O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características"

Transcrição

1 O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características Ana Clara Ratunde, Matheus Costa Santos e Yago Oliveira Cruz Resumo As diferenças que existem entre os padrões dos protocolos de comunicação sempre impediram a interoperabilidade de sistemas de supervisão, automação e controle, entre equipamentos de diferentes fabricantes. O padrão OPC surgiu para estabelecer regras para que sejam desenvolvidos sistemas com interfaces padrões que possibilitem uma conexão entre plataformas que utilizam diferentes protocolos. Neste trabalho falaremos sobre as características e especificações do padrão OPC. I. INTRODUÇÃO Alguns fornecedores da indústria, desenvolvedores de software e consumidores finais, em 1995, se reuniram com o objetivo de desenvolver um padrão de comunicação baseado na tecnologia OLE/DCOM, na tentativa de minimizar os problemas relacionados à inconsistência dos drivers de equipamentos industriais de diferentes fabricantes, inicialmente dentro do sistema operacional Windows. Foram convidados, para que isso ocorresse, membros da Microsoft para que dessem suporte técnico a esse desenvolvimento. Surgiu, então, a OPC Foundation, um grupo sem fins lucrativos que é responsável pelo desenvolvimento e manutenção das normas desse padrão. O OPC é um padrão de comunicação aberto, que tem por principal objetivo permitir a interoperabilidade vertical entre sistemas dentro de uma organização. OPC é a sigla para OLE for Process Control, onde OLE significa Object Linking and Embedding. Quando foi lançado pela primeira vez em 1996, o seu objetivo era transformar protocolos específicos de CLP (como Modbus, Profibus, etc.) em uma interface padronizada permitindo que os sistemas HM/SCADA fizessem a interface "homem-máquina" que iria converter pedidos de leitura e de gravação em solicitações específicas do dispositivo. Como resultado, uma indústria inteira de produtos surgiu, permitindo aos usuários finais implementar sistemas usando os melhores produtos interagindo perfeitamente via OPC. Esse padrão nada mais é que um conjunto comum de interfaces, métodos e propriedades de comunicação, agregados dentro de uma especificação padronizada e aberta para acesso público. Teoricamente qualquer pessoa com conhecimentos de programação pode desenvolver seus aplicativos OPC, basta acessar as especificações contidas no site da OPC Foundation e desenvolver uma interface compatível. Ao basear o OPC na tecnologia OLE, nativa do Windows, este mesmo benefício chegou à área industrial. Com o surgimento desse padrão os desenvolvedores de sistemas de automação puderam escrever servidores OPC para seus equipamentos, e os demais softwares, como supervisórios, passaram a ser clientes OPC. Desapareceu, então, a necessidade de se desenvolver inúmeros drivers de comunicação para integrar os sistemas tradicionais, ou ainda a necessidade de se usar os equipamentos de um único fabricante, como mostra a Figura 1. Os equipamentos dotados de comunicação via OPC disponibilizam dados internos em uma interface simplificada, onde aplicações externas podem interagir com a leitura e/ou escrita de valores em parâmetros, registradores de programas, resultados, etc. Figura 1 Comunicação entre equipamentos de um único fabricante Estas especificações que, agora são conhecidas como sendo do OPC Clássico, têm desfrutado de uma grande adoção em vários setores, incluindo automação predial, petróleo, gás, energia renovável, serviços públicos, entre outros. Com a introdução de arquiteturas orientadas a serviços em sistemas de manufatura, vieram novos desafios em relação à segurança e modelagem de dados. A OPC Foundation desenvolveu, então, o OPC UA (Arquitetura Unificada) para atender essas necessidades com uma tecnologia rica em recursos em uma plataforma de arquitetura aberta, e que é compatível com o OPC Clássico. Dois fatores importantes que contribuíram para que essa atualização fosse criada foi a necessidade de manter a competitividade, já que os usuários OPC precisavam implementar o mesmo em sistemas que não fossem da Microsoft, e o fato de que outras organizações colaboradoras precisavam de uma maneira confiável e eficiente para o transporte de alto nível de dados estruturados. A intermediação da comunicação entre aplicação cliente e equipamento é realizada por um servidor OPC (OPC Server). Este servidor possui os drivers referentes aos equipamentos suportados, e de acordo com o modelo

2 configurado, disponibiliza a região de dados específica. Em uma comunicação com um CLP, por exemplo, é possível ler ou escrever valores de memórias internas, utilizadas no programa do usuário, ou até mesmo ler estado de entradas e saídas. Em câmeras industriais é possível obter o resultado da aplicação de análise de imagens, ou mesmo carregar as imagens. O padrão define distintas formas para se acessar dados do processo, alarmes e dados históricos. O OPC DA define o acesso de dados, incluindo valores, tempo e informação de qualidade. O OPC AE define o acesso de informações à alarmes e eventos, bem como o tipo de evento, os estados das variáveis e o gerenciamento de estado. O OPC HDA define o acesso aos dados históricos hora datada, bem como seus métodos de consulta e análises. II. LINHA DO TEMPO Em 1990, os sistemas operacionais da Microsoft dominaram a paisagem de automação industrial. Fornecedores de automação começaram a usar COM e DCOM em suas ofertas de produtos. Em 1995, os fornecedores de automação Fisher- Rosemount, Intellution, Opto 22 e Rockwell Software formaram uma força-tarefa para desenvolver um padrão de acesso a dados com base em COM e DCOM, e deram o nome de OPC. Em 1996, a força-tarefa lança a versão 1.0 de uma especificação OPC simplificado para acesso a dados (DA) em Agosto. Já no primeiro ano, vários outros fornecedores de software e hardware começaram a usar OPC como seu mecanismo de interoperabilidade. Logo fica claro que uma organização mais formal de conformidade, interoperabilidade, certificação e validação é necessária. A Fundação OPC é criada no Chicago ISA Show, em Setembro. Em 1998, a OPC Foundation começa a conversão de sua especificação existente para serviços web. Em 1999, a especificação OPC Alarmes e Eventos (OPC AE) é liberada. Em 2001, o lote e a especificação de segurança OPC Historical Data Access (OPC HDA), são liberados. Em 2003, as especificações Dados OPC Complex, dados do Exchange e XML-DA especificações são lançadas e a Arquitetura unificada (OPC UA), composta por 13 partes separadas, é criada pela especificação original. O OPC original agora é referido como "Classic OPC" ou OPC Clássico. Em 2004, a especificação de Comandos OPC é liberada. Em 2006, a versão 1.0 do OPC UA se torna disponível. Em 2007, Programa de Certificação OPC e Teste Labs são introduzidos. A automação começar a oferecer os primeiros produtos baseados em OPC UA. Em 2009, a versão 1.01 do OPC UA torna-se disponível. Lançam OPC UA para dispositivos Analyzer (DDA) como uma especificação adjunta, impulsionada pelas indústrias de fabricação farmacêutica e química. Em 2010, os primeiros dispositivos OPC UA embutidos são lançados. OPC UA para IEC é liberado como uma especificação. Em 2013, OPC UA 1,02 é lançado juntamente com OPC UA para o ISA-95. A Fundação OPC dá suporte para mais de 480 membros em toda a China, Europa, Japão e América do Norte. III. FUNCIONAMENTO A tecnologia OPC faz parte do.net Framework, da Microsoft, e baseia-se na especificação COM (Component Object Model), a mesma tecnologia usada na plataforma ActiveX, que provêm conectividade e interoperabilidade entre diferentes aplicações de forma plug-and-play. Estes componentes determinam a infraestrutura das aplicações compartilhadas sob sistemas operacionais da Microsoft, como o Windows, abstraindo as funcionalidades dos sistemas de software e expondo-as de forma interativa, através de propriedades, métodos e eventos dos objetos da aplicação. O servidor OPC é divido em três partes: server (contém todos os objetos do grupo), group (é a camada de organização dos itens OPC) e item (objeto que carrega a informação desejada). O OPC Item representa uma variável específica do sistema, além do valor da variável, possui informações sobre a qualidade da informação. O OPC Group fica em uma camada superior, é onde os itens são organizados e onde ocorre o controle de atualização dos valores. Na camada mais externa fica o OPC Server, onde são executadas as interfaces entre as aplicações e onde ocorre o controle de eventos e alarmes. Os computadores que possuem os drives dos equipamentos de campo, que constituirão os servidores OPC, reconhecem os dados provenientes da rede de comunicação dos equipamentos da planta industrial e os traduzem para o padrão OPC. Os servidores são softwares que fornecem dados no padrão OPC e o computador é o hardware convergente e que disponibiliza os dados. As aplicações que recebem esses dados são os clientes OPC e podem estar em quaisquer computadores conectados à rede do servidor OPC. O funcionamento do OPC é baseado na tradicional arquitetura cliente-servidor onde um ou mais servidores fornecem dados para uma ou mais aplicações cliente, conforme mostra Figura 2. Basicamente, uma aplicação cliente, como um software de supervisão, solicita um dado ao servidor OPC que lhe atende e retorna com o dado solicitado. Um diferencial do OPC é que uma aplicação cliente pode solicitar dados a um ou mais servidores OPC, e vice-versa. Fica claro, portanto, que o OPC possibilita uma variedade enorme de comunicações, basta que os aplicativos sejam compatíveis com o mesmo. É importante ressaltar que o OPC não elimina o protocolo proprietário nativo do CLP ou equipamento de campo. O que acontece é que o servidor OPC traduz este protocolo proprietário para o padrão OPC. Portanto é necessário o desenvolvimento de um servidor OPC

3 específico para cada um dos diferentes protocolos de comunicação existentes. A interconexão ocorre em função dos respectivos dados dos equipamentos de campo serem reconhecidos através dos drives instalados nos computadores, drive esse que descreve os componentes do software desenvolvidos para um produto específico e que são implementados pelo fabricante de um produto a fim de permitir que seu software se comunique com determinado produto por meio de uma comunicação de rede. V. ASPECTOS PRÁTICOS PARA UTILIZAÇÃO Figura 2 Arquitetura cliente-servidor do OPC IV. INTERCONEXÃO A interconexão de sistemas e equipamentos por meio da integração de drives de comunicação é, muitas vezes, de difícil implementação e implica em alto custo de desenvolvimento e instalação, lembrando, é claro, da dificuldade por parte dos profissionais de realizar essa integração entre os protocolos e sendo essencial para as industrias o seu perfeito funcionamento, torna o trabalho ainda mais elaborado e complicado para instalações, a Figura 3 mostra um pouco disto. Figura 3 Interconexão da comunicação OPC O padrão OPC surgiu para simplificar a maneira como os dados dos equipamentos de chão de fábrica são disponibilizados às suas aplicações sem que estas precisem do drive e do protocolo utilizado no processo de automação. O OPC, atualmente, vem sendo usado até mesmo no fornecimento de dados para os sistemas de controle situados nos escritórios, que tem por função disponibilizar informações para a administração sobre os processos de produção de uma indústria. Para a especificação e utilização do padrão OPC, o usuário precisa estar ciente de alguns pontos chaves para o perfeito entendimento de como se beneficiar do uso desse tipo de comunicação. Para isso, o estudo das especificações torna-se um processo difícil, uma vez que as mesmas são direcionadas para desenvolvedores e programadores, sendo necessário o conhecimento prévio de linguagens e ambientes de desenvolvimento. Para simplificar o entendimento do padrão OPC, estes pontos são apresentados a seguir. A. Cliente ou Servidor OPC? Os produtos para monitoração de dados, como IHMs, sistemas supervisórios e etc, normalmente são clientes OPC. Por outro lado, os produtos que fazem a comunicação direta com os dispositivos de campo utilizando protocolos proprietários são servidores OPC. Cada produto pode incorporar as duas funcionalidades, sendo o mais comum em aplicações normalmente onde o cliente possa ser servidor, e não o contrário. B. Número ideal de clientes e servidores O número de servidores necessários para uma determinada aplicação irá depender do produto a ser utilizado. Os fabricantes de dispositivos de campo normalmente fornecem um servidor OPC capaz de comunicar com todos os protocolos dos seus produtos de linha. Este servidor é um software para o ambiente Windows que é executado em um microcomputador, normalmente PC. Ou seja, um servidor OPC da Rockwell, o RSLinx por exemplo, permite que diversos drivers de comunicação sejam configurados para as diversas redes (ControlNet, DeviceNet, Ethernet, DH+, etc.). Neste caso, o RSLinx funciona como um único servidor OPC, capaz de comunicar com diversos clientes OPC sendo executados na mesma máquina ou em máquinas remotas. Existem servidores OPC de terceiros que permitem que sejam configurados drivers de comunicação para diversas redes e protocolos de diferentes fabricantes, neste caso, um único produto poderá servir dados de diferentes fabricantes. Cada cliente OPC pode conectar-se a diferentes servidores, os quais podem estar processando na mesma máquina ou remotamente em máquinas diferentes, portanto, qualquer produto que funcione como cliente OPC poderá se comunicar com quaisquer servidores OPC de quaisquer fabricantes.

4 C. Formato de dados Pela especificação do padrão, todo servidor de dados deve enviar o dado OPC no seguinte formato: todos os tipos de dados VARIANT definidos pela interface DCOM são suportados; a informação Time Stamp é fornecida pelo servidor através da leitura do time stamp dos dispositivos de campo ou por geração interna, é utilizada a estrutura padrão do Windows para o UTC (Universal Time Coordinated); são reservados 2 bytes para codificação do estado do dado fornecido pelo servidor (por enquanto, apenas o uso do byte menos significativo foi definido; dois bits definem a qualidade do dado que pode ser: ßGood dado válido, ßBad no caso de perda do link de comunicação com o dispositivo de campo, ßUncertain no caso de existir o link de comunicação mas o dispositivo de campo estiver fora de operação; quatro bits fornecem um detalhamento do estado apresentado e os últimos dois bits podem conter dados de diagnóstico no caso de falha de um sensor, por exemplo). D. Configuração dos dados no Cliente Os produtos de mercado, normalmente não permitem muita flexibilidade para a configuração dos dados solicitados pelo cliente. Isto se deve basicamente à preservação da cultura anterior para os drivers de comunicação específicos. Entretanto, isto pode ser uma armadilha para os usuários. Considerando o caso mais comum que consiste nos servidores de dados OPC (OPC Data Access), os clientes podem definir basicamente as seguintes configurações: 1) Criação de grupos e itens OPC Basicamente, todos os dados OPC são chamados de itens. Cada item pode ser de um tipo diferente de dado compatível com a especificação OPC. Os diversos itens são organizados em grupos OPC, os quais definem as principais características de leitura dos itens (Taxa de Atualização, Estado Ativo/Inativo, Banda Morta, Leitura Síncrona/Assíncrona). 2) Leitura Síncrona ou Assíncrona Para um determinado grupo OPC pode ser definido se a leitura dos dados é feita de forma síncrona, a qual depende de uma confirmação de execução antes de uma nova leitura, ou assíncrona, a qual não depende da confirmação. Normalmente é utilizada a leitura assíncrona, a qual garante um melhor desempenho. 3) Leitura de dados direto do dispositivo A partir da versão 2.0 da especificação para o servidor de dados, é possível fazer a seleção no cliente OPC para leitura dos dados da memória cache do servidor ou diretamente do dispositivo de campo. 4) Estado Ativo/Inativo Cada item ou grupo pode ter o seu estado alterado pelo cliente para Ativo, habilitando a comunicação do mesmo, ou Inativo. 5)Leitura Cíclica ou por Mudança de Estado O cliente OPC pode definir se os dados do servidor serão lidos de forma cíclica ou por mudança (transição) de estado. Na leitura cíclica, o cliente faz a requisição de leitura regularmente, independentemente se os dados sofreram alteração de valor ou não. No caso de leitura por mudança de estado, o servidor fica responsável por enviar para os clientes os itens que sofrerem alteração de seu estado (Qualidade do dado) ou quando os valores dos itens de um determinado grupo ultrapassarem o valor da banda morta. 6) Banda morta É utilizada para definir os valores limites de transição para os itens de um determinado grupo, para os quais o servidor fará o envio para os clientes quando a alteração dos valores dos itens estiver fora da banda especificada. E. Escrita de dados A escrita de dados OPC funciona de forma independente da leitura. Assim como na leitura, a escrita pode ser síncrona ou assíncrona. Entretanto, os comandos de escrita são executados imediatamente pelo servidor, sendo enviados diretamente para os dispositivos de campo. A partir da versão 3.0 do servidor, foi possível fazer a escrita de dados na memória cache do servidor e depois a transferência cíclica dos dados para os dispositivos de campo. Este recurso é muito útil para os dispositivos que dependem de comandos igualmente espaçados no tempo, tal como os sistemas de controle de movimento. F. Comunicação de Blocos de Dados O padrão OPC permite a comunicação de blocos de dados (vetores) entre o servidor e os clientes. Isto representa uma grande otimização, pois as informações de time stamp e estado do dado são tratados e fornecidos apenas uma vez para um conjunto de dados, reduzindo assim o overhead da comunicação. Neste caso, cada item é configurado como um bloco de dados. G. Redundância com OPC As especificações do padrão OPC não fazem menção à utilização de servidores redundantes. Entretanto, cada cliente OPC pode implementar facilmente um mecanismo para conexão simultânea em mais de um servidor, verificação do estado do servidor e ativação/desativação dos grupos para o servidor que estiver funcionando. Esta solução é encontrada apenas em alguns produtos, não sendo regra geral a disponibilização deste recurso para a maioria dos produtos de mercado. H. Desempenho da comunicação OPC Em linhas gerais, o desempenho da comunicação OPC se aproxima do desempenho apresentado por sistemas que utilizam drivers de comunicação específicos e otimizados. Normalmente, os drivers específicos

5 possuem um ótimo desempenho após serem devidamente depurados e otimizados, o que via de regra não acontece em muitos casos. Como um servidor OPC nada mais é do que uma camada de software a mais para implementar as interfaces padrões e os mecanismos de comunicação com o cliente, é de se esperar que o desempenho do mesmo só seja afetado em relação a comunicação com o cliente e não com o dispositivo de campo. No caso da comunicação com o dispositivo de campo, cada fornecedor pode implementar o driver e o protocolo que melhor se ajustem às necessidades do dispositivo e da rede de comunicação. Desta forma, o desempenho do servidor OPC está mais relacionado à capacidade dos recursos de hardware da máquina que executa a aplicação do servidor do que propriamente do driver específico. Como os recursos de hardware estão cada vez mais poderosos em relação à capacidade de processamento, isto não tem se mostrado como um problema real. Entretanto, o que se tem verificado na prática é que muitos clientes e servidores OPC não implementam a comunicação de blocos de dados, fazendo a leitura de itens separadamente, o que ocasiona um grande overhead devido ao tratamento separado de time stamp e estado do dado para cada item OPC. Outro ponto importante que muitos clientes OPC não implementam, consiste no agrupamento de dados que precisam ser lidos sob demanda, tais como animações de telas sinópticas, janelas de operação de equipamentos, relatórios, etc. Os dados necessários para estes elementos (objetos) de monitoração, normalmente podem ser lidos sob demanda, de forma que somente quando o objeto estiver selecionado, será ativado o grupo OPC no servidor para leitura dos dados. Quando o objeto não estiver selecionado, o grupo OPC ficará desativado, fazendo com que os dados não sejam lidos e com isso, melhora-se o desempenho da comunicação. A principal desvantagem vem quando pensamos que o padrão OPC está passando por constante avanço ao longo dos anos, preenchendo cada vez mais espaço nas indústrias e, no entanto, algumas de suas características principais que facilitaram seu surgimento e evolução ironicamente hoje também são fatores limitantes ao seu pleno funcionamento, fazendo com que alguns desenvolvedores acabem por criar soluções que complementam o OPC, possibilitando ultrapassar algumas barreiras inerentes à sua tecnologia. Isto se dá devido ao acelerado processo de evolução tecnologica em que vivemos, onde precisaríamos de equipes grandiosas para atualizar quase que constantemente as funções e topologias do sistema OPC. REFERÊNCIAS [1] P. P. Adriano. Padronização da comunicação através da tecnologia OPC. [Online]. Disponível em: Comunicacao-atraves-da-Tecnologia-OPC.pdf [2] F.R. Denise, A. Reinaldo. Utilização do drive OPC na integração de sistemas de automação industrial. Apresentado no 3º Seminário Nacional de Sistemas Industriais e Automação. [Online]. Disponível em: [3] O. F. Marcos. Comunicação OPC Uma abordagem prática. [Online]. Disponível em: DownloadFiles/OPCMarcosFonseca.PDF [4] Site da OPC Foundation: https://opcfoundation.org/about/what-is-opc/ I. Segurança para acesso ao sistema Para a implementação do controle de acesso ao servidor OPC podem ser utilizados dois métodos. O método normalmente usado consiste nos mecanismos proporcionados pelo próprio DCOM, os quais são configurados no Windows NT executando-se o comando DCOMCNFG. Outra forma menos usual consiste em se utilizar mecanismos implementados pelo cliente e servidor conforme a especificação do padrão OPC. O controle de acesso é fundamental para o caso de acesso remoto e para a comunicação via Internet prevista com a especificação do OPC com XML. VI. VANTAGENS E DESVANTAGENS As principais vantagens do emprego de uma comunicação OPC são: a redução do tempo de desenvolvimento; implementar uma comunicação confiável entre diferentes equipamentos; a topologia é simplificada e o controle do fluxo de informações fica sob responsabilidade apenas dos servidores OPC.

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel Redes Industriais OPC OLE for Process Control Alexandre Rocha Alysson Geisel 1 O que é OPC? Padrão de comunicação entre os dispositivos de chão de fábrica e os sistemas de automação e informação, desenvolvido

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Notas de Aplicação. Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HS1 - Serial e HT1 - Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HS1 - Serial e HT1 - Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00033 Versão 1.04 dezembro-2013 HI Tecnologia Driver OPC para Comunicação Através

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

Comunicação OPC Uma abordagem prática

Comunicação OPC Uma abordagem prática Comunicação OPC Uma abordagem prática Marcos de Oliveira Fonseca 1 Resumo A comunicação entre os dispositivos de chão de fábrica e os sistemas de automação e informação já podem se beneficiar do padrão

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Controle e Automação

Controle e Automação Controle e Automação Sistemas Supervisórios rios e Comunicação OPC Prof. Carlos Conceitos Iniciais Informação Dado Modelos de Redução de Dados Sistemas Supervisórios rios Sistemas SCADA Supervisão e Controle,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds C. E. Affonso

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Ciências Contábeis Prof.: Maico Petry Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais DISCIPLINA: Sistemas de Informação Gerencial O QI da empresa

Leia mais

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador.

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Resumo 01 O que é um processador? O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Os processadores atualmente são encapsulados

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI - Tecnologia da informação SI - Tecnologia da informação Com a evolução tecnológica surgiram vários setores onde se tem informatização,

Leia mais

Objetivos Específico

Objetivos Específico Banco de Dados Ementa (DBA) Conceitos Gerais sobre Banco de Dados Instalação e configuração da Ferramenta de Banco de Dados. Elaboração de projeto de Banco de Dados. Implementação do projeto de Banco de

Leia mais

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Eng. Fernando Guessi Plácido E-mail: fernandogplacido@hotmail.com Skype: fernando.guessi Roteiro O que é SCADA Benefícios de um sistema de supervisão;

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação O que é um SO? Introdução a Computação Sistemas Operacionais PII Consiste em: Hardware Programas de Sistema Programas de Aplicativos 1 2 O que é um SO? Hardware não proporciona controle de alto nível disponível

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Sistemas supervisórios

Sistemas supervisórios Sistemas supervisórios O software supervisório utiliza a representação de objetos estáticos e animados para representar todo o processo de uma planta, assim como uma interface IHM. Ela opera em dois modos:

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Marcus Gama

Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Marcus Gama Brad Hards Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Desktop Sharing 7 3.1 Gerenciando convites do Desktop Sharing........................

Leia mais

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Sistemas Operacionais Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Conteúdo Programático CONTAS DE E GRUPOS DE O Microsoft Management Console - MMC Permissões de Segurança de um Console Contas de Usuários

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N Robert Young Gerente de pesquisas de software para gerenciamento de sistemas empresariais C o m o r e p e n s a r o gerenciamento de ativo s d e T I n a e ra da "Internet

Leia mais

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS Joaldo de Carvalho Wesley Oliveira Irlei Rodrigo Ferraciolli da Silva Rodrigo Clemente Thom de Souza INTRODUÇÃO O mundo está dominado pelos dispositivos móveis. A cada

Leia mais

Capítulo 3 Projeto de Arquitetura

Capítulo 3 Projeto de Arquitetura Aula 05 Projeto de Arquitetura Universidade de Mogi das Cruzes Objetivo: Apresentar os diversos tipos de Arquitetura do Sistema. Capítulo 3 Projeto de Arquitetura O projeto de arquitetura descreve hardware,

Leia mais

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO Elipse Power e Elipse Plant Manager auxiliam uma das maiores distribuidoras de energia do Brasil a atender, de forma

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados SOFTWARES 1 CONCEITOS Podemos dizer que os softwares são a alma do computador, eles são responsáveis pelo seu funcionamento e aproveitamento. De uma forma geral os softwares se desenvolvem através de uma

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Guia de Licenciamento por Volume Microsoft

Guia de Licenciamento por Volume Microsoft iii Sumário Capítulo 1: Introdução ao Licenciamento por Volume... 1 Pontos chave para entender o Licenciamento por Volume Microsoft... 1 Programas de licenciamento para sua organização... 1 Licenciamento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

SERVIDORES REDES E SR1

SERVIDORES REDES E SR1 SERVIDORES REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ HARDWARE Você pode instalar um sistema operacional para servidores em qualquer computador, ao menos na teoria tudo irá funcionar sem grandes dificuldades. Só

Leia mais

8 Threads. 8.1 Introdução

8 Threads. 8.1 Introdução 1 8 Threads 8.1 Introdução Uma thread, também chamada de tarefa, pode ser definida como uma parte ou rotina de um processo em execução que compartilha o mesmo espaço de endereçamento, mas tem seu próprio

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. O que é um Computador?... 3 1.2. Máquinas Multiníveis... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1 O QUE É UM COMPUTADOR? Para estudarmos como um computador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012.

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012. CONTROLE À DISTÂNCIA DE UM MOTOR UTILIZANDO RECURSOS DE VISÃO COMPUTACIONAL Matheus Henrique Almeida Nascimento 1, Gean Carlo Neves Correa 2, Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues 3 e Sílvia Grasiella Moreira

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas.

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. INDÍCE 1. Características gerais 2. Guia rápido de instalação 3. Processo de instalação 4. Opções avançadas de

Leia mais

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTOS ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES Prezado(a) Senhor(a), Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1. Com relação ao item: 8.1.9. Os 2 (dois)

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

PSIU Protocolo Simples de Intercomunicação Unificado

PSIU Protocolo Simples de Intercomunicação Unificado PSIU Protocolo Simples de Intercomunicação Unificado Ricardo J. O. Mariz 1, Rodrigo Pessoa Medeiros 2, Henrique Braga Foresti 1, Fábio E. A. Aguiar 3 1 Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) 2 Universidade

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto

Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto a Aplicações Unix, Linux e Windows - Sage Scada e outros

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

Lync Acessando o Lync Web App

Lync Acessando o Lync Web App Lync Acessando o Lync Web App Saiba como ingressar em uma reunião, quais são os recursos disponíveis, as configurações e conheça o layout do Lync Web App. Sumário Lync Web App... 1 Ingressar em uma Reunião

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Núcleo de Telessaúde do Amazonas

Núcleo de Telessaúde do Amazonas Pólo de Telemedicina da Amazônia CONFIGURAÇÃO PADRÃO IP.TV TELESSAÚDE /AMAZONAS Estamos apresentando neste manual os passos necessários para instalar a configuração padrão do Pólo de Telemedicina da Amazônia

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL.

APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL. APLICAÇÃO DE UM SISTEMA SCADA UTILIZANDO TECNOLOGIA OPC PARA COLETA DE DADOS: ESTUDO DE CASO EM UMA MÁQUINA DO SETOR TÊXTIL. OTÁVIO R. R. OLIVEIRA otaviov8@gmail.com Centro Universitário de Araraquara

Leia mais

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO O Driver IGS possui um módulo de configuração que possibilita a comunicação com protocolos proprietários. Trata-se do Driver

Leia mais

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Eleve a experiência : como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Introdução Soluções da CA Por que é necessário melhorar a experiência dos usuários com os serviços de TI? A consumerização

Leia mais

Assistentes Virtuais Inteligentes

Assistentes Virtuais Inteligentes Assistentes Virtuais Inteligentes Excelência e Redução de Custo Operacional WHITEPAPER OFERECEMOS RECORDAÇÕES E EXPERIÊNCIAS ENCANTADORAS We offer amazing memories and experiences Ofrecemos preciosos recuerdos

Leia mais

Produtividade. Sem tempo a

Produtividade. Sem tempo a Produtividade Sem tempo a A NDREA MARQUES/ FOTONAUTA perder Contax investe em tecnologias Microsoft para facilitar o trabalho de seus operadores e garantir que eles atendam os clientes com mais agilidade

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais