PROGRAMA DE DISCIPLINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE DISCIPLINA"

Transcrição

1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia AUTOMAÇÃO CODICRED PROGRAMA DE DISCIPLINA

2 01 SÍNTESE DISCIPLINA: CURSO (S): Engenharia de Controle e Engenharia da Computação TIPOLOGIA: Teórico Prático CURRÍCULO: 4/455 4/450 MÓDULO: 1/30 CODICRED CURSO (S): Engenharia de Controle e Engenharia da Computação TIPOLOGIA: Teórico Prático 02 EMENTA Discussão sobre sensores e transdutores de diferentes naturezas e instrumentação. Atuadores de diferentes naturezas. Aspectos genéricos relacionados à Controladores Industriais (PLCs e PACs). Programação de Controladores Industriais. Sistemas de Supervisão Industriais e Interface Homem-Máquina (IHM). Redes de comunicação industriais. E os conceitos e tendências da conectividade de sistemas de gestão de controle e informação nas indústrias. 03 OBJETIVOS A disciplina de Industrial tem como objetivo atualizar os profissionais com conceitos e tecnologias normalmente encontradas em ambientes das indústrias. Desta forma, são discutidos tópicos atuais relativos a automação industrial e as tecnologias atualmente utilizadas na solução de problemas de controle na indústria, tendências para o futuro, vantagens de desvantagens relacionadas à implantação e operação de processos automatizados. Assim, ao final deste curso o aluno será capaz de compreender e interagir com processos automatizados de qualquer natureza. 04 CONTEXTO Como consequência às necessidades impostas por um mercado mais aberto e competitivo, existe cada vez mais a necessidade de produção elevada com custos baixos e, acima de tudo, garantindo um excelente padrão de qualidade. A necessidade de atender estas metas como requisito básico para conquistar o mercado vem motivando desde a década de sessenta cada vez mais a utilização de processos automatizados. Atualmente, a automação não ocupa apenas um papel importante nas indústrias automobilísticas e metaismecânica, que foram as principais consumidoras de automação nas últimas décadas, mas também em quase todos os seguimentos da indústria, do comércio e mais recentemente em aplicações domiciliares. Assim, é fundamental que o engenheiro de controle e automação possua uma cultura relativa à automação que lhe possibilite atuar no seguimento industrial. Conhecer as tecnologias de sistemas de MES (Manufacturing Execution System) e de redes industriais determinísticas que fornecerão uma explicação detalhada de como estes sistemas interagem como o elo de ligação central no fluxo de informações na automação industrial.

3 05 PROGRAMA Conteúdo: Sistemas (softwares) de MES, Infraestrutura de Comunicação, Controladores Industriais, Interface Homem-máquina, Acionamentos, Sensores, Transdutores e Atuadores Análise e compreensão do funcionamento de sensores e transdutores: Sensores de vazão, pressão, força, velocidade, umidade, temperatura; Instrumentação de sensores; Conexão elétrica de sensores e atuadores no controlador industrial; 1.2. Analise e compreensão de atuadores de natureza: Elétrica; Eletromecânica; Pneumática; Hidráulica; Conteúdo: Controladores Industriais: 2.1. Aplicações; 2.2. Funcionamento; 2.3. Programação; 2.4. Arquitetura de Controle; 2.5. Disciplinas de Controle. Conteúdo: Modelagem e controle de sistemas dinâmicos: 3.1. Ajuste de controladores tipo PID baseado na curva de reação do processo; Conteúdo: Sistemas (Softwares) de Sistemas de Execução de Manufatura (MES): 4.1. Introdução aos serviços de MES; 4.2. Integração entre o MES e a arquitetura de automação industrial; 4.3. Programação de interface homem máquina (IHM); 4.4. Aplicações. Conteúdo: Redes Industriais: 5.1. Definições e infraestruturas 5.2. ModBus 5.3. CAN - Controller Area Network / DeviceNet 5.4. Profibus 5.5. Controlnet 5.6. EtherNet/IP 06 BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. Moraes, Cícero Couto de. E Castrucci, Plínio de Lauro. Engenharia de Industrial. 2.ed. Rio de Janeiro, RJ : LTC Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., c p. 2. I. Aguirre, Luis Antônio. II. Pereira, Carlos Eduardo. III. Piqueira, José Roberto Castilho. IV. Peres, Pedro Luis Dias. Enciclopédia de automática : controle e automação, volume II. 1.ed. São Paulo, SP : Blucher, c p. 3. Aldabó Lopez, Ricardo. Sistemas de redes para controle e automação. Rio de Janeiro, RJ : Book Express Ltda, c p. 07 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 1. Áström, Karl J.. Pid controllers : theory, design, and tuning. 2. ed. Research Triangle Park, NC : Instrument Society of America, p. 2. Georgini, Marcelo. aplicada : descrição e implementação de sistemas seqüenciais com PLC's. São Paulo : Érica, p. 3. Endereço WEB do material apresentado em aula:

4 08 CRONOGRAMA DIA/MÊS SEQ. ASSUNTO A SER DESENVOLVIDO EM AULA 05-Ago Introdução ao Laboratório definições e metodologia e Apresentação da Organização da disciplina 07-Ago Introdução à Disciplina 12-Ago LAB1 Identificação dos componentes da Arquitetura de Controle 14-Ago AULA1 A Engenharia de 19-Ago LAB2 Conhecendo os Controladores Programáveis 21-Ago AULA2 Controladores Programáveis e Disciplinas de Controle 26-Ago LAB3 Conexão dos Sensores com os Controladores 28-Ago AULA3 Sensores Industriais Discretos 02-Set LAB4 Laboratório de Industrial Configurando os Controladores 04-Set AULA3 Sensores Industriais Transdutores - Continuação 09-Set LAB4 Laboratório de Industrial Diagrama elétrico de comando 11-Set AULA4 Linguagens de Programação dos Controladores Programáveis - Ladder 16-Set LAB5 Laboratório de Industrial Intertravamento Lógico 18-Set AULA4 Linguagens de Programação dos Controladores Programáveis - Ladder Estrutura de Programação Task / Programs / Routines 23-Set LAB6 Laboratório de Industrial Temporizadores e Contadores 25-Set AULA5 Linguagens de Programação dos Controladores Programáveis FB, SFC e ST 30-Set LAB7 Laboratório de Industrial Intertravamento, Temporizadores e Integração com Inversor de Frequência em rede EIP 02-Out P1 Prova 1 Questões teóricas das Aulas 1 à 6 e LAB 1 à 7 07-Out R1 e T1 Revisão da Prova 1 e Encontro para apresentação do Trabalho T1 em aula 09-Out AULA6 Redes de Comunicação Industrial e Validação 14-Out LAB8 Laboratório de Industrial Intertravamento, Temporizadores, Contadores e utilização de Sub-Rotinas 16-Out AULA6 Redes de Comunicação Industrial e Validação Continuação IAB 21-Out LAB9 Laboratório de Industrial Sequenciamento Lógico 23-Out AULA 7 Projeto de 28-Out LAB T1 Laboratório de Industrial Período dedicado ao Trabalho T1 30-Out AULA 8 Softwares de MES (Manufacturing Execution System) 04-Nov LAB10 Laboratório de Industrial Monitoração e Controle de dados do Controlador utilizando a IHM 06-Nov AULA 9 e Sistemas de Controle de Alta Disponibilidade e Entrega do Trabalho T1 Entrega T1 11-Nov LAB10 Laboratório de Industrial Monitoração e Controle de dados do Controlador utilizando a IHM - Continuação 13-Nov AULA 10 Gestão da 18-Nov LAB11 Laboratório de Industrial Integração entre Controlador, Inversor de Frequência e IHM 20-Nov P2 Prova 2 Questões teóricas das Aulas 6 à 10 e LAB 8 à Nov Revisão da Prova P2 27-Nov PS Prova de Substituição 02-Dez Revisão da Prova PS 04-Dez G2 Prova de Recuperação

5 09 SOFTWARE UTILIZADO RSLinx Classic Lite (configuração de comunicação entre o PC e os Controladores) RSLogix5000 ou Studio 5000 Allen-Bradley (programação de controladores de automação) FactoryTalk View Studio Allen-Bradley (Sistema de Supervisão / programação de IHMs) Integrate Arquitecture Builder IAB Validação de Arquitetura de Redes e Controladores Ethernet Capacity Tool Verificação de desempenho da Ethernet/IP Industrial Prosoft Wireless Designer PWD Validação de sistemas de comunicação Wireless 10 SISTEMA DE AVALIAÇÃO A avaliação da disciplina será feita mediante os seguintes critérios: Prova: Serão realizadas duas provas durante o semestre (veja abaixo o cálculo da média final). Trabalho: Será proposto um trabalho teórico-prático em grupo empregando os controladores de automação programáveis (veja abaixo o cálculo da média final). Haverá uma prova de substituição de nota, denominada P S (com o conteúdo da prova que o aluno faltou ou com o conteúdo da prova com menor nota). Esta prova substituirá a menor nota das provas, independentemente do grau obtido na P S. P1 P2 Cálculo da Média Final: Média Final 0,8* 0,2* T CORPO DOCENTE / CURRÍCULO RESUMIDO Prof. Rogério Lampert Tergolina - Técnico em Eletricidade Industrial Senai Primeiro Lugar em Eletricidade Industrial na Olimpíada do Conhecimento - Lyon/França Engenheiro de Controle e PUCRS Especialista de Arquitetura e Softwares de Industrial - Professor de Engenharia desde 2010/1 na PUCRS

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação.

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação. Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

Titulação: Mestre em Ciência, Inovação e Modelagem em Materiais. PLANO DE CURSO

Titulação: Mestre em Ciência, Inovação e Modelagem em Materiais. PLANO DE CURSO CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Automação Industrial Aplicada a Engenharia de Produção Código: CH Total: 72 Aulas / 60

Leia mais

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB AUTOMAÇÃO DE UM FORNO PARA TRATAMENTO DE CHAPAS COM CONTROLE VIA CLP E SISTEMA SUPERVISÓRIO RIO Trabalho de Estágio Supervisionado WEG INDÚSTRIAS LTDA. DIVISÃO AUTOMAÇÃO Wander Samuel Maass ACADÊMICO Edson

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Eletromecânica FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Automação Industrial Semestre: 5 Nº ECTS: 6,0 Regente Pedro Miguel Pinto Reis Gomes Assistente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Aula Sumário das Aulas Teóricas Sem. T1 Introdução aos objectivos e tipos da Automação Industrial Introdução à disciplina. Objectivos da

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC.

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC. I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina Sistemas CNC Professor Rogério Campos Semestre / Módulo 5º semestre Período Noturno Módulo 3FM5A Carga Horária Semanal: 4

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistemas Dinâmicos Classe dos Sistemas Dinâmicos: Tempo time-driven Descritos por equações diferenciais na variável

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Etec Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

L10 - Introdução ao RSLogix Designer

L10 - Introdução ao RSLogix Designer L10 - Introdução ao RSLogix Designer PUBLIC Alexandre Lobo & Weltron de Oliveira Area Manager A&S - Rockwell Automation Thiago Marques Domain Expert Leader A&S - Intereng 26/05/2015 PUBLIC - 5058-CO900H

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Validade: A partir de 01/91 Departamento acadêmico: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica:

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais A grande versatilidade da nossa família deinterfaces Homem-Máquina (IHM)permite que a mesma seja utilizada nas mais diversas

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina Engenharia de Software Professor Eduardo Jesus Coppola Período Noturno Módulo Técnicas de Desenvolvimento de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMANDO AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424

Leia mais

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms Treinamentos 2014 GE Intelligent Platforms Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel Permitir ao aluno conhecer o Painel de Operação Quick Panel View IHM, suas características

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO Giancarlo Borges de Avelar - Automaton Integração de Sistemas Leopoldo José Naves Alves, AUTOMATON Marcio L Martins Neto - MULTIPLUS 19 a

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html Cursos para Docentes do SENAI É de interesse do SENAI que os

Leia mais

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Análise E Projeto de Sistemas Eduardo Jesus Coppola

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Análise E Projeto de Sistemas Eduardo Jesus Coppola I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina Análise E Projeto de Sistemas Professor Eduardo Jesus Coppola Período Noturno Módulo Organização da InformaçãO

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para

Leia mais

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER Resumo: Este artigo tem por objetivo descrever funcionalidade do CLP (Controlador Lógico Programável.) um dispositivo eletrônico digital.

Leia mais

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores 1 Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores Francisco Carlos Parquet Bizarria 1,2 José Walter Parquet Bizarria 1 Michele Bazana de ouza 1 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. 1. Justificativa. 2. Objetivos. 3. Formato do Curso. 4. Corpo Docente

2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. 1. Justificativa. 2. Objetivos. 3. Formato do Curso. 4. Corpo Docente 2006 ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. Justificativa A evolução tecnológica e a conseqüente diminuição do custo dos equipamentos possibilitaram a expansão dos sistemas computacionais. Atualmente,

Leia mais

Congresso Neocontrol 2010

Congresso Neocontrol 2010 Congresso Neocontrol 2010 Posicionamento. Busca contínua de parcerias. Pioneirismo. Integradores. Construtoras. Relacionamento. Obras realizadas em 4 continentes. Busca contínua por inovações. A Neocontrol

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP. Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP. Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP Área Temática: Tecnologia e Produção Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Carlos Eduardo de Andrade Pereira 2 Eduardo Cima

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

sustentável Atualização tecnológica 18 e 19 de maio de 2011 São Paulo SP Contamos com a sua presença! Caro cliente

sustentável Atualização tecnológica 18 e 19 de maio de 2011 São Paulo SP Contamos com a sua presença! Caro cliente Atualização tecnológica sustentável Caro cliente É sempre possível melhorar o desempenho de pessoas e equipamentos, bem como desenvolver uma solução sob medida para cada desafio industrial. Tudo isso com

Leia mais

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação

O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação O que é um PLC (autómato)? Centro de Formação 1 O que é um PLC (Autómato)? Sumário Histórico PLC Hardware Entrdas/Saídas Modo de Funcionamento do PLC Linguagens de programação Comunicação O que é necessário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

altus evolução em automação

altus evolução em automação Suporte Técnico 2010 altus evolução em automação Suporte Técnico Serviços altamente qualificados, para atender de forma eficiente todas as suas necessidade. 80% dos casos resolvidos em até 2 horas 89%

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Contorle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Eletromecânica FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PLANO DE ENSINO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link

IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link 5058-CO900F IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link Programação Quem/O que é IO-Link? A importância do IO-Link Exemplos de aplicações (situações de uso) Arquitetura do Sistema IO-Link Configuração/Demonstração

Leia mais

Bibliografia Básica: GEORGINI, M. Automação aplicada: descrição e implementação de sistemas seuqenciais com PLC s. São Paulo. Erica, 2000.

Bibliografia Básica: GEORGINI, M. Automação aplicada: descrição e implementação de sistemas seuqenciais com PLC s. São Paulo. Erica, 2000. Material norteador para disciplina de Automação turmas Engenharia da Computação e engenharia elétrica Os conteúdos neste documento foram digitados por acadêmicos durante as aulas que e aceitaram disponibilizar

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º. C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I

PLANO DE ENSINO. CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º. C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I 1 PLANO DE ENSINO CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º CÓDIGO DISCIPLINA HORÁRIO C/H SEMESTRAL C/H SEMANAL Análise, Projeto e Implementação de Sistemas I 3CD-4AB 80h 04h PROFESSOR(A):

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7

A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7 A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7 Prof. Geison Mancuzo geison.mancuzo@fatec.sp.gov.br Faculdade de Tecnologia de Garça (FATEC - Garça) Curso de Tecnologia

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO Luis Henrique Gaspar* Saulo Renan de Sousa e Silva** RESUMO Apresenta as vantagens do uso de Arquitetura Integrada nos processos fabris de

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus EtherCAT simplifica a arquitetura de controle Exemplo: Arquitetura de controle de uma prensa hidráulica, Schuler AG, Alemanha Arquitetura de controle com Fieldbus clássicos Desempenho dos Fieldbus clássicos

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Danielle Simone da Silva João Maria Araújo do Nascimento danielle@dca.ufrn.br joão@dca.ufrn.br LECA-DCA-UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo: Este artigo descreve

Leia mais

Plano de Ensino. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 03/T4. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º Semestre

Plano de Ensino. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 03/T4. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º Semestre Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais