Trabalho e qualificação nas empresas de call center

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho e qualificação nas empresas de call center"

Transcrição

1 Trabalho e qualificação nas empresas de call center Bruno de Melo Delatin Resumo: Este estudo aborda a questão da qualificação dos trabalhadores sob o trabalho informacional nas empresas de Call Center. Para isso foi necessário mostrar o debate sociológico sobre o tema da qualificação no século XX e o uso atual do conceito de competência que se fortaleceu nos últimos anos. Verificamos em estudos de casos que, prevalece nos estudos sociológicos sobre Call Center o ponto de vista do tempo de formação escolar enquanto medida da qualificação, e também que a noção de competência nos oferece um ponto de vista mistificador enquanto componente da qualificação. Palavras-chave: Qualificação; competência; trabalho informacional. Abstract: This study approaches the subject of the workers' qualification under the work informacional in the companies of Call Center. For that it was necessary to show the sociological debate on the theme of the qualification in the century XX and the current use of the competence concept that he/she strengthened in the last years. We verified in studies of cases that, it prevails in the sociological studies on Call Center the point of view of the time of school formation while measure of the qualification, and also that the competence notion offers us a point of view mistificador while component of the qualification. Key words: Qualification; competence; work informacional. Introdução A discussão sobre o tema da qualificação dos trabalhadores de Call Centers, faz parte integrante do discurso gerencial sobre o uso de novas tecnologias e da qualidade do trabalho. Por outro lado, as teses sociológicas apontam para a continuidade das formas organizacionais típicas do taylorismo. Os pontos de vista sobre dois conceitos fundamentais, qualificação/desqualificação, representada no tipo de organização fordista/taylorista, e o conceito de competência, que aparece mais freqüentemente no discurso da organização de tipo toyotista ou flexível, passam a ser incluídos nos estudos desta nova categoria de trabalhadores. Antes de tudo, devemos deixar claro que a noção de conhecimento trabalhado aqui se apóia na noção de conhecimento que é gerado pelas relações sociais, tanto no aspecto subjetivo, isto é, da classe trabalhadora, quanto os aspectos objetivos, considerando os instrumentos utilizados para o trabalho. São considerados então os indivíduos reais em sua ação e em suas condições materiais de existência, que Ao produzirem os seus meios de Mestrando em Ciências Sociais pela UEL. End. eletrônico:

2 existência, os homens produzem indiretamente sua própria vida material (MARX, 2002 pp.10-11). O estudo da qualificação dos trabalhadores de call center requer primeiramente o entendimento do significado do conceito de qualificação e também a sua relação com a noção de competência. O conceito de qualificação nos remete a uma atividade especial e produtiva, elementar na ligação entre o homem e a natureza, isto é, condição mediadora metabólica entre o homem e a natureza. Assim, com base no entendimento de Marx, Como criador de valores de uso, como trabalho útil, é o trabalho, por isso, uma condição de existência do homem, independente de todas as formas de sociedade, eterna necessidade natural de mediação do metabolismo entre homem e natureza e, portanto, da vida humana (1996, p.172), a qualificação é entendida enquanto elemento essencial desta mediação e que, forma-se a partir das múltiplas atividades desenvolvidas historicamente pelo trabalho humano, compreendendo então todo o desenvolvimento social necessário que formam as forças produtivas, tanto técnicas quanto científicas. Desta forma, entendemos que a qualificação não é fruto do advento do capitalismo, mas que sob ele ela toma outra forma. Enquanto elemento essencial do trabalho, a qualificação assume, sob o modo de produção capitalista, as particularidades da organização social do trabalho sob o capital. Torna-se parte do processo de produção e reprodução do capital que a molda sob as condições de desenvolvimento das forças produtivas, isto é, que a molda e a utiliza como elemento essencial da força de trabalho humana. Assim, a qualificação enquanto parte inseparável da força de trabalho humana é parte inseparável da mercadoria força de trabalho que entra no mercado para ser vendida e ser utilizada como parte do capital produtivo. Desta forma, é o processo de produção capitalista que determina a necessidade de qualificação enquanto submete as condições subjetivas de produção ao capital. Tanto a força de trabalho humana quanto às tecnologias, condições subjetivas e objetivas de produção, são subordinadas e transformadas em capital no processo de produção. Conforme Mészáros (2002), a tendência da modernização e a tese da polarização das qualificações na divisão do trabalho internacional produziu a reversão da tendência da

3 modernização. A explicação do desemprego estrutural não pode ser encontrada nas tecnologias, mas sim à cega subordinação tanto do trabalho como da tecnologia aos devastadores e estreitos limites do capital como árbitro supremo do desenvolvimento e do controle sociais (2002, p.1004). O conceito de qualificação posto em relação ao mercado de trabalho está ligado às questões de certificação e codificação como, diplomas e títulos, que demarca a posição do trabalhador na hierarquia das funções, salários e em negociações com as empresas. A qualificação sempre está ligada ao desenvolvimento das forças produtivas. Isto não significa dizer que toda a força de trabalho que utiliza tecnologias com base em informática, por exemplo, detenha conhecimentos complexos e especializados, pois como podemos perceber no processo de trabalho em call center, especialmente para os subcontratados ou temporários, os níveis de qualificação são os básicos para este momento histórico. Quero dizer então que, se temos que considerar o desenvolvimento histórico das forças produtivas, da mesma forma temos que considerar historicamente o acompanhamento da qualificação em termos de força produtiva. O Debate sociológico dividido em três partes Podemos separar o debate sobre a qualificação no século XX em três momentos históricos. Podemos situar o primeiro momento do debate sobre a qualificação nas décadas de 1950/60. A importância do período pós-guerra está no fato de que a qualificação surge como forma de avaliação profissional reconhecida e organizada na hierarquia do mercado de trabalho, não ignorando que as primeiras classificações datam do senso dos Estados Unidos do final do século XIX e depois em A qualificação estava relacionada à análise ocupacional, dando preferência ao tempo de formação profissional, ou maior tempo de estudos escolares 2. Podemos dizer que na sociologia, a introdução da produção contínua ou automatizada foi encarada por Touraine (1973), Naville (1973) e Friedman (1983) como a 1 Para visualizar melhor as mudanças na classificação das ocupações ver Braverman (1987, pp ). 2 Tema abordado por LEITE (1996).

4 possibilidade do fim da divisão do trabalho através de uma outra forma de utilização da força de trabalho, que se apresentava para estes autores como elevadora da qualificação. Na década de 1970, com a diminuição do crescimento econômico e o aumento dos índices de desemprego, as discussões sobre a utilização e o impacto da automação no processo de produção e a extensão de sua difusão começou a ser questionado. O debate se acirra principalmente com o lançamento em 1974 da obra Trabalho e Capital Monopolista, que viria ser uma crítica ao posicionamento otimista do período anterior. Braverman nos mostra em seu estudo que, ao analisar mais de perto as mudanças na qualificação média, esta não passava necessariamente de uma qualificação simples para uma complexa, com o uso da maquinaria, aumento da educação e em grande parte a permanência da organização do trabalho de tipo taylorista, mas sim, que servia aos termos da acumulação do capital o processo de desqualificação progressiva do trabalho. Compreendeu que a modernização tecnológica reforçaria tanto a divisão do trabalho quanto à desqualificação dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que polarizaria de um lado, uma maioria de trabalhadores desqualificados e de outro lado, uma minoria de trabalhadores altamente qualificados. A permanência de trabalhadores altamente qualificados em áreas concentradas, mostra-se como a parte relativa do processo absoluto de desqualificação do trabalho verificado em termos históricos e, esta seria decorrência dos desenvolvimentos técnicos que criam constantemente novos postos de trabalho. A divisão técnica do trabalho e o crescimento da utilização da automação no processo de produção, é a relação entre o conhecimento científico empregado no processo de produção e o conhecimento requerido dos trabalhadores para utilizarem as novas tecnologias. A partir desta relação Braverman vai discutir o processo de desqualificação relativa dos trabalhadores. A divisão técnica do trabalho para Braverman, por sua vez inviabilizou o conceito tradicional de qualificação, ao mesmo tempo em que o transformou em um (...) conceito reinterpretado e dolorosamente inadequado de qualificação: uma habilidade específica, uma operação limitada e repetitiva, a velocidade como qualificação, etc. (1987, p.375). Braverman mostra que por mais que a qualificação possa estar ligada ao desenvolvimento da maquinaria, sob o capitalismo e sob a rotinização da operação

5 mecânica 3 ela não pode significar um aumento, mas seu contrário. Assim, quando se fala em qualificação média, devemos levar em consideração que por mais que tenha aumentado o conhecimento da população para operar equipamentos eletrônicos, fruto da incorporação pela parcela urbana da sociedade do desenvolvimento científico, e que tenha também aumentado o tempo de permanência da população em escolas, estes fatos não representam por si só o nível de qualificação geral da sociedade. Na década de 1980 em diante, com a difusão da automação microeletrônica e a telemática, representada em muitas obras como a época em que a informação se transforma em mercadoria, e também com a difusão das novas formas de gerenciamento do trabalho, o processo de trabalho passa por profundas transformações. Novamente teses sociológicas celebram o fim da divisão do trabalho; novamente estaríamos diante do controle do processo de trabalho pelo trabalhador autônomo e qualificado. Assim aparece na obra de Kern; Schuman, La fin de la division du travail?, pela crença de que na busca pela produtividade, o reconhecimento da qualificação dos trabalhadores como força produtiva e capazes de responder com eficiência a procura cada vez maior por produtos diferenciados, derivaria da utilização das novas tecnologias. Para Piore e Sabel, o desenvolvimento histórico do capitalismo teria levado ao que chamam de segunda ruptura industrial. A segunda ruptura industrial seria o resultado da passagem da produção em massa para a produção flexível. Piore e Sabel entendem que esta transição que marca o fim do fordismo e a entrada na produção flexível traria a volta do trabalhador artesão qualificado. Neste processo, a importância de um novo tipo de gerenciamento do processo de trabalho também é colocado como fundamental pois, designa a retomada do controle pelos trabalhadores do processo de produção, resgatando assim a qualidade do trabalho artesão em pleno processo de reestruturação produtiva. As possibilidades abertas pelas transformações tecnológicas, e o uso de tecnologias informacionais aplicadas ao processo de produção foi encarada por Lojkine como tão profundas que chegou a chamá-las de revolução informacional. 3 Para a discussão que Braverman (1987) sobre a rotinização da operação mecânica ver p. 364.

6 A informática estaria no centro destas novas transformações no processo de produção, e a profundidade que as tecnologias informacionais poderiam alcançar chega a ser entendida por Lojkine como emancipatórias. A qualificação dos trabalhadores seria resgatada neste contexto como forma de atender as necessidades da utilização das novas tecnologias, o que levaria ao fim da divisão do trabalho. Assim, Lojkine nos mostra que esta possibilidade despontou no horizonte das sociedades capitalistas, pois pela primeira vez numa sociedade de classes, surja a perspectiva histórica de superar a divisão entre os que produzem e os que pensam a produção, entre os produtivos e os improdutivos (1995, p.229 e 230). Para Castells, tão importante quanto a análise do avanço tecnológico para o aumento da produtividade e competitividade entre as empresas, está à análise das formas gerenciais. A flexibilização da produção atrelada às novas formas de gerenciamento representaria um avanço em direção ao fim da divisão do trabalho. Assim Castells diz estar observando a crise do modelo corporativo tradicional baseado na integração vertical e no gerenciamento funcional hierárquico: o sistema de funcionário e linha de rígida divisão técnica e social do trabalho dentro da empresa (1999, p.1978). Sob a forma de produção flexível, o relacionamento cooperativo entre os gerentes e os trabalhadores representaria o novo tipo de relação fundado neste momento histórico, uma nova base prática. (...) a característica central de diferenciadora do modelo japonês foi abolir a função de trabalhadores profissionais especializados para torná-los especialistas multifuncionais (1999, p.180). Assim como os outros autores que vêem o desenvolvimento tecnológico e as novas formas de gerenciamento com certo otimismo, e que apontam a qualificação e o fim da divisão do trabalho como tendência, ao perceberem tímidas manifestações relativas de autonomia e controle dos trabalhadores sobre o processo de produção, em poucos estudos de casos, Castells entende que o capitalismo sob a fase do informacionalismo representa um avanço positivo em relação a sua fase anterior. Na mesma época e frente ao uso de tecnologias informacionais, Zarifian ajudaria a criar um novo entendimento de qualificação. No seu entendimento, o uso das tecnologias informacionais trouxe uma nova forma de qualificação, não apenas ligada aos conhecimentos internos dos trabalhadores mas fundamentalmente a suas capacidades de

7 lidar com situações imprevistas no processo de produção. Para o autor estas seriam as mutações no conteúdo do trabalho : evento, comunicação e serviço. Zarifian entende que o novo processo de produção no momento da crise da noção de posto de trabalho, isto é, da ruptura com os procedimentos tayloristas, conduziria a atenção não apenas ao processo, mas também sobre os indivíduos e suas qualidades. Assim, a atenção dada às qualidades não apenas que o trabalhador possuísse, mas também as que ele poderia adquirir em um processo de produção qualificante, formou o novo conteúdo das qualificações, que no entendimento de Zarifian é a aquisição contínua de competência. O conceito de eventos é fundamental para entender a transformação do conceito de qualificação em contínua aquisição de competência. Vemos melhor como Zarifian define o seu conceito de eventos, como um avanço da qualificação em relação ao posto de trabalho. Entende-se, aqui, por evento, o que ocorre de maneira parcialmente de maneira imprevista, inesperada, vindo perturbar o desenrolar normal do sistema de produção, superando a capacidade da máquina de assegurar sua auto regulagem, não entendida como algo que deva ser solucionado para que nunca mais ocorra, mas sim de importância para o sucesso da atividade produtiva (2001, p.41). Destas interações, Zarifian percebe a importância da comunicação para a atividade da organização. Tanto que acredita ser a comunicação no processo de interação dos trabalhadores, fundamental para atacar a divisão do trabalho. Zarifian liga o conceito de evento e comunicação ao conceito de serviço, entendido por ele como uma atividade que não pode ser delimitada como categoria específica da economia, mas sim que está presente em todos os tipos de atividade pois, o serviço representa uma modificação no estado ou nas condições de atividade de outro humano, ou de uma instituição(...) (2001, p.48). A importância dos serviços seria dar um sentido unificado a comunicação, e unir os trabalhadores ao tomarem parte dos desejos dos clientes sob uma forma de produção de mercadorias diferenciadas. Estes três conceitos formam a base do conceito de competência que Zarifian adota. A competência no esquema de Zarifiam é individual e só pode ser avaliada nas situações concretas de trabalho. Ela pressupõe um trabalhador capaz de tomar iniciativa e assumir responsabilidade diante de eventos, ao mesmo tempo mobilizar uma rede de trabalhadores em interações para compartilhar responsabilidades.

8 Estudos de casos Podemos verificar, através de análises presentes em teses e dissertações nos estudos de casos sobre call center, algumas continuidades e descontinuidades do entendimento de qualificação já exposto aqui. Nos estudos sociológicos que se apresentam como críticos do tipo de organização tayloristas do trabalho nas empresas de call center, todos os estudos pesquisados adotam uma perspectiva que se aproxima da análise ocupacional, dando preferência ao tempo de formação profissional, ou maior tempo de estudos escolares. Diferentemente da linha de Braverman, que nega a qualificação do ponto de vista da escolaridade, a favor da qualificação em relação ao domínio do conhecimento do trabalhador sobre o processo de trabalho, as teses e dissertações sobre call center parecem não seguir o mesmo caminho no que diz respeito a este ponto senão a precarização do trabalho sob o uso de novas tecnologias. Para todas as empresas de call center, a exigência de escolaridade para o trabalho fica entre estar cursando ou ter concluído o ensino médio, ou estar cursando ou ter concluído o ensino superior. Para Mendes (2005), vemos que a média da escolaridade, visto como a medida da qualificação, está ligada ao seu entendimento de que as novas tecnologias necessariamente necessitam de trabalhadores qualificados, mesmo que o tipo de trabalho seja degradante, no sentido do trabalho repetitivo e rotineiro. Assim entende Mendes, Sobre a questão do avanço tecnológico, merece destaque o fato das redes descentralizadas, pois se trata da forma de organização atual do capital, favorecida pela informatização e agilizando a acumulação. Em conseqüência, o trabalho ganha a flexibilidade e ajuste multifuncional. Frente a uma acirrada competição, exige-se um trabalhador mais qualificado (2005, p. 29). E mais adiante, Ora, que diferença há nessas características do taylorismo, com a padronização dos roteiros de atendimento, pensados pela empresa contratante e executados pelos trabalhadores da empresa terceirizada de teleatendimento sendo que esses não podem modificá-los sob pena de punição? Ainda, pode-se comparar a ergonomia das posições de atendimento e a implantação de ginástica laboral nos call centers com as condições pensadas pelo taylorismo (2005, p. 92).

9 Para Braga (2006a); (2006b); (2007), a questão dos anos de escolaridade não aparece claramente como requisito para a qualificação, mas a palavra operador carrega conforme Braga, o sentido de desfigurar a noção de operário, entre qualificado e nãoqualificado. Entretanto, o autor adota a posição de Braverman em relação à degradação do trabalho organizado com base no tipo taylorista, o que chama de infotaylorista, isto é, o trabalho informacional que utiliza as novas tecnologias em conjunto com as práticas tayloristas. Assim vemos, Em grande medida, a emergência das Centrais de Tele- Atividades (CTAs)26 coroa os desdobramentos da rotinização taylorista da relação de serviço e eleva o processo de produção desta mesma relação à escala industrial (2006, pp. 9-10). Em outras obras vemos a mesma situação, Ao contrário do que muitos previam há quinze anos, a revolução informacional não foi capaz de superar a oposição existente entre as atividades laborais de execução e as de concepção: serviu, antes, como um privilegiado instrumento de controle e de rotinização da força espiritual do trabalho (2007). Para a pesquisadora Selma B. Venco, em seu estudo Telemarketing nos Bancos: o emprego que desemprega, nos mostra no seu estudo de caso que a qualificação baseada na escolaridade fica em segundo plano onde o trabalho é desenvolvido por mulheres e com o uso de novas tecnologias. 4 Mesmo assim, Venco aponta o tempo de formação escolar como indicador de valorização no mercado 5. Em seu estudo, Venco percebeu que as novas exigências gerenciais apontam para a noção de competência. Tanto que, ao falar sobre o tipo de qualificações exigidas das trabalhadoras de telemarketing aponta para as qualificações tácitas que estão na base do desenvolvimento das competências. Assim, conclui Venco (1999, p. 109), que há uma série de exigências e justificativas em relação às qualificações destas trabalhadoras, o que demonstra, por um lado, a intensa valorização da escolarização no mercado, mesmo que não corresponda ao conteúdo do trabalho (...); e, por outro, são valorizadas as competências. Mesmo reconhecendo o uso da noção de competência pela empresa, Venco toma uma postura crítica a esta visão individualista de competência, quando essa pretende negar 4 Para esta discussão sobre a utilização da força de trabalho feminino e as novas tecnologias ver Hirarta (2002) e Neves (2000). 5 Este seu ponto de vista permanece em sua tese de doutorado (VENCO, 2006).

10 a existência do taylorismo. Este ponto de vista está de acordo com a hipótese levantada no seu estudo: a constatação de que a organização do trabalho em telemarketing assume contornos caracteristicamente tayloristas, negando aos trabalhadores o desenvolvimento de suas competências e tentando, incessantemente, padronizar e controlar seus comportamentos e atitudes (1999, p. 98). A presença prática das competências na postura gerencial pode ser percebida mais facilmente nos estudos de casos da área da administração. Vemos melhor com as práticas de recursos humanos que alguns autores trabalham 6. As práticas de gestão de recursos humanos são encaradas pelas gerencias como novas formas de recrutamento. Vemos como isso é aplicado na prática com o estudo de Silva (2004), Na entrevista coletiva, é apresentado ao candidato as vagas disponíveis, os horários de trabalho, o salário e os benefícios correspondentes. Após, é realizada uma dinâmica de grupo, que tem como objetivo perceber atributos como espontaneidade e motivação. Neste sentido, a empresa busca conhecer o perfil do candidato, para posteriormente determinar em que atividade melhor se enquadraria. São também observados dicção e fluência verbal do candidato. Tais habilidades comunicativas são observadas ao longo de todo processo de seleção e também no treinamento (p.28) Esta claro que este caso em particular não pode ser generalizado. Existem outras formas de recrutamento, mas é que esta forma é apresentada para demonstrar a nova estratégia gerencial que é a gestão por competência e que se inicia nos anos A noção de competência desenvolvido na área de administração, e assim as competências em alguns estudos 7 estão diretamente relacionadas à avaliação de desempenho e conseqüentemente a idéia de capacitação. Podemos ver que no conceito de competência, a diferença entre os trabalhadores não está submetida a uma forte estratificação, mas podem ser encaradas como contribuições adicionais para o desenvolvimento de um potencial em comum. No entanto, o conceito de competência carrega um forte peso ideológico. Conforme ele foi tratado até o momento, o conceito de competência pode ser visto como capacitador. O problema é que o conceito de capacitação pode mostrar-se como produto 6 Para esta discussão ver os trabalhos de BOONEN (2002); SILVA (2004); SILVA (2007); FERREIRA (2001). 7 Como nos trabalho de SILVA (2004); FERREIRA (2001); SILVA (2007).

11 de um falseamento da realidade, pois esconde a base cultural das habilidades e práticas dos trabalhadores. O conceito de competência nos remete aos conceitos de trabalho e o conceito de vida, e carrega em seu interior uma forte relação com o presente, ou seja, está ligado ao desenvolvimento ininterrupto de habilidades e tarefas que podem ser substituídas ou mesmo desaparecer. Assim, está difundido nas sociedades capitalistas a idéia de que é necessário o desenvolvimento de novas habilidades para sempre estar apto a enfrentar as transformações no mercado de trabalho e na própria vida. Desta forma, desenvolver novas habilidades passa a significar algo vital. Assim que, a capacitação aparece como a possibilidade de permanecer inserido no mercado e continuar na disputa por uma vaga no mercado de trabalho, permanecendo e enfrentando as exigências do trabalho e da vida. A capacitação é entendida aqui, como a capacidade que o indivíduo tem de ser ensinado ou de se auto-ensinar. Isso é fundamental, pois essa capacidade representa o ponto essencial que o indivíduo deve possuir, e também toda a sociedade. Essa capacidade de ser ensinado possibilita que o indivíduo possa ser reapropriado para usos que se fizerem necessários em dado momento, dependendo de um eventual tipo de organização ou da utilização de tecnologia. Conclusão Podemos perceber através do entendimento do conceito de qualificação em seu uso nos estudos sobre o trabalho informacional dos call centers que os sociólogos apresentados não estabelecem a correspondência em relação à qualificação com o estudo de Braverman. Apenas no ponto em que se trata do trabalho taylorizado enquanto trabalho degradado estão de acordo. Sabemos que no mercado de trabalho, o tempo de formação escolar constitui um critério na formação da hierarquia da divisão do trabalho e de salários. A pesquisadora Tanguy (1999) nos mostra bem que do ponto de vista da escolarização para a classe operária, o critério da formação escolar constitui a negação da qualificação em termos históricos enquanto prevalece para a camada operária uma educação mínima necessária.

12 Outro ponto levantado foi os usos feitos da noção de competências que se mostram equivocados ao esbarrarem nas novas formas de taylorismo presentes nos Call Centers, e ao seu uso ideológico realizados pelas empresas e que recaem sobre a noção de capacitação. Referências: BRAVERMAN, Harry. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Rio de janeiro: Paz e Terra, (vol. 1). FERREIRA, D. Taisa. Análise da situação de trabalho do supervisor como líder estratégico em call center s: um estudo de caso numa operadora de telecomunicações. Dissertação (Mestrado). Florianópolis, UFSC, FRIEDMAN, G. O trabalho em migalhas. São Paulo em perspectiva, cidade, ano, vol, pp. X-X, 1983 HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, KERN; SCHUMAN. La fin de la division du travail. Maison des Sciences de l Homme. Paris, LEITE, E. M. El rescate de la calificación. Montevidéu: Cinterior, LOJKINE, J. A Revolução Informacional. São Paulo: Cortez, MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, MENDES, Josiane. A terceirização na área de atendimento telefônico em Curitiba: análise da continuidade do taylorismo/fordismo no trabalho flexível dos call centers. Dissertação (Mestrado). Curitiba, UFPR, MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo/Campinas: Boitempo/Editora da Unicamp, PIORE, M., SABEL, C. The Second Industrial Divide. New York: Basic Books, SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. Campinas/ São Paulo: Autores Associados, (4ª ed.). SILVA, S. Leandro. A gestão por competência como instrumento de avaliação de desempenho um estudo de caso em uma empresa de call center. Dissertação (Mestrado Profissional). Campinas, Unicamp, SILVA, F. Maria. As práticas de recursos humanos e o resultado operacional do Call Center. Dissertação (Mestrado). São Paulo, PUC/SP, ZARIFIAN, P. Objetivo Competência: Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, VENCO, B. Selma. Telemarketing nos Bancos: o emprego que desemprega. Dissertação (Mestrado). Campinas, Unicamp, VENCO, B. Selma. Tempos moderníssimos nas engrenagens do telemarketing. Tese (Doutorado). Campinas, Unicamp, NAVILLE, Pierre. Divisão do trabalho e distribuição de tarefas In: FRIEDMAN, G.; NAVILLE, P. (Orgs.). Tratado de Sociologia do Trabalho. São Paulo: Cultrix/Editora USP, (Vol. 1).

13 NEVES, Magda de Almeida. Reestruturação produtiva, qualificação e relações de gênero In: ROCHA, M. I. B. (Org.). Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Editora 34, TOURAINE, Alain. A organização profissional da empresa In: FRIEDMAN, G.; NAVILLE, P. (Orgs.). Tratado de Sociologia do trabalho. São Paulo: Cultrix/Editora USP, (Vol. 1). BRAGA, Ruy. Trabalho e fluxo informacional: nossa herança (info)taylorista. O Comuneiro, nº 5, BRAGA, Ruy. Infotaylorismo: o trabalho do teleoperador e a degradação da relação de serviço. Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, cidade, vol. VIII, nº 1, ene abr Disponível em: <http://www.eptic.com.br>. Acesso em 29/07/08. BRAGA, Ruy. Uma sociologia da condição proletária contemporânea. Tempo soc. São Paulo, vol. 18, nº 1, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 29/07/08. BOONEN, M. Eduardo. As várias faces do teletrabalho. E & G Economia e Gestão, Belo Horizonte, vols. 2-3, nº 4-5, pp , dez. 2002/jul SILVA, F. S. C. Luís. Novos cenários de emprego nas telecomunicações: trabalho e qualificação em um Call Center de Porto Alegre. Trabalho de Conclusão de Curso. Porto Alegre, UFRGS. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/ppgsocio/monografia%20fernando% pdf>. Acesso em 30/07/08.

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.br FERREIRA, Silvana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER

A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER acaciazk@uol.com.br 1 A COMPETÊNCIA NO TAYLORISMO/FORDISMO Fundada na parcelarização das tarefas; Saber fazer de

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O MAPEAMENTO DA DEMANDA/OFERTA O que é Capacitação Ato ou

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL VII CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO. O TRABALHO NO SÉCULO XXI - MUDANÇAS, IMPACTOS E PERSPECTIVAS. GT 13 - TRABALHO IMATERIAL E SUAS CONFIGURAÇÕES NA NOVA ECONOMIA O TRABALHO DO WEB DESIGNER

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

A Importância da Informática na Profissão Contábil

A Importância da Informática na Profissão Contábil A Importância da Informática na Profissão Contábil Sumário: I Introdução. II Importância da Informática na Contabilidade. III A Valorização do Profissional Contábil com o Uso da Informática. IV A Vantagem

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS Elvis Fabio Roman (Bolsista programa universidade sem fronteiras/projeto associativismo apícola no município de Prudentópolis), e-mail:

Leia mais

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Carreira: É uma sucessão de cargos ocupados por uma pessoa ao longo de sua vida profissional. Este desenvolvimento é alcançado

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Mudanças curriculares

Mudanças curriculares M UDANÇAS C URRICULARES NO E NSINO T ÉCNICO DE S ÃO P AULO Mudanças curriculares no ensino técnico de São Paulo ALMÉRIO MELQUÍADES DE ARAÚJO AREFORMA da educação profissional de nível técnico, determinada

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais