APLICAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUES NO SETOR ATACADISTA: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA XYZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUES NO SETOR ATACADISTA: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA XYZ"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUES NO SETOR ATACADISTA: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA XYZ MARCELO RABELO HENRIQUE (UNINOVE) Jose Abel de Andrade Baptista (FATEC) Paulo Ramirez (FATEC) ADAMARIS IZAURA CAVALCANTI (SJT) Paulo Cristiano de Oliveira (SJT) Considerado uma atividade de venda de produtos ou serviços para o consumidor final, o atacado pode ser visto como um ponto chave dentro da cadeia de suprimentos, embora não se faça tão visível para o consumidor. Com o intuito de melhorar a competitividade no mercado, as empresas têm buscado cada vez mais alternativas para diminuir custos e aumentar o nível de serviço ao cliente. O departamento de compras alinhado ao gerenciamento de estoque no atacado agrega valor a qualquer organização de forma estratégica. Para que o departamento atue de forma eficiente o uso de políticas de estoques elaboradas de acordo com as necessidades da empresa orientam os administradores de materiais a planejar o suprimento dentro da organização, auxiliam na seleção de fornecedores, ou seja, oferecem parâmetros para o para a gestão do departamento. Além disso, aplicação de análises feitas por métodos quantitativos como estoque máximo e estoque de segurança, se mostram eficientes para o gerenciamento do estoque. O presente trabalho tem o objetivo de apresentar um estudo de caso de um atacadista que pretende estabelecer critérios para a seleção de seus fornecedores e parceiros aliados aos métodos quantitativos que serão aplicados para auxiliar no controle realizado atualmente em seu estabelecimento comercial. Palavras-chaves: Departamento de compras; Seleção de Fornecedores, Métodos quantitativos.

2 1.INTRODUÇÃO A abertura das fronteiras brasileiras e a evolução na manufatura, ao início de 1990, possibilitou o acesso a qualquer tipo de insumo, tecnologia e serviço, dificultando o surgimento de produtos similares no Brasil. No cenário atual, com a acirrada competição global, as empresas buscam sobressair com a implantação de novos processos, pois, sentem a necessidade de responder com agilidade e rapidez às mudanças impostas pelo mercado, com eficiência e manutenção da qualidade de produtos e serviços oferecidos a um custo mais baixo para seus consumidores e ainda, busca proporcionar aumento na lucratividade para todos os envolvidos no processo. À medida que novas tecnologias e novos produtos são inseridos no ambiente, os meios para obtenção de recursos, produção e desenvolvimento torna-se cada vez mais dependente de terceiros. Nesse contexto, o uso de estratégias para agregar valor a qualquer organização torna-se útil. A gestão de compras, atualmente é vista como uma parte estratégica com influência direta nos estoques e no relacionamento com os clientes, ficando assim diretamente ligada ao sucesso das organizações. O setor de compras, dentro de um ambiente organizacional, há algum tempo foi considerada uma área burocrática e estava restrita a um papel operacional, limitando-se ao processamento de pedidos de compras e a grande número de atividades que não agregava valor. No entanto, a antiga forma de como esta área era retratada, alterou-se com a globalização e atualmente, a gestão de compras, estruturada por políticas instituídas pelas empresas e aliadas as tecnologias e ações estratégicas, otimiza a relação entre clientes e fornecedores, com vistas a melhora do abastecimento e aumento do nível de serviço. Este estudo visa mostrar a importância do relacionamento entre empresa com os fornecedores no que tange ao processo de escolha e seleção, controle de estoques e a importância de se respeitar os prazos de entrega, visando o atendimento do cliente interno e externo e de se estabelecer políticas que estejam adequadas às necessidades da organização. A relevância do presente estudo decorre da necessidade das empresas estarem preparadas para disputar pela sobrevivência em um ambiente competitivo regido por incertezas de demanda que estão sujeitas às mudanças constantes. As empresas enfrentam, diariamente, problemas em seu ambiente interno e externo por conta de vários fatores relacionados à posição que ocupa no canal de distribuição. Diante dessa situação as empresas precisam de medidas estratégicas para lhes garantam competitividade. No setor atacadista esse cenário pode ser observado de forma notória com acuidade da situação pela variedade de fornecedores as quais são trabalhados. O setor de compras e de materiais neste segmento precisa estar alinhado às necessidades tanto da empresa quanto de seus clientes. Este cenário permite formular e buscar respostas para as seguintes questões de pesquisa: Qual a política de compras que a empresa atacadista de médio porte deve estabelecer? Como a utilização de métodos quantitativos poderia apoiar o setor de compras? Este trabalho tem por objetivo detalhar o processo de compras de uma empresa atacadista, estudando as melhorias no processo de gestão de compras e a seleção de itens e fornecedores, realizados por meio de políticas de gestão de estoque e métodos quantitativos. Os objetivos específicos são: revisar os conhecimentos sobre os procedimentos utilizados pelo departamento de compras; oferecer uma contribuição para o uso de conceitos e modelos relacionados à qualidade na melhoria do processo de seleção e cadastramento de fornecedores da empresa; estudar os benefícios de ter políticas de estoque fomentadas na empresa; estudar 2

3 os benefícios de usar fórmulas quantitativas para fazer o controle do estoque e estabelecer políticas e critérios ao processo de seleção e escolha de fornecedores da empresa. Trata-se de um estudo de caso, de caráter exploratório com estudo bibliográfico. O estudo foi realizado em uma empresa de porte médio cuja principal atividade econômica é o comércio atacadista de utensílios domésticos. Fundada em 1979 a XYZ tem sede na cidade se São Paulo (SP). 2.Revisão de Literatura A abertura da economia brasileira e a globalização dos mercados exigem que as empresas, respondam de maneira mais ágil, com melhores performances às mudanças, sendo forçadas a buscarem novos referenciais para a sua atuação a fim de consolidar uma melhor gestão empresarial. Nesse contexto, passaram a ver na gestão de estoque uma alternativa para aperfeiçoar suas operações e atingir seus objetivos. As políticas de estoque são o conjunto de atos diretivos que estabelecem, de forma global e específica, princípios, diretrizes, e normas relacionados ao gerenciamento, que dão parâmetro para os gestores de estoques tomarem a decisão de qual o nível de estoque mais adequado para se manter em materiais a fim de manter o equilíbrio entre as diversas variáveis componentes do sistema. (VIANA, 2002, p. 118; FRASCHINI e GURGEL, 2002, p. 88). Para que se possa definir e formalizar uma política de estoques primeiramente é preciso esclarecer quatro questões antes de efetuar a compra dos produtos conforme apontado por Wanke (2000, p. 177) e Slack (2009, p.362) que são: Onde localizar os estoques? Quando pedir? Quanto manter em estoques de segurança?.quanto pedir? De acordo com Hillier e Lieberman (2010, pp. 1 e 2) as técnicas para gerenciar os estoques estão mudando entre as empresas, as empresas japonesas foram pioneiras a introduzir o sistema de estoque just-in-time utilizadas por empresas japonesas que enfatiza planejamento e programação para que os materiais cheguem extremamente a tempo para seu uso, sendo que os estoques são reduzidos a níveis para o estritamente necessário, outra ferramenta que está sendo utilizada para ganho competitivo a aplicação de técnicas de pesquisa operacional, para otimizar suas políticas de estoques através das seguintes etapas: Formular um modelo matemático para descrever o comportamento do sistema de estoque Buscar uma política de estoques ótima em relação a esse modelo Usar um sistema de processamento de informações computadorizado para manter um registro dos níveis de estoques atuais Utilizar esse registro de níveis de estoque atuais, aplicar a política de estoques ótima para sinalizar quando e em que níveis reabastecer os estoques Segundo os mesmos autores, os modelos matemáticos de estoques podem ser divididos em duas categorias, modelos determinísticos onde é suposto que as previsões de demanda são totalmente previstas e os modelos estocásticos quando a demanda não pode ser muito bem prevista, sendo uma variável aleatória a qual será abordado com maior propriedade. Na concepção de Tadeu (2008, p. 76) a utilização de modelos matemáticos aplicados no gerenciamento de estoques atende plenamente às expectativas de produção ou consumo das organizações, com a máxima eficiência, redução de custos e tempo de movimentação. A aplicação dos modelos permite fazer uma previsão da demanda dos produtos. 3

4 Pode-se observar que as metodologias quantitativas de estoque são importantes para um bom desempenho do setor de materiais, pois permitem aos gestores prever os sinais de demanda. (TADEU, 2008, p.75). 3.Estudo de caso O objeto deste estudo é uma empresa de porte médio cuja principal atividades econômica é o comércio atacadista de utensílios domésticos. Fundada em 1979 a XYZ tem sede na cidade se São Paulo (SP), Vila Ré. Foi realizado durante o ano de 2010, nos períodos de janeiro a novembro. Atualmente, a XYZ trabalha com uma linha aproximada de itens de produtos entre vidros, plásticos, térmicas e metais fazendo a distribuição para todo o território nacional. Trata-se de uma empresa de porte médio do ramo atacadista, que tem os seguintes itens utilitários disponíveis para a venda: garrafas térmicas, copos de vidro, vasilhames plásticos, dentre outros produtos. Possui uma boa estrutura para acomodar todas as mercadorias, a gestão do estoque é controlado através de inventários semestrais e pelo sistema de solução de gestão empresarial ACE 4 ERP, implantado em 2008 para integrar os processos da mesma, contudo, há muitas falhas no que tange a acurácia dos estoques. Por diversas vezes as informações estão distorcidas e demonstram quantidades físicas divergentes das apresentadas no sistema. O controle é feito através do sistema e por meio de inventários semestrais, normalmente realizados após os períodos de maior saída para confirmar a acurácia dos itens, há também casos de informações divergentes entre o sistema e o estoque físico real, então é feita uma contagem apenas do item em que está ocorrendo à divergência para acerto no sistema. Sendo assim, baseado nestas informações e conforme o período do ano em que se está o comprador pode solicitar o pedido de compras junto com os fornecedores correspondentes. Também há problemas para seleção de fornecedores, a empresa não possui nenhum tipo de política para a seleção e cadastramento de parceiros, sendo assim, a inclusão não respeita a nenhum tipo de critério para ser feita; os compradores ao visualizar os produtos oferecidos fazem uma rápida análise e aposta que o mesmo pode se tornar um forte aliado estratégico o que muitas vezes não ocorre e o fornecedor torna-se um grande problema para a empresa com relação ao descumprimento de prazo, qualidade baixa de serviço, produtos encalhados e descumprimento com o que fora acordado. A empresa trabalha de forma que sempre há produtos que tem maior giro por estarem em promoção e os itens que tem um volume de saída normal. Para o ressuprimento de ambos são usados fórmulas quantitativas como estoque mínimo e estoque de segurança para dar parâmetro ao administrador de materiais, sendo que o pedido de compras é feito quando os cálculos demonstram que a quantidade em estoque é inferior a quantidade de segurança, sendo a análise da quantidade de estoque de segurança ser feita em cima da quantidade de peças que são vendidas por dia para cada produto. Conforme fora mencionado, a principal ferramenta de suporte para a gestão de compras é o sistema empresarial por apresentar diversos tipos de informações para o setor de compras, abaixo seguem as telas em quê os administradores se apóiam para verificar o estoque dos produtos. Por meio da aplicação de métodos quantitativos são demonstrados como as equações auxiliam e direcionam para que os compradores façam qualquer tipo de análise de estoque o que permite uma visão mais ampla da situação atual para poder estabelecer os critérios na escolha de futuros parceiros ou até mesmo a aquisição de um item já em linha. 4

5 Atualmente a empresa faz uso de uma sistemática de compras, que leva em conta a demanda apurada dentro da periodicidade de compras definida pela curva ABC, prazos de entrega dos fornecedores, margem de segurança e um controle financeiro que mantenha o equilíbrio entre o setor de vendas, compras e estoque. Para a execução do mesmo foi estabelecido uma frequência de compras sendo: semanais para produtos de classificados como A; quinzenais para produtos da classe B e mensal para os demais. Qfix =. VMT. * (PC + PE + MS) + PERCA DV Através desta fórmula são levas em consideração: VMT - Venda média do trimestre DV Dias de vendas PC Período de compras PE Prazo de entrega MS Margem de Segurança Perca quantidade de itens que não foram vendidos devido à falta do produto. Apresentadas as ferramentas que a organização em estudo utiliza, foram propostos outros métodos quantitativos que podem ser utilizados para controle do estoque permanecendo como base para estudo o mesmo item ilustrado no exemplo anterior. Este produto foi escolhido devido à demanda deste produto, pelo fato de ser um produto térmico o volume de venda tende a ser maior nos meses próximos ao período de inverno e em alguns anos como o de 2010, no período de verão também. A XYZ tem como característica firmar alianças estratégicas com a indústria produtora deste item para obter o mesmo a um preço mais baixo possibilitando à distribuidora fechar promoções junto com o próprio fabricante estabelecendo algumas regras que devem ser cumpridas com relação ao tempo de resuprimento, quantidade de itens, dentre outros de acordo com o planejamento de compras. O primeiro passo foi o levantamento de dados relevantes ao estoque deste produto, a tabela 2 demonstra a quantidade de itens consumidos no período de janeiro a outubro de 2010 deste item. Período 2010 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Consumo Tabela 1. Levantamento de dados. Fonte: Autores. A análise da tabela demonstra que há muitas oscilações durante o ano no volume de vendas do item, sendo os maiores períodos os que se aproxima a época de inverno, nos meses de junho, julho e agosto, sendo que o valor máximo de compras ocorreu no mês de agosto de 507 unidades; nos demais meses a quantidade de vendas foi menor, sendo o menor valor de vendas no ano de 290 unidades, mas não deixou de ter saída; de acordo com estes dados verifica-se também que o consumo médio de compras foi de aproximadamente 322 unidades, com um desvio padrão de 93,42 unidades de acordo com os cálculos estatísticos apresentados na tabela 3. Máximo 507 Mínimo 223 5

6 Consumo médio 321,27 Desvio-padrão 93,42 Tabela 2. Cálculos Estatísticos. Fonte: Autores A aquisição deste produto acontece nos meses de baixa temporada, o que ocasiona um problema grave, pois, a compra é feita de acordo com o acordo feito com o fornecedor. A linha de térmicos tem por característica de serem produtos cujo valor unitário é alto comparado aos produtos da linha de plásticos; como alternativa para reduzir alguns custos com transporte e até mesmo o preço do produto adquirido, o administrador faz o pedido de um carregamento fechado do produto sem antes fazer uma análise sobre a venda do mesmo, uma outra característica deste tipo de parceria com a indústria é que os produtos que são entregues possuem características similares como a coloração, isso ocorre devido a falta de imposição por parte da empresa de sortir os produtos para evitar que o estoque fique com muitos produtos semelhantes em estoque, ou seja, a aquisição deste produto causa impacto de duas formas no depósito da empresa: primeiro pela grande quantidade de itens adquiridos além dos que não foram vendidos e estavam estocados e o segundo pela falta de produtos sortidos no estoque. Uma das medidas para amenizar esta situação é fazer promoções da linha de produtos do fornecedor deste produto nos meses de junho, julho e agosto, onde o volume de vendas é superior aos demais meses - conforme pôde ser visualizado pela tabela 2. Desta forma, o giro dos estoques aumenta o que possibilita a redução dos estoques destes. A partir da tabela 3 tornou-se necessário calcular os valores do tempo de ressuprimento e os custos associados à área de materiais. Estes dados foram levantados nos setores responsáveis em apoio às atividades de estocagem e estão relacionados e calculados nas tabelas 4 e 5 a seguir. Consumo Anual CA Tempo de Ressuprimento TR 7 Custo de Compra CC 130 Custo do Produto Armazenado CPA 0,25 Preço Unitário PU 14,00 Fator de segurança K 0,70 Giro de estoques IC 12,78 Encomendas 0,00 Tabela 3. Análise de Materiais. Fonte: Autores Na tabela supracitada constam apenas algumas informações que foram obtidas através de pesquisas com responsáveis pelo setor, por influenciarem para os demais cálculos. Estoque de Segurança (ES) Nível de Ressuprimento (NR) 3.823,15 Estoque Virtual (EV) 200 6

7 Estoque Máximo (Emax) 4.002,07 Quantidade a Comprar (QC) 3.802,07 Lote Econômico de Compras (LEC) 533,68 LEC (%) - para cálculo do CT 5,34 Custo Total CT ,86 Tabela 4. Aplicação das equações de estoques. Fonte: Autores Após serem levantados todos os dados é possível aplicar as equações para controles de estoque, conforme foi demonstrado na tabela 5. Através destes cálculos é possível observar as flutuações do estoque o que auxilia e serve como referência para o processo de tomada de decisões envolvendo os pedidos de compra, quantidades de estoque e preços associados, por esse motivo é primordial que análises feitas em cima destes cálculos sejam feitas. O processo de tomada de decisão envolvendo os pedidos de compra, quantidade de estoques, período em que o pedido será feito e preços associados devem ser calculados de acordo com a previsão de demanda. O uso deste cálculo possibilita ao comprador verificar se o investimento feito sobre o fornecedor está tendo a aceitação esperada por parte de seus clientes ou se não atende as expectativas desejadas. A forma de calcular a previsão de demanda para mais ou para menos é utilizando o desvio-padrão, essa análise em conjunto com as anteriores torna-se importante para ter um melhor parâmetro no ato da compra. A tabela 6 a seguir apresenta a previsão de consumo para o próximo mês para mais ou para menos, deste item, que apesar de não possuir um volume de saída tão expressivo quanto alguns outros. Período 2010 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Consumo ,42 Desvio Padrão Observado 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 93,42 206,58 Tabela 5. Previsão de Demanda. Fonte: Autores A previsão do consumo influencia muito o setor de compras, pois através dele é possível identificar se o consumo e as vendas do produto analisado estão crescendo ou caindo. Com base no cálculo o comprador tem autonomia para fazer um pedido aumentando as quantidades ou diminuindo, esse fato irá variar de acordo com o volume consumido e a tendência que está sendo apresentada, Gráfico 1. 7

8 Gráfico 1. Consumo em 2010 Fonte: Autores. Observa-se que a reta de tendência indica que os estoques têm um comportamento crescente. Logo, a utilização do modelo de previsão de demanda, considerando a previsão em todo o ano é para mais, ou seja, com o crescimento nas vendas o ideal é que a compra deste produto continue aumentando. Contudo, vale salientar que o item tem por característica ser um produto sazonal, sendo assim, o ideal é que sejam utilizados estes cálculos a fim de acompanhar o desempenho e o comportamento das vendas deste produto para não se perder o controle sobre o estoque do mesmo e correr o risco de comprar grande quantidade do mesmo ou uma quantidade menor do que necessário. O item escolhido é importante para a organização sendo classificado como pertencente à classe A de acordo com a análise da curva ABC, e com seus cálculos conforme segue abaixo nas tabelas 4, 5 e no gráfico 1: SKUs Preço unitário CA - Consumo Anual 4010 R$ 7, R$ 0, R$ 1, R$ 7, R$ 3, R$ 13, R$ 14, R$ 7, R$ 13, Tabela 6. Levantamento de dados para a curva ABC Fonte: Autora Observa-se que o item em análise é o sétimo da tabela 7, considerando o preço unitário e o consumo anual utilizado, que serviram de apoio para este estudo de caso. Por meio da tabela 8 é possível identificar que de acordo com a análise da classificação ABC, sua classificação é A. Logo, justificam-se as análises pela previsão de 8

9 demanda, em que os modelos matemáticos indicam uma tendência para aumento da participação do material no consumo. % sobre Consumo Valor do o Custo Preço Custo Anual SKUs Anual em Consumo Anual Unitário Acumulado (R$) Unidades Anual (R$) Acumula do R$ 7, R$ ,44 R$ ,44 49,28 B R$ 14, R$ ,00 R$ ,44 67,03 A 5548 R$ 7, R$ ,64 R$ ,08 84,52 B R$ 13, R$ ,52 R$ ,60 91, R$ 0, R$ ,64 R$ ,24 95, R$ 3, R$ 4.596,72 R$ ,96 96, R$ 1, R$ 4.015,00 R$ ,96 98, R$ 13, R$ 2.664,24 R$ ,20 99, R$ 7, R$ 2.072,00 R$ ,20 100,00 Tabela 7. Análise da Curva ABC Fonte: Autora Para a construção da curva ABC, Gráfico 2, é necessário estabelecer os parâmetros que devem ser obedecidos. A relação que cada classificação representa em valor de estoque e quantidade de itens estocados do mesmo varia de acordo com cada empresa muitos doutrinadores estabelecem vários limites, por ser um método já utilizado pela empresa, a porcentagem utilizada será mantida. A B C % Valor Estoque 75% 30% 10% % Quantidade de Itens 20% 35% 70% Tabela 8. Tabela-mestra da Curva ABC Fonte: Tadeu (2008, p. 78) C 9

10 Gráfico 2. Curva ABC Fonte: Tadeu (2008, p. 78) 4.Considerações Finais Tendo em vista a grande concorrência que existe atualmente, para que as empresas obtenham sucesso é necessário alcançar diferencial competitivo diante de seus concorrentes, por isso busca-se cada vez mais investir na qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos clientes, sendo de extrema importância ter parceiros que atendam a todos os requisitos estabelecidos pela mesma. Possibilitando que sejam oferecidos serviços e produtos qualificados. No caso de empresa atacadista é necessário que se tenha uma boa gestão tanto no setor de compras quanto no setor de materiais a fim de tornar o processo mais eficiente. O objetivo deste trabalho foi identificar critérios importantes para a seleção de fornecedores em relacionamento de parceria, aplicando métodos matemáticos para determinar quantitativamente a importância de se estabelecer estratégias competitivas para o mercado e reduzir os gastos com estocagem, tendo como base de pesquisa os procedimentos da empresa, através da consulta aos profissionais da área e ao material disponível na Intranet da empresa. Através do desenvolvimento deste trabalho, foi possível verificar os benefícios que uma política de estoque bem elaborada proporciona na redução de custos e ainda, identificar os diversos tipos de ferramentas utilizadas para auxiliar o controle de estoque. Também foram levantadas quais são os pequenos problemas está relacionado a melhorias para o estabelecimento. Notou-se os pontos falhos de sua organização, os diretores-proprietários da XYZ verificaram que o principal fator necessário de alterações dentro de suas operações é quanto a seleção de seus fornecedores dentro do processo aquisitivo. Com uma quantidade ampla de produtos, a falta de padronização, a existência de muitos produtos semelhantes nos estoques e uma grande quantia de fornecedores, tornou a gestão de compras complicada. Com os níveis de estoque físico divergente do que consta no sistema, se contagens não forem feitas a risco de compra de materiais em que já se possui um nível alto de estoque o que pode ocasionar do item correr o risco de ficar encalhado. A adoção de métodos quantitativos de estoques é fundamental para que as organizações obtenham resultados satisfatórios no processo de tomada de decisão gerencial na escolha de fornecedores, no gasto para o setor de materiais de modo que demonstra por meio 10

11 de cálculos e os dados obtidos por estes uma visão geral dos níveis do estoque de mercadorias. Recomenda-se que a seleção de seus fornecedores seja padronizada para todos os itens a serem inseridos, com rígido controle, assim sendo percebido qualquer sinal de inadequação devem ser tomadas medidas de correções. Conseqüentemente estas alterações buscam, de forma contínua, estarem qualificadas para atender as exigências do mercado. Através dos benefícios apresentados no decorrer do trabalho, da série de percepções dos diretores e ao verificar que a implantação desse procedimento é bastante simples, a empresa tem visto a possibilidade de implantá-lo no próximo ano com a confiança de que ocorrerá a melhoria de seus negócios. Após a análise da pesquisa e a evidencia dos principais problemas da empresa, no que tange a seleção de fornecedores, desenvolveram-se propostas de ações para correção dos problemas encontrados e demonstram quais seriam os ganhos potenciais com a implantação destas propostas. O resultado ainda não pode ser comprovado, pois a proposta idealizada e sugerida à empresa com o objetivo de otimizar o processo de compras, está aguardando para ser implantada. Com as melhorias esperadas, a empresa poderá qualificar o setor de compras, aumentando a precisão sobre o nível dos estoques existentes na empresa gerando manutenção do negócio e abrindo possibilidade para novos negócios de forma mais eficiente e qualificada. 4.Referências Bibliográficas AROZO, R.; GARCIA, E. S.; LACERDA, L. Gerenciando incertezas no planejamento logístico: o papel do estoque de segurança..instituto ILOS: Disponível em: <http://www.ilos.com.br/site/index.php?option=com_content &task=view&id=811&itemid=182>. Acessado em: 07 Out de Montoramento de Desempenho na Gestão de estoque. Instituto ILOS: Disponível em: < option=com_content&task=view&id=1110&itemi...>. Acessado em: 07 Out de ARNALD, J. R. T. Administração de Materiais. São Paulo: Atlas, BAILY, P. Compras: princípios e administração. São Paulo: Atlas, BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, BERTAGLIA, P. R.. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J.; COOPER, M. B. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Porto Alegre: Bookman,2006. BRAGA, A. Strategic Sourching: A Transformação Estratégica das Empresas Compradoras Parte 1..Instituto ILOS: Disponível em: <http://www.ilos.com.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=1625&itemid= 74>. Acessado em: 01 Out de

12 CORONADO, O. Controladoria no atacado e varejo: logística integrada e modelo de gestão sob a óptica da gestão econômica logisticon. São Paulo: Atlas, CORREA, H. L. Planejamento Programação e Controle da Produção MRP II / ERP, Conceitos, uso e implantação. São Paulo: Atlas, CHING, H. Y. Gestão de Estoques na cadeia de logística integrada Supply chain. 2 ed. São Paulo: Atlas, CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Prentice Hall, CHURCHILL JR, G. A.; PETER, J. P. Marketing criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, COBRA, M. H. H. Marketing competitivo: uma abordagem estratégica. São Paulo: Atlas, DIAS, M. A.P. Administração de Materiais. 4ed. São Paulo: Atlas, FLEURY, P. F, WANKE, P., FIGUEIREDO, K. F. (organizadores). Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, FRANCISCHINI, P. G.; GURGEL, F. do A. Administração de Materiais e do Patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson Learming, GS1 BRASIL. Dicionário de Logística. 2007, p. 81. HARA, C. M. Logística: armazenagem, distribuição e trade marketing. Campinas, SP: Editora Alínea, HILLIER, F. S.; LIEBERMAN, G. J. Introdução a Pesquisa Operacional. 8a. Edição. São Paulo: Mc Graw Hill, JESUS, J. B. de. Modelos Matemáticos Aplicados à Otimização da Gestão de Estoque: estudo de caso de uma empresa do comércio varejista de material de construção. Jaú: FATEC, Disponível em: <www.amplittude.com.br /jbj/estudos/modelo_estoque.pdf>. Acesso em: 24 Out LOPES, A. S.; SOUZA, E. R. de; MORAES, M. L. de. Gestão de estratégia de recursos materiais: um enfoque prático. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, MARTINS, M.; VANIN, J. A. Global Sourching: Diferencial Estratégico na Gestão da Cadeia de Suprimntos. São Paulo: Mundo Logística, ano III, MARTINS, P. G.; CAMPOS, P. R. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. 2 ed. São Paulo: Saraiva,

13 MORETTI, D. C. Gestão de Suprimentos em um Operador Logístico. Campinas: UNICAMP, NOVAES, A. G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, PARENTE, J. Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia. São Paulo: Atlas, POZO, H. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais: uma abordagem logística. 2. Ed. São Paulo: Atlas, SILVA, S. H. da. Estruturação e implementação de um Departamento de Compras: Um estudo de caso numa empresa de serviços. Rio de Janeiro: PUC, Disponível em: <www2.dbd.puc-rio.br/pergamum/.../ _07_ pretextual.pdf>. Acesso em 01 Out SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. 2. Ed. 10. Reimpr. São Paulo: Atla, SOBRINHO, A. de S. A importância da gestão de compras para a qualidade no atendimento aos clientes de um distribuidor de papel. São Paulo: FATEC, TADEU, H. F. B. Métodos Quantitativos Aplicados na Gestão de Estoques: um estudo de caso prático para as Organizações. São Paulo: Mundo Logística, ano II, TIKUMA, P. N. Análise da Parceria e Integração de uma Prestadora de Serviços em uma Cadeia de Suprimentos. São Paulo: FATEC, VIANA, J. J. Adminisração de Materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, VOLLMANN, T. E.; BERRY, W. L.; WHYBARK, D. C.; JACOBS, F. R. Sistema de planejamento e controle da produção: para o gerenciamento da cadeia de suprimentos. 5 ed. prático. Porto Alegre: Bookman, WANKE, P. Estratégias para gerenciamento do risco de manter estoques. Intituto ILOS: Disponível em: <www.ilos.com.br/site/index.php?option=com_ content&task=view&id=1093&itemi...>. Acesso em: 07 Ago Gestão de estoques na cadeia de suprimentos: decisões e modelos quantitativos. 2. ed. 2. reimpr. São Paulo: Atlas,

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Sistemas de Gestão de Estoques

Sistemas de Gestão de Estoques CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração da Produção I

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração da Produção I Administração da Produção I Apresentar aos alunos do curso de Administração de Empresas os fundamentos da Administração da Produção e Operações, fornecendo-lhes uma visão geral do conteúdo desta disciplina,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques.

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Luiz Alberto Viana Menezes Guedes 1 Charles Emerson Cabral Marinho 2 Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Atendimento Virtual Ampla

Atendimento Virtual Ampla 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Atendimento Virtual Ampla Carlos Felipe de Moura Moysés Ampla Energia e Serviços S.A cmoyses@ampla.com André Theobald Ampla Energia e Serviços S.A theobald@ampla.com

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS Maurício Pires Coelho 1 Carla Oliveira Nascimento 2 RESUMO Neste estudo procurou-se analisar a gestão

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 CONTROLE DE ESTOQUES 1. Uma loja de departamentos pretende aproveitar o feriado de 01 de Janeiro para realizar o inventário anual de seu estoque, que possui 1.679.434 unidades

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão de Custos Logísticos CST em Logística A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE

POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE Taise Dalla Costa (ULBRA) taise.dcosta@hotmail.com Igor Roberto Borges (ULBRA) gfinanceiraead@ulbra.br

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva

Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Quando a gestão da rede logística se torna uma vantagem competitiva Priscila Cristina de Almeida 1 Ângelo Aparecido Zadra 2 RESUMO O tema central deste artigo é demonstrar a importância de uma rede logística

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM Roberto Nilton Machado de Oliveira (UNA ) robertonmo@outlook.com SHEILA APARECIDA GONCALVES (UNA ) sheila18goncalves@yahoo.com.br LARISSA FRANCO

Leia mais

ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2

ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2 ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2 1 INTRODUÇÃO As empresas do setor moveleiro foram impulsionadas, nos

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 10/07/2006/em Artigos /por Peter Wanke É universalmente reconhecida a grande importância do conceito nível de serviço no desenho

Leia mais

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Felipe Devos Masson (Unifran ) felipemasson1@hotmail.com DIEGO FERNANDES SILVA (Unifran ) difersilva@yahoo.com.br Antonio Vieira Nunes (Unifran ) antoniovieiranunes1@hotmail.com

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA. Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA. Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso SÃO PAULO 2010 4 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE Logística Hospitalar:

Leia mais