GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito Industrial Vinhedo - SP Resumo O presente trabalho objetiva identificar e analisar as práticas de gerenciamento de escopo em projetos, abordadas pelo PMBOK (2013), em projetos de sistemas logísticos. O mercado de prestação de serviços logísticos exige cada vez mais que as organizações prestadoras desse tipo de serviço busquem soluções logísticas com maior nível de serviço e menor custo possível. O gerenciamento de projetos nessas organizações se apresenta como uma forma de se obter vantagem competitiva, através do melhor entendimento das necessidades de seus clientes e maior controle sobre o desenvolvimento do sistema logístico final. O trabalho foi realizado através de uma revisão bibliográfica sobre gerenciamento de projetos, focando em gerenciamento de escopo, e sobre o processo de desenvolvimento de projetos logísticos. Um estudo de caso foi realizado em um dos principais prestadores de serviços logísticos do país. Como resultado, o trabalho conclui a importância da estruturação do gerenciamento de escopo para esse tipo de organização, possibilitando um melhor atendimento das necessidades de seus clientes. Palavras-chave: Projetos, Logística, Projetos Logísticos, Escopo, 3PL. Introdução Nos dias atuais, grandes desafios vêm surgindo para a Logística no cenário de distribuição de produtos no Brasil. Cada vez mais as empresas buscam superar as expectativas de seus clientes, disponibilizando seus produtos e serviços aos seus consumidores no melhor custo e nível de serviço possível. A área de Logística vem se transformando, exigindo dessas empresas soluções logísticas mais eficientes e eficazes. Segundo Ballou (2006), a logística empresarial é um campo relativamente novo do estudo da gestão integrada, das áreas tradicionais da produção, marketing e finanças. Em termos de conceito, o Council of Supply Chain Management Professionals (2014) define logística como o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. 1

2 Diante dessas necessidades, surgiram no mundo empresas prestadoras de serviços integrados, oferecendo ao mercado uma gama de serviços logísticos que incluem todo o trabalho necessário para a prestação de serviço aos clientes, desde a entrada do pedido até a entrega do produto (BOWESOX, CLOSS e COOPER, 2006). Estes são chamados de provedores de serviços logísticos terceirizados (Thrid-party Logistics Provider 3PLs). Planejar uma operação logística consiste em realizar todo o desenho e execução inicial dessa operação, analisando fatores como: escopo da operação, prazo de implementação, custos envolvidos, nível de serviço esperado, integração interna entre áreas e envolvidos, integração externa entre empresas, tecnologias envolvidas, terceirizações necessárias, estrutura de pessoal necessária, etc. As empresas que operam a logística brasileira lidam diariamente com a deficiência da infraestrutura de transportes no país, com uma carga tributária que derruba margens de lucratividade, uma burocracia que impede o desenvolvimento de vários negócios, uma carência de mão de obra especializada no setor e uma diminuição de volumes transportados em um cenário de desaceleração da economia nacional. Diante desse cenário, o gerenciamento de projetos vem para agregar a forma como essas operações de distribuição de produtos e serviços são desenhadas, planejadas e executadas. Uma proposta de técnicas e ferramentas se torna necessária para que todo esse planejamento seja realizado e seja tratado como projeto. Devido à complexidade desses projetos nesses tipos de empresas, o gerenciamento do escopo do projeto é fundamental para o seu sucesso. O entendimento da real necessidade do cliente que contrata esse tipo de serviço, gerando premissas e restrições para o desenvolvimento do mesmo, tem um alto impacto no seu possível sucesso. Definir o escopo do projeto é definir como será desenhada e planejada a operação logística para atender as reais necessidades do cliente e, um processo mal realizado de gerenciamento de escopo, pode fazer com que esse tipo de organização apresente uma solução que não atenda às expectativas do cliente. O objetivo principal deste trabalho é o de apresentar como o gerenciamento de escopo vem sendo desenvolvido por operadores logísticos brasileiros para apoiar o desenvolvimento de projetos logísticos solicitados por seus clientes. 2

3 Para Ballou (2001), um melhor sistema logístico contribui para aumentar a competitividade no mercado, garantindo a economia de escala de produção e reduzindo o preço de mercadorias. Planejar sistemas logísticos mais eficientes promove o atendimento das necessidades dos clientes, justificando investimentos nessa área de atuação. O gerenciamento do escopo está relacionado principalmente com a definição e controle do que está e do que não está incluso no projeto (PMBOK, 2013). Conhecer o que é o projeto que está desenvolvendo e controlar o escopo do projeto é fundamental para o seu sucesso. Logo, entender o gerenciamento de escopo em projetos logísticos é conhecer a real necessidade do seu cliente e traduzir isso em um projeto de uma operação logística que atenda às suas necessidades. 1. Fundamentação Teórica Segundo o PMBOK (2013) projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Sua natureza temporária indica que projeto tem um início e um fim definidos. Outras definições também convergem para esta visão de projetos, como Maximiano (2002) que define projeto como um empreendimento temporário ou uma sequência de atividades com começo, meio e fins programados que tem por objetivo fornecer um produto singular, dentro de restrições orçamentárias. Gerenciamento do escopo do projeto inclui os processos necessários para assegurar que o projeto inclui todo o trabalho necessário, e apenas o necessário para terminar o projeto com sucesso (PMBOK, 2013). Segundo a Norma ISO (2012) o grupo de Gerenciamento de Escopo inclui os processos requeridos para identificar e definir somente o trabalho e as entregas requeridas. Para Sotille et al. (2013) o gerenciamento de escopo do projeto é o processo que garante que o projeto inclui todo o trabalho requerido, e somente o trabalho requerido, para completá-lo com sucesso. Este é a base para o planejamento do projeto e para a criação de sua linha de base. O mesmo deve ser conduzido de forma precisa, uma vez que forma a base do trabalho a ser desenvolvido no projeto. 3

4 Segundo o guia PMBOK (2013) o Gerenciamento de Escopo inclui seis processos, que interagem entre si e com outras áreas do conhecimento. Estes são: Planejar o Gerenciamento de Escopo processo de criar um plano de gerenciamento de escopo do projeto que documenta como tal escopo será definido, validado e controlado; Coletar os requisitos processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas a fim de atender aos objetivos do projeto; Definir o escopo processo de desenvolvimento de uma descrição detalhada do projeto e do produto; Criar a EAP (Estrutura Analítica do Projeto) processo de subdivisão das entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis; Validar o escopo processo de formalização da aceitação das entregas concluídas do projeto; Controlar o escopo processo de monitoramento do andamento do escopo do projeto e do produto e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base de escopo. Quando falamos em planejamento logístico, Ballou (2006) mostra que o planejamento logístico busca sempre responder às perguntas sobre o quê, quando e como, se desenvolvendo em três níveis: planejamento estratégico, tático e operacional. Focando numa análise no planejamento estratégico, as principais áreas de planejamento são: Metas dos serviços aos clientes o nível de serviço esperado pelos clientes afeta radicalmente o projeto do sistema. Quanto maior esse nível de serviço, maiores os custos logísticos envolvidos. Localização das instalações a localização dos pontos de estoque e centros de abastecimento criam o esboço do plano logístico. Fatores como quantidade de localizações, locais e tamanho dessas instalações estabelecem os caminhos pelos quais os produtos são distribuídos para o mercado. Decisões sobre estoque referem-se à maneira pela qual os estoques são gerenciados, influenciando em outros aspectos estratégicos da logística. 4

5 Transporte seleção de modais, volumes de embarque, rotas e programação das mesmas, são decisões que influenciam também outras decisões estratégicas da organização em termos de sua logística. Bowersox, Closs e Cooper (2006) defendem que em planejamento, frequentemente as empresas se deparam com questões como: quantos armazéns devemos utilizar e onde devem estar localizados? Quais são as trocas compensatórias (trade-offs) entre inventários e nível de serviço para cada armazém? Que tipos de equipamentos de transporte devem ser usados e que rotas os veículos devem seguir? O investimento em novas tecnologias de manuseio de materiais se justifica? Para esses autores, essas questões são caracterizadas como complexas e com grande volume de informações, devido ao grande número de fatores que influenciam o custo logístico e a ampla gama de soluções alternativas. Tais análises exigem um processo estruturado e ferramentas analíticas efetivas. Surge então a necessidade de se ter um processo mais estruturado, que consiga trabalhar todas essas informações (requisitos, restrições, premissas, etc) de forma a identificar diferentes alternativas e oportunidades logísticas para as organizações. Segundo Bowersox, Closs e Cooper (2006), o processo de desenvolvimento de projetos logísticos está segmentado em três fases. Esse processo é aplicável à maioria dos projetos logísticos e situações de análise. As três fases são: avaliação de viabilidade e planejamento, coleta de dados e análise, e desenvolvimento de recomendações e implementação. A figura 1 demonstra esse processo. A primeira fase do projeto de sistema logístico oferece toda a fundamentação para o projeto como um todo. Nesta fase, o problema é definido e é realizado um planejamento completo e bem documentado. Esta fase está dividida em duas grandes etapas: uma de análise de viabilidade e outra de planejamento do projeto. A primeira etapa (avaliação de viabilidade) é caracterizada pela análise da situação logística atual do sistema. O objetivo é entender como o sistema logístico está se comportando hoje, para então definir as mudanças necessárias, se for o caso. Esta etapa pode ainda ser subdividida em três outras: análise da situação, lógica de apoio e estimativa de custo / benefício. 5

6 Avaliação de viabilidade Planejamento do projeto Fase I Premissas e coleta de dados Fase II Análise Desenvolvimento das recomendações Implementações Fase III Figura 1 - Processos de desenvolvimento de projetos logísticos. Fonte: Bowersox, Closs e Cooper (2006). Realizada a análise de viabilidade, inicia-se a fase de planejamento do projeto. É nesta etapa onde o projeto é planejado e a fase de planejamento do PMBOK (2013) é desenvolvida. Na segunda grande fase deste processo de desenvolvimento de projetos, temos os procedimentos de premissas e coleta de dados, e a execução efetiva da análise. A primeira etapa dessa fase é a etapa de premissas e coleta de dados. Como primeiro passo, é definida a abordagem a ser utilizada para tratar os dados recebidos para o desenvolvimento dos projetos e definidas as técnicas a serem utilizadas para a análise em si. Pode-se partir desde uma abordagem analítica simples e manual, até para uma abordagem de simulação e otimização. A escolha é realizada de acordo com o que foi definido nos procedimentos de análise da primeira fase, que já analisou as capacidades computacionais para a análise e o formato dos dados disponíveis. Nesta etapa também são definidas e revisadas as premissas do projeto, podendo ser premissas de negócios, que são aquelas relacionadas ao ambiente geral do negócio, premissas de gestão, que estão ligadas ao ambiente logístico, e premissas de análise, que adéquam o problema logístico às técnicas e ferramentas disponíveis. 6

7 Com essas definições em mãos, são identificadas as fontes de informações logísticas. Normalmente a primeira categoria de dados refere-se aos pedidos e vendas dos clientes. Dados específicos de clientes para localizar-se no espaço também são necessários. Existem inúmeras fontes de informações: a ideia aqui é definir onde a organização poderá conseguir as informações necessárias para o desenvolvimento da análise dos dados. À partir desse momento, os dados mais específicos são coletados (vários já foram coletados durante a fase de análise de viabilidade), além de dados para validação, que servem para confirmar que os resultados refletem de maneira precisa a realidade. Com os dados nas mão, se inicia a etapa de análise dos dados. Durante a análise dos dados, inicialmente são definidas as questões de analise de dados, que define questões específicas a respeito das alternativas e da gama de incertezas aceitável. É realizada uma análise básica de dados do ambiente logístico atual, utilizando o método ou ferramenta apropriado e definido anteriormente. Os resultados são comparados com os dados de validação coletados anteriormente, determinando o grau de adequação entre os dados históricos e os analíticos. Após esse processo, é desenvolvida a análise de alternativas, determinando características de desempenho relevantes de cada estratégia ou projeto alternativo. Com a análise completa, são desenvolvidas análises de sensibilidade, que nada mais é que perturbar alguns fatores e variáveis da análise para entender como se comportaria o sistema logístico (fatores como demanda, custos, ações de concorrência, etc.). Com a finalização desta fase, inicia-se a fase de desenvolvimento de recomendações e implementação do sistema desenhado. Como primeira etapa os autores apresentam o desenvolvimento de recomendações, que é a apresentação dos modelos desenhados a analisados. Este processo é dividido em quatro itens, que são: identificação da melhor alternativa, avaliação do custo benefício, desenvolvimento de uma avaliação de riscos e preparação de uma apresentação. O primeiro item, de identificação de melhor alternativa, tem como característica a identificação, dentre as alternativas realizadas, a que melhor atende às expectativas do cliente. Porém, é comum se chegar a diferentes alternativas que geram resultados similares ou comparáveis. 7

8 Com essas alternativas em mãos, é realizada a avaliação de custo e benefício de cada alternativa semelhante, buscando comprar as alternativas em um momento base e então projetar as operações comparativas considerando o horizonte de planejamento. Para apoiar a decisão dentre essas alternativas avaliadas em relação ao custo e benefício, é desenvolvida uma avaliação de riscos operacionais, considerando a probabilidade de que o ambiente de planejamento atenda aos pressupostos elaborados e considerando os perigos potenciais (impactos) das mudanças do sistema logístico. A tarefa final dessa etapa é o desenvolvimento de uma apresentação para a administração e o cliente, identificando, racionalizando e justificando as propostas sugeridas para o sistema logístico em análise. Essa etapa começa com a definição do plano de implementação, em termos de eventos individuais, sequencia e interdependência entre as atividades. Faz-se uma programação da implementação, com o desenvolvimento de um cronograma de implementação. Os critérios de aceitação dos entregáveis são definidos e o plano é implementado. É essencial um processo formal para guiar todo o projeto de um sistema logístico, para assegurar que os objetivos estejam documentados e entendidos, e que as análises sejam completadas de maneira apropriada. Em resumo, este modelo é bastante utilizado no meio de desenvolvimento de projetos logísticos. As práticas de gerenciamento apresentadas pelo PMBOK (2013) podem ser largamente utilizadas para o desenvolvimento desse modelo, dando suporte a todo o desenvolvimento de projetos logísticos. 2. Metodologia Uma pesquisa pode ter um caráter qualitativo ou quantitativo. A pesquisa de caráter qualitativo não busca enumerar ou medir os eventos em análise, muito menos empregar métodos estatísticos para a análise dos dados. Em resumo, seu foco e interesse são mais amplos. Para este trabalho, foi adotado a pesquisa qualitativa, onde o entrevistador tem grande interação com o processo, detalhando o problema de pesquisa proposto. Em relação ao tipo de pesquisa, é empregada a pesquisa exploratória onde, segundo Gil (2007) tem como característica o envolvimento de um levantamento bibliográfico, entrevistas com as pessoas que interagem com o problema pesquisado e a análise de exemplos. 8

9 Em relação às estratégias utilizadas, são utilizadas as estratégias de pesquisa bibliográfica e de estudo de caso. Para o presente trabalho foi adotada a estratégia de estudo de caso único, pelo fato do autor deste trabalho atuar em uma organização que aplica os conceitos aqui levantados e ter a disponibilidade de demonstrar em estudo de caso essa aplicação da teoria na prática. Como estratégia de coleta de dados, o trabalho adota a análise de documentação disponibilizada na empresa, relacionada aos aspetos dessa pesquisa. A pesquisa busca analisar documentos que evidenciem a utilização de conceitos de gerenciamento de escopo nos projetos logísticos desenvolvidos pela organização. 3. Resultados A empresa que deste estudo de caso é um operador logístico brasileiro, atuando em todo território nacional. É uma organização que está no mercado há 16 anos, provendo serviços de inteligência logística especializada no país. Sua matriz está localizada em Vinhedo SP, atuando em diversos segmentos. Em termos de números, a empresa conta atualmente com cerca de 111 clientes nesses diversos segmentos. Com aproximadamente colaboradores e uma área construída de m², a organização conta com 42 unidades, presentes em 15 estados brasileiros, atuando em todo território nacional, atendendo 3952 municípios (Fonte: Empresa). A empresa, hoje, não possui frotas próprias. Toda parte de serviço de transporte é terceirizada junto a parceiros que prestam este serviço à organização. Em termos de estrutura de desenvolvimento de projetos, a organização conta com algumas equipes de desenvolvimento, que são citadas à seguir: Projetos Comerciais equipe que desenvolve toda parte de precificação e propostas de soluções para clientes, entendimento das necessidades dos cliente, iniciação e encerramento dos desenhos de projetos; Projetos de Transporte equipe responsável por fornecer toda a análise e desenho da solução logística em transporte para os clientes, além de realizar projetos de desenvolvimento de malha da organização e projetos de gestão estratégica de fornecedores de transporte; Projetos de Melhoria Contínua em Armazéns equipe responsável pelo desenvolvimento de projetos de melhoria em armazenagem; 9

10 Implantação de Transporte equipe responsável pela implementação das soluções em transporte desenhadas pela equipe de projetos de transporte e realizar a virada de projetos para operação; Implantação equipe responsável por toda implementação de tecnologias e novas operações de armazenagem. A necessidade de desenvolvimento de projetos de transporte pode surgir à partir de diversas frentes de atuação. A equipe de projetos de transporte, hoje, está estruturada dentro da área de planejamento de transporte da organização, sob a responsabilidade da diretoria de operações. Para entender um pouco mais sobre os tipos de projetos desenvolvidos, a área está dividida em duas grandes frentes de projetos: Clientes Projetos que visam atender a uma demanda de melhoria de sistemas logísticos de transporte para clientes atuais ou desenvolvimento de projetos de novos sistemas logísticos para novos negócios que surgem no mercado (novos clientes). Internos Projetos que visam atender a uma demanda de melhoria do sistema logístico de transporte atual da organização, propondo mudanças em relação à malha logística, fornecedores de serviços de transporte e novos modelos e modais de distribuição. Como primeira análise, é fundamental entender como na prática essa gestão está ocorrendo dentro de organizações prestadoras de serviços logísticos. Dessa forma, foi desenvolvido o quadro 1 para analisar as áreas de conhecimento do PMBOK (2013) e o seu desenvolvimento na empresa estudada, através de um levantamento do que se desenvolve ou não nos projetos dessa organização. Através de uma análise da organização como um todo, percebe-se que várias das áreas de conhecimento estão sendo desenvolvidas nos projetos que a organização desenvolve. Porém a falta de formalização de várias dessas áreas tem impactos negativos em relação ao controle e acompanhamento dos projetos em si. Duas das áreas não são desenvolvidas. Tal conclusão ficou clara durante o levantamento das informações: gerenciamento de custos em projetos e gerenciamento da qualidade do projeto em si. É interessante perceber que quando se fala em custos e qualidade, grande parte dos envolvidos no projeto confundem esses conceitos com os conceitos de custo e qualidade da operação final. Não existem processos na organização de medição de custos dos projetos que ela desenvolve (custo das horas trabalhadas de cada analista, alocação de custos de 10

11 equipamentos utilizados, orçamento do desenvolvimento do projeto, etc), nem de medição da qualidade do projeto como um todo. Área do Conhecimento Como é desenvolvido na empresa? Documentação formal em forma de declaração de escopo, porém sem Escopo processos definidos. Documentação formal em forma de cronograma, porém sem processos Tempo definidos. Custo Não é realizado pela organização. Qualidade Não é realizado pela organização. Aquisições Sem documentação formal, com processos não tão definidos. Documentação formal, baseada na necessidade da priorização dos Recursos Humanos projetos desenvolvidos, porém sem processos definidos. Stakeholders Sem documentação formal, com processos não tão definidos. Comunicação Sem documentação formal, com processos não tão definidos. Riscos Sem documentação formal, com processos não tão definidos. Integração Sem documentação formal, com processos não tão definidos. Quadro 1 - Práticas do PMBOK (2013) na empresa estudada. Fonte: autor. Este é o primeiro ponto de oportunidade: quanto custa cada projeto para a organização? O custo do projeto é considerado na proposta final para o cliente? O custo com a estrutura de projetos atuais é viável perante a quantidade de projetos aprovados pelos clientes? Os projetos têm sido entregues com a qualidade desejada? Qual o nível de aceitação de projetos pelos clientes e stakeholders internos e externos da organização? Outro ponto de oportunidade que fica claro é, efetivamente, criar procedimentos padronizados para outras áreas do conhecimento do PMBOK (2013). Criar planos de gerenciamento de comunicação, aquisições para projetos, gerenciamento de riscos, gerenciamento de stakeholders e de integração de todas essas áreas. Falta à organização ter esses planos bem estruturados. Uma oportunidade interessante, até pela padronização com que esses projetos são desenvolvidos, é criar procedimentos e planos padronizados que possam ser utilizados por diversos projetos. Dessa forma, o controle sobre o acompanhamento do projeto como um todo melhora, além de garantir a documentação e melhorar a forma como se desenvolve projetos na organização. 11

12 Fica evidente também que algumas áreas, como o gerenciamento do escopo, recursos humanos e tempo atendem às necessidades da organização, sendo desenvolvidos e documentados de uma maneira que a informação fique disponível a todos os envolvidos e os projetos possam ser realizados com um maior controle e maior taxa de sucesso. Porém falta à organização um procedimento formal de gerenciamento dessas áreas. Ou seja, a organização está em fase de desenvolvimento dos seus procedimentos de gestão de projetos, estruturando áreas que, sob uma ótica alternativa, poderiam estar juntas de forma a melhorar o nível de maturidade em relação à essa área do conhecimento. O quadro 2 demonstra a principal relação entre os processos de gerenciamento de escopo definidos pelo PMBOK (2013), como os mesmos são tratados pelo método teórico apresentado de desenvolvimento de projetos, e como é desenvolvido pela organização estudada no estudo de caso apresentado. Em relação ao Plano de Gerenciamento de escopo, a empresa estudada não tem um plano de gerenciamento escrito e distribuído por todos os envolvidos em projetos na organização, apesar de já ter documentos padronizados para a gestão deste escopo. Tal plano poderia ser padrão para todos os projetos desenvolvidos, com algumas particularidades inseridas projeto a projeto. Em relação à coleta de requisitos, a documentação padronizada de declaração de escopo apoia a equipe de projetos comerciais da organização a buscar informações necessárias para o desenvolvimento de qualquer projeto. Este documento foi uma boa alternativa encontrada pela empresa para levantamento e definição de requisitos para o desenvolvimento dos projetos, uma vez que aborda os principais requisitos necessários para o desenho de um sistema logístico. A definição do escopo é realizada pela organização estudada baseada no padrão de documento de declaração, levantando fatores essenciais para o desenvolvimento do projeto e permitindo que as informações sejam levantadas de maneira ágil e assertiva. Dessa forma, garante-se que os dados necessários estejam disponíveis e que o entendimento das necessidades do cliente esteja correto e seja realizado de forma efetiva. Em termos de validação de escopo, o processo é realizado durante todo o processo de desenvolvimento de projetos da organização. Após a definição do escopo na reunião de 12

13 kickoff, o mesmo é validado continuamente em reuniões intermediárias, reunião de implantação e reunião de fechamento do projeto. PMBOK (2013) Método Teórico Empresa Planejamento padrão: todos Planejar o Gerenciamento de Desenvolvido na fase de projetos seguem um padrão de Escopo planejamento do projeto gestão do escopo Equipe de projetos comerciais Coletar os Requisitos Levantados em duas etapas: análise de viabilidade e coleta de dados junto aos clientes e de acordo com as necessidades do projeto levantada pela equipe de projetos de transporte Definir o Escopo Desenvolvido na fase de Definição e documentação planejamento do projeto formal em reunião de kickoff Criar a EAP Desenvolvido na fase de Não existe uma EAP para os planejamento do projeto projetos desenvolvidos Validar o Escopo Validado nas fases de planejamento de projeto e coleta e análise de dados Escopo validado em reunião de kickoff e em reuniões intermediárias. Reuniões intermediárias, de Controlar o Escopo Escopo é validado em todas implantação e fechamento do fases do projeto projeto, porém sem controle formal. Quadro 2 - Análise de Gerenciamento de Escopo. Fonte: Autor. Por último, analisando o processo de controle do escopo, a organização não apresenta um processo formalizado de gestão de mudanças em projetos, ficando a responsabilidade para o gestor de cada projeto desenvolvido. Algumas práticas são utilizadas, como um controle de revisão dos projetos, porém sem a formalização da mudança. Conclusões Este trabalho demonstra bem a necessidade de um efetivo processo de gerenciamento de projetos de sistemas logísticos, desenvolvidos por organizações prestadoras desse tipo de serviço no mercado. 13

14 A organização estudada é uma das principais organizações nacionais nesse tipo de serviço, e vem buscando o desenvolvimento dessas práticas de gerenciamento de projetos, de forma a obter maior sucesso nos projetos que desenvolve. Várias práticas já vêm acontecendo, dando maior formalização a todos esses processos. Em relação ao gerenciamento de escopo, a teoria mostra a importância do desenvolvimento dessa área do conhecimento em relação a esses tipos de projetos, principalmente para garantir o entendimento das necessidades dos clientes dessas organizações e para garantir o desenvolvimento de projetos com excelência. Gerenciar o escopo é gerenciar as expectativas dos clientes e garantir que as mesmas sejam atendidas pelo projeto final. O trabalho também demonstra pontos de melhorias necessários para a organização, de forma a ser mais efetiva em relação ao gerenciamento de escopo como: Desenvolvimento de uma Estrutura Analítica do Projeto padronizada; Desenvolvimento de um Plano de Gerenciamento do Escopo; Gerenciamento formal das mudanças de Escopo; O trabalho deixa claro que as práticas de gerenciamento de projetos vêm sim sendo desenvolvidas em empresas neste ramo de atuação, porém ainda estão em um patamar de desenvolvimento. O gerenciamento de escopo já apresenta avanços significativos, principalmente em relação à documentação de requisitos e declaração do escopo do projeto em si. Porém, faltam ainda alguns passos para que o desenvolvimento seja pleno dessas organizações. Em relação aos objetivos, o trabalho cumpre seus objetivos de demonstrar o desenvolvimento de gerenciamento de escopo por esse tipo de organização, além de realizar um estudo bibliográfico sobre os temas: gerenciamento de escopo, gerenciamento de projetos logísticos. Por último, cumpre o objetivo de apresentar um estudo de caso em uma organização importante deste cenário, que representa bem a maturidade de gerenciamento de projetos nessas organizações. 14

15 Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 21500: orientações sobre gerenciamento de projetos. Rio de Janeiro, BALLOU, R. H. Gerenciando a cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, BOWERSOX, D. J., CLOSS, D. J., COOPER, M. B. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos: Guia PMBOK. 5 ed. São Paulo: Editora Saraiva, SOTILLE, M. A., MENEZES, L. C. M., XAVIER, L. F. S., PEREIRA, M. L. S. Gerenciamento de escopo em projetos. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV,

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos

Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de s O guia de melhores práticas em gerenciamento de projetos, PMBOK, é organizado em áreas de conhecimento e, por sua vez, cada área de conhecimento é descrita através

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos Processos de Gerenciamento de Projetos Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini 2 Processos O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos 9 áreas de conhecimento de GP / PMBOK / PMI QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Gerenciamento de custos do projeto

Gerenciamento de custos do projeto PMBOK Visão Geral O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia do Conjunto de Conhecimentos em de Projetos, o qual inclui práticas comprovadas que são amplamente aplicadas na gestão de s, além

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Gestão de Projetos. Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi. O que se entende por Projeto?

Gestão de Projetos. Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi. O que se entende por Projeto? Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi Gestão de Projetos Planejamento, Execução e Controle de um Projeto Laboratório de Administração Gestão de Projetos O que se entende por Projeto?

Leia mais

Gestão de Riscos no Programa Diário da Operação do Operador Nacional do Sistema Elétrico

Gestão de Riscos no Programa Diário da Operação do Operador Nacional do Sistema Elétrico Gestão de Riscos no Programa Diário da Operação do Operador Nacional do Sistema Elétrico Roberval Madeira da Silva roberval.madeira.silva@gmail.com Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura Instituto

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O PMI e a Certificação PMP Visão Geral sobre o Modelo PMI APRESENTAÇÃO DO PMI O PMI - Project Management Institute é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS APLICADA EM CONSULTORIAS EMPRESARIAIS: UM LEVANTAMENTO COM EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR

GESTÃO DE PROJETOS APLICADA EM CONSULTORIAS EMPRESARIAIS: UM LEVANTAMENTO COM EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR GESTÃO DE PROJETOS APLICADA EM CONSULTORIAS EMPRESARIAIS: UM LEVANTAMENTO COM EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR Marcia Barbosa de Oliveira (Discente do MBA em Gestão de Projetos - Unidade Londrina /

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos EGP MT Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO CARTILHA DE ELABORAÇÃO DE TERMO DE ABERTURA

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Análise Ambiental Análise Ambiental : Matriz SWOT A sigla SWOT Ambiente

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto INICIAÇÃO.1 Contrato (quando aplicável).2 Declaração do trabalho do projeto.1 Métodos de seleção de.2

Leia mais

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT Mestrando CARLOS C. MASCARENHAS - PG Mestrando ANTONIO RAMALHO DE S. CARVALHO - PG Orientadora Profa. Dra. GLADIS CAMARINI mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2

Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2 Out/2013 Revisão Gerenciamento de Projetos Áreas de Conhecimento Processos Cronograma EAP Revisão Conceitos de Riscos Incertezas Risco Evento de Risco Tipo de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 04 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori Gerenciamento de Riscos Marcelo Sakamori Risco Qualquer atividade que pode ocorrer e modificar o resultado de uma atividade do projeto (GREENE, 2008). Risco Risco Risco Gerenciamento de Riscos A finalidade

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software

Engenharia de Requisitos de Software Engenharia de Requisitos de Software Marcelo Otone Aguiar, MSc, PMP PROJETOS 1 O que é Projeto Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. PMI

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Módulo5 Módulo 5 Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos. Setembro de 2012

Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos. Setembro de 2012 Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos Setembro de 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2004 2000 1997 1990 1979 1965 Hors concours no Top of Mind no Fórum Nacional de Benchmarking em

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais