IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto Alegre, RS, Brasil Resumo: Uma grande dificuldade no desenvolvimento de projetos é a diferença entre a especificação e o desenvolvimento da aplicação. Ou o projeto é executado pensando na solução e não no problema, ou a especificação não é consistente. Este trabalho apresenta uma implementação que se desenvolve com foco na especificação, desde sua modelagem até sua aplicação. Os modelos partem de uma especificação, modelagem e implementação seguindo a norma IEC Palavra-chave sistemas de automação, CLP, SA-RT, programação, sistemas supervisórios 1 Introdução Este trabalho se propõe a implementar uma aplicação desde sua especificação até sua implementação, buscando uma metodologia de projetos que facilite o entendimento das etapas. O projeto começa com a especificação do problema e um método para descrever tal especificação. Na sequência o problema é descrito na forma de modelagem UML 1, onde os diagramas de caso de uso, classe e sequência apontam os elementos e suas relações destro da aplicação. Na implementação, a tecnologia proposta é utilizar linguagem de programação descrita na IEC61131, considerando que o dispositivo de gerenciamento será um controlador lógico programável CLP 2. Neste ponto o programa tem suas lógicas simuladas em aplicativo ISAGRAF, que edita e simula programas nas linguagens descritas na norma. Para testar o programa o trabalho se encerra com a edição de um sistema supervisório que simule o ambiente da planta especificada. 2 Especificação Diagrama de Contexto O projeto começa com a especificação do problema. Normalmente esta é uma etapa complexa, uma vez que o cliente geralmente possui dúvidas em expressar sua necessidade. Ele nem sempre sabe o que realmente quer. E também surgem problemas quanto a delimitação da especificação, ou seja, o cliente quer mais do que especificou inicialmente. Por isto, descrever a necessidade do cliente na forma textual ajuda para delimitar o problema, mas não ajuda para visualizar as consistências do que é especificado. O ideal é que o cliente fornecesse croquis, animações e descrições detalhadas, como o desenho da aplicação proposta a seguir. 1 UML - Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem Unificada, é uma linguagem visual utilizada para modelar sistemas computacionais por meio do paradigma de Orientação a Objetos. 2 CLP Controlador Lógico Programável, dispositivo que gerencia dispositivos de automação (sensores, atuadores, displays,...), relacionando entradas e saídas por meio de uma linguagem de programação.

2 Figura 1: Desenho da aplicação Mas mesmo um desenho detalhado não contempla detalhes da aplicação, como: velocidade da esteira, forma de interação com operador e até mesmo se o transporte será por esteira. A descrição por um diagrama de contexto se propõe a especificar um problema numa linguagem normalizada, clara e que apresente a forma relacional com que os requisitos do projeto se apresentam. A figura 2 mostra o diagrama de contexto do projeto no nível 1. Terminal de Operação Entrada Peça Extrai Indicação Peça L/D sistema Peça na entrada Extrai fim extração sistema L/D Extrai Extrai fim extrai sistema seleção de s Transporte Medição Medir Peça Altura da Transporte L/D Saída Saída pos. medir Peça pos. Figura 2: Diagrama de contexto, 1º Nível Caixa Caixa Peça pos. Nesta figura há a descrição dos elementos terminadores, que gerenciam, sensoram ou atuam no sistema. A simbologia dos elementos é descrita a seguir: Peça na entrada pos. medir Peça pos. Peça pos. Transporte L/D L/D sistema sistema L/D transporte 1 Altura da Medir Peça A Fim transporte Medição da A 3 resp. Comando resp. sequenciador 2 Indicação Peça Extração de Peça Alta Figura 4: Diagrama de contexto, 2º Nível Figura 5: Script de gerenciamento Com a utilização destes diagramas a aplicação torna-se mais clara em termos de especificação. O software utilizado para estas edições foi o Select Yourdon Education Version. A Fim extração 4 A Fim ext. Comando Extração de Peça Baixa 5 Extrai fim extração Saída Saída Extrai = L\D sistema = on ativa Transporte Peça aguarda sinal Fim transporte ativa Medição Peça aguarda sinal -- resp. ou -- resp. Se -- resp. = on ativa Extração aguarda sinal -- Fim ext. Se -- resp. = on ativa Extração aguarda sinal -- Fim extração fim extrai 3 Modelagem - Diagrama de Caso de Uso Utilizando o diagrama de caso de uso temos a possibilidade de visualizar os elementos de comando, sensoriamento e atuação, agora chamados de atores e seus relacionamentos casos. Figura 3: simbologia do diagrama de contexto Este diagrama é definido em vários níveis de gerenciamento. A figura 4 mostra o diagrama do segundo nível e a figura 5 apresenta o script de uma sequência de gerenciamento. O modelo de modelagem do projeto por diagrama de caso de uso é apresentado na figura 6.

3 Já o diagrama de sequência descreve a interação dos eventos no contexto temporal, onde as descrições de eventos concorrentes tornam-se claros. Figura 6: Diagrama de Caso de Uso Nota-se claramente os elementos de entrada e saída de sinais da planta, bem como as ações desejadas entre os relacionamento destes elementos. Este diagrama é concebido a partir do diagrama de contexto, seguindo as especificações. 4 Modelagem - Diagrama de Classes O diagrama de classe possibilita entender melhor o comportamento de cada elemento da aplicação. Também temos o relacionamento entre eles. O diagrama de classe é apresentado na figura 7. Figura 7: Diagrama de Classe. As classes apontam os evento que realizam, com a possibilidade de replicar uma classe, mudando apenas sua instância. 5 Modelagem Diagrama de Sequência Figura 8: Diagrama de Sequência. 6 Implementação utilizando IEC61131 Uma vez determinado a modelagem, vem a etapa da programação do dispositivo de gerenciamento. Para esta aplicação fora escolhido um gerenciamento por Controlador Lógico Programável CLP. Para programar um CLP temos que seguir a norma IEC61131, que descreve linguagens aplicáveis à programação destes dispositivos. Diagrama de Ladder (LD); Diagrama de Blocos de Funções (FBD); Texto Estruturado (ST); Lista de Instruções (IL); Diagrama de Funções Seqüenciais (SFC). Cada uma destas linguagens possui características peculiares que levam a aplicações específicas. Uma linguagem de programação pode ser mais fácil de utilizar em uma aplicação e mais difícil em outra, e assim vale para todas elas. Esta aplicação foi programada em linguagem SFC através do software ISAGRAF, como pode ser visto na figura 9. Este tipo de linguagem possui a facilidade de expressar eventos sequenciais a partir de um

4 diagrama de estados, onde um estado representa uma ação a ser realizada e uma transição representa uma condição para que o próximo estado seja atingido. O correto seria o teste do programa na planta real, mas neste caso surge outro problema: executar um programa para teste numa planta real é um risco, em função de que não há uma garantia de que o programa irá funcionar e uma ação indevida do programa poderá danificar componentes do sistema de automação. 7 Sistema Supervisório Uma solução para testar o programa sem provocar erros de simulação da planta e sem danificar componentes é uma simulação da planta através de software supervisório 3. Inicialmente fora editado as características da planta num módulo do software ISAGRAF, que foi configurado para receber e emitir sinais ao controlador lógico programável através de variáveis comuns ao sistema. O comportamento da planta em função dos sinais é programado e simulado na tela do sistema supervisório. A figura 11 mostra a planta editada no software ISAGRAF. Figura 10: Diagrama SFC da aplicação. Durante a simulação os estados são plotados, indicando sua execução. A facilidade em acompanhar o fluxo é o ponto fundamental desta linguagem, porém, atividades concorrente são mais difíceis de serem descritas. Em tempo de execução é possível, através dos estados, simular a operação do sistema de automação proposto. Porém, a uma necessidade de entender muito bem o funcionamento da planta para poder simular coerentemente os sinais do programa. Nesta etapa é bastante comum os erros de simulação da planta, o que a priori remete a erro na programação, ao passo que é apenas um evento que está sendo simulado erroneamente. Figura 11: Planta editada no software ISAGRAF Cada elemento possui a propriedade de assumir desenhos distintos em função do valor de uma variável. Cada desenho é um arquivo.ico, ou seja, um desenho do tipo ícone. 3 Os sistemas supervisórios permitem que sejam monitoradas e rastreadas informações de um processo produtivo ou instalação física.

5 Tomando como exemplo a primeira que entra na esteira, ela possui uma variável que se assumir o valor 1, apresenta o arquivo com desenho da verde, se esta variável assumir o valor 2, o desenho carregado é o da amarela. Já o valor da variável igual a 0 implica em não carregar desenho algum, simulando a ausência de naquela posição. Cada elemento fora editado no software ICOFX, que gera arquivos.ico. A figura 12 mostra a aplicação em tempo de simulação. Para melhorar a apresentação da planta no sistema supervisório, a planta da aplicação foi editada no software Elipse. Neste software a interligação dos sinais, supervisório e CLP, ocorrem pelo compartilhamento de variáveis. Porém, os componentes da planta são editados como figuras bitmap e possuem características de posicionamento na tela sob forma de coordenadas. Assim, para deslocar a na tela basta alterar as coordenadas de posicionamento do elemento, ao passo que no software ISAGRAF era necessário e edição de dois componentes e para simular o movimento retirava-se o desenho de um e acrescentava o desenho em outro componente. A figura 13 mostra a planta editada e simulada no software Elipse. Figura 13: Sistema supervisório Elipse Figura 12: Sistema supervisório do ISAGRAF A planta alimenta a esteira com uma, cuja tamanho (amarela ou verde) é definido aleatoriamente. Este aplicativo funciona bem, porém o fato de ter que gera cada elemento e configurá-lo torna a aplicação trabalhosa. Em contra partida, os teste do programa são realizados de forma visual, sem a possibilidade de erros de simulação da planta. Nesta simulação da planta fora abordado dois conceitos: Sistema supervisório recebendo sinais, simulando o comportamento da planta e retornando sinais de estado; Sistema supervisório gerenciando o sistema. No primeiro caso o sistema supervisório gerado apenas responde aos sinais de entrada com simulações da planta e envia sinais de retorno apontando o estado dos sensores. Para simular a operação do CLP foi utilizado uma planilha Excel, onde as células da planilha são interpretadas como variávies do sistema.

6 A figura 14 mostra a planilha Excel que gerencia as ações do sistema de automação, sendo estas exibidas no sistema supervisórios, figura 13. Figura 15: Sistema supervisório com gerenciamento dos sinais de entrada e saída. Há também uma tela de relatório para exibir status de contagem das s. Figura 14: Planilha Excel que gerencia o sistema Para entendimento, o conteúdo da célula A8 corresponde ao estado da ESTEIRA. E isto vale para os demais atuadores, sensores, botão e contadores de s. Note que a simulação é estática, apenas responde a estímulos gerenciado através dos dados alterados na planilha Excel. Já o segundo caso elencado utiliza o conceito de que o sistema supervisório gerencia o dispositivos através da troca de informações entre seus elementos. Não é uma aplicação coerente com um sistema real, mas mostra o comportamento desejado. É importante para entender o funcionamento do sistema. A figura 15 mostra a tela de simulação da planta pelo software Elipse, com gerenciamento próprio. Figura 16: Tela de relatório do sistema 8 Conclusões Uma aplicação em que a especificação está bem descrita e numa linguagem de fácil interpretação facilita as etapas do desenvolvimento do projeto. Mas o melhor seria se a partir da especificação descrita pudessem serem gerados os demais diagramas automaticamente. Isto reduziria em muito o tempo e custo de desenvolvimento de sistemas automatizados. A escolha da linguagem de programação adequada é baseada em experiências anteriores. Não há uma linguagem mais adequada, mas há uma linguagem que melhor se aplica a cada aplicação. A edição de sistemas supervisório permitem que a planta seja simulada sem a necessidade o risco de danificação de componentes, além da redução do tempo de elaboração do programa. A edição de sistema supervisório no software Elipse é bem mais amigável que no software ISAGRAF, porém, a o software Elipse

7 necessida do drive do CLP para correta simulação. Referencial de pesquisa Aula sistemas supervisórios tilas/aula10.pdf <Acesso em 13/05/2010> Aulas da disciplina de Sistemas de Automação ensino.ece.ufrgs.br/moodle/course/index.php <Acesso em 13/05/2010> Apostila sistema supervisório SCADA visorio_scada.pdf <Acesso em 15/05/2010> Livro sobre UML o pdf <Acesso em 16/05/2010>

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO NÍVEL DE CONTROLE EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ÊNFASE AOS ASPECTOS DE SOFTWARES DOS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS CLP s

OTIMIZAÇÃO DO NÍVEL DE CONTROLE EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL COM ÊNFASE AOS ASPECTOS DE SOFTWARES DOS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS CLP s MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Treinamento ACE Schmersal Boituva - SP Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Produtos Schmersal Controladores e Inversores Princípio de Funcionamento de um Controlador Programavél

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS Data: / / Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS 1) Faça um diagrama do contador CTD contemplando todos os pinos de forma que fique demonstrado o comportamento do pino Q. 2) Das características mais

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia Carlos Rafael Guerber Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia MAFRA 2009 Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia RESUMO Criar uma modelagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL

FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO INDUSTRIAL Calos E. Pereira cpereira@delet.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica Osvaldo Aranha

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. 2. Tipo Estudo de Caso X Situação Problema Pesquisa Projeto

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. 2. Tipo Estudo de Caso X Situação Problema Pesquisa Projeto PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta.

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta. CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Podemos definir UML

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Introdução a UML. Introdução a UML (Unified Modeling Language)

Introdução a UML. Introdução a UML (Unified Modeling Language) Introdução a UML (Unified Modeling Language) Régis Patrick Silva Simão Régis Simão 1/33 Agenda Introdução Histórico Por que UNIFICADA? Esquema de Visões 4+1 Modelos e Diagramas Modelagem Ágil Régis Simão

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. O que é modelagem. O que é modelagem. Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML. Ferramenta: Rational Rose.

Análise e Projeto de Sistemas. O que é modelagem. O que é modelagem. Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML. Ferramenta: Rational Rose. Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável Luiz Carlos Farkas (LCF) Eduardo Calsan (EDC) Aula no. 05 CPU e Ciclo de Varredura CPU e Ciclo de Varredura - CPU - gerenciamento e processamento das informações do sistema.

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM. Curso de Formação Inicial e Continuada. EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0

SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM. Curso de Formação Inicial e Continuada. EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0 SUGESTÃO DE PLANO DE APRENDIZAGEM Curso de Formação Inicial e Continuada EXCEL 2010 Avançado SAC 9411362-0 Área: Tecnologia da Informação Subárea: Aplicativos Duração: 39 horas Gerência de Desenvolvimento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004]

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004] Requisitos Objetivos ou restrições estabelecidas por clientes e usuários do sistema que definem as diversas propriedades do sistema Condição ou capacidade necessária que o software deve possuir para que

Leia mais

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Projeto REUNI 2010 SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 4º/3º Períodos 2010/2 PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA Projeto e implementação

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas):

DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas): INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM 3 2009 DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas): 1 Partes para fixação retráteis 2 Terminais da alimentação

Leia mais

Orientação a Objetos I

Orientação a Objetos I Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Orientação a Objetos I UML: Introdução e Casos de Uso

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional.

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS Faculdades Integradas do Brasil www.unibrasil.com.br 1 Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 ÁREA DE ACESSO PÚBLICO...4 2.1 VISUALIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO POR

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Uso da linguagem de especificação SDL como alternativa ao diagrama de estados proposto pela linguagem UML

Uso da linguagem de especificação SDL como alternativa ao diagrama de estados proposto pela linguagem UML Uso da linguagem de especificação SDL como alternativa ao diagrama de estados proposto pela linguagem UML Carla Geovana Macário Marcos Chaim carla@cnptia.embrapa.br, chaim@cnptia.embrapa.br Novembro -

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 134.14

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 134.14 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 134.14 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 134.14 sob contratação em regime

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br BANCO DE DADOS I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br Tópicos Conceitos preliminares Definição de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Níveis de Abstração de dados CONCEITOS

Leia mais

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo Versão 6.04.00 Setembro/2013 Manual de Processos Módulo Protocolo 1 1 2 2 Sumário Sumário... 3 Introdução ao Manual de Processos... 4 Conceituado os Processos de Negócio... 5 Estrutura do Manual de Processos...

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração.

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração. Gestão de projetos técnicos de baixa complexidade: a relação entre projeto, gestão e desenvolvimento do site SETIS Bruno Bergmann bernemano@gmail.com Felipe Valtl de Mello valtlfelipe@gmail.com Gabriel

Leia mais

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com MODELOS DE PROCESSO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar os modelos de processos de desenvolvimento de software Permitir uma melhor compreensão do processo de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P )

PROVA DISCURSIVA (P ) PROVA DISCURSIVA (P ) 2 Nesta prova que vale dez pontos, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as folhas de TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Captura de Processos Programa Captura. Programa Captura Orientações

Captura de Processos Programa Captura. Programa Captura Orientações Programa Captura Orientações Elaborado por: Julio Cesar Cavalheiro PÁG. 1/10 Índice 1. Objetivo... 3 2. Parametrização... 3 3. Andamentos Capturados... 6 4. Tela de Leitura e Status da Captura... 8 5.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

S&M - SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

S&M - SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO 1. ESCOPO Fornecimento de treinamento técnico em programação de CLP SIEMENS. Este curso é voltado para capacitar os participantes que lidam com os comandos e recursos dos Controladores Lógicos Programáveis

Leia mais

A01 Controle Linguagens: IL e LD

A01 Controle Linguagens: IL e LD A01 Controle Linguagens: IL e LD Prof. Dr. Diolino J santos Filho Modelo Estrutural Interação entre os dispositivos A partir de agora adotaremos como modelo estrutural padrão o diagrama a seguir. Dispositivo

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios Introdução à Engenharia de Software Profª Jocelma Rios Jun/2013 O que pretendemos Apresentar os conceitos básicos de engenharia de software e as disciplinas que a compõem Apresentar as questões mais relevantes

Leia mais

Programação Aplicada de Computadores 2015/2

Programação Aplicada de Computadores 2015/2 Programação Aplicada de Computadores 2015/2 Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES José Alberto Naves Cocota Júnior cocota@em.ufop.br Ludmila Paola Pereira Iwasaki ludmilavpl@hotmail.com Pedro Henrique Lopes Faria lopesfaria@hotmail.com

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO 1. INSTALAÇÃO: Antes de iniciar a instalação do pedido eletrônico, entre em contato com o suporte da distribuidora e solicite a criação do código de

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Novatec Editora Capítulo 1 Introdução No primeiro capítulo é feita uma introdução geral sobre controladores digitais baseados em microprocessador

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM FRAMEWORK PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB

CONSTRUÇÃO DE UM FRAMEWORK PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSTRUÇÃO DE UM FRAMEWORK PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB Lincoln Fernandes Paulino

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

WEBGIS Sistema Informativo Territorial

WEBGIS Sistema Informativo Territorial PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA WEBGIS Sistema Informativo Territorial MANUAL DE UTILIZAÇÃO Autor: Rony Camargo de Brito Primeira edição: 20-06-2008 Atualizado: 08-10-2008 Todos os Direitos Reservados

Leia mais

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books Ricardo Pereira e Silva UML 2 Modelagem Orientada a Objetos Visual Books Sumário Parte I - Modelagem em Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos...15 1 Modelagem em Desenvolvimento de Software...17

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML Fábio Junior Alves Ernani Vinícius Damasceno Leandro Pinheiro Bevenuto RESUMO Um dos benefícios oferecidos pelas ferramentas

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais