Sistemas de Gestão de Estoques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Gestão de Estoques"

Transcrição

1 CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1

2 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra de material para reposição no estoque de forma que se garanta o abastecimento no processo produtivo e não ocorram problemas de falta f deste material na linha de produção, enquanto aguardamos a reposição do produto (tempo de reposição) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 2

3 Tempo de reposição ou Lead Time = é o tempo gasto desde a verificação de que o estoque precisa ser reposto até a chegada efetiva do material no setor de suprimentos da empresa. O tempo de reposição pode ser composto por diversos fatores, como: - emissão do pedido - fabricação do produto no fornecedor - transporte - recebimento - liberação para a produção Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 3

4 Estoque de segurança a ou estoque mínimom Estoque de segurança a e / ou mínimo m = é uma quantidade mínima de peças que tem de existir no estoque com a função de cobrir possíveis variações do sistema (atraso, retrabalho, refugo, aumento da demanda, etc.) Finalidade de se manter um estoque mínimo: m não afetar o processo produtivo e, não acarretar transtornos aos clientes por falta de material e, assim não atrasar a entrega do produto ao mercado. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 4

5 Estoque de segurança a (Es( Es) ) ou estoque mínimo Dificuldade de cálculo c de Es há grande dificuldade em determinar o Es com exatidão devido a vários fatores como: maior ou menor velocidade na razão de consumo variação na frequência com que a peça é requisitada no almoxarifado falha no abastecimento do fornecedor Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 5

6 ESTOQUE MÁXIMOM resultado da soma do estoque de segurança a mais o lote de compra máximo. m O estoque máximo m é um valor suficiente para suportar variações normais de estoque em face da dinâmica do mercado, deixando margem que assegure, a cada novo lote, que o nível n máximo m não cresça a e onere os custos de manutenção de estoque. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 6

7 Estoque MínimoM Também m muitas vezes chamado de estoque de segurança Quantidade mínima m que deve existir em estoque, que se destina a cobrir eventuais retardos no ressuprimento,, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem m riscos de falta de material. Entre as causas que ocasionam estas faltas: - oscilação de consumo; - atraso no tempo de reposição (TR) lead time; - demora na liberação de um lote pelo CQ; - diferenças de inventário Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 7

8 Estoque MédioM O estoque médio m corresponde à média dos itens estocados num período de tempo. Sua utilização é muito útil na avaliação financeira do estoque. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 8

9 Quantidade Econômica de Compra é a quantidade de material otimizada para aquisição, quando atingido o nível n de reposição e previsto para o consumo durante um intervalo de tempo, ou seja, cada vez que um pedido de reabastecimento é colocado De que tamanho deve ser este lote econômico? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 9

10 Tempo econômico de compra Consiste em conhecer o número n de pedidos a serem feitos ao longo de um período de tempo, ou seja, em que momento o pedido de reabastecimento deveria ser colocado? A abordagem mais comum para decidir quanto de um item pedir e quando o estoque precisa de reabastecimento é chamada abordagem do LOTE ECONÔMICO DE COMPRA (LEC) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 10

11 Para a determinação de um sistema de gestão de materiais devem ser respondidas duas perguntas: Quando repor? Quanto repor? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 11

12 Existem 2 sistemas que respondem a estas perguntas: 1) Sistema de reposição contínua nua 2) Sistema de reposição periódica Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 12

13 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 13

14 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Calcula-se o nível n de estoque R. Quando o estoque do material alcança a esse valor é emitida uma ordem para a reposição do estoque na quantidade Q, fixa ao longo do tempo, recomeçando ando-se o ciclo. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 14

15 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Em caso de demanda D e de tempo de reposição L constantes, o ponto de reposição (ponto de pedido ou de ressuprimento) é: R = D x L Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 15

16 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Exercício: cio: Um material apresenta uma demanda constante de 30 unidades por dia e o tempo de reposição é de 10 dias. Calcule o ponto de reposição: R = D x L = 30 x 10 = 300 R = 300 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 16

17 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. Quando a demanda e o tempo de reposição são variáveis, veis, o Cálculo do ponto R é: R= demanda média m no período de reposição + estoque de segurança Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 17

18 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. R= Dmédio x Lmédio + Es Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 18

19 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. ESTOQUE DE SEGURANÇA Os estoques de segurança a dependem: 1) da variação da demanda e 2) da variação do tempo de reposição Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 19

20 Sistema de reposição contínua nua ou sistema de estoque mínimo ou sistema do ponto de reposição. ESTOQUE DE SEGURANÇA - Caso o tempo de reposição L seja constante e na hipótese de que o consumo seja distribuído do normalmente, o estoque de segurança é dado por: Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 20

21 ESTOQUE DE SEGURANÇA Onde: Es= = Estoque de segurança Z = coeficiente da distribuição normal em função do nível n de serviço o desejado = desvio padrão da demanda L = tempo de reposição Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 21

22 ESTOQUE DE SEGURANÇA Pode-se associar o nível n de serviço o desejado à classificação ABC do material, resultando o valor de Z Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 22

23 Exercício: cio: Um item de estoque tem apresentado uma demanda média m diária de 35 unidades com desvio padrão de 5 unidades/dia. O tempo de reposição é constante e igual a 10 dias. Sabe-se que o item é da classe A. Determinar o ponto de reposição com o estoque de segurança. a. Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 23

24 Solução: Dado tratar-se de um item classe A, devemos selecionar um nível n de serviço o entre 70% (mínimo e 80% (máximo). Selecionamos 70% e o Z correspondente é 0,53. R= Dmédio x Lmédio + Es Classe do item A B C Nível de serviço mínimo 70% 80% 90% Valor de Z mínimo 0,53 0,84 1,28 R = 35 x ,53 x 5 x 10 = R = 358,38 = 359 unidades Nível de serviço máximo 80% 90% 95% Valor de Z máximo 0,84 1,28 1,65 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 24

25 Solução: Cálculo do Es (Estoque mínimo) m Es = 0,53 x 5 x 10 = 8,38 unidades = 9 unidades Cálculo do ponto de reposição ( R ) R = 35 x ,53 x 5 x 10 = R = 358,38 = 359 unidades Toda vez que o nível de estoque baixar para 359 unidades deverá ser pedida a reposição do item, que entrará em estado de atenção. Caso o nível de estoque caia para 8 unidades e a reposição pedida ainda não tenha sido entregue, o item passará a ser crítico, pelo fato de seu estoque estar abaixo do estoque de segurança. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 25

26 Estoque de segurança: a: (no caso em que a demanda segue uma lei de probabilidades discreta) Muitas vezes não se tem dados suficientes e deve-se utilizar a experiência para determinar os níveis dos estoques. Nestes casos deve-se decidir com que nível de serviço deve-se operar e calcular o valor de R. Em seguida calcula-se a demanda média e obtém-se o estoque de segurança por diferença. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 26

27 Estoque de segurança Exemplo: Um item de estoque tem sido reposto com 20 dias, e sua demanda tem seguido a distribuição a seguir. Calcular o ponto de reposição e o estoque de segurança. Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 27

28 Estoque de segurança Solução: Se o nível n de serviço o escolhido for de 90%, a demanda correspondente é de 280 unidades. R = D x L = 280 x 20 = 5600 unidades Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 28

29 Estoque de segurança Solução: Demanda média/dia m = 100 x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0,02 = 219,9 unidades Demanda (durante o tempo de reposição) Unidades / dia Probabilidade 0,10 0,15 0,20 0,30 0,15 0,08 0,02 Probabilidade acumulada 0,10 0,25 0,45 0,75 0,90 0,98 1,00 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 29

30 Solução: Estoque de segurança R= Dmédio x Lmédio + Es 5600 = 219,9 x 20 + Es Es = 1202 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 30

31 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Faz-se a revisão do sistema (verificação do nível n de estoque do item em intervalos fixos (por exemplo: semanal, quinzenal ou mensal) e estima-se se a quantidade necessária para completar um nível n de estoque máximo m previamente calculado e encomenda-se a reposição dessa quantidade. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 31

32 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 32

33 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m A partir do início, após s o período I, denominado intervalo de revisão, verifica-se que falta a quantidade Q1 para completar o estoque máximo m M. Pede-se a reposição dessa quantidade Q1, que é entregue após s decorrido o tempo de reposição L1, ocasião em que o estoque aumenta. Novamente, decorrido o prazo I, verifica-se que é necessária a reposição de Q2 para completar o estoque máximo M. Essa quantidade encomendada chega após s decorrido o tempo L2. Continua-se o processo. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 33

34 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Cálculo de M = máximo m estoque M = Dmédio x (Lm( Lmédio +I) + Es Dmédio = demanda médiam Lmédio = tempo médio m de reposição I = Intervalo de revisão Es = Estoque de segurança Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 34

35 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Nesse sistema o estoque de segurança a deve fornecer cobertura para o período (Lm( Lmédio + I), sendo sua expressão (para L constante e demanda distribuída da normalmente) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 35

36 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Exercício: cio: Um item de estoque tem apresentado demanda média m diária de 35 unidades com desvio padrão de 5 unidade/dia. O tempo de reposição é constante e igual a 10 dias. Sabe-se que o item é da classe A. Determinar o máximo estoque M e o estoque de segurança, a, sendo I igual a 7 dias. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 36

37 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m Solução: A partir de e M = Dmédio x (Lm( Lmédio +I) + Es utilizando-se o nível n de serviço o de 70% Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 37

38 Sistema de reposição periódica ou sistema de reposição em períodos fixos ou também m sistema de estoque máximo. m M = 35 x (10 + 7) + 0,53 x 5 x (10+7)= M = 605,93 unidades O Es (estoque de segurança é igual a 10,93 unidades) Es = 11 unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 38

39 Exercícios: cios: 1) A demanda é de 200 unidades por semana, o tempo de reposição é de três semanas e o estoque de segurança é de 300 unidades. Calcule o ponto de pedido e trace curva de estoque indicando todas as variáveis veis importantes. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 39

40 Exercícios: cios: 2) O consumo mensal da camisa Z é de 1200 unidades. O estoque de segurança a foi dimensionado em 200 unidades. O tempo de reposição é de 1 ½ meses. Qual deve ser o PP (Ponto de Pedido)? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 40

41 Exercícios: cios: 3) Uma peça é consumida a uma razão de 30 por mês, e seu tempo de reposição é de 2 meses. Qual será o ponto de pedido, uma vez que o estoque mínimo m deve ser de um mês de consumo? Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 41

42 Exercícios: cios: 4) Sistemas de Gestão de Estoques 4) Uma empresa utiliza a metodologia ilustrada no diagrama para determinar a quantidade a ser periodicamente adquirida (X) de um componente que utiliza em sua linha de produção. Sendo 1200 unidades por mês o consumo desse componente. Calcule o ponto de reposição (considerar 1 mês = 30 dias). Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 42

43 Exercícios: cios: 5) Um material apresenta um consumo médio m diário de 85 unidades e um tempo de reposição fixo de 30dias. Calcular o estoque de segurança a (Es( Es) ) e o ponto de pedido (PP) sabendo que o nível n de serviço é 70% e o desvio padrão do consumo é 10 unidades/dia. Desenhar o gráfico mostrando R, o estoque de segurança, a, a área de itens em atenção e a área dos itens críticos? (Resposta: Es = 29,03 ou 30 unidades e PP = 2579,03 ou 2580 unidades.) Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 43

44 Exercícios: cios: 6) Um material apresentou o consumo mensal a seguir e o tempo de reposição fixo de 15 dias. Calcular o ponto de reposição (PP) incluindo o estoque de segurança a (Es( Es), sabendo que o material éda classe B (utilizar 90% de nível n de serviço) e o desvio padrão é igual a 76 unidades para o consumo mensal. Considerar um mês igual a 30 dias? Mês Consumo Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 44

45 Exercícios: cios: 6) Solução: Dmédio = 308,33 Es = 68,79 70 unidades PP = R = 222, unidades Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 45

46 Exercícios: cios: 7) Um material apresentou a distribuição de consumo mensal e de tempo de reposição a seguir. Calcular o ponto de reposição (PP) e o estoque de segurança (Es)) com um nível n de serviço o de 90%. Considere que o desvio padrão do consumo seja igual a 65 unidades/mês. Frequência relativa acumulada (%) Consumo mensal (unidades) Tempo de reposição (mês) 0,3 0,4 0,5 0,7 1,0 1,3 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 46

47 Exercícios: cios: 7) Resposta: O consumo médio m é igual a 346 unidades mensais, o tempo médio m de reposição é igual a 0,68 meses, o estoque de segurança é igual a 68,6 unidades, e o ponto de reposição é igual a 304 unidades aproximadamente. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 47

48 Exercícios: cios: 8) Um material apresenta um consumo médio m diário de 90 unidades e um tempo de reposição fixo de 20 dias, e o sistema é revisto a cada 30 dias. Calcular o estoque de segurança a e o estoque máximo m M, sabendo que o nível n de serviço é de 70% e o desvio padrão do consumo é de 10 unidades/dia. Desenhar o gráfico mostrando M, o estoque de segurança, a, a área de itens em atenção e a área dos itens críticos. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 48

49 Exercícios: cios: 8) Resposta: O estoque de segurança é igual a 37,48 unidades, ou 40 unidades O estoque máximo m é igual a 4537,48 unidades, ou 4540 unidades. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 49

50 9) Um material apresentou o consumo mensal a seguir e tempo de reposição fixo de 15 dias. Calcular o estoque máximo m M, incluindo o estoque de segurança, a, sabendo que o material é da classe B (utilizar 90% de nível n de serviço), o desvio padrão é igual a 76 unidades para o consumo mensal e o período de revisão é de 30 dias. Considerar um mês igual a 30 dias. Mês Consumo Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 50

51 9) Respostas O estoque de segurança é igual a 119,14 unidades 120 unidades. O estoque máximo m é igual a 581,64 unidades 582 unidades. Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 51

52 10) Um material apresentou a distribuição de consumo mensal e de tempo de reposição a seguir. Calcular o estoque máximo m e o estoque de segurança a com um nível de serviço o de 70%, sabendo que o intervalo de revisão é de 0,7 mês. Considere que o desvio padrão do consumo seja 80 unidades/mês. Frequência relativa acumulada (%) Consumo mensal (unidades) Tempo de reposição (Mês) 0,3 0,4 0,5 0,7 1,0 1,3 Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 52

53 10) Solução: Consumo médio m = 346 unidades/mês Tempo de reposição médio m = 0,68 meses. Estoque de segurança a = 49,81 unidades 50 unidades Estoque máximo m = 526 unidades aproximadamente Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 53

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Curso de Administração de Empresas. Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos Unilins - SP

Curso de Administração de Empresas. Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos Unilins - SP Disciplina: 500.030 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Curso de Administração de Empresas Cap.IV Estoques de Segurança (Capítulo 11 Livro adotado) Prof.º Eng.º MSc. João Carlos de Campos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques ! " # ) % & $ % & ' (

Gestão de Estoques. Motivos para surgimento de estoques !  # ) % & $ % & ' ( Gestão de Estoques Motivos para surgimento de estoques % &! $ % & " # " ) % & * $ % & ' ( 1 Decisões sobre volumes. TV() = Total annual variable costs and * + $, - " 2 Custos totais de um sistema simplificado

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa

Cap. 8 Mantendo o suprimento. André Jun Nishizawa Cap. 8 Mantendo o suprimento Mantendo o suprimento Façamos um paralelo Se o atendimento fornece produtos para suprir a demanda dos clientes. O reabastecimento compra os materiais para fabricar esses produtos.

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques Conceitos Básicos de Gestão de Estoques 45 Conceitos básicos de estoque Estoques: acúmulo de de recursos materiais em em um um sistema de de transformação Fase 1 estoque Fase 2 chuvas sazonais máquina

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

Administração Materiais X Distribuição Física

Administração Materiais X Distribuição Física ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 2 Administração Materiais X Distribuição Física A é o inverso da Distribuição Física Trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2

Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2 Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais 2014-02 Prof. Roberto Cézar Datrino Atividade 2 Método da curva A, B, C, ou gráfico de Pareto (Economista e Matemático Italiano Vilfredo Pareto)

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM Roberto Nilton Machado de Oliveira (UNA ) robertonmo@outlook.com SHEILA APARECIDA GONCALVES (UNA ) sheila18goncalves@yahoo.com.br LARISSA FRANCO

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban 1 DIMENSIONAMENTO DE KANBANS - O Caso do Quiosque - CASO DO QUIOSQUE: SOLUÇÃO USANDO QUANTIDADE FIXA DE ENCOMENDA RESUMO DA SOLUÇÃO PARÂMETROS DE OPERAÇÃO: PONTO DE PEDIDO (PP) : 80 80 unidades QUANTIDADE

Leia mais

Desenvolvimento e implantação de modelo de gestão de estoques para as Unidades Locais de Saúde da cidade de Florianópolis

Desenvolvimento e implantação de modelo de gestão de estoques para as Unidades Locais de Saúde da cidade de Florianópolis Desenvolvimento e implantação de modelo de gestão de estoques para as Unidades Locais de Saúde da cidade de Florianópolis André Rego Macieira (COPPE-UFRJ) macieira@gpi.ufrj.br Bruno Lam (COPPE-UFRJ) blam@gpi.ufrj.br

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques 1 GESTÃO DE S EM SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO Modelos Clássicos e Cálculo dos Parâmetros de Controle SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO CASOS REAIS TÍPICOS Venda de produtos no varejo Venda de produtos em máquinas

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO 4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO Neste capítulo, apresentaremos o estudo da dinâmica da gestão de projetos, demonstrando como os principais autores de Dinâmica de Sistemas apresentam sua aplicações em

Leia mais

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques.

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Luiz Alberto Viana Menezes Guedes 1 Charles Emerson Cabral Marinho 2 Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

O DIFERENCIAL DA METODOLOGIA DO JUST IN TIME NAS POLITICAS DE ESTOQUE

O DIFERENCIAL DA METODOLOGIA DO JUST IN TIME NAS POLITICAS DE ESTOQUE O DIFERENCIAL DA METODOLOGIA DO JUST IN TIME NAS POLITICAS DE ESTOQUE TARTAGLIONI, Raphael; DOS SANTOS, Gustavo raphaelguindalini@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: Este artigo visa

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA CADEIA DE ABASTECIMENTO Por: Wagner dos Anjos Carvalho Orientador Prof.º Jorge Tadeu Vieira Lourenço

Leia mais

Gestão de Projetos. Análises Quantitativas

Gestão de Projetos. Análises Quantitativas Gestão de Projetos Análises Quantitativas Por: João Lucas e Rosana Duarte Revisão: Prof. Dr. Sérgio Alves www.profsergio.net Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (PMI) 1- Dadas as ferramentas

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Gerenciamento de Estoques em Farmácia Hospitalar. Naraiana Agapito naraagapito@yahoo.com.br

Gerenciamento de Estoques em Farmácia Hospitalar. Naraiana Agapito naraagapito@yahoo.com.br Gerenciamento de Estoques em Farmácia Hospitalar Naraiana Agapito naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Inicialmente, como os hospitais não visavam resultados econômicos as técnicas de gerenciamento de

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL É examinar a situação de uma empresa e determinar seus pontos fortes e fracos em relação a: sua organização; sua capacidade gerencial; seu know-how tecnológico; sua capacidade

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES

GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos possuidores de valor econômico e destinado ao suprimento das necessidades futuras de

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Abril/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 08 Suprimentos e administração de materiais Gestão de

Leia mais

Gestão de estoques em uma farmácia de manipulação na cidade de João Pessoa

Gestão de estoques em uma farmácia de manipulação na cidade de João Pessoa ENSINO Revista Brasileira de Ciências da Saúde Teaching Volume 13 Número 3 Páginas 85-92 2009 ISSN 1415-2177 Gestão de estoques em uma farmácia de manipulação na cidade de João Pessoa Inventory management

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento Projeto de Armazéns e Ricardo A. Cassel Projeto de Armazéns Modelos de armazenamento baseado em classes 1 O armazenamento dedicado é utilizado quando uma unidade mantida em estoque (SKU) é designada para

Leia mais

Responsabilidades/ Autoridades

Responsabilidades/ Autoridades 1/5 1. OBJETIVO Garantir o abastecimento dos materiais Consignados e OPME do Hospital. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO OPME - Órtese Prótese e Materiais Especiais; CAF - Central de Abastecimento Farmacêutico;

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos Curva ABC A curva ABC tem por finalidade determinar o comportamento dos produtos ou dos clientes. Podemos desenvolver diversos tipos de curvas ABC contendo os seguintes parâmetros: 1. Produto X Demanda

Leia mais

MPU. Atualizada 10/08/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 16

MPU. Atualizada 10/08/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 16 Questões de Concursos 1. BACEN/ESAF 2010. O departamento de administração de materiais de uma empresa recebeu 5.000 requisições no ano de 2009, sendo que cada requisição teve uma média de 1,8 itens. Sabendo

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS * Dlmas de Paula Mietto A redução dos gastos com insumos através da determinação do fornecedor / matéria-prima de mais baixo custo.

Leia mais

ESTUDO DE CASO ARADO S/A

ESTUDO DE CASO ARADO S/A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - ESTUDO

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS Lista de Exercícios - Modelos Probabilísticos 1 INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS 35) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 0,05 de um dado ser transmitido

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Definições Variáveis Aleatórias Uma variável aleatória representa um valor numérico possível de um evento incerto. Variáveis aleatórias

Leia mais

Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas

Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas Exercícios Sugeridos Variáveis Aleatórias Discretas e Contínuas 1. (Paulino e Branco, 2005) Num depósito estão armazenadas 500 embalagens de um produto, das quais 50 estão deterioradas. Inspeciona-se uma

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Gestão de Processos Produtivos e Qualidade GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 8º aula

Gestão de Processos Produtivos e Qualidade GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 8º aula GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE 8º aula Prof. Alexandre Gonçalves alexandre.goncalves@uninove.br LOTE ECONÔMICO DE COMPRAS LOTE ECONÔMICO DE COMPRA Quando temos estoque-reserva toda vez que

Leia mais

Capítulo 12 Simulador LOGSIM

Capítulo 12 Simulador LOGSIM Jogos de Empresas Manuel Meireles & Cida Sanches 61 Texto selecionado do artigo: Capítulo 12 Simulador LOGSIM CAVANHA FILHO, A.O. Simulador logístico. Florianópolis: UFSC, 2000. (Dissertação submetida

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Gestão de Custos e Estocagem em Empresas do Setor Varejista de Produtos Agropecuários: Uma Análise da Prática Utilizada Face a Plataforma Teórica

Gestão de Custos e Estocagem em Empresas do Setor Varejista de Produtos Agropecuários: Uma Análise da Prática Utilizada Face a Plataforma Teórica Gestão de Custos e Estocagem em Empresas do Setor Varejista de Produtos Agropecuários: Uma Análise da Prática Utilizada Face a Plataforma Teórica Marli Auxiliadora Silva (UFU) - marli@pontal.ufu.br Rejane

Leia mais

Custos de Estoque. Custo Total. Custos Inversamente proporcionais. Custos Diretamente proporcionais. Custos Independentes

Custos de Estoque. Custo Total. Custos Inversamente proporcionais. Custos Diretamente proporcionais. Custos Independentes Custos de Estoque Custo Total Custos Diretamente proporcionais Custos Inversamente proporcionais Custos Independentes Para tomar esta decisão é preciso conhecer os custos envolvidos no estoque e compra

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves AULA 04 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves PORQUE EXISTE ESTOQUE? se o fornecimento ocorresse exatamente quando fosse demandado, um item nunca seria estocado. 2

Leia mais