ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS"

Transcrição

1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA PRODUTIVIDADE DE MÁQUINA DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) FELIPE GEORGE GOMES PEREIRA ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO LÉO TADEU ROBLES ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO SÉRGIO SAMPAIO CUTRIM ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO RESUMO Realizada no contexto da VALE, a pesquisa objetivou desenvolver estudo do OEE do Processo de Recuperação do TPPM, analisando sua produtividade e restrições no processo de recuperação de minério. Este estudo foi construído através de revisão bibliográfica e entrevistas com especialistas da área, que possibilitou identificar o equipamento de menor Taxa Efetiva em Constatou-se que as paradas operacionais por mecânica e elétrica, foram os principais eventos que impactaram o indicador Disponibilidade e que os problemas operacionais de sobrecarga, chave de emergência, falha operacional e detectara de rasgo foram os principais motivos que impactaram a Utilização em Palavras chave: Overall Equipment Effectiviness (OEE), Produtividade e Recuperação de Minério. 1 INTRODUÇÃO A VALE é uma das maiores empresas de mineração do mundo. Presente em 37 países, com sede no Brasil, a VALE, baseia-se no sistema integrado mina-ferrovia-porto focalizando esforços e investimento em novas tecnologias, nas pessoas e no meio ambiente (VALE, 2012a). A exploração de um dos maiores depósitos de minério de ferro do mundo é viabilizada pelo projeto Sistema Norte composto pelas minas em Carajás, no estado Pará, a Estrada de Ferro Carajás (EFC) por onde escoa o minério e o Terminal Marítimo Ponta da Madeira (TPPM) em São Luís, no estado Maranhão, onde se realiza o embarque do produto. (VALE, 2012a) O estudo parte da revisão bibliográfica sobre o tema, levantamento de dados técnicos por meio de entrevistas com especialistas, identificação e análise de relatórios gerenciais e verificação quantitativa das informações coletadas. O foco do estudo é a ferramenta de análise da eficiência global de equipamento ou Overall Equipment Effectiveness (OEE) para verificação do desempenho e produtividade do processo de recuperação de minério utilizada no TPPM. A VALE dispõe de diversos equipamentos para a movimentação de minério no pátio de estocagem. No estudo, serão abordadas as máquinas que realizam o processo de recuperação, tendo-se como objetivo geral desenvolver estudo do OEE da Recuperadora 02 1/16

2 (RP02) do TPPM, analisando sua produtividade e restrições no processo de recuperação, pois está apresentou a menor taxa efetiva no período analisado. Para tanto, far-se-á necessário pesquisar e entender o processo de recuperação, levantar dados de campo, descrever a gestão e o gerenciamento das informações relativas à operação de recuperação, identificar os principais gargalos e restrições na operação da RP02 e identificar ações /procedimentos de melhoria na operação de recuperação. A revisão bibliográfica sobre o tema compreendeu o Sistema de Produção Toyota STP, bem como a sua relação com o Gerenciamento de Produtividade mais conhecido como Total Productive Management (TPM) e o Indicador fundamental para o delineamento da pesquisa OEE. Foi realizado um estudo de caso referente ao processo de recuperação, especificamente a Recuperadora 02 (RP02) do pátio de estocagem de minério no TPPM, cujo objetivo foi analisar quantitativamente os dados do período de janeiro a dezembro de Para a coleta de dados, foi utilizado roteiro de entrevista semiaberto com profissionais ligados ao Centro de Controle Operacional (CCO) e ao Mirante (sala de controle das máquinas de pátio) com o objetivo de entender o processo de recuperação e identificar ações de melhorias. Para tanto, foi feita a estratificação dos dados de modo a se identificar os principais gargalos na operação da RP02. A seguir, apresenta-se o referencial teórico compreendendo a descrição do Sistema Toyota de Produção, da base e procedimentos do TPM e da sua ferramenta, foco deste estudo, a OEE. Da mesma forma, descreve-se o sistema portuário de operação. 2 PRODUTIVIDADE EM TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO 2.1 Sistema Toyota de Produção (STP) Desenvolvido após a Segunda Guerra Mundial, por Shigeo Shingo e Taiichi Ohno (LIKER, 2004), o Sistema Toyota de Produção, conhecida também como sistema de produção enxuta (Lean Production System) baseia-se na filosofia de agregar valor aos clientes, à sociedade, à comunidade e aos seus funcionários, pela melhoria contínua do processo produtivo, na eliminação do desperdício de material e tempo de cada etapa envolvida, na redução dos custos operacionais e na busca incansável pela excelência empresarial. (MEIER e LIKER, 2006) O Sistema Toyota de Produção é apontado por Ghinato (1995), como um modelo de gerenciamento industrial e apresentando flexibilidade quanto às transferências para outros ambientes é intrinsecamente envolvido no princípio de redução de custos pela eliminação de perdas, em função da capacidade de detectar as causas fundamentais dos defeitos operacionais. A partir dos princípios abordados por Ghinato (1995) e Meier e Liker (2006), pode-se afirmar que o STP aborda uma visão e interpretação sistêmica no intuito de garantir que a organização seja capaz de produzir produtos livres de defeitos. O conceito zero defeito é aplicado em todas as operações e processos de forma planejada, bem como a eliminação e redução dos desperdícios. Os resultados trazem melhorias para o sistema produtivo. Esta postura do STP evita as condições de falhas, aumenta a produtividade e consequentemente a redução dos custos operacionais. 2/16

3 2.2 Total Productive Management (TPM) O Gerenciamento da Produtividade Total mais conhecido como Total Productive Management (TPM) é um método de gestão que busca a eficiência máxima do sistema de produção com a participação de todos os funcionários envolvidos nos processos do negócio da empresa. Este método de gestão objetiva a identificação e eliminação das perdas nos setores produtivos e administrativos, além da utilização total dos equipamentos, melhorando o desempenho do fator humano através de investimento na capacitação e desenvolvimento das habilidades e eficácia dos processos envolvidos, conduzindo assim, um cenário de custos competitivos e produtos de qualidade total às empresas. (FERNANDES, 2010) Para que o conceito TPM seja executado com sucesso é imprescindível à utilização da filosofia Manutenção Produtiva Total (MPT) a qual está intrinsecamente envolvida no conceito Quebra Zero. Segundo Takahashi e Osada (1993 apud Fernandes, 2010), o conceito Quebra Zero só pode ser alcançado através da interação do homem com a máquina. Primeiro deve-se mudar o comportamento do fator humano, esta muda os equipamentos e consequentemente a empresa. De acordo com Nakajima (1986 apud Azevedo, 2011), a MPT promove uma maior integração entre homem x máquina x empresa de forma que a execução da manutenção dos processos é responsabilidade de todas as pessoas envolvidas no Sistema Produtivo. Sendo assim, a MPT concentra-se no gerenciamento de maquinas adequando-as a cada tipo de atividade e no treinamento dos respectivos operários. (BÔAS, 2005) Segundo Azevedo (2011), a MPT tem uma abordagem estratégica na gestão industrial sendo fundamental para a obtenção de vantagens competitivas, voltada para a otimização dos ativos, redução dos custos de produção, bem como de retrabalho. 2.3 Overall Equipment Effectiviness (OEE) Desenvolvido pela metodologia TPM, que por sua vez é integrada a filosofia STP, o OEE é uma ferramenta imprescindível para o monitoramento do desempenho das maquinas e equipamentos utilizado na área industrial. De acordo com Guachalla (2012), o OEE contribui não só para o monitoramento do desempenho como também para a melhoria contínua dos equipamentos e processos produtivos. Entretanto, Moellmann (2006) afirma que a partir do conhecimento da capacidade nominal das maquinas e equipamentos é possível ter uma ideia imediata da capacidade produtiva de um sistema operacional como um todo, através do indicador OEE. Além de ser útil para a análise de gargalos operacionais. Silva (2010) e Guachalla (2012) conceituam o OEE como indicador tridimensional, pois mede o desempenho de equipamentos norteados em três considerações: a Disponibilidade, que mede o percentual do tempo útil que o equipamento tem para operar; a Eficiência, que busca medir o percentual da produção real em relação à capacidade nominal; e a Qualidade que referencia o percentual da qualidade do produto mediante o processo que o equipamento está inserido. O OEE é um indicador que possibilita uma visão global do processo utilizado, bastante útil para a identificação de gargalos, pois é através deste indicador que é possível obter 3/16

4 informações sobre disponibilidade, eficiência e qualidade do equipamento (MOELLMANN, 2006). Neste sentido, Silva (2010) ressalva que a medição do desempenho dos equipamentos influenciará diretamente à produtividade dos processos produtivos, a eficiência da mão de obra e contribui significativamente para a qualidade dos produtos e satisfação dos clientes. 2.4 Vale Production System (VPS) O VPS é o sistema de produção que estrutura e organiza a forma de produzir em todas as áreas da empresa VALE. Os recursos industriais e humanos para executar a missão e alcançar a visão com excelência são definidos e organizados pelo VPS. O sistema VPS considera as pessoas, os aspectos ambientais e de segurança e saúde fatores intrinsecamente envolvidos na gestão da empresa. Assim, o VPS garante uma padronização de suas operações, de forma que a VALE possa operar e de produzir em todas as unidades presente em 37 países. (VALE, 2011) De acordo com o regulamento VALE (2011a, p. 22), O VPS é o caminho oficial definido pela Vale para o alcance da excelência operacional, visando a maior eficiência e o menor custo por unidade. Esse sistema de gestão de processos tem a ambição de levar a Vale não apenas a ser a maior mineradora do mundo, mas também a ser uma referência global (benchmark) na gestão operacional. O ciclo PDCA de acordo com o regulamento VPS VALE (2011) é uma das ferramentas utilizadas para trazer excelência operacional, e melhoria continua dos processos. O ciclo PDCA está incorporado na gestão da VALE com o objetivo de padronizar e melhorar os seus processos continuamente. Este método garante a integridade do fluxo das informações, sendo capaz auxiliar os gestores em tomadas de decisão. Pode-se observar uma interdependência entre a estruturação do VPS e da análise do conceito do STP. Visto que o STP tem como objetivo o estoque-zero, porém, para que este se aproxime o máximo possível de sua meta, é necessário que a Manutenção Produtiva Total (MPT) consiga atingir o máximo possível do seu objetivo, que é a quebra-zero. Para que isso seja alcançado, é necessário um comprometimento de pessoas (equipes envolvidas) e da manutenção (equipamentos), ou seja, Gestão de Pessoas e Gestão da Manutenção. O VPS engloba todos esses conceitos e abrange essas gestões como base para o pleno funcionamento do sistema, daí a relação tão próxima do VPS com o STP. Sendo que a MPT é um dos pilares para a implantação do STP e consequentemente do VPS. 2.5 O Sistema Portuário e Seus Subsistemas O Sistema Portuário de acordo com Peixoto (2011) é definido com um conjunto de subsistemas que dão apoio às operações portuárias. Segundo Alfredini e Arasaki (2009), o Sistema Portuário é um elo básico da cadeia logística de terminais multimodais e cargas diferenciadas. De acordo com Peixoto (2011), o Sistema Portuário apresenta os seguintes subsistemas: acessibilidade terrestre; estruturas de retro área; estruturas de atracação e acessibilidade marítima. O subsistema acessibilidade terrestre realiza a integração entre o sistema porto e os modais de transporte terrestres. No entanto, o subsistema estrutura de retro área tem como 4/16

5 elementos fundamentais de projeto o volume de carga movimentada, características geotécnicas, físicas e climáticas do local de implantação do terminal, sistemas de movimentação de cargas e especificações dos equipamentos. (PEIXOTO, 2011) De acordo com Peixoto (2011) o subsistema estruturas de atracação é o principal elemento de transição entre a navegação e a atracação do navio no porto. Por fim, o subsistema acessibilidade marítima cuida das condições de navegabilidade ou manobra do navio até o cais de atracação. De acordo com Alfredini e Arasaki (2009), o sistema portuário pode ser classificado quanto à sua Natureza, Localização e Utilização. Quanto à Natureza levam em consideração as características primordiais de abrigo e acessibilidade, sendo natural ou artificial. A Localização refere-se ao posicionamento geográfico do terminal projetado. Este considera os portos externos, portos interiores e portos ao largo. Contudo, a Utilização leva em conta a carga que será movimentada e os tipos de equipamentos utilizados, classificando-os como portos de carga geral ou portos especializados. 2.6 Operação Portuária A operação portuária é caracterizada como um conjunto de atividade e processos sequenciais que vão desde a chegada da carga pelo acesso terrestre do porto até o embarque nos navios (VALE, 2008a.). Alguns processos e suporte são apontados pela VALE (2008a) como imprescindíveis para a operação portuária: os Processos de Programação; os Processos de Operação; o Suporte de Operação e o Suporte de Programação. Quanto à operação portuária em Terminal de Minério de Ferro, Pereira (2012) classifica um terminal de minério de ferro como um terminal de granel sólido especializado. Este por sua vez realiza a ligação entre a mina e o cliente. Segundo Alfredini e Arasaki (2009), no mercado mundial o minério de ferro corresponde a 45% dos graneis sólidos embarcados no ano, o restante são representados por carvão e grão comestíveis com 20% respectivamente, bauxita/alumina e rochas fosfáticas com aproximadamente 7% cada Principais Equipamentos Utilizados em Terminais de Minério de Ferro Virador de Vagão (VV): o VV é um equipamento utilizado para a descarga do minério. O minério por sua vez é transportado através da ferrovia em composições que serão posicionadas dos VV s para realizar a descarga. Segundo Moura (2011b), os VV s são equipamentos que podem girar até 180º as composições de vagões conjugados. Ressalva ainda que entre um vagão e outro existe uma parte fixa que faz o par de vagão e engates móveis localizados nas extremidades que possibilitam o giro. Empilhadeira (EP): a EP consiste no equipamento que realiza a formação das pilhas de minério no pátio (PEREIRA, 2012). Após ser descarregado pelos VV s, o minério é conduzido por meio de correrias transportadoras até a empilhadeira. De acordo com o relatório VALE (2010a), os minérios e insumos descarregados pelos VV s e moegas, formarão pilhas dentro dos padrões de qualidade especificada. 5/16

6 Recuperadora (RP) e Empilhadeira Recuperadora (ER): as RP s e ER s são equipamentos utilizados no processo de recuperação de minério do pátio, que serão carregados em navios, silos ou apenas movimentar o material para outro lugar (VALE, 2008b). De acordo com o VALE (2008a, p. 22), a recuperação é o processo operacional na qual se utiliza RP s ou ER s para retomar a carga das pilhas estocadas e transferi-la para navios, silos, usinas ou outras pilhas.. Contudo, as ER s tem a capacidade tanto de empilhar quanto de recuperar. Carregador de Navio (CN): o carregador de navios é uma máquina utilizada nas atividades de operação em geral, destinada ao carregamento de granéis sólidos para navios (MOURA, 2011a, p. 8). Segundo Moura (2011a), o processo de embarcar minério nos porões dos navios é facilitado pelo gerenciamento de dados de operação portuária e por um sistema de radio frequência que viabiliza uma maior rapidez na comunicação e coordenação das operações entre as maquinas envolvidas nos processos e a sala de controle. 2.7 A utilização de indicadores na Gestão do TPPM A VALE utiliza de diversos indicadores para gerenciar a produtividade das operações com segurança e qualidade. A seguir, serão demonstrados os principais indicadores utilizados no TPPM para medir o desempenho dos equipamentos de recuperação qual facilitará o entendimento da ferramenta OEE, que é foco deste trabalho. O OEE utilizado no TPPM segundo Pereira (2012) caracteriza-se pela relação percentual entre a eficiência global realizada em um determinado equipamento, linha, berço ou o porto em relação à eficiência global teórica do mesmo. De acordo com Pereira (2012), a formula para calcular o OEE é: Disponibilidade ): definida por Pereira (2012) como o indicador que tem por objetivo medir a relação percentual entre o tempo em que o equipamento, linha, berço ou porto não esteve parado por necessidades de manutenção corretivas, preventivas, preditivas, reformas ou manutenções de oportunidade e o tempo total do período avaliado. Ou seja, tempo em que o equipamento não se encontra parada devido à quebra, falha, preparação, troca de ferramentas, etc. (MORAES e SANTORO, 2006) Em que, é o Tempo Calendário representado pelo númeoro total de horas de determinado período considerado. é Tempo de Manutenção que representa o número total de horas de qualquer tipo de manutenção que tenha ocorrido em que o equipamento esteve indisponível para operar. 6/16

7 Utilização (U %): caracteriza-se pela relação percentual entre o total de tempo efetivamente operando e o total do tempo disponível de um equipamento, linha, berço ou porto. (PEREIRA, 2012) Em que, é o Tempo Operacional Efetivo que representa o número total de horas em que o equipamento, linha, berço ou operou efetivamente em operação de carga/descarga. São somados os períodos em que o sistema estava realizando algum tipo de operação. (PEREIRA, 2012) Em que, Tempo Operacional Disponível: É o total de horas ocorridas em que o equipamento esteve disponível para operar. ) Tempo de paralisações Operacionais: Total de horas de interrupções para mudança de turno, movimentação de cargas ou equipamentos, limpeza de correrias, treinamento, etc. Estas interrupções são de responsabilidade do TPPM. Tempo de Paralisações Externas: Tempo total de paralisações que não são de responsabilidade do porto. Taxa Efetiva Relativa : é o indicado que mede a relação percentual entre a taxa nominal do equipamento e a taxa efetiva realizada. Em que, Taxa Nominal: Valor da taxa de operação indicado no projeto. Taxa Efetiva: Representa o indicador que mede a desempenho médio dos períodos de operação. Em que, ( é a Carga Movimentada. Produtividade Relativa ( : é o indicador que afere a desempenho médio dos períodos de operação efetiva de um equipamento ou linha de produção. Neste caso são desconsideradas quaisquer paralisações, independentemente de sua causa ou responsabilidade em relação à Taxa Nominal. (PRO VALE, 2011 apud MERIGUETI, 2011). É importante ressaltar que o OEE não é a solução para os problemas dos sistemas produtivos. O OEE apenas permite identificar e quantificar os problemas detectados de um 7/16

8 modo padronizado, avaliar os efeitos das ações de melhoria desenvolvidas para tornar os equipamentos mais eficazes e, consequentemente, gerarem mais valor para a empresa e exprimido eficácia do equipamento através de um único número. (SILVA, 2010) 3 ESTUDO DE CASO: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OEE NA RECUPERAÇÃO DE MINÉRIO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) O estudo de caso aborda o processo de recuperação no Terminal Portuário Ponta da Madeira, a fim de verificar e entender o processo de recuperação desempenhada pelas máquinas de pátio. 3.1 A Empresa VALE Em meio à crise da segunda guerra mundial durante o governo de Getúlio Vargas, foi decretado em 1º de junho de 1942 a criação da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) através do Artigo 4º Estatuto de Criação da Companhia Vale do Rio Doce, Decreto-Lei no Hoje presente em 37 países e conhecida simplesmente como VALE, à empresa aposta no desenvolvimento sustentável através da exploração de recursos minerais com responsabilidade socioeconômico e ambiental. (VALE, 2012b) A VALE dispõe de um complexo sistema logístico que dá suporte para a integração das diversas operações Mina-Ferrovia-Porto. A expansão da atividade mineradora de Carajás projeto S11D tem o propósito de aumentar consideravelmente a quantidade de minério no Complexo Minerador de Carajás, que está em operação desde 1985, no Pará, Brasil. Estimamse com este projeto trinta mil empregos gerados no pico da obra, o que promove um desenvolvimento social, prosperidade e responsabilidade socioambiental nas regiões de operação. (VALE, 2012a). 3.2 O Terminal Portuário Ponta da Madeira (TPPM) O TMPM é um porto privado pertencente à VALE que foi inaugurado em 1986 e, está localizado no Complexo Portuário de Itaqui, à margem leste da Baía de São Marcos, na ilha de São Luís. (PEREIRA, p. 26, 2012). Utilizado para a movimentação de minério de ferro, manganês, concentrado de cobre e ferro-gusa e grão de soja de terceiros, o TPPM tem capacidade para acomodar quatro navios. (VALE, 2012a) A escolha do projeto do Terminal Marítimo Ponta da Madeira foi baseada na análise de localização e do desenvolvimento das operações portuárias. Este apresentava largura e profundidade adequadas ao fundamento de navios graneleiros de até 280 mil toneladas de capacidade de carga. Outros fatores muito importantes para o projeto é o canal de acesso natural que permite o tráfego simultâneo, dos navios de grande porte, a boa visibilidade e a posição geográfica fora de rotas de tempestades. (VALE, 2012b) Atualmente o TPPM encontra-se em obras de expansão. Segundo Pereira (2012), a previsão é que em 2015 o TPPM será o maior porto de exportação de m inério de ferro do mundo. Essa estimativa é decorrente de empreendimentos desafiadores como a construção de 8/16

9 um ramo de 104 km que interligará a mina de Serra Sul à Estrada de Ferro Carajás (EFC), a duplicação de 546 km de linha férrea que interligará Carajás ao TPPM. 3.3 Processo de Recuperação de Minério no TPPM O processo de recuperação dos minérios presente nos pátios do TPPM é realizado pelos equipamentos RP s e ER s. Atualmente existem no pátio de estocagem do TPPM três RP s em funcionamento, com capacidade nominal de t/h e quatro ER s, cada uma com capacidade nominal de t/h (LIMA, 2012). A recuperação de acordo conforme VALE (2008b, p. 48), é um processo no qual é utilizada uma recuperadora de caçambas para carregar navios, silos ou circular o produto para outro local. Segundo a VALE (2008b), o processo de recuperação de uma pilha é feito homogeneizando o produto em bancadas, com altura variável e avanço na sua extensão, determinado de acordo com as características de cada terminal, liberando assim, espaço no pátio em bancadas. Para isso, o operador deve manter constante contato com a sala de controle e demais máquinas recebendo e enviando informações do processo. (VALE, 2008b) É importante estabelecer padrões de taxas efetivas para cada tipo de produto, máquina ou operação. Isso facilitará a programação dos tempos de carregamento, o controle de desempenho nas operações e de cada equipamento. O padrão é fundamental para que o operador tenha uma meta a buscar ou superar. (VALE, 2008b, p. 49) Por fim, ao completar a carga solicitada, o operador informa a sala de controle e a equipe envolvida com o destino (embarque no navio ou mudança de posição no pátio) e aguarda nova programação (VALE, 2008a). É importante ressaltar que o gerenciamento de bancos de dados pode evitar confusões e equívocos operacionais. 3.4 Gerenciamento do Banco de Dados do TPPM A presente pesquisa apresenta informações coletadas junto à área de Recursos Operacionais (engenharia de recuperação) e o Centro de Controle Operacional (CCO) do TPPM. Foi realizada entrevista com profissionais responsáveis pelo processo de recuperação, a fim de consolidar os dados coletados. Após a entrevista, pôde-se constatar que o processo de recuperação de minério é uma atividade intrinsecamente envolvida com o processo de carregamento do navio. Os dados gerados pelas operações do TPPM são gerenciados pelos sistemas Gestão da Produção Vale (GPV Portos) e pelo Vale Information Program (VIP - Portos). Estes sistemas proporcionam maior segurança e precisão na gestão dos indicadores de desempenho do porto. Atualmente o TPPM utiliza para o apontamento do processo de carregamento de navio o sistema Porto On Line. Este sistema possibilita o operador do CN inserir todas as informações de eventos ocorridos durante o carregamento no sistema e a partir disto todos os relatórios necessários durante o processo de carregamento pelos operadores do CCO e do CN são extraídos do sistema. Esta prática proporciona maior produtividade no processo. (VALE, 2012c) 4 RESULTADO E DISCUSSÕES 9/16

10 Os dados abordados nesta pesquisa foram disponibilizados pela área de Recursos Operacionais do TPPM e pela engenharia de recuperação. Para o delineamento da pesquisa, foi analisada a taxa efetiva (Tabela 1) dos equipamentos que participam do processo de recuperação no período de janeiro a dezembro de A taxa efetiva é a relação da quantidade de material recuperado e o tempo operacional efetivo, relação direta com a produtividade das máquinas. Os materiais analisados foram o Sinter Feed, Pellet Feed, Pelota e Manganês. Tabela 1: Taxa Efetiva Foi constatado que a RP2 em média teve a menor taxa efetiva apurada em 2011, por este motivo, será analisada cuidadosamente. A RP2 opera em modo remoto, de forma que o operador controla o equipamento com o auxílio do computador e de câmeras instaladas na máquina. Diversos motivos podem ter impactado o seu desempenho. No entanto, pode-se perceber que em novembro a RP2 teve a menor taxa efetiva do ano, em torno de 3,9 Kton/h. Após entrevista com especialistas responsáveis pelo processo de recuperação, foram constatados que as paradas operacionais foram os maiores responsáveis pela baixa taxa efetiva da RP2 em As paradas operacionais representam 1.197,3 horas perdidas na operação de todas as maquinas do pátio. Isso implicou na perda de t de minério que deixaram de ser embarcado. Análise dos indicadores OEE Através dos dados coletados foram estratificados os principais eventos que impactaram a Disponibilidade, Utilização e Produtividade da RP2 em 2011, bem como om índice de produtividade e consequentemente OEE. É importante ressaltar, que os valores dos indicadores foram disponibilizados pelo CCO do TPPM. Disponibilidade Ao analisar o Gráfico 1, pode-se perceber a evolução da Disponibilidade em Nota-se que em agosto (59%) e em outubro (57%) foram os meses que apresentaram os menores resultados de Disponibilidade. 10/16

11 Gráfico 1: Evolução da Disponibilidade em Em horas deixaram de ser operadas pela RP2 por motivos de manutenção. O Gráfico 2 aponta horas de Manutenção Corretiva como o principal motivo de manutenção. Gráfico 2: Horas de Manutenção Ao estratificar a Manutenção Corretiva (Gráfico 3), observou-se que o tempo gasto com manutenção por motivos de paradas operacionais P0 Mecânica (568 h) e P0 Elétrica (471h), foram os principais eventos que impactaram o indicador Disponibilidade. Neste sentido, é importante ressaltar que o TPPM deve dar uma atenção especial aos problemas de mecânica e elétrica da máquina RP2. Gráfico 3: Estratificação da Manutenção Corretiva. Utilização O indicador Utilização (Gráfico 4) em 2011 teve sua média 54%. Sendo que em janeiro (46%), abril (48%) e outubro (47%) foram seus piores resultados. Entretanto, em julho (67%) a RP2 obteve seu melhor índice de Utilização, apesar de apresentar horas não operadas por motivos internos e externos (Gráfico 5). 11/16

12 Gráfico 4: Evolução da Utilização em As Horas Não Operadas Internas obteve o maior valor de horas não operadas. Os motivos que levaram a perder 744,65 horas de operação são estratificados no Gráfico 6. Gráfico 5: Horas Não Operadas. A partir dos dados fornecidos pelo CCO, foram estratificados os motivos de Horas Não Operadas Internas. No Gráfico 6, os motivos Outros Interno (226 h), Mudança de Porão (197 h) e Parada Operacional P0 Operacional (164 h) são os principais agentes impactantes do Indicador Utilização por motivos interno. É importante ressalvar que o motivo Outros Interno deve ser analisado pelo TPPM criteriosamente, pois este foi a maior perda de horas não operadas internas e, conforme informado, não se sabe os reais motivos dessa perda, pois suas causas não foram apontadas ou decodificadas. Gráfico 6: Estratificação das Horas Não Operadas Internas. Produtividade 12/16

13 A evolução do indicador Produtividade (Gráfico 7), em 2011 teve a média correspondente a 70% do período analisado. Contudo, pode-se perceber que em novembro a RP2 teve a menor produtividade do ano, fato este devido à relação direta que a Taxa Efetiva tem com a produtividade. Como observado na Tabela 1, a Taxa Efetiva da RP2 em novembro representou o pior resultado de Gráfico 7: Evolução da Produtividade em Em 2011 a RP2 teve horas operando com taxa média, que representa o Limite de Horas com Produtividade Ótima (2.346,2 h) e as Horas Perdidas de Produtividade (977 h) conforme Gráfico 8. Gráfico 8: Horas de Operação com Taxa Média A Taxa Média representa a Produtividade Média, a Taxa Ideal ou Produtividade Benchmark (8.000 t/h) é a taxa máxima que é possível ser realizada com o equipamento. As Horas de Operação com Taxa Média é igual às horas de operação. O Limite de horas com a produtividade ótima representa quantas horas se faria o volume determinado se operasse com a taxa ótima. As Horas Perdidas de Produtividade são representadas pela diferença entre quantas horas se faria determinado volume com taxa ótima e quantas horas se fez o volume com a taxa média. OEE O Gráfico 9, representa a evolução do indicador de desempenho OEE em 2011 (27%). Pode-se perceber que em julho foi o melhor resultado e em outubro e novembro os piores resultados da RP2. Em novembro (17%) as horas não operadas devido aos impactos dos indicadores de Disponibilidade e Utilização contribuíram diretamente para o baixo desempenho do mês. Contudo, no mês de novembro a baixa Taxa Efetiva ocorreu devido problemas operacionais, qual foi o principal responsável para o baixo desempenho do equipamento em /16

14 Gráfico 9: Evolução do OEE em Por fim, é importante ressaltar que existe uma taxa de OEE desejada e ela varia a cada mês de acordo com vários fatores programados: manutenção preventiva, manutenção corretiva, paradas operacionais, manobras, problemas de qualidade, taxa programada de acordo com o histórico, etc. Portanto, é de fundamental importância manter os equipamentos operando sem restrições ou problemas, para isso, a manutenção está intrinsecamente envolvida nas operações dos equipamentos presente no TPPM. 5 CONCLUSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS Os estudos bibliográficos do presente trabalho remetem ao Sistema Toyota de Produção, Vale Production System e Total Productive Management, bem como a relação interdependente do VPS com STP e TPM. Além de entender o Sistema Portuário e o funcionamento de Terminais de Graneis Sólidos (Minério). O indicador OEE pode ser caracterizado como uma importante ferramenta de apoio à decisão de um sistema portuário baseado no desempenho dos equipamentos utilizados no TPPM, no qual os diversos atributos relevantes são representados através dos indicadores de Disponibilidade, Utilização e Produtividade. A aplicação da ferramenta OEE no plano da gestão portuária pode envolver considerações ligadas à redução de impactos operacionais e consequentemente os custos relativos dos processos. A partir dos dados fornecidos pelo CCO e pela Engenharia de Recuperação (Mirante) do TPPM, foi constatado que a RP2 foi à máquina que teve a menor Taxa Efetiva do ano de 2011, por este motivo foi realizado um estudo detalhado para apurar as principais restrições que impactaram do desempenho da RP2. Observou-se que em julho de 2011 a RP2 teve o seu maior volume embarcado ( t) em relação aos demais meses. No mês de outubro e novembro a RP2 teve os menores resultados do ano, este fato ocorreu devido restrições no acionamento do giro, o que levou à manutenção neste período, pois a mesma não parou sua operação para realizar manutenção preventiva. Quanto ao indicador Disponibilidade, houve uma perda horas para realização de Manutenção Corretiva, constando-se que as paradas operacionais P0 Mecânica (568 h) e P0 Elétrica (471 h), foram os principais eventos que impactaram o indicador Disponibilidade. Em relação à Utilização a RP2 apresentou horas não operadas, sendo que 744,65 horas são de Horas Não Operadas Internas. Verificou-se que os motivos Outros Interno (226 h), Mudança de Porão (197 h) e Parada Operacional P0 Operacional (164 h) como os principais agentes impactantes do Indicador Utilização por motivos interno. Além disso, 14/16

15 problemas operacionais de Sobrecarga (57,1 h), Chave de Emergência (39,5 h), Falha Operacional (28,8 h) e Detectara de Rasgo (16,9 h) foram os principais motivos que impactaram a Utilização da RP2 ao longo do ano de Foi constatado que em novembro a RP2 teve a menor produtividade do ano, fato este devido à relação direta que a taxa Efetiva tem com a produtividade. A RP2 teve horas operando com taxa média, sendo representada pelo Limite de Horas com Produtividade Ótima (2.346,2 h) e pelas Horas Perdidas de Produtividade (977 h). Por fim, o indicador OEE teve em novembro (17%) o menor resultado devido às horas não operadas dos indicadores de Disponibilidade e Utilização, que contribuíram diretamente para o baixo desempenho do mês. Entretanto, no mês de novembro a baixa Taxa Efetiva ocorreu devido problemas operacionais, qual foi o principal responsável para o baixo desempenho do equipamento em A partir dos estudos realizados, podem ser desenvolvidos trabalhos futuros com enfoque na estratificação das Horas Não Operadas Internas apontadas pelo motivo Outros Interno, qual não se sabe com precisão o que levou a perda de 226 horas de operação, no desenvolvimento tecnológico na busca da identificação e mitigação dos eventos impactantes no processo de recuperação de minério no TPPM e na consolidação da utilização da ferramenta OEE nas operações de pátio. REFERÊNCIAS ALFREDINI, P. e ARASAKI, E., Obras e Gestão de Portos e Costas. 2ª. Ed. São Paulo: Ed. Edegard Blucher, AZEVEDO, F. C., Produtividade no Processo de Descarga de Minério: Estudo de Caso do Terminal Portuário Ponta da Madeira. São Luís, BÔAS, A. T. V., Gestão da Manutenção Produtiva Total: Conceitos e Etapas de Implementação. Ouro Preto, FERNANDES, J. C., Total Productive Management. Bauru, GHINATO, P., Sistema Toyota de Produção: Mais do Que Simplesmente Just-in-Time. São Paulo, GUACHALLA, W. F., Avaliação dos Reflexos da Operação do Virador de Vagões em Produção e na Fila de Trens para Descarga de Produtos. Belo Horizonte, LIKER, J. K.; O modelo Toyota -14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. São Paulo: Bookman, LIMA, L., Planejamento e Programação de Operações Portuárias. Apostila elaborada para o curso de Especialização em Engenharia Portuária, UFMA-VALE /16

16 MERIGUETI, B. A., Produtividade Portuária: Estudo de Caso do Píer I do Porto de Tubarão em Vitoria. São Luís, MOELLMANN, A. H. et al, Aplicação da Teoria das Restrições e do Indicador de Eficiência Global do Equipamento para Melhoria de Produtividade em uma Linha de Fabricação. Paraná, MORAES, L. H. e SANTORO, M. C., Medida de Eficiência em Linhas de Produção. Fortaleza, MOURA, J. P., Operação Portuária: Operação de Carregador de Navio. Apostila elaborada para o curso de Especialização em Engenharia Portuária, UFMA-VALE. 2011a. MOURA, J. P., Operação Portuária: Virador de vagão. Apostila elaborada para o curso de Especialização em Engenharia Portuária, UFMA-VALE. 2011b. MEIER, D. e LIKER, J. K., O modelo Toyota Manual de Aplicação: Um guia prático para a implantação dos 4ps da Toyota. São Paulo: Ed. Bookman, PEREIRA, N. N., Operação Portuária. Apostila elaborada para o curso de Especialização em Engenharia Portuária, UFMA-VALE SILVA, J. P. A. R. D. OEE - A Forma de Medir a Eficácia dos Equipamentos Disponível em: < EFICACIA-DOS-EQUIPAMENTOS>. Acesso em: 22 de Novembro, VALE. Book Portuário. Principais Processos necessários para a operação portuária. GAOPG - Gerência de Gestão Portuária. 2008a. VALE. Operação de Recuperadora: Trilha Técnica de Operação Portuária. VALER Educação VALE. 2008b. VALE. Regulamentos VPS. Dimensão Operacional. VALER Educação VALE VALE. < Acessado em novembro de 2012a. VALE. Nossa História. 2012b. VALE. Porto On Line. 2012c. 16/16

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO EFICIÊNCIA PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA - VALE Eixo Temático: Gestão Logística e Operações Luís Carlos Carvalho Nunes

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável.

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Complexo de Tubarão Nossa Missão Vale Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Nossa Visão Vale Ser a empresa de recursos naturais global nº 1 em criação de valor de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes 13 1. INTRODUÇÃO Em estudo do Banco Mundial elaborado consta que, no Brasil, os custos logísticos representam, em média, 20% do valor do Produto Interno Bruto (PIB). Essa participação é uma das mais elevadas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O Programa de Controle e Monitoramento de Emissões Atmosféricas da Ferrovia Norte- Sul parte da premissa que as questões

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil SISTEMA MINAS-RIO Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil A ANGLO AMERICAN A história da Anglo American teve início em 1917 na África do Sul, onde as primeiras operações aconteceram. Desde então, a

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Gestão da Qualidade por Processos

Gestão da Qualidade por Processos Gestão da Qualidade por Processos Disciplina: Gestão da Qualidade 2º Bimestre Prof. Me. Patrício Vasconcelos adm.patricio@yahoo.com.br Gestão da Qualidade por Processos Nas empresas, as decisões devem

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Com 16 fábricas no Brasil e uma na Argentina, a Klabin S.A. é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil.

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué

Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência. Gleuza Jesué Projetos de Inovação e Melhores Práticas de Competitividade e Eficiência Gleuza Jesué Nossa agenda 1 2 3 4 Pilares estratégicos e ações estruturantes Metodologia da gestão da licença para operar Case:

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA Gestão da Cadeia de Suprimento Compras Integração Transporte Distribuição Estoque Tirlê C. Silva 2 Gestão de Suprimento Dentro das organizações, industriais,

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Utilização de Sistema Informatizado na Gestão da Manutenção Resumo O trabalho nasceu com a necessidade de sistematizar a obtenção de dados do

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais