PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7"

Transcrição

1

2 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais e equipamentos. 2 APLICABILIDADE Entes envolvidos: Setor de Compras / Logística / Almoxarifado / SMS / Controle de Qualidade e Controladoria. 3 DOCUMENTOS DE RELACIONADOS MQSMS Manual de Gestão Integrada de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde Ocupacional; PG-005 Procedimento para Aquisição; PG-014 Procedimento para Segurança, Meio Ambiente e Saúde; IG-011 Instrução Gerencial para Higienização de EPI s. 4 MOBILIZAÇÃO DE MATERIAIS, FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS Assim que efetivado um novo contrato o setor responsável pelas compras deverá gerar uma Listagem de Mobilização Inicial, conforme formulário FPG1-012, na qual serão relacionados todos os itens comumentes utilizados e que deverão ser mobilizados sem prévia solicitação da obra. A listagem será repassada para o almoxarifado impresso e em planilha informatizada. Na planilha informatizada, o Almoxarife deverá inserir os quantitativos recebidos, mantendo assim uma relação de pendências atualizada. Os demais materiais, ferramentas e equipamentos, necessários para utilização, deverão ser mobilizados pelo almoxarifado. 5 CONTROLE INTERNO ORDEM DE COMPRA O Almoxarife da obra deve manter uma via arquivada da Ordem de Compra. Ao receber os itens pedidos ou ao ser cancelado algum item, o Almoxarife deve dar baixa na quantidade recebida, em sua via da Ordem de Compra, efetuando desta forma o controle dos itens atendidos, não atendidos ou cancelados. Qualquer decisão, por parte do setor responsável pelas compras, em alterar os quantitativos ou não atendimento de itens solicitados deve ser imediatamente comunicado ao solicitante. O setor responsável pelas compras, imediatamente após a compra, enviará uma cópia da ordem de compra ao Almoxarife, para que este proceda ao recebimento de acordo com as especificações de compra. Todo material entregue, diretamente pelo fornecedor, deverá ser conferido com a ordem de compra em mãos. O Almoxarife deverá informar ao comprador a necessidade de compra para reposição do estoque.

3 EQUIPAMENTOS Página 3 de 7 6 CONTROLE DE ESTOQUE E DISTRIBUIÇÃO O Almoxarife deverá manter controle quantitativo sobre os principais itens estocados. Os equipamentos deverão ser verificados e conferidos, pelo almoxarife, no recebimento. A documentação de entrada e saída deverá ser controlada e assinada para comprovar quais itens está sob guarda do almoxarifado. As segundas vias deverão ser devolvidas a matriz. Eventuais defeitos de ferramentas e equipamentos deverão ser informados por escrito ao Engenheiro Chefe de Obra e matriz. Os almoxarifes serão responsáveis pelos materiais, equipamentos e ferramentas durante a armazenagem. 6.1 CONTROLE DE CONSUMÍVEIS A entrega de qualquer material para consumo deve ser feita através de uma Requisição de Materiais, devidamente assinada pela chefia (encarregado, supervisor ou coordenação). Após o recebimento de qualquer consumível, o quantitativo deve ser lançado como entrada na Planilha de Controle de Consumíveis (conforme formulário FPG 2-012). Diariamente deverão ser recolhidas todas as requisições e lançadas às saídas na mesma planilha, gerando assim o saldo diário para cada item. 6.2 CONTROLE DE EPI S, FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS Os EPI s, ferramentas, equipamentos e materiais deverão ser distribuídos de forma controlada. Os EPI s e fardamentos deverão ser distribuídos aos funcionários mediante registro e assinatura no recibo de EPI s conforme formulário FPG Os equipamentos e ferramentas deverão ser distribuídos aos funcionários mediante registro e assinatura na ficha de controle de ferramentas conforme formulário FPG Notas: 1) É obrigatório o preenchimento no formulário FPG3-012 do campo do C.A. Certificado de Aprovação e do verso com a assinatura do funcionário e do Técnico de Segurança do Trabalho, quando este fizer inspeção das fichas trimestralmente. 2) Os Certificados de aprovação dos E.P.I s deverão ser entregues junto ao lote de E.P.I s pelo fornecedor dos mesmos e arquivados em pasta específica no Almoxarifado da empresa e no SMS. 3) Em caso de dúvida pela reposição de E.P.I s e E.P.C. s pelo almoxarife, este deverá solicitar ao Técnico de Segurança do Trabalho avaliar a necessidade da troca e em caso positivo deverá ser emitida pelo Técnico de Segurança do Trabalho a Requisição de E.P.I e E.P.C. (formulário FPG4-012). 4) A ficha de Controle de Equipamento Individual deverá ser entregue ou enviada ao Departamento Pessoal em caso de desligamento do funcionário ou término da obra, juntamente com as demais Requisições de EPI /EPC (formulário FPG4-012). Quando o funcionário for transferido ou demitido, este deverá devolver todos os materiais registrados em seu nome. Se nenhuma pendência de material for constatada, o almoxarife deve entregar o nada consta e os recibos ao funcionário. No caso de não devolução de algum material, o nada consta não será assinado, o almoxarife deverá emitir comunicado interno relacionando os itens faltantes e o valor de mercado dos mesmos e entregar, juntamente com os Recibos de Ferramentas e Recibo de EPI s, ao administrativo responsável.

4 EQUIPAMENTOS Página 4 de CONTROLE DE EQUIPAMENTOS LOCADOS O controle de equipamentos locados deve ser feito da seguinte forma: QUANTO À ENTRADA DO EQUIPAMENTO NA ÁREA DO CLIENTE O setor responsável pelas compras deve solicitar à empresa locadora que, antes da entrega de qualquer equipamento, seja repassado para o almoxarifado da obra um documento relacionando a descrição e o número de patrimônio de cada equipamento a ser entregue. Assim que receber este documento o almoxarife deve providenciar a documentação de entrada do equipamento na área do cliente; Ao receber o equipamento, o almoxarife da obra deverá conferir todos os itens quanto à quantidade e o número de patrimônio e arquivar os documentos de entrada, por tipo de equipamento, para posterior saída QUANTO À MOVIMENTAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS Após o recebimento de qualquer equipamento locado, o mesmo deve ser incluído na planilha Mapa de Locações (formulário FPG5-012). Os dados a serem inseridos são: quantidade, descrição, número de patrimônio, número da nota fiscal de remessa do fornecedor, data de entrada e nome do fornecedor. Assim que lançada, a primeira via da nota fiscal de remessa deve ser enviada para a matriz. Na devolução de equipamentos deve ser emitida nota fiscal de devolução constando descrição completa e número dos equipamentos e acessórios, se existirem. O canhoto, comprovante da nota, deve ser assinado por representante da locadora e anexado a via da nota; Assim que devolvido deve ser dado baixa do equipamento na planilha Mapa de Locações subtrair a quantidade que está sendo devolvida e indicar o número e a data da nota fiscal de devolução. Assim que lançada, a segunda via da nota fiscal de devolução, deve ser enviada para a matriz; No caso de substituição de equipamentos deve-se proceder como remessa e devolução, sendo assim serão necessárias a inclusão dos equipamentos que estão sendo recebidos e a baixa dos devolvidos na planilha Mapa de Locações. 6.4 CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS O almoxarifado deverá encaminhar ao SMS mensalmente a quantidade adquirida e estocada de todos os produtos químicos até o dia 02 de cada mês (conforme formulário FPG Planilha de Produtos Químicos). Todos os produtos químicos utilizados no canteiro da ETM e fora dele, devem estar acompanhados da respectiva FISPQ emitida pelo fornecedor. Ao repassar para os colaboradores os produtos químicos deve-se, conforme a necessidade, fracionar os mesmos em recipientes adequados, fornecidos somente pelo almoxarifado, para a necessidade diária, os recipientes deverão estar devidamente identificados e acompanhados de sua respectiva FISPQ.

5 EQUIPAMENTOS Página 5 de 7 Produtos acondicionados em embalagens pequenas e que contenham as recomendações de segurança completas emitidas nos rótulos, podem dispensar a FISPQ quando for utilizá-los. O Almoxarifado deverá manter registro dos produtos químicos retirados pelos colaboradores, toda a entrega de produto químico deverá ser feita mediante assinatura da Ficha de Entrega de Produtos Químicos, conforme formulário FPG ARMAZENAMENTO Todos os produtos químicos armazenados devem ter a sua respectiva FISPQ no local. Os locais de armazenamento dos produtos químicos deverão ter acesso restrito a pessoas autorizadas. 7 ARMAZENAGEM A armazenagem deve seguir uma divisão lógica, considerando: Tipo de aplicação (EPI, abrasivos, equipamentos de carga, etc.); Condições físicas de armazenamento (temperatura, nível de umidade, luminosidades e outras características conforme especificação do fabricante); Demanda de estoque (maior ou menor quantidade de saída de estoque); Dimensões e peso; Prazos de validade (primeiro consumir os materiais de menor prazo). Cabe ao almoxarife organizar os materiais de forma a dar ênfase à limpeza, o fácil acesso e à manutenção da organização do ambiente. A divisão de espaço do almoxarifado de prever áreas para materiais com defeito, ou seja, área de materiais e equipamentos não conforme. Nota: Os produtos químicos, inflamáveis e perigosos deverão ser armazenados de acordo com as orientações do fabricante e legislação específica. 7.1 CONDIÇÕES GERAIS Os materiais, ferramentas e equipamentos recebidos deverão ser armazenados, controlados e distribuídos de forma a prevenir danos e a deterioração dos mesmos. A armazenagem de todos os materiais, ferramentas e equipamentos devem ser feitas pelo almoxarifado em local seguro, fechado e protegido de condições de deterioração. Para o controle da distribuição de ferramentas/equipamentos deverá ser preenchido o formulário FPG7-012 Ficha de Controle de Ferramentas.

6 EQUIPAMENTOS Página 6 de 7 8 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO (EPI / EPC) 8.1 PREMISSAS As seguintes premissas devem ser consideradas: O fornecimento de EPI s aos funcionários deve ser gratuito, pertinente ao risco e a atividade que o mesmo desenvolve e em adequado estado de conservação e funcionamento; O uso do EPI deve ser feito sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou doenças profissionais e do trabalho, enquanto as medidas de prevenção coletiva estiverem sendo implantadas ou para atender situações de emergência; O EPI é adotado em caráter complementar ou emergencial, visando à conservação da saúde e da integridade física dos funcionários e considerando, no mínimo que: a seleção do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o funcionário está exposto e à atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido segundo a avaliação do usuário; a aplicação de um treinamento aos funcionários quanto à correta utilização e orientação sobre as limitações de proteção que o EPI oferece; a caracterização das funções ou atividades dos funcionários, com a respectiva identificação dos EPI s utilizados para os riscos ambientais e de acidentes. O setor de SMS deve coordenar as atividades vinculadas a este procedimento. 8.2 AQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE EPI s Os EPI s deverão ser adquiridos em conformidade com os requisitos do procedimento PG-005 Procedimento Gerencial para Aquisição. Somente deverão ser adquiridos EPI s com Certificado de Aprovação (CA), emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o qual garante as propriedades do EPI em relação ao risco. 8.3 HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS EPI s O setor de SMS deve orientar os funcionários para manter seus EPI s limpos e em condições de uso. Deve, ainda, providenciar ou recomendar o modo de higienização. A higienização dos EPI s deverá atender o descrito na IG-011 Instrução Gerencial para Higienização de EPI s. Quanto à higienização dos EPI s o CA dos mesmos deve permanecer visível, caso contrário, os EPI s devem ser descartados. 8.4 DESCARTE DOS EPI s O descarte dos EPI s deverá seguir as orientações e requisitos definidos pela área de Meio Ambiente da ETM, conforme definido em contrato com a REFAP. Caso o CA do EPI não estiver visível, o mesmo deverá ser descartado.

7 EQUIPAMENTOS Página 7 de 7 9 FORMULÁRIOS FPG1-012 Planilha de Mobilização Inicial; FPG2-012 Controle de Consumíveis; FPG3-012 Controle de EPI; FPG4-012 Requisição de EPI; FPG5-012 Mapa de Locação; FPG6-012 Planilha de Produtos Químicos; FPG7-012 Ficha de Controle de Ferramentas; FPG8-012 Solicitação de Compras de Materiais; FPG9-012 Ficha de Entrega de Produtos Químicos; FPG Requisição de Materiais.

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a instrução processual e procedimentos inerentes à apresentação à Auditoria Geral da Prestação de Contas dos Responsáveis por Almoxarifado

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE 2016. Estabelece calendário de abertura, inventário trimestral, bloqueio e fechamento, referente

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/13 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS GESTÃO DE SUPRIMENTOS/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: DISTRIBUIR MATERIAIS ELABORADO EM:03/06/2014 REVISADO EM:11/06/2014

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 ELABORAÇÃO Cristina Isidio Gracília dos Santos Gonçalves Tatiany Torres FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira DATA Estabelecido em 10/12/2013 Manual

Leia mais

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira Diretoria Administrativo-Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Administrativa Gestão de pessoas Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas

Leia mais

MGS. Gestão de Documentos

MGS. Gestão de Documentos MGS CATÁLOGO DE SERVIÇOS Gestão de Documentos SUMÁRIO 1- Apresentação...4 2- Gestão de Documentos...5 3- Missão...6 4- Objetivos...6 5- Conceitos gerais...7 6- Legislação arquivística...8 7- Serviços

Leia mais

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Este Manual define critérios e procedimentos

Leia mais

DISPÕE SOBRE O RECEBIMENTO, CONFERÊNCIA E ACEITAÇÃO DOS MATERIAIS DE CONSUMO E PERMANENTE NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS FRAIBURGO.

DISPÕE SOBRE O RECEBIMENTO, CONFERÊNCIA E ACEITAÇÃO DOS MATERIAIS DE CONSUMO E PERMANENTE NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS FRAIBURGO. DISPÕE SOBRE O RECEBIMENTO, CONFERÊNCIA E ACEITAÇÃO DOS MATERIAIS DE CONSUMO E PERMANENTE NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS FRAIBURGO. Responsável pela elaboração: Douglas Carlesso FRAIBURGO/SC

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS PS 15 2 Segurança do Trabalho Diretor Técnico 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Definir sistemática para o gerenciamento dos produtos químicos utilizados nos processos da CASTILHO a fim de prevenir impactos ambientais

Leia mais

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 São Francisco Centro de Serviços Compartilhados 1 OBJETIVO: A Central de Serviços HSF tem por objetivo a coleta e entrega de correspondências entre os setores

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM Ref. - Assunto Página: 1 / 9 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e Financeiro

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ÁREA DE PESSOAL IT. 29 02 1 / 7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para a realização das atividades da Área de Pessoal. 1. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA CLT Consolidação das Leis Trabalhistas. DS. 06 Manual

Leia mais

Regulamento para Oferta de Curso Fechado - CENEX/BU

Regulamento para Oferta de Curso Fechado - CENEX/BU Regulamento para Oferta de Curso Fechado - CENEX/BU A DIRETORIA DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA, no uso de suas atribuições estatutárias estabelece os procedimentos operacionais referentes à oferta de curso

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZO NOBEL PULP AND PERFORMANCE QUIMICA BAHIA LTDA

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZO NOBEL PULP AND PERFORMANCE QUIMICA BAHIA LTDA PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZO NOBEL PULP AND PERFORMANCE QUIMICA BAHIA LTDA Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições legais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições legais, Publicado no Diário da Justiça n. 175, de 18.9.200 8, p. 1 INSTRUÇÃO N. 022/2008-PR Revoga a Instrução 011/2000-PR Dispõe sobre a conceituação, o recebimento, registro, armazenamento, controle de estoque

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração - PROAD MANUAL DE ORIENTAÇÃO PRODUTOS QUÍMICOS CONTROLADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração - PROAD MANUAL DE ORIENTAÇÃO PRODUTOS QUÍMICOS CONTROLADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração - PROAD MANUAL DE ORIENTAÇÃO PRODUTOS QUÍMICOS CONTROLADOS VITÓRIA 2017 1. Produtos controlados pela Polícia Federal e Polícia Civil

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 09 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO V.WEISS & CIA LTDA PROCEDIMENTO PADRÃO PARA VIAGEM A SERVIÇO ATUALIZADO: JULHO/2015 V.WEISS & CIA LTDA

MANUAL DE PROCEDIMENTO V.WEISS & CIA LTDA PROCEDIMENTO PADRÃO PARA VIAGEM A SERVIÇO ATUALIZADO: JULHO/2015 V.WEISS & CIA LTDA Julho/2015 Índice Sumário 1. Envolvidos... 3 2. Formulários Envolvidos... 3 2.1. Relatório de Solicitação de Viagem (anexo 02).... 3 2.2. Relatório de Prestação de Contas (anexo 03).... 3 3. Procedimentos...

Leia mais

Fase. Almoxarife. Entregador. Comprar. material. Verificar se está. estoque. Pedido Negado. Pedido de material recebido

Fase. Almoxarife. Entregador. Comprar. material. Verificar se está. estoque. Pedido Negado. Pedido de material recebido Procedimento: Entregar material requisitado Participantes: Roquemar, De Lourdes, Luciene Líder de processo: Cleide Revisão:00 - As Is - Data: 25/06/2015 Fase Almoxarife Pedido de material recebido Verificar

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para a solicitação e desenvolvimento de serviços de criação de peças ao Departamento de Marketing.

1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para a solicitação e desenvolvimento de serviços de criação de peças ao Departamento de Marketing. 1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para a solicitação e desenvolvimento de serviços de criação de peças ao Departamento de Marketing. 2. ALCANCE Todas as áreas e empresas do Grupo Privé que utilizam

Leia mais

ANEXO A ADONAI QUÍMICA S/A CGA CONDIÇÕES GERAIS DE OPERAÇÃO. Rev.01

ANEXO A ADONAI QUÍMICA S/A CGA CONDIÇÕES GERAIS DE OPERAÇÃO. Rev.01 A) HORÁRIOS DE OPERAÇÃO ANEXO A ADONAI QUÍMICA S/A CGA CONDIÇÕES GERAIS DE OPERAÇÃO Rev.01 A.1) Para carregamento ou descarga de navios a ADONAI operará 24 hs/dia, inclusive em fins de semana e feriados.

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO AO PROCESSO DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANCHIETA

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO AO PROCESSO DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANCHIETA CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO AO PROCESSO DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANCHIETA Esta cartilha é um instrumento orientador do trabalho das comissões que procederão o enquadramento

Leia mais

Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 Lei de Acesso à Informação (LAI);

Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 Lei de Acesso à Informação (LAI); Proposto por: Equipe do Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) PRESTAR INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Analisado por: Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) Aprovado por: Assessor da Ouvidoria Geral do Poder Judiciário

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 08 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

VENDA DE OBRAS PORTA A PORTA VIRA MERCADO SÓLIDO QUE CONSOME 35 MILHÕES DE EXEMPLARES POR ANO.

VENDA DE OBRAS PORTA A PORTA VIRA MERCADO SÓLIDO QUE CONSOME 35 MILHÕES DE EXEMPLARES POR ANO. 2 CONHECIMENTOS BÁSICOS NAS QUESTÕES NUMERADAS DE 01 A 10, ASSINALE A ÚNICA ALTERNATIVA QUE RESPONDE CORRETAMENTE AO ENUNCIADO. LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto para responder às questões 01 a 05. VENDA

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS Compensação dos atos gratuitos Com o objetivo de informar nossos colegas responsáveis pelos Cartórios de Registro Civil das Pessoas Naturais, a Comissão Gestora do Fundo de Custeio

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

TUTORIAL MANTER ORDEM DE SERVIÇO

TUTORIAL MANTER ORDEM DE SERVIÇO Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 1 2. Gerar Nova Ordem de Serviço... 3 3. Pesquisar e Alterar Ordem de Serviço... 9 4. Gerar OS a partir de Orçamento Aprovado... 11 Apresentação A

Leia mais

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO SEAMB MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES MÓVEIS DE POLUIÇÃO TRANSPORTE DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS PELA INTERNET Outubro 2008 MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES

Leia mais

Treinamento CSC Operações de Pessoal

Treinamento CSC Operações de Pessoal Treinamento CSC Operações de Pessoal Admissão Hierarquia de Processos PROCESSO SUBPROCESSO Admissão Cadastrar Novo colaborador Atualizar Cadastro de Colaborador Cadastrar Colab. como Cliente/ Fornecedor

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL 03 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. SÍMBOLOS E SIGLAS... 2 5. DESCRIÇÃO... 2 6. INDICADORES RELACIONADOS... 7 7. REFERÊNCIAS... 7 8. ANEXOS... 7 03 2 / 7

Leia mais

PROCEDIMENTO PR 7.03

PROCEDIMENTO PR 7.03 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 8 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 Adequação dos fluxos de recebimento de coletas, separação de cargas e carregamento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA N 020/2011-MANUTENÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO DO CRMPR Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na Instrução Normativa nº 02/2008 do MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL 1 1 OBJETIVO Normatizar os processos de compras, recebimento de mercadorias e pagamentos que ocorrem nas lojas da Comercial Agromen e padroniza-los com base no modelo utilizado nas outras empresas do grupo.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho INSPETORIAS IT. 47 00 1 / 8 1 - OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos referentes a manutenção das instalações das Inspetorias do Crea-GO. 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 8.666 de 21 de

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MANUSEIO E APOIO LOGÍSTICO

MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MANUSEIO E APOIO LOGÍSTICO 1 de 10 MAUEIO E APOIO LOGÍTICO MACROPROCEO ADMIITRATIVO PROCEO MAUEIO E APOIO LOGÍTICO MAUEIO E APOIO LOGÍTICO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRAGÊCIA... 2 3. DOCUMETO RELACIOADO... 2 4. PROCEDIMETO... 2 4.1 DEFIIÇÃO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PRA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência DEZ/2017. Data Emissão JAN/2016

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PRA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência DEZ/2017. Data Emissão JAN/2016 - OBJETIVO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de produtos alimentícios, tanto em quantidade quanto em qualidade dos produtos, em conformidade com os termos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 10 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT.28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

Sistema AGHU. Manual do Almoxarifado/Suprimentos. Versão 5.1

Sistema AGHU. Manual do Almoxarifado/Suprimentos. Versão 5.1 Sistema AGHU Manual do Almoxarifado/Suprimentos Versão 5.1 Data da última atualização: 21/09/2017 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Data da Modificação Alterado por Aprovado por Modificação 24/07/2017 Alterado

Leia mais

Norma de Procedimento

Norma de Procedimento PREFEITURA DE VITÓRIA Controladoria Geral do Município Assessoria de Planejamento Organizacional Norma de Procedimento Código SCL-NP 03 Assunto: CONTROLE DE ESTOQUES Versão: Data de elaboração: Data da

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA. Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam a utilização e prestação de contas do

Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA. Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam a utilização e prestação de contas do Companhia de Informática de Jundiaí CIJUN Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA Responsável: Diretoria Administrativa Financeira 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER EXTRATOR DE CÁLCULOS MANUAL DO USUÁRIO CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER Registro ANVISA nº 80475510046 e-mail: contato@e-med.net.br Resp. Técnica: Juliana Maria

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração/PROAD/UFES MANUAL DE GESTÃO ALMOXARIFADO CENTRAL DA UFES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração/PROAD/UFES MANUAL DE GESTÃO ALMOXARIFADO CENTRAL DA UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Departamento de Administração/PROAD/UFES MANUAL DE GESTÃO ALMOXARIFADO CENTRAL DA UFES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. QUEM SOMOS...3 3. DEFINIÇÕES...3 4. LEGISLAÇÃO...4

Leia mais

Nome da Empresa: Check-List preenchido por: Data: Check-List de Madeira Controlada Política da Empresa Comentários Conformidade Uma política de comprometimento público foi elaborada declarando que a empre-

Leia mais

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01 Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 1. OBJETIVO 1.1 Assegurar que os trabalhos não rotineiros sejam executados com segurança. 1.2 Garantir a prévia coordenação / comunicação entre os empregados

Leia mais

Procedimento Gestão Documental

Procedimento Gestão Documental APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Elaborado por Função Nome e Assinatura Data André Duarte Aprovado por ADM Luis Brito REGISTO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Página Alterada Motivo 1 25/08/2008 Todas Redacção Inicial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO POP 002 REVISÃO 000 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO REGISTRO DE PRODUTO FOLHA 01 A 10

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO POP 002 REVISÃO 000 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO REGISTRO DE PRODUTO FOLHA 01 A 10 1.Objetivo 1.1.Definir e padronizar o procedimento para o registro de produtos de origem animal oriundos de estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção do Paraná SIP/POA. 1.2.O registro será feito

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Revisão integral do procedimento e adequação dos registros e padrões 03 Adequação da ISO

Leia mais

Nota Técnica para fornecimento de Insumos Fraldas à Pessoas com Incontinência Urinária e FecaL para residentes no Município de Porto Alegre.

Nota Técnica para fornecimento de Insumos Fraldas à Pessoas com Incontinência Urinária e FecaL para residentes no Município de Porto Alegre. Nota Técnica para fornecimento de Insumos Fraldas à Pessoas com Incontinência Urinária e FecaL para residentes no Município de Porto Alegre. 1. INTRODUÇÃO Pessoas com Incontinência Urinária e fecal apresentam-se

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

S E R V I Ç O P Ú B L I C O F E D E R A L Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Pró- Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa

S E R V I Ç O P Ú B L I C O F E D E R A L Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Pró- Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa PROCEDIMENTOS PARA PAGAMENTO DE AUXÍLIO FINANCEIRO DIÁRIO RECURSOS CAPES PROAP Programa de Apoio à Pós- Graduação PNPD Programa Nacional de Pós- Doutorado Em atendimento a Portaria CAPES nº. 132 de 18/08/2016,

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA 1 Objetivo Este procedimento estabelece métodos para controle e calibração de equipamentos de inspeção, medição e ensaios. 2 Campo de Aplicação Aplica-se ao Laboratório de Radiometria Ambiental do Centro

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

PROCEDIMENTO. Título: REQUISIÇÃO, FORNECIMENTO, USO, DEVOLUÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

PROCEDIMENTO. Título: REQUISIÇÃO, FORNECIMENTO, USO, DEVOLUÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA Página: 1/9 1. OBJETIVO Estabelecer competências e procedimentos para requisição, fornecimento, uso, devolução e substituição de Equipamentos de Segurança na Empresa. 2. ABRANGÊNCIA Este Procedimento é

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo

Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P. TJAM 070 Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo Elaborado por:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP A Superintendência de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Arquivo, transferência e eliminação de documentação

PROCEDIMENTO OPERATIVO Arquivo, transferência e eliminação de documentação eliminação de Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável na identificação e controlo dos documentos enviados ao para fins de arquivo, na atividade de transferência de documentos, na solicitação de acesso para consulta

Leia mais

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH)

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) A Divisão de Recursos Humanos (DRH) e suas Seções são responsáveis pelas demandas referentes

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 02/2013 Versão: 01 Data da aprovação: 01/03/2013 Publicação: Portal do Ministério Público Unidade Responsável: Departamento de Apoio Administrativo I FINALIDADE Estabelecer normas,

Leia mais

FOLHA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS

FOLHA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS FOLHA DE COTROLE DE DOCUMETO 1) IDETIFICAÇÃO Código do documento PG-CRPq-0901 Revisão 03 Data 26/09/2016 Título GERECIAMETO DA PRODUÇÃO E FORECIMETO DE ERVIÇO Classificação Ostensivo n o de páginas 03

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

O QUE MUDA NA PRÁTICA COM A LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS?

O QUE MUDA NA PRÁTICA COM A LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS? O QUE MUDA NA PRÁTICA COM A LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS? Sesc Senac O que é a Logística Reversa de Lâmpadas? 1 2 3 Sou consumidor e tenho lâmpadas inservíveis, o que devo fazer com elas? veja o fluxo

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS.

Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS. 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS. Nas inspeções, procura-se identificar, registrar

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: /10/2015 OUTUBRO/2016 MKT. 02 CRIAÇÃO MACROPROCESSO MARKETING E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: /10/2015 OUTUBRO/2016 MKT. 02 CRIAÇÃO MACROPROCESSO MARKETING E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO 1 de 9 CRIAÇÃO MACROPROCESSO E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO CRIAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 Preenchimento do Formulário... 2 4.2 ANÁLISE

Leia mais

Inventário Anual do Almoxarifado. Chefia do Departamento de Administração. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio

Inventário Anual do Almoxarifado. Chefia do Departamento de Administração. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio. Setor de Patrimônio Inventário Anual do Almoxarifado Atividade Descrição Responsável Prazo Instrumentos de apoio 1 Solicitar ao Diretor-Geral a constituição de comissão especial para realizar o inventário anual, por amostragem,

Leia mais

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 APRESENTAÇÃO O UNAFISCO SAÚDE é o Plano de Assistência à Saúde do SINDIFISCO

Leia mais

Operações de. Almoxarifado. Cartilha Orientativa. Novembro/2017. Pró-Reitoria de Administração - Coordenação de Patrimônio e.

Operações de. Almoxarifado. Cartilha Orientativa. Novembro/2017. Pró-Reitoria de Administração - Coordenação de Patrimônio e. Operações de Cartilha Orientativa Novembro/2017 SUMÁRIO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 APRESENTAÇÃO ATRIBUIÇÕES GERAIS CONCEITOS PRINCIPAIS EXEMPLOS DE MATERIAL DE CONSUMO RECEBIMENTO DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Interação de Processos. Hotelaria

Interação de Processos. Hotelaria 1 de 9 RESULTADO ESPERADO DO PROCESSO: 889 Estabelecer negociação entre clientes e fornecedores internos, de modo a assegurar a conformidade, com os requisitos de entrada e saída do processo. PRODUTO PRINCIPAL:

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES POLÍTICA DE ATIVOS POLÍTICA CORPORATIVA 2 Área responsável Administrativa Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia Diretor responsável Vagner de Paula Guzella

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL N 0 016/09 DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA OS PROCESSOS SELETIVOS DO CEFET-MG

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução IPI Devolução Código Situação Tributária aplicado na NF-e 12/12/2013 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Nota Técnica

Leia mais

PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS NO ALMOXARIFADO

PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS NO ALMOXARIFADO Ref. - Assunto Página: 1 / 7 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2017 1 Este documento visa apresentar o regulamento das atividades complementares curriculares que envolvem vivências relacionadas à extensão, à iniciação científica,

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

Operações de. Almoxarifado. Cartilha Orientativa. Janeiro/2017. Pró-Reitoria de Administração - Coordenação de Patrimônio e.

Operações de. Almoxarifado. Cartilha Orientativa. Janeiro/2017. Pró-Reitoria de Administração - Coordenação de Patrimônio e. Operações de Cartilha Orientativa Janeiro/2017 SUMÁRIO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 APRESENTAÇÃO 02 ATRIBUIÇÕES GERAIS 03 CONCEITOS PRINCIPAIS 04 EXEMPLOS DE MATERIAL DE CONSUMO 05 RECEBIMENTO 06

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO N 002 DE 26 DE MARÇO DE 1999, DO DIRETOR DA FMTM. Aprova as Normas Procedimentais - NP n s 50.04.007, 50.04.008, 50.04.009, 50.04.010,

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (VINCULADA AO COMANDO DA AERONÁUTICA) NORMA DA INFRAERO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (VINCULADA AO COMANDO DA AERONÁUTICA) NORMA DA INFRAERO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (VINCULADA AO COMANDO DA AERONÁUTICA) ASSUNTO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS APROVAÇÃO Thiago Ribeiro Kussano Gerente Corporativo de Logística de Projetos, Obras e Manutenção

Leia mais

Cópia Não Controlada - PRO/CML-0005 - V.4

Cópia Não Controlada - PRO/CML-0005 - V.4 Página 1 de 7 Tipo de Documento PROCEDIMENTO Título do Documento Procedimento de Transporte de Produtos de Varejo Número e Versão do Documento Fase Elaborado por PRO/CML-0005 - V.4 Vigente Elizabeth Tessaro

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

GESTÃO DE TÍTULOS E TAXAS NÁUTICO

GESTÃO DE TÍTULOS E TAXAS NÁUTICO 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer padronização para os processos desde o cadastro de títulos até a cobrança de cheques devolvidos bem como a transferência de titularidade, a fim de que todas as etapas do processo

Leia mais