UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas Marilia de Oliveira Freitas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas Marilia de Oliveira Freitas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas Marilia de Oliveira Freitas GESTÃO DE CARREIRA: COMO A EMPRESA ARTICULA A PROPOSTA DA GESTÃO DE CARREIRA PARA O PROFISSIONAL CURITIBA 2012

2 Gestão de Carreira: Como a empresa articula a proposta da Gestão de Carreira para o profissional Marilia de Oliveira Freitas 1 Elcio Elionei de Pauli Vaz 2 RESUMO O estudo que abrange a área de Gestão de Carreira envolve a empresa e seus funcionários. Neste estudo, a ênfase é observar qual caminho a empresa pode percorrer para propor uma carreira aos seus funcionários, estimulando um planejamento de vida profissional e dando suporte para o desenvolvimento. A área de Gestão de Pessoas procura garantir o nível de informação das pessoas em relação a empresa e vice-versa, estimulando e oferecendo apoio para o planejamento da carreira, permitindo a empresa decidir sobre oportunidades de carreira e sobre a escolha de pessoas, possibilitando uma negociação das expectativas entre ambas. Também serão apresentadas as Estruturas de Carreiras, que são: Estruturas em Linha, Estruturas em Rede e Estruturas Paralelas, tendo como objetivo estabelecer os critérios de acesso da pessoa ao trabalho. Sendo este estudo uma revisão bibliográfica, será possível observar que as questões voltadas para o planejamento de carreira estão relacionadas com alguns paradigmas, tais como: mudanças aceleradas na tecnologia, na gestão e nos valores sociais, assim, há um nível maior de exigência dos mercados consumidores, sendo este um dos motivos que leva a empresa a se preocupar com seu capital intelectual, pois é um importante fator de diferenciação de uma organização para outra. Palavras-chave: Gestão de Carreira, Carreira na Organização, Estruturas de Carreiras. 1 Pedagoga e Pós-graduanda do Curso de Gestão Estratégica de Pessoas da Universidade Tuiuti do Paraná. 2 Professor orientador Psicólogo e Mestre em Administração de Empresas e Recursos Humanos. Professor do curso de pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas da Universidade Tuiuti do Paraná.

3 ABSTRACT The study covers the area of Career Management involves the company and its employees. In this study, the emphasis is to observe which way the company can go on to propose a career to employees, encouraging a life planning and supporting professional development. The area of People Management seeks to ensure the level of information that people has about the company as well companies have to people, encouraging and providing support for career planning, allowing the company to decide on career opportunities and on the choice of people, giving a possibility to a negotiation of expectations between the two. Also will be presented careers structures, which are: Structures in Line, Network Structure and Parallel Structures, with objective likes to establish the criteria for access by a person to a job. Like this study is a literature review, will be possible to see that the question s career planning are related to some paradigms, such as: fast changes in technology, management and social values and with it there is a higher level demanding consumer markets, this being one of the reasons that causes the company to worry about their intellectual capital, because it is an important differentiating factor from one organization to another. Key words: Career Management, Company Organization, Career Structures.

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO UM BREVE HISTÓRICO SOBRE CARREIRA DEFINIÇÃO DE CARREIRA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO E DA CARREIRA PARA O HOMEM A VISÃO DAS ORGANIZAÇÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO DAS CARREIRAS ESTRUTURAS DE CARREIRAS SISTEMAS DE VALORIZAÇÃO OU DIFERENCIAÇÃO DESENHO DE CARREIRA Estruturas em linha Estruturas em rede Estruturas paralelas CONSIDERAÇÕES...18 REFERÊNCIAS...19

5 5 1 INTRODUÇÃO A presente escrita tem como finalidade identificar quais são os caminhos necessários para a construção de um plano de Gestão de Carreira dentro de uma organização, analisando de que forma as organizações pensam sobre essa questão e identificar quais são os meios indispensáveis para que o profissional molde e construa sua carreira. As pessoas que procuram uma carreira profissional precisam identificar o que é necessário para que a carreira se concretize e quem será o responsável direto em trilhar esse caminho. Por este motivo e também por ser um tema ainda pouco debatido na área organizacional, surgiu o interesse em aprofundar mais o estudo através do que os autores dizem acerca do tema. O método de estudo foi pela revisão bibliográfica através de livros e acesso a alguns sites, utilizando a técnica indireta, sendo possível relacionar os autores. A Administração de Carreira vem oferecendo importante contribuição, atuando tanto na estimulação ao planejamento de carreira e ao desenvolvimento de pessoas quanto na estruturação das opções para encarreiramento oferecidas pela empresa (DUTRA, 1996, pág. 7). Para aprofundar-se mais nessa área, é importante entender um pouco da história e evolução da carreira nas organizações. 2 UM BREVE HISTÓRICO SOBRE CARREIRA A Administração de Carreira nasceu com a Escola de Administração Científica, a partir do estabelecimento de cargos ligados a postos de trabalho e dos

6 6 sistemas de diferenciação entre eles, tornando uma atividade exclusiva da empresa (DUTRA, 1996, p. 15). Na década de 60 essa relação sofre alterações, devido à expansão do mercado e a um maior estímulo às pessoas. Ainda na década de 70 surgem as primeiras preocupações dos autores segundo as reflexões sobre Carreira, mas é somente na década de 80 que nasce uma consolidação da prática de Administração de Carreira nas empresas. Antigamente as pessoas que haviam subido degrau por degrau dentro de uma empresa serviam de exemplo e inspiração aos mais jovens. Atualmente, poucos dos mais antigos servem de referência: são vistos como pessoas presas a status e ainda sugerindo aos mais jovens sacrificarem suas vidas pessoais em benefício da empresa. Não é dessa forma que jovens querem construir uma carreira, alienado da vida pessoal, sendo assim, apresentam-se mais descrentes sobre a dedicação além dos limites de conquistas pessoais e mais propensos a construir suas carreiras do seu próprio jeito (MOTTA, 2006, p. 13). Acerca do texto exposto, é importante apresentar a origem da palavra carreira, assim como os conceitos de alguns autores. 2.1 DEFINIÇÃO DE CARREIRA O Dicionário de Português define carreira como: rota, percurso, profissão, atividade. A palavra carreira provém da palavra latina estrada e significa o curso sobre o qual qualquer pessoa ou coisa passa, somente ao final do século XIX a palavra carreira passou a ter o significado de um curso da vida profissional ou

7 7 emprego, que permite uma oportunidade de progresso ou avanço no mundo. (BRIDGES, 1995 apud COELHO, 2006 p. 102). Conforme Dutra (1996, p. 17) pode-se resumir carreira como sendo uma série de estágios e transições que irão variar em função das pressões sobre o indivíduo, originadas dele próprio e do ambiente onde está inserido. Também é a relação estabelecida entre a pessoa e a empresa, englobando as perspectivas e expectativas de ambas. Para Motta, carreira significa administrar a própria vida pessoal e profissional cuidando do auto-aperfeiçoamento e dos relacionamentos profissionais. Partindo dos conceitos expostos, pode-se fazer uma relação de carreira com três compreensões fundamentais encontradas na literatura técnica contemporânea, transcritas pelo autor Thiry-Cherques (2006, p ): a) o da previsibilidade, isto é, a ideia de que o trabalhador, ao ingressar em uma carreira, conhece as condições e possibilidades do seu futuro profissional; b) o da progressão, isto é, a ideia da existência de um desenvolvimento gradual, no sentido de que o trabalhador se habilita a promoções conhecida antecipadamente; c) o da determinação, isto é, a ideia de uma estabilidade nas regras de progressão vertical. Um programa de Educação Continuada da Fundação Getúlio Vargas, chamado Publicações FGV Management, aborda o tema carreira como sendo um conceito em mutação, associado à remuneração funcional, ou seja, baseado em cargos e salários e que pode ser definida como uma sequência de funções e cargos que os indivíduos assumem ao longo de sua vida profissional (SOUZA et al, 2005, p. 53).

8 8 Em função das definições apontadas, tem-se a necessidade de expor de forma sucinta o sentimento que o trabalho causa no indivíduo. 2.2 A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO E DA CARREIRA PARA O HOMEM Há uma frase muito usada do calvinista Benjamin Franklin ( ) quando o assunto abordado é trabalho: O trabalho dignifica o homem. Partindo desse conceito, faz-se uma relação entre trabalho e carreira, pois quanto mais progressivo for o desempenho de um profissional no seu trabalho, a chance de alcançar uma carreira será maior. Talvez isso sejam ideias incorporadas ao senso comum, porém é possível mostrar um embasamento teórico através das palavras da autora Coelho (2006, p. 97): O indivíduo que procura desenvolver-se, ou melhorar suas competências, estará cada vez mais próximo do que deseja ser. É possível entender que, se o profissional não buscar seus ideais, terá uma vida pessoal e profissional limitada. 3 A VISÃO DAS ORGANIZAÇÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO DAS CARREIRAS Ao iniciar suas carreiras, as pessoas, principalmente as mais jovens, trazem uma expectativa de satisfação no trabalho e de obtenção de benefícios materiais. Mas, além desses fatores tão valorizados, os jovens querem aprender a se desenvolver (MOTTA, 2006, p. 12). Segundo o autor, cresce o número dos profissionais que adiam a sua entrada no mercado de trabalho para se prepararem melhor e se sentirem mais autoconfiantes em suas próprias capacidades, portanto mais aptos aos desafios. Esses jovens preparam-se para ser diferentes, terem sua própria carreira e não seguir os passos dos mais antigos.

9 9 É possível resumir os conceitos citados acima, como sendo necessário que o indivíduo, em primeiro lugar, defina seus objetivos e olhe para dentro de si para poder alcançar a carreira desejada. O problema está em não conciliar a preparação profissional com a entrada no mercado de trabalho, pois atualmente, as experiências profissionais são muito valorizadas, sendo estas um fator de risco para conseguir um bom emprego. Com um pensamento mais humanizado Schein (1978, apud DUTRA, 1996, p. 34) reflete sobre a carreira das pessoas, como sendo preciso entender suas necessidades e características, as quais não estão ligadas apenas à vida no trabalho, mas são frutos da interação com todas as áreas de suas vidas onde podem enfrentar múltiplas pressões e problemas. Grandes empresas valorizam as negociações internas sobre planos de carreira individuais devido à dificuldade em captar profissionais, sendo assim, há um incentivo em desenvolver o mercado interno, onde se formam seus próprios candidatos para as funções mais complexas, com isso, renova a esperança dos funcionários sobre seu progresso na carreira. Deste modo, há esforço da empresa para manter os quadros mais valiosos e, mesmo, incentivo para o desenvolvimento profissional dos funcionários (MOTTA, 2006, p. 13). A carreira é uma eterna construção que une organizações e profissionais. Quando se fala em Gestão de Carreira, é importante pensar também em um Plano de Sucessão, que se resume em verificar os possíveis substitutos para vagas futuras, sendo que o ideal é captar recursos humanos internos. Como suporte para o desenvolvimento profissional, a área de Gestão de Pessoas procura garantir o nível de informação das pessoas em relação à empresa e vice-versa, estimulando e oferecendo um apoio para que a pessoa planeje sua

10 10 carreira, permitindo à empresa decidir sobre oportunidades de carreira e sobre a escolha de pessoas, possibilitando assim, uma negociação das expectativas entre ambas. (DUTRA, 1996, p. 55). Ainda, segundo o autor, cabe ao gestor a mediação das expectativas, que se caracteriza em: recomendação de ajustes às metas e objetivos; aconselhamento aos subordinados em relação às suas carreiras, orientando o melhor caminho para conciliar os objetivos individuais com as necessidades organizacionais; suporte às ações específicas de desenvolvimento da capacidade técnica e gerencial de sua equipe e da empresa. Para isso, é necessário que o gestor também seja capacitado, por meio de treinamento e desenvolvimento e que esteja em um ambiente estimulador e seguro (DUTRA, 1996, p. 65). Através de leituras realizadas, foi possível perceber que o pensamento das organizações é de que o indivíduo se torna totalmente responsável pelo seu aperfeiçoamento constante devido à instabilidade dos empregos em função das mutações de mercado e da tecnologia. Isto se assemelha e pode ser complementado com as palavras de Lemos (2006, p. 50), a carreira passa a ser uma construção eminentemente individual, marcada por uma sucessão de escolhas autônomas do trabalhador; único responsável pelo fracasso ou sucesso desta trajetória. De acordo com Motta (2006, p. 16) ter um crescimento profissional é ganhar algo novo que pode tanto significar uma conquista como perda de tranquilidade e frustrações com sonhos anteriores. Ao tentar construir a própria carreira, muitas pessoas encontram obstáculos organizacionais através das mudanças que são necessárias, limitando assim, seus interesses individuais.

11 11 Segundo Thiry-Cherques (2006, p. 24) há três fantasmas que rondam os planos de carreira: o do trabalho virtual, o da valorização dos resultados e o da dinâmica econômica das organizações contemporâneas. Isto vem de encontro com a visão de Motta, expressa no parágrafo anterior, que relaciona a necessidade de aperfeiçoamento do profissional em função das mudanças de mercado. Ainda, é possível relacionar com Bridges (1995, apud LEMOS, 2006, p. 51) que discorre sobre as tendências que se acentuam no mundo do trabalho na década de 90 e que levarão ao declínio irreversível dos empregos: a informatização crescente do ambiente de trabalho, o avanço da tecnologia, a reengenharia. Esta ideia transmite um alerta sobre a importância da qualificação constante do profissional e como ele vai apresentar seus talentos ao mercado. Alega-se que o sistema de carreira é anacrônico, isto é, está em desacordo com o uso e costumes da época, porque conforme Cherques: trata diferentes de forma homogênea; não considera peculiaridades de áreas, de função e de tipos de decisão; encerra uma visão reducionista da realidade organizacional; e descola o foco dos objetivos para estrutura e política da organização (CHERQUES, 2006 p. 24). Essas relações estão vinculadas com a questão de que para as grandes organizações ainda não foi possível substituir o sistema de carreira pela liberdade individual do trabalho (ARTHUR; ROUSSEAU, 1996 apud CHERQUES, 2006, p. 24). O processo de gestão de carreira está se transformando e na medida em que tudo está sendo valorizado no mercado de trabalho, desde inovações até conflitos internos, amplia-se a dependência mútua entre o indivíduo e a organização (IELLATCHITCH, 2003 apud CHERQUES, 2006, p. 24). Se faz necessário ter a visão do todo, assim, as organizações devem aceitar e oferecer as condições necessárias para realização das expectativas e demandas dos empregados (CHERQUES, 2006, p. 24).

12 12 Há inúmeras organizações e dentro delas os seus setores definidos, porém em organizações muito pequenas, a possibilidade de progressão para os trabalhadores, infelizmente são inexistentes. Existem empresas que não possui meios para que o profissional cresça e se desenvolva, são funções estagnadas. Para Minarelli (1995, apud LEMOS, 2006, p. 51) a segurança do emprego do século XXI será garantida pela empregabilidade entendida como condição de dar ou conseguir emprego para os seus conhecimentos, habilidades e atitudes intencionalmente desenvolvidos por meio de educação e treinamento sintonizados com as novas necessidades do mercado de trabalho. Dessa forma o profissional deve investir na autogestão da carreira. A questão comportamental também é muito influenciada quando se fala em carreira, a qualificação real, o saber fazer, o saber comportar-se de acordo com as situações diversas, o saber mostrar adequadamente a capacidade de acionar conhecimentos e virtudes, tornou-se mais importante do que a qualificação formal (PAIVA, 1998, apud LEMOS, 2006, p. 52). Nos dias atuais, é visível que uma qualificação complementa a outra e as organizações querem profissionais comprometidos não apenas de forma objetiva, ou seja, com seu trabalho, mas também de forma subjetiva, com o todo. Diante do texto exposto, se faz necessário apresentar as Estruturas de Carreiras para um melhor entendimento no que se refere ao Plano de Carreira. 4 ESTRUTURAS DE CARREIRAS As Estruturas de Carreiras estão inteiramente vinculadas a Gestão de Carreira, pois sua função principal é organizar as expectativas que a empresa tem

13 13 em relação às pessoas que nela trabalham, traçando um possível caminho. Segundo Dutra (1996, p. 72) para que essa função e outras sejam desenvolvidas, as estruturas de carreira apresentam-se com as seguintes características: sistema de valorização ou diferenciação: utilizado para organizar as expectativas da empresa e para valorizar as diferentes naturezas dos trabalhos ou os vários níveis de capacitação; desenho de carreira: utilizado para estabelecer critérios de mobilidade e de migração. A seguir, serão apresentadas essas características de forma detalhada. 4.1 SISTEMAS DE VALORIZAÇÃO OU DIFERENCIAÇÃO Segundo Lawler (1990, apud DUTRA, 1996, p. 72) os sistemas de diferenciação podem ser centrados no trabalho executado pelas pessoas, que levam em conta apenas as características de cargos ou posições; os diferenciais pessoais não tem importância; há um alto nível de exigência para com o ocupante da posição tais como: experiência; formação; habilidades; nível de autonomia; esforço físico e mental, ou podem ser centrados nas pessoas, levando em conta suas capacidades pessoais, assim como a real qualidade da experiência e formação, não importando o trabalho que executam; ainda levam em conta as realizações pessoais, expressa por trabalhos desenvolvidos, desafios e resultados obtidos na área de atuação; maturidade pessoal, que envolve flexibilidade, comunicação, resiliência, entre outros. Partindo da realidade das organizações, constata-se que o trabalho executado por alguém é função das necessidades organizacionais e da capacidade

14 14 da pessoa, que têm característica dinâmica, pois estão em constante ajuste. Podese dizer que o conjunto de atribuições e responsabilidades é o espaço ocupacional de alguém dentro da empresa, e, sempre que as necessidades organizacionais ou a capacidade pessoal forem alteradas, o indivíduo estará alterando o seu espaço ocupacional e não o seu cargo. Quando as necessidades organizacionais não são atendidas pela pessoa, a empresa tende a procurar outro que possa atendê-la e vice-versa, pois quando uma pessoa tem sua capacidade aumentada ou quer desenvolvê-la e a empresa não dá suporte, procura uma nova ocupação no interior da empresa ou procura outra empresa para trabalhar (DUTRA, 1996, P.75). De acordo com Lawler (1990, apud DUTRA, 1996, p. 77), pesquisas realizadas revelaram que os sistemas de diferenciação centrado nas pessoas são mais utilizados para profissionais de nível superior do que para técnicos de nível médio, atendendo as necessidades de estruturas organizacionais mais complexas. Os fatores de diferenciação mais usados são: tempo de formado e tempo de experiência. Essas pesquisas são provas da importância de unir formação acadêmica com mercado de trabalho. 4.2 DESENHO DE CARREIRA O desenho de carreira e o sistema de diferenciação influenciam-se mutuamente. Assim, o desenho de carreira traduz as sequências lógicas de cargos ou de posições, quando o sistema de diferenciação está centrado no trabalho. De outro modo, quando a diferenciação está centrada na pessoa, o desenho de carreira traduz os diferentes patamares de exigências sobre as pessoas (DUTRA, 1996, p. 81). Há vários aspectos que influenciam o desenho de carreira, tais como: valores organizacionais; estratégias negociais e de gestão de pessoas; especificidade da categoria profissional abrangida pela carreira; momento histórico

15 15 vivido pela empresa; entre outros. Partindo desses aspectos, os desenhos assumem várias formas que são combinações de três tipos básicos de desenho: Estruturas em Linha; Estruturas em Rede e Estruturas Paralelas. A seguir, serão apresentadas essas estruturas de forma detalhada Estruturas de linha Segundo Dutra (1996, p. 81) esse tipo de desenho de carreira é basicamente uma linha em vertical, com característica principal de que a sequência de posições está alinhada em uma única direção, não oferecendo às pessoas alternativas. Cada degrau é caracterizado e identificado por um conjunto de responsabilidades quando o sistema de diferenciação está centrado no trabalho, ou caracterizado por diferentes qualificações da pessoa quando o sistema está centrado nas pessoas. As carreiras em linha assumem uma flexibilidade em função da maneira como os degraus e critérios de acesso são definidos. Um exemplo é levar em consideração os atributos da pessoa e o aumento das qualificações para uma promoção. Esse tipo de estrutura é o mais encontrado nas empresas por ser mais simples de administrar. Há algumas peculiaridades das estruturas em linha justamente por não oferecerem alternativas, tais como: as posições mais elevadas são gerenciais, não oferecendo opções para uma carreira técnica; são pouco adequadas a empresas que necessitam de maior mobilidade para mudança de funções internas.

16 Estruturas em rede É um tipo de estrutura que apresenta várias opções para cada posição da empresa, permitindo à pessoa estabelecer sua trajetória a partir de critérios de acesso previamente estabelecido (DUTRA, 1996, p. 83). O autor enfatiza que esta estrutura tem sido usada predominantemente com sistemas de diferenciação centrado no trabalho e de forma atrelada à estrutura organizacional, criando algumas limitações para a pessoa e para a empresa. Para as pessoas há escolhas, porém são restritas, as trajetórias profissionais também levam ao caminho da gerência. Para a empresa há pouca mobilidade para reconfigurar estruturas organizacionais, pois qualquer modificação implica alterações na carreira, há dificuldade para adequar as expectativas das pessoas às necessidades da empresa. As estruturas em rede também tornam-se mais flexíveis quanto mais abrangente forem as características que definem os degraus da carreira e os critérios de acesso Estruturas paralelas É a estrutura mais estudada pelos autores por ser mais flexível para a administração de carreira e vem ganhando grande aceitação nos países desenvolvidos por criar possibilidades de encarreiramento alternativo. Segundo Dutra (1996, p. 86) a carreira paralela pode ser definida como sendo sequência de posições que uma pessoa pode assumir no interior de uma organização, ou de natureza profissional ou de natureza gerencial, sendo que o

17 17 acesso aos maiores níveis de remuneração e de reconhecimento oferecidos pela empresa é garantido em qualquer uma das direções escolhidas. As formas mais comuns dessas carreiras são: Carreira totalmente paralela (duas linhas verticais, uma ao lado da outra), Estrutura em Y (formato de um Y) e Estrutura Múltipla (várias linhas verticais). A forma mais encontrada no Brasil e nos Estados Unidos é a Estrutura em Y, pelas seguintes características: tem uma base técnica em comum tanto para o braço técnico como para o gerencial, sendo assim, o profissional num estágio avançado pode optar pela carreira técnica ou gerencial e também proporciona legalidade àqueles que ocupam posições gerenciais, facilitando a comunicação com os profissionais técnicos. (DUTRA, 1996, p. 87). Segundo o autor a estrutura em Y para a empresa permite mais flexibilidade para compor e organizar as trajetórias profissionais, estimula a formação e manutenção de equipes multidisciplinares, pois o reconhecimento e remuneração são os mesmos, é possível manter a igualdade entre as diferentes trajetórias de carreira, de forma que as pessoas não se sintam diminuídas. Essa estrutura para a pessoa permite ampliar o leque de opções profissionais, investir com segurança em sua trajetória de carreira e ter a opção de mudar a trajetória a qualquer tempo. Para que esse tipo de estrutura de carreira seja favorável, é necessário que a empresa tenha suas políticas definidas bem como uma equipe de gestão de pessoas que saiba implantar esse sistema de forma eficaz para que aconteça de fato o que foi exposto no parágrafo anterior sobre estrutura em Y.

18 18 5 CONSIDERAÇÕES Analisando o presente estudo, foi possível perceber que os autores defendem a construção da carreira como sendo responsabilidade dos profissionais, tanto o planejamento, a administração e também a mudança de comportamento. Porém, cabe à empresa estimular e oferecer o apoio necessário para que a pessoa possa empreender seu desenvolvimento e carreira. O texto permitiu observar que há um vínculo necessário entre as organizações e seus funcionários, onde os interesses em comum são a chave para percorrer caminhos profissionais. A instabilidade dos empregos em função das mutações de mercado e da tecnologia, faz com que seja necessário o profissional se capacitar cada vez mais, ou seja, investir na autogestão da carreira, para que possa acompanhar todas essas mudanças e estar preparado para novos desafios. A estrutura de carreira de melhor administração e flexibilidade para as empresas implantarem é a Estrutura Paralela, onde há opções de encarreiramento, possibilitando escolhas profissionais, tanto para a empresa poder identificar se o profissional tem perfil para área técnica ou gerencial, quanto para o próprio funcionário que, desde quando iniciou na empresa sabe até onde poderá chegar.

19 19 REFERÊNCIAS CARLOS, Luis. A benção do trabalho. Reflexões Diárias. Disponível em: AODOTRABALHO.pdf - Acesso em: 21 out COELHO, Joyce Ajuz. Organizações e Carreiras sem Fronteiras. In: COSTA, Isabel de Sá Affonso da; BALASSIANO, Moisés. Gestão de Carreiras: Dilemas e Perspectivas. São Paulo: Atlas, Dicionário Online de Português. Disponível em: - Acesso em: 22 set DUTRA, Joel Souza. Administração de Carreiras: Uma Proposta para Repensar a Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, LEMOS, Ana Heloisa da Costa. Empregabilidade e Individualismo da Conquista do Emprego. In: COSTA, Isabel de Sá Affonso da; BALASSIANO, Moisés. Gestão de Carreiras: Dilemas e Perspectivas. São Paulo: Atlas, MOTTA, Paulo Roberto. Reflexões sobre a Customização das Carreias Gerenciais: a individualidade e a competitividade contemporâneas. In: COSTA, Isabel de Sá Affonso da; BALASSIANO, Moisés. Gestão de Carreiras: Dilemas e Perspectivas. São Paulo: Atlas, SOUZA, Maria Zélia de Almeida et al. Cargos, Carreiras e Remuneração. Rio de Janeiro: Editora FGV, THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Individualismo e Carreira: o duplo constrangimento. In: COSTA, Isabel de Sá Affonso da; BALASSIANO, Moisés. Gestão de Carreiras: Dilemas e Perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975.

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975. Desenvolvimento Ocupacional 25/04/2011 ARAUJO, L; CALVOSA, M. Relações de Trabalho: Planejamento e Novas Oportunidades de Carreira para o Trabalhador. In: Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO Curitiba 2012 CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Desafios da Gestão de Carreira para. Prof. Joel Dutra

Desafios da Gestão de Carreira para. Prof. Joel Dutra Desafios da Gestão de Carreira para esta DécadaD Prof. Joel Dutra Currículo Prof. Dr. Joel Souza Dutra Diretor Geral do Departamento de Recursos Humanos da Universidade São Paulo USP. Professor-Livre Docente

Leia mais

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Carreira: É uma sucessão de cargos ocupados por uma pessoa ao longo de sua vida profissional. Este desenvolvimento é alcançado

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

CARREIRA: PANORAMA DE ARTIGOS DA ENANPAD SOBRE O TEMA

CARREIRA: PANORAMA DE ARTIGOS DA ENANPAD SOBRE O TEMA CARREIRA: PANORAMA DE ARTIGOS DA ENANPAD SOBRE O TEMA Rafael Barreiro Takei 1, Adriana Leonidas de Oliveira 2, Nancy Julieta Inocente 3 1 Universidade de Taubaté/ Programa de Pós-graduação em Administração.PPGA.

Leia mais

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público 2o. Congresso de Gestão do Ministério Público Gestão de Pessoas por Competências Prof. Joel Dutra Currículo Prof. Dr. Joel Souza Dutra Diretor Geral do Departamento de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH. Gestão de carreiras. Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH. Gestão de carreiras. Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH Gestão de carreiras Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br Trabalho Prazer Paixão Escolha um emprego que lhe dê prazer, e nunca mais terá que trabalhar em

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO E PLANO DE CARREIRAS, FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO DO COLABORADOR E CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO

ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO E PLANO DE CARREIRAS, FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO DO COLABORADOR E CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO E PLANO DE CARREIRAS, FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO DO COLABORADOR E CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO Dayane Cristina de Queiroz 1 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo

Leia mais

A gestão de carreira como ferramenta para o desenvolvimento organizacional

A gestão de carreira como ferramenta para o desenvolvimento organizacional 451 A gestão de carreira como ferramenta para o desenvolvimento organizacional (Management career as a tool for organizational development) Flávia Aparecida Factore Trambaioli¹, Renata Dellalibera-Joviliano²

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 23 e 24 de Novembro. LOCAL: Brasília, DF

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 23 e 24 de Novembro. LOCAL: Brasília, DF 23 e 24 de Novembro LOCAL: Brasília, DF SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA.

SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. 1 SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA. PAPEL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril 13 e 14 Abril LOCAL: Rio de Janeiro - RJ SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas Evento direcionado para a área de Gestão de Pessoas

Leia mais

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho:

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: ASSUNTO em pauta Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: comunicação entre jovem e empresa Velychko 30 REVISTA DA ESPM maio/junho de 2011 O jovem quer seu espaço no mercado de trabalho.

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL APOSTILA DE DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL... 3 2. GRUPO E EQUIPE... 4 3. COMPETÊNCIA INTERPESSOAL... 4 4. COMO DESENVOLVER COMPETÊNCIA INTERPESSOAL... 5 5. INTELIGÊNCIA

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Prof. Dr. Joel Souza Dutra INPE 18 de julho de 2006

Prof. Dr. Joel Souza Dutra INPE 18 de julho de 2006 Prof. Dr. Joel Souza Dutra INPE 18 de julho de 2006 Rupturas na Gestão de Pessoas MODELO DE GESTÃO PRESSÕES DO AMBIENTE EXTERNO PRESSÕES DO AMBIENTE INTERNO RESPOSTAS EXIGIDAS DO NOVO MODELO RELAÇÕES DE

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo Modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 17 e 18. Setembro.

SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo Modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. 17 e 18. Setembro. 17 e 18 Setembro LOCAL: Maceió, AL SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo Modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA Evento Direcionado

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

O DESAFIO DE ABRIR E MANTER UMA EMPRESA EM OPERAÇÃO NO ATUAL CONTEXTO SOCIOECONÔMICO

O DESAFIO DE ABRIR E MANTER UMA EMPRESA EM OPERAÇÃO NO ATUAL CONTEXTO SOCIOECONÔMICO O DESAFIO DE ABRIR E MANTER UMA EMPRESA EM OPERAÇÃO NO ATUAL CONTEXTO SOCIOECONÔMICO CARLONI, Carolina. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais MICHEL, Murillo Docente de Administração

Leia mais

O DESAFIO DA CARREIRA EM Y NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: UMA PROPOSTA PARA O SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE EM MG

O DESAFIO DA CARREIRA EM Y NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: UMA PROPOSTA PARA O SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE EM MG Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 O DESAFIO DA CARREIRA EM Y NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: UMA PROPOSTA PARA O SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE EM MG Ana Cleide

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1 OLIVEIRA, Bruna B. 2 ; CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, Juliana F.²; DAOU, Marcos 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga graduada,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

PLANO DE CARREIRA OU CARREIRA DOCENTE: PERCEPÇÕES DOS DOCENTES DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL

PLANO DE CARREIRA OU CARREIRA DOCENTE: PERCEPÇÕES DOS DOCENTES DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL PLANO DE CARREIRA OU CARREIRA DOCENTE: PERCEPÇÕES DOS DOCENTES DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL Alini Soares (UFGD) alinidos@hotmail.com Erlaine Binotto (UFGD) e-binotto@uol.com.br Maria Aparecida Farias de

Leia mais

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano Mercer College Brasil 2014 Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Desafios no Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Julho 2015 Apoio: O termo crise de liderança é cada vez mais usado em diversos setores sociais: políticos, executivos e até

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais.

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais. sustentabilidade Qualidade em serviços/aprendizagem e desenvolvimento O desenvolvimento profissional é essencial para mantermos a qualidade de nossos serviços, assegurarmos o crescimento da Organização

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES

A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES Introdução Autor(a): Ana Carolina Marinho Ferreira Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: kcaroll25@yahoo.com.br Indubitavelmente,

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO Alberto Luiz Albertin Professor do Departamento de Informática e de Métodos Quantitativos Aplicados à Administração da EAESP/FGV, Coordenador

Leia mais

Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais. Autoria: Alexandra Silveira Mastella

Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais. Autoria: Alexandra Silveira Mastella Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais Autoria: Alexandra Silveira Mastella Resumo Diante do atual cenário competitivo, questões relacionadas ao gerenciamento

Leia mais

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Mercer College, Programa de Desenvolvimento

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 Adriane Lasta Alexandra da Silva 2 1 Considerações Iniciais A área secretarial está conhecendo um novo profissional, o secretário gestor, que é capaz de

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP Fábio S. Dragone fsdragone@hotmail.com Juliana A. Banik jubanik@yahoo.com.br Rodrigo X. Franco roxf@bol.com.br Fernando

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ALUNO: JEAN FRANCISCO CEOLIN RA: 2035050/5

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ALUNO: JEAN FRANCISCO CEOLIN RA: 2035050/5 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ÁREA: GESTÃO DE PESSOAS ALUNO: JEAN FRANCISCO CEOLIN RA: 2035050/5 PLANEJAMENTO DE CARREIRA: AS VARIÁVEIS QUE INFLUENCIAM

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO: TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DE CARREIRAS

PLANO DE AULAS CURSO: TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DE CARREIRAS 1 CURSO: TECNOLOGIA EM GESTÃO DE HUMANOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DE CARREIRAS Matriz Curricular 20111 Carga Horária 80 HORAS EMENTA A importância do planejamento estratégico de carreira e sucessão,

Leia mais

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO)

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) Walter Sigollo (1) Administrador de Empresas com Especialização em Recursos Humanos (FGV / USP). FOTO Superintendente de Recursos Humanos

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

A gestão de pessoas como estratégia organizacional. Resumo

A gestão de pessoas como estratégia organizacional. Resumo A gestão de pessoas como estratégia organizacional Profa. Mariana Pessoas Mascarenhas Natália Luize Pereira da Conceição Patrícia da Cunha Oliveira Faria Raquel Aparecida Silva Resende Roberta Ferreira

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas FATOR HUMANO A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas empresas brasileiras revela uma heterogeneidade de conceitos e práticas. Essa heterogeneidade ocorre porque a área

Leia mais

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Agenda Análise de contexto Conceitos básicos Papel da Pessoa na Gestão da Carreira Análise de Contexto Mudança de Referências

Leia mais