CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de São Paulo

2 O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição do CAI na economia Uso de conceitos diferentes Falta de um documento da ABAG

3 OBJETIVOS Caracterizar o CAI Dimensionar seu Valor Referência para a ABAG e outras organizações

4 METODOLOGIA Teoria do Agribusiness Contas Nacionais e Matriz de Insumo- Produto Tabela de Insumo-Produto 1996

5 CONCEITOS

6 COMPLEXO AGROINDUSTRIAL: AGENTES DE CADA ELO DAS CADEIAS PRODUTIVAS, PARTINDO DO MERCADO DE INSUMOS E FATORES DE PRODUÇÃO (ANTES DA PORTEIRA), PASSANDO PELA UNIDADE AGRÍCOLA PRODUTIVA (DENTRO DA PORTEIRA) E INDO ATÉ O PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO (DEPOIS DA PORTEIRA), DOS PRODUTOS PERTENCENTES AO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL

7 CONTAS NACIONAIS E INSUMO-PRODUTO: Produção: VP=CI+VA Renda: VA=RE + LU Demanda Final: DF= VA; ENTÃO: VA = RE+LU = DF PIB = VA + IMPOSTOS (Produção)

8 SEGMENTAÇÃO DO CAI Núcleo do CAI = Agropecuária Antes da Porteira: Insumos e Máquinas Depois da Porteira: Agroindústria e Serviços

9 NÚCLEO DO CAI Produtos Vegetais Produtos Animais Exploração Florestal Agroindústria Rural Pesca

10 CAI ANTES DA PORTEIRA Insumos Agropecuários Insumos Industriais Serviços dos Insumos

11 CAI DEPOIS DA PORTEIRA Atividades exclusivas do CAI Celulose, Papel e Gráfica Indústria do Café Beneficiamento de Produtos Vegetais Abate de Animais Indústria de Laticínios Indústria do Açúcar Fabricação de Óleos Vegetais Fabr. de Outros Produtos Alimentares

12 CAI DEPOIS DA PORTEIRA Atividades Parcialmente Pertencentes ao CAI Siderurgia e Indústria da Borracha Madeira e Mobiliário Elementos Químicos Indústria Têxtil Vestuário Fabricação de Calçados

13 RESULTADOS

14 NÚCLEO DO CAI Tabela 4 Valor da produção da Agropecuária - Brasil 1996 Produtos Valor (R$ milhões) Café em coco 4143 Cana de açúcar 5375 Arroz em casca 2156 Trigo em grão 649 Soja em grão 5036 Algodão em carroço 493 Milho em grão 4657 Bovinos e Suínos vivos Leite Natural 6036 Aves Vivas 4177 Outros Produtos Agropecuários Produtos do Café 1222 Outros prod. Vegetais Beneficiados 1047 Carne Bovina 872 Carne de Aves Abatidas 1141 Outros Laticínios 1993 Açúcar 173 Bebidas 482 Outros 109 Total Fonte: Dados Brutos - IBGE.Elaboração: Autores.

15 CONSUMO INTERMEDIÁRIO Tabela 5 Consumo intermediário da Agropecuária - Brasil 1996 Insumos Valor (R$ milhões) Café em coco 1487 Cana de açúcar 332 Arroz em casca 152 Trigo em grão 491 Soja em grão 401 Milho em grão 2750 Bovinos e Suínos 594 Leite Natural 1572 Aves Vivas 815 Outros Produtos Agropecuários 7780 Outros Minerais 408 Outr. Prod. Metalúrgicos 200 Man. Máquinas e Equipamentos 304 Óleos Combustíveis 1890 Outros Prod. Do Refino 420 Gasoálcool 233 Adubos 4987 Outros Produtos Químicos (defensivos) 3447 Prod. Farmaceuticos e de Perfumaria 413 Artigos de Plástico 319 Outros Produtos Texteis 236 Óleos Vegetais em Bruto 914 Outros Produtos Alimentares, inclusive rações 4283 Serviços Industriais de Utilidade Pública 423 Margem de Comércio 137 Margem de Transporte 1067 Serviços Financeiros 568 Outros Serviços 252 Serviços Prestados a Empresas 1068 Outros Produtos e Serviços 386 Total Fonte: Dados Brutos - IBGE. Elaboração: Autores

16 VALOR ADICIONADO Tabela 6 Valor adicionado da Agropecuária - Brasil 1996 Operações Valor (R$ milhões) Valor da Produção Consumo Intermediário Valor Adicionado Fonte: Dados Brutos- Elaboração: Autores

17 CAI ANTES DA PORTEIRA Tabela 8 Insumos Industriais e Serviços para a Produção Agropecuária - Brasil 1996 (em milhões de R$) Valor da Consumo Valor Atividades Produtos Produção Intermediário Adicionado Extrativa Mineral Outros Minerais Outros Metalúrgicos Outros Produtos Metalúrgicos Máquinas e Tratores Manutenção. De Máquinas e Tratores Óleos Combustíveis Refino de Petróleo Out. Prod. De Refino 420 Gasoálcool 233 Outros Petroq. Básicos 70 Químicos Diversos Sub-Total Adubos Outros Químicos (defensivos) Farmacêutica e Perfumaria Sub-Total Prod. de Farmácia e Perfumaria (prod. veterinários) Artigos de Plástico Artigos de Plástico Serv. Ind. de Utilidade Pública Energia Elétrica Instituições Financeiras Seguros 14 Serviços Financeiros 568 Serviços Prestados às Familias Serviços prest. às Empresas Sub-Total Colheita, aplicação de defensivos e assistência técnica Outros Serviços Total Fonte: Dados Brutos - IBGE. Elaboração: Autores

18 CAI DEPOIS DA PORTEIRA Tabela 25 Valor Adicionado das Atividades Industriais Exclusivas do CAI em 1996 Brasil (valores em milhões de R$) Atividades Valor da Consumo Valor Produção Intermediário Adicionado Papel e Gráfica Indústria do Café Beneficiamento de Produtos Vegetais Abate de Animais Indústria de Laticínios Indústria do Açúcar Indústria de Óleos Vegetais Indústria de Outros Produtos Alimentares Total Fonte: Dados brutos - IBGE. Elaboração: Autores

19 ATIVIDADES PARCIALMENTE PERTENCENTES AO CAI Tabela 39 Valor Adicionado das Atividades Industriais Parcialmente Pertencentes ao CAI em 1996 Brasil (valores em milhões de R$) Atividades Valor da Consumo Valor Produção Intermediário Adicionado Siderurgia Indústria da Borracha Madeira e Mobiliário Elementos Químicos Indústria Textil Artigos do Vestuário Fabricação de Calçados Total Fonte: Dados brutos - IBGE. Matriz de Insumo-Produto de 1996.

20 ATIVIDADES PARCIALMENTE PERTENCENTES AO CAI Setor % do CAI Siderurgia 5,4 Indústria da Borracha 11,4 Madeira e Mobiliário 99,8 Elementos Químicos 20,2 Indústria Téxtil 98,2 Artigos de Vestuário 62,9 Fabricação de Calçados 98

21 SERVIÇOS Tabela 43 Valor Adicionado das Atividades de Transporte e Comércio de Produtos do CAI Brasil (valores em milhões de R$) Atividade Valor da Produção Consumo Intermediário Valor Adicionado Transporte Comércio Total Fonte: Dados brutos - IBGE (1999a). Elaboração: Autores

22 Tabela 45 Produção do Complexo Agroindustrial Brasileiro em 1996 Valores em R$ milhões Atividades do CAI Valor da Consumo Valor Produção Intermediário Adicionado Núcleo do CAI Agropecuária Fornecedores de Insumos para Agropecuária Extrativa mineral Outros produtos metalúrgicos Manutenção de máquinas e tratores Refino de petróleo Químicos diversos (adubos e defensivos) Produtos veterinários Artigos de plástico Energia elétrica Serviços de reparação de veículos Serviços de apoio à agropecuária Fornecedores de Máquinas para Agropecuária 800 Indústria de máquinas e implementos agrícolas n.d. n.d 800 Agroindústria e Serviços Papel e gráfica Indústria do café Beneficiamento de produtos vegetais Abate de animais Indústria de laticínios Indústria do açúcar Fabricação de óleos vegetais Fabricação de outros produtos alimentares Siderurgia Indústria da borracha Madeira e mobiliário Fabricação de elementos químicos (álcool) Indústria têxtil Fabricação de artigos do vestuário Fabricação de calçados Transportes Comércio Administração Pública Total Fonte: Dados brutos - IBGE. Matriz de Insumo-Produto de 1996.

23 Tabela 46 Produção dos Agregados do Complexo Agroindustrial Brasileiro em 1996 Valores em R$ milhões Atividades do CAI Valor da Consumo Valor Produção Intermediário Adicionado Núcleo do CAI Indústria Insumos e Máquinas para Agropecuária Agroindústria e Serviços Total da produção do CAI Fonte: Dados brutos - IBGE. Matriz de Insumo-Produto de 1996.

24 Tabela 47 Participação do Complexo Agroindustrial no PIB Brasileiro em 1996 Valores em R$ milhões Produto Interno Bruto do CAI Valor Valor Adicionado Impostos sobre produtos do CAI PIB do Cai PIB do Brasil Participação do CAI no PIB do Brasil 20,6% Fonte: Dados brutos - IBGE. Matriz de Insumo-Produto de 1996.

25 Figura 2: Valor Adicionado do CAI Brasileiro 1996 Agroindústria e Serviços 53,45% Insumos = 4,54% Refino do Petroleo = 0,66% Adubos e Corretivos = 1,93% Serviços de Apoio = 0,56% Energia Elétrica = 0,17% Outros = 1,23 Núcleo do CAI: Agropecuária 42,00% 4,95% 1,07% 3,74% Papel e Gráfica Indústria do Café Bem. Produtos Vegetais 2,95% Abate de Animais 1,48% Ind. Laticiniuos 0,78% 1,47% 6,02% 4,20% 3,64% 1,76% 2,03% 2,19% 14,24% Ind. Açúcar Fab. Óleos Vegetais Outros Prod. Alimentares Madeira e Moliciário Ind. Textil Vestuários Calçados Transportes Comércio Outros 2,93%

26 RESUMO - PARTICIPAÇÃO DO CAI (%) PIB - 20,8-4,5 Antes 42,0 Núcleo 53,5 Depois Valor da Produção: 25,0 Emprego: 37,1 Exportações: 40,0

27 DIFERENÇAS EM RELAÇÃO A OUTROS ESTUDOS Metodologias Duplas Contagens Soma de atividades não exclusivas

28 POR QUE 20,8% DO PIB Queda da participação da agricultura Aumento da pobreza na agricultura Quantificação do impacto direto Queda do apoio governamental Sobrevalorização cambial Baixos salários e baixa margem de lucro

29 FUTUROS ESTUDOS Desagregação da matriz Análise das cadeias em separado Impactos intersetoriais - dinâmica (Leontief) Matrizes regionais Revisão periódica com mesma metodologia

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 Silvio Massaru Ichihara Joaquim J. M. Guilhoto Marcio Guerra Amorim n.6 Série Estudos Ocupacionais ANÁLISE ESTRUTURAL

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002

AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002 AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002 Novembro de 2002 AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002 1 Sumário e Principais Conclusões...5 As Importações no Período 1995-2001...13 As Importações, Segundo as Categorias

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 Flávia Maria de Mello Bliska Centro de Café, Instituto Agronômico, IAC, Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins

Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins Esta nota tem como objetivo avaliar os impactos da mudança do regime de tributação da Cofins de cumulativo para não-cumulativo. Para tanto, na primeira

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Planejamento da política econômica

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Ano I, Nº 1, AGOSTO DE 2002 INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Fernando J. Ribeiro Ricardo Markwald A dinâmica da pauta de exportações é um aspecto relevante para explicar o desempenho das vendas

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Desoneração da folha de salários Brasília 08 de dezembro de 2009

Desoneração da folha de salários Brasília 08 de dezembro de 2009 Desoneração da folha de salários Brasília 08 de dezembro de 2009 Marcos Cintra www.marcoscintra.org INSS éo maior ônus sobre os salários, quase 60% do total recolhido sobre a folha das empresas Tributos

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

OCORREU UMA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL?

OCORREU UMA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL? Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial OCORREU UMA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL? Novembro de 2005 Conselho do IEDI Abraham Kasinski Sócio Emérito Amarílio Proença de Macêdo Andrea Matarazzo

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira

Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira Análise do impacto da incidência em cascata do PIS/PASEP, COFINS e CPMF. Análise do impacto das taxas de juros sobre o custo financeiro da carga

Leia mais

1- Imposto Mínimo. Garantir fontes estáveis de financiamento à Previdência Social

1- Imposto Mínimo. Garantir fontes estáveis de financiamento à Previdência Social 1- Imposto Mínimo Objetivos: Corrigir uma flagrante injustiça no sistema tributário brasileiro mediante a desoneração do trabalho de sua pesada carga de tributos, tanto para o empregado quanto para o empregador

Leia mais

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários.

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. 11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. Resultados das negociações coletivas gradativamente superaram o INPC e têm aumento real aproximado de

Leia mais

RELATÓRIO PIBAGRO- BRASIL

RELATÓRIO PIBAGRO- BRASIL RELATÓRIO PIBAGRO- BRASIL Dezembro de 2013 GDP Agribusiness Brazil Outlook Relatório PIBAgro-Brasil GDP A G R I B U S I N E S B R A Z I L O U T L O O K O Relatório PIB Agro Brasil é uma publicação mensal

Leia mais

The sectoral distribution of the Brazilian agribusiness GDP

The sectoral distribution of the Brazilian agribusiness GDP MPRA Munich Personal RePEc Archive The sectoral distribution of the Brazilian agribusiness GDP Joaquim José Martins Guilhoto and Maria Cristina Ortiz Furtuoso Universidade de São Paulo 2000 Online at https://mpra.ub.uni-muenchen.de/54225/

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Claudinei Ramos de Oliveira UEPG Eziquiel Gu e r r e i r o UEPG Jú l i o Cé s a r Bilik UEPG Resumo: Este trabalho

Leia mais

25 de abril de 2015/ nº 012

25 de abril de 2015/ nº 012 Participação adm. e dems. total 25 de abril de 2015/ nº 012 Cenário industrial: Em março deste ano, a produção da indústria de transformação em Mato Grosso apresentou crescimento de 6,1% em relação ao

Leia mais

Comunicado CAT n 36, De 29-07-2004

Comunicado CAT n 36, De 29-07-2004 Comunicado CAT n 36, De 29-07-2004 (DOE de 30-07-2004; Rep 31-07-2004) Esclarece sobre a impossibilidade de aproveitamento dos créditos de ICMS provenientes de operações ou prestações amparadas por benefícios

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira 2 Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

O Perfil Produtivo da Indústria Goiana

O Perfil Produtivo da Indústria Goiana Marcos Fernando Arriel 1 O Perfil Produtivo da Indústria Goiana Sérgio Duarte de Castro 2 Resumo: : O presente artigo tem como objetivo caracterizar o perfil da indústria goiana e sua dinâmica no período

Leia mais

Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste

Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste Francisco Diniz Bezerra Coordenador de Estudos e Pesquisas BNB/ETENE Fortaleza CE 20/11/2013 Indicadores socioeconômicos da

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara

Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara MDA/NEAD Brasília, 2005 Luiz Inácio Lula

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

Desenvolvimento Agrário PIB DAS CADEIAS PRODUTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR. dezembro 2004

Desenvolvimento Agrário PIB DAS CADEIAS PRODUTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR. dezembro 2004 Ministério do Desenvolvimento Agrário PIB DAS CADEIAS PRODUTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR dezembro 2004 REALIZAÇÃO Instituição executora: FIPE/USP Fundação Instituto de Pesquisas Econômica Equipe técnica:

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro)

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) Metodologia Entenda o IC AGRO O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) apresenta informações sobre a percepção econômica do Brasil e do agronegócio por produtores agropecuários, cooperativas e indústrias

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro

Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro de outubro de 2014 recuou 0,08%, mas no acumulado do ano manteve o resultado

Leia mais

APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado. www.bblink.com.br

APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado. www.bblink.com.br AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E TRIBUTÁRIOS DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ PORTO ALEGRE Junho 2015 APOIO NO DESENVOLVIMENTO Transformando conhecimento em resultado www.bblink.com.br

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun 1 UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL Maria Helena Zockun Resumo O trabalho estima a parcela da atividade econômica que não declarou seu faturamento à tributação em 1996, por setor. A

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

FOTOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL RIO GRANDE DO SUL

FOTOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL RIO GRANDE DO SUL FOTOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL RIO GRANDE DO SUL 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1 ECONOMIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL... 4 2 ALIMENTOS...19 3 BEBIDAS...24 4 TABACO...29 5 TÊXTEIS...34 6 VESTUÁRIO

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

COMUNICADO CAT Nº 36, de 29-07-2004

COMUNICADO CAT Nº 36, de 29-07-2004 Página 1 de 10 Portal do Governo Cidadão.SP Investimentos.SP Destaques Home Institucional Serviços Legislação Prestando Contas Municípios e Parcerias Notícias Download Fale Conosco Índices : Legislação

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais