Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel"

Transcrição

1 Indicator Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

2 ÍNDICE Introdução... 1 Preparação das Planilhas de Apuração... 1 Montando as Planilhas... 3 Para o berço Para o conjunto de berços 5 a Formatando as Células... 6 Planilhas dos Berços 11 e Porto de Vila do Conde Disquete para Utilização... 11

3 Introdução A apuração sistemática dos indicadores de desempenho, de forma que venham a servir como elementos de gestão, nos níveis estratégico, tático e gerencial, poderá ser desenvolvida a partir do sistema operacional de processamento de dados da empresa, utilizando-se dos mesmos elementos que servem ao faturamento das receitas de tarifa e ao controle dos operadores portuários. Entretanto, à falta desse sistema integrado, poderão ser utilizadas outras fontes de informações da operação portuária, tais como as que foram fornecidas para a elaboração do Relatório Anual de Gestão. O que se propõe, neste momento, é o aperfeiçoamento dos processos e procedimentos, mantendo-se a utilização dos mesmos aplicativos atualmente em uso nas administrações dos portos. Assim, são apresentados, a seguir, os procedimentos e processamentos a serem adotados em Belém e Vila do Conde para a apuração sistemática dos indicadores. Ressalte-se que, com a adoção dos procedimentos sugeridos, o gestor ou gerente poderá obter informações gerenciais constantes e em curto espaço de tempo acerca das operações em curso em qualquer dos terminais e para qualquer navio ou operador. O aplicativo sugerido para a apuração dos indicadores é o EXCEL, disponível no programa Office instalado em todos os computadores da empresa, não havendo necessidade da aquisição de nenhum programa ou aplicativo adicional. Preparação das Planilhas de Apuração Em cada porto deverão ser abertas, a cada mês uma pasta do Excel para o lançamento dos dados operacionais e apuração dos indicadores. Cada pasta deverá conter tantas planilhas quanto forem os terminais berços ou conjuntos de berços selecionados para análise. No porto de Belém estão selecionados quatro terminais, a saber: Berço 4, onde atracam os navios de cruzeiros marítimos, navios de recreio, de pesquisa, da Marinha de Guerra e outros que não movimentam cargas; Os berços de 5 a 8, onde é possível atender, ao mesmo tempo, até três navios de carga geral ou de contêineres dentro dos padrões que atualmente freqüentam o porto: Berço 11 1

4 Berço 12 ou silos. Manual de Acompanhamento de Desempenho Em Vila do Conde são selecionados 4 (quatro) berços, seguindo a mesma designação atual, a saber: 101, 102, 103 e 104. A figura seguinte mostra a configuração sugerida para a pasta mensal para o porto de Belém. Abrir uma pasta para cada mês, por exemplo: Belém Jan 2002 O cabeçalho sugerido para cada berço (ou cada planilha) tem conteúdo diferente, vez que se destinam a analisar operações com diferentes cargas ou serviços: Berço do Armazém 4 operações de navios de cruzeiros marítimos, da Marinha, de pesquisa e outros (eventualmente de carga geral ou de contêineres); 2

5 Montando as Planilhas Manual de Acompanhamento de Desempenho Berços de 5 a 8 (considerados conjuntamente como tendo três pontos de operação), destinando-se, preferencialmente, para navios de carga geral ou de carga geral e contêineres; Berço 11 para atendimento preferencial aos navios de contêineres; Berço 12 ou Silos atendimento de navios de trigo em grão a granel. A primeira tarefa é fazer o preenchimento do cabeçalho de cada planilha com a designação das colunas a serem preenchidas com os dados de movimentação para cada navio que operar no berço ou conjunto de berços. Os cabeçalhos sugeridos para as planilhas do porto de Belém são os seguintes: Para o berço 4 As diversas colunas deverão ser preenchidas conforme as instruções e figuras seguintes: As colunas A até F são destinadas ao lançamento dos dados básicos operacionais dos navios, a saber: Coluna A: numero de entrada o número seqüencial do navio, designando o processo de cobrança e faturamento; é o número identificador da viagem ou entrada de um navio no porto; A B C D E F Dados Operacionais dos Navios Entrada Atracação Desatracação Nome Dia e Hora Dia e Hora Dia e Hora Nº entrada Coluna B: o nome do Navio; Operador Portuário Coluna C: a data de entrada (dia e hora) o dia, mês, ano e hora que o navio entrou no porto. Esta data deverá corresponder ao posicionamento do navio aguardando atendimento (ou atracação), após sua entrada na barra e manobra até o local de fundeio (ou de espera para atracação); quando o navio atracar imediatamente após a entrada no porto a data de entrada deverá ser igual à data de atracação (na coluna D). O formato da célula será mostrado em item especial, a seguir. Coluna D: a data de atracação (dia e hora) semelhante à coluna anterior, tomando como início da atracação o lançamento do primeiro cabo de amarração do navio ao berço. 3

6 Coluna E - data de desatracação (dia e hora) da mesma forma que as colunas anteriores, neste caso tomando como hora de desatracação a desamarração do último cabo ao berço. Coluna F Operador Portuário (ou agente do navio) indicado por sigla ou nome abreviado do operador ou agente designado para atender ao navio. As colunas G a J destinam-se à apuração imediata dos indicadores relativos a cada um dos navios atendidos no conjunto de berços, conforme a seguir: Coluna G tempo de espera obtido pela diferença entre a data de atracação e a de entrada, ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação; = (D C) *24 G H I J Indicadores Básicos Tempo de Espera Tempo Atracado Taxa de Ocupação Nível de Serviço Coluna H tempo atracado obtido pela diferença entre a data de desatracação e a de atracação, ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação 1 : = (E D)*24 Coluna H taxa de ocupação obtida pela relação entre o tempo atracado (coluna H) e o tempo total do mês (31 dias x 24 horas, no caso de janeiro) ou: = H/(31*24) Coluna J nível de serviço dado pala relação entre o tempo de espera e o tempo atracado ou seja, as células dessa coluna deverão conter a seguinte operação; = H/G As colunas K, L e M são destinadas à caracterização das embarcações atendidas neste berço, quais sejam as indicadas na figura seguinte. 1 Observação: a multiplicação indicada, por 24, decorre da diferença obtida nos cálculos estar em frações de dias. 4

7 K L M Tipo de Navio Passageiros ou Turistas Transportados Observações Para o conjunto de berços 5 a 8 As colunas A até J são idênticas às já mostradas para o berço 4. As colunas subseqüentes de K até V - referem-se aos dados e indicadores básicos relativos à movimentação das cargas. As colunas de K a Q deverão conter os dados básicos sobre as mercadorias transportadas em cada navio sob a forma de carga geral solta e contêineres. Coluna K Carga Geral Solta (t) onde deverão ser lançadas as quantidades de carga geral solta movimentadas pelo navio, em toneladas (ou em quilos, separando-se os três últimos algarismos por virgula). Coluna L Mercadoria Principal onde deverá ser indicada a principal mercadoria movimentada pelo navio (madeira, pimenta, etc.); K L M N O P Q Dados sobre a Carga Carga Contêineres Mercadoria Geral Unidades de 20' Unidades de 40' Principal Peso (t) Solta (t) Cheios Vazios Cheios Vazios Colunas M a R dados sobre contêineres, sendo: Colunas M e N as quantidades de unidades de 20 cheias e vazias movimentadas pelo navio; Colunas O e P - as quantidades de unidades de 40 cheias e vazias movimentadas pelo navio; Coluna Q o peso total do conteúdo dos contêineres transportados. As colunas de R a V contêm alguns indicadores e informações sobre quantidades movimentadas de contêineres. R S T U V Dados sobre a carga Prancha de Total dos contêineres por navio Observações Atendimento Sentido em Unidades em TEU (t/dia) 5

8 Coluna R Prancha de Atendimento (em t/dia) ou a relação entre as quantidades totais de cargas movimentadas (carga geral solta e contêineres) pelo navio e o tempo atracado, dado pela operação: = (K + Q)/ H Coluna S total dos contêineres movimentados em unidades ou a soma das colunas M a P: = Σ(M:P) Coluna T total dos contêineres movimentados em unidades equivalentes de vinte pés (TEU) ou a soma das colunas M a P, multiplicando-se as quantidades de 40 por 2, conforme a operação:: = M + N+ 2* (O+P) Coluna U Sentido onde deverá ser indicado o sentido de movimentação das cargas: importação (imp) ou exportação (exp). Caso o navio haja movimentado cargas nos dois sentidos devem ser utilizadas duas linhas consecutivas, uma para cada sentido. Coluna V Observações onde deverão ser anotadas informações relevantes sobre a operação do navio. Os demais indicadores serão obtidos a partir da sistematização das informações lançadas nas planilhas, como se indica na planilha de resumo do mês. Formatando as Células Atenção especial deve ser dada à formatação das células relativas ao lançamento dos dados de entrada, atracação e desatracação dos navios nos respectivos berços, de modo a possibilitar os cálculos da planilha. As datas de entrada, atracação e desatracação deverão ser lançadas de acordo com o formato indicado nas figuras seguintes. ATENÇÃO as datas (e horas) a serem lançadas nas células, relativas a cada navio, devem obedecer à mesma formatação adotada para a célula, ou seja, se um navio atracou no dia 04 de janeiro às 15 horas e 35 minutos, o lançamento na célula deverá ser: 4/1/02 15:35. 6

9 7

10 A partir desse formato de células de datas, é possível calcular, rapidamente, por simples diferença, os tempos operacionais necessários à apuração dos indicadores, como mostrado na figura anterior e no texto acerca dos cabeçalhos. Planilhas dos Berços 11 e 12 Para os berços 11 e 12 as colunas de A até J das planilhas são idênticas às já mostradas para a planilha dos berços 5 a 8. As diferenças decorrem do tratamento específico às cargas do 11 e 12 contêineres e granéis sólidos. Embora a ordem das colunas tenha algumas pequenas variações, a diferença marcante está no cálculo da produtividade ou prancha de atendimento para os navios de contêineres. Neste caso, a unidade indicada é unidades por hora ou boxes por hora, o que acarreta mudança na operação da coluna S, ou seja: = Q/H 8

11 A planilha do berço 12 é simplificada, vez que este movimenta, apenas uma única carga (granéis sólidos) e uma única mercadoria (trigo em grão). A prancha de atendimento é apurada de forma semelhante à carga geral, ou seja, em toneladas por dia, como indica a figura seguinte. 9

12 Porto de Vila do Conde À semelhança dos procedimentos apresentados para o porto de Belém, sugere-se a abertura de uma pasta para cada mês calendário, com tantas planilhas quantos forem os berços operacionais, reservando-se uma última para o resumo mensal e desenho de gráficos. A figura seguinte mostra o exemplo da pasta Vila CondeJAN2002, com as planilhas relativas aos berços 101, 102, 201 e 202 e ao resumo do mês. A organização dos cabeçalhos e formatação das células deverá ser feita de forma semelhante à proposta para o porto de Belém. 10

13 Disquete para Utilização É fornecido, de forma complementar ao presente manual, um disquete contendo os padrões sugeridos para a apuração dos indicadores em ambos os portos. Para sua utilização é bastante salvar diretamente do disquete, todos os meses, o arquivo PastaPadrão relativo ao porto desejado, utilizando-se da opção salvar como e designando como nome do arquivo o porto e o mês desejado. Por exemplo: Belém JAN2002. Em seguida, é bastante lançar os dados básicos que a planilha operará, automaticamente, na obtenção dos indicadores. Para a obtenção dos indicadores médios mensais deverão ser somadas as colunas respectivas aos tempo de espera e tempo atracado para serem obtidas, automaticamente, os valores da taxa média de ocupação e o nível de serviço do berço no mês. O mesmo procedimento de soma deverá ser aplicado às colunas relativas aos dados sobre as cargas (colunas J a P no conjunto de berços 5 a 8 de Belém), quando serão obtidos, automaticamente, os indicadores das pranchas de atendimento e total dos contêineres (colunas R a U do conjunto de berços 5 a 8 do porto de Belém). Para as demais planilhas e demais portos os procedimentos são semelhantes. 11

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh DESEMPENHO PORTUÁRIO Sistema Permanente de Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços Portuários XXI Encontro Nacional de Entidades Portuárias e Hidroviárias ENEPh Santos, 30 de Março

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas.

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. O que é o Excel? O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. Ele possibilita ao usuário desenvolver planilhas que efetuem cálculos, dos mais simples aos

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5 Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S.A. SANESUL MANUAL OPERACIONAL COMPRAS Gerência de Suprimentos SUP/GESU SUMÁRIO Acessar o sistema MICROSIGA... 3 Elaborar Solicitação de Compra... 5 Gerar Relatório

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR E m obediência ao que estabelece a alínea X do.1º do Art. 30 da lei 8.630/93, temos a satisfação de encaminhar para a aprovação do Conselho de Autoridade Portuária

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Manual de instruções Cadastro Avaliação 2013 Caro Usuário, Este manual contém todas as instruções necessárias para preenchimento dos dados de sua escola e alunos.

Leia mais

PRATICANDO... EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1

PRATICANDO... EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1 EXERCÍCIO: EXC-02 - Nível: 1 1. Entre no Microsoft Excel e digite as informações da planilha A e, em seguida efetue a formatação visual seguindo as especificações da planilha B: 2. Salve a planilha na

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4 EXCEL 2007 e 2010 2 ÍNDICE ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4 A série... 4 01 LISTA COM VALIDAÇÃO... 5 02 FUNÇÕES FINANCEIRAS... 7 03 FUNÇÃO DE BANCO DE DADOS... 12 04 RÓTULOS... 15 05 TABELA DINÂMICA... 18 06

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo O Tabnet, aplicativo desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), permite ao usuário fazer tabulações de bases de dados on-line e foi gentilmente cedido para disponibilização

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias TABELA I - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II - INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM - TABELA III - INSTALAÇÕES TERRESTRES

Leia mais

Importação NFe. As Notas Fiscais podem ser importadas por meio do arquivo XML enviado pelo fornecedor ou direto do portal da Nfe.

Importação NFe. As Notas Fiscais podem ser importadas por meio do arquivo XML enviado pelo fornecedor ou direto do portal da Nfe. Importação NFe Essa opção tem o objetivo importar as Notas Fiscais Eletrônicas, tornando o processo de lançamentos das Notas Ficais de entradas mais rápido. As Notas Fiscais podem ser importadas por meio

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda do Estado de São Paulo. SIGEO.NET (Viewer) Manual do Usuário. PRODESP/ SEFAZ SIGEO.

Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda do Estado de São Paulo. SIGEO.NET (Viewer) Manual do Usuário. PRODESP/ SEFAZ SIGEO. SIGEO.NET (Viewer) Manual do Usuário PRODESP/ SEFAZ SIGEO.NET página 1/1 ÍNDICE Página 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 3. Conexão (Usuário/Senha)... 6 4. Lista de Planilhas... 7 5. Acesso

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Excel é um programa de planilhas do sistema Microsoft Office. Você pode usar o Excel para criar e formatar pastas de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-014-R01 DIMENSIONAMENTO DE RECUROS HUMANOS NA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio

Leia mais

DIRF 2013 Ano Calendário 2012 Fase 1 Geração de Histórico de Planos Saúde

DIRF 2013 Ano Calendário 2012 Fase 1 Geração de Histórico de Planos Saúde DIRF 2013 Ano Calendário 2012 Fase 1 Geração de Histórico de Planos Saúde Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal versão 10 Chamado/Requisito : TGEKGP Data da publicação : 18/01/13 País(es) : Brasil

Leia mais

Boletim Técnico. DIRF 2012 Ano Calendário 2011 Fase 2 Geração de Histórico de Planos Saúde

Boletim Técnico. DIRF 2012 Ano Calendário 2011 Fase 2 Geração de Histórico de Planos Saúde DIRF 2012 Ano Calendário 2011 Fase 2 Geração de Histórico de Planos Saúde Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal versão 10 Chamado : TEDNM9 Data da publicação : 27/01/12 País(es) : Brasil Banco(s)

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Cadastro de Franquias. Cadastro de Tipo. Configuração da Exportação

Cadastro de Franquias. Cadastro de Tipo. Configuração da Exportação Franquias O módulo Franquias permite que o Franqueador envie cadastros de produtos, serviços e preços para seus Franqueados. Sendo possível também, controlar as movimentações de vendas e estoque dos mesmos.

Leia mais

Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital

Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital Página 1 de 9 Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital Este é um dos principais módulos do Sigla Digital. Ferramenta de controle financeiro das empresas cadastradas no Sigla Digital. Por essa ferramenta

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II

Leia mais

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA Como já é de conhecimento de todos, iniciamos nossa operação de faturamento com o novo modelo exigido pelo Governo Federal, de

Leia mais

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Sumário 1. Ambiente Group Shopping... 3 2. Alteração na Tela de Contratos e Controle de Edições... 7 3. Propagação de Contratos... 10 4. Configuração de Impressora

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA PLAN2_ESTOQUES_DENTRO_E_FORA_DO_ESTADO.XLS 1 1- INTRODUÇÃO A planilha PLAN2_ESTOQUES_DENTRO_E_FORA_DO_ESTADO.XLS registra os estoques, conforme a Figura 1 abaixo: Figura

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 28 de agosto de 2013. 1 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 02 de outubro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira.

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira. AUDITORIA FINANCEIRA Processo de uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

O tratamento de informação através de planilha eletrônica, aplicada ao software Excel

O tratamento de informação através de planilha eletrônica, aplicada ao software Excel Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Sombrio Educação Matemática e Tecnologias O tratamento de informação através de planilha eletrônica, aplicada ao software Excel Letícia Fontana Paulo Malu

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO Esta tabela remunerará as facilidades portuárias constituídas pelos molhes, quebramares, canal de acesso

Leia mais

Gravando uma Áudio Conferência

Gravando uma Áudio Conferência Gravando uma Áudio Conferência Para iniciar a gravação da áudio conferência, digite *2. Você ouvirá a seguinte mensagem: Para iniciar a gravação da conferência pressione 1, para cancelar pressione * Ao

Leia mais

5 O Modelo de simulação

5 O Modelo de simulação 44 5 O Modelo de simulação 5.1. A Seleção do Ambiente de Desenvolvimento Dois modelos, cada um representando um dos regimes de atendimento em estudo, foram desenvolvidos integralmente em VBA Excel. A escolha

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0

MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0 Funcionamento da Planilha de Horas Resumo das Etapas Preenchimentos Obrigatórios Abono Cliente Falta Férias Horas Extras Observações Importantes Envio da Planilha

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais TABELA I - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II - INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM - TABELA III - INSTALAÇÕES

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros:

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Menu Notas Fiscais Entradas (não é um manual) Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Loja desejada. Fornecedor desejado (com marcas homologadas). Filtro para ignorar

Leia mais

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES 1 2 INTRODUÇÃO... 3 TIPOS DE REGISTROS... 4 LAY-OUTS... 4 DADOS DA ESCALA.... 5 DADOS DO MANIFESTO.... 5 DADOS DO CONTEINER VAZIO.... 6 DADOS DO CE MERCANTE....

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT Conteúdo 1. IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT... 2 1.1 Importação do SINTEGRA/SEF OU SPED FISCAL... 2 1.2 Importação dos INVENTÁRIOS MENSAIS ou TRIMESTRAIS.... 3 1.3 Importação da base de

Leia mais

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office.

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. EXCEL O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. É composto das seguintes partes: Pasta de Trabalho um arquivo que reúne várias planilhas, gráficos, tabelas,

Leia mais

Max Fatura Sistema de Gestão

Max Fatura Sistema de Gestão Sumário 1 Tela Inicial... 2 2 Tela de Pesquisa... 3 3 Tela de Vendas... 4 5 Aproveitamento de Icms... 5 6 Salvar... 5 9 Para emissão da nota fiscal... 7 10 Impressão de relatórios... 7 11 Contas a Pagar

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

SIGAC Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controle dos Compromissos

SIGAC Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controle dos Compromissos SIGAC Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controle dos Compromissos INSTRUÇÕES GERAIS O sistema Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controle dos Compromissos (SIGAC) será encaminhado à organização adesa

Leia mais

APOSTILA DE EXCEL 2007

APOSTILA DE EXCEL 2007 APOSTILA DE EXCEL 2007 1. Introdução Quando você cria uma planilha nova, a tela do computador é dividida em linhas e colunas, formando uma grade. A interseção de uma linha e de uma coluna é chamada de

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

Sistema de Controle de Cheques GOLD

Sistema de Controle de Cheques GOLD Sistema de Controle de Cheques GOLD Cheques GOLD é um sistema para controlar cheques de clientes, terceiros ou emitidos. Não há limitações quanto as funcionalidades do programa, porém pode ser testado

Leia mais

Movimento. Financeiro. Bancário. Contas a Pagar. Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber. Lançamento de Contas a Receber (simples)

Movimento. Financeiro. Bancário. Contas a Pagar. Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber. Lançamento de Contas a Receber (simples) Movimento Financeiro Contas a Pagar Lançamento de Contas a Pagar (simples) Contas a Receber Lançamento de Contas a Receber (simples) Movimento de Caixa Fechamento Caixa Bancos Apropriações de Centros de

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o Excel; 2. Conhecendo a Tela do Excel. 3. Inserindo

Leia mais

SicLoja Polyvan. Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br

SicLoja Polyvan. Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br SicLoja Polyvan Objetivo: Controla serviços, comissões dos funcionários, débitos dos clientes, contas apagar controle de estoque

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

IBM Software Demos WebSphere Dashboard Framework

IBM Software Demos WebSphere Dashboard Framework O IBM é uma ferramenta avançada e flexível de criação de painéis ativos baseados em padrões. Ele ajuda a reduzir os custos de desenvolvimento e implantação, simplificando e reduzindo o ciclo de desenvolvimento

Leia mais

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/36 LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS Macro Imprimir Neste exemplo será criada a macro Imprimir que, ao ser executada, deverá preparar a

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta)

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa.

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

CE-240 ListEx 1. Lista de Exercícios 1. Relatório

CE-240 ListEx 1. Lista de Exercícios 1. Relatório CE-240 ListEx 1 Lista de Exercícios 1 Relatório Autor: Daniela América Da Silva Data: 10/04/2007 Versão 2.0 Página 1 de 5 1. Objetivo da Listex 1 Este relatório descreve a execução de operações básicas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS MANUAL DO USUÁRIO Apoio SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ROTINAS... 3 2.1 GUIA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio Faizi Rahnemay

Leia mais

IBM Software Demos Lotus Quickr

IBM Software Demos Lotus Quickr Ser competitivo no mercado dinâmico de hoje exige das empresas acesso rápido e fácil a informações importantes que possam ser compartilhadas entre organizações, regiões e aplicativos. O IBM [pronounced

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

Sumário I. Acesso ao sistema FATURA FÁCIL II. Importando faturas III. Como realizar o upload da fatura IV. Exportando o arquivo para o Excel

Sumário I. Acesso ao sistema FATURA FÁCIL II. Importando faturas III. Como realizar o upload da fatura IV. Exportando o arquivo para o Excel Fatura Fácil Web 2 Sumário I. Acesso ao sistema FATURA FÁCIL... 4 II. Importando faturas... 5 III. Como realizar o upload da fatura... 6 IV. Exportando o arquivo para o Excel... 8 V. Rateio por Linha...

Leia mais

Tabela I. Tabela II. Tabela V

Tabela I. Tabela II. Tabela V TARIFÁRIO DO PORTO DE NATAL Tabela I Tabela II Utilização da Infraestrutura de Proteção e Acesso Aquaviário; Taxas Devidas pelo Armador ou Seu Agente Marítimo; Utilização da Infraestrutura de Acostagem;

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 2013 Relatório Gerencial Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Seleção dos registros... 4 2.1 Seleção dos executores... 4 2.2 Parâmetros...

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

6. Terminais Dedicados

6. Terminais Dedicados 6. Terminais Dedicados 6.1. Viáveis no caso brasileiro? Com base no que já foi exposto, cabe ainda outra discussão que cada vez mais está presente para armadores e operadores portuários. Existe real vantagem

Leia mais

Manual de utilização do Sistema. Plano Tiss

Manual de utilização do Sistema. Plano Tiss Manual de utilização do sistema de lançamento de guias Planotiss 1 Manual de utilização do Sistema Plano Tiss Plano Tiss Após a instalação do Sistema Planotiss, será criada um atalho na Área de trabalho,

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013 Florianópolis, 26 de fevereiro de 2013. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.11.1.7 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema.

A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema. Página1 Configurações A configuração é um dos aspectos mais importante ao acessar o módulo pela primeira vez, pois é a base para o desempenho do sistema. Como vimos o Plano de Contas dá a ideia inicial

Leia mais

Exercício Excel Tabuada

Exercício Excel Tabuada Exercício Excel Tabuada 1) Crie um documento novo em branco no Excel. Digite os números 1 e 2 nas células C3 e C4 como mostra o exemplo da Figura A. 2) Selecione os números 1 e 2 e clique na alça da célula

Leia mais

DOCUMENTO OPERACIONAL. PROCESSO: ATENDIMENTO A CLIENTES EM VIAGENS PARTICULARES ou LAZER. SETOR RESPONSÁVEL: LAZER

DOCUMENTO OPERACIONAL. PROCESSO: ATENDIMENTO A CLIENTES EM VIAGENS PARTICULARES ou LAZER. SETOR RESPONSÁVEL: LAZER PÁGINA: 1 de 6 1.0 OBJETIVO: Atender aos clientes passageiros em suas solicitações de serviços de viagens particulares ou a lazer, identificar suas necessidades, analisar criticamente as solicitações (seleção

Leia mais

Manual de Usuário INDICE

Manual de Usuário INDICE Manual de Usuário INDICE Características do Sistema... 02 Características Operacionais... 03 Realizando o Login... 04 Menu Tarifador... 05 Menu Relatórios... 06 Menu Ferramentas... 27 Menu Monitor... 30

Leia mais

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial Manual de Conversão para PDF Manual de Conversão para PDF 3 Conversão para PDF Microsoft Office 2003 Instalação da impressora PDF O pacote de aplicativo Office 2003 não possui nativamente o recurso de

Leia mais

Pacote Office. Subtítulo

Pacote Office. Subtítulo Pacote Office Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em Tecnologia

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

Introdução O VoIP. O Sistema. Funcionamento. Painel Administrativo.

Introdução O VoIP. O Sistema. Funcionamento. Painel Administrativo. Manual VoIP Sumário Introdução...2 O VoIP...2 O Sistema....2 Funcionamento....2 Painel Administrativo....2 Adicionar Créditos....3 Relatório de Clientes....5 Relatório de Chamadas....6 Sistema de Revenda....7

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

TERMINAIS DE USO PRIVATIVO

TERMINAIS DE USO PRIVATIVO EXPANSÃO DO SISTEMA DESEMPENHO PORTUÁRIO E DA COLETA ELETRÔNICA DAS ESTATÍSTICAS DA MOVIMENTAÇÃO PORTUÁRIA TERMINAIS DE USO PRIVATIVO Brasília, 17 de dezembro de 2007 MODELOS DE ENVIO DE DADOS Formulário

Leia mais