Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor"

Transcrição

1 Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor

2 Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012

3 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT M/M-1- Mês contra mês anterior 0,52 0,69 0,21 Acumulado ano 5,59 6,31 6,54 M/M-12- Mês contra mesmo mês do ano anterior 7,53 6,95 6,37

4 Indústrias de Transformação Mês / mês anterior M / M -1 (%) 2,00 1,50 1,46 1,69 1,00 0,50 0,76 1,04 1,11 0,50 0,52 0,69 0,21 0,00 0,02-0,17-0,50-0,43-0,42-1,00 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12

5 Principais Ponderações Outubro (%) 34,59 20, Alimentos 29 - Veículos automotores 20C - Outros produtos químicos 11, Refino de petróleo e produtos de álcool 24 - Metalurgia 4,41 7,63 10,92 11, Máquinas e equipamentos Demais setores

6 Atividades da Indústria de Transformação - M / M -1 (%) 11 - Bebidas 20C -Outros produtos químicos 26 - Equipamentos de informática, 27 - Máquinas, aparelhos e materiais 20B -Perfumaria, sabões e produtos de 10 - Alimentos 13 - Têxtil Indústria de Transformação 22 - Borracha e Plástico 14 - Confecção de artigos do vestuário e 31 - Móveis 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 16 - Madeira 15 - Calçados e artigos de couro 30 - Outros equipamentos de transporte 12 - Fumo 18 - Impressão 28 - Fabricação de máquinas e equipamentos 17 - Papel e celulose 25 - de metal 21 - Farmacêutica 29 - Veículos automotores 23 - Minerais não-metálicos 24 - Metalurgia SET -0,04-0,12-0,50-0,52-0,63-0,74-0,77 1,63 1,36 0,85 0,70 0,69 0,69 0,65 0,62 0,51 0,47 0,45 0,40 0,19 0,04-0,81 4,60 3,94-2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 20C -Outros produtos químicos 11 - Bebidas 31 - Móveis 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 21 - Farmacêutica 17 - Papel e celulose 14 - Confecção de artigos do vestuário e 16 - Madeira 22 - Borracha e Plástico 20B -Perfumaria, sabões e produtos de limpeza Indústria de Transformação 30 - Outros equipamentos de transporte 25 - de metal 28 - Fabricação de máquinas e equipamentos 12 - Fumo 29 - Veículos automotores 24 - Metalurgia 26 - Equipamentos de informática, produtos 23 - Minerais não-metálicos 18 - Impressão 13 - Têxtil 27 - Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 15 - Calçados e artigos de couro 10 - Alimentos OUT -0,03-0,23-0,27-0,34-0,38-0,45-0,56-0,94 1,18 1,15 0,99 0,71 0,69 0,44 0,43 0,37 0,30 0,21 0,15 0,12 0,10 0,07-1,51 3,48-2,00-1,00 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00

7 Maiores Influências Atividades - M / M-1 (p.p.) 1,00 0,80 0,09 0,60 0,40 0,13 0,14 0,11 0, Refino de petróleo e produtos de álcool Demais setores 0,20 0,41 0, Veículos automotores 11 - Bebidas 0,00-0,20-0,08-0, Alimentos 20C - Outros produtos químicos -0,40 SET OUT

8 M / M-1 (p.p.) R E S U L T A D O S Outros químicos Maiores Influências - Petróleo e álcool Bebidas Alimentos Setor Demais (p.p) Tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja - Açúcar cristal - Carnes de bovinos frescas ou refrigeradas Açúcar refinado de cana Cervejas e chope Refrigerantes Preparações em xarope para elaboração de bebidas, para fins industriais Aguardente de cana-de-açúcar (cachaça ou caninha); rum ou tafiá Naftas para petroquímica Querosenes de aviação Álcool etílico não desnaturado, com teor alcoólico em volume >= 80% (anidro ou hidratado) - Óleo diesel e outros óleos combustíveis Etileno (eteno) não-saturado Propeno (propileno) não-saturado Polietileno de alta densidade (PEAD) Adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) ,64 0,13 1,18 0,00 0,98 0,01 2,71 0,77

9 Atividades da Indústria de transformação Acumulado 2012 ( %) 12 - Fumo 10 - Alimentos 11 - Bebidas 17 - Papel e celulose 20C -Outros produtos químicos 30 - Outros equipamentos de transporte 31 - Móveis Indústria de Transformação 28 - Fabricação de máquinas e equipamentos 16 - Madeira 14 - Confecção de artigos do vestuário e acessórios 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 22 - Borracha e Plástico 20B -Perfumaria, sabões e produtos de limpeza 26 - Equipamentos de informática, produtos 25 - de metal 15 - Calçados e artigos de couro 27 - Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 13 - Têxtil 23 - Minerais não-metálicos 29 - Veículos automotores 24 - Metalurgia 21 - Farmacêutica 18 - Impressão -1,03 10,25 9,70 8,70 6,97 6,54 6,07 6,01 5,81 5,33 5,18 4,79 4,68 4,65 3,96 2,76 2,23 2,10 0,74 0,46 0,32 13,47 13,19 15,26-2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00

10 Maiores Influências Atividades Acumulado 2012 (p.p.) 7,00 6,00 1,99 5,00 4,00 0,37 0,59 Demais setores 11 - Bebidas 3,00 2,00 1, Refino de petróleo e produtos de álcool 20C - Outros produtos químicos 1,00 2, Alimentos 0,00 OUT

11 Outros químicos Maiores Influências - Acumulado Ano (p.p) Petróleo e álcool Bebidas Alimentos Setor Demais (p.p) Tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja Óleo de soja em bruto, mesmo degomado Arroz semibranqueado ou branqueado, polido, brunido, parbolizado ou não Açúcar cristal - Cervejas e chope Refrigerantes Preparações em xarope para elaboração de bebidas, para fins industriais Aguardente de cana-de-açúcar (cachaça ou caninha); rum ou tafiá Óleo diesel e outros óleos combustíveis Álcool etílico não desnaturado, com teor alcoólico em volume >= 80% (anidro ou hidratado) - Naftas para petroquímica Querosenes de aviação Etileno (eteno) não-saturado Herbicidas para uso na agricultura Adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) Polipropileno (PP) 8,56 4,91 13,19 0,00 4,90 0,43 5,53 4,17

12 Atividades da Indústria de Transformação - M/M -12 (%) 12 - Fumo 11 - Bebidas 10 - Alimentos 30 - Outros equipamentos de transporte 15 - Calçados e artigos de couro 28 - Fabricação de máquinas e equipamentos 16 - Madeira 31 - Móveis 25 - de metal 20C -Outros produtos químicos Indústria de Transformação 20B -Perfumaria, sabões e produtos de 22 - Borracha e Plástico 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 14 - Confecção de artigos do vestuário e 17 - Papel e celulose 26 - Equipamentos de informática, produtos 23 - Minerais não-metálicos 29 - Veículos automotores 18 - Impressão 27 - Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 13 - Têxtil 24 - Metalurgia 21 - Farmacêutica SET -0,02-0,51 19,06 15,36 12,01 8,16 7,83 7,53 7,17 7,06 7,01 6,95 6,11 5,27 5,27 5,12 4,93 4,67 2,88 2,45 2,40 1,62-1,52 19,39-10,00 0,00 10,00 20,00 30, Fumo 11 - Bebidas 10 - Alimentos 30 - Outros equipamentos de transporte 17 - Papel e celulose 20C -Outros produtos químicos 16 - Madeira 31 - Móveis 28 - Fabricação de máquinas e 15 - Calçados e artigos de couro Indústria de Transformação 20B -Perfumaria, sabões e produtos de 22 - Borracha e Plástico 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 14 - Confecção de artigos do vestuário e 26 - Equipamentos de informática, 25 - de metal 23 - Minerais não-metálicos 18 - Impressão 27 - Máquinas, aparelhos e materiais 29 - Veículos automotores 13 - Têxtil 21 - Farmacêutica 24 - Metalurgia OUT -0,65 18,34 16,30 13,09 10,80 8,25 7,67 7,61 7,51 7,22 7,14 6,37 6,19 5,57 5,53 4,79 3,79 3,57 2,98 2,30 1,52 1,43 0,96-0,83-10,00 0,00 10,00 20,00

13 Maiores Influências M / M -12 (p.p.) 8,00 7,00 6,00 5,00 2,20 2,00 Demais setores 4,00 3,00 0,51 0,58 0,76 0,45 0,61 0, Bebidas 19 - Refino de petróleo e produtos de álcool 2,00 1,00 2,91 2,47 20C - Outros produtos químicos 10 - Alimentos 0,00 SET OUT

14 Maiores Influências - M / M -12 (p.p.) Outros químicos Petróleo e Álcool Bebidas Alimentos Setor Demais (p.p) Tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja Óleo de soja em bruto, mesmo degomado Arroz semibranqueado ou branqueado, polido, brunido, parbolizado ou não Açúcar cristal - Cervejas e chope Refrigerantes Preparações em xarope para elaboração de bebidas, para fins industriais Aguardente de cana-de-açúcar (cachaça ou caninha); rum ou tafiá Óleo diesel e outros óleos combustíveis Querosenes de aviação Álcool etílico não desnaturado, com teor alcoólico em volume >= 80% (anidro ou hidratado) - Naftas para petroquímica Etileno (eteno) não-saturado Adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) Herbicidas para uso na agricultura Polietileno de alta densidade (PEAD) 8,63 4,46 16,30 0,00 5,07 0,46 5,51 2,16

15 Setores em Destaque 12 - Fumo Fumo processado industrialmente (destalamento e outros beneficiamentos elaborados em unidades industriais) Cigarros - 0,07 M / M-1 0,07 Acumulado Ano Fumo processado industrialmente (destalamento e outros beneficiamentos elaborados em unidades industriais) Cigarros Fumo processado industrialmente (destalamento e outros beneficiamentos elaborados em unidades industriais) Cigarros 15,26 18,34 15,26 M / M-12 18,34

16 Setores em destaque 17 - Celulose, papel e produtos de papel Papel kraft para embalagem, não revestido, exceto encrespado ou estampado Cadernos Papel, não revestido, para usos na escrita, impressão e outros fins gráficos (offset, sulfite, biblia, bouffant, monolucido,etc.) Pastas químicas de madeira (celulose), processo sulfato branqueadas Demais -0,01 Pastas químicas de madeira (celulose), processo sulfato branqueadas Papel, não revestido, para usos na escrita, impressão e outros fins gráficos (offset, sulfite, biblia, bouffant, monolucido,etc.) 8,97 Papel higiênico Cadernos - Demais 1,28 0,70 M / M-1 0,69 Acumulado Ano 10,25 Pastas químicas de madeira (celulose), processo sulfato branqueadas Papel, não revestido, para usos na escrita, impressão e outros fins gráficos (offset, sulfite, biblia, bouffant, monolucido,etc.) 7,49 Papel higiênico Fraldas descartáveis Demais 0,76 M / M-12 8,25

17 Setores em destaque 29 Veículos automotores Automóveis, jipes ou camionetas, inclusive CKD (completely knocked down), para passageiros, com motor a gasolina, álcool ou bicombustível, de qualquer cilindrada Caixas de marcha (velocidade) e suas partes, para veículos automotores e suas partes Caminhão-trator, inclusive CKD (completely knocked down), para reboques e semi-reboques Veículos para o transporte de mercadorias (camionetas, furgões, pick-ups, etc.), com motor a gasolina e/ou álcool, de capacidade máxima de carga (cmc) não - Demais 0,01 Automóveis, jipes ou camionetas, inclusive CKD (completely knocked down), para passageiros, com motor a gasolina, álcool ou bicombustível, de qualquer - Caminhões, com motor diesel, de capacidade máxima de carga (cmc) superior a 5 t, inclusive CKD (completely knocked down) Peças ou acessórios, para o sistema de motor de veículos automotores (blocos de cilindro, virabrequins, carburadores, válvulas, polias, juntas, etc.) Caminhão-trator, inclusive CKD (completely knocked down), para reboques e semi-reboques Demais 0,77 Automóveis, jipes ou camionetas, inclusive CKD (completely knocked down), para passageiros, com motor a gasolina, álcool ou bicombustível, de qualquer - Caminhões, com motor diesel, de capacidade máxima de carga (cmc) superior a 5 t, inclusive CKD (completely knocked down) Peças ou acessórios, para o sistema de motor de veículos automotores (blocos de cilindro, virabrequins, carburadores, válvulas, polias, juntas, etc.) 0,41 Chassis com motor para ônibus ou para caminhões (cavalo mecânico) Demais 1, ,04-0,03 M / M-1-0,03 Acumulado Ano 0,74 M / M-12 1,43

18 Setores em Destaque 30 Outros transportes Motocicletas (inclusive os motociclos) com motor de pistão alternativo de cilindrada superior a 50cm3 Aviões ou outros veículos aéreos de peso superior a kg Fabricação e serviço de manutenção e reparação de embarcações para o transporte de pessoas ou cargas, inclusive petroleiro; embarcações de apoio - 0,15 M / M-1 0,15 Demais 0,00 Aviões ou outros veículos aéreos de peso superior a kg Motocicletas (inclusive os motociclos) com motor de pistão alternativo de cilindrada superior a 50cm3 Fabricação e serviço de manutenção e reparação de embarcações para o transporte de pessoas ou cargas, inclusive petroleiro; embarcações de apoio 8,70 Acumulado Ano 8,70 Demais 0,00 Aviões ou outros veículos aéreos de peso superior a kg Motocicletas (inclusive os motociclos) com motor de pistão alternativo de cilindrada superior a 50cm3 Fabricação e serviço de manutenção e reparação de embarcações para o transporte de pessoas ou cargas, inclusive petroleiro; embarcações de apoio 10,80 M / M-12 10,80 Demais 0,00

19 Setores em destaque 31 - Móveis Guarda-roupas de madeira Colchões de molas metálicas Colchões de borracha, de plásticos alveolares ou de espumas de plástico, inclusive colchões ortopédicos - Estantes de madeira de uso residencial Demais 0,07 Guarda-roupas de madeira Colchões de molas metálicas Poltronas e sofás de madeira, exceto para escritório Camas de madeira, inclusive beliches 1,08 5,75 Demais 1,22 M / M-1 1,15 Acumulado Ano 6,97 Guarda-roupas de madeira Poltronas e sofás de madeira, exceto para escritório 6,18 Colchões de molas metálicas Camas de madeira, inclusive beliches Demais 1,33 M / M-12 7,51

20 FIM

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Comentários. Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em. média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao

Comentários. Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em. média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao Comentários Em agosto/2015, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em média, 0,97% quando comparados a julho/2015, número superior ao observado na comparação entre julho/2015 e junho/15(0,72%) Tabela

Leia mais

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. outubro 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. outubro 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação outubro 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Comentários. Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em

Comentários. Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em Comentários Em julho/15, os preços das Indústrias de Transformação variaram, em média, 0,68% quando comparados a junho/15, número superior ao observado na comparação entre junho/15 e maio/15 (0,34%). Tabela

Leia mais

Levanta informações sobre a linha de. produção de todas as empresas com 30 ou. mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil

Levanta informações sobre a linha de. produção de todas as empresas com 30 ou. mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil PIA - Produto Levanta informações sobre a linha de produção de todas as empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil empresas informam a quantidade produzida, a quantidade vendida e o valor

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. Janeiro e fevereiro / 2011

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. Janeiro e fevereiro / 2011 Indicadores IBGE Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Janeiro e fevereiro / 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra

Leia mais

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. março 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. março 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação março 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. dezembro 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. dezembro 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação dezembro 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. junho/11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação. junho/11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação junho/11 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Relação de (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) cujos contribuintes estão obrigados à Escrituração A partir desta competência, os contribuintes que iniciarem atividades ou que mudarem a atividade

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

IPCA setembro 2014 Data 08/10/2014

IPCA setembro 2014 Data 08/10/2014 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC IPCA setembro 2014 Data 08/10/2014 IPCA Setembro 0,57 % Agosto 0,25 % IPCA Regiões

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

Comentários. Em julho de 2015, a produção industrial nacional mostrou recuo de

Comentários. Em julho de 2015, a produção industrial nacional mostrou recuo de Comentários Em julho de 2015, a produção industrial nacional mostrou recuo de 1,5% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, segundo resultado negativo consecutivo,

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Comentários. Em fevereiro/2016, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em média, - 0,58% quando comparados a janeiro/2016, número inferior ao

Comentários. Em fevereiro/2016, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em média, - 0,58% quando comparados a janeiro/2016, número inferior ao Comentários Em fevereiro/2016, os preços da Indústria Geral (IG) variaram, em média, - 0,58% quando comparados a janeiro/2016, número inferior ao observado na comparação entre janeiro/2016 e dezembro/15(0,68%)

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

Comentários. Em outubro de 2015, a produção industrial nacional recuou 0,7% frente

Comentários. Em outubro de 2015, a produção industrial nacional recuou 0,7% frente Comentários Em outubro de 2015, a produção industrial nacional recuou 0,7% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, quinto resultado negativo seguido, acumulando nesse

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC.

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC. Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC setembro 2012 Data 05/10/2012 IPCA IPCA setembro 0,57 % agosto 0,41 % IPCA - Série

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014

Pesquisa Impactos da Escassez de Água. Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Pesquisa Impactos da Escassez de Água Gerência de Pesquisas Divisão de Pesquisas Novembro 2014 Perfil Foram ouvidas 487 empresas localizadas no Estado do Rio de Janeiro A maioria é de pequeno porte (76,8%);

Leia mais

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MERCADORIA Venda porta-a-porta de quaisquer mercadorias destinadas a revendedores não inscritos Cigarros e outros produtos derivados do fumo Cimento Refrigerante,

Leia mais

Minérios de ferro (classificados, concentrados, pelotizados, Minérios de ferro

Minérios de ferro (classificados, concentrados, pelotizados, Minérios de ferro Código Original Descrição Final 0600.2030 Óleos brutos de petróleo Óleos brutos de petróleo 0600.2010 Gás natural Gás natural Minérios de cobre (azurita, cuprita, etc.) em bruto ou Minérios de cobre em

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Produção Industrial Fevereiro de 2014

Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial mantém ritmo moderado de crescimento A produção industrial de Santa Catarina cresceu 1,8% em fevereiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Leia mais

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo de cana-de-açúcar 0115-6/00 Cultivo de soja 0724-3/01

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Comentários. A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de

Comentários. A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de Comentários A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de fevereiro para março, série com ajuste sazonal, foi acompanhada por sete dos quatorze locais pesquisados, com destaque para

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008 (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) O DIRETOR DA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS

COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS Código CNAE 2.0 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse G Denominação COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45.1 Comércio

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Fevereiro de 2013

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Fevereiro de 2013 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Fevereiro de 2013 DAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS SOBRE A FOLHA DE PAGTO - Contribuição dos Empregados (art. 20, Lei 8.212/91); - Contribuição Patronal (art. 22, I e III, Lei

Leia mais

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia A Indústria de Autopeças Brasileira Elaboração: Assessoria de Economia São Paulo, maio de 2012 Números da indústria de autopeças Associadas Parque industrial Qualidade 494 empresas 749 unidades industriais

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 29 número 12 Fevereiro 2015 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2014 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED*

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* São Paulo, 29 de abril de 2015 Março de 2015 Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* No primeiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

França - Síntese País

França - Síntese País Informação Geral sobre França Área (km 2 ): 543 965 Primeiro-Ministro: Manuel Valls População (milhões hab.): 66,3 (estimativa janeiro ) - Insee Risco de crédito: (*) Capital: Paris Risco do país: A (AAA=risco

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CÓDIGOS DENOMINAÇÕES CNAE CLASSIFICAÇÕES PNAD/CD91 01101 Cultivo de arroz *0111 013 01102 Cultivo de milho *0111 020 01103 Cultivo de outros cereais

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

IPCA Abril 2015. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC. Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP

IPCA Abril 2015. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC. Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP Diretoria de Pesquisas Coordenação de Índices de Preços - COINP Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC IPCA Abril 2015 Data 08/05/2015 IPCA Abril 0,71 % Março 1,32 % Fevereiro 1,22 %

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria. Índice Regional de Produção Industrial (MT) Resultados e Metodologia

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria. Índice Regional de Produção Industrial (MT) Resultados e Metodologia Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria Índice Regional de Produção Industrial (MT) Resultados e Metodologia Data: 23/04/2015 Tópicos da apresentação: Aspectos e dados da agropecuária, da balança

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) NPF 041/2009 p. 1 de 10 NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) SÚMULA Dispõe sobre a utilização de Nota Fiscal eletrônica NF-e por contribuintes

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

Raio-X dos Investimentos

Raio-X dos Investimentos Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior: Investimento líquido brasileiro no exterior foi negativo: No mês de abril de 2010 os investidores brasileiros internalizaram US$ 365 milhões. Entretanto,

Leia mais

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Outubro/2015 29 de outubro de 2015 out 98 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

ALÍQUOTAS INTERNAS DO ICMS

ALÍQUOTAS INTERNAS DO ICMS ALÍQUOTAS INTERNAS DO ICMS Operações e Prestações no Estado do Rio de Janeiro Relacionamos, a seguir, as alíquotas do ICMS vigentes no Estado do Rio de Janeiro, a que se refere o art. 14, Livro II, do

Leia mais

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Relatório IPCA e INPC - IBGE

Relatório IPCA e INPC - IBGE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE elabora sistematicamente índices de preços ao consumidor por meio do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC, com o objetivo de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais