II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO"

Transcrição

1 II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO EFICIÊNCIA PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA - VALE Eixo Temático: Gestão Logística e Operações Luís Carlos Carvalho Nunes 1 Walter Carvalho Pinheiro Filho 1 Sérgio Sampaio Cutrim 2 Leo Tadeu Robles 2 Rui Carlos Botter 3

2 Objetivos Gerais e Específicos Objetivo Geral Desenvolver estudo de caso, com avaliação geral da aplicação da metodologia PDCA como ferramenta para alcance da meta da Taxa Efetiva do Píer 1 do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira. Objetivos específicos Apresentação da Visão Macro dos Processos Portuários no TMPM; Aplicação da metodologia PDCA para melhoria dos resultados; Apresentação da influência da TAXA EFETIVA DE EMBARQUE no OEE; Análise e estratificação de dados dos indicadores de eficiência; Identificação das causas potencias e quantificação dos problemas; Estabelecimento de metas, plano de ação e verificação de Resultados.

3 Metodologia Aplicada Revisão Bibliográfica Sistema Toyota de Produção (STP); Total Productive Management (TPM); Overall Equipment Effectiviness (OEE); Vale Production System (VPS); Operação Portuária. Estudo de Caso: VALE Terminal Portuário de Ponta da Madeira (Píer 1); Análise de relatórios de indicadores de desempenho do OEE, com foco na melhoria da Taxa Efetiva de Embarque. PALAVRAS CHAVE: Eficiência Portuária; Taxa Efetiva; Eficiência Global do Equipamento OEE; Terminal Marítimo de Ponta da Madeira - TMPM; VALE.

4 Referencial Teórico Toyota Production System Vale Production System Total Productive Maintenance Overall Equipament Effectiveness OEE OEE = Fator de Disponibilidade x Produtividade x Utilização

5 OEE - Overall Equipament Efficiency Eficiência Global do Equipamento Horas Calendário Horas Disponíveis Perdas Manutenção Man. Preventiva Man. Corretiva Elétrica Mecânica Hidráulica Automação, etc.. Horas Operadas Perdas Operacionais Aguardando Minério Manobra Equip. Mudança Porão Arqueação Inicial Amarração Navios Trimming Horas Produtivas Perdas Produtividade Horas Operadas Taxa Recuperação Taxa Programada DF x UT x EP = OEE

6 Sistemas de Produção Minério de Ferro no Brasil Sistema Norte Ponta da Madeira Carajás Sistema 2014 Vale 319,215 Norte 119,657 Sistema Sudoeste Corumbá Sistema Sudeste Tubarão Sudeste 107,458 Sul 86,264 Centro-Oeste 5,836 América do Sul Itaguaí (SPBS) E TIG (Mararatiba) Sistema Sul Fonte: Vale, Relatório de Produção 2014 e 4T14. San Nicolás (Argentina)

7 Sistema Norte Mina Carajás Terminal Marítimo de Ponta da Madeira Ferrovia EFC - EFNS

8 Operações Logística Estrada de Ferro Carajás Terminal Marítimo de Ponta da Madeira 892 km de ferrovia 30 trens simultâneamente 330 vagões - maior trem do país (3,5 km de extensão) e 100% sinalizada, com controle de tráfego centralizado. Ferrovia mais eficiente do Brasil, segundo estudo do Instituto de Logística e Supply Chain (ILOS). 6 viradores de vagões (mais 2 em construção) 100 km de correias transportadoras Píer IV um dos mais profundos do mundo (25m) Maior movimentação portuária do Brasil em 2014 com o embarque de 112 milhões de toneladas de minério com 498 navios.

9 Descrição do Sistema Portuário EMBARQUE DESCARGA DE VAGÕES EMPILHAMENTO RECUPERAÇÃO ESTOCAGEM

10 Estrutura Embarque Ponta da Madeira Píer I Navios de até TPB Profundidade Mínima: 23 m Extensão do Berço : 490 m Taxa Carregamento : 16Kt/h Píer III Navios de até TPB (P3S) Navios de até TPB (P3N) Profundidade Mínima : 21 m Extensão do Berço : 655 m Taxa Carregamento : 3 X 8Kt/h Píer IV Navios até TPB Profundidade mínima: 25m Taxa Carregamento: 2 X 16Kt/h Ponte de acesso com 1.600m

11 Desempenho Esperado Médio Prazo Principais Desafios para Operação TCE (t/h) DESEMPENHO ESPERADO PRO MÉDIO E LONGO PRAZO - PDL2015 X REALIZADO TAXA EFETIVA (t/h) TAXA DE RECUPERAÇÃO (t/h) Aderência 2015 PDL 2020 Aderência 2015 PDL 2020 Aderência 2015 PDL % % % SIMULTANEIDADE (%) Aderência 2015 PDL % 85% 63% HMC (h/mt) Aderência 2015 PDL % % HPO (h/mt) Aderência 2015 PDL % %

12 Identificação das prioridades Análise de dados históricos Desafio: Orçamento de Taxa Efetiva toneladas por hora Dados Históricos Taxa Efetiva P1 +92ton/h +230ton/h Desafio! Meta fixa no ano O objetivo do planejamento é: Aumentar a Taxa Efetiva de Embarque do Píer 1 do TMPM.

13 Identificação das prioridades Definindo Cronograma da Metodologia O Escopo do Planejamento para Alcance de Metas é: Atingir a Taxa Efetiva da Embarque de Minério de t/h para t/h em 2015.

14 Estabelecendo a Meta Geral Histórico da Taxa Efetiva Embarque do Píer 1 Levantamento dos problemas, coleta de dados e priorização Dados Históricos Taxa Efetiva P1 Orç. 2013/ ton/h Meta ton/h Maiores taxas mensais exigidas pelo orçamento de volume de exportação para 2015 RESULTADOS ESPERADOS: Redução das perdas de operacionais priorizadas em 36% - tangível Melhoria da eficiência energética no embarque - tangível Aumento do nível de conhecimento do processo - intangível

15 Desdobramento do Problema Identificação dos principais focos p/ alcance da meta Desdobramento entre os Processos O Foco principal do planejamento é: Aumentar a Taxa Efetiva de Embarque do Píer 1 Diminuir as Paradas Operacionais durante o Carregamento * Neste último influência direta na Taxa Comercial.

16 Desdobramento do Problema Estratificação da Taxa de Recuperação Considerando o resultado para todos os tipos de produtos operados. Base de Dados Janeiro 2014 a Fevereiro 2015 Foco Foco Foco Como as máquinas de pátio, recuperam minério para vários píeres, trabalhamos o foco nas origens.

17 Determinação Metas Específicas Priorizar os Problemas Críticos Árvore de Indicadores Sustentando a Meta do Planejamento Metas Específicas Produtividade Taxa Efetiva Metas Específicas META GAP 230 Produtividade Efetiva Maquinas de Pátio Metas Específicas Simultaneidade Embarque META GAP META 72,1% 92,9% GAP 20,77% Metas Específicas Taxa Comercial Parada Paradas META META Operacional (Hora META Operacionais / Milhão ton) GAP -263 GAP 479 GAP 9 Manutenção Corretiva META GAP -76 Influência na Tx Comercial

18 Determinação Metas Específicas Simultaneidade da Recuperação de Minério Determinação das Metas baseadas no Orçamento do Volume Pátio de Estocagem Recuperação de Minério Carregamento de Navios 01 hora de Embarque com 100% de Simultaneidade Corresponde a 02 horas de Recuperação Taxa de Recuperação Simultaneidade de Embarque Memória de Cálculo Produto % Volume Taxa Recup Proporção % Sinter 72,50% % Pellet 6,00% % IOCJSF e SFLS21,50% Taxa MIX Taxa Efetiva Embarque Pátio Memória de Cálculo Simultaneidade 93% Meta Específica Calculada Meta Específica Calculada

19 Variáveis do Processo Mapa de Processo Quais são os porquês identificadas no desdobramento do problema Taxa Comercial de Embarque y': Tempo de Amarração y': Tempo de Arqueação Inicial y': Taxa Efetiva de Recuperação y': Taxa Efetiva de Embarque y': Paradas Operacionais y': Tempo de Desamarração Atracar Navio Liberar Navio Recuperar Minério Embarcar Minério Monitorar Condições de Carregamento do Navio Desatracar Navio Navio Atracado Arqueação Incial Realizada Minério Recuperado nas correias transportadoras Minério Embarcado - Navio desatracado C: C: C: C: Correia Avariada restringindo C Tipo e Qualidade do Produto a C: Quantidade de Amarradores Condição de Acesso ao Navio Tamanho Médio da Pilha Quantidade de Amarradores fluxo ser operado C: C: Disponibilidade dos Dados de R Habilidade e Experiencia do C: Qualidade do Minério restrigindo R: Aferição incorreta de balanças C: Tipos e Quantidades de Cabo Tipos e Quantidades de Cabo Cosumiveis do Navio Operador fluxo dinâmicas R C: Dispobilidade das Informações C: Correia Avariada restringindo C: Restrição de Fluxo devido R: R Operação sobre Chuva Operação com Chuva Operação sobre Chuva Hidrostáticas do Navio fluxo acionamento da correia C R: C: Qualidade do Minério restrigindo C: Restrição de fluxo devido guias R Habilidade e Experiencia do C Condições de Maré Operação sobre Chuva Condições de Maré fluxo das correias. Operador C: R Condilção de Navegabilidade C: Restrição de Fluxo devido C: Restrição de fluxo devido guias C C: Tamanho do Navio Tamanho do Navio Tamanho do Navio para Leitura dos Calados acionamento da correia das correias. C: Quantidade de Manobras C: Restrição de fluxo devido guias C: Restrição de Fluxo devido Chute C C: Quantidade de Manobras Condições de Maré Simultaneas das correias. fora de padrão Simultaneas C: Restrição de fluxo devido guias C: Restrição de Fluxo devido das correias. Simultâneidade C: Restrição de Fluxo devido Chute R: Aferição incorreta de balanças fora de padrão dinâmicas C: Restrição de Fluxo devido C Controlador de fluxo inteligente Simultâneidade

20 Identificação das Causas Potenciais Algumas causas identificadas Quais são os porquês para os Impacto da Taxa Efetiva identificadas no desdobramento do problema Mal posicionamento Geometria do Chute de sonda Fluxo inadequado para determinados tipos de materiais Problema Elevado numero de eventos de Sonda / Entupimento Falta de rotina de Posicionamento de inspeção de limpeza Canhões de Ar dos chutes 7 8 Velocidade de 9 Falha de projeto do operação dos Tr's chutes diferente da velocidade de projeto Alguns Exemplos... Revestimento interno do chute inadequado para o material transportado Operação com novos materiais Operação com produtos especiais (SFLS, FCKL e G3KL) e Treinamento Operadores Ausência de individualização das proteções das chaves de emergência Falta de padronização da s chaves de emergência e fixação inadequada de cordoalhas Sistema de Desobstrução de Chute (Canhões de ar) Inoperantes ou pressão inadequada. Falta de parâmetros para posicionamento de sonda nos shutes dos transportadores Geometria e revestimento interno do chute inadequado para o material transportado

21 Análise e Priorização das Causas Identificadas Gravidade, urgência e tendência A priorização foi feita através dos dados da estratificação feita na fase de identificação de problemas pela votação feita pelos operadores e técnicos da área operacional;

22 Estabelecendo Plano de Ação FOCO É BLOQUEAR AS CAUSAS! Causa Motivo O que Fazer? Elevado número de entupimentos na operação com 3 origens. Falta de sistema de controle que acompanhe o setpoint da máquinas no carregamento dos navios. Revisando do Setup das máquinas durante a operação com 3 origens. Causa Motivo O que Fazer? Elevado número de entupimentos com material blendado. Material blendado,com propriedades físicas e químicas diferentes causando comportamento de escoamento diferente durante recuperação. Definindo Modus Operandi de recuperação de pilha blendada e testes de laboratório para escoamento de minério.

23 Acompanhamento das ações do cronograma Tratamento e registro do desvios durante a execução Gráfico Curva "S" Taxa Efetiva P1

24 Verificação de Resultados Verificação de Resultados Disponibilidade Física Em 4 anos, conseguimos. Melhoria aproximada de 75% redução de Manutenção Corretiva. Melhoria aproximada de 28% redução de Manutenção Preventiva.

25 Verificação de Resultados Verificação de Resultados - Simultaneidade Aumento da Resultado Acumulado, Simultaneidade dos superior ao orçamento. Equipamentos. Avaliação deste indicador é baseada na simultaneidade das máquinas de pátio, ou seja, mais de 1 máquina na origem do carregamento

26 Verificação de Resultados Verificação de Resultados Taxa Efetiva Embarque Impacto operacional da recuperação de produtos especiais Resultado Acumulado, superior ao orçamento.

27 Verificação de Resultados Verificação de Resultados Taxa Efetiva Embarque

28 Verificação de Resultados Dados Históricos de Volume Embarcado - TMPM Volume Embarcado 2014 Destinos dos Clientes

29 Conclusão Concluímos que a ferramenta do PDCA é efetiva para melhoria e tratamento preventivo dos indicadores e propõe alternativas para aumento dos patamares dos resultados de desempenho dos processos de qualquer empresa/negócio, desta forma elencamos os destaques do estudo como; Proporciona a melhoria na análise dos indicadores; Maior facilidade na identificação dos GAPs; Permite melhor estratificação dos problemas; Qualidade na quantificação e priorização dos problemas; Possibilita o planejamento da melhoria de forma preventiva; Permite a análise do histórico dos problemas para tratamento dos desvios e planejamento para melhoria do gerenciamento dos indicadores de desempenho.

30 MUITO OBRIGADO! Luís Carlos Carvalho Nunes 1 Walter Carvalho Pinheiro Filho 1 Sérgio Sampaio Cutrim 2 Leo Tadeu Robles 2 Rui Carlos Botter 3

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS Roberta Thees* Artur Furtado A MRS LOGÍSTICA A MRS atua no transporte ferroviário de cargas desde 1996, operando e monitorando a malha sudeste da Rede Ferroviária Federal.

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA PRODUTIVIDADE DE MÁQUINA DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) FELIPE GEORGE GOMES PEREIRA

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE

GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE GESTÃO DA MANUTENÇÃO NO TRATAMENTO DE PERDAS NO PROCESSO DE DESCARGA DE MINÉRIOS DO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA-VALE Paulo Roma Neto (Vale) paulo.roma@vale.com Sergio Sampaio Cutrim (UFMA) sergio.cutrim@yahoo.com.br

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Divulgação - Vale Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Para otimizar as operações de exportação de minério de ferro, a Vale investe no desenvolvimento de sistema que integra as informações

Leia mais

A utilização do PI Notifications como ferramenta de redução de perdas. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC.

A utilização do PI Notifications como ferramenta de redução de perdas. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC. A utilização do PI Notifications como ferramenta de redução de perdas Presented by João Carlos Cunha Sobre a CSN 2 CSN Companhia Siderúrgica Nacional Time Line 3 CSN Companhia Siderúrgica Nacional 4 O

Leia mais

ANAIS. complementada com entrevistas semi-estruturadas com responsáveis de campo. Um dos indicadores gerenciados no TPPM diz respeito ao OEE

ANAIS. complementada com entrevistas semi-estruturadas com responsáveis de campo. Um dos indicadores gerenciados no TPPM diz respeito ao OEE PRODUTIVIDADE PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO DO PROCESSO DE CARGA DE MINÉRIO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA - VALE FREDERICO CAMURÇA DE AZEVEDO ( frederico.azevedo@vale.com ) VALE S/A. SERGIO SAMPAIO

Leia mais

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária OBJETIVO Este artigo tem como objetivo apresentar uma metodologia para o cálculo da capacidade de um trecho

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos

29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos 29º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos Manutenção e Gestão de Ativos: Gerenciamento de Energia em Acionamentos de Transportadores de Correia Autores: Leonardo Chisté Vanessa Malaco AGENDA

Leia mais

RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500

RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500 RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500 APLICADO EM ACIONAMENTO DE TRANSPORTADORES DE CORREIA TMPM SÃO LUÍS - MA SAT 1260 Localidade,

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável.

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Complexo de Tubarão Nossa Missão Vale Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Nossa Visão Vale Ser a empresa de recursos naturais global nº 1 em criação de valor de

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão. Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian

Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão. Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian A Experian No mundo líder de mercado Londres Nottingham Grupo de origem

Leia mais

Assistente Financeiro, Assistente de TI e Técnico em Manutenção. Os. Descrição e Requisitos

Assistente Financeiro, Assistente de TI e Técnico em Manutenção. Os. Descrição e Requisitos Vitória, 07 de Maio de 2014. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Encarregado Societário, Recepcionista, Assistente Financeiro, Assistente

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Benchmarking Segmento: Farmacêutico Eng. José Wagner Braidotti Junior Forma de atuação: Mista Nível Hierárquico: Diretoria: 70% Gerencial: 30% Almoxarifado: Próprio: 75%

Leia mais

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Bernardo Grassano, Eduardo Carvalho, Analia I.F. Ferreira, Mariano Montoni bernardo.grassano@projectbuilder.com.br,

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 CSP: III EIMO 2012 Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 Quem somos? Acionistas: Vale, Dongkuk e Posco, com 50%, 30% e 20%, respectivamente Somos a primeira usina siderúrgica integrada da Região Nordeste

Leia mais

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel Indicator Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel ÍNDICE Introdução... 1 Preparação das Planilhas de Apuração... 1 Montando as Planilhas... 3 Para o berço 4... 3

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

Metodologia Prática de Aplicação do Curso Complementar de NR10.

Metodologia Prática de Aplicação do Curso Complementar de NR10. Metodologia Prática de Aplicação do Curso Complementar de NR1. Autores Eustáquio do Nascimento Amorim Oldair Rezende do Prado Renato Claro Martins Vanderlei Toledo CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A RESUMO Em 27,

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1 Página 1 Sismar Software O SISMAR, sistema de monitoramento de manobras de navios com dados ambientais integrados, tem objetivo de monitorar os processos de atracação, desatracação e ainda fornecer informações

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA O projeto de revitalização do Porto de Vitória é uma obra do Plano de Aceleração do Crescimento PAC e complementa os projetos de Ampliação do Cais Comercial,

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa STRAIGHT MANUFACTURE Consultoria Logística e Industrial Apresentação da Empresa 1 Apresentação pessoal Bruno S. Ferreira Sócio-diretor da Responsável pelas áreas de: Logística Produtividade industrial

Leia mais

Informações do Porto de Sepetiba

Informações do Porto de Sepetiba Sumário 1. Introdução... 03 2. História e Desenvolvimento do Porto... 03 3. Vista Paronâmica de Sepetiba... 04 4. Infra-Estrutura Portuária... 04 4.1. Localização... 04 4.2. Cartas de Navegação... 05 4.3.

Leia mais

Soluções Práticas para uma Boa Análise de Custos do Ciclo de Vida de Ativos

Soluções Práticas para uma Boa Análise de Custos do Ciclo de Vida de Ativos Soluções Práticas para uma Boa Análise de Custos do Ciclo de Vida de Ativos Autores: Rodolfo Weber Silva Xavier, CMRP, CRE, CQE Vale S.A. Maurício Cunha Fiock da Silva, CMRP, CRP Harsco Metals & Minerals

Leia mais

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Com 16 fábricas no Brasil e uma na Argentina, a Klabin S.A. é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil.

Leia mais

GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA

GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA ISSN 1984-9354 GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA Sérgio Sampaio Cutrim (UFMA) Renato Morais de Alburquerque (VALE) Leo Tadeu Robles (UFMA)

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza EVOLUÇÃO NO MODELO DE GESTÃO ATRAVÉS DA VISÃO POR PROCESSOS NA COMPANHIA SIDERÚRGICA

Leia mais

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br Indicadores de desempenho www.qualidadebrasil.com.br Zafenate Desidério De 1999 até 2010 atuando como gestor da Qualidade através de 5 cerbficações ISO 9001 no Rio Grande do Sul nas áreas eletrônicas E

Leia mais

Walter Pinheiro DESAFIOS NA GESTÃO E DESEMPENHO DE PORTOS BRASILEIROS. Terminal Marítimo de Ponta da Madeira VALE

Walter Pinheiro DESAFIOS NA GESTÃO E DESEMPENHO DE PORTOS BRASILEIROS. Terminal Marítimo de Ponta da Madeira VALE Walter Pinheiro DESAFIOS NA GESTÃO E DESEMPENHO DE PORTOS BRASILEIROS Terminal Marítimo de Ponta da Madeira VALE A Vale Mineradora brasileira com atuação global. Líder na produção de minério de ferro e

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Como o Gerenciamento da Rotina pode ser implementado e trazer ganhos financeiros e nível de serviço na logística de expedição. Autor Tedy Willian

Leia mais

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE LOGÍSTICA DE OBRAS Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE Integração Sistêmica GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO CONSTRUTIVO NA EMPRESA Parede Controles, Indicadores de desempenho Laje Organização lay-out, fluxo

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Seminário Negócio nos Trilhos 2009 - São Paulo - 11.nov.2009

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Ferramenta de Análise da Condição de Ativos Health Index. Autores: Aline de Oliveira Marques Luiz Rogério Varasquim Mischa Vermeer

Ferramenta de Análise da Condição de Ativos Health Index. Autores: Aline de Oliveira Marques Luiz Rogério Varasquim Mischa Vermeer Ferramenta de Análise da Condição de Ativos Health Index Autores: Aline de Oliveira Marques Luiz Rogério Varasquim Mischa Vermeer Outubro, 2014 Triagem no Sistema de Saúde Protocolo de Manchester: Pulseiras

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO UTILIZAÇÃO DE SISTEMA INFORMATIZADO NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Utilização de Sistema Informatizado na Gestão da Manutenção Resumo O trabalho nasceu com a necessidade de sistematizar a obtenção de dados do

Leia mais

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011 Metodologia de Elaboração do PPA-Plano Plurianual 2012/2015 Cuiabá, Março de 2011 Estratégia e PPA Plano Estratégico de Desenvolvimento MT+ 20 2012/2032 Orientações Estratégicas de Longo Prazo Plano Plurianual

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS 114 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho teve como escopo o estudo da eficiência energética na EFC. Analisar a eficiência energética em uma ferrovia traz muitos benefícios, já que se trata de um

Leia mais

Sistema de Gestão de Vagões

Sistema de Gestão de Vagões Sistema de Gestão de Vagões 2 Resumo Para os profissionais da área de programação, gerenciar a manutenção em mais de 3000 vagões por mês, não é tarefa fácil. O desafio é sistematizar cada informação a

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Alexandre Amaral dos Santos - AES Eletropaulo Gerência de Engenharia da Distribuição E-mail: alexandre.amaral@aes.com

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

MANUTENÇÃO E SEGURANÇA Aumentando a Confiabilidade e a Segurança Integrada. Eduardo Linzmayer

MANUTENÇÃO E SEGURANÇA Aumentando a Confiabilidade e a Segurança Integrada. Eduardo Linzmayer MANUTENÇÃO E SEGURANÇA Aumentando a Confiabilidade e a Segurança Integrada Eduardo Linzmayer INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRO DE PESQUISAS ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ COORDENADORIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

CTF Technologies do Brasil. Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011

CTF Technologies do Brasil. Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011 CTF Technologies do Brasil Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011 A CTF é uma empresa de tecnologia que se dedica à Gestão de Combustíveis e Lubrificantes Principais Produtos CTF Abastecimento CTF Agronegócio

Leia mais

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple.

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple. INFOTRÂNSITO A plataforma INFOTRÂNSITO emprega tecnologias inovadoras para garantir ao poder público um gerenciamento eficaz da operação do trânsito nos grandes centros urbanos. A partir da coleta, em

Leia mais

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes

Balanço de energia útil no Brasil Eficiência Energética no setor de transportes 13 1. INTRODUÇÃO Em estudo do Banco Mundial elaborado consta que, no Brasil, os custos logísticos representam, em média, 20% do valor do Produto Interno Bruto (PIB). Essa participação é uma das mais elevadas

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX

REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX Histórico Recente O primeiro semestre de 2008 foi marcado por novas aquisições e eventos societários recentes que modificaram significativamente o conjunto de ativos

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais