Considerações Gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações Gerais"

Transcrição

1 Considerações Gerais Aviões de transporte comercial são desenhados especificamente para o transporte de passageiros e carga de um aeroporto para outro. Por outro lado, aviões militares como caças e bombardeiros têm que resistir a manobras mais severas. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 1

2 Considerações Gerais As condições de carga são aquelas que são encontradas durante o uso operacional do avião, quer em voo quer em terra. Uma vez que é impossível investigar todas as condições de carga que uma aeronave pode encontrar no seu tempo de vida, é normal seleccionar aquelas que serão críticas para cada membro estrutural do veículo. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 2

3 Considerações Gerais Para garantir segurança, integridade estrutural, e fiabilidade das aeronaves, as agências governamentais, civis e militares, estabeleceram especificações e requisitos de acordo com a amplitude das cargas a serem usadas no desenho estrutural das várias aeronaves. As cargas limites usadas pelas agências civis, ou cargas aplicadas pelas militares são as cargas máximas a que o avião poderá estar sujeito ao longo de toda a sua vida útil. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 3

4 Considerações Gerais As cargas limites usadas pelas agências civis, ou cargas aplicadas pelas militares são as cargas máximas a que o avião poderá estar sujeito ao longo de toda a sua vida útil. Cargas máximas ou cargas de desenho são as cargas limites multiplicadas por um factor de segurança (FS) limite carga x FS = carga máxima Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 4

5 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Uma de quatro condições básicas irá produzir o maior carregamento possível em qualquer parte do avião para qualquer condição de voo. ângulo de ataque positivo elevado positive high angle of attack (PHAA) ângulo de ataque positivo pequeno positive low angle of attack (PLAA) ângulo de ataque negativo elevado negative high angle of attack (NHAA) ângulo de ataque negativo pequeno, negative low angle of attack (NLAA) Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 5

6 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque positivo elevado (PHAA) A condição PHAA é obtida numa subida com o maior a permitido pela asa. A componente C é máxima para o máximo valor de a. É utilizado um a correspondendo a um C L 1.25 vezes superior C lmax condições estacionárias, e assim os dados aerodinâmicos são extrapolados dos dados medidos em condições de escoamento estacionárias. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 6

7 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque positivo elevado (PHAA) Os momentos flectores provocados pelas forças N produzem compressões na parte superior da asa. As forças C produzem compressões no bordo de ataque da asa. Estas compressões serão transmitidas ao banzo superior da longarina frontal e aos stringers adjacentes a esta. Nesta condição, a carga positiva no estabilizador horizontal será maior do que para qualquer outra atitude de voo positiva, uma vez que as acelerações de picada são normalmente desprezáveis e o factor de carga no estabilizador tem de equilibrar os momentos de outras forças aerodinâmicas em torno do centro de gravidade do avião. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 7

8 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque positivo pequeno (PLAA) Para um dado L da asa, o a decresce à medida que a velocidade aumenta, logo a condição PLAA corresponde à velocidade indicada máxima ao qual o avião mergulha. Este limite na velocidade de mergulho permitida é normalmente de 1.2 a 1.25 vezes superior à velocidade máxima indicada em voo nivelado Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 8

9 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque positivo pequeno (PLAA) Os momentos flectores da asa nesta condição produzem tensões de compressão máximas na região superior e anterior da asa, ou seja no banzo superior da longarina traseira e stringers adjacentes O momento desta força em torno do centro de gravidade do avião tem o valor negativo máximo; logo o download (carga dirigida para baixo) no estabilizador horizontal requerido para equilibrar os outros momentos das forças aerodinâmicas irá ser maior do que para qualquer outra condição de voo positiva. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 9

10 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque negativo elevado (NHAA) Ocorrem em manobras intencionais no qual as cargas devido ao escoamento de ar são dirigidas para baixo ou quando o avião encontra rajadas no sentido descendente em voo nivelado. A asa é usualmente assumida estar no ângulo de perda negativo para condições de voo estacionários. Os factores de carga para atitudes de voo negativas são consideravelmente pequenos quando comparado com os de atitude de voo positiva. Factores de carga provocados por rajadas são também menores porque em voo nivelado o peso do avião subtrai-se á força de inércia Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 10

11 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque negativo elevado (NHAA) Os momentos de flexão da asa na condição NHAA produzem as maiores tensões de compressão na região inferior e posterior e de tracção na superior e anterior da secção transversal da asa. A linha de acção da resultante R encontra-se mais perto do bordo de fuga do que em qualquer outra atitude de voo negativa, e irá provavelmente produzir a maior carga no estabilizador horizontal para qualquer atitude de voo negativa. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 11

12 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque negativo pequeno (NLAA) Ocorre no limite da velocidade de mergulho do avião. Esta condição pode ocorrer numa manobra intencional produzindo um factor de carga negativo ou numa condição de rajada negativa. A força C é máxima comparativamente a qualquer outra atitude de voo negativa. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 12

13 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Ângulo de ataque negativo pequeno (NLAA) As tensões de compressão devido à flexão da asa são máximas na região inferior e do bordo de fuga, enquanto que as tracções são máximas na região superior de bordo de ataque da secção transversal da asa. A resultante R encontra-se mais perto do bordo de fuga do que em qualquer outra atitude de voo negativa, e o download no estabilizador horizontal será maior do que em qualquer outra atitude de voo negativa. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 13

14 Cargas provocadas por condições de Voo Básicas Resumo das quatro situações básicas Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 14

15 Cargas Aerodinâmicas numa aeronave z C z =C L cos q + C D sin q C x =C D cos q + C L sin q Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 15

16 Cargas Aerodinâmicas numa aeronave C L, C D e C m a-t são obtidos a partir de teste em túneis de vento com modelos sem cauda. Momento de Picada é dado por: C m a-t cqs c é a corda aerodinâmica média q é a pressão dinâmica S é a área da asa Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 16

17 Cargas Aerodinâmicas numa aeronave O equilibrio de carga devido ao escoamento de ar no estabilizador horizontal, é obtido a partir da hipótese de que não existe aceleração angular no avião. C qsl t C t t = = C c C L t Apesar de L t variar para diferentes valores de carregamento é usual assumir que é constante usando uma posição avançada do centro de pressão do estabilizador horizontal m a-t m a-t cqs Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 17

18 Cargas Aerodinâmicas numa aeronave A força aerodinâmica total no avião na direcção de z é igual à soma da força no avião sem estabilizador com a força referente ao estabilizador: C z a qs C z a = = C qs Para condições de voo com propulsão, devem ser considerados termos relativos ao hélice ou jacto em torno do centro de gravidade do avião. z C z + + C C qs t t Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 18

19 Cargas Aerodinâmicas numa aeronave Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 19

20 Cargas Inerciais numa Aeronave A carga máxima em qualquer parte de uma estrutura de aeronave ocorre quando o veículo sobre uma aceleração. A carga produzida pelo impacto da aterragem, manobras, rajadas, lançamentos, e reabastecimentos aéreos são sempre maiores do que as cargas que ocorrem quando todas as forças no veículo estão em equilíbrio. Antes que qualquer componente estrutural possa ser desenhado, é necessário determinar as cargas inerciais que actuam na aeronave. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 20

21 Cargas Inerciais numa Aeronave Considerando que os elementos de um corpo rígido se movem segundo uma trajectória curva de tal modo que cada elemento move-se num único plano e todos os elementos movem-se em planos paralelos. Este tipo de movimento é chamado movimento no plano, e ocorre, por exemplo, quando uma aeronave se encontra em movimento de picada e não tem movimento de rolamento ou guinada. Neste caso, todos os elementos da aeronave movem-se em planos paralelos ao plano de simetria. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 21

22 Cargas Inerciais numa Aeronave Para um corpo de massa m a realizar uma trajectória circular com velocidade e aceleração angular e, respectivamente e com coordenadas do centro de massa x e y pode-se demonstrar que as forças inerciais serão: = -ma x + mw O binário de inércia resultante, em torno do eixo de rotação I Em que é o momento de inércia central F F y x = ma y + mw ( 2 2 T = -Ia - m x + )a 0 y Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 22 2 x 2 y

23 Factores de Carga no movimento de translação Quando a aeronave é sujeita a uma aceleração vertical para cima, o peso w e a inércia somam-se e são equilibrados pela sustentação L: À L -W L = mg = ma À L = mg ma À ( 1+ a / g) = W ( 1+ a / g) = nw + Teremos então para o caso de uma aeronave com aceleração vertical que o factor de carga n a utilizar é: n = 1+ a / g Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 23

24 Factores de Carga no movimento de translação No caso de um avião em voo nivelado sem aceleração, a força desenvolvida pelo motor iguala as forças de resistência do avião, e a componente de inércia é nula. L = nw L = W á ân ã = 1 Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 24

25 Factores de Carga no movimento de translação Se a força propulsiva T que é superior à resistência D do avião, todo o elemento de massa no avião fica sob o efeito de uma força de inércia horizontal igual ao produto da massa pela aceleração horizontal. T - D Este factor de carga horizontal, muitas vezes chamado factor de carga de impulso é obtido através do equilíbrio das forças horizontais Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 25 = n ma x = a = W g T - D W = n x W

26 Factores de Carga no movimento de translação Um caso mais geral da aceleração de translação no qual a linha do impulso (força de propulsão) não é horizontal. É conveniente calcular as componentes das forças nos eixos x e z os quais são respectivamente paralelo e perpendicular à linha de propulsão Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 26

27 Factores de Carga no movimento de translação A combinação da carga inercial e do peso em cada elemento tem uma componente ao longo do eixo z com o seguinte módulo L - Wcosq = (W / g)a n z À = cosq + ( a ) z q + Como a força propulsiva e a resistência têm de estar em equilíbrio com as componentes do peso e forças de inércia segundo o eixo x, tem-se T - D + Wsin q = n L a z = g W cos Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 27 = L W ( W g) a x À T - D = ( a x g - sin q) = a g - sin q = ( T - D) W x x g = nw W = n x W

28 Factores de Carga no movimento de translação No caso de uma aterragem, o factor de carga de aterragem é definido como a reacção vertical dividida pelo peso do avião. O factor de carga na direcção horizontal é definido similarmente como a reacção horizontal dividida pelo peso do avião: n n z x = = R R z x w w Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 28

29 Diagrama Velocidade - Factor de Carga ( V- n ) As varias condições de carga de um avião são normalmente representadas num gráfico de factor de carga limite n velocidade V. Este diagrama é muitas vezes referido como diagrama Vn, uma vez que o factor de carga n está relacionado com a aceleração da gravidade g. A componente z da resultante da força de inércia e gravítica é a força nw actuando no centro de gravidade. O factor de carga n é obtido pela soma das forças segundo o eixo z Cz r SV a Cz qs = nw À n = a 2W Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 29 2

30 Diagrama Velocidade - Factor de Carga ( V- n ) Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 30

31 Factores de Carga de Rajada Quando um avião se encontra em voo nivelado em ar calmo, o ângulo de ataque a é medido da linha da corda da asa com a horizontal. Se o avião subitamente encontra uma corrente ascendente que tem uma velocidade vertical KU, o ângulo de ataque é aumentado de Da. O ângulo Da é pequeno, e em radianos pode ser considerado igual à sua tangente: Da = ku V Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 31

32 Factores de Carga de Rajada A alteração em C za, resultando de da mudança Da, pode ser obtida da curva de C za versus a. Esta curva é aproximadamente uma linha recta, e tem um declive b que pode ser considerado constante: DCza b = Da Depois de se encontrar a rajada, o C za do avião aumenta: bku DC za = bda = V O aumento Dn pode ser obtido a partir do valor DC za Dn = DCzarSV 2W rsbkuv 2W Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 32 2 =

33 Factores de Carga de Rajada Para realizar o cálculo é mais conveniente determinar a declive b em graus e a IAS (V) em km/h. Obtém-se: Dn bkuv = Quando o avião se encontra em voo nivelado e antes de ser atingido por uma rajada de vento, o factor de carga é unitário. Dn tem de ser combinado com a unidade de maneira a se obter o factor de carga devido a rajada b kuv w S Dn = w S Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 33

34 Factores de Carga de Rajada No caso da rajada ser instantânea, k=1 e a velocidade de rajada é U. O avião fica sujeito a uma aceleração no sentido vertical com uma aceleração inicial a 0 e ficará com uma velocidade vertical variável v. Agora dependendo do tempo têm-se as seguintes situações: Ã ( t 1 = 0 ) Da tem um valor máximo igual a U/V. Ã ( t 2 > t 1 ) Da vai decrescendo até (U-v)/V devido à componente vertical v. Ã ( t 3 > t 2 ) Quando v=u, Da é igual a zero, ou seja, o avião encontra-se na situação de voo inicial Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 34

35 Factores de Carga de Rajada Após alguma manipulação podemos obter: qsb U a 0 = M V qsb U - v a = M V Que permite obter a variação da aceleração, durante a rajada, com o tempo: a = a 0 e -a 0 t / U Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 35

36 Factores de Carga de Rajada Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 36

37 EXERCÍCIOS Um avião de lb é desacelerado de 3g (96.6 ft/s 2 ) por meio de um cabo e um gancho ao aterrar num porta-aviões. a)achar a tensão no cabo, a reacção R, e a distância e do centro de gravidade à linha de acção do cabo. b)achar a tensão na fuselagem nas secções verticais AA e BB se a porção de avião à frente de AA pesa 3000 lb e a parte de avião atrás de BB pesa 1000 lb. c)achar a distância de aterragem se a velocidade de aterragem for de 80 ft/s. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 37

38 EXERCÍCIOS Um avião com peso de 35.6 kn tem uma desaceleração vertical de 3g quando está a aterrar. 1 m 1 m 35.6 kn 6 m a) Quais serão os valores das reacções das rodas R 1 e R 2? b) Qual será o tempo necessário para desacelerar o avião de uma velocidade de 3.7 m/s até parar c) Qual será o momento de flexão bem como o esforço transverso na secção vertical AA se o peso da parte dianteira desta secção for de 8900 N e tiver um centro de gravidade 1 m do corte da secção? Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 38

39 EXERCÍCIOS Um avião está a efectuar uma aterragem com o gancho no convés de uma porta-aviões. V C.G. é de 3.66 m/s e w é 0.5 rad/s no sentido anti-horário. O R gir. do avião em relação ao C.G. é de 1.5m m m 44.5 kn 2m 0.5m 133 kn 89 kn a) Determine os factores de carga n e n x perpendiculares e paralelos à pista, para o C.G., num ponto 0.5m à frente C.G. e num ponto 0.25m atrás do C.G. f) Qual a velocidade relativa com que a roda do nariz do avião toca no convés Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 39

40 EXERCÍCIOS Um avião de transporte está a fazer uma aterragem nivelada. O peso do avião é de 660 kn, e o seu momento de inércia em relação ao movimento de picada (I y ) é de 5.65x10 6 kg m 2 em relação C.G. 6m 3m 10m 2.5m A reacção no trem de aterragem traseiro é de 1.56x10 6 N com um ângulo de 15º com a vertical. Determinar qual o passageiro que suporta maior carga, se o A ou o B. Assumir que cada passageiro pesa 750 N e desprezar a sustentação do avião. Estruturas Aeroespaciais Cargas impostas em Aeronaves 40

1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof.

1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof. 1 08 Estabilidade Longitudinal, Lateral e Direcional Prof. Diego Pablo 2 Equilíbrio Estabilidade Longitudinal Estável Tende a voltar ao equilibrio espontâneamente Instável Se tirado do estado inicial tende

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos:

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: 1. Forças externas (que representam as acções externas sobre o corpo rígido) 2. Forças internas (que representam

Leia mais

Extradorso. Intradorso. Corda

Extradorso. Intradorso. Corda AERODINÂMICA Parapente SUMÁRIO Nomenclatura do perfil Sustentação Nomenclatura e estrutura da asa Forças que actuam na asa Controlo da asa Performance Envelope de Voo O PERFIL e a ASA 4 GEOMETRIA DO PERFIL

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material.

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material. Física 53. O gráfico da velocidade em função do tempo (em unidades aritrárias), associado ao movimento de um ponto material ao longo do eixo x, é mostrado na figura aaixo. Assinale a alternativa que contém

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Um fator importante para a segurança e eficiência

Leia mais

c) O elevador desc e c om movimento uniformemente retardado de ac eleraç ão igual a 3 m/ s 2.

c) O elevador desc e c om movimento uniformemente retardado de ac eleraç ão igual a 3 m/ s 2. Capítulo 3 D in âm ica E x e rc íc io 3.1 : Um homem de massa 90 kg está dentro de um elevador. Determine a força q ue o p iso ex erce sob re o homem em cada um dos seguintes casos: a) O elevador sob e

Leia mais

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos:

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: 1. Forças externas (que representam as acções externas sobre o corpo rígido) 2. Forças internas (que representam

Leia mais

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação PUCGoiás Física I Lilian R. Rios Rotação O movimento de um cd, de um ventilador de teto, de uma roda gigante, entre outros, não podem ser representados como o movimento de um ponto cada um deles envolve

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

(b) para o trajeto todo, desde o momento em que ele é retirado do ninho até o seu retorno?

(b) para o trajeto todo, desde o momento em que ele é retirado do ninho até o seu retorno? 1. Em uma experiência, um pombo-correio foi retirado de seu ninho, levado para um local a 5150 km do ninho e libertado. Ele retorna ao ninho depois de 13,5 dias. Tome a origem no ninho e estenda um eixo

Leia mais

Dimensionamento Inicial

Dimensionamento Inicial Dimensionamento Inicial O dimensionamento inicial é o processo pelo qual se determina o peso de descolagem e a quantidade de combustível necessários para que um conceito de aeronave execute a sua missão;

Leia mais

Fichas de sistemas de partículas

Fichas de sistemas de partículas Capítulo 3 Fichas de sistemas de partículas 1. (Alonso, pg 247) Um tubo de secção transversal a lança um fluxo de gás contra uma parede com uma velocidade v muito maior que a agitação térmica das moléculas.

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Gabarito dos Exames para o 1º e 2º Anos 1ª QUESTÃO Movimento Retilíneo Uniforme Em um MRU a posição s(t) do móvel é dada por s(t) = s 0 + vt, onde s 0 é a posição

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x 12 FÍSICA Aceleração da gravidade, g = 10 m/s 2 Constante gravitacional, G = 7 x 10-11 N.m 2 /kg 2 Massa da Terra, M = 6 x 10 24 kg Velocidade da luz no vácuo, c = 300.000 km/s 01. Em 2013, os experimentos

Leia mais

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais

CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS

CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS Todos os aeromodelistas desejam projectar o seu próprio modelo, mas muitas vezes não o tentam porque ouvem os mestres falar de tremendas dificuldades de cálculo e concepção,

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 1. A peça fundida tem massa de 3,00 Mg. Suspensa em uma posição vertical e inicialmente em repouso, recebe uma velocidade escalar para cima de 200 mm/s em 0,300 s utilizando

Leia mais

Dinâmica no Vestibular do ITA Questões Objetivas

Dinâmica no Vestibular do ITA Questões Objetivas 01. (ITA-03) Dinâmica no Vestibular do ITA Questões Objetivas Um balão contendo gás hélio é fixado, por me io de um fio leve, ao piso de um vagão completamente fechado. O fio permanece na vertical enquanto

Leia mais

Configuração do trem de aterragem (1)

Configuração do trem de aterragem (1) Trem de Aterragem O trem de aterragem é um sistema de extrema importância, uma vez que permite a operação da aeronave no solo; O trem tem que ser colocado numa posição adequada para que proporcione estabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL +-------------------+ ESPECIFICAÇÃO DE AERONAVE Nº EA-7501 EA-7501-04 Detentor do CHT: Folha 1 INDÚSTRIA

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

MVO-30/AB-103 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013

MVO-30/AB-103 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013 (carga horária: 64 horas) Departamento de Mecânica do Voo Divisão de Engenharia Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica 2013 PARTE IV Estabilidade Estática

Leia mais

Física setor F 01 unidade 01

Física setor F 01 unidade 01 Vale relembrar três casos particulares: ) a r e b r tem mesma direção e mesmo sentido: a b s = a+ b s ) a r e b r têm mesma direção e sentidos opostos: a s = a b s b a r e b r têm direções perpendiculares

Leia mais

PROCESSO SELETIVO TURMA DE 2010 FASE 1 PROVA DE FÍSICA E SEU ENSINO

PROCESSO SELETIVO TURMA DE 2010 FASE 1 PROVA DE FÍSICA E SEU ENSINO PROCESSO SELETIVO TURM DE 2010 FSE 1 PROV DE FÍSIC E SEU ENSINO Caro professor, esta prova tem 4 (quatro) questões, com valores diferentes indicados nas próprias questões. Duas das questões são objetivas,

Leia mais

Capítulo 3 A Mecânica Clássica

Capítulo 3 A Mecânica Clássica Capítulo 3 A Mecânica Clássica AMecânica Clássica é formalmente descrita pelo físico, matemático e filósofo Isaac Newton no século XVII. Segundo ele, todos os eventos no universo são resultados de forças.

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F.

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F. Exercícios - Aula 6 8) (UFMG) Considere as seguintes situações: I) Um carro, subindo uma rua de forte declive, em movimento retilíneo uniforme. II) Um carro, percorrendo uma praça circular, com movimento

Leia mais

Forças Aplicadas no Avião. Forças Aplicadas no Avião

Forças Aplicadas no Avião. Forças Aplicadas no Avião 7631 º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Forças no Avião em Voo linha de referência do avião L α T α T γ vento relativo horizontal L Sustentação (força aerodinâmica) D Arrasto (força aerodinâmica)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

de aeronaves de pequeno porte

de aeronaves de pequeno porte forum de simulações aéreas - fsa peso e balanceamento de aeronaves de pequeno porte Eng.o José Francisco Lôbo Junho/1999 Agradecimentos Ao Cmte Adriano Carvalho, pelo seu trabalho competente, abnegado

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

Introdução: momento fletor.

Introdução: momento fletor. Flexão em Vigas e Projeto de Vigas APOSTILA Mecânica dos Sólidos II Introdução: As vigas certamente podem ser consideradas entre os mais importantes de todos os elementos estruturais. Citamos como exemplo

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV)

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) 1) As vezes, um fator de conversão pode ser deduzido mediante o conhecimento de uma constante em dois sistemas diferentes. O peso de um pé cúbico

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Sustentação e momento de picada de uma aeronave

Sustentação e momento de picada de uma aeronave de uma aeronave João Oliveira ACMAA, DEM, Instituto Superior Técnico, MEAero (Versão de 24 de Setembro de 2011) Asa + fuselagem + Estabilizador Asa em voo: há equilíbrio o equilíbrio não é estável Necessário

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

, onde é em segundos e é em metros por segundo. Calcule a posição s, a velocidade, e a aceleração a quando A partícula está na posição quando

, onde é em segundos e é em metros por segundo. Calcule a posição s, a velocidade, e a aceleração a quando A partícula está na posição quando 1 CINEMÁTICA DE PARTÍCULAS 2/3 A velocidade de uma partícula que se desloca ao longo do eixo é dada por, onde é em segundos e é em metros por segundo. Calcule a posição s, a velocidade, e a aceleração

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015

22-05-2015. Sumário. Energia em movimentos. A Energia de Sistemas em Mov. de Translação 20/05/2015 Sumário Unidade temática 2 A energia de sistemas em movimento de translação. - Teorema da energia cinética. A força com que a Terra atrai os corpos realiza trabalho. - Trabalho realizado pelo peso dum

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

LOGO FQA. Da Terra à Lua. Leis de Newton. Prof.ª Marília Peres. Adaptado de Serway & Jewett

LOGO FQA. Da Terra à Lua. Leis de Newton. Prof.ª Marília Peres. Adaptado de Serway & Jewett LOGO Da Terra à Lua Leis de Newton Prof.ª Marília Peres Adaptado de Serway & Jewett Isaac Newton (1642-1727) Físico e Matemático inglês Isaac Newton foi um dos mais brilhantes cientistas da história. Antes

Leia mais

O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Figura 1: Espaçomodelo (EM)

O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Figura 1: Espaçomodelo (EM) 1 3 ESTABILIDADE: CG, CP e E 3.1 CENTRO DE GRAVIDADE (CG) 3.1.1 Definição O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Símbolo: p peso g gravidade

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja:

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja: Movimento Relativo MOVIMENTO RELATIVO A velocidade relativa é um conceito cai bastante nas objetivas, então fica ligado! Ela trata estudar as relações de como um corpo, em movimento ou não, vê o outro

Leia mais

Considerando o seguinte eixo de referência:

Considerando o seguinte eixo de referência: FORÇA É uma interacção que se estabelece entre dois corpos capaz de alterar o seu estado de movimento ou de repouso ou de lhes causar deformação. Podem ser interacções à distância ou interacções de contacto.

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante um voo, um avião lança uma caixa presa a um paraquedas. Após esse lançamento, o paraquedas abre-se e uma força F,

Leia mais

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros.

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros. CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Identificar o conjunto dos números inteiros. Representar na recta numérica os números inteiros. Indicar o valor absoluto e o simétrico de um número. Comparar

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Escoamentos exteriores 21

Escoamentos exteriores 21 Escoamentos exteriores 2 Figura 0.2- Variação do coeficiente de arrasto com o número de Reynolds para corpos tri-dimensionais [de White, 999]. 0.7. Força de Sustentação Os perfis alares, ou asas, têm como

Leia mais

PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES

PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES Thomaz Daibert Machado Tavares IC thomaz@redecasd.ita.br Roberto da Mota Girardi PQ girardi@ita.br Resumo Nesse trabalho

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

Exercícios complementares envolvendo a equação de Torricelli

Exercícios complementares envolvendo a equação de Torricelli 01. (Vunesp-SP) Um veículo está rodando à velocidade de 36 km/h numa estrada reta e horizontal, quando o motorista aciona o freio. Supondo que a velocidade do veículo se reduz uniformemente à razão de

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir:

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: 1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: Com relação ao movimento mostrado no gráfico, assinale a alternativa CORRETA. a) A partícula inicia

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força!

Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Lista de Exercícios - Unidade 8 Eu tenho a força! Forças 1. (UFSM 2013) O uso de hélices para propulsão de aviões ainda é muito frequente. Quando em movimento, essas hélices empurram o ar para trás; por

Leia mais

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Unifesp) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO

GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO 1. (Unifesp 013) O atleta húngaro Krisztian Pars conquistou medalha de ouro na olimpíada de Londres no lançamento de martelo. Após girar sobre si próprio, o atleta lança

Leia mais

Lançamento Horizontal

Lançamento Horizontal Lançamento Horizontal 1. (Ufsm 2013) Um trem de passageiros passa em frente a uma estação, com velocidade constante em relação a um referencial fixo no solo. Nesse instante, um passageiro deixa cair sua

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 8B Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Estática de um ponto Para que um ponto esteja em equilíbrio precisa satisfazer a seguinte condição: A resultante de todas

Leia mais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais 3.5-1 3.5 Sistemas de referência não-inerciais A primeira lei de Newton não é válida em todos os sistemas de referência, ver 2.1.2, mas, sempre podemos achar sistemas de referência nos quais ela (e o resto

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento 1. (Pucrj 2013) A Lua leva 28 dias para dar uma volta completa ao redor da Terra. Aproximando a órbita como circular, sua distância ao centro

Leia mais

FÍSICA 3. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /c 2 1 atm = 1,0 x 10 5 N/m 2 tan 17 = 0,30. a (m/s 2 ) 30 20 10 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0.

FÍSICA 3. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /c 2 1 atm = 1,0 x 10 5 N/m 2 tan 17 = 0,30. a (m/s 2 ) 30 20 10 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0. FÍSIC 3 Valores de algumas grandezas físicas celeração da gravidade: 1 m/s Carga do elétron: 1,6 x 1-19 C Constante de Planck: 6,6 x 1-34 J Velocidade da luz: 3 x 1 8 m/s k = 1/4πε = 9, 1 9 N.m /c 1 atm

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 1. Aerodinâmica: a) O ângulo de ataque é o ângulo formado entre a corda e a linha de trajectória do fluxo de ar. b)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 03 Capítulo 07 1. (Pergunta 01) Classifique

Leia mais

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto Introdução Os aviões estão entre as invenções mais incríveis. Um Boeing 747, por exemplo, pode levar 600 pessoas - e pesa quase 400 toneladas quando está abastecido para a decolagem. Mesmo assim, ele percorre

Leia mais

Noções de Cálculo Vetorial Prof. Alberto Ricardo Präss

Noções de Cálculo Vetorial Prof. Alberto Ricardo Präss Noções de Cálculo Vetorial Prof. lberto Ricardo Präss Linguagem e conceitos Linguagem é um ingrediente essencial do pensamento abstrato. É difícil pensar clara e facilmente sobre conceitos sofisticados

Leia mais

TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL

TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL Rui Lança, Eq. Professor Adjunto David Pereira, Eq. Professor Adjunto MAIO DE

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

LISTA UERJ! (Considere π 3. ) a) 9 m/s. b) 15 m/s. c) 18 m/s. d) 60 m/s.

LISTA UERJ! (Considere π 3. ) a) 9 m/s. b) 15 m/s. c) 18 m/s. d) 60 m/s. 1. (Unicamp 014) As máquinas cortadeiras e colheitadeiras de cana-de-açúcar podem substituir dezenas de trabalhadores rurais, o que pode alterar de forma significativa a relação de trabalho nas lavouras

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris.

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris. 1 CAPÍTULO 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.1 - Introdução Paris, França, 23 de outubro de 1906 em um dia de vento calmo no campo de Bagatelle às 16 horas e 45 minutos de uma terça feira se concretizou através

Leia mais

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON 1. (Uerj 2013) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente ao plano inclinado é igual

Leia mais

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Movimentos em 2D 1) Você está operando um modelo de carro com controle remoto em um campo de tênis vazio. Sua posição é a origem

Leia mais

Conceito de Tensão. Índice

Conceito de Tensão. Índice Conceito de Tensão Índice Breve Revisão dos Métodos da Estática 1 Tensões em Elementos Estruturais 2 nálise e Dimensionamento 3 Esforço xial; Tensão Normal 4 rincípio de Saint-Venant 5 Tensão Tangencial

Leia mais

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando TC UECE 01 FASE 1 PROF. : Célio Normando Conteúdo: Cinemática - MRUV 1. Um avião vai decolar em uma pista retilínea. Ele inicia seu movimento na cabeceira da pista com velocidade nula e corre por ela com

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Objectivos Conhecer os princípios fundamentais do desempenho de aviões nas várias fases de voo. Analisar e optimizar o desempenho de uma dada aeronave.

Leia mais