Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011"

Transcrição

1 Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Hidrovia do Madeira Hidrovia do Paraguai Hidrovia Paraná-Tietê Hidrovia Solimões-Amazonas Hidrovia do Sul Hidrovia Tocantins-Araguaia

2 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO INTERIOR Gerência de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior HIDROVIAS BRASILEIRAS INDICADORES DO TRANSPORTE DE CARGAS: TONELADA ÚTIL TRANSPORTADA (t) E TONELADA QUILÔMETRO ÚTIL (TKU) 2011 Brasília, agosto 2012

3 FICHA TÉCNICA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Diretor-Geral em Exercício (DG) Tiago Pereira Lima Diretor (DR) Pedro Brito Superintendência de Navegação Interior SNI Adalberto Tokarski Gerência de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior GDI José Renato Ribas Fialho Elaboração: Isaac Monteiro do Nascimento Marcos Gomes Coelho ii

4 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Transporte de Cargas no Brasil em TKU Tabela 2. Principais grupos de mercadoria transportados na hidrovia, Brasil Tabela 3. - Principais grupos de mercadoria transportados na ferrovia, Brasil Tabela 4. Distâncias das linhas de navegação interior Tabela 5. Distâncias das linhas de cabotagem em vias interiores Tabela 6. Distâncias das linhas de longo curso em vias interiores Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por tipo de navegação Tabela Transporte de NI Estadual de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por linha e grupo de mercadoria Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas- Solimões por linha (origem-destino) Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas- Solimões por grupo de mercadoria Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas- Solimões por linha (origem-destino) e grupo de mercadoria Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por linha (origem-destino) e sentido (jusante-montante) Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Madeira por tipo de navegação Tabela Transporte interestadual de cargas na Hidrovia do Madeira por sentido e grupo de mercadoria Tabela Transporte interestadual de carga na Hidrovia do Madeira por linha de navegação e sentido Tabela Transporte interestadual de carga na Hidrovia do Madeira por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte internacional de carga na Hidrovia do Madeira por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Paraguai por tipo de navegação Tabela Transporte Internacional¹ de cargas na Hidrovia do Paraguai por linha (origem-destino) Tabela Transporte Internacional¹ de cargas na Hidrovia do Paraguai por grupo de mercadoria Tabela Transporte Internacional¹ de cargas na Hidrovia do Paraguai por grupo de mercadoria, linha e sentido

5 Tabela Transporte de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por tipo de percurso Tabela Transporte Estadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por linha Tabela Transporte Estadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por grupo de mercadoria Tabela Transporte Estadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por grupo de mercadoria e linha Tabela Transporte Interestadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por linha Tabela Transporte Interestadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por grupo de mercadoria Tabela Transporte Interestadual de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por grupo de mercadoria e linha Tabela Transporte Internacional de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por linha Tabela Transporte Internacional de cargas na Hidrovia Paraná-Tietê por grupo de mercadoria e sentido Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Sul por tipo de navegação Tabela Transporte estadual de cargas na Hidrovia do Sul por linha Tabela Transporte estadual de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria Tabela Transporte estadual de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria e linha Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia do Sul por linha e sentido Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria e sentido Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia do Sul por linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia do Sul por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por tipo de navegação Tabela Transporte Estadual de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por grupo de mercadoria e linha Tabela Transporte Interestadual de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por grupo de mercadoria e linha Tabela Transporte de Cabotagem de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por grupo de mercadoria, linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por linha e sentido Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Tocantins-Araguaia por grupo de mercadoria, linha e sentido

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Transporte de cargas no Brasil por modal (em milhões de TKU) Figura 2. Transporte estadual e interestadual de cargas que passou pela Hidrovia Solimões-Amazonas e do Madeira por intensidade do transporte, Figura 3. Percentual exportado pela Hidrovia do Paraguai (toneladas), Figura 4. Transporte de soja na Hidrovia Paraná-Tietê Figura 5. Transporte estadual de carga na Hidrovia do Sul por intensidade de transporte,

7 SUMÁRIO Introdução... 7 Transporte de cargas Brasil... 8 Transporte de cargas por Hidrovia... 9 Anexo 1 Distâncias dos pares O/D por tipo de navegação Anexo II Tabelas da Hidrovia Solimões-Amazonas Anexo III Tabelas da Hidrovia do Madeira Anexo IV Tabelas da Hidrovia do Paraguai Anexo V Tabelas da Hidrovia do Paraná-Tietê Anexo VI Tabelas da Hidrovia do Sul Anexo VII Tabelas da Hidrovia Tocantins-Araguaia

8 Introdução O presente trabalho tem como objetivo apresentar a produção do transporte de cargas realizado pelas hidrovias no ano de Para isso valeu-se de dois indicadores de produtividade: tonelada útil transportada (t) e tonelada quilômetro útil (TKU). Os dados são oriundos do Sistema de Desempenho Portuário SDP da ANTAQ e foram complementados pelo Departamento Hidroviário da Secretaria de Transportes de São Paulo DH/SEST/SP e pela Administração da Hidrovia do Paraná AHRANA. A estimação do volume transportado seguiu a mesma metodologia adotada no Anuário Estatístico Aquaviário 2011, disponível em < Os indicadores são formas de representação quantitativa das hidrovias, uteis para o planejamento, acompanhamento e fiscalização da atividade regulada. A tonelada útil transportada (t) é definida como sendo o total de carga transportada na hidrovia. Já a tonelada quilômetro útil é definida como a quantidade de tonelada útil transportada multiplicada pela quilometragem percorrida pelas mesmas, tendo como unidade de apresentação a expressão TKU. Os resultados são apresentados para cada um dos seis corredores hidroviários, nos quais foi verificado o transporte de carga em percurso longitudinal: Solimões- Amazonas, Madeira, Tocantins-Araguaia, Paraguai, Paraná-Tietê e Hidrovias do Sul; e estão disponíveis por tipo de navegação (interior, cabotagem em vias interiores e longo curso em vias interiores), grupo de mercadoria e linha de transporte (par origem destino). Apesar de não estar incluído nesse estudo, registra-se a ocorrência de transporte de cargas na hidrovia do São Francisco. Em 2011 foram transportados toneladas de caroço de algodão de Ibotirama/BA para Petrolina/PE, um percurso de 576 km, totalizando de TKU. Os dados foram fornecidos pelo administrador do Porto Fluvial de Petrolina após a finalização deste relatório. Para o cálculo do TKU, as medidas de quilometragem dos pares de origemdestino foram obtidas por intermédio do SIGTAQ, Sistema de Informações Geográficas de Transportes Aquaviários da ANTAQ, tendo a sede do município como centroide das instalações portuárias. No que tange ao cálculo do TKU em hidrovias, para o transporte 7

9 de cabotagem e longo curso utilizou-se as coordenadas da Linha de Base Reta da costa brasileira (Decreto n 4.983/2004) como limite das vias interiores. As distâncias consideradas estão disponíveis no Anexo 1. Cabe esclarecer que os dados totalizadores somente serão apresentados em TKU, não sendo conveniente efetuar a soma das cargas transportadas pelos diferentes tipos de navegação em toneladas, pois há o risco de dupla contagem das cargas transbordadas ou baldeadas de um tipo de navegação para outro. Ressalta-se que os volumes de carga transportados classificados como percurso não identificado no Anuário Estatístico Aquaviário 2011 não puderam ser representados neste trabalho, pois nesse caso não se dispõe da distância percorrida. Transporte de cargas Brasil A utilização do transporte hidroviário interior no Brasil ainda é modesta. Em 2011 ele representou 20,7% do volume transportado no modal ferroviário. Contudo, dados de transporte de carga indicam que grande parte da malha ferroviária é utilizada para o transporte de minério de ferro (74% do total transportado) 1. Já o transporte hidroviário possui mais disponibilidade para uma variedade maior de produtos. Comparativamente, o transporte de cargas nas vias interiores cresceu 5,14% de 2010 para 2011; enquanto que o transporte ferroviário cresceu 5,5% no período. Figura 2 Transporte de cargas no Brasil por modal (em milhões de TKU) TKU (milhões) Ano 2010 Hidrovias interiores TKU (milhões) Ano 2011 Ferrovias Fonte: ANTAQ e ANTT. 1 Consulta de mercadorias transportadas realizada no Sistema SAFF/ANTT em 13/07/12. 8

10 Tabela 1. Transporte de Cargas no Brasil em TKU TIPO DE NAVEGAÇÃO TKU % CABOTAGEM EM VIAS INTERIORES ,5% LONGO CURSO EM VIAS INTERIORES ,9% NAVEGAÇÃO INTERIOR ,6% ESTADUAL ,2% INTERESTADUAL ,2% INTERNACIONAL ,8% TOTAL GERAL ,1% Fonte: SDP/ANTAQ, DH, AHRANA. Tabela 2. Principais grupos de mercadoria transportados na hidrovia, Brasil Grupos de mercadoria TKU % % Acum. BAUXITA ,71% 36,71% CONTÊINERES ,35% 52,06% SOJA ,80% 61,86% COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS ,94% 70,80% MINÉRIO DE FERRO ,22% 78,02% SEMI-REBOQUE BAÚ ,05% 84,06% MILHO ,63% 87,69% PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS ,93% 89,62% CIMENTO ,74% 91,36% FARELO DE SOJA ,64% 93,00% OUTROS GRUPOS DE MERCADORIA ,00% 100,00% Total Geral % Fonte: SDP, DH, AHRANA. Tabela 3. - Principais grupos de mercadoria transportados na ferrovia, Brasil Grupos de mercadoria TKU % % Acum. Minério de Ferro ,36% 74,36% Setor Agrícola, Extração Vegetal e Celulose ,34% 89,69% Indústria Siderúrgica, Cimento e Construção Civil ,61% 97,30% Combustíveis, Derivados do Petróleo e Álcool ,09% 99,40% Outras Mercadorias ,60% 100,00% Total Geral % Fonte: Sistema SAFF/ANTT. Consulta realizada em 13/07/12. Transporte de cargas por Hidrovia A Hidrovia Solimões-Amazonas é o principal corredor hidroviário brasileiro em termos de volumes transportados. Suas características físicas e a ligação com a Hidrovia do Madeira e do Tocantins-Araguaia contribuem para o transporte hidroviário. Na navegação interior de percurso estadual destaca-se o transporte de produtos químicos orgânicos na rota Coari/AM Manaus/AM, responsável por 87,9% do TKU do 9

11 percurso. No percurso interestadual, a linha Belém/PA Manaus/AM foi responsável por 72,3% do TKU do percurso. O principal produto transportado nessa linha é foi o semirreboque baú (2,65 bilhões de TKU). Já na cabotagem, a principal carga transportada foi a bauxita (65,7% do total de TKU). Esse produto é predominantemente transportado das cidades de Oriximiná/PA e Juruti/PA para Barcarena/PA e para o estado do Maranhão em embarcações marítimas passando pelo norte da ilha de Marajó. Por fim, no longo curso três produtos estão em evidência: bauxita, contêineres e soja responsáveis por 35,9%, 11,2% e 30,5% do TKU transportado nesse tipo de navegação. Figura 2. Transporte estadual e interestadual de cargas que passou pela Hidrovia Solimões- Amazonas e do Madeira por intensidade do transporte, Fonte: Indicadores do Anuário Estatístico Aquaviário SIGTAQ v3. ANTAQ. Por estar conectada à hidrovia Solimões- Amazonas, a Hidrovia do Tocantins- Araguaia compartilha com aquela grande volume de carga. Na navegação interior interestadual, a principal carga transportada na Hidrovia Solimões Amazonas também o é na Tocantins-Araguaia: o semirreboque baú na linha Belém/PA Manaus/AM. O mesmo acontece na cabotagem com o transporte de bauxita na linha Oriximiná/PA Barcarena/PA. No longo curso destaca-se a exportação de alumina e caulim de Barcarena/PA para América do Norte e Europa e a importação de soda cáustica da América do Norte para Barcarena/PA. 10

12 Apesar de ser a terceira maior hidrovia em volume transportado na navegação interior, a Hidrovia do Madeira transportou mais de 4,3 bilhões de TKU, ficando atrás apenas da Hidrovia Solimões-Amazonas que transportou mais que o dobro da tonelagem, mas em distâncias menores, resultando em 5,6 bilhões de TKU. A Hidrovia do Madeira também se destaca pelo volume de soja transportado, 2,2 milhões de toneladas, que corresponde a 55% do total de carga transportado na hidrovia. As linhas de navegação que mais utilizaram a hidrovia foram Porto Velho/RO Itacoatiara/AM e Porto Velho/RO Manaus/AM. A Hidrovia do Paraguai é a quarta em termos de volume transportado em TKU na navegação interior, 3,14 bilhões. A hidrovia se caracteriza pelo transporte de minérios partindo de Corumbá/MS e Ladário/MS para a Argentina. Diferentemente de 2010, em 2011 não foi registrada nenhuma movimentação de importação nas instalações portuárias autorizadas, apenas de exportação. Figura 3. Percentual exportado pela Hidrovia do Paraguai (toneladas), ,19% 0,69% ARGENTINA PARAGUAI URUGUAI 1,12% Fonte: Anuário Estatístico Aquaviário ANTAQ. O estado de São Paulo é o principal de destino das cargas transportadas na Hidrovia do Paraná-Tietê. No percurso estadual a carga percorre pequenas distâncias, 45,9 km em média. No rio Tietê foi transportado 1,5 milhões de toneladas de areia e 935 mil t de cana na navegação interior estadual. Já no percurso interestadual, a hidrovia constitui um importante corredor de escoamento da soja produzida no centro-oeste. Em 2011 foram transportados 1,17 milhões de t de soja de Goiás para São Paulo, um percurso médio de 660 km. No percurso internacional, registrou-se o transporte de cargas do estado do Paraná para o Paraguai, dentre elas a exportação de fertilizantes adubos (45 mil t) e a importação de milho (155 mil t). 11

13 Figura 4. Transporte de soja na Hidrovia Paraná-Tietê Fonte: Acervo da ANTAQ. Por fim, a Hidrovia do Sul apresentou um volume transportado na navegação interior maior que o volume da Hidrovia Tocantins-Araguaia em toneladas, mas em termos de TKU o volume é quase três vezes menor. Isso porque as distâncias percorridas no sul são menores que no norte do Brasil. O município de Rio Grande é a principal porta de entrada e saída das mercadorias que transitam na hidrovia. No que tange a cabotagem e o longo curso, a movimentação das instalações portuárias localizadas no município de Rio Grande não foram considerados nas estatísticas da Hidrovia do Sul, pois elas localizam-se no extremo da hidrovia, a apenas 10 km do mar. Três produtos se destacam no transporte estadual na Hidrovia do Sul: fertilizantes adubos, farelo de soja e soja. O primeiro sobe a hidrovia, partindo de instalações portuárias localizadas no município de Rio Grande/RS para o interior do estado (Porto Alegre, Canoas e Pelotas). Já os outros dois produtos descem a hidrovia, partindo dos municípios de Canoas, Estrela e Taquari para Rio Grande. Na cabotagem destaca-se o fluxo de combustíveis e óleos minerais na rota Porto Alegre/RS Manaus/AM. Esse produto é responsável por 66% da cabotagem registrada na hidrovia. No longo curso em vias interiores predominou a importação de fertilizantes adubos 12

14 oriundos da Europa, Ásia, África e América do Norte para o município de Porto Alegre/RS. Figura 5. Transporte estadual de carga na Hidrovia do Sul por intensidade de transporte, Fonte: Indicadores do Anuário Estatístico Aquaviário SIGTAQ v3. ANTAQ. 13

15 Anexo 1 Distâncias dos pares O/D por tipo de navegação Tabela 4 Distâncias das linhas de navegação interior Distância Linhas (origem-destino) (km) Linhas (origem-destino) Distância (km) Almeirim (PA)- Barcarena (PA) 514,44 Macapá (AP)- Belem (PA) 608 Barcarena (PA)- Belem (PA) 32 Macapá (AP)- Macapá (AP) 1 Barcarena (PA)- Itaituba (PA) 1075,37 Macapá (AP)- Santarém (PA) 539,29 Barcarena (PA)- Manaus (AM) 1552,51 Manaus (AM)- Itacoatiara (AM) 200,91 Belem (PA)- Altamira (PA) 890,47 Manaus (AM)- Manaus (AM) 1 Belem (PA)- Belem (PA) 1 Manaus (AM)- Porto Velho (RO) 1225,05 Belem (PA)- Manaus (AM) 1584,5 Manaus (AM)- Santana (AP) 1299,75 Belem (PA)- Porto Velho (RO) 2500,49 Manaus (AM)- Santarém (PA) 760,46 Belem (PA)- Salvaterra (PA) 64 MS - PR* 20,80 Belem (PA)- Santana (AP) 608 Porto Alegre (RS)- Rio Grande (RS) 303,71 Belem (PA)- Santarém (PA) 824,04 Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) 1115,93 Charqueadas (RS)- Rio Grande (RS) 354,56 Porto Velho (RO)- Santarém (PA) 1676,44 Charqueadas (RS)- Triunfo (RS) 41,96 Porto Velho (RO)- Tabatinga (AM) 2817,02 Coari (AM)- Manaus (AM) 468,94 PR - PARAGUAI* 30 Coari (AM)- Porto Velho (RO) 1659,64 PR - PR* 180,00 Corumbá (MS)- ARGENTINA 578,44 PR - SP* 5 Corumbá (MS)- PARAGUAI 578,44 Rio Grande (RS)- Canoas (RS) 309,54 Estrela - Rio Grande (RS) 440,42 Rio Grande (RS)- Pelotas (RS) 45 GO - SP* 683,28 Rio Grande (RS)- Rio Grande (RS) 1 Guaíba (RS)- Rio Grande (RS) 285,78 Rio Grande (RS)- Taquari (RS) 386,04 Itacoatiara (AM)- Porto Velho (RO) 1115,93 Rio Grande (RS)- Triunfo (RS) 327,66 Itaituba (PA)- Porto Velho (RO) 1959,76 Santarém (PA)- Monte Alegre (PA) 108,22 Ladário (MS)- ARGENTINA 574,2 SP - SP* 39,91 Ladário (MS)- PARAGUAI 574,2 Fonte: SIGTAQ, v2. Ladário (MS)- URUGUAI 574,2 *valores médios. 14

16 Tabela 5 Distâncias das linhas de cabotagem em vias interiores Linhas (origem-destino) Distância (km)¹ Almeirim (PA)- outro estado 511,0 Barcarena (PA)- outro estado 164,0 Belem (PA)- outro estado 132,0 Canoas (RS)- outro estado 326,5 Juruti (PA)- outro estado 1.000,9 Manaus (AM)- outro estado 1.549,0 Oriximiná (PA)- Barcarena (PA) 1.197,4 Oriximiná (PA)- outro estado 1.033,4 Pelotas (RS)- outro estado 61,9 Porto Alegre (RS)- outro estado 315,0 Salvaterra (PA)- outro estado 78,5 Santana (AP)- outro estado 249,2 Santarém (PA)- outro estado 788,6 Triunfo (RS)- outro estado 344,6 Fonte: SIGTAQ, v2. Nota: (¹) Distância percorrida na via interior até a linha de base reta, que determina o limite das águas interiores. Tabela 6 Distâncias das linhas de longo curso em vias interiores Linhas (origem-destino) Distância (km)¹ Belem (PA)- outro país 132,0 Barcarena (PA)- outro país 164,0 Santana (AP)- outro país 249,2 Porto Alegre (RS)- outro país 320,6 Almeirim (PA)- outro país 511,0 Santarém (PA)- outro país 788,6 Oriximiná (PA)- outro país 1.033,4 Itacoatiara (AM)- outro país 1.349,1 Manaus (AM)- outro país 1.549,0 Fonte: SIGTAQ, v2. Nota: (¹) Distância percorrida na via interior até a linha de base reta, que determina o limite das águas interiores. 15

17 Anexo II Tabelas da Hidrovia Solimões-Amazonas 16

18 Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por tipo de navegação Tipo de Navegação Quantidade (t) TKU CABOTAGEM LONGO CURSO NAVEGAÇÃO INTERIOR ESTADUAL INTERESTADUAL INTERNACIONAL Total Geral Fonte: SDP, ANTAQ. Notas: (¹) A quantidade de carga transportada por hidrovia difere daquela transportada por região hidrográfica. Pois a região hidrográfica amazonica incliu as hidrovias solimões-amazonas e do madeira. (²) A estatísitca da hidrovia solimões-amazonas incliu os fluxos com origem ou destino na hidrovia e os fluxos de passagem, como por exemplo Porto Velho - Belém (³) A carga da navegação interior internacional presente na tabela refere-se ao fluxo de passagem da linha Porto Velho - Peru. 17

19 Tabela Transporte de NI Estadual de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por linha e grupo de mercadoria Grupo de Mercadoria / Linha Jusante Montante Total (t) %(t) TKU %(TKU) PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS ,44% ,93% Coari (AM)- Manaus (AM) ,44% ,93% COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS ,16% ,06% Manaus (AM)- Manaus (AM) ,75% ,02% Macapá (AP)- Macapá (AP) ,92% ,02% Manaus (AM)- Itacoatiara (AM) ,71% ,37% Belem (PA)- Altamira (PA) ,48% ,56% Barcarena (PA)- Almeirim (PA) ,29% ,09% SEMI-REBOQUE BAÚ ,93% ,10% Santarém (PA)- Belem (PA) ,93% ,10% BIOMASSA ,33% ,00% Macapá (AP)- Macapá (AP) ,33% ,00% BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES ,12% ,00% Manaus (AM)- Manaus (AM) ,12% ,00% VARIEDADES E BAZAR ,06% ,07% Santarém (PA)- Belem (PA) ,05% ,07% Santarém (PA)- Monte Alegre (PA) ,01% ,00% CAULIM ,04% ,03% Almerim (PA)- Barcarena (PA) ,04% ,03% CONTÊINERES 4 4 0,00% 4 0,00% Manaus (AM)- Manaus (AM) 4 4 0,00% 4 0,00% CARGA DE APOIO ,00% ,00% Santarém (PA)- Belem (PA) 1 1 0,00% 608 0,00% Belem (PA)- Altamira (PA) ,00% ,00% MAQ, APARELHOS E MAT. ELÉTRICOS ,38% ,65% Belem (PA)- Altamira (PA) ,38% ,65% ALCOOL ETILICO ,19% ,32% Belem (PA)- Altamira (PA) ,19% ,32% PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS ,00% ,01% Belem (PA)- Santarém (PA) ,00% ,01% COQUE DE PETRÓLEO ,36% ,82% Barcarena (PA)- Itaituba (PA) ,36% ,82% Total Geral % % Fonte: SDP, ANTAQ. 18

20 Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por linha (origem-destino) Linha (origem-destino) Jusante Montante Total % % Acum. TKU %(TKU) Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) ,32% 34,32% ,43% Manaus (AM)- Belem (PA) ,83% 68,15% ,29% Manaus (AM)- Porto Velho (RO) ,31% 78,46% ,49% Porto Velho (RO)- Santarém (PA) ,66% 87,12% ,19% Manaus (AM)- Santarém (PA) ,80% 92,92% ,88% Santana (AP)- Belem (PA) ,99% 95,91% ,83% Belem (PA)- Porto Velho (RO) ,68% 97,59% ,19% Coari (AM)- Porto Velho (RO) ,59% 98,18% ,54% Itaituba (PA)- Porto Velho (RO) ,57% 98,75% ,79% Macapá (AP)- Belem (PA) ,56% 99,31% ,34% Manaus (AM)- Santarém (PA) ,45% 99,76% ,53% Manaus (AM)- Santana (AP) ,23% 99,99% ,47% Manaus (AM)- Barcarena (PA) ,01% 100,00% ,01% Barcarena (PA)- Manaus (AM) ,00% 100,00% ,00% Macapá (AP)- Santarém (PA) ,00% 100,00% ,00% TOTAL % % Fonte: SDP, ANTAQ. 19

21 Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria Grupos de Mercadoria Jusante Montante Total % % Acum. TKU SOJA ,71% 34,71% SEMI-REBOQUE BAÚ ,27% 67,98% COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS ,39% 79,36% MILHO ,15% 90,51% VEIC. TERRESTRES PARTES ACESSOR ,12% 93,63% CIMENTO ,46% 96,09% Cargas Diversas ,36% 97,46% CAMINHÃO ,32% 98,78% FERTILIZANTES ADUBOS ,53% 99,31% VARIEDADES E BAZAR ,32% 99,63% CONTÊINERES ,15% 99,78% REATORES, CALDEIRAS, MÁQUINAS ,04% 99,82% AÇÚCAR ,04% 99,86% OBRAS DE PEDRA, GESSO, AMIANTO E MICA ,04% 99,90% AUTOMOVEIS PASSAGEIROS ,03% 99,93% TRIGO ,02% 99,95% COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS ,01% 99,97% FERRO GUSA ,01% 99,98% ALCOOL ETILICO ,01% 99,99% LEITE E LATICÍNIOS, MANTEIGA, OVOS E MEL ,00% 100,00% CARGA DE APOIO ,00% 100,00% SABÕES, CERAS, VELAS E MASSAS ,00% 100,00% MADEIRA ,00% 100,00% PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS ,00% 100,00% PRODUTOS DE PERFUMARIA, COSMÉTICOS 6 6 0,00% 100,00% PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS 1 1 0,00% 100,00% 392 TOTAL % Fonte: SDP, ANTAQ. 20

22 Tabela Transporte de NI Interestadual de cargas na Hidrovia do Amazonas-Solimões por linha (origem-destino) e grupo de mercadoria Grupo de Mercadoria / Linha Jusante (t) Montante (t) Total (t) TKU SOJA Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) Porto Velho (RO)- Santarém (PA) Manaus (AM)- Santarém (PA) SEMI-REBOQUE BAÚ Belem (PA)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Santana (AP)- Belem (PA) Manaus (AM)- Santarém (PA) MILHO Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) Porto Velho (RO)- Santarém (PA) Porto Velho (RO)- Manaus (AM) VEIC. TERRESTRES PARTES ACESSOR Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Cargas Diversas Manaus (AM)- Porto Velho (RO) COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS Belem (PA)- Santana (AP) Manaus (AM)- Santarém (PA) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Santarém (PA) Coari (AM)- Porto Velho (RO) Macapá (AP)- Belem (PA) Manaus (AM)- Santana (AP) CIMENTO Belem (PA)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Itaituba (PA)- Porto Velho (RO) CAMINHÃO Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Barcarena (PA) VARIEDADES E BAZAR Porto Velho (RO)- Santarém (PA) AÇÚCAR Porto Velho (RO)- Manaus (AM) OBRAS DE PEDRA, GESSO, AMIANTO E MICA Belem (PA)- Manaus (AM) AUTOMOVEIS PASSAGEIROS Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) TRIGO Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) REATORES, CALDEIRAS, MÁQUINAS Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Barcarena (PA) Manaus (AM)- Belem (PA) LEITE E LATICÍNIOS, MANTEIGA, OVOS E MEL Belem (PA)- Manaus (AM) CONTÊINERES Belem (PA)- Porto Velho (RO) Barcarena (PA)- Manaus (AM) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Belem (PA) Manaus (AM)- Santarém (PA) COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS Belem (PA)- Manaus (AM) SABÕES, CERAS, VELAS E MASSAS Porto Velho (RO)- Manaus (AM) PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS Belem (PA)- Manaus (AM) PRODUTOS DE PERFUMARIA, COSMÉTICOS Belem (PA)- Manaus (AM) FERTILIZANTES ADUBOS Itacoatiara (AM)- Porto Velho (RO) VARIEDADES E BAZAR Manaus (AM)- Santarém (PA) FERRO GUSA Manaus (AM)- Porto Velho (RO) COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS Manaus (AM)- Porto Velho (RO) ALCOOL ETILICO Manaus (AM)- Santarém (PA) CARGA DE APOIO Manaus (AM)- Santarém (PA) MADEIRA Macapá (AP)- Santarém (PA) PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS Macapá (AP)- Belem (PA) TOTAL Fonte: SDP, ANTAQ. 21

23 Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por linha (origem-destino) e sentido (jusantemontante) Linha Jusante Montante Total (t) % % Acum. Oriximiná (PA)- Barcarena (PA) ,5% 31,5% Oriximiná (PA)- MA ,2% 52,7% Juruti (PA)- MA ,2% 73,8% Manaus (AM)- SP ,8% 80,7% Manaus (AM)- BA ,4% 86,1% Manaus (AM)- MA ,2% 89,3% Manaus (AM)- PE ,8% 92,1% Manaus (AM)- CE ,3% 94,3% Manaus (AM)- RJ ,6% 95,9% Manaus (AM)- SC ,8% 96,7% RS - Manaus (AM) ,7% 97,4% Porto Alegre (RS)- Manaus (AM) ,6% 98,0% PR - Manaus (AM) ,6% 98,6% Manaus (AM)- ES ,4% 98,9% PE - Santana (AP) ,3% 99,3% Almeirim (PA)- SP ,3% 99,6% Manaus (AM)- PR ,1% 99,7% MA - Santana (AP) ,1% 99,8% Santarém (PA)- CE ,1% 99,9% CE - Santana (AP) ,1% 99,9% RN - Almeirim (PA) ,1% 100,0% SC - Santana (AP) ,0% 100,0% Manaus (AM)- Rio Grande (RS) ,0% 100,0% Total Geral % Fonte: SDP, ANTAQ. Notas: (1) o transporte da carga na linha Oriximiná (PA)- Barcarena (PA) é feito passando pelo norte da Ilha de Marajó e por isso é classificado como cabotagem e não como navegação interior. (2) Sentido jusante representa o volume de cargas que está saindo pela hidrovia. Sentido do curso do rio. (3) Sentido montante representa o volume de cargas que está entrando pela hidrovia. Sentido contrário ao curso do rio. (...) campos sem informação disponível. 22

24 Tabela Transporte de cabotagem de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria, linha e sentido Linha Sentido jusante Sentido montante Total Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU %(TKU) BAUXITA ,73% Oriximiná (PA)- Barcarena (PA) ,25% Oriximiná (PA)- MA ,06% Juruti (PA)- MA ,42% CONTÊINERES ,88% Manaus (AM)- SP ,25% Manaus (AM)- PE ,93% Manaus (AM)- BA ,53% Manaus (AM)- CE ,65% Manaus (AM)- PR ,84% Manaus (AM)- RJ ,79% Manaus (AM)- SC ,08% Manaus (AM)- ES ,28% Manaus (AM)- Rio Grande (RS) ,01% RS - Manaus (AM) ,52% COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS ,39% Manaus (AM)- BA ,93% Manaus (AM)- MA ,35% Manaus (AM)- SP ,95% Santarém (PA)- CE ,06% Manaus (AM)- CE ,42% Manaus (AM)- PE ,77% RJ - Manaus (AM) ,35% Porto Alegre (RS)- Manaus (AM) ,79% PE - Santana (AP) ,07% RS - Manaus (AM) ,34% ES - Manaus (AM) ,24% MA - Santana (AP) ,02% CE - Santana (AP) ,01% PR - Manaus (AM) ,08% SC - Santana (AP) ,00% PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS ,74% Manaus (AM)- BA ,74% CAULIM ,12% Almeirim (PA)- SP ,12% COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS ,07% Manaus (AM)- BA ,07% ALCOOL ETILICO ,00% Almeirim (PA)- SP ,00% MAQ, APARELHOS E MAT. ELÉTRICOS ,01% Manaus (AM)- PE ,01% SAL ,02% RN - Almeirim (PA) ,02% PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE MOAGEM ,05% RS - Manaus (AM) ,05% COQUE DE PETRÓLEO ,00% BA - Manaus (AM) ,00% MA - Manaus (AM) ,00% Total Geral % Fonte: SDP, ANTAQ. 23

25 Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria Grupo de mercadoria Exportação Importação Total (t) % TKU BAUXITA ,58% MINÉRIO DE FERRO ,47% SOJA ,26% CONTÊINERES ,53% MILHO ,80% FARELO DE SOJA ,22% CAULIM ,67% CELULOSE ,47% GORDURA, ÓLEOS ANIMAIS/VEGETAIS ,42% MADEIRA ,26% CIMENTO ,21% TRIGO ,30% FERTILIZANTES ADUBOS ,30% CARVÃO MINERAL ,28% SODA CÁUSTICA ,19% ENXOFRE, TERRAS E PEDRAS, GESSO E CAL ,02% Total Geral % Fonte: SDP, ANTAQ. 24

26 Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por linha e sentido Linha Exportação (t) Importação (t) Total Santana (AP)- ÁSIA Oriximiná (PA)- AMÉRICA DO NORTE Manaus (AM)- ÁSIA Oriximiná (PA)- EUROPA Itacoatiara (AM)- EUROPA Manaus (AM)- AMÉRICA CENTRAL Oriximiná (PA)- AMÉRICA DO SUL Santarém (PA)- EUROPA Almeirim (PA)- EUROPA Santarém (PA)- NÃO IDENTIFICADO Manaus (AM)- AMÉRICA DO NORTE Itacoatiara (AM)- ÁFRICA Santana (AP)- EUROPA Itacoatiara (AM)- ÁSIA Almeirim (PA)- ÁSIA Itacoatiara (AM)- AMÉRICA DO SUL ÁSIA - Santarém (PA) Manaus (AM)- EUROPA Santarém (PA)- AMÉRICA CENTRAL Manaus (AM)- AMÉRICA DO SUL Santarém (PA)- AMÉRICA DO SUL Santarém (PA)- ÁFRICA Manaus (AM)- NÃO IDENTIFICADO AMÉRICA DO NORTE - Almeirim (PA) AMÉRICA DO SUL - Almeirim (PA) Itacoatiara (AM)- AMÉRICA CENTRAL Santana (AP)- ÁFRICA Manaus (AM)- ÁFRICA Manaus (AM)- OCEANIA Total Geral Fonte: SDP, ANTAQ. 25

27 Tabela Transporte de longo curso de cargas na Hidrovia Amazonas-Solimões por grupo de mercadoria, linha e sentido Grupo de mercadoria por Linha Exportação Importação Total Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU %(TKU) BAUXITA ,90% Oriximiná (PA)- AMÉRICA DO NORTE ,91% Oriximiná (PA)- EUROPA ,90% Oriximiná (PA)- AMÉRICA DO SUL ,09% MINÉRIO DE FERRO ,07% Santana (AP)- ÁSIA ,79% Santana (AP)- EUROPA ,25% Santana (AP)- ÁFRICA ,03% SOJA ,02% Itacoatiara (AM)- EUROPA ,82% Santarém (PA)- EUROPA ,73% Santarém (PA)- NÃO IDENTIFICADO ,50% Itacoatiara (AM)- ÁSIA ,87% Santarém (PA)- AMÉRICA CENTRAL ,11% CONTÊINERES ,55% Manaus (AM)- AMÉRICA CENTRAL ,00% Manaus (AM)- ÁFRICA ,10% Manaus (AM)- AMÉRICA DO NORTE ,73% Manaus (AM)- AMÉRICA DO SUL ,31% Manaus (AM)- ÁSIA ,74% Manaus (AM)- EUROPA ,94% Manaus (AM)- NÃO IDENTIFICADO ,48% Manaus (AM)- OCEANIA ,02% Santarém (PA)- EUROPA ,02% Santarém (PA)- NÃO IDENTIFICADO ,20% MILHO ,85% Itacoatiara (AM)- EUROPA ,89% Itacoatiara (AM)- AMÉRICA DO SUL ,05% Itacoatiara (AM)- ÁFRICA ,70% Santarém (PA)- AMÉRICA CENTRAL ,33% Santarém (PA)- AMÉRICA DO SUL ,32% Santarém (PA)- ÁFRICA ,25% Itacoatiara (AM)- AMÉRICA CENTRAL ,31% FARELO DE SOJA ,21% Itacoatiara (AM)- EUROPA ,08% Itacoatiara (AM)- ÁFRICA ,13% CAULIM ,92% Almeirim (PA)- EUROPA ,55% Almeirim (PA)- ÁSIA ,37% CELULOSE ,80% Almeirim (PA)- EUROPA ,70% Almeirim (PA)- ÁSIA ,11% GORDURA, ÓLEOS ANIMAIS/VEGETAIS ,61% Itacoatiara (AM)- ÁFRICA ,61% MADEIRA ,19% Almeirim (PA)- EUROPA ,07% Santarém (PA)- NÃO IDENTIFICADO ,08% Santarém (PA)- EUROPA ,04% CIMENTO ,67% AMÉRICA CENTRAL - Manaus (AM) ,05% ÁSIA - Santarém (PA) ,97% EUROPA - Santarém (PA) ,65% TRIGO ,50% AMÉRICA DO SUL - Manaus (AM) ,50% FERTILIZANTES ADUBOS ,43% ÁSIA - Itacoatiara (AM) ,43% CARVÃO MINERAL ,15% AMÉRICA DO SUL - Almeirim (PA) ,12% AMÉRICA DO NORTE - Almeirim (PA) ,04% SODA CÁUSTICA ,11% AMÉRICA DO NORTE - Almeirim (PA) ,11% ENXOFRE, TERRAS E PEDRAS, GESSO E CAL ,01% AMÉRICA DO NORTE - Almeirim (PA) ,01% Total Geral % Fonte: SDP, ANTAQ. 26

28 Anexo III Tabelas da Hidrovia do Madeira 27

29 Tabela Transporte de cargas na Hidrovia do Madeira por tipo de navegação Tipo de navegação Quantidade (t) TKU CABOTAGEM na na LONGO CURSO na na NAVEGAÇÃO INTERIOR ESTADUAL INTERESTADUAL INTERNACIONAL Total Geral Fonte: SDP, ANTAQ. Notas: na=não se aplica. Não existe cabotagem ou longo curso na Hidrovia do Madeira. (...) campos sem informação disponível. 28

30 Tabela Transporte interestadual de cargas na Hidrovia do Madeira por sentido e grupo de mercadoria Grupo de Mercadoria Jusante Montante Total (t) % % Acum. TKU SOJA ,52% 55,52% MILHO ,87% 75,38% COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS ,78% 83,17% SEMI-REBOQUE BAÚ ,13% 90,29% CIMENTO ,38% 94,67% Cargas Diversas ,43% 97,10% CAMINHÃO ,17% 98,27% FERTILIZANTES ADUBOS ,95% 99,22% VARIEDADES E BAZAR ,24% 99,47% VEIC. TERRESTRES PARTES ACESSOR ,17% 99,64% CONTÊINERES ,16% 99,80% AÇÚCAR ,07% 99,87% REATORES, CALDEIRAS, MÁQUINAS ,04% 99,91% AUTOMOVEIS PASSAGEIROS ,04% 99,95% FERRO GUSA ,02% 99,97% COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS ,02% 100,00% TRIGO ,00% 100,00% SABÕES, CERAS, VELAS E MASSAS ,00% 100,00% Total Geral % Fonte: SDP, ANTAQ. Notas: (1) A Hidrovia do Madeira corresponde ao trecho navegado entre Porto Velho/RO e a foz do rio Amazonas, num total de 1.070,51 km. (2) Jusante: sentido do curso do rio. (3) Montante: sentido contrário ao curso do rio. 29

31 Tabela Transporte interestadual de carga na Hidrovia do Madeira por linha de navegação e sentido Linha (origem-destino) Jusante Montante Total (t) % % Acum. Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) ,14% 61,14% Porto Velho (RO)- Manaus (AM) ,36% 79,50% Porto Velho (RO)- Santarém (PA) ,43% 94,93% Belem (PA)- Porto Velho (RO) ,00% 97,93% Coari (AM)- Porto Velho (RO) ,05% 98,98% Itaituba (PA)- Porto Velho (RO) ,02% 100,00% % Fonte: SDP, ANTAQ. Notas: (1) A Hidrovia do Madeira corresponde ao trecho navegado entre Porto Velho/RO e a foz do rio Amazonas, num total de 1.070,51 km. (2) Jusante: sentido do curso do rio. (3) Montante: sentido contrário ao curso do rio. 30

32 Tabela Transporte interestadual de carga na Hidrovia do Madeira por grupo de mercadoria, linha e sentido Grupo de mercadoria / Linha Sentido Jusante Sentido Montante Total Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU Quantidade (t) TKU SOJA Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) Porto Velho (RO)- Santarém (PA) MILHO Porto Velho (RO)- Itacoatiara (AM) Porto Velho (RO)- Manaus (AM) Porto Velho (RO)- Santarém (PA) SEMI-REBOQUE BAÚ Porto Velho (RO)- Manaus (AM) Belem (PA)- Porto Velho (RO) Cargas Diversas Porto Velho (RO)- Manaus (AM) CAMINHÃO Porto Velho (RO)- Manaus (AM) VARIEDADES E BAZAR Porto Velho (RO)- Santarém (PA) VEIC. TERRESTRES PARTES ACESSOR Porto Velho (RO)- Manaus (AM) AÇÚCAR Porto Velho (RO)- Manaus (AM) AUTOMOVEIS PASSAGEIROS Porto Velho (RO)- Manaus (AM) REATORES, CALDEIRAS, MÁQUINAS Porto Velho (RO)- Manaus (AM) CONTÊINERES Porto Velho (RO)- Manaus (AM) Belem (PA)- Porto Velho (RO) SABÕES, CERAS, VELAS E MASSAS Porto Velho (RO)- Manaus (AM) COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS Coari (AM)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) CIMENTO Belem (PA)- Porto Velho (RO) Itaituba (PA)- Porto Velho (RO) Manaus (AM)- Porto Velho (RO) FERTILIZANTES ADUBOS Itacoatiara (AM)- Porto Velho (RO) FERRO GUSA Manaus (AM)- Porto Velho (RO) COBRE, NÍQUE, ESTANHO, OUTROS METAIS E SUAS OBRAS Manaus (AM)- Porto Velho (RO) TRIGO Manaus (AM)- Porto Velho (RO) Total Geral Fonte: SDP, ANTAQ. 31

HIDROVIAS BRASILEIRAS

HIDROVIAS BRASILEIRAS AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO INTERIOR Gerência de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior HIDROVIAS BRASILEIRAS INDICADORES DO TRANSPORTE DE CARGAS:

Leia mais

ESTUDO DA ANTAQ REVELA A UTILIZAÇÃO ECONÔMICA DE MAIS DE 20 MIL KM DE HIDROVIAS BRASILEIRAS

ESTUDO DA ANTAQ REVELA A UTILIZAÇÃO ECONÔMICA DE MAIS DE 20 MIL KM DE HIDROVIAS BRASILEIRAS ESTUDO DA ANTAQ REVELA A UTILIZAÇÃO ECONÔMICA DE MAIS DE 20 MIL KM DE HIDROVIAS BRASILEIRAS A ANTAQ concluiu estudo com levantamento detalhado sobre a extensão das vias interiores navegadas em todo Brasil,

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON

Leia mais

II Seminário Portos e vias navegáveis

II Seminário Portos e vias navegáveis II Seminário Portos e vias navegáveis Plano Nacional de Integração Hidroviária PNIH Adalberto Tokarski Superintendente da Navegação interior da ANTAQ Brasília, 22 de setembro de 2011 Parceiros Estratégicos

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 Os avanços e a sustentabilidade da logística brasileira São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 1- A ANTAQ 2- Contexto 3- Portos e Terminais 4- Navegação Marítima e

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 9 de outubro de 2013 A g e n d a 2 1. Cenários dos portos no

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS 600 Milhões de toneladas 500 400 397 424 433 437 466 479 300 253 275 284 280 295 311 200 144 149 150 157 171 168 100 0 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Porto TUP Movimentação Fonte:

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

NAVEGAÇÃO INTERIOR UM BRASIL QUE NAVEGA INFORMATIVO TRIMESTRAL DA 20.956 QUILÔMETROS DE VIAS INTERIORES NAVEGADAS

NAVEGAÇÃO INTERIOR UM BRASIL QUE NAVEGA INFORMATIVO TRIMESTRAL DA 20.956 QUILÔMETROS DE VIAS INTERIORES NAVEGADAS INFORMATIVO TRIMESTRAL DA NAVEGAÇÃO INTERIOR SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO INTERIOR SNI 3º TRIM/2012 Sistema de Informações Geográficas da ANTAQ (SIGTAQ): Curso é ministrado para os servidores das UAR

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA TRECHO Estrela D Oeste (SP) - Dourados (MS) Audiência Pública nº 139/2013

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Plano Hidroviário Estratégico Belém, 01 de setembro de 2015 PHE - Objetivos Aumentar a participação do modal hidroviário

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho Investimento no Transporte Hidroviário Interior Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Rio de Janeiro, 8 de outubro de 2007 Estrutura do Estado UNIÃO Poder Executivo Secretaria de Portos

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007 Projeto 155 : Recuperação do pavimento BR-364, BR-317 e BR-319 E6 Rodoviária LOCALIZAÇÃO*: Humaitá - AM a Sena Madureira - AC INTERVENÇÃO: Adequação Categoria: Recuperação do Pavimento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado Plano Hidroviário Estratégico - PHE Imagine o resultado 12 de novembro de 2013 . 2 Objetivos Desenvolver o transporte hidroviário interior (THI) de forma a: Ampliar alternativas de escoamento de produção

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

BOLETIM ANUAL ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS. Brasília 2014

BOLETIM ANUAL ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS. Brasília 2014 BOLETIM ANUAL DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS 2013 ANÁLISE DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS NOS PORTOS ORGANIZADOS E TERMINAIS DE USO PRIVADO Brasília 2014 SUMÁRIO 1. CONJUNTURA ECONÔMICA DE 2013...3 2. INSTALAÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Transporte Aquaviário no Brasil

Transporte Aquaviário no Brasil Gerência Executiva de Transporte e Mobilização GETRAM Agente de Transporte e Mobilização CATRAM Diretoria de Transporte e Mobilização Exército Brasileiro Luiz de Sousa Cavalcanti Gerente de Outorgas e

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS V SIMPÓSIO DE TRANSPORTE E MOBILIZAÇÃO ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA Superintendente de Navegação Interior Brasília, 18 de Julho de 2007. ASPECTOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Conselho Superior Temático de Meio Ambiente - COSEMA Brasília, 19 de maio de 2009. Aspectos

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Logística e Escoamento da Safra

Logística e Escoamento da Safra Logística e Escoamento da Safra Carlos Eduardo Tavares Economista da Superintendência de Logística Operacional da CONAB/MAPA Brasília (DF), outubro de 2015 Contextualização Monitoramento da Safra Agrícola

Leia mais

DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O AGRONEGÓCIO

DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O AGRONEGÓCIO DESAFIOS LOGÍSTICOS PARA O AGRONEGÓCIO José Vicente Caixeta Filho Professor Titular Dep. de Economia, Administ. e Sociologia ESALQ - Universidade de São Paulo jvcaixet@esalq.usp.br Piracicaba, 08 de dezembro

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

HIDROVIAS DO MATO GROSSO

HIDROVIAS DO MATO GROSSO HIDROVIAS DO MATO GROSSO ADALBERTO TOKARSKI Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior Cuiabá/MT 21-08-2009 ADMINISTRAÇÃ ÇÃO O DAS HIDROVIAS LOCALIZAÇÃ ÇÃO O DA HIDROVIA NA BACIA BR -163

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

75$163257(+,'529,É5,2

75$163257(+,'529,É5,2 EVOLUÇÃO RECENTE DO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DE CARGAS Sander Magalhães Lacerda* *Economista da Área de Infra-Estrutura do BNDES. 75$163257(+,'529,É5,2 Resumo O artigo apresenta uma caracterização econômica

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 Hidrovia Paraná-Paraguai PAC FERROVIAS, HIDROVIAS E MARINHA MERCANTE Terminais

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015 Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP BLOCO 1 BLOCO 2 BLOCO 3 BLOCO 4 Arrendamentos em Portos

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM 1 - ZP-FAZENDINHA (AP) - ITACOATIARA (AM) Esta Zona de Praticagem está compreendida a partir do paralelo 00º 03 S (Fazendinha- AP) para o interior

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o MERCOSUL Nome oficial: Mercado Comum do Sul Estados membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela Idiomas oficiais: Espanhol e Português Estados associados: Chile, Colômbia, Equador,

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Atividades Minerárias Seminário Internacional de Direito Ambiental Empresarial Rio de Janeiro 31/05/2012 1 Grupo Votorantim 94 ANOS de historia Multinacional brasileira

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços

Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO 1. FISCALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DAS ADMINISTRAÇÕES PORTUÁRIAS E DOS SERVIÇOS PRESTADOS NO ÂMBITO DOS

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

24º Fórum de Debates Brasilianas.org

24º Fórum de Debates Brasilianas.org Transportes 24º Fórum de Debates Brasilianas.org Os desafios da logística e infraestrutura Marcos regulatórios e entraves burocráticos Reginaldo Cardoso São Paulo, 30 de Maio de 2012 Deutsche Post - DHL

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7.1 Informações Gerais da Ferrovia A Ferrovia Centro-Atlântica S.A. obteve a concessão da Malha Centro-Leste, pertencente à Rede Ferroviária Federal S.A., no

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Cancelamentos e Atrasos de Voos

Cancelamentos e Atrasos de Voos Cancelamentos e Atrasos de Voos A ANAC - Agência Nacional de Regulação Civil publicou em 06 de março de 2012 a Resolução nº 218 que estabelece procedimentos para a divulgação de percentuais de atrasos

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário 300 250 200 150 100 Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do primeiro trimestre de 2014 apontam que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 214,5

Leia mais

Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná São Paulo Bitola 1,00 m 1,0m / 1,44 m Total. AFE Administracion de Ferrocarriles del Estado - Uruguai

Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná São Paulo Bitola 1,00 m 1,0m / 1,44 m Total. AFE Administracion de Ferrocarriles del Estado - Uruguai 3.1 ALL América Latina Logística do Brasil S.A. 3.1.1 Informações Gerais da Ferrovia A ALL - América Latina Logística do Brasil S.A., anteriormente denominada Ferrovia Sul Atlântico S.A. obteve a concessão

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO

A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO DE 2010 BREVE HISTÓRICO DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais