A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE."

Transcrição

1 A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo geral que é identificar e analisar as vantagens competitivas e os benefícios criados pela cadeia de suprimentos como ferramenta de redução de custo, de tempo e processo da Comercial Alkinda. E seus objetivos específicos: Levantar informações de como se conduz a qualidade dos produtos que passam pela estocagem e armazenagem e o melhor para o tempo e custo direcionado com o processo de armazenagem; identificar como pode ser melhorado para redução de custo na conservação dos produtos armazenados pela empresa e verificar e analisar como se dá o processo de estocagem em relação ao ambiente e de armazenagem e como é feita essa reposição. O referencial teórico foi baseado nos seguintes autores Aguiar, Ballou, Christopher, Dias, Malhotra, Padoveze. A metodologia escolhida é de punho qualitativo e quantitativo, com aplicação de questionários de forma presencial, aos 10 colaboradores da empresa aqui estudada. Os dados foram tabulados em planilhas Excel, sendo possível analisar e avaliar como as empresas trabalham custeio e cadeia se suprimentos. Com resultados levantados, foi possível averiguar que os colaboradores dessa organização estão preocupados, em oferecer serviços logístico de boa qualidade, levando o nome da empresa ao topo do sucesso. Neste artigo mostramos que a logística empresarial trata de como a gestão pode ser otimizada em termos de rentabilidade dos serviços de captação e distribuição dos fornecedores para os clientes e consumidores, através da junção de quatro atividades básicas que são: aquisição, movimentação, armazenagem e entrega de produtos. Palavras-chave: Gestão da cadeia de suprimentos, Custo de armazenagem e logístico, Sistema de custeio na gestão da cadeia de suprimentos e Vantagem competitiva na cadeia de suprimentos. 1 - INTRODUÇÃO As organizações têm enfrentado um ambiente verdadeiramente hostil, complexo e demasiadamente competitivo, as operações globalizadas não mais são impedidas ou proibidas por barreiras protecionistas que atrapalham entradas de novos concorrentes, e os consumidores tornam-se cada dia mais exigente e em busca de qualidade, e com conhecimento cada vez maior na escolha de produtos ou serviços que deverão satisfazer suas necessidades. 1

2 1 Aluno do Curso de Administração da Faculdade Luciano Feijão A busca constante de novos processos produtivos, desenvolvimento de novos produtos, redução incessante dos custos operacionais, e uma boa gestão da cadeia de suprimentos têm se tornado fatores relevantes no que diz respeito à sobrevivência das micros, pequenas, médias e grandes empresas. A partir dos fatos abordados e estudados na pesquisa deste artigo o objetivo geral é identificar e analisar as vantagens competitivas e os benefícios criados pela cadeia de suprimentos como ferramenta de redução de custo, de tempo e processo da Comercial Alkinda. E seus objetivos específicos que serão abordados são: Levantar informações de como se conduz a qualidade dos produtos que passam pela estocagem e armazenagem e o melhor para o tempo e custo direcionado com o processo de armazenagem; identificar como pode ser melhorado para redução de custo na conservação dos produtos armazenados pela empresa e verificar e analisar como se dá o processo de estocagem em relação ao ambiente e de armazenagem e como é feita essa reposição. Pode-se ver uma grande necessidade de um programa de otimização de processo de distribuição de produtos na Empresa Comercial Alkinda. Já que alguns erros tornamse visíveis em seu raio de distribuição. Nesse trabalho vamos avaliar o foco da empresa, especificar também custos desnecessários referentes à distribuição de produtos em uma região e oportunidades de aperfeiçoamento na mesma. Pesquisando assim o nível de satisfação de clientes, tanto em pequena distância como de grande distância e dificuldades por parte dos gestores pra gerar aprimoramento desta logística ao longo desta temporada de comércio em média de 25 anos. Um boa analise, com questionamentos voltados ao proprietário, grupo gestor e funcionários serão feitos para detectar erros, identificar pontos fracos e pontos fortes das metas de distribuição do comércio. Esse trabalho foi desenvolvido nessa empresa por diversos motivos; temos fácil acesso a gestão e por ser a maior empresa atacadista da região, e tenho contato ao proprietário em horários de folgas. Visando a satisfação do cliente na venda ao atacado, a empresa destaca-se na região utilizando côo principal ferramenta o preço. Mesmo tendo uma distribuição de médio porte, o mais interessante é quase todos os processos é administrado pelo gestor geral da organização, o proprietário, utilizando várias práticas de inteligência logística, mesmo sem saber o que está praticando. 2

3 O gestor normalmente faz inúmeras reuniões, seja pra resolver algum problema na organização ou sobre de discussões de novas técnicas ou falhas na organização. Essas reuniões não deixam de ser a inteligência da organização voltada pra a área logística, sendo assim chamada de inteligência logística. No entanto o que se pode perceber que a falta constante de informações sobre custos é uma das principais e grandes causas para a dificuldade que muitas empresas têm no processo de implementação, aprimoração e adoção de uma abordagem transparente e integrada para a logística e para o gerenciamento de distribuição. Através das informações obtidas através da cadeia de suprimento, é possível elaborar estratégias que tragam vantagem competitiva, que nada mais é do que quando a empresa executa uma ou mais de suas atividades de uma maneira especial, que traga uma diferenciação para os seus concorrentes. (DIAS, 2005,p.101) Portanto o acompanhamento da gerência da cadeia de suprimentos corresponde e pode abranger o fluxo de mercadorias do fornecedor, através da distribuição e fabricação dos produtos até o usuário final. Todo o gerenciamento de distribuição logístico está diretamente voltado para redução de custos e tempo e otimização de fluxos dentro da empresa, porém os resultados deixa transparente que enquanto o gerenciamento da cadeia de suprimentos reconhece que a integração interna por si não é suficiente. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Gestão da cadeia de suprimento A gestão da cadeia de suprimentos tem mostrado e representado uma nova e promissora ferramenta para organizações que procuram e visam a obtenção de vantagens competitivas de forma direta e objetiva, e pode ser considerada um excelente ponto expandido e atualizado da administração de materiais tradicional, incluindo a gestão de toda a cadeia produtiva de uma forma estratégica e integrada. O sistema de cadeia de suprimentos determina que as organizações em geral devem definirem suas estratégias competitivas e funcionais, sempre de acordo com seus posicionamentos, ou seja, tanto como cliente, quanto como fornecedores, dentro das cadeias produtivas nas quais se encontram na atualidade. 3

4 A gestão da cadeia de suprimentos introduz uma importante mudança no paradigma que envolve a competitividade, em vista que considera que a competição no mercado ocorre, no nível das cadeias produtivas e não somente no nível das unidades de negócios, como estabelece a administração tradicional. Essa mudança resulta num modelo competitivo baseado no fundamento de que atualmente a competição ocorre entre cadeias produtivas. Atualmente, as mais efetivas práticas na SCM visam obter uma virtual unidade de negócio, fornecendo assim vários benefícios da tradicional integração vertical, sem as comuns desvantagens em relação ao custo e perda de flexibilidade. Uma virtual unidade de negócios é formada pelo conjunto de unidades, representadas por empresas distintas que fazem parte de uma determinada cadeia produtiva. (CHRISTOPHER, 2006, p.235). No que se refere á cadeia de suprimentos, pode se afirmar que é parte de uma ou de várias cadeias produtivas, agindo como gerenciamento de custos envolvendo de forma transparente as estratégias e atividades de planejamento, armazenagem e movimentação de materiais desde a matéria-prima até o produto final; enquanto a cadeia produtiva refere-se à estrutura geral do segmento de mercado. A perspectiva das ações positivas na cadeia de suprimentos deve ter caráter estratégico tanto na implementação como no planejamento e controle absoluto das práticas e iniciativas, fazendo com as empresas façam acompanhamentos constantes e contemplando a estrutura organizacional e a capacitação de colaboradores, visando a criação de vantagem competitiva para a empresa e demais membros da cadeia de suprimentos. Uma definição mais clara de cadeia de suprimentos é a de integração dos processos de negócios desde o consumidor final até o fornecedor primário, sendo a logística parte dos processos da cadeia que liga clientes e fornecedores. Neste sentido, surge então a expressão logística integrada ou logística empresarial como sinônimo de cadeia de suprimentos (BALLOU, 2001, p. 312). A capacitação da organização e dos funcionários é tão importante quanto o alinhamento dos processos de negócios e utilização de tecnologias e sistemas que permitam práticas transparentes diferenciadas e criadoras de vantagens competitivas dentro da organização. Portanto os processos de negócios não se interagem e muito menos se relacionam a funções e atividades, e sim ao conjunto estruturado de atividades da empresa, relacionadas mensuráveis que geram um conjunto de resultados das ações da cadeia de suprimentos no mercado em que atua. 4

5 Uma cadeia de suprimento engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de um pedido de um cliente. A cadeia de suprimento não inclui apenas fabricantes e fornecedores, mas também transportadoras, depósitos, varejistas e os próprios clientes. Destro de cada organização, com, por exemplo, de uma fábrica, a cadeia de suprimento inclui todas as funções envolvidas no pedido do cliente, como desenvolvimento de novos produtos, marketing, operações, distribuição, finanças e o serviço de atendimento ao cliente, entre outras, (BALLOU, 2001, p. 288). No contexto geral a estrutura da cadeia de suprimentos consiste de empresas com processos de negócios completamente interligados, ou seja, processos que necessariamente possam produzem valor para o cliente. Os componentes gerenciais da cadeia são administrados de modo integrado entre as empresas que participam diretamente da estrutura da cadeia de suprimentos. Sempre buscando alcançar resultados positivos que venham diminuir os custos e aumentar a lucratividade dessas organizações no sentido de sempre buscar o melhor resultado que venha beneficiar o consumidor final e a empresa. De uma maneira simples e prática, o modelo prioriza, destaca e enfatiza a preocupação com a competitividade do produto que cada empresa dessa unidade de negócio deve ter em frente sempre o consumidor final e com o aproveitamento e desempenho da cadeia produtiva como um todo. Dessa maneira se cria uma necessidade de gestão interligada e integrada da cadeia produtiva, buscando um estreitamento nas relações diretas e na criação conjunta de competências distintas pelas empresas que buscam se destacar no mercado. 2.2 Custo de armazenagem e logístico O crescimento no mercado logístico está em crescimento constante e umas das mais importantes características da logística moderna no Brasil, que pode se destacar é sua constante e crescente complexidade operacional. Hoje no mercado com aumento da variedade de produtos, as entregas mais freqüentes, sempre com menores tempos de atendimento, a menor tolerância a erros de separação de pedidos e pressões constantes para redução dos níveis de estoque, são alguns dos principais objetivos da complexidade do armazenamento e da logística no Brasil. Uma das mais variáveis conseqüências deste grandioso fenômeno é que alguns componentes do custo logístico, até então muito pouco significativos nas 5

6 empresas, como por exemplo o de armazenagem, passam a ter uma participação muito importante. Existem várias razões para realizar o armazenamento (estocagem) de produtos, esteja ele em qualquer estado de produção (matéria-prima, semiacabado e acabado), o que difere a linha de ação a ser tomada e a sua prioridade, as principais razões para a: redução de custos de transporte e de produção, coordenação entre demanda e oferta, auxiliar no processo de produção e no processo de marketing. Basicamente os custos de armazenagem (mão-de-obra, instalações, aluguel ou aquisição, equipamentos, etc) são caracterizados por serem fixos e indiretos, ou seja, existe uma obrigação contábil que acompanhará todo o processo ou em quanto durar sua utilização, e à alocação é realizada por rateio, os itens são contabilizados por sua função (ex: acondicionamento) e não por contas naturais (ex: depreciação). Sendo assim, esses custos fixos se comparados à capacidade instalada, tornam-se proporcionais, (BALLOU, 2001,p.145). Hoje no Brasil a atual realidade dos centros logísticos trabalha constantemente e prega a redução de custos e a criação de um sistema racional de estocagem e armazenagem de matérias-primas e insumos (na área de suprimentos), onde possa se trabalhar um processo que tenha uma maior flexibilidade e velocidade na operação, para atender às exigências e flutuações do mercado cada vez mais competitivo. Portanto em um mercado onde se busca sempre reduzir custos, a armazenagem surge como uma das principais funções que agrega um estimado valor ao sistema logístico, pois a mesma apresenta soluções de grande eficiência para os problemas de estocagem de materiais e sempre melhorando a integração entre os componentes. A redução de custos de transporte e de produção, coordenação entre demanda e oferta, auxiliar no processo de produção e no processo de marketing, que apresenta alguns motivos que justificam a armazenagem na cadeia de suprimentos: Redução de custos de transporte e de produção: com a decorrência do melhoramento no transporte e produção, as despesas adicionadas podem se compensadas com custos mais baixos da armazenagem e o estoque associado. Coordenação entre demanda e oferta: empresas que possui produtos de produção sazonal e demanda variável, recorrem em alguns momentos por manter uma produção em níveis constante durante um determinado período, a fim de minimizar os custos de produção. Ao passo que a coordenação entre demanda e oferta torna-se muito cara, é necessário realizar armazenagem, (BALLOU, 2001,p.264). No Brasil as empresas que trabalham com logísticas procuram buscar sempre um método ou uma ferramenta que venham levar estas organizações a diminuírem custos logístico em todos os processos dessas transportadoras. Portando para o gerenciamento e desenvolvimento de uma boa estratégia empresarial efetiva, um princípio importante é entender como gerar, criar e agregar valor para os consumidores. 6

7 Principalmente e em especial, quando esse valor é agregado através de posicionamentos competitivos constantes que são selecionados para direcionar e apoiar uma determinada estratégia, para se obter uma maior fatia no mercado. Na maioria das organizações, os proprietários, diretores e gestores começaram a perceber que os sistemas de custeio adotados e utilizados distorciam dos custos dos produtos. De uma forma simples e de maneira transparente, se o objetivo for o custeamento da cadeia logística, a visão fragmentada do processo logístico torna difícil a execução do aprimoramento do processo e dessa tarefa. Vale ressaltar que outro importante fato é que, dos custos logísticos, aqueles relacionados diretamente com transporte são considerados despesas variáveis em relação à quantidade vendida e associados aos produtos, porém os demais se classificam como gastos fixos, estando fora da área de abrangência do custeamento, com base no princípio do Custeio Variável. A definição das ferramentas, fatores, posicionamento e da função das instalações de armazenagem é uma decisão estratégica da organização. Esse processo ou fator tem aspecto que faz parte de um conjunto interligado e integrado de decisões, que envolvem políticas de serviço ao consumidor, de estoque, de transporte e de produção que visam atrair e prover um fluxo eficiente de materiais e produtos acabados ao longo de toda o ciclo na cadeia de suprimentos. Em vias diretas a se explorar algumas possíveis soluções logísticas que atendem a necessidades específicas, as empresas sofrem com o desconhecimento sobre as soluções estruturadas para tal decisão e quando as conhecem se deparam com soluções variáveis, bem como suas funções e características principais que apresentam até certo ponto, riscos no desenvolvimento de seus projetos. 2.3 Sistema de custeio na gestão da cadeia de suprimentos. Ao longo deste artigo, busca se entender que ao longo da cadeia de suprimento cada elemento considerado uma chave importante exerce uma atividade, e cada atividade deve estar integrada e congrega a várias outras atividades que por que por menores que sejam podem ser chamadas de micro atividades. Portanto diante disso, na concepção da aplicação desse método de custeio e modelo de gestão, a administração mais adequada e da melhor maneira a se trabalhar nos custos da cadeia de suprimentos deverá ser feito principalmente pela gestão das 7

8 atividades, por meio de sua mensuração, identificação, registro e acumulação contábil, ao longo de cada elemento chave da cadeia. Gerenciamento dos custos da cadeia de suprimento é sempre a constatação de que o consumo de recursos de cada elemento chave da cadeia é determinado pelo evento que são executados pela atividade. Em outras palavras, cada atividade dentro da cadeia de suprimento de custeio nasce em função da necessidade de se executar determinados trabalhos ou tarefas, geralmente denominados atividades e que podem ser representados contabilmente como eventos econômicos e principais ferramentas para diminuir custos. Naturalmente, para o desenvolvimento dessas atividades, há a necessidade de se consumir recursos (equipamentos, mão-de-obra, despesas); portanto, podese concluir que as atividades são as causadoras dos custos da cadeia de suprimento (PADOVEZE, 2003, p. 204). Diante deste cenário, na concepção desse método de custeio e modelo de gestão, administração perfeita e adequada dos custos da cadeia de suprimentos deverá ser feito pela gestão das atividades, por meio de sua identificação, mensuração, registro e acumulação contábil, ao longo de cada elemento chave da cadeia. Sendo assim resume se que as principais atividades causadoras dos custos ao longo de toda a cadeia se faz necessário identificar de maneira transparente os trabalhos ou tarefas de maior relevância que cada atividade será executada, pois, quanto maior a necessidade do desenvolvimento dessas atividades, maior é a necessidade de consumo de recursos e, portanto, de custos. Com uma economia crescente e uma disputa de mercado cada dia mais acirrada no Brasil, nos últimos anos fizeram com que a Gestão da Cadeia de Suprimentos proporcionasse desafios e oportunidades para criação de vantagens competitivas em um mercado globalizado, altamente competitivo e até certo ponto hostil em alguns segmentos. Esta realidade torna a gestão dos custos logísticos um fator de importante destaque, fazendo com que a sua eficiência se torne o principal fator e atividade de sucesso no mundo dos negócios. Por sua vez, o uso de um moderno sistema de custeio pode contribuir em muito no alcance desses resultados. Neste mercado em contexto, o artigo apresenta uma avaliação e um estudo no intuito de analisar por menor que seja os conceitos e definições científicas sobre cadeia de suprimentos (SC) e seus respectivos elos, bem como a forma mais transparente e adequada do gerenciamento dos custos através de um eficiente sistema de custeio. 8

9 2.4 Vantagem competitiva na cadeia de suprimentos. Em um mercado onde a competitividade entre empresas para se conquistar novos consumidores a disputa é constante fazem com que ao longo do tempo as vantagens vão surgindo naturalmente. Portanto em um ambiente de acirrada concorrência, o processo e a tarefa de desenvolvimento constante de fornecedores, mais do que nunca, adquire dimensão importante e estratégica dentro da empresa. Fazendo com que o seu objetivo básico é dar suporte e orientação e à área de suprimentos, mediante a seleção e avaliação de fontes potenciais de fornecimento, com o principal propósito de assegurar a conquista e a manutenção da competitividade da organização. De modo transparente e amplo, onde desenvolver um fornecedor que consiste na prestação de serviços de boa qualidade de consultoria e de acessória, sempre visando auxiliá-lo na análise e identificação de problemas relacionados com organização administrativa, políticas empresariais na adequação de métodos e processos de fabricação. Vantagem Competitiva é a forma como a estratégia escolhida e seguida pela organização pode determinar e sustentar o seu sucesso competitivo. São características que permitem a uma empresa ser diferente por proporcionar mais valor na visão dos clientes, se destacando da concorrência e, por isso, obtendo vantagens no mercado. Simplificando resume-se pela busca da sobrevivência e crescimento num ambiente altamente inovador, disputado, globalizado e competitivo que de forma geral tem exigido que as organizações sejam transparentes e ao mesmo tempo identifiquem, implementem e sustentem sua vantagem competitiva. Portanto, a análise da cadeia de valor e a extensão de sua ação concorrencial para a cadeia de suprimentos em que está inserida, tem se apresentado cada vez mais significativa, (PORTER, 2005, p.189). Na cadeia de suprimentos uma vantagem competitiva pode ser baseada diretamente em sistemas integrados de gestão logística para um melhor aproveitamento de tempo e custo, que ocorre com um bom entendimento da necessidade de aquisição de tecnologia de informação de ponta para integração da cadeia produtiva, a fim de esclarecer de forma transparente todas as informações e atender o cliente final, que é atualmente a fonte de vantagem competitiva mais procurada e cobiçada no mercado, porém esta ferramenta para conquistar uma maior fatia de mercado deve ser repensado os processos dentro das organizações, bem como o seu redesenho. 9

10 Em um cenário onde a logística dentro da empresa se faz necessário com uma inovação constante e onde seu principal aliado é a tecnologia de informação de forma integralizado para um bom desempenho nos sistemas gerenciais que venham proporcionar maior ganho de mercado, clientes e lucratividades. Levando todo o sistema integralizado a controlar e gerenciar toda a cadeia de suprimentos com o objetivo final de sempre atender melhor seu consumidor. Porem se faz necessário a cadeia de suprimentos estar alinhada e adaptável as mudanças do mercado para se obter uma vantagem competitiva, dessa forma torna-se essencial a otimização da cadeia de suprimentos nesse novo tempo de competição globalizado. 3. METODOLOGIA O presente artigo realizado é uma pesquisa de campo que, formou-se apresentando características tanto de uma pesquisa quantitativa e qualitativa quanto de um estudo descritivo. Ambos procuram assegurar com rigor e precisão seus resultados obtidos. A pesquisa foi aplicada de forma presencial na empresa Comercial Alkinda, situada em Morrinhos-CE, no período de 25 de Junho a 26 de Junho de 2012, através de um questionário estruturado e aplicado aos colaboradores e gerentes, perfazendo um total de uma amostra de 10 questionários respondidos, do total de um universo de 25 colaboradores que a empresa possui. Pesquisa de campo é a coleta sistemática e o registro, classificação, análise e apresentação objetiva de dados sobre hábitos, comportamentos, atitudes, valores, necessidades, opiniões e motivações de indivíduos e organizações dentro do contexto de suas atividades econômicas, sociais, políticas e cotidianas, (MALHOTRA, 2001, p.63). Para a coleta de dados, primeiramente, foi elaborado os questionários com embasamento no objetivo geral da pesquisa, qual seja, a de qualificar e identificar os principais fatores que levam os gestores da empresa estudada neste estudo de caso a importância do custeio na cadeia de suprimentos como vantagem competitiva. Os dados serão tabulados em planilhas no Excel na qual será demonstrado nos resultados e discussão deste artigo através de gráficos. 10

11 Questionário consiste em um conjunto de perguntas que serão feitas aos entrevistados. Por causa de sua flexibilidade, o questionário é, de longe, o instrumento mais usado para coleta de dados rimários. Os questionários têm de ser cuidadosamente desenvolvidos, testados e aperfeiçoados antes de serem aplicados em larga escala, (AGUIAR, 2000, p.132). 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES As organizações, independente da localidade que estão instaladas procuram sempre diminuir suas despesas e aumentas suas receitas e na busca constante para conseguir com êxito estes resultados, principalmente se tratando de empresas que prestam serviços de logísticas procura trabalhar no custeio na cadeia de suprimentos e com uma logística integralizada como uma ferramenta na luta para ganhar mercado cada vez mais competitivo. Esta pesquisa foi aplicada na empresa Comercial Alkinda no ramo de prestação de serviço logístico, abordando principalmente os aspectos como sexo, idade, renda, estado civil, principais ganhos na logística integrada e fatores de custeio de maior relevância. Fonte: Pesquisa própria, julho de

12 Fonte: Pesquisa própria, julho de Fonte: Pesquisa própria, julho de

13 Fonte: Pesquisa própria, julho de A parte dos dados apresentados nos gráficos 1,2,3 e 4 constata-se que a maioria dos empregados são masculinos, com idade entre trinta e trinta e quatro anos, onde 60% são casados, com uma renda familiar de um a dois salários que corresponde a 40% dos entrevistados e uma outra parte com renda de três a cinco a salários que corresponde a mais 40% dos entrevistados. Os gráficos acima demostrados pode se perceber que os colaboradores da empresa estudada neste estudo de casa, deixa claro que todos procuram buscar informações sobre a logistica da empresa. Fonte: Pesquisa própria, julho de

14 No gráfico 5 os colaboradores responderam que na percepção deles trabalhar as estratégias do planejamento estratégico para obter sucesso no mercado e muito importante onde corresponde a 30% das respostas e os outros 30% responderam que oferecer treinamento constante e preço acessível também é importante. Fonte: Pesquisa própria, julho de Fonte: Pesquisa própria, julho de

15 Os resultados dos gráficos 6 e 7 demonstraram que os gestores tentam oferecer treinamento para capacitação de mão de obra e ao mesmo tempo fazer com que o clima organizacional seja mais uma ferramenta oferecida pela empresa como fator motivacional para os empregados. Tabela 1: O nível de envolvimento da empresa. Marque com o x na coluna que corresponde ao nível de envolvimento da empresa no que se refere a custeio, cadeia de suprimento e logístico, onde 1= Muito ruim, 2= Ruim, 3= Regular, 4= Bom e 5= Excelente Notas Atributos Qual o nível de envolvimento desta empresa com seus clientes em programas de melhorias em processos e soluções operacionais? 0% 0% 25% 34% 41% Qual o nível de comportamento colaborativo em relação ao desenvolvimento de sistema de mensuração de desempenho alinhado as estratégias da cadeia de suprimentos? 0% 0% 0% 68% 32% Qual o nível de aplicação da análise sistemática do custo total dos processos logísticos em relação aos níveis de serviço oferecidos? 0% 0% 0% 76% 24% Qual o nível de envolvimento da empresa em TI na gestão da cadeia de suprimentos e logístico? 0% 0% 0% 40% 60% Fonte: Pesquisa própria, julho de Nesta tabela os resultados demonstraram que o nível de envolvimento da empresa com programas de melhorias, comportamento colaborativo, serviços oferecidos e investimentos com TI receberam notas 4 e 5 demonstrando o total envolvimento da empresa com uma cadeia de custeio e logística integrada como uma principal ferramenta que se torna um diferencial competitivo. Fonte: Pesquisa própria, julho de

16 No gráfico 8 o resultado foi transparente em deixar claro que a empresa leva muito a sério o assunto custo logístico, pois ele é tratado sempre como de extrema importância e sempre voltado para encontrar uma maneira de diminuir os custos logísticos e em todo o processo da empresa. Fonte: Pesquisa própria, julho de Os resultados desse gráfico revelaram que a empresa trata o planejamento estratégico como assunto importante e principalmente que o envolvimento de todos os colaboradores são essencial para que os objetivos e metas impostas no planejamento estratégico sejam alcançadas. A capacitação dos funcionários também é trabalhada constantemente, para que venham desenvolver com maior qualidade suas funções na empresa, sempre objetivando alcançar todos os objetivos do planejamento. As datas impostas no planejamento estratégico são cobradas com rigor e o comprometimento de todos é essencial para que possa se obter todas as informações necessárias para uma boa comunicação 16

17 Fonte: Pesquisa própria, julho de E por último o gráfico 10, revelou que preço e maior número de localidades que a empresa atinge e atua, são considerados as principais ferramentas como diferencial competitivo e ao mesmo tempo tecnologia de ponta e monitoramento 24 horas também são ferramentas utilizadas pela empresa como diferencial competitivo Para os gestores todos os fatores mencionados no gráfico acima são importantes para que a empresa possa se manter no mercado e conquistar a maior fatia deste mercado, para que sempre possa oferecer serviços logísticos de boa qualidade com menor preço e atendendo os maiores números de localidades. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa deixou clara e de fácil entendimento que quando a organização identificar fatores de gestão organizacional, logística integrada e cadeia de custeio deve ser trabalhado com o máximo de atenção de todos os envolvidos no planejamento estratégico. Por parte dos gestores o gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange um maior fluxo de mercadoria dos clientes, através de uma distribuição até o consumidor final. Todo o gerenciamento logístico esta voltado para otimização de custo e fluxo 17

18 dentro e fora da empresa. A logística integrada só terá sucesso se levada a sério por todos os colaboradores. A definição de planejamento estratégico de uma empresa inclui alem de conhecimento mercadológico, consideração sobre as necessidades do negócio e além da constante avaliação de desempenho de todo o sistema. Hoje as empresas têm se preocupados com custos com armazenamento de materiais, redução de níveis de inventário e diminuição de custos seja na logística ou em qualquer setor da empresa. A competitividade no mercado atual esta praticamente agregada a um bom sistema de gerenciamento que consiga absorver todas as informações de uma organização desde o fornecedor até o cliente final. Portando não se pode esquecer que a cumplicidade de todos os componente de uma cadeia de suprimentos, devem serem trabalhadas com clareza e de forma concomitante em busca constante de melhores preços, redução de gastos e aprimoramento de todos os integrantes desta cadeia para tornar a empresa cada vez mais competitiva. Qualquer funcionário independente da função e do cargo que ocupem em uma empresa tem que demonstrar total envolvimento com o planejamento da empresa e que possui desejos e anseios que são diferentemente individualizados conforme suas necessidades e quando se tem colaboradores motivados a empresa ganha com produtividades de qualidade, menor custo e maior lucratividade. 6. BIBLIOGRAFIA AGUIAR, Marco Antonio S. Manual Básico de Pesquisa de Mercado Edição Sebrae, 2000, p.132.brasília DF. BALLOU, Ronaldo (2001) Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos : Planejamento, organização e logística empresarial. Gestão & Produção, vol.11, n.3, p.288, set-dez CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, Estratégias para a Redução de Custos e Melhoria dos Serviços. São Paulo: Pioneira, 2006, p.235. DIAS, Marco AurÈlio P. Administração de materiais: uma abordagem logìstica. São Paulo: Atlas, 2005, p.101. MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de Marketing Uma Orientação Aplicada Editora Bookman 2001, p.63. Porto Alegre RS. 18

19 PADOVEZE, Clóvis Luiz, Curso básico de gerenciamento de custo.- São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003, p PORTER, M.E Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 15 edição, Rio de Janeiro 2005, p

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

Continuous Auditing & Continuous Monitoring

Continuous Auditing & Continuous Monitoring 01 de outubro de 2010 Continuous Auditing & Continuous Monitoring André Rangel Gerente Sênior KPMG Risk Advisory Services Conteúdo Contexto Definições e objetivos Dimensões Enterprise Risk Management Ambiente

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO.

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. RESUMO Muitas empresas de pequeno e médio porte deixam de elaborar o planejamento estratégico por desconhecer

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Revisão de Sistemas de Informação CEA462 - Sistemas de Apoio à Decisão

Revisão de Sistemas de Informação CEA462 - Sistemas de Apoio à Decisão Revisão de CEA462 - Apoio à Decisão Janniele Aparecida Contribuição Uma das principais contribuições dos sistemas de informação é a melhoria da tomada de decisão, seja para indivíduos ou grupos. Definição

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES CURITIBA 2009 MARCOS ANTONIO RIBAS PONT SAMUEL ANDRADE TAUFMANN POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS Silva, Aline 1 ; BOEIRA; Bruno 2 ; FROZZA, Mateus 3. Palavras - Chaves: Gestão, Planejamento, Empresas

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO MBA Gestão de negócios com ênfase em compras Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Bruno Correia Souza Universidade Estácio de Sá/ RJ brunoc.souza@yahoo.com.br Orientador: José Carlos Beker Universidade Estácio de Sá/ RJ beker@wb.com.br Viviane

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica. Exercício 1

Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica. Exercício 1 Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica Exercício 1 Pedido: Escreva abaixo de cada definição o nome do termo correspondente, entre os citados abaixo: Termos Ação estratégica de diferenciação Ação estratégica

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS

SISTEMA DE INCENTIVOS Organismo Intermédio Formação Ação SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO-AÇÃO FSE O objetivo específico deste Aviso consiste em conceder apoios financeiros a projetos exclusivamente de formação

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO ACOMPANHAMENTO VIA INTERNET DOS PROCESSOS ENTRE INGRESSO E APOSENTADORIA DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL Belo Horizonte 2013 IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTA NO

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 1 - JUSTIFICATIVA A gestão do fluxo de valor agregado pelas organizações exige contemplar toda a cadeia de suprimentos de forma a identificar e

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais