O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011"

Transcrição

1 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011

2 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos eletro-eletrônicos podese utilizar computadores ou outros dispositivos lógicos (como controladores lógicos programáveis ou CNC's), substituindo, muitas vezes, tarefas humanas ou realizando outras que o ser humano não consegue realizar. Fonte: Wikipédia 2

3 Objetivos: Engenharia de automação visa otimizar um processo de negócio, aumentando sua produtividade, promovendo a valorização da força de trabalho humano, e assegurando uma operação ambientalmente segura A automação tem por foco o processo, os ativos de produção e os especialistas envolvidos nas atividades de operação e gerenciamento do negócio A automação restitui ao homem sua condição de ser pensante no processo industrial 3

4 Objetivos: Realiza tarefas repetitivas Deixa para o homem, fazer no máximo intervenções sob demanda, análise e tomada de decisões 4

5 Antes da automação 5

6 Automação Rudimentar 6

7 Automação Hoje ERP: Enterprise Resource Planning MES: Manufactoring Execution System 7

8 Elementos da Automação CLP / PLC IHM / HMI Supervisório Sensores Inversores de Frequência / Softstart Atuadores Motores Redes Industriais 8

9 Elementos da Automação: CLP / PLC Cérebro do equipamento Totalmente adaptável Linguagens de programação específicas para cada aplicação Portas de comunicação Expansão de I/O 9

10 Elementos da Automação: IHM / HMI Interface entre o operador e a máquina Vários modelos Linguagem de programação orientada a objetos Utilização de receitas 10

11 Elementos da Automação: Supervisório Ferramenta de Configurador e Runtime Históricos de dados e gerenciamento; Gerenciamento de Alarmes; Configuração Online; Visualização de Processos; Suporte a OLE for Process Control (OPC); Suporte a ActiveX Control; Gráficos Orientados a Objetos; Tag Editor; Relatórios (Run-Time incluso); Suporte a ODBC (Alarmes e Tags); Módulo para Gerenciamento de Receitas; Acesso a Banco de Dados via ODBC; 11

12 Elementos da Automação: Sensores Meio de interpretação do mundo real para o CLP; Tipos: Capacitivo; Indutivo; Magnético; Resistivo; Fotoelétrico; Laser; Ultra-sônico; Fluxo; Nível; Pressão; Temperatura; Instrum. Analítica; 12

13 Elementos da Automação: Inversor Drive para controle de velocidade ou torque do motor Precisão para controle de posicionamento Economia de energia 13

14 Elementos da Automação: Redes Industriais Interligação para troca dados entre equipamentos e sistemas, determinado por cada protocolo; Exemplos: Profibus DP / PA / FMS Ethernet Profinet CAN-Bus Fieldbus Foundation DH+ ControlNet DeviceNet HART ASI Modbus 14

15 Quando Automatizar: Automação de máquinas novas, que o cliente pretenda construir ou já esteja em fase de construção mecânica; Acionamentos rotativos que exijam precisão (ex.motores de passo) podem ser substituídos por novos acionamentos garantindo a mesma performance, porém mais simples e modernos (ex. servomotores); Máquinas antigas com nenhum ou quase nenhum controle elétrico / eletrônico; Automação de subestação de energia para controle de demanda, ou apenas registro do consumo de energia elétrica pela fábrica; 15

16 Quando Automatizar: Máquinas de uma linha de produção que possuam controle independente, mas funcionem em conjunto, podem ser automatizadas como um único equipamento, melhorando a integração entre elas; Automação de máquinas para o cumprimento de leis por parte do cliente, como: Registro do monitoramento do processo em papel e/ou arquivo; Tratamento de efluentes; Manutenção da especificação do produto final; Garantia do peso da embalagem do produto final. 16

17 Quando Automatizar: Máquinas já automatizadas, que necessitem de melhorias no controle ou de um nível maior de automação, porém o cliente não tem pleno conhecimento técnico, sendo estas sugestões apontadas pela consultoria ou por melhorias apontadas pelo cliente; Otimização de tempos relacionados a sistemas de pesagens, dosagens, etc; Acionamentos antigos de motores elétricos podem ser substituídos, após avaliação, por novos acionamentos gerando melhor controle / precisão, assim como, economia de energia para o cliente. 17

18 Vantagens Manutenção da qualidade Controle total da produção, facilitando o gerenciamento de matéria-prima e produto Ganho de produtividade por redução de produtos finais fora de especificação Ganho de produtividade por aumento da velocidade de produção Segurança automação de processos insalubres para o homem (industria química, metalurgia, etc.) 18

19 Desvantagens Desemprego Necessidade de mão de obra especializada para a manutenção Tornar-se refém de integradoras 19

20 Desafios da Automação Custo x Benefício Padronização: Hardware Redes Programação Área transversal Vídeo 20

21 Exemplo Simulador de Movimentos 21

22 Exemplo Simulador de Movimentos Funções operacionais desejadas: - Sobreposição de movimentos em 6 eixos - Controle manual através de 2 joysticks de 3 eixos cada - Receita de movimentos - Função Learning 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 Pare para pensar... Sua empresa tem perda de produção? Sua planta industrial possui muita parada não programada? De que tipo? O seu processo produtivo mantém a qualidade especificada do produto? Gostaria de mantê-la ou de melhorá-la em quase 100% das peças produzidas? Você gostaria de ter um aumento de produção, mantendo ou reduzindo o custo associado? Sua empresa possui um fornecedor que desenvolva projetos de automação e mecânica integrados? Vídeos 28

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Objetivos da Aula Discutir as vantagens da automação. Entender o que é o comando numérico computadorizado (CNC) Compreender a necessidade

Leia mais

70 Por Weruska Goeking

70 Por Weruska Goeking 70 Por Weruska Goeking O Setor Elétrico / Maio de 2010 istockphoto/senorcampesino Da máquina a vapor aos softwares de automação Entenda de que forma a automação foi incluída como parte fundamental dos

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Automação Industrial AULA 13/08/2013. A pirâmide de automação OBJETIVO:

Automação Industrial AULA 13/08/2013. A pirâmide de automação OBJETIVO: AULA 13/08/2013 OBJETIVO: A pirâmide de automação A pirâmide de automação Fonte: www.smar.com A pirâmide de automação Enterprise Resource Planning http://www.administradores.com.br/mobile/artigos /marketing/erp-uma-tecnologia-para-gestao-ouautomacao/13985/

Leia mais

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características Ana Clara Ratunde, Matheus Costa Santos e Yago Oliveira Cruz Resumo As diferenças que existem entre os padrões dos protocolos de comunicação sempre impediram

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL.

APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL. APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL. OTÁVIO R. R. OLIVEIRA otaviov8@gmail.com Centro Universitário de Araraquara

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida 2. OS NÍVEIS DA AUTOMAÇÃO 2.1. A PIRÂMIDE DA AUTOMAÇÃO Nível 5: Gerenciamento Corporativo Mainframe máquinas diretamente responsáveis pela produção. É composto principalmente por relés, sensores digitais

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Evolução de Protocolos de Comunicação

Evolução de Protocolos de Comunicação Evolução de Protocolos de Comunicação Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de protocolos de comunicação: Protocolos proprietários

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil DESENVOLVIMENTO DE UM PROCESSO PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Os Servoacionamentos WEG são utilizados nas mais diversas aplicações industriais, onde, elevada dinâmica, controle de torque, precisão de velocidade e posicionamento

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Controladores Lógicos Programáveis Parte 1 1. Introdução O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente CLP, tem revolucionado os comandos

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

As melhores soluções para sua Automação. Inversores de Freqüência Soft-Starters Servoacionamentos Controladores Programáveis

As melhores soluções para sua Automação. Inversores de Freqüência Soft-Starters Servoacionamentos Controladores Programáveis As melhores soluções para sua Automação Inversores de Freqüência Soft-Starters Servoacionamentos Controladores Programáveis Disponíveis em nosso site www.weg.com.br Softwares WEG Automação Alguns dos softwares

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia AUTOMAÇÃO CODICRED 44637-04 PROGRAMA DE DISCIPLINA 01 SÍNTESE DISCIPLINA: CURSO (S): Engenharia

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF 1 Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE PROCESSOS Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Sumário Introdução Evolução do Controle de Processo

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL 1 DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL Carlos Henrique Gonçalves Campbell Camila Lobo Coutinho Jediael Pinto Júnior Associação Educacional Dom Bosco 1. Objetivo do Trabalho Desenvolvimento

Leia mais

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Christian Marcatto Fabio Elias Fluxograma geral do processo produtivo

Leia mais

Proposta de Controle via PLC para Multiprocessos Industriais

Proposta de Controle via PLC para Multiprocessos Industriais Proposta de Controle via PLC para Multiprocessos Industriais Karliane Silva, Ginalber Serra, Priscila Rocha Laboratório de Inteligência Computacional e Controle - LabICC CEFET/MA-DEE, Avenida Getúlio Vargas,

Leia mais

Automação Interfaces Homem-Máquina. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Interfaces Homem-Máquina. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Linha HMI - Multidrive As interfaces modelos HMI foram desenvolvidas para facilitar a interface do usuário aos inversores

Leia mais

1. A Pirâmide da Automação 2. Nível 1 O Chão de Fábrica. 3. Nível 2 Controle de Processos. 4. Nível 3 Supervisão e Geração de Relatórios

1. A Pirâmide da Automação 2. Nível 1 O Chão de Fábrica. 3. Nível 2 Controle de Processos. 4. Nível 3 Supervisão e Geração de Relatórios 1. A Pirâmide da Automação 2. Nível 1 O Chão de Fábrica 3. Nível 2 Controle de Processos 4. Nível 3 Supervisão e Geração de Relatórios 5. Nível 4 PPCP 6. Nível 5 Direção da Fábrica Direção da Empresa Nível

Leia mais

PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W

PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W PROJETO DE UMA PLANTA PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE INSTRUMENTOS DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe O. Quintaes 2, Andrés O. Salazar 3, André L. Maitelli 4, Priscilla T. A. F. Jesus 5, Gustavo

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Tecnologias de Automação na ALUNORTE Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Sumário A Alunorte; Processo de Obtenção da Alumina; Automação na Alunorte; Sistemas Interligados; Projetos Futuros.

Leia mais

Controle avançado de processos para a indústria do cimento

Controle avançado de processos para a indústria do cimento Controle avançado de processos para a indústria do cimento ECS/ProcessExpert 2 3 Por que usar o controle avançado de processos? O controle avançado de processos da FLSmidth assegura que as fábricas de

Leia mais

Close customer contact. Innovation. Quality

Close customer contact. Innovation. Quality Close customer contact Innovation Quality Monitoramento de condição e eficiência energética Por que é necessário o monitoramento de condição nos dias de hoje? Evitar custos com paradas repentinas de produção

Leia mais

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 2010 VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 Curso Oferecido SolidWorks Carga Horária 10 horas Nº Vagas: 30 Depto. Resp. Mecânica Gerente Resp. Karla Lieberenz Resp.

Leia mais

A AUTOMAÇÃO NO SETOR SIDERÚRGICO INVESTIMENTOS E TENDÊNCIAS. Valdemir Ribeiro Pinto Gerente de Automação COSIPA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

A AUTOMAÇÃO NO SETOR SIDERÚRGICO INVESTIMENTOS E TENDÊNCIAS. Valdemir Ribeiro Pinto Gerente de Automação COSIPA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO A AUTOMAÇÃO NO SETOR SIDERÚRGICO INVESTIMENTOS E TENDÊNCIAS Valdemir Ribeiro Pinto Gerente de Automação COSIPA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1-SETOR SIDERÚRGICO CARACTERISTICAS EVOLUÇÃO AUTOMAÇÃO NO CONTEXTO

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo 1 1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Conhecer os instrumentos e equipamentos industriais. 2. Conhecer o funcionamento

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

SOBRE A TECNOLOGIA RFID

SOBRE A TECNOLOGIA RFID SOBRE A TECNOLOGIA RFID (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips para monitoramento de ativos pessoas ou objetos fixos ou móveis. A tecnologia RFID

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira Automação Fieldbus - Visão da Indústria Augusto Passos Pereira Gerente de Engenharia de Aplicações e Marketing Yokogawa América do Sul Ltda. 1 Subtítulo Adequação da escolha dos protocolos digitais de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 1 PI System na Manutenção Preditiva Presented by Alessandro Bolsoni Agenda A Fibria Manutenção Preditiva Casos de Uso Próximos passos 3 Fibria Celulose 4 5 Manutenção Preditiva 6 Manutenção Preditiva Manutenção

Leia mais

UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra uma visão

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar Kleber Souza Bastos EngMEX A busca pelo aumento de produtividade e pela melhoria continua de qualidade levou ao largo uso de ferramentas de apoio. Com isso surgiram inúmeras ferramentas para aplicações

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

PIRÂMIDE DE INSTALAÇÃO INDUSTRIAL PYRAMID OF INDUSTRIAL INSTALLATION

PIRÂMIDE DE INSTALAÇÃO INDUSTRIAL PYRAMID OF INDUSTRIAL INSTALLATION UEMG- Universidade do Estado de Minas Gerais Artigo apresentado na disciplina Engenharia de Automação de Processos Industriais II do Curso de Engenharia de Produção da Universidade do Estado de Minas -

Leia mais

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Projeto REUNI 2010 SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR SATISFAÇA HOJE AS NECESSIDADES DE PRODUÇÃO DO FUTURO CONTROLE INTELIGEN PARTE INTEGRAL DE SUA ARQUITETURA INTEGRADA Sabemos que você precisa controlar o rendimento, reduzir

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

laser cutting efficiency in BySprint Fiber

laser cutting efficiency in BySprint Fiber efficiency in laser cutting BySprint Fiber Equipamento rápido para corte a laser com laser de fibra de alta tecnologia para o processamento econômico de chapas finas 2 BySprint Fiber rápida, simples, lucrativa

Leia mais

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa 1 de 5 PROFINET Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa Pontifícia Universidade Católica de Goiás E-mails: guilherme_12_94@hotmail.com, lucas_f.s@hotmail.com Avenida Primeira Avenida, Setor

Leia mais

Terminais de Pesagem. IND780 Conectividade Comunicação Soluções Customizadas. Força e Desempenho para Aplicações Avançadas de Pesagem

Terminais de Pesagem. IND780 Conectividade Comunicação Soluções Customizadas. Força e Desempenho para Aplicações Avançadas de Pesagem Terminais de Pesagem IND780 Conectividade Comunicação Soluções Customizadas Força e Desempenho para Aplicações Avançadas de Pesagem Terminal de Pesagem IND780 Forte desempenho aumenta a produtividade Opções

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Objetivos da Aula Diferenciar automação da mecanização. Posicionar a automação industrial no contexto histórico. Classificar os tipos

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Desenvolvimento de um Micro sistema supervisório: aplicado ao transporte de gás natural. 1

Desenvolvimento de um Micro sistema supervisório: aplicado ao transporte de gás natural. 1 Desenvolvimento de um Micro sistema supervisório: aplicado ao transporte de gás natural. 1 Develop a Micro Supervisory System: applied to the natural gas transport. Vitor Luis Rodrigues Barbosa TBG S/A,

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel

Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel broc_treinamentos_13_01_03.pdf 2 01/02/13 14:43 Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel Permitir ao aluno conhecer o Painel de Operação Quick Panel View IHM, suas características

Leia mais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais 1 Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais José T. Assunção, Paulo C. A. Leão, Tereza C. B. N. Assunção Resumo-Através de um convênio

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS DETALHES.

EXCELÊNCIA NOS DETALHES. EXCELÊNCIA NOS DETALHES. A SEA Engenharia é uma empresa com foco na prestação de serviços de execução, consultoria em instalações elétricas, mecânica e automação industrial. Nosso objetivo principal é

Leia mais

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS SYSTEM SLIO Sistema de I/Os Remotos Simples e inteligente, o System Slio é um sistema de I/O s descentralizado, eficaz e moderno. Foi especialmente projetado

Leia mais

SafeLogic compact A solução compacta para a segurança

SafeLogic compact A solução compacta para a segurança A solução a para a segurança 2 Safety on Board Segurança a bordo: integrada, certificada e completa Safety on Board, ou seja, segurança a bordo, significa soluções de segurança inteligentes desenvolvidas

Leia mais

Controle e Gestão de processos industriais Case:

Controle e Gestão de processos industriais Case: Controle e Gestão de processos industriais Case: Core Business Soluções para controle e gestão de processos. A pluralidade de conhecimentos dos profissionais da Libracom permite ir mais longe na busca

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

O sistema de controle Ovation. Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor

O sistema de controle Ovation. Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor O sistema de controle Ovation Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor Ovation Controle preciso Componente chave da arquitetura digital PlantWeb da Emerson, o sistema de

Leia mais

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA MANUAL DO USUÁRIO INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA OUT / 12 PBI-PLUS P B I P L U S M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Um Pacote de Desenvolvimento Único e Escalar

Um Pacote de Desenvolvimento Único e Escalar A K D P D M M C O N T R O L A D O R D E A U T O M A Ç Ã O E S E R V O D R I V E I N T E G R A D O Um Pacote de Desenvolvimento Único e Escalar O Kollmorgen Automation Suite simplifica e acelera o desenvolvimento

Leia mais

Implementação de um sistema de Supervisão na Máquina de Solda na linha de Zincagem Contínua 2 da CSN

Implementação de um sistema de Supervisão na Máquina de Solda na linha de Zincagem Contínua 2 da CSN Implementação de um sistema de Supervisão na Máquina de Solda na linha de Zincagem Contínua 2 da CSN Gisele Tassinari Ribeiro (AEDB) Victor Carvalho Corrêa (AEDB) Arlei Barcelos (Prof. Orientador AEDB)

Leia mais

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES X Sistemas LIMS?

Módulos QM de sistemas ERP ou MES X Sistemas LIMS? Módulos QM de sistemas ERP ou MES X Sistemas LIMS? Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Diferenças conceituais e práticas entre os módulos de controle e gestão da qualidade

Leia mais

SENAI - CETEL. Programação de Cursos. º semestre de 201. Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues

SENAI - CETEL. Programação de Cursos. º semestre de 201. Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues SENAI - CETEL Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues Programação de Cursos INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues Rua Santo Agostinho, 1717 - Horto

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado O Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem AN3230 foi desenvolvido para a realização de ensaios de pelotas de minério

Leia mais

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Cargos Classe B Auxiliar de Laboratório: desenvolver atividades auxiliares gerais de laboratório bem como, de áreas específicas, de acordo com as especialidades,

Leia mais

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 2010 VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 Curso Oferecido SolidWorks Carga Horária 10 horas Nº Vagas: 30 Depto. Resp. Mecânica Gerente Resp. Karla Lieberenz Resp.

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES Introdução No estudo da automação em sistemas industriais, comerciais e/ou residenciais há a necessidade de determinar as condições

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Soluções para Agronegócio Visão Geral Eficiência e produtividade em todas as safras? Conte com a WEG. Para nós, produtividade e eficiência

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Londrina PR Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação SUMÁRIO Apresentação do APL 1. Processo de Informatização 2. Processo de Seleção de Pacotes de Software 3. Vantagens e Desvantagens de cada

Leia mais

Robótica Tecnologias de Computadores

Robótica Tecnologias de Computadores Robótica Tecnologias de Computadores D O C E N T E : P R O F. P E D R O A R A Ú J O T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : - D I O G O F E R N A N D E S N º 2 7 0 9 7 - G O N Ç A L O P A I V A N º 2

Leia mais