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA EDITAL N.º 07/2015-CONCILIADOR E JUIZ LEIGO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDITAL N.º 07/2015-CONCILIADOR E JUIZ LEIGO PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA AS FUNÇÕES DE CONCILIADOR E JUIZ LEIGO EDITAL DE ABERTURA DE PRAZO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE

Leia mais

Cálculo utilizando variáveis do tipo DATA

Cálculo utilizando variáveis do tipo DATA Cálculo utilizando variáveis do tipo DATA Pré requisitos: Elaboração de questionário Análise de resultados Visões: relatórios multimídia Publicação de questionário na internet O uso de variáveis do tipo

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 5 1 - DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa de consultoria tributária para rotinas de apuração de IRPJ/CSLL, PIS/COFINS, bem

Leia mais

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014 O objetivo deste manual é explicar passo a passo o controle da papeleta do motorista realizado no SAT. De acordo com a LEI Nº 12.619, DE 30 DE ABRIL DE 2012, que pode ser acessada em: http://www.planalto.gov.br

Leia mais

Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a)

Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a) Arttez Gerenciamento de Estúdios de Tatuagem. MANUAL DO USUÁRIO (Versão do manual: 2009.a) O Sistema Arttez. Arttez é o software de gerenciamento para estúdios de tatuagem que objetiva manter o controle

Leia mais

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079)

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) 1. IDENTIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES NA TELA.... 2 2. FUNCIONALIDADES.... 3 2.1 EMISSÕES DE NOTAS... 3 2.2 DESTINATÁRIO DE NF-E... 4 2.3 ENVIAR NOTA POR E-MAIL... 7 2.4 VISUALIZAÇÃO...

Leia mais

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos)

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos) Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Seja bem-vindo(a) ao Simulador de Ações FinanceDesktop. Seu propósito é oferecer um ambiente completo e fácil de usar que permita o registro

Leia mais

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS NÚMERO CIR.FIN.MAT.0001 Elaborada em: 08/08/2011 Atualizada em: - Quant. Páginas DEPARTAMENTO DE ORIGEM Departamento Finanças 5 1 Objetivo Este documento tem como objetivo

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

U3 Sistemas Análise e Desenvolvimento de Softwares ===== Manual de Instalação ===== Manual. Instalação do Sistema

U3 Sistemas Análise e Desenvolvimento de Softwares ===== Manual de Instalação ===== Manual. Instalação do Sistema 1 Manual Instalação do Sistema 01 Começando: U3 Sistemas Análise e Desenvolvimento de Softwares 2 - O sistema trabalha com o Windows XP, 7 e 8. Se possível, dê sempre preferência ao sistema operacional

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT Conteúdo 1. IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT... 2 1.1 Importação do SINTEGRA/SEF OU SPED FISCAL... 2 1.2 Importação dos INVENTÁRIOS MENSAIS ou TRIMESTRAIS.... 3 1.3 Importação da base de

Leia mais

Regulamento da Prova de Certificação ABS-BR

Regulamento da Prova de Certificação ABS-BR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SOMMELIERS-BRASIL Regulamento da Prova de Certificação ABS-BR A Prova de Certificação de Sommeliers ABS-Brasil visa certificar o Sommelier Candidato dentro dos mais rígidos padrões

Leia mais

César Cruz Proprietário [18/04]

César Cruz Proprietário [18/04] César Cruz Proprietário [18/04] Quais devem ser as áreas gerenciadas pelo sistema? O sistema deve ter controle de estoque, ordem de serviços, orçamentos, entradas e saídas, tanto do caixa como de estoque,

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

GesToc Gestão de Transferências entre Estoques Versão 7.1 Roteiro: Programação Diária

GesToc Gestão de Transferências entre Estoques Versão 7.1 Roteiro: Programação Diária GesToc Gestão de Transferências entre Estoques Versão 7.1 Roteiro: Programação Diária Roteiro: Programação Diária GesToc - Gestão de Transferências entre Estoques Versão 7.1 ilab Sistemas Especialistas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 LEIAME Nenhuma informação da APOSTILA - MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do autor. MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 Efetue cálculos, analise

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I. DA FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas aos Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO...

Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO... Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO... 4 CADASTRO DO TIPO DO ATENDIMENTO... 5 CADASTRO DE CATEGORIAS...

Leia mais

Procedimentos para obter planilhas

Procedimentos para obter planilhas Página 1 Procedimentos para obter planilhas Acesse o site www.herdom.com.br/oxxen >>digite seu usuário e senha Aparecerá a seguinte opção: 1 Passo Clicar no símbolo do excell. Será encaminhado para a opção

Leia mais

Sistema de acompanhamento da Produção na indústria Gráfica

Sistema de acompanhamento da Produção na indústria Gráfica Sistema de acompanhamento da Produção na indústria Gráfica Este programa serve para acompanhar os verdadeiros tempos utilizados na produção e impressão na indústria gráfica de pequeno e médio porte. SPGráfica

Leia mais

Módulo Ambulatório Atendimento médico AGHU AGHU. Manual do Usuário. Módulo de Ambulatório Atendimento médico. Versão atualizada em

Módulo Ambulatório Atendimento médico AGHU AGHU. Manual do Usuário. Módulo de Ambulatório Atendimento médico. Versão atualizada em AGHU Manual do Usuário Módulo de Ambulatório Atendimento médico Versão atualizada em 20 de setembro de 2011 1. Manual do usuário do Módulo de Prescrição Médica AGHU Este manual pretende orientar o uso

Leia mais

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON

Leia mais

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CONTROLE DE FÉRIAS MANUAL DO USUÁRIO Sistema de Controle de Férias Lei N 8112 de 11 de dezembro de 1990 Capítulo

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial Elaborado: 16/04/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Análise Crítica e aprovação : 16/04/2007 Representante

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Manual da pesquisa avançada da repercussão geral. Modelo de situação atual de temas e controvérsias

Manual da pesquisa avançada da repercussão geral. Modelo de situação atual de temas e controvérsias Manual da pesquisa avançada da repercussão geral Modelo de situação atual de temas e controvérsias 2014 Sumário Introdução... 1 Página principal da pesquisa... 1 1. Pesquisa por Tema, Controvérsia ou ambos...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio

Leia mais

Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS. Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE

Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS. Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE Documentação de Serviços de Interoperabilidade Versão 1.2 Índice

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais