1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof."

Transcrição

1 1 08 Estabilidade Longitudinal, Lateral e Direcional Prof. Diego Pablo

2 2 Equilíbrio Estabilidade Longitudinal Estável Tende a voltar ao equilibrio espontâneamente Instável Se tirado do estado inicial tende a aumentar o desequilíbrio Indiferente Não retorna e nem se afasta do estado inicial

3 3 Equilíbrio Estabilidade Longitudinal Rajada de ar

4 4 Equilíbrio Estabilidade Longitudinal L Avanço do Centro de Pressão L CP CP Peso Vento Relativo Peso O perfil assimétrico da asa do avião é Estaticamente Instável

5 5 Estabilidade Longitudinal Estabilizador Horizontal: Perfil Simétrico estabiliza o voo O Estabilizador Horizontal gera Sustentação Negativa O Estabilizador Horizontal gera Sustentação Positiva O Estabilizador Horizontal não gera sustentação (α = 0)

6 6 Peso da cauda Estabilidade Longitudinal Cauda leve: o avião tende a ser estável Cauda pesada: o avião tende a ser instável

7 7 Ponto Neutro Estabilidade Longitudinal Sustentação Resultante Sustentação da asa Sustentação do estabilizador Centro de Pressão do Estabilizador Ponto Neutro Centro de Pressão da Asa

8 8 Ponto Neutro Estabilidade Longitudinal Sustentação Resultante Sustentação Resultante Ponto Neutro Ponto Neutro CG CG Peso Peso O avião com CG à frente do Ponto Neutro tende a ser Estável O avião com CG atrás do Ponto Neutro tende a ser Instável

9 9 Estabilidade Longitudinal Compensação para Equilíbrio Sustentação Resultante O Estabilizador Horizontal é compensado para gerar sustentação negativa e estabilizar o avião Sustentação Negativa Ponto Neutro CG - Se a velocidade aumentar, o avião tende a subir, devido ao aumento de sustentação no Estabilizador Horizontal - Se a velocidade diminuir, o avião tende a descer, permanecendo acima da Velocidade de Estol Avião estável (CG à frente do Ponto Neutro) Peso

10 10 Estabilidade Longitudinal Estabilidade Dinâmica Dinâmicamente Estável Dinâmicamente Indiferente Rajada de ar Dinâmicamente Instável

11 11 Estabilidade Longitudinal Um avião pode ser: Estaticamente: Estável Dinamicamente: Estável Indiferente Indiferente Instável Instável - Todo avião deve ser Estaticamente e Dinâmicamente Estável - Aviões de passageiros geralmente são mais estáveis - Aviões de acrobacias são menos estáveis, portanto mais manobráveis - Um avião excessivamente estável pode tornar-se muito difícil de ser manobrado, pois resiste aos comandos do piloto

12 12 Estabilidade Lateral Estabilidade em torno do eixo longitudinal Rajada assimétrica A Estabilidade Lateral é menos importante do que a Longitudinal, pois os esforços gerados são pequenos.

13 13 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 1- Diedro Diedro Positivo Maior Estabilidade Lateral Diedro Negativo Menor Estabilidade Lateral

14 14 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 2- Enflechamento Maior Sustentação Maior Sustentação Enflechamento Positivo Maior Estabilidade Lateral Enflechamento Negativo Menor Estabilidade Lateral

15 15 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 3- Efeito de Quilha CG abaixo da área lateral Maior Estabilidade Lateral CG acima da área lateral Menor Estabilidade Lateral

16 16 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 4- Efeito de Fuselagem Grande área de fuselagem abaixo da asa Maior Estabilidade Lateral Grande área de fuselagem acima da asa Menor Estabilidade Lateral

17 17 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 5- Distribuição de Pesos (ou Efeito Pêndulo) Asa Alta Maior Estabilidade Lateral Asa Baixa Menor Estabilidade Lateral

18 18 Estabilidade Lateral Fatores que influenciam na Estabilidade Lateral 1- Diedro 2- Enflechamento 3- Efeito de Quilha 4- Efeito de Fuselagem 5- Distribuição de Pesos (ou Efeito Pêndulo) Um avião não deve ter excesso de Estabilidade Lateral, pois pode tornar os Ailerons ineficazes para manobras

19 19 Estabilidade Dinâmica Estabilidade Lateral Dinamicamente Estável Dinamicamente Indiferente Dinamicamente Instável

20 20 Estabilidade Direcional Estaticamente Estável Estaticamente Indiferente Estaticamente Instável

21 21 Estabilidade Direcional Fatores que influenciam na Estabilidade Direcional 1- Enflechamento Trajetória Trajetória Enflechamento Positivo Maior Estabilidade Direcional Enflechamento Negativo Menor Estabilidade Direcional

22 22 Estabilidade Direcional Fatores que influenciam na Estabilidade Direcional 2- Efeito de Quilha Trajetória Trajetória Grande área lateral atrás do CG Maior Estabilidade Direcional Grande área lateral à frente do CG Menor Estabilidade Direcional

23 23 Estabilidade Direcional Estabilidade Dinâmica Dinamicamente Estável Dinamicamente Indiferente Dinamicamente Instável

24 Exercícios 24

25 25 Exercícios Uma bola colocada sobre uma mesa plana tem equilíbrio estático do tipo: a) Estável b) Instável c) Indiferente d) Qualquer dos acima

26 26 Exercícios Uma asa com perfil assimétrico possui equilíbrio do tipo: a) Estável b) Instável c) Indiferente d) Qualquer dos acima

27 27 Exercícios Se o piloto iniciar um mergulho e depois soltar o manche, um avião estável deverá: a) Levantar o nariz b) Baixar o nariz c) Continuar o mergulho d) Nenhuma das acima

28 28 Exercícios Para aumentar a velocidade de um avião estável é preciso: a) Aumentar a potência b) Empurrar o manche à frente c) Ambas acima d) Aumentar a potência e cabrar

29 29 Exercícios O efeito de fuselagem tem influência na estabilidade: a) Lateral b) Direcional c) Longitudinal d) Lateral e direcional

30 30 Exercícios Quando a área lateral acima do CG é maior do que a área abaixo do CG, o avião terá equilíbrio lateral: a) Estável b) Instável c) Indiferente d) Qualquer das acima

31 31 Exercícios Os seguintes recursos podem ser usados para criar estabilidade direcional: a) Enflechamento e efeito de quilha b) Efeito de quilha e diedro c) Diedro e enflechamento d) Todos os acima

32 32 Exercícios Quando a área lateral À frente do CG é maior do que a área atrás do CG, o avião tende a possuir equilíbrio direcional do tipo: a) Estável b) Instável c) Indiferente d) Qualquer dos acima

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais

MVO-30/AB-103 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013

MVO-30/AB-103 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013 Estabilidade e Controle de Aeronaves 2013 (carga horária: 64 horas) Departamento de Mecânica do Voo Divisão de Engenharia Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica 2013 PARTE IV Estabilidade Estática

Leia mais

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES CGA Aerodinâmica Ciência que estuda as forças produzidas

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Considerações Gerais Aviões de transporte comercial são desenhados especificamente para o transporte de passageiros e carga de um aeroporto para outro. Por outro lado, aviões militares como caças e bombardeiros

Leia mais

Sustentação e momento de picada de uma aeronave

Sustentação e momento de picada de uma aeronave de uma aeronave João Oliveira ACMAA, DEM, Instituto Superior Técnico, MEAero (Versão de 24 de Setembro de 2011) Asa + fuselagem + Estabilizador Asa em voo: há equilíbrio o equilíbrio não é estável Necessário

Leia mais

PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES

PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES PROJETO DE UM DISPOSITIVO PARA VIABILIZAR ENSAIOS SOBRE QUALIDADE DE VÔO DE AERONAVES Thomaz Daibert Machado Tavares IC thomaz@redecasd.ita.br Roberto da Mota Girardi PQ girardi@ita.br Resumo Nesse trabalho

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO EDITAL Nº 2 ANAC, DE 17 DE SETEMBRO DE 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues 2 Apresentação O Curso de Introdução ao Projeto de Aeronaves ministrado pelo Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda José Rodrigues é destinado a estudantes de engenharia,

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA Vinícius Roggério da Rocha MonolitoNimbus.com.br/ComissarioNerd Aerodinâmica Parte da Física que estuda o movimento de fluidos gasosos e as forças envolvidas Superfície

Leia mais

Extradorso. Intradorso. Corda

Extradorso. Intradorso. Corda AERODINÂMICA Parapente SUMÁRIO Nomenclatura do perfil Sustentação Nomenclatura e estrutura da asa Forças que actuam na asa Controlo da asa Performance Envelope de Voo O PERFIL e a ASA 4 GEOMETRIA DO PERFIL

Leia mais

O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Figura 1: Espaçomodelo (EM)

O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Figura 1: Espaçomodelo (EM) 1 3 ESTABILIDADE: CG, CP e E 3.1 CENTRO DE GRAVIDADE (CG) 3.1.1 Definição O centro de gravidade é o ponto no qual, de forma simplificada, se concentra o peso (P) de um objeto. Símbolo: p peso g gravidade

Leia mais

Aeroclube de Blumenau Excelência em aviação

Aeroclube de Blumenau Excelência em aviação eroclube de Blumenau xcelência em aviação anual de anobras 2 ontrole de revisões Revisão número Data Nome ssinatura Original Setembro/2010 Rolf Bauke Revisão Revisão Julho/2012 Outubro/2015 Responsável:

Leia mais

Dimensionamento Inicial

Dimensionamento Inicial Dimensionamento Inicial O dimensionamento inicial é o processo pelo qual se determina o peso de descolagem e a quantidade de combustível necessários para que um conceito de aeronave execute a sua missão;

Leia mais

Manual básico para construção de ZAGIs (asas voadoras)

Manual básico para construção de ZAGIs (asas voadoras) Manual básico para construção de ZAGIs Julho de 2008 ATENÇÃO Este manual foi criado para utilização sem fins lucrativos na divulgação do aeromodelismo, e está disponível para baixar gratuitamente em www.e-voo.com/manual

Leia mais

1 03 Ge G om o etr t i r a i do o A v A iã i o, o, Fo F r o ç r as A e A ro r d o in i â n mic i as Prof. Diego Pablo

1 03 Ge G om o etr t i r a i do o A v A iã i o, o, Fo F r o ç r as A e A ro r d o in i â n mic i as Prof. Diego Pablo 1 03 Geometria do Avião, Forças Aerodinâmicas Prof. Diego Pablo 2 - Asa - Hélice - Spinner - Carenagem da Roda - Roda - Trem de Pouso do Nariz / Bequilha - Trem de Pouso Principal - Trem de pouso - Fuselagem

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Deriva Horizontal e sua parte móvel (PROFUNDOR)...Deriva Vertical e sua parte móvel (LEME)...O corpo (FUZELAGEM ou CHARUTO)

Deriva Horizontal e sua parte móvel (PROFUNDOR)...Deriva Vertical e sua parte móvel (LEME)...O corpo (FUZELAGEM ou CHARUTO) Este manual serve para qualquer avião da Artal. Terá apenas algumas mudanças como posição do profundor do Stick Onda que será fixo na parte de baixo do charuto. Outra mudança também é na posição dos servos,

Leia mais

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Quando aplicamos uma força sobre um corpo, provocando um deslocamento, estamos gastando energia, estamos realizando um trabalho. Ʈ

Leia mais

3- ANGULO DE INCIDENCIA É O ANGULO FORMADO ENTRE O EIXO O Velocímetro utiliza as Pressões Estática e Total para LONGITUDINAL o seu funcionamento

3- ANGULO DE INCIDENCIA É O ANGULO FORMADO ENTRE O EIXO O Velocímetro utiliza as Pressões Estática e Total para LONGITUDINAL o seu funcionamento FÍSICA RESUMO TEORIA DE VÔO George Coutinho Velocidade - É a distancia percorrida por unidade de tempo. Massa - É a quantidade de matéria contida num corpo. A MASSA É INVARIAVEL. Força - É tudo aquilo

Leia mais

CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS

CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS CAPÍTULO XI PROJECTO DE MODELOS Todos os aeromodelistas desejam projectar o seu próprio modelo, mas muitas vezes não o tentam porque ouvem os mestres falar de tremendas dificuldades de cálculo e concepção,

Leia mais

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO O que é energia? O termo energia é tão amplo que é diícil pensar numa deinição concisa. Teoricamente, a energia é uma grandeza escalar associada ao estado de um ou mais objetos;

Leia mais

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo INSTRUMENTOS Os instrumentos servem para controlar o vôo, o funcionamento do motor e demais sistemas da aeronave. Eles são classificados em 4 grupos

Leia mais

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL TRANSIÇÃO PARA O Da hélice para o turbofan, os cuidados que devem ser observados por pilotos que estão migrando de tipo de equipamento. Os conceitos mudam radicalmente e a transição exige um bom treinamento

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

FOX V-5 Tandem Manual de Operação, Montagem e Manutenção

FOX V-5 Tandem Manual de Operação, Montagem e Manutenção indústria aeronáutica ltda Manual de Operação, Montagem e Manutenção Starflight Indústria Aeronáutica Ltda Av. Gov. Roberto Silveira nº1585 Cep.26285-060 Centro Nova Iguaçu RJ. Tel. 21/2695-4554 Fax.21/2695-4852

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris.

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris. 1 CAPÍTULO 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.1 - Introdução Paris, França, 23 de outubro de 1906 em um dia de vento calmo no campo de Bagatelle às 16 horas e 45 minutos de uma terça feira se concretizou através

Leia mais

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br 2 SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 GENERALIDADES 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 08 SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS NORMAIS 11 SEÇÃO 5 DESEMPENHO 17 SEÇÃO 6 PESO E BALANCEAMENTO 21 SEÇÃO 7 DESCRIÇÃO

Leia mais

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato EspEcial 32 páginas com muita coisa extra Ensaio Em voo RV-9A e TBM 850 dizem A que VieRAM dia-a-dia da cachaça O Museu TAM ReABRe glorioso EntrEvista

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja:

Figura 3.4.0. Perceba a conta que você fez, pra saber a diferença de velocidade entre eles calculamos, ou seja: Movimento Relativo MOVIMENTO RELATIVO A velocidade relativa é um conceito cai bastante nas objetivas, então fica ligado! Ela trata estudar as relações de como um corpo, em movimento ou não, vê o outro

Leia mais

ANÁLISE CONCEITUAL DA AEROELASTICIDADE, FENÔMENOS AEROELÁSTICOS E TECNOLOGIA DA ASA AEROELÁSTICA ATIVA

ANÁLISE CONCEITUAL DA AEROELASTICIDADE, FENÔMENOS AEROELÁSTICOS E TECNOLOGIA DA ASA AEROELÁSTICA ATIVA 100 Artigos Científicos ANÁLISE CONCEITUAL DA AEROELASTICIDADE, FENÔMENOS AEROELÁSTICOS E TECNOLOGIA DA ASA AEROELÁSTICA ATIVA Artigo submetido em 05/01/2010. Aceito para publicação em 05/03/2010. Andrés

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DE SUL TRABALHO DE FÍSICA. Por que o avião voa? JEFERSON WOHANKA. Porto Alegre, 11 de junho de 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DE SUL TRABALHO DE FÍSICA. Por que o avião voa? JEFERSON WOHANKA. Porto Alegre, 11 de junho de 2007. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DE SUL TRABALHO DE FÍSICA Por que o avião voa? JEFERSON WOHANKA Porto Alegre, 11 de junho de 2007. ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 AS FORÇAS QUE ATUAM SOBRE O AVIÃO...4 COMO É

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 19 Introdução ao estudo de Estabilidade Estática

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 19 Introdução ao estudo de Estabilidade Estática Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 19 Introdução ao estudo de Estabilidade Estática Tópicos Abordados Introdução à Estabilidade Estática. Definição de Estabilidade. Determinação da Posição do Centro

Leia mais

18 - Planadores R\C. Aerodinâmica básica

18 - Planadores R\C. Aerodinâmica básica FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AEROMODELISMO CURSO DE TÉCNICOS DE NÍVEL 1 18 - Planadores R\C Aerodinâmica básica 1. Princípios de voo pág.1 2. Perfis, número de Reynolds e polar Cl(Cd) pág. 3 3. Carga alar pág.

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Equilíbrio e Estabilidade com Manche Livre

Equilíbrio e Estabilidade com Manche Livre Equilíbrio e Estabilidade com Manche Livre João Oliveira ACMAA, DEM, Instituto Superior Técnico, MEAero (Versão de 30 de Setembro de 2011) Superfícies de controlo longitudinal Momento de charneira Leme

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL +-------------------+ ESPECIFICAÇÃO DE AERONAVE Nº EA-7501 EA-7501-04 Detentor do CHT: Folha 1 INDÚSTRIA

Leia mais

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO Panorâmica da Apresentação 1. Introdução 2. Estabilidade Direccional no Solo e Considerações Aerodinâmicas a Baixas Altitudes Estabilidade Direccional Efeito Solo

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 26 Estabilidade Latero-Direcional Dinâmica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 26 Estabilidade Latero-Direcional Dinâmica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 26 Estabilidade Latero-Direcional Dinâmica Tópicos Abordados Estabilidade Lateral Dinâmica. Estabilidade Direcional Dinâmica. Modos de Estabilidade Dinâmica. Fundamentos

Leia mais

Anatomia de uma curva Dinâmica do veículo e derrapagem em curva Sistema de controlo de estabilidade Prevenção da derrapagem em curva

Anatomia de uma curva Dinâmica do veículo e derrapagem em curva Sistema de controlo de estabilidade Prevenção da derrapagem em curva FICHA TÉCNICA CONDUÇÃO EM CURVA Níveis GDE: Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito Tema 6 Domínio das Situações

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

Conhecimentos Gerais de Aeronaves

Conhecimentos Gerais de Aeronaves Conhecimentos Gerais de Aeronaves AERÓSTATOS: equipamentos mais leves que o ar; baseado no princípio de Arquimedes (empuxo); exemplos: balões e dirigíveis (exemplos). AERÓDINOS: equipamentos mais pesados

Leia mais

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV)

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) 1) As vezes, um fator de conversão pode ser deduzido mediante o conhecimento de uma constante em dois sistemas diferentes. O peso de um pé cúbico

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA PILOTO PRIVADO PROGRAMA D INSTRUÇÃO PRÁTICA 1 ste é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-3 através

Leia mais

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala).

PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 1. Ter disciplina e respeito em sala de aula. PARA O ALUNO. 2. Não utilizar celular em sala de aula (em caso de urgência pedir licença para o professor e atender a ligação fora da sala). 3. Manter a Escola

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Objectivos Conhecer os princípios fundamentais do desempenho de aviões nas várias fases de voo. Analisar e optimizar o desempenho de uma dada aeronave.

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

WOOD, ALUMINUM, STEEL AND COMPOSITES

WOOD, ALUMINUM, STEEL AND COMPOSITES 1 WOOD, ALUMINUM, STEEL AND COMPOSITES MADEIRA, ALUMINIO, AÇO E MATERIAIS COMPOSTOS As propriedades de cada um Por Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz

Leia mais

c) diretamente proporcional ao quadrado da distância entre as partículas. d) diretamente proporcional à distância entre as partículas.

c) diretamente proporcional ao quadrado da distância entre as partículas. d) diretamente proporcional à distância entre as partículas. LISTA 0 ELETOSTÁTICA POFESSO MÁCIO 01 - (UFJ ) Três cargas q 1, q e q 3 ocupam três vértices de um quadrado, como mostra a figura a seguir. Sabendo que q 1 e q têm o mesmo módulo e que a força que q 1

Leia mais

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns!

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns! Phantom 1308 Manual de Instruções Parabéns! Você acaba de adquirir um produto CANDIDE. Saiba que fez uma excelente escolha. Sempre pensamos em um brinquedo seguro que estimule a criatividade e dê alegria

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

de aeronaves de pequeno porte

de aeronaves de pequeno porte forum de simulações aéreas - fsa peso e balanceamento de aeronaves de pequeno porte Eng.o José Francisco Lôbo Junho/1999 Agradecimentos Ao Cmte Adriano Carvalho, pelo seu trabalho competente, abnegado

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves 1/12 Índice Parte A: Generalidades.3 2.001 Aplicabilidade.3 2.003 Definições...3 2.005 Siglas/Acrónimos...4

Leia mais

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do Mudança de planos 1- Introdução As projecções de uma figura só representam as suas verdadeiras grandezas se essa figura está contida num plano paralelo aos planos de projecção. Caso contrário as projecções

Leia mais

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto Introdução Os aviões estão entre as invenções mais incríveis. Um Boeing 747, por exemplo, pode levar 600 pessoas - e pesa quase 400 toneladas quando está abastecido para a decolagem. Mesmo assim, ele percorre

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola

Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola Ricardo Gasperini ; (Desenho Industrial; UNESP Campus de Bauru) ricardo.gasperini@gmail.com José Carlos Plácido

Leia mais

CÓD.: 1312 MANUAL DE INSTRUÇÕES

CÓD.: 1312 MANUAL DE INSTRUÇÕES CÓD.: 1312 MANUAL DE INSTRUÇÕES Características principais Estrutura de quatro eixos, permitindo mais flexibilidade e voos precisos. Conta com sistema de resistência a ventos, permitindo sua operação em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO PROJETO AERODINÂMICO DAS ASAS E CAUDA DE UM AEROMODELO PARA COMPETIÇÃO SAE AERODESIGN 2006 CLASSE REGULAR

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO PROJETO AERODINÂMICO DAS ASAS E CAUDA DE UM AEROMODELO PARA COMPETIÇÃO SAE AERODESIGN 2006 CLASSE REGULAR CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO PROJETO AERODINÂMICO DAS ASAS E CAUDA DE UM AEROMODELO PARA COMPETIÇÃO SAE AERODESIGN 2006 CLASSE REGULAR CURITIBA 2006 ELOI LACERDA RODRIGO RICETTI COCHÔA PROJETO AERODINÂMICO

Leia mais

Índice. 02- Tomando como modelo equipamentos existentes para o desenho 3D

Índice. 02- Tomando como modelo equipamentos existentes para o desenho 3D Índice 01- Introdução ao projeto de um drone movido a ar comprimido com motor elétrico Tipos de drones existentes atualmente Meu projeto, uma iniciativa diferente Comparações dos drones existentes com

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

Módulo I... 4 a 43. Módulo II...45 a 78

Módulo I... 4 a 43. Módulo II...45 a 78 1 2 Módulo I... 4 a 43 Módulo II.......45 a 78 3 MÓDULO I INTRODUÇÃO ESTRUTURAS DE AERONAVES Caro aluno, As aeronaves são veículos complexos, tanto em sua estrutura como em sua operação. Os profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Alexander Rossi de Godoy. Felipe González Galvão de Oliveira. Wesley Fabrício de Lima

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Alexander Rossi de Godoy. Felipe González Galvão de Oliveira. Wesley Fabrício de Lima UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Alexander Rossi de Godoy Felipe González Galvão de Oliveira Wesley Fabrício de Lima GENERALIDADES SOBRE ASAS DE AVIÕES MONOMOTORES E SEUS COMPONENTES CURITIBA 2008 Alexander

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 5 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS. Edital ATAc-64/2015

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS. Edital ATAc-64/2015 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Edital ATAc-64/2015 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS VISANDO O PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR TITULAR NO DEPARTAMENTO

Leia mais

SEGURANCA AERONAUTICA

SEGURANCA AERONAUTICA SEGURANCA AERONAUTICA Nº 101 2007-10-19 Meu Caro, Hoje vamos abordar um acidente, não com uma personalidade importante da Aviação, mas, sim, com um piloto muito pouco experiente. Para tal, vamo-nos servir,

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo 1 05 Voo Horizontal, Voo Planado, Voo Ascendente Prof. Diego Pablo 2 Voo Horizontal Sustentação (L) Arrasto (D) Tração (T) L = W T = D Peso (W) 3 Voo Horizontal Alta velocidade Baixa velocidade L Maior

Leia mais

5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA

5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA 5 ADAPTANDO AS BICICLETAS SPEED E MOUNTAIN BIKE À MORFOLOGIA DO CICLISTA Os dados aqui apresentados referem-se ao cálculo das dimensões das bicicletas dos tipos Speed e Mountain Bike de acordo com os dados

Leia mais

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA 1 ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA REGIMENTO INTERNO E REGULAMENTO DO CURSO PARA OBTENÇÃO DE CPD & CPR Elaborado por Juares Riva Vanz CANAC 160761 Setembro/2012 Rua Capitão Eleutério, 610 Sala

Leia mais

Configuração do trem de aterragem (1)

Configuração do trem de aterragem (1) Trem de Aterragem O trem de aterragem é um sistema de extrema importância, uma vez que permite a operação da aeronave no solo; O trem tem que ser colocado numa posição adequada para que proporcione estabilidade

Leia mais

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas Por Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA HELICÓPTEROS NÃO TRIPULADOS UTILIZANDO CONTROLADOR NEBULOSO CARLA MARIA CHAGAS E CAVALCANTE

Leia mais

APOSTILA DE TEORIA DE VÔO HE 1º PERÍODO

APOSTILA DE TEORIA DE VÔO HE 1º PERÍODO 1 APOSTILA DE TEORIA DE VÔO HE 1º PERÍODO Conceituação do Helicóptero A sustentação dos aparelhos que voam é garantida por superfícies perfiladas denominadas ASA, as asas de um helicóptero são as pás do

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar?

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar? A Ciência da Mecânica Washington Braga, Professor Associado 13/ Ano II Departamento de Engenharia Mecânica - PUC - Rio Título: Avião Voa? Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado

Leia mais

A PILHA ELÉTRICA VOLTAGEM CORRENTE ELÉTRICA

A PILHA ELÉTRICA VOLTAGEM CORRENTE ELÉTRICA VOLTAGEM A PILHA ELÉTRICA 3.1- A PILHA ELÉTRICA Fizeram muita coisa conosco. Construíram máquinas que nos tiravam dos átomos da superfície de um corpo e nos colocavam na superfície de um outro corpo. Com

Leia mais

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade O A-Viator é um bimotor de hélices turbinadas, asa na parte superior e com capacidade para 11 lugares, desenvolvido para satisfazer as crescentes demandas de operadores por uma aeronave de alto desempenho

Leia mais

CX012V CX010 MANUAL DE HELICÓPTERO

CX012V CX010 MANUAL DE HELICÓPTERO MANUAL DE INSTRUÇÕES CX012V MANUAL DE HELICÓPTERO C/ VÍDEO CX010 MANUAL DE HELICÓPTERO 3. 5- CANAIS R/ C +14 SEM PRECAUÇÕES Especificações: Peso: 656 g Total Comprimento: 72 Cm Tamanho Helicóptero: 72

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONTROLE FUZZY-PID EM VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS 1

APLICAÇÃO DO CONTROLE FUZZY-PID EM VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS 1 APLICAÇÃO DO CONTROLE FUZZY-PID EM VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS 1 Nilton Kazuo Gomes Suzuki Alejandro Rafael Garcia Ramirez 2 Resumo. O artigo apresenta um estudo sobre veículos aéreos não tripulados,

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

CAPÍTULO 1 ESTRUTURAS DE AERONAVES

CAPÍTULO 1 ESTRUTURAS DE AERONAVES CAPÍTULO 1 ESTRUTURAS DE AERONAVES INTRODUÇÃO A fuselagem de uma aeronave de asa fixa é geralmente considerada como dividindo-se em 5 partes principais - fuselagem, asas, estabilizadores, superfícies de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 014/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-EBF EMB-810C 11SET2004 ADVERTÊNCIA

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE UM VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO, USADO PARA INSPEÇÃO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROJETO CONCEITUAL DE UM VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO, USADO PARA INSPEÇÃO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 26 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 26 Paper CIT6-517 PROJETO

Leia mais

TEORIA. Vento Real. Quando a velocidade aumenta, o vento aparente vai-se deslocando para a proa.

TEORIA. Vento Real. Quando a velocidade aumenta, o vento aparente vai-se deslocando para a proa. TEORIA Daniel Bernoulli em 1738 demonstrou que para um dado perfil o ar circulava mais rápido de um lado que de outro. Este efeito produz uma diferença de pressão e é esta diferença de pressão é que vai

Leia mais

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 01 - A figura mostra uma série de fotografias estroboscópicas de duas esferas, A e B, de massas diferentes. A esfera A foi abandonada em queda livre

Leia mais

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Lei da Inércia: todo corpo tende a permanecer no seu estado (repouso ou movimento) a menos que uma força externa resultante

Leia mais