Sistemas de Gestão de Estoques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Gestão de Estoques"

Transcrição

1 CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1

2 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra de material para reposição no estoque de forma que se garanta o abastecimento no processo produtivo e não ocorram problemas de falta f deste material na linha de produção, enquanto aguardamos a reposição do produto (tempo de reposição) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 2

3 Tempo de reposição ou Lead Time = é o tempo gasto desde a verificação de que o estoque precisa ser reposto até a chegada efetiva do material no setor de suprimentos da empresa. O tempo de reposição pode ser composto por diversos fatores, como: - emissão do pedido - fabricação do produto no fornecedor - transporte - recebimento - liberação para a produção Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 3

4 Estoque de segurança a ou estoque mínimom Estoque de segurança a e / ou mínimo m = é uma quantidade mínima de peças que tem de existir no estoque com a função de cobrir possíveis variações do sistema (atraso, retrabalho, refugo, aumento da demanda, etc.) Finalidade de se manter um estoque mínimo: m não afetar o processo produtivo e, não acarretar transtornos aos clientes por falta de material e, assim não atrasar a entrega do produto ao mercado. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 4

5 Estoque de segurança a (Es( Es) ) ou estoque mínimo Dificuldade de cálculo c de Es há grande dificuldade em determinar o Es com exatidão devido a vários fatores como: maior ou menor velocidade na razão de consumo variação na frequência com que a peça é requisitada no almoxarifado falha no abastecimento do fornecedor Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 5

6 ESTOQUE MÁXIMOM resultado da soma do estoque de segurança a mais o lote de compra máximo. m O estoque máximo m é um valor suficiente para suportar variações normais de estoque em face da dinâmica do mercado, deixando margem que assegure, a cada novo lote, que o nível n máximo m não cresça a e onere os custos de manutenção de estoque. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 6

7 Estoque MínimoM Também m muitas vezes chamado de estoque de segurança Quantidade mínima m que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais retardos no ressuprimento,, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem m riscos de falta de material. Entre as causas que ocasionam estas faltas: - oscilação de consumo; - atraso no tempo de reposição (TR) lead time; - demora na liberação de um lote pelo CQ; - diferenças de inventário Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 7

8 Estoque MédioM O estoque médio m corresponde à média dos itens estocados num período de tempo. Sua utilização é muito útil na avaliação financeira do estoque. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 8

9 Quantidade Econômica de Compra é a quantidade de material otimizada para aquisição, quando atingido o nível n de reposição e previsto para o consumo durante um intervalo de tempo, ou seja, cada vez que um pedido de reabastecimento é colocado De que tamanho deve ser este lote econômico? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 9

10 Tempo econômico de compra Consiste em conhecer o número n de pedidos a serem feitos ao longo de um período de tempo, ou seja, em que momento o pedido de reabastecimento deveria ser colocado? A abordagem mais comum para decidir quanto de um item pedir e quando o estoque precisa de reabastecimento é chamada abordagem do LOTE ECONÔMICO DE COMPRA (LEC) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 10

11 Para a determinação de um sistema de gestão de materiais devem ser respondidas duas perguntas: Quando repor? Quanto repor? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 11

12 Existem 2 sistemas que respondem a estas perguntas: 1) Sistema de reposição contínua nua 2) Sistema de reposição periódica Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 12

13 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 13

14 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Calcula-se o nível n de estoque R. Quando o estoque do material alcança a esse valor é emitida uma ordem para a reposição do estoque na quantidade Q, fixa ao longo do tempo, recomeçando ando-se o ciclo. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 14

15 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Em caso de demanda D e de tempo de reposição L constantes, o ponto de reposição (ponto de pedido ou de ressuprimento) é: R = D x L Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 15

16 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Exercício: cio: Um material apresenta uma demanda constante de 30 unidades por dia e o tempo de reposição é de 10 dias. Calcule o ponto de reposição: R = D x L = 30 x 10 = 300 R = 300 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 16

17 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Quando a demanda e o tempo de reposição são variáveis, veis, o Cálculo do ponto R é: R= demanda média m no período de reposição + estoque de segurança Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 17

18 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. R= Dmédio x Lmédio + Es Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 18

19 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. ESTOQUE DE SEGURANÇA Os estoques de segurança a dependem: 1) da variação da demanda e 2) da variação do tempo de reposição Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 19

20 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. ESTOQUE DE SEGURANÇA - Caso o tempo de reposição L seja constante e na hipótese de que o consumo seja distribuído do normalmente, o estoque de segurança é dado por: Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 20

21 ESTOQUE DE SEGURANÇA Onde: Es= = Estoque de segurança Z = coeficiente da distribuição normal em função do nível n de serviço o desejado = desvio padrão da demanda L = tempo de reposição Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 21

22 ESTOQUE DE SEGURANÇA Pode-se associar o nível n de serviço o desejado à classificação ABC do material, resultando o valor de Z Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 22

23 Exercício: cio: Um item de estoque tem apresentado uma demanda média m diária de 35 unidades com desvio padrão de 5 unidades/dia. O tempo de reposição é constante e igual a 10 dias. Sabe-se que o item é da classe A. Determinar o ponto de reposição com o estoque de segurança. a. Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 23

24 Solução: Dado tratar-se de um item classe A, devemos selecionar um nível n de serviço o entre 70% (mínimo e 80% (máximo). Selecionamos 70% e o Z correspondente é 0,53. R= Dmédio x Lmédio + Es Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 R = 35 x ,53 x 5 x 10 = R = 358,38 = 359 unidades Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 24

25 Solução: Cálculo do Es (Estoque mínimo) m Es = 0,53 x 5 x 10 = 8,38 unidades = 9 unidades Cálculo do ponto de reposição ( R ) R = 35 x ,53 x 5 x 10 = R = 358,38 = 359 unidades Toda vez que o nível de estoque baixar para 359 unidades deverá ser pedida a reposição do item, que entrará em estado de atenção. Caso o nível de estoque caia para 8 unidades e a reposição pedida ainda não tenha sido entregue, o item passará a ser crítico, pelo fato de seu estoque estar abaixo do estoque de segurança. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 25

26 Estoque de segurança: a: (no caso em que a demanda segue uma lei de probabilidades discreta) Muitas vezes não se tem dados suficientes e deve-se utilizar a experiência para determinar os níveis dos estoques. Nestes casos deve-se decidir com que nível de serviço deve-se operar e calcular o valor de R. Em seguida calcula-se a demanda média e obtém-se o estoque de segurança por diferença. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 26

27 Estoque de segurança Exemplo: Um item de estoque tem sido reposto com 20 dias, e sua demanda tem seguido a distribuição a seguir. Calcular o ponto de reposição e o estoque de segurança. Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 27

28 Estoque de segurança Solução: Se o nível n de serviço o escolhido for de 90%, a demanda correspondente é de 280 unidades. R = D x L = 280 x 20 = 5600 unidades Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 28

29 Estoque de segurança Solução: Demanda média/dia m = 100 x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0,02 = 219,9 unidades Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 29

30 Solução: Estoque de segurança R= Dmédio x Lmédio + Es 5600 = 219,9 x 20 + Es Es = 1202 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 30

31 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Faz-se a revisão do sistema (verificação do nível n de estoque do item em intervalos fixos (por exemplo: semanal, quinzenal ou mensal) e estima-se se a quantidade necessária para completar um nível n de estoque máximo m previamente calculado e encomenda-se a reposição dessa quantidade. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 31

32 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 32

33 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m A partir do início, após s o período I, denominado intervalo de revisão, verifica-se que falta a quantidade Q1 para completar o estoque máximo m M. Pede-se a reposição dessa quantidade Q1, que é entregue após s decorrido o tempo de reposição L1, ocasião em que o estoque aumenta. Novamente, decorrido o prazo I, verifica-se que é necessária a reposição de Q2 para completar o estoque máximo M. Essa quantidade encomendada chega após s decorrido o tempo L2. Continua-se o processo. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 33

34 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Cálculo de M = máximo m estoque M = Dmédio x (Lm( Lmédio +I) + Es Dmédio = demanda médiam Lmédio = tempo médio m de reposição I = Intervalo de revisão Es = Estoque de segurança Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 34

35 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Nesse sistema o estoque de segurança a deve fornecer cobertura para o período (Lm( Lmédio + I), sendo sua expressão (para L constante e demanda distribuída da normalmente) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 35

36 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Exercício: cio: Um item de estoque tem apresentado demanda média m diária de 35 unidades com desvio padrão de 5 unidade/dia. O tempo de reposição é constante e igual a 10 dias. Sabe-se que o item é da classe A. Determinar o máximo estoque M e o estoque de segurança, a, sendo I igual a 7 dias. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 36

37 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Solução: A partir de e M = Dmédio x (Lm( Lmédio +I) + Es utilizando-se o nível n de serviço o de 70% Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 37

38 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m M = 35 x (10 + 7) + 0,53 x 5 x (10+7)= M = 605,93 unidades O Es (estoque de segurança é igual a 10,93 unidades) Es = 11 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 38

39 Exercícios: cios: 1) A demanda é de 200 unidades por semana, o tempo de reposição é de três semanas e o estoque de segurança é de 300 unidades. Calcule o ponto de pedido e trace curva de estoque indicando todas as variáveis veis importantes. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 39

40 Exercícios: cios: 2) O consumo mensal da camisa Z é de 1200 unidades. O estoque de segurança a foi dimensionado em 200 unidades. O tempo de reposição é de 1 ½ meses. Qual deve ser o PP (Ponto de Pedido)? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 40

41 Exercícios: cios: 3) Uma peça é consumida a uma razão de 30 por mês, e seu tempo de reposição é de 2 meses. Qual será o ponto de pedido, uma vez que o estoque mínimo m deve ser de um mês de consumo? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 41

42 Exercícios: cios: 4) Sistemas de Gestão de Estoques 4) Uma empresa utiliza a metodologia ilustrada no diagrama para determinar a quantidade a ser periodicamente adquirida (X) de um componente que utiliza em sua linha de produção. Sendo 1200 unidades por mês o consumo desse componente. Calcule o ponto de reposição (considerar 1 mês = 30 dias). Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 42

43 Exercícios: cios: 5) Um material apresenta um consumo médio m diário de 85 unidades e um tempo de reposição fixo de 30dias. Calcular o estoque de segurança a (Es( Es) ) e o ponto de pedido (PP) sabendo que o nível n de serviço é 70% e o desvio padrão do consumo é 10 unidades/dia. Desenhar o gráfico mostrando R, o estoque de segurança, a, a área de itens em atenção e a área dos itens críticos? (Resposta: Es = 29,03 ou 30 unidades e PP = 2579,03 ou 2580 unidades.) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 43

44 Exercícios: cios: 6) Um material apresentou o consumo mensal a seguir e o tempo de reposição fixo de 15 dias. Calcular o ponto de reposição (PP) incluindo o estoque de segurança a (Es( Es), sabendo que o material éda classe B (utilizar 90% de nível n de serviço) e o desvio padrão é igual a 76 unidades para o consumo mensal. Considerar um mês igual a 30 dias? Mês Consumo Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 44

45 Exercícios: cios: 6) Solução: Dmédio = 308,33 Es = 68,79 70 unidades PP = R = 222, unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 45

46 Exercícios: cios: 7) Um material apresentou a distribuição de consumo mensal e de tempo de reposição a seguir. Calcular o ponto de reposição (PP) e o estoque de segurança (Es)) com um nível n de serviço o de 90%. Considere que o desvio padrão do consumo seja igual a 65 unidades/mês. Frequência relativa acumulada (%) Consumo mensal (unidades) Tempo de reposição (mês) 0,3 0,4 0,5 0,7 1,0 1,3 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 46

47 Exercícios: cios: 7) Resposta: O consumo médio m é igual a 346 unidades mensais, o tempo médio m de reposição é igual a 0,68 meses, o estoque de segurança é igual a 68,6 unidades, e o ponto de reposição é igual a 304 unidades aproximadamente. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 47

48 Exercícios: cios: 8) Um material apresenta um consumo médio m diário de 90 unidades e um tempo de reposição fixo de 20 dias, e o sistema é revisto a cada 30 dias. Calcular o estoque de segurança a e o estoque máximo m M, sabendo que o nível n de serviço é de 70% e o desvio padrão do consumo é de 10 unidades/dia. Desenhar o gráfico mostrando M, o estoque de segurança, a, a área de itens em atenção e a área dos itens críticos. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 48

49 Exercícios: cios: 8) Resposta: O estoque de segurança é igual a 37,48 unidades, ou 40 unidades O estoque máximo m é igual a 4537,48 unidades, ou 4540 unidades. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 49

50 9) Um material apresentou o consumo mensal a seguir e tempo de reposição fixo de 15 dias. Calcular o estoque máximo m M, incluindo o estoque de segurança, a, sabendo que o material é da classe B (utilizar 90% de nível n de serviço), o desvio padrão é igual a 76 unidades para o consumo mensal e o período de revisão é de 30 dias. Considerar um mês igual a 30 dias. Mês Consumo Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 50

51 9) Respostas O estoque de segurança é igual a 119,14 unidades 120 unidades. O estoque máximo m é igual a 581,64 unidades 582 unidades. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 51

52 10) Um material apresentou a distribuição de consumo mensal e de tempo de reposição a seguir. Calcular o estoque máximo m e o estoque de segurança a com um nível de serviço o de 70%, sabendo que o intervalo de revisão é de 0,7 mês. Considere que o desvio padrão do consumo seja 80 unidades/mês. Frequência relativa acumulada (%) Consumo mensal (unidades) Tempo de reposição (Mês) 0,3 0,4 0,5 0,7 1,0 1,3 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 52

53 10) Solução: Consumo médio m = 346 unidades/mês Tempo de reposição médio m = 0,68 meses. Estoque de segurança a = 49,81 unidades 50 unidades Estoque máximo m = 526 unidades aproximadamente Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 53

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Curso de Administração de Empresas. Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos Unilins - SP

Curso de Administração de Empresas. Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos Unilins - SP Disciplina: 500.030 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Curso de Administração de Empresas Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa Cap. 8 Mantendo o suprimento Mantendo o suprimento Façamos um paralelo Se o atendimento fornece produtos para suprir a demanda dos clientes. O reabastecimento compra os materiais para fabricar esses produtos.

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Definições Variáveis Aleatórias Uma variável aleatória representa um valor numérico possível de um evento incerto. Variáveis aleatórias

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques ! " # ) % & $ % & ' (

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques !  # ) % & $ % & ' ( Gestão de Estoques Motivos para surgimento de estoques % &! $ % & " # " ) % & * $ % & ' ( 1 Decisões sobre volumes. TV() = Total annual variable costs and * + $, - " 2 Custos totais de um sistema simplificado

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção;

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção; Fascículo 7 A atividade de compras Não existe a área de suprimentos sem que exista a atividade de compras, que é fundamental para a gestão da área de materiais. Um bom volume de vendas e uma abordagem

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos Curva ABC A curva ABC tem por finalidade determinar o comportamento dos produtos ou dos clientes. Podemos desenvolver diversos tipos de curvas ABC contendo os seguintes parâmetros: 1. Produto X Demanda

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

Administração Materiais X Distribuição Física

Administração Materiais X Distribuição Física ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 2 Administração Materiais X Distribuição Física A é o inverso da Distribuição Física Trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Lista de Exercícios 2º Bim

Lista de Exercícios 2º Bim Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Lista de Exercícios 2º Bim Prof. Marcio Cardoso Machado http://marciocmachado.com.br

Leia mais

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 01.(UNESP) Apresentamos a seguir o gráfico do volume do álcool em função de sua massa, a uma temperatura fixa de 0 C.

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO. y = 0,80.x. 2. DEFINIÇÃO DE FUNÇÃO DE A EM B ( f: A B) 4. GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO

CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO. y = 0,80.x. 2. DEFINIÇÃO DE FUNÇÃO DE A EM B ( f: A B) 4. GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO CAPÍTULO 2 FUNÇÕES 1. INTRODUÇÃO Muitas grandezas com as quais lidamos no nosso cotidiano dependem uma da outra, isto é, a variação de uma delas tem como conseqüência a variação da outra. Exemplo 1: Tio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques 1 GESTÃO DE S EM SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO Modelos Clássicos e Cálculo dos Parâmetros de Controle SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO CASOS REAIS TÍPICOS Venda de produtos no varejo Venda de produtos em máquinas

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Capítulo 12 Simulador LOGSIM

Capítulo 12 Simulador LOGSIM Jogos de Empresas Manuel Meireles & Cida Sanches 61 Texto selecionado do artigo: Capítulo 12 Simulador LOGSIM CAVANHA FILHO, A.O. Simulador logístico. Florianópolis: UFSC, 2000. (Dissertação submetida

Leia mais

UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS

UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS 1.) Clientes chegam a uma barbearia, de um único barbeiro, com uma duração média entre chegadas de 20 minutos. O barbeiro gasta

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

Apresentação. 1. Introdução. 2. Situação Problema

Apresentação. 1. Introdução. 2. Situação Problema EASY GLASS Easy Glass Resumo O Easy Glass é um projeto desenvolvido para implantar a manutenção dos pára-brisas dos veículos ferroviários, cujo objetivo consiste na implantação de um guindaste de coluna

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 05: ADMINISTRAÇÃO DO DISPONÍVEL VERSÃO TEXTUAL Numa situação ideal, em que uma empresa tem um controle total

Leia mais

Contabilidade de Custos para o Setor de Serviços. Prof. Jediel Mendes

Contabilidade de Custos para o Setor de Serviços. Prof. Jediel Mendes Contabilidade de Custos para o Setor de Serviços Prof. Jediel Mendes Introdução Um serviço é um beneficio intangível, como consultoria, projeto, cuidados pessoais, transporte e entretenimento. Ele não

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03)

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) 1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) O Enfoque da administração pública: Para você entender o que é Administração de Materiais, precisa saber que material é todo bem que pode ser contado, registrado

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques Conceitos Básicos de Gestão de Estoques 45 Conceitos básicos de estoque Estoques: acúmulo de de recursos materiais em em um um sistema de de transformação Fase 1 estoque Fase 2 chuvas sazonais máquina

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Segunda Lista de Exercícios 01 de julho de 2013 1 Uma indústria fabrica peças, das quais 1 5 são defeituosas. Dois compradores, A e B, classificam os lotes de peças adquiridos em

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV ADM Objetiva Prova A 03/junho/01 matemática 01. Em um período de grande volatilidade no mercado, Rosana adquiriu um lote de ações e verificou, ao final do dia,

Leia mais

Gestão de Projetos. Análises Quantitativas

Gestão de Projetos. Análises Quantitativas Gestão de Projetos Análises Quantitativas Por: João Lucas e Rosana Duarte Revisão: Prof. Dr. Sérgio Alves www.profsergio.net Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (PMI) 1- Dadas as ferramentas

Leia mais

Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas

Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas 1. (Paulino e Branco, 2005) Num depósito estão armazenadas 500 embalagens de um produto, das quais 50 estão deterioradas. Inspeciona-se uma

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS Lista de Exercícios - Modelos Probabilísticos 1 INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS 35) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 0,05 de um dado ser transmitido

Leia mais

Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2

Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2 Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2 Método da curva A, B, C, ou gráfico de Pareto (Economista e Matemático Italiano Vilfredo Pareto)

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 735/C/12 Págs. 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais Duração da prova: 150 minutos 2006

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 4 4.1 Demanda por moeda O Fed (apelido do Federal Reserve Bank) é o Banco Central dos Estados Unidos. A moeda, que você pode usar para transações,

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban 1 DIMENSIONAMENTO DE KANBANS - O Caso do Quiosque - CASO DO QUIOSQUE: SOLUÇÃO USANDO QUANTIDADE FIXA DE ENCOMENDA RESUMO DA SOLUÇÃO PARÂMETROS DE OPERAÇÃO: PONTO DE PEDIDO (PP) : 80 80 unidades QUANTIDADE

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/2014

ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/2014 Conselho de Administração ORÇAMEMENTO RETIFICATIVO N.º1/ CT/CA-026/PT ÍNDICE I. INTRODUÇÃO A. Introdução geral B. Preços C. Receitas D. Despesas II. MAPA DE RECEITAS E DESPESAS RECAPITULATIVO III. MAPA

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM Roberto Nilton Machado de Oliveira (UNA ) robertonmo@outlook.com SHEILA APARECIDA GONCALVES (UNA ) sheila18goncalves@yahoo.com.br LARISSA FRANCO

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade III AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade III 1) Fixaçao dos Indices Padrões Elaboração dos índices padrões Comparação com os índices padrões 2) Análise

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE ESPAÇOS DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE. Introdução

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE ESPAÇOS DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE. Introdução REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE ESPAÇOS DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE Introdução A Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve (ESSUAlg) dispõe de um auditório e de espaços

Leia mais