Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -"

Transcrição

1 T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade.

2 INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os motores estão presentes em todas as aplicações industriais. Conhecer suas características, funcionamento, acionamento e proteção é fundamental para o profissional nas áreas de automação e controle, mecatrônica e eletrotécnica. Uma limitação nas experiências com máquinas elétricas é que geralmente elas são acionadas sem cargas acopladas aos seus eixos, ou com cargas fixas. Nestas condições não é possível ensaiar os motores em condições reais de uso, onde sempre existirão cargas e estas têm diferentes comportamentos conforme sua natureza. O kit Xe801 Máquinas Rotativas vem eliminar essa limitação e permitir experiências muito mais ricas no estudo das características de cargas e de seus dispositivos de acionamento. O kit é composto dos motores mais utilizados (MIT, DC, Monofásico, Dahlander e Servomotor), dos equipamentos utilizados para partida e controle desses motores (inversor de freqüência, conversor AC/DC, softstarter, servodriver) e dos dispositivos de proteção e a comandos de partida. O servomotor pode ser acoplado aos demais motores em ensaio para simular diferentes cargas (constante, linear, quadrática) ou mesmo variar a carga livremente. Adicionalmente, um sistema de captura de dados permite a aquisição de diversos parâmetros do motor em testes, dados estes que depois podem ser analisados e plotados em gráficos. É possível salvar e exportar os dados capturados, para serem posteriormente analisados, comparados e utilizados em relatórios. Enfim, uma única bancada de ensaios que permite o estudo de todas as características de funcionamento, partida, controle e proteção de motores. Junto com o kit segue um abrangente material didático, tratando de todos os equipamentos e dispositivos abordados e orientando a execução de uma série de experiências a serem realizadas no kit.

3 1. Funcionamento 1.1. O kit é composto por Motores Dispositivos de acionamento Simulador de cargas Sistema de aquisição 1.2. Pode-se acionar os motores de diferentes formas, utilizando os dispositivos de acionamento e proteção disponíveis, conforme o tipo de motor As montagens são feitas através da ligação de pinos banana, de forma que o estudante possa exercitar montagens 1.4. O servomotor pode ser utilizado, em conjunto com um sistema de comando, para a simulação de diferentes cargas. Para tanto, existe um sistema de acoplamento mecânico de eixos e um sistema de deslocamento do servo O sistema de aquisição de dados pode ser utilizado para aquisitar dados dos motores em ensaio 2. Motores 2.1. Todos os motores estão fixados à bancada do kit, a exceção do servomotor, que pode ser deslocado para conexão aos demais SERVOMOTOR CA: TORQUE MÁXIMO: 6,0 NM; Acoplada ao servomotor existe uma célula de carga para medidas de vibração do mesmo MOTOR TRIFÁSICO: POTÊNCIA: 0,5 A 1(CV); TENSÃO: 220 / 380 V (6 PONTAS); DEVERÁ POSSUIR SENSOR DE TEMPERATURA PT 100 INCORPORADO; 2.4. MOTOR MONOFÁSICO COM CAPACITOR PERMANENTE: POTÊNCIA 0,5 CV; ALIMENTAÇÃO: 110 / 220 V; DEVERÁ POSSUIR SENSOR DE TEMPERATURA PT 100 INCORPORADO; 2.5. MOTOR DE CC COM TACO GERADOR: MOTOR DE CORRENTE CONTINUA; POTÊNCIA DO MOTOR: 0,5CV; ROTAÇÃO: RPM; COM TACOGERADOR ACOPLADO ATRAVÉS DE JUNTA FLEXÍVEL OU INTEGRADO A CARCAÇA DO MOTOR MOTOR DAHLANDER (DUAS VELOCIDADES): POTÊNCIA 0,5 CV; RPM: 1800/3600; TENSÃO: 220V

4 3. Acionamento e proteção 3.1. Os equipamentos de acionamento são fixados a bancada, com seus sinais de ligação e controle disponibilizados em painéis através de bornes 4mm 3.2. SERVOCONVERSOR CA: COMPATÍVEL COM O SERVOMOTOR; ALIMENTAÇÃO ELÉTRICA: 220 VAC / 60 HZ; 3.3. SOFT STARTER: TENSÃO (CIRCUITO DE POTÊNCIA): 220 VAC TRIFÁSICO / 60 HZ; TENSÃO (CIRCUITO DE CONTROLE): 110 A 220 VAC; POTÊNCIA DO MOTOR: 1 CV; PROTEÇÕES DE SEGURANÇA: SOBRECARGA DO MOTOR; SEQUÊNCIA DE FASE e FALTA DE FASE; ROTOR BLOQUEADO e SOBRECORRENTE; RECURSOS: AJUSTE DE TENSÃO INICIAL; AJUSTE DO TEMPO DE RAMPA DE ACELERAÇÃO / DESACELERAÇÃO; 3.4. INVERSOR DE FREQUÊNCIA: TENSÃO DA REDE: 220 VAC/60 HZ; POTÊNCIA DO MOTOR: 1CV; VARIAÇÃO DE FREQUÊNCIA: 0 A 300 HZ; PROTEÇÃO: SOBRETENSÃO E SUBTENSÃO; SOBRECORRENTE; SOBRETEMPERATURA; SOBRECARGA NO MOTOR; CURTO - CIRCUITO; FUNÇÃO INTERFACE HOMEM - MÁQUINA COM COMANDOS: LIGA / DESLIGA; PARAMETRIZAÇÃO; INVERSÃO DE ROTAÇÃO; LOCAL / REMOTO; LEITURA: FREQUÊNCIA, TENSÃO, RPM, TEMPERATURA, CORRENTE E SAIDA DE MOTOR, TORQUE E ERROS; 3.5. CONVERSOR AC / DC: ALIMENTAÇÃO (MONOFÁSICA OU TRIFÁSICA) 220 VAC, 60 HZ; COMPATÍVEL COM O MOTOR DC ESPECIFICADO COM CONTROLE DE VELOCIDADE REALIMENTADA POR TACOGERADOR ; 3.6. Dispositivos de comando Dispositivos de comandos em painéis de fácil encaixe na área de montagem, sem necessidade de ferramenta Os painéis apresentam representação em serigrafia do dispositivo, indicando sua função Todas as conexões são feitas por bornes de 4mm Conjunto de contatores de potência e auxiliares, botoeiras, sinaleiros, temporizadores, etc... que permitam a realização das seguintes montagens Partida estrema-triângulo Partida direta/reversa de motor monofásico Comando de velocidade do Dahlander Partida de dois motores (MIT e Dahlander) usando um softstarter

5 3.7. Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção em painéis de fácil encaixe na área de montagem, sem necessidade de ferramenta Os painéis apresentam representação em serigrafia do dispositivo, indicando sua função Todas as conexões são feitas por bornes de 4mm Relé de falta de fase; Relé de seqüência de fase Disjuntor termomagnético; Disjuntor motor Botão de emergência tipo cogumelo 4. Proteção e acionamento 4.1. O kit possui saídas protegidas de tensão para comando e potência, para serem utilizadas nas montagens 4.2. Proteção geral Disjuntor termomagnético e Disjuntor diferencial; Chave seccionadora para ligar e desligar todo o sistema Botões liga e desliga para controle do barramento de experiências (saídas de comando e potência) 4.3. Saída de potência Conexão para montagens através de bornes 4mm: Um sinaleiro indica o estado da saída Proteção através de disjuntor trifásico 4.4. Saída de comando Conexão para montagens através de 02 bornes 4mm; Um sinaleiro indica o estado da saída Proteção através de disjuntor bifásico 4.5. A ALIMENTAÇÃO DO PAINEL É FEITA ATRAVÉS DE CABO COM PLUGUE (3P + T + N) EM 220VAC COM 3M DE COMPRIMENTO E SECÇÃO COMPATÍVEL COM A CARGA; 5. Simulador de cargas 5.1. O sistema simulador de carga tem o objetivo de controlar o servomotor de forma simular diferentes tipos de carga O sistema permite a variação de carga conforme rotação nos compostamentos Constante, Linear e Quadrático 5.3. O sistema permite a variação da carga manualmente ao longo da experiência O controle é feito por um PLC com IHM integrada, com função de motion control, para acionamento direto do servodriver.

6 6. Sistema de aquisição de dados 6.1. Equipamento de aquisição entradas analógicas simultâneas Taxa de amostragem de 8MSamples/s ( 2MSamples/s por canal) entradas digitais Interface USB 6.2. Sinais Analógicos Tensão Corrente Vibração Temperatura 6.3. Sinais digitais Rotação do eixo (encoder) 6.4. Sinais calculados Potência (Aparente, Real e Reativa) Torque 6.5. Software Software para execução em plataforma PC, que faz captura dos dados da placa de aquisição, os processa e apresenta curvas CURVAS EM FUNÇÃO DO TEMPO: CONJUGADO; CORRENTE; POTÊNCIA; TEMPERATURA; ROTAÇÃO; VIBRAÇÃO; CURVAS CARACTERÍSTICAS CONJUGADO x CORRENTE; ROTAÇÃO x CORRENTE; POTÊNCIA x CORRENTE; CONJUGADO x ROTAÇÃO; Os dados capturados podem ser salvos para posterior análise e plotagem de curvas É possível exportar as curvas geradas em formato de figura. 7. SEGURANÇA: 7.1. O EQUIPAMENTO POSSUI DETALHES CONSTRUTIVOS VISANDO A PROTEÇÃO DO USUÁRIO E DO RESPECTIVO EQUIPAMENTO, PRINCIPALMENTE: 7.2. PARTES GIRANTES; 7.3. PONTOS DE PRENSAGEM; 7.4. DEMAIS CONDIÇÕES INSEGURAS;

7 8. DOCUMENTAÇÃO: 8.1. MANUAL COM AS CARACTERÍSTICAS DE CADA COMPONENTE; 8.2. Documentação Integrada, composta de Manual Apostila teórica Caderno de experiências 1.1 Softwares Uma licença do software de aquisição de dados, conforme descrito acima. COMPOSIÇÃO DO KIT 1.1 Pacote Básico Bancada com dispositivos e motores descritos acima Módulos de dispositivos de proteção e comando, conforme especificado. Cabos banana-banana 4mm para montagens das experiências CD contendo o o o o Manual de utilização e manutenção do kit Apostila Teórica (cada cartão / módulo possui sua apostila de teoria e práticas) Caderno de Experiências Exemplos, manuais, apostila e softwares.

8 R u a J u c a C a s t e l o M a r i s t e l a Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil SAC /

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00031/2015 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00031/2015 (SRP) Pregão Eletrônico 158658.312015.19574.4723.957134136.56 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00031/2015 (SRP) Às 09:02 horas

Leia mais

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 -

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. ELETROTÉCNICA INTRODUÇÃO Bancada

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

MEDIDAS ELÉTRICAS POL-200

MEDIDAS ELÉTRICAS POL-200 ELETROTÉCNICA INDUSTRIAL POL-100 Para atender as necessidades das aulas praticas nos cursos de engenharia elétrica, técnico em eletro eletrônico e eletrotécnico. Permite ao aluno familiarização com componente

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas SSW - Soft-Starter WEG O atual estado de desenvolvimento dos acionamentos elétricos concentra o resultado de um longo período de tentativas

Leia mais

Empresa Techmachine Solução Industrial.

Empresa Techmachine Solução Industrial. Segurança e Higiene do traalho; Fornecimento de Componentes: Hidráulicos, Empresa Techmachine Solução Industrial. Fundada em 2009, a TECHMACHINE é uma empresa rasileira que atua no mercado nacional e internacional,

Leia mais

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Os Servoacionamentos WEG são utilizados nas mais diversas aplicações industriais, onde, elevada dinâmica, controle de torque, precisão de velocidade e posicionamento

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

100% electricity. Correção automática do fator de potência

100% electricity. Correção automática do fator de potência 100% electricity Correção automática do fator de potência Correção Automática do Fator de Potência Controladores automáticos do fator de potência DCRK DCRJ Programação digital Configuração com 5 ou 7 estágios,

Leia mais

MicroPLC LOGO! - XC 102 -

MicroPLC LOGO! - XC 102 - T e c n o l o g i a MicroPLC LOGO! - XC 102 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. MicroPLC LOGO! - XC 102 - INTRODUÇÃO É desnecessário discutir a importância

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

Automação Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão. Motores Automação Energia Tintas

Automação Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão. Motores Automação Energia Tintas Automação Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão Motores Automação Energia Tintas CCMs BT WEG Os CCMs BT WEG foram desenvolvidos para atender aos mais diversos segmentos de mercado, atendendo a

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3 Gama completa de versões Programação intuitiva Integra a mais completa biblioteca de funções pré-programadas Funções especiais disponíveis Versões expansíveis até 50 E/S, comunicação entre CLP s e intercâmbio

Leia mais

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal Cabos Os cabos de tomada que se utilizam são especialmente robustos, fabricados por Amphenol (serie C 16 1/7pin) ou Binder (serie 693/7pin) para as balanças WL 103 e Fischer (tipo 104/4pin) para a WL 104.

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento.

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento. [1] Introdução Controladores de fator de potência são instrumentos utilizados para medição e compensação de potência reativa em instalações elétricas. O fator de potência, definido pela razão entre potência

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Soft-Starters SSW07 e SSW08

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Soft-Starters SSW07 e SSW08 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação IPI REDUZIDO Produto beneficiado pela Lei da Informática SSW07 e SSW08 Soft-starters são chaves de partida estática, projetadas para

Leia mais

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103 UMG 103 UMG 103 Equipamento de medição universal para montagem em trilho DIN Os dispositivos de medição universal da família de produtos UMG 103 foram principalmente concebidos para serem utilizados em

Leia mais

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Objetivos: Estudo dirigido da estação compacta da Festo para experimentos em controle de processos. Além da familiarização com os componentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 4) «21. As Normas Regulamentares trazem especificações para diversas áreas técnicas a NR-10trata especialmente de qual área? a) Instalaçõeselétricasprediais.

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA

Leia mais

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7 UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7 Copyright 2000 Photodisc, Inc. 5973-04 Aplicações do UNITROL 1000-7 O UNITROL 1000-7 é o último e mais compacto

Leia mais

Descubra as soluções EXSTO de EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Descubra as soluções EXSTO de EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA T e c n o l o g i a Descubra as soluções EXSTO de EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA AUTOMAÇÃO E CONTROLE Banco de Ensaios para Controlador Lógico Programável A EXSTO Tecnologia foto da empresa Instalada em Santa Rita

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MODELO: ED-4031

SISTEMA DE TREINAMENTO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MODELO: ED-4031 SISTEMA DE TREINAMENTO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Compreensão dos processos básicos de automação de produção como transferência, classificação, inspeção e armazenagem. Fiação e tubulações

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Medidores de energia e multimedidores digitais

Medidores de energia e multimedidores digitais Medidores de energia e multimedidores digitais Medição de Energia Elétrica Eficiência Energética Rateio de Energia Elétrica, Água e Gás Medição Horosazonal (Ponta e Fora de Ponta) Sistemas de Comunicação

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NBR 16200 - ELEVADORES DE CANTEIROS DE OBRAS PARA PESSOAS E MATERIAIS COM CABINA GUIADA VERTICALMENTE - REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA

Leia mais

Rua Guajajaras, 40 sala 306 Centro CEP 30180-100 Belo Horizonte MG Telefones: 55 31 3232-0400 Fax: 55 31 3232-0401 comercial@utili.com.

Rua Guajajaras, 40 sala 306 Centro CEP 30180-100 Belo Horizonte MG Telefones: 55 31 3232-0400 Fax: 55 31 3232-0401 comercial@utili.com. DESCRIÇÃO O PME-500-TR representa um grande avanço em sistemas para teste de disjuntores, devido ao seu avançado método de controle, acessórios disponíveis e simplicidade de uso. O equipamento economiza

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Sensores e Transdutores - XC 201 -

Sensores e Transdutores - XC 201 - T e c n o l o g i a Sensores e Transdutores - XC 201 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Sensores e Transdutores - XC 201 - INTRODUÇÃO Sensores e transdutores

Leia mais

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência 26 Capítulo IV Dispositivos de proteção Parte II Por Cláudio Mardegan* Relé direcional de potência Quando instalado na interconexão com Em concepção, os relés direcionais de potência são relés que operam

Leia mais

Todos os produtos são desenvolvidos e produzidos no Brasil!

Todos os produtos são desenvolvidos e produzidos no Brasil! CATÁLOGO DE PRODUTOS 01/2014 A MBTech é uma empresa focada em soluções tecnológicas e desenvolvimento de produtos que aliam a inovação tecnológica ao perfil da indústria brasileira. Com equipe de desenvolvimento

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico Curso de Tecnologia em Manutenção Industrial Disciplina de Instalações Elétricas Industriais Parte Prática Turma: ET32K N12. Professor Clovis Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico OBJETIVO:

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Indice Analítico ... II 11. Capítulo 1 - Introdução 17. Capítulo 2 - Sensores de Presença 31

Indice Analítico ... II 11. Capítulo 1 - Introdução 17. Capítulo 2 - Sensores de Presença 31 , Indice Analítico Capítulo 1 - Introdução 17 1.1. Atuadores 17 1.2. Sensor 17 1.2.1. Sensores analógicos 18 1.3. Sensores digitais 18 1.4. Transdutor 19 1.5. Conversores AJO e D/A 19 1.6. Transmissor

Leia mais

Para painel, com botão de teste. 2 ou 3 reversíveis 10A. 34,5 x 34,5 x 55mm.

Para painel, com botão de teste. 2 ou 3 reversíveis 10A. 34,5 x 34,5 x 55mm. Relés Industriais TNA T OP Sub-miniatura painel. 2 reversíveis - 10A. 4 reversíveis - 5A. LED, botão de teste e trava. 28 x 21,5 x 35mm. Para painel, com botão de teste. 2 ou 3 reversíveis 10A. 34,5 x

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Automação. IMS Industrial mechatronics system. Lucas Nülle GmbH Página 1/6 www.lucas-nuelle.pt

Automação. IMS Industrial mechatronics system. Lucas Nülle GmbH Página 1/6 www.lucas-nuelle.pt Automação Acquire practical and project-oriented laboratory skills and expertise: Automation trainers, mechatronics trainers, PLC trainers IMS Industrial mechatronics system Lucas Nülle GmbH Página 1/6

Leia mais

GE Energy Management Industrial Solutions. Sistema de Gerenciamento de Motores. EntelliPro. Relé Inteligente. GE imagination at work

GE Energy Management Industrial Solutions. Sistema de Gerenciamento de Motores. EntelliPro. Relé Inteligente. GE imagination at work GE Energy Management Industrial Solutions Sistema de Gerenciamento de Motores EntelliPro Relé Inteligente GE imagination at work Funcionalidade e benefícios Fase de engenharia Funcionalidades Rápida inicialização,

Leia mais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais

Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais 1 Proposta de uma Bancada de Bombas Hidráulicas para Avaliação da Eficiência Energética em Consumidores Industriais José T. Assunção, Paulo C. A. Leão, Tereza C. B. N. Assunção Resumo-Através de um convênio

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de equipamentos que utilizam sistemas de controle para o seu funcionamento, julgue o item abaixo. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 5 As modernas máquinas de lavar roupa, em que é possível controlar desde

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica Função: destinado ao estudo da mecânica dos fluidos [dinâmica dos fluidos (manômetros de tubo fechado, bombas hidráulicas,

Leia mais

3.3) Painel de controle e acionamento

3.3) Painel de controle e acionamento Figura 3.16 Transdutor de pressão diferencial capacitivo f) FV-01 Válvula de controle de vazão - Válvula Globo Contorno Válvula de controle, 2 vias, tipo globo, linear, diâmetro 3/4",conexão rosca BSP,

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR Arthur Rosa, Everton Adriano Mombach e Rafael Bregalda. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Chapecó Santa Catarina Brasil Curso Superior de Engenharia

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

1. Mod. Potência 2. Unid. Controle 3. Painel. 2. Unidade de Controle CU230P-2 (PROFIBUS DP, HVAC, CANopen)

1. Mod. Potência 2. Unid. Controle 3. Painel. 2. Unidade de Controle CU230P-2 (PROFIBUS DP, HVAC, CANopen) Dados técnicos Dados mecânicos Grau de proteção Max. IP55 / UL Type 12 IP20 / UL Open Type Dados elétricos Potência nominal (baixa sobrecarga LO) Corrente de saída nominal (Baixa sobrecarga LO) 0.37 90

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA

DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Eletricidade Industrial Fatec Mogi Mirim Prof. Gerson R. Luqueta DIMENSIONAMENTO DE MOTORES COM CARGA ACIONADA Para dimensionamento necessitamos conhecer: Conjugado requerido pela carga Rotação requerida

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS Curso Técnico em Plásticos Professor Jorge Eduardo Uliana E-mail jorge.eu@terra.com.br 1 - Introdução Geral 1.1 - Eletromagnetismo Sempre que uma corrente elétrica

Leia mais

ESTUDO DE CASO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PRODUTO: RODIZIO

ESTUDO DE CASO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PRODUTO: RODIZIO ESTUDO DE CASO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PRODUTO: RODIZIO 1 OBJETIVO Apresentar processos automatizados Evidenciar melhoria de processo através da automação Aumento da produção/produtividade em função da automação

Leia mais

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Os Balanceadores Computadorizados WATT são inteiramente projetados e fabricados no Brasil, possuindo as seguintes vantagens em relação

Leia mais

Portifólio Informe Técnico de Projeto

Portifólio Informe Técnico de Projeto Portifólio Informe Técnico de Projeto Modernização da Escarfagem CG-75 Cliente Área de Negócio Ano de Execução Ficha Técnica Usiminas Turn Key 2008 Tecnologia em Sistemas Industriais e Serviços Introdução

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Contatos auxiliares retardados/adiantados adicionais garantem dupla segurança em caso de necessidade de chaveamento extrema.

Contatos auxiliares retardados/adiantados adicionais garantem dupla segurança em caso de necessidade de chaveamento extrema. h aol C t eê n Ss Ei em P de r iae be a D ue f, S ul m es V R ne bleitg I G eai no M O vreer S A o Sn U s toe T ck b i nddeu nfgo zr um m t ia ev r een?? Re GA À ipglue n NA (statd t Ah CeOi N sd s IaÇrÃbOeSi

Leia mais

soft starter Acione suave e naturalmente com SIRIUS e SIKOSTART

soft starter Acione suave e naturalmente com SIRIUS e SIKOSTART soft starter Acione suave e naturalmente com SIRIUS e SIKOSTART Soft Starter Índice Páginas Introdução... e 2 SIRIUS 3RW30... 3 SIKOSTART 3RW34... 4 SIKOSTART 3RW22... 5 Panorama... 6 Software Win-SIKOSTART...

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

PASSFINGER 1040. Manual de utilização

PASSFINGER 1040. Manual de utilização PASSFINGER 1040 Manual de utilização Sumário 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PASSFINGER 1040...3 2 - APLICAÇÕES...4 2.1 RECOMENDAÇÕES DE INSTALAÇÃO...5 2.1.1 Recomendações de utilização...5 3 BULA DE INSTALAÇÃO...7-4

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

Manual de Instruções. Posicionador e Incrementador Modelo PIS-01/72. Cód.: Frontal. Conexões Elétricas. Introdução

Manual de Instruções. Posicionador e Incrementador Modelo PIS-01/72. Cód.: Frontal. Conexões Elétricas. Introdução Introdução Características Técnicas O posicionador e incrementador Samrello é um equipamento utilizado para o comando de posicionamento dos eixos em máquinas e processos, em diversas áreas e aplicações.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Novembro de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os principais conceitos e aplicações dos Servoacionamentos;

Leia mais

AUTOMAÇÃO E CONTROLE Banco de Ensaios em Simulador de Caixa D Água - XC223 -

AUTOMAÇÃO E CONTROLE Banco de Ensaios em Simulador de Caixa D Água - XC223 - T e c n o l o g i a Descubra as soluções EXSTO de EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA AUTOMAÇÃO E CONTROLE Banco de Ensaios em Simulador de Caixa D Água A EXSTO Tecnologia foto da empresa Instalada em Santa Rita do Sapucaí,

Leia mais

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado O Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem AN3230 foi desenvolvido para a realização de ensaios de pelotas de minério

Leia mais