Fiorella Del Bianco. ... há alguma diferença? Tema: definição de serviços, suas características e particularidades.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fiorella Del Bianco. ... há alguma diferença? Tema: definição de serviços, suas características e particularidades."

Transcrição

1 Fiorella Del Bianco Tema: definição de serviços, suas características e particularidades. Objetivo: apresentar as características dos serviços com o objetivo de possibilitar o desenvolvimento de estratégias diferenciadas para este tipo de oferta. Este módulo deve esclarecer como são conceituados os serviços, quais as principais características e desafios que suas particularidades apresentam ao profissional de marketing. Com o conhecimento dos pontos que influenciam na percepção da qualidade durante a prestação de serviços pelo consumidor final, é possível desenvolver estratégias que levem em consideração tais aspectos e conquistar a satisfação e o encantamento do consumidor. Antes de iniciar a sua leitura, responda: Você sabe qual é a diferença entre serviço e serviço ao cliente?... há alguma diferença? Sim, sem dúvida há diferença, mas não são tão evidentes assim, é por isso que, às vezes, algumas confusões podem ser causadas. Veja as definições segundo Zeithaml e Bitner (2003): Serviços são ações, processos e atuações ; ou seja, caracteriza-se como serviço a situação em que a oferta central de prestadores de serviços constituise basicamente em ações realizadas aos clientes. Serviço ao cliente é o serviço prestado para dar apoio ao grupo de produtos principais de uma empresa como, por exemplo, garantias, serviços de entrega, manutenção e atendimento ao consumidor que, normalmente, são oferecidos por fabricantes de bens como complemento à sua oferta principal. Agora, façamos a seguinte análise: quais as diferenças entre os tipos de benefícios que o consumidor procura ao comprar um produto e ao adquirir um serviço? 1 1

2 A prioridade dada pelo cliente, nos aspectos tangíveis e intangíveis da oferta, como aspecto de influência na decisão de compra, estão relacionadas ao fato da oferta ser um bem tangível ou um serviço. Vejamos essas diferenças através do seguinte exemplo: Na compra de um carro, o consumidor estará atento aos seguintes aspectos: cor, design, estofamento, acabamento, opcionais, potência do motor, tamanho, economia etc.. Na aquisição de um bem tangível, o consumidor tem suas preocupações prioritariamente focadas nas características físicas da oferta e, em um segundo plano, vêm a garantia, assistência técnica, atendimento na concessionária etc. Na escolha de um serviço de aluguel de carro, o consumidor estará atento aos seguintes aspectos: preço do aluguel, localização e aparência das instalações, extensão da cobertura do seguro, manutenção do veículo, disponibilidade do serviço de reservas 24hs, rapidez e facilidade no atendimento etc. Na aquisição de um bem intangível (serviço), o consumidor tem a sua atenção focada nas características diretamente relacionadas aos aspectos da locação em si que, apesar de envolverem o carro como bem físico têm como prioridades, as condições para o aluguel, mencionadas acima. Caso não sejam satisfatórias, o serviço não será utilizado, mesmo que o carro tenha diversas características físicas que sejam de seu agrado. Quando o principal produto é o serviço, os aspectos físicos possuem menor influência. Isso leva-nos à interpretação de que todos os bens, sejam eles físicos ou serviços, possuem uma parte da oferta que é tangível ao consumidor e outra intangível. Faça a seguinte reflexão: O que são ofertas puramente tangíveis? O que são ofertas puramente intangíveis? Elas realmente existem? A intangibilidade é o determinante para que se possa definir se a oferta é um serviço ou não. Então podemos dizer que: Os serviços tendem a ser mais intangíveis do que os produtos. Os produtos tendem a ser mais tangíveis do que os serviços. 2

3 Procure responder e veremos se os conceitos estão claros: Você entende o fast-food, no setor de alimentação rápida, como um bem tangível ou um bem intangível? Os restaurantes, de forma geral (incluem-se também as redes de fast-food), são classificados, conceitualmente, como serviços (intangíveis), porém é importante observar que essa prestação de serviços possui diversos elementos tangíveis como o alimento, a embalagem etc. que, por esse motivo, não pode ser considerada como uma oferta puramente intangível. Em função desse tipo de análise, foi criada uma escala com o objetivo de identificar o espectro da intangibilidade das ofertas, possibilitando uma classificação das ofertas mais tangíveis com relação às ofertas menos tangíveis conforme a dominância da intangibilidade de seus elementos. De acordo com a Figura 1, são considerados serviços aqueles que estão posicionados do lado direito da escala. Figura 1 - Classificação da intangibilidade Sal Refrigerantes Detergentes Automóveis Cosméticos Lojas de lanches rápidos Dominância do intangível Dominância do tangível Lojas de lanches rápidos Agências de propaganda Companhias aéreas Administração de investimentos Consultorias Ensino Fonte: Zeithaml e Bitner (2003, p. 30). Figura 1-1 Espectro da tangibilidade. 3 3

4 Esta escala é apenas um recurso utilizado como parâmetro para que possamos visualizar, mais claramente, que existem ofertas com mais aspectos intangíveis (serviços) e ofertas com maior quantidade de características tangíveis (produtos físicos), mas, a cada dia, torna-se mais difícil identificar uma oferta 100% tangível, já que até comodities (como o sal) precisam buscar diferenciação da concorrência e, por diversas vezes, fazem-no através de serviços agregados. Particularidades dos serviços Intangibilidade Pense em alguns serviços que tenha utilizado recentemente. Qual é o seu nível de satisfação com eles? Infelizmente, podemos notar, como regra geral, que muitos clientes encontramse insatisfeitos com a qualidade e valor agregado dos serviços prestados. Por quê? Entregas com atraso ou com erros. Atendimento rude ou incompetente. Horários de atendimento inconvenientes. Desempenho deficiente. Procedimentos complicados e burocráticos. Espera. Esses problemas são alguns dos motivos geradores da insatisfação e relacionam-se com algumas características inerentes aos serviços. O entendimento destas características é de fundamental importância para que possam ser determinadas estratégias de marketing adequadas e eficazes para os serviços. Vejamos as quatro particularidades dos serviços e também os desafios que as características apresentam ao profissional de marketing que, por sua vez, devem ser atentamente considerados no desenvolvimento de estratégias específicas para os serviços. Uma característica universalmente mencionada; ou seja, utilizada como sinônimo de serviço. O serviço não pode ser visto, sentido ou tocado como os bens tangíveis. Os clientes não obtêm propriedade com a compra, quando alugamos um carro ou um quarto de hotel, utilizamos o bem tangível, mas não ficamos com ele. A posse não faz parte do serviço, apenas o seu usufruto. Assim como, por exemplo, em uma consultoria ou no serviço prestado por um médico em uma consulta, o que levamos embora é uma informação pontual, não a pessoa, nem todo o conhecimento que ela possui. 4

5 Os desafios da intangibilidade - Serviços não podem ser estocados. - Como conseqüência é difícil administrar as flutuações da demanda. - A intangibilidade torna difícil para o cliente avaliar a qualidade de algo que não se pode ver ou tocar. Exemplo - serviços de assistência médica: - Não podem ser tocados ou vistos pelo cliente, mas possuem alguns componentes ou características tangíveis. - Equipamentos, o consultório, o quarto do hospital, o escritório administrativo do convênio, toda a comunicação visual etc.. - Esses elementos tangíveis são chamados evidências-físicas que, por sua vez, são fundamentais para oferecer equilíbrio à intangibilidade dos serviços, pois fornecem pistas sobre a qualidade, segurança, higiene, solidez etc. e vão direcionar a escolha do consumidor. Heterogeneidade - As ações são desempenhadas por seres humanos e esse é o motivo pelo qual um serviço prestado pela mesma pessoa, em dois momentos diferentes, dificilmente serão iguais. - As pessoas mudam seu desempenho de um momento para outro, os fatores que interferem estão relacionados ao humor, cansaço físico, saúde, problemas emocionais etc. e manifestam-se de forma diversa a cada atuação do funcionário. - É necessário levar em consideração que dois clientes nunca são iguais, o que gera situações diferentes para a mesma prestação de serviços. - Para o cliente, o funcionário que executa o serviço é visto como o serviço. Desse modo, qualidade e eficiência da prestação de serviço serão analisadas conforme o desempenho desse funcionário. - A heterogeneidade ocorre como o resultado da interação humana. Os desafios da Heterogeneidade - Com uma interação inconstante é muito difícil para prestador de serviços, assegurar-se de que o serviço esteja sendo prestado de forma condizente com o que foi originalmente planejado e divulgado; ou seja, com uma qualidade consistente. 5 5

6 - A qualidade depende de diversos fatores que vêm desde a habilidade do próprio cliente em expressar suas necessidades até a habilidade e o real interesse do funcionário em satisfazer tais necessidades. - Há, ainda, a possibilidade de um agravante adicional: o envolvimento de terceiros na prestação de serviços com a sub-contratação de certas partes do serviço torna-se muito mais difícil o controle da homogeneidade na qualidade de serviços prestados. Produção e Consumo Simultâneos Enquanto os bens manufaturados devem ser primeiramente produzidos, estocados, transportados e, somente depois, comercializados. Os serviços primeiro são demandados, para, só então, serem produzidos e consumidos simultaneamente; - Nos serviços, na maioria das vezes, o cliente está presente durante a produção e por vezes participa do processo de produção (como em uma cirurgia, por exemplo); - Os clientes também podem interagir com outros clientes durante a prestação de serviços afetando a qualidade da experiência (em restaurantes, cinemas etc). Os desafios da produção e consumo simultâneos - A satisfação do cliente e sua percepção de qualidade do serviço dependem do que ocorre em tempo real; ou seja, naquele exato momento em que se produz e ao mesmo tempo utiliza-se o serviço, dificultando uma correção. - A qualidade depende, então, da interação entre cliente e funcionário, mas, também, entre os clientes. - Outra característica corresponde ao fato de que as operações de produção não podem estar concentradas em um único local para a entrega em um local de consumo diferente. Todas as operações dos serviços, independente de quantas forem, devem estar presentes com toda a estrutura necessária, no local da prestação de serviços (local da produção). Exemplo: lojas de varejo, hospitais, cabeleireiros, bancos, vídeo locadoras etc.. 6

7 Vamos analisar como exemplo um restaurante a lá carte. O cliente faz, primeiramente, o pedido de sua escolha no cardápio, para que somente então o processo de produção seja iniciado. No entanto, o consumo não pode ser dissociado da produção, já que a prestação de serviços do restaurante engloba, não apenas a refeição, mas todos os demais elementos como atendimento, cordialidade, rapidez e ambiente (decoração, som, conforto etc). Neste exemplo do restaurante, pode ocorrer, ainda, uma interferência de outros clientes na prestação de serviços. Se o cliente que aguarda seu jantar sente-se incomodado por um grupo de jovens bagunceiros em uma mesa ao lado, pode ter uma percepção negativa do restaurante e não retornar mais, mesmo que a comida tenha sido satisfatória. Caso este restaurante pretenda prestar serviços em bairros diferentes, deverá instalar uma unidade com a mesma infra-estrutura necessária para possibilitar a execução de seus serviços nos mesmos moldes. Os produtores de serviços devem perceber como parte integrante do serviço e, dessa forma, como um ingrediente essencial para promover uma boa experiência do serviço para o cliente! Perecibilidade - Os serviços não podem ser preservados, estocados, revendidos ou devolvidos. Esse é o grande contraste existente em relação às mercadorias que podem ser estocadas e revendidas em outro momento ou ainda devolvidas em caso de insatisfação. Podemos citar, como exemplo, oficinas mecânicas, mesas de restaurantes, a capacidade em linhas telefônicas entre outros. Em todos esses casos, se os serviços não forem utilizados hoje estarão irrecuperavelmente perdidos! No dia seguinte, não será possível dobrar a capacidade de atendimento, pois existe a limitação do tempo e da capacidade física das instalações para o atendimento. Vejamos mais alguns exemplos: O assento que não é vendido não pode ser guardado para outro vôo a capacidade produtiva daquela poltrona está irremediavelmente perdida. Não seria bom se um corte de cabelo, do qual você se arrependesse de ter feito, pudesse ser devolvido ou até revendido para outro cliente? Os desafios da perecibilidade - A principal conseqüência da perecibilidade é a impossibilidade de estoque e, por isso, faz-se necessária uma adequada previsão de demanda juntamente com um planejamento para a utilização ótima da capacidade instalada para a garantia da lucratividade. Como os serviços não podem ser recuperados nem devolvidos, é necessário que sejam desenvolvidas estratégias de recuperação de clientes, para o caso de algo sair errado. 7 7

8 DICA Você gostaria de ver um ótimo exemplo sobre como as particularidades dos serviços podem influenciar na qualidade do atendimento? Assista ao filme Pedro Paulo Rangel vive um garçom preocupado com tudo... disponível no site: Para fazer o acesso, clique em Vídeos, acesse o link busca avançada e, no 1º campo, digite: Pedro Paulo Rangel. No segundo campo, escolha Jornalismo e, por fim, digite Fantástico e selecione o link buscar. Enquanto assiste (duração: menos de 6 minutos), tente identificar cada uma das particularidades que você acabou de conhecer. Garanto que será capaz de encontrar todas, além de se divertir bastante! Quais os dois principais aspectos presentes em quase todas as particularidades dos serviços? - Interação de pessoas. - Impossibilidade de estoque (relacionado à sua intangibilidade). Dessa forma temos como base para a definição das estratégias mercadológicas focadas nos desafios dos serviços: - Pessoas. - Processos operacionais dos serviços. - Evidência física. Esses aspectos são diferentemente abordados nas estratégias baseadas no paradigma da padronização e nas estratégias baseadas no paradigma da não padronização. É fato que alguns executivos e administradores acreditam que os serviços não podem ser padronizados, pois entendem que a prestação de serviços deve ser a mais individualizada possível para atender totalmente à expectativa do consumidor e promover um serviço de alta qualidade, ou seja, são serviços baseados no paradigma da não-padronização. Contudo temos visto muitas empresas que obtiveram sucesso oferecendo serviços de qualidade consistente, estabelecendo padrões formais para orientar a execução de tarefas dos funcionários. Oferecendo assim, serviços uniformes e com atendimento padronizado, como por exemplo, as estratégias adotadas pelo McDonald s, conforme artigos sobre Linha de Produção em Serviços. 8

9 Paradigma da padronização de serviços - As expectativas dos clientes podem ser transformadas em padrões específicos de qualidade de serviços e, como muitas tarefas dos serviços são rotina, é possível estabelecer regras e padrões para que sejam executados de forma eficaz. - Os funcionários podem dar boas-vindas a cada novo cliente sabendo, exatamente, como desempenhar a saudação de forma eficiente, mas, ainda assim, podem ficar livres para usar a criatividade em aspectos mais pessoais e individuais do trabalho. - É importante reconhecer que a padronização não significa que o serviço deve ser executado de forma rígida e mecânica. Ela assegura que os componentes mais fundamentais de um serviço sejam executados com uniformidade. Para o fechamento deste módulo segue uma proposta de reflexão com a seguinte questão: De que modo uma empresa de serviços pode assegurar qualidade consistente de seu produto ao mercado, quando a percepção da oferta depende do desempenho dos funcionários que executam o serviço? Obs. não há uma única possibilidade de resposta, suas conclusões estarão baseadas em seus paradigmas. BIBLIOGRAFIA Bibliografia básica LOVELOCK, Christopher; WRIGHT,Lauren. Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, ZEITHAML, Valarie A.; BITNER, Mary Jô. Marketing de Serviços: a empresa com foco no cliente. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, Bibliografia complementar KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10.ed. São Paulo: Prentice Hall, SEMENIK, Richard J.; BAMOSSY, Gary J. Princípios de Marketing: uma perspectiva global. São Paulo: Makron Books,

10 ANOTAÇÕES 10

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Como administrar a relação entre demanda e capacidade nos serviços? Os períodos de pico de demanda são bons para as empresas de serviços?

Como administrar a relação entre demanda e capacidade nos serviços? Os períodos de pico de demanda são bons para as empresas de serviços? Fiorella Del Bianco Tema: Administração da demanda em relação à capacidade em serviços. Objetivo: Apresentar as estratégias para administrar a relação demanda versus capacidade, buscando a satisfação do

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera. Fiorella Del Bianco Tema: Estratégias para gerenciar filas de espera. Objetivo: Apresentar opções de estratégias para minimizar problemas gerados pelas esperas, como desconforto e insatisfação. Em termos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS Marketing O que é para você? Como se faz? Quais os pontos chaves? Quais as maiores dificuldades? Marketing Vendas? Promoção? Publicidade? Marketing Simplificar

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

27/10/2014. Gestão da Qualidade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade

27/10/2014. Gestão da Qualidade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade Gestão da Qualidade Reflexões É hora de aprender de novo. Ainda não defini o que, porém será em algum lugar, em alguma ocasião, mas tem de ser logo." Lord Beaverbrook (83 anos) "Qualidade começa com EDUCAÇÃO

Leia mais

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção Gestão de Operações Introdução a Engenharia de Produção Operações e Produtividade Produção: criação de bens e serviços Gestão de operações: conjunto de atividades que criam os bens e serviços por meio

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Aula 13 Elaboração de Questionários

Aula 13 Elaboração de Questionários Metodologia Científica Aula 13 Elaboração de Questionários Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br Elaboração de Questionários DETERMINAÇÃO DAS VARIÁVEIS DE PESQUISA Um bom questionário

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Introdução à Operações Conceituações e Definições da Administração da Produção. Professora Patrícia Abreu 1

Introdução à Operações Conceituações e Definições da Administração da Produção. Professora Patrícia Abreu 1 Introdução à Operações Conceituações e Definições da Administração da Produção Professora Patrícia Abreu 1 Introdução à administração da produção e operações / histórico; Diferenças entre produtos e serviços;

Leia mais

DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Diz respeito àquelas atividades orientadas para produção de um bem físico ou à prestação de um serviço. Daniel Moreira Produção:

Leia mais

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes O que pensam os pacientes como clientes 1 Edição AGENDA Metodologia Sinopse A Pesquisa METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas. Posicionamento de produto e de marca

Fiorella Del Bianco. Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas. Posicionamento de produto e de marca Fiorella Del Bianco Roteiro para o desenvolvimento de novas ofertas Tema: Passos e estratégias mercadológicas para o desenvolvimento de novas ofertas (DNO). Objetivo: Esta aula visa apresentar os últimos

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Auditando processos de feedback de clientes

Auditando processos de feedback de clientes QSP Informe Reservado Nº 52 Novembro/2005 Auditando processos de feedback de clientes Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado pelo

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

O que significa Gestão de Operações?

O que significa Gestão de Operações? O que significa Gestão de Operações? Introdução à Gestão de Operações QUESTÕES BÁSICAS Quais são as similaridades entre todas as operações produtivas? Como as operações produtivas diferem umas das outras?

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF Qualidade na Saúde Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF De acordo com o Dicionário Aurélio, QUALIDADE consiste na: * Maneira de ser, boa

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

Webnário Ao Vivo. Top Produtor do Hotmart Revela Todos os Segredos Para Atingir o Sucesso Online.

Webnário Ao Vivo. Top Produtor do Hotmart Revela Todos os Segredos Para Atingir o Sucesso Online. Webnário Ao Vivo Top Produtor do Hotmart Revela Todos os Segredos Para Atingir o Sucesso Online. Por que muitos produtores publicam seus produtos no Hotmart mas não conseguem deixa-los entre os mais

Leia mais

Fiorella Del Bianco. 3º estágio: maturidade. Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. 3º estágio: maturidade. Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nessa aula o aluno conhecerá em detalhes os estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo

Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo J.D. Power do Brasil informa: Toyota é a melhor classificada no ranking de satisfação com o processo de vendas de veículos novos pelo segundo ano consecutivo Proporcionar uma excelente experiência ao cliente

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: CST Marketing Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que

Leia mais

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. Philip Kotler O objetivo do marketing é tornar a venda supérfula.

Leia mais

Cartilha de Treinamento para Garçons.

Cartilha de Treinamento para Garçons. Cartilha de Treinamento para Garçons. Informe-se e saia na frente. A Sodexo é a melhor parceira na hora de incentivar o crescimento e desenvolvimento de seu negócio. Está presente em cada etapa da administração

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

MARKETING. É o conjunto de ações que objetivam captar e manter clientes através da satisfação das suas necessidades e expectativas.

MARKETING. É o conjunto de ações que objetivam captar e manter clientes através da satisfação das suas necessidades e expectativas. MARKETING É um processo social e administrativo pelo qual indivíduos e grupos obtêm as necessidades e o que desejam através da criação e troca de produtos e valor com outras pessoas. Philip Kotler Tornar

Leia mais

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B GERENTE GERAL Sexo: Masculino ou Feminino Idade: entre 25 e 40 anos Escolaridade: ensino superior completo (Administração, contabilidade ou hotelaria)

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Estratégias operacionais para serviços de alimentação

Estratégias operacionais para serviços de alimentação Estratégias operacionais para serviços de alimentação 5.1. Dimensionamento da capacidade. 5.2. Decisão sobre localização. 5.3. Decisão sobre os processos operacionais. 5.4. Definição dos fornecedores.

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED.

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED. Disciplina Professor (a) Série Turma ED. EMPREENDEDORA EDUARDO LIMA 1 a B / C Aluno(a) III BIMESTRE APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS IDÉIA DE PRODUTO O que é o produto Feiticeira?

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

MARKETING NO AGRONEGÓCIO

MARKETING NO AGRONEGÓCIO MARKETING NO AGRONEGÓCIO O QUE VOCÊ ENTENDE DE MARKETING? Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

Conceito de Marketing

Conceito de Marketing Conceito de Marketing Marketing é uma função organizacional e uma série de processos para a criação, comunicação e entrega de valor para clientes, e para a gerência de relacionamentos com eles de forma

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE REDE PRESTADORA

GESTÃO DE REDE PRESTADORA GESTÃO DE REDE PRESTADORA REDE PRESTADORA DE SERVIÇOS DE SAÚDE É preciso fazer sua gestão!!! A rede de prestadores das operadoras é muito desorganizada, as operadoras não tem idéia de construção de rede.

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental.

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Atualmente o meio mais imediato e eficaz, desde que bem configurado e com acompanhamento constante, são as campanhas

Leia mais

PAINEL: PROTÓTIPO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO.

PAINEL: PROTÓTIPO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO. Evento: 3º Encontro de Iniciação Científica da Faculdade Apogeu Local: Dependências da Faculdade Apogeu Dia: 06/05/2013 Mediador: Prof. Fernando Damasceno Lima Relator: Aluno Dieyvson Rocha Oliveira PAINEL:

Leia mais

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de serviços: SETOR DE SERVIÇOS Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

1 Visão Sistêmica das Organizações

1 Visão Sistêmica das Organizações Aula 10 Teoria Geral de Sistemas 27/09/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ENFOQUE SISTÊMICO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Visão Sistêmica das Organizações

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Marketing de serviços

Marketing de serviços Marketing de serviços O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento.

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento. MAIS MARKETING Uma empresa voltada para pesquisa de avaliação do atendimento e relacionamento com cliente. Nossa filosofia é oferecer ferramentas de gestão focadas na qualidade do atendimento, apresentando

Leia mais

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. As 7 Melhores Práticas de Fotografia de Joias que Irão Impressionar os Seus Clientes

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. As 7 Melhores Práticas de Fotografia de Joias que Irão Impressionar os Seus Clientes FOTOGRAFIA EDIÇÃO Nº 12 GRÁTIS DE JOIAS SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Guia de Melhores Práticas As 7 Melhores Práticas de Fotografia de Joias que Irão

Leia mais

Guia de Criação de Infoprodutos

Guia de Criação de Infoprodutos Guia de Criação de Infoprodutos Métodos, técnicas e dicas para a criação de infoprodutos! Da pesquisa, criação, até a venda! www.comocriarinfoprodutos.com 2 Aviso Legal Todos os direitos reservados. Nenhuma

Leia mais

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03)

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) 1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) O Enfoque da administração pública: Para você entender o que é Administração de Materiais, precisa saber que material é todo bem que pode ser contado, registrado

Leia mais