Trabalho e qualificação nas empresas de call center

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho e qualificação nas empresas de call center"

Transcrição

1 Trabalho e qualificação nas empresas de call center Bruno de Melo Delatin Resumo: Este estudo aborda a questão da qualificação dos trabalhadores sob o trabalho informacional nas empresas de Call Center. Para isso foi necessário mostrar o debate sociológico sobre o tema da qualificação no século XX e o uso atual do conceito de competência que se fortaleceu nos últimos anos. Verificamos em estudos de casos que, prevalece nos estudos sociológicos sobre Call Center o ponto de vista do tempo de formação escolar enquanto medida da qualificação, e também que a noção de competência nos oferece um ponto de vista mistificador enquanto componente da qualificação. Palavras-chave: Qualificação; competência; trabalho informacional. Abstract: This study approaches the subject of the workers' qualification under the work informacional in the companies of Call Center. For that it was necessary to show the sociological debate on the theme of the qualification in the century XX and the current use of the competence concept that he/she strengthened in the last years. We verified in studies of cases that, it prevails in the sociological studies on Call Center the point of view of the time of school formation while measure of the qualification, and also that the competence notion offers us a point of view mistificador while component of the qualification. Key words: Qualification; competence; work informacional. Introdução A discussão sobre o tema da qualificação dos trabalhadores de Call Centers, faz parte integrante do discurso gerencial sobre o uso de novas tecnologias e da qualidade do trabalho. Por outro lado, as teses sociológicas apontam para a continuidade das formas organizacionais típicas do taylorismo. Os pontos de vista sobre dois conceitos fundamentais, qualificação/desqualificação, representada no tipo de organização fordista/taylorista, e o conceito de competência, que aparece mais freqüentemente no discurso da organização de tipo toyotista ou flexível, passam a ser incluídos nos estudos desta nova categoria de trabalhadores. Antes de tudo, devemos deixar claro que a noção de conhecimento trabalhado aqui se apóia na noção de conhecimento que é gerado pelas relações sociais, tanto no aspecto subjetivo, isto é, da classe trabalhadora, quanto os aspectos objetivos, considerando os instrumentos utilizados para o trabalho. São considerados então os indivíduos reais em sua ação e em suas condições materiais de existência, que Ao produzirem os seus meios de Mestrando em Ciências Sociais pela UEL. End. eletrônico:

2 existência, os homens produzem indiretamente sua própria vida material (MARX, 2002 pp.10-11). O estudo da qualificação dos trabalhadores de call center requer primeiramente o entendimento do significado do conceito de qualificação e também a sua relação com a noção de competência. O conceito de qualificação nos remete a uma atividade especial e produtiva, elementar na ligação entre o homem e a natureza, isto é, condição mediadora metabólica entre o homem e a natureza. Assim, com base no entendimento de Marx, Como criador de valores de uso, como trabalho útil, é o trabalho, por isso, uma condição de existência do homem, independente de todas as formas de sociedade, eterna necessidade natural de mediação do metabolismo entre homem e natureza e, portanto, da vida humana (1996, p.172), a qualificação é entendida enquanto elemento essencial desta mediação e que, forma-se a partir das múltiplas atividades desenvolvidas historicamente pelo trabalho humano, compreendendo então todo o desenvolvimento social necessário que formam as forças produtivas, tanto técnicas quanto científicas. Desta forma, entendemos que a qualificação não é fruto do advento do capitalismo, mas que sob ele ela toma outra forma. Enquanto elemento essencial do trabalho, a qualificação assume, sob o modo de produção capitalista, as particularidades da organização social do trabalho sob o capital. Torna-se parte do processo de produção e reprodução do capital que a molda sob as condições de desenvolvimento das forças produtivas, isto é, que a molda e a utiliza como elemento essencial da força de trabalho humana. Assim, a qualificação enquanto parte inseparável da força de trabalho humana é parte inseparável da mercadoria força de trabalho que entra no mercado para ser vendida e ser utilizada como parte do capital produtivo. Desta forma, é o processo de produção capitalista que determina a necessidade de qualificação enquanto submete as condições subjetivas de produção ao capital. Tanto a força de trabalho humana quanto às tecnologias, condições subjetivas e objetivas de produção, são subordinadas e transformadas em capital no processo de produção. Conforme Mészáros (2002), a tendência da modernização e a tese da polarização das qualificações na divisão do trabalho internacional produziu a reversão da tendência da

3 modernização. A explicação do desemprego estrutural não pode ser encontrada nas tecnologias, mas sim à cega subordinação tanto do trabalho como da tecnologia aos devastadores e estreitos limites do capital como árbitro supremo do desenvolvimento e do controle sociais (2002, p.1004). O conceito de qualificação posto em relação ao mercado de trabalho está ligado às questões de certificação e codificação como, diplomas e títulos, que demarca a posição do trabalhador na hierarquia das funções, salários e em negociações com as empresas. A qualificação sempre está ligada ao desenvolvimento das forças produtivas. Isto não significa dizer que toda a força de trabalho que utiliza tecnologias com base em informática, por exemplo, detenha conhecimentos complexos e especializados, pois como podemos perceber no processo de trabalho em call center, especialmente para os subcontratados ou temporários, os níveis de qualificação são os básicos para este momento histórico. Quero dizer então que, se temos que considerar o desenvolvimento histórico das forças produtivas, da mesma forma temos que considerar historicamente o acompanhamento da qualificação em termos de força produtiva. O Debate sociológico dividido em três partes Podemos separar o debate sobre a qualificação no século XX em três momentos históricos. Podemos situar o primeiro momento do debate sobre a qualificação nas décadas de 1950/60. A importância do período pós-guerra está no fato de que a qualificação surge como forma de avaliação profissional reconhecida e organizada na hierarquia do mercado de trabalho, não ignorando que as primeiras classificações datam do senso dos Estados Unidos do final do século XIX e depois em A qualificação estava relacionada à análise ocupacional, dando preferência ao tempo de formação profissional, ou maior tempo de estudos escolares 2. Podemos dizer que na sociologia, a introdução da produção contínua ou automatizada foi encarada por Touraine (1973), Naville (1973) e Friedman (1983) como a 1 Para visualizar melhor as mudanças na classificação das ocupações ver Braverman (1987, pp ). 2 Tema abordado por LEITE (1996).

4 possibilidade do fim da divisão do trabalho através de uma outra forma de utilização da força de trabalho, que se apresentava para estes autores como elevadora da qualificação. Na década de 1970, com a diminuição do crescimento econômico e o aumento dos índices de desemprego, as discussões sobre a utilização e o impacto da automação no processo de produção e a extensão de sua difusão começou a ser questionado. O debate se acirra principalmente com o lançamento em 1974 da obra Trabalho e Capital Monopolista, que viria ser uma crítica ao posicionamento otimista do período anterior. Braverman nos mostra em seu estudo que, ao analisar mais de perto as mudanças na qualificação média, esta não passava necessariamente de uma qualificação simples para uma complexa, com o uso da maquinaria, aumento da educação e em grande parte a permanência da organização do trabalho de tipo taylorista, mas sim, que servia aos termos da acumulação do capital o processo de desqualificação progressiva do trabalho. Compreendeu que a modernização tecnológica reforçaria tanto a divisão do trabalho quanto à desqualificação dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que polarizaria de um lado, uma maioria de trabalhadores desqualificados e de outro lado, uma minoria de trabalhadores altamente qualificados. A permanência de trabalhadores altamente qualificados em áreas concentradas, mostra-se como a parte relativa do processo absoluto de desqualificação do trabalho verificado em termos históricos e, esta seria decorrência dos desenvolvimentos técnicos que criam constantemente novos postos de trabalho. A divisão técnica do trabalho e o crescimento da utilização da automação no processo de produção, é a relação entre o conhecimento científico empregado no processo de produção e o conhecimento requerido dos trabalhadores para utilizarem as novas tecnologias. A partir desta relação Braverman vai discutir o processo de desqualificação relativa dos trabalhadores. A divisão técnica do trabalho para Braverman, por sua vez inviabilizou o conceito tradicional de qualificação, ao mesmo tempo em que o transformou em um (...) conceito reinterpretado e dolorosamente inadequado de qualificação: uma habilidade específica, uma operação limitada e repetitiva, a velocidade como qualificação, etc. (1987, p.375). Braverman mostra que por mais que a qualificação possa estar ligada ao desenvolvimento da maquinaria, sob o capitalismo e sob a rotinização da operação

5 mecânica 3 ela não pode significar um aumento, mas seu contrário. Assim, quando se fala em qualificação média, devemos levar em consideração que por mais que tenha aumentado o conhecimento da população para operar equipamentos eletrônicos, fruto da incorporação pela parcela urbana da sociedade do desenvolvimento científico, e que tenha também aumentado o tempo de permanência da população em escolas, estes fatos não representam por si só o nível de qualificação geral da sociedade. Na década de 1980 em diante, com a difusão da automação microeletrônica e a telemática, representada em muitas obras como a época em que a informação se transforma em mercadoria, e também com a difusão das novas formas de gerenciamento do trabalho, o processo de trabalho passa por profundas transformações. Novamente teses sociológicas celebram o fim da divisão do trabalho; novamente estaríamos diante do controle do processo de trabalho pelo trabalhador autônomo e qualificado. Assim aparece na obra de Kern; Schuman, La fin de la division du travail?, pela crença de que na busca pela produtividade, o reconhecimento da qualificação dos trabalhadores como força produtiva e capazes de responder com eficiência a procura cada vez maior por produtos diferenciados, derivaria da utilização das novas tecnologias. Para Piore e Sabel, o desenvolvimento histórico do capitalismo teria levado ao que chamam de segunda ruptura industrial. A segunda ruptura industrial seria o resultado da passagem da produção em massa para a produção flexível. Piore e Sabel entendem que esta transição que marca o fim do fordismo e a entrada na produção flexível traria a volta do trabalhador artesão qualificado. Neste processo, a importância de um novo tipo de gerenciamento do processo de trabalho também é colocado como fundamental pois, designa a retomada do controle pelos trabalhadores do processo de produção, resgatando assim a qualidade do trabalho artesão em pleno processo de reestruturação produtiva. As possibilidades abertas pelas transformações tecnológicas, e o uso de tecnologias informacionais aplicadas ao processo de produção foi encarada por Lojkine como tão profundas que chegou a chamá-las de revolução informacional. 3 Para a discussão que Braverman (1987) sobre a rotinização da operação mecânica ver p. 364.

6 A informática estaria no centro destas novas transformações no processo de produção, e a profundidade que as tecnologias informacionais poderiam alcançar chega a ser entendida por Lojkine como emancipatórias. A qualificação dos trabalhadores seria resgatada neste contexto como forma de atender as necessidades da utilização das novas tecnologias, o que levaria ao fim da divisão do trabalho. Assim, Lojkine nos mostra que esta possibilidade despontou no horizonte das sociedades capitalistas, pois pela primeira vez numa sociedade de classes, surja a perspectiva histórica de superar a divisão entre os que produzem e os que pensam a produção, entre os produtivos e os improdutivos (1995, p.229 e 230). Para Castells, tão importante quanto a análise do avanço tecnológico para o aumento da produtividade e competitividade entre as empresas, está à análise das formas gerenciais. A flexibilização da produção atrelada às novas formas de gerenciamento representaria um avanço em direção ao fim da divisão do trabalho. Assim Castells diz estar observando a crise do modelo corporativo tradicional baseado na integração vertical e no gerenciamento funcional hierárquico: o sistema de funcionário e linha de rígida divisão técnica e social do trabalho dentro da empresa (1999, p.1978). Sob a forma de produção flexível, o relacionamento cooperativo entre os gerentes e os trabalhadores representaria o novo tipo de relação fundado neste momento histórico, uma nova base prática. (...) a característica central de diferenciadora do modelo japonês foi abolir a função de trabalhadores profissionais especializados para torná-los especialistas multifuncionais (1999, p.180). Assim como os outros autores que vêem o desenvolvimento tecnológico e as novas formas de gerenciamento com certo otimismo, e que apontam a qualificação e o fim da divisão do trabalho como tendência, ao perceberem tímidas manifestações relativas de autonomia e controle dos trabalhadores sobre o processo de produção, em poucos estudos de casos, Castells entende que o capitalismo sob a fase do informacionalismo representa um avanço positivo em relação a sua fase anterior. Na mesma época e frente ao uso de tecnologias informacionais, Zarifian ajudaria a criar um novo entendimento de qualificação. No seu entendimento, o uso das tecnologias informacionais trouxe uma nova forma de qualificação, não apenas ligada aos conhecimentos internos dos trabalhadores mas fundamentalmente a suas capacidades de

7 lidar com situações imprevistas no processo de produção. Para o autor estas seriam as mutações no conteúdo do trabalho : evento, comunicação e serviço. Zarifian entende que o novo processo de produção no momento da crise da noção de posto de trabalho, isto é, da ruptura com os procedimentos tayloristas, conduziria a atenção não apenas ao processo, mas também sobre os indivíduos e suas qualidades. Assim, a atenção dada às qualidades não apenas que o trabalhador possuísse, mas também as que ele poderia adquirir em um processo de produção qualificante, formou o novo conteúdo das qualificações, que no entendimento de Zarifian é a aquisição contínua de competência. O conceito de eventos é fundamental para entender a transformação do conceito de qualificação em contínua aquisição de competência. Vemos melhor como Zarifian define o seu conceito de eventos, como um avanço da qualificação em relação ao posto de trabalho. Entende-se, aqui, por evento, o que ocorre de maneira parcialmente de maneira imprevista, inesperada, vindo perturbar o desenrolar normal do sistema de produção, superando a capacidade da máquina de assegurar sua auto regulagem, não entendida como algo que deva ser solucionado para que nunca mais ocorra, mas sim de importância para o sucesso da atividade produtiva (2001, p.41). Destas interações, Zarifian percebe a importância da comunicação para a atividade da organização. Tanto que acredita ser a comunicação no processo de interação dos trabalhadores, fundamental para atacar a divisão do trabalho. Zarifian liga o conceito de evento e comunicação ao conceito de serviço, entendido por ele como uma atividade que não pode ser delimitada como categoria específica da economia, mas sim que está presente em todos os tipos de atividade pois, o serviço representa uma modificação no estado ou nas condições de atividade de outro humano, ou de uma instituição(...) (2001, p.48). A importância dos serviços seria dar um sentido unificado a comunicação, e unir os trabalhadores ao tomarem parte dos desejos dos clientes sob uma forma de produção de mercadorias diferenciadas. Estes três conceitos formam a base do conceito de competência que Zarifian adota. A competência no esquema de Zarifiam é individual e só pode ser avaliada nas situações concretas de trabalho. Ela pressupõe um trabalhador capaz de tomar iniciativa e assumir responsabilidade diante de eventos, ao mesmo tempo mobilizar uma rede de trabalhadores em interações para compartilhar responsabilidades.

8 Estudos de casos Podemos verificar, através de análises presentes em teses e dissertações nos estudos de casos sobre call center, algumas continuidades e descontinuidades do entendimento de qualificação já exposto aqui. Nos estudos sociológicos que se apresentam como críticos do tipo de organização tayloristas do trabalho nas empresas de call center, todos os estudos pesquisados adotam uma perspectiva que se aproxima da análise ocupacional, dando preferência ao tempo de formação profissional, ou maior tempo de estudos escolares. Diferentemente da linha de Braverman, que nega a qualificação do ponto de vista da escolaridade, a favor da qualificação em relação ao domínio do conhecimento do trabalhador sobre o processo de trabalho, as teses e dissertações sobre call center parecem não seguir o mesmo caminho no que diz respeito a este ponto senão a precarização do trabalho sob o uso de novas tecnologias. Para todas as empresas de call center, a exigência de escolaridade para o trabalho fica entre estar cursando ou ter concluído o ensino médio, ou estar cursando ou ter concluído o ensino superior. Para Mendes (2005), vemos que a média da escolaridade, visto como a medida da qualificação, está ligada ao seu entendimento de que as novas tecnologias necessariamente necessitam de trabalhadores qualificados, mesmo que o tipo de trabalho seja degradante, no sentido do trabalho repetitivo e rotineiro. Assim entende Mendes, Sobre a questão do avanço tecnológico, merece destaque o fato das redes descentralizadas, pois se trata da forma de organização atual do capital, favorecida pela informatização e agilizando a acumulação. Em conseqüência, o trabalho ganha a flexibilidade e ajuste multifuncional. Frente a uma acirrada competição, exige-se um trabalhador mais qualificado (2005, p. 29). E mais adiante, Ora, que diferença há nessas características do taylorismo, com a padronização dos roteiros de atendimento, pensados pela empresa contratante e executados pelos trabalhadores da empresa terceirizada de teleatendimento sendo que esses não podem modificá-los sob pena de punição? Ainda, pode-se comparar a ergonomia das posições de atendimento e a implantação de ginástica laboral nos call centers com as condições pensadas pelo taylorismo (2005, p. 92).

9 Para Braga (2006a); (2006b); (2007), a questão dos anos de escolaridade não aparece claramente como requisito para a qualificação, mas a palavra operador carrega conforme Braga, o sentido de desfigurar a noção de operário, entre qualificado e nãoqualificado. Entretanto, o autor adota a posição de Braverman em relação à degradação do trabalho organizado com base no tipo taylorista, o que chama de infotaylorista, isto é, o trabalho informacional que utiliza as novas tecnologias em conjunto com as práticas tayloristas. Assim vemos, Em grande medida, a emergência das Centrais de Tele- Atividades (CTAs)26 coroa os desdobramentos da rotinização taylorista da relação de serviço e eleva o processo de produção desta mesma relação à escala industrial (2006, pp. 9-10). Em outras obras vemos a mesma situação, Ao contrário do que muitos previam há quinze anos, a revolução informacional não foi capaz de superar a oposição existente entre as atividades laborais de execução e as de concepção: serviu, antes, como um privilegiado instrumento de controle e de rotinização da força espiritual do trabalho (2007). Para a pesquisadora Selma B. Venco, em seu estudo Telemarketing nos Bancos: o emprego que desemprega, nos mostra no seu estudo de caso que a qualificação baseada na escolaridade fica em segundo plano onde o trabalho é desenvolvido por mulheres e com o uso de novas tecnologias. 4 Mesmo assim, Venco aponta o tempo de formação escolar como indicador de valorização no mercado 5. Em seu estudo, Venco percebeu que as novas exigências gerenciais apontam para a noção de competência. Tanto que, ao falar sobre o tipo de qualificações exigidas das trabalhadoras de telemarketing aponta para as qualificações tácitas que estão na base do desenvolvimento das competências. Assim, conclui Venco (1999, p. 109), que há uma série de exigências e justificativas em relação às qualificações destas trabalhadoras, o que demonstra, por um lado, a intensa valorização da escolarização no mercado, mesmo que não corresponda ao conteúdo do trabalho (...); e, por outro, são valorizadas as competências. Mesmo reconhecendo o uso da noção de competência pela empresa, Venco toma uma postura crítica a esta visão individualista de competência, quando essa pretende negar 4 Para esta discussão sobre a utilização da força de trabalho feminino e as novas tecnologias ver Hirarta (2002) e Neves (2000). 5 Este seu ponto de vista permanece em sua tese de doutorado (VENCO, 2006).

10 a existência do taylorismo. Este ponto de vista está de acordo com a hipótese levantada no seu estudo: a constatação de que a organização do trabalho em telemarketing assume contornos caracteristicamente tayloristas, negando aos trabalhadores o desenvolvimento de suas competências e tentando, incessantemente, padronizar e controlar seus comportamentos e atitudes (1999, p. 98). A presença prática das competências na postura gerencial pode ser percebida mais facilmente nos estudos de casos da área da administração. Vemos melhor com as práticas de recursos humanos que alguns autores trabalham 6. As práticas de gestão de recursos humanos são encaradas pelas gerencias como novas formas de recrutamento. Vemos como isso é aplicado na prática com o estudo de Silva (2004), Na entrevista coletiva, é apresentado ao candidato as vagas disponíveis, os horários de trabalho, o salário e os benefícios correspondentes. Após, é realizada uma dinâmica de grupo, que tem como objetivo perceber atributos como espontaneidade e motivação. Neste sentido, a empresa busca conhecer o perfil do candidato, para posteriormente determinar em que atividade melhor se enquadraria. São também observados dicção e fluência verbal do candidato. Tais habilidades comunicativas são observadas ao longo de todo processo de seleção e também no treinamento (p.28) Esta claro que este caso em particular não pode ser generalizado. Existem outras formas de recrutamento, mas é que esta forma é apresentada para demonstrar a nova estratégia gerencial que é a gestão por competência e que se inicia nos anos A noção de competência desenvolvido na área de administração, e assim as competências em alguns estudos 7 estão diretamente relacionadas à avaliação de desempenho e conseqüentemente a idéia de capacitação. Podemos ver que no conceito de competência, a diferença entre os trabalhadores não está submetida a uma forte estratificação, mas podem ser encaradas como contribuições adicionais para o desenvolvimento de um potencial em comum. No entanto, o conceito de competência carrega um forte peso ideológico. Conforme ele foi tratado até o momento, o conceito de competência pode ser visto como capacitador. O problema é que o conceito de capacitação pode mostrar-se como produto 6 Para esta discussão ver os trabalhos de BOONEN (2002); SILVA (2004); SILVA (2007); FERREIRA (2001). 7 Como nos trabalho de SILVA (2004); FERREIRA (2001); SILVA (2007).

11 de um falseamento da realidade, pois esconde a base cultural das habilidades e práticas dos trabalhadores. O conceito de competência nos remete aos conceitos de trabalho e o conceito de vida, e carrega em seu interior uma forte relação com o presente, ou seja, está ligado ao desenvolvimento ininterrupto de habilidades e tarefas que podem ser substituídas ou mesmo desaparecer. Assim, está difundido nas sociedades capitalistas a idéia de que é necessário o desenvolvimento de novas habilidades para sempre estar apto a enfrentar as transformações no mercado de trabalho e na própria vida. Desta forma, desenvolver novas habilidades passa a significar algo vital. Assim que, a capacitação aparece como a possibilidade de permanecer inserido no mercado e continuar na disputa por uma vaga no mercado de trabalho, permanecendo e enfrentando as exigências do trabalho e da vida. A capacitação é entendida aqui, como a capacidade que o indivíduo tem de ser ensinado ou de se auto-ensinar. Isso é fundamental, pois essa capacidade representa o ponto essencial que o indivíduo deve possuir, e também toda a sociedade. Essa capacidade de ser ensinado possibilita que o indivíduo possa ser reapropriado para usos que se fizerem necessários em dado momento, dependendo de um eventual tipo de organização ou da utilização de tecnologia. Conclusão Podemos perceber através do entendimento do conceito de qualificação em seu uso nos estudos sobre o trabalho informacional dos call centers que os sociólogos apresentados não estabelecem a correspondência em relação à qualificação com o estudo de Braverman. Apenas no ponto em que se trata do trabalho taylorizado enquanto trabalho degradado estão de acordo. Sabemos que no mercado de trabalho, o tempo de formação escolar constitui um critério na formação da hierarquia da divisão do trabalho e de salários. A pesquisadora Tanguy (1999) nos mostra bem que do ponto de vista da escolarização para a classe operária, o critério da formação escolar constitui a negação da qualificação em termos históricos enquanto prevalece para a camada operária uma educação mínima necessária.

12 Outro ponto levantado foi os usos feitos da noção de competências que se mostram equivocados ao esbarrarem nas novas formas de taylorismo presentes nos Call Centers, e ao seu uso ideológico realizados pelas empresas e que recaem sobre a noção de capacitação. Referências: BRAVERMAN, Harry. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Rio de janeiro: Paz e Terra, (vol. 1). FERREIRA, D. Taisa. Análise da situação de trabalho do supervisor como líder estratégico em call center s: um estudo de caso numa operadora de telecomunicações. Dissertação (Mestrado). Florianópolis, UFSC, FRIEDMAN, G. O trabalho em migalhas. São Paulo em perspectiva, cidade, ano, vol, pp. X-X, 1983 HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, KERN; SCHUMAN. La fin de la division du travail. Maison des Sciences de l Homme. Paris, LEITE, E. M. El rescate de la calificación. Montevidéu: Cinterior, LOJKINE, J. A Revolução Informacional. São Paulo: Cortez, MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, MENDES, Josiane. A terceirização na área de atendimento telefônico em Curitiba: análise da continuidade do taylorismo/fordismo no trabalho flexível dos call centers. Dissertação (Mestrado). Curitiba, UFPR, MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo/Campinas: Boitempo/Editora da Unicamp, PIORE, M., SABEL, C. The Second Industrial Divide. New York: Basic Books, SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. Campinas/ São Paulo: Autores Associados, (4ª ed.). SILVA, S. Leandro. A gestão por competência como instrumento de avaliação de desempenho um estudo de caso em uma empresa de call center. Dissertação (Mestrado Profissional). Campinas, Unicamp, SILVA, F. Maria. As práticas de recursos humanos e o resultado operacional do Call Center. Dissertação (Mestrado). São Paulo, PUC/SP, ZARIFIAN, P. Objetivo Competência: Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, VENCO, B. Selma. Telemarketing nos Bancos: o emprego que desemprega. Dissertação (Mestrado). Campinas, Unicamp, VENCO, B. Selma. Tempos moderníssimos nas engrenagens do telemarketing. Tese (Doutorado). Campinas, Unicamp, NAVILLE, Pierre. Divisão do trabalho e distribuição de tarefas In: FRIEDMAN, G.; NAVILLE, P. (Orgs.). Tratado de Sociologia do Trabalho. São Paulo: Cultrix/Editora USP, (Vol. 1).

13 NEVES, Magda de Almeida. Reestruturação produtiva, qualificação e relações de gênero In: ROCHA, M. I. B. (Org.). Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Editora 34, TOURAINE, Alain. A organização profissional da empresa In: FRIEDMAN, G.; NAVILLE, P. (Orgs.). Tratado de Sociologia do trabalho. São Paulo: Cultrix/Editora USP, (Vol. 1). BRAGA, Ruy. Trabalho e fluxo informacional: nossa herança (info)taylorista. O Comuneiro, nº 5, BRAGA, Ruy. Infotaylorismo: o trabalho do teleoperador e a degradação da relação de serviço. Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, cidade, vol. VIII, nº 1, ene abr Disponível em: <http://www.eptic.com.br>. Acesso em 29/07/08. BRAGA, Ruy. Uma sociologia da condição proletária contemporânea. Tempo soc. São Paulo, vol. 18, nº 1, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 29/07/08. BOONEN, M. Eduardo. As várias faces do teletrabalho. E & G Economia e Gestão, Belo Horizonte, vols. 2-3, nº 4-5, pp , dez. 2002/jul SILVA, F. S. C. Luís. Novos cenários de emprego nas telecomunicações: trabalho e qualificação em um Call Center de Porto Alegre. Trabalho de Conclusão de Curso. Porto Alegre, UFRGS. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/ppgsocio/monografia%20fernando% pdf>. Acesso em 30/07/08.

Qualificação e Competências no Setor de Telecomunicações: O caso das empresas de call center 1

Qualificação e Competências no Setor de Telecomunicações: O caso das empresas de call center 1 II Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade 05 a 08 de novembro de 2007, UTFPR, Curitiba (PR) Ciência, Tecnologia, Educação e Trabalho Qualificação e Competências no Setor de Telecomunicações: O caso

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo.

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo. QUALIFICAÇÃO DO TRABALHO NO OHNOÍSMO Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO A Literatura sobre o Fordismo e Ohnoísmo é ampla e vários autores caracterizam

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima OBJETIVO Situar o cenário da reestruturação produtiva na

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E AS MUDANÇAS NO TRABALHO E NA EDUCAÇÃO

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E AS MUDANÇAS NO TRABALHO E NA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E AS MUDANÇAS NO TRABALHO E NA EDUCAÇÃO Resumo O presente artigo busca demonstrar alguns aspectos de relevância em relação às transformações no mundo do trabalho desde os modelos

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

A questão da universidade privada. Disponível em: www.usp.br/apg/congresso/ teses/tese7.htm. Acessado em 07/05/2002.

A questão da universidade privada. Disponível em: www.usp.br/apg/congresso/ teses/tese7.htm. Acessado em 07/05/2002. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS * A questão da universidade privada. Disponível em: www.usp.br/apg/congresso/ teses/tese7.htm. Acessado em 07/05/2002. ALMEIDA, J. L. V. As atividades de ensino: equívocos e

Leia mais

A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER

A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS E O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ACACIA ZENEIDA KUENZER acaciazk@uol.com.br 1 A COMPETÊNCIA NO TAYLORISMO/FORDISMO Fundada na parcelarização das tarefas; Saber fazer de

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO Mônica Mota Tassigny Universidade de Fortaleza, Brasil As relações entre capitalismo, trabalho e educação têm sido objeto de consideração

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

Mudanças na forma de organização do trabalho

Mudanças na forma de organização do trabalho Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

TRABALHO E CONSUMO: UMA ANÁLISE SOCIOLÓGICA DOS SERVIÇOS DE VENDA NO VAREJO DE BENS DURÁVEIS

TRABALHO E CONSUMO: UMA ANÁLISE SOCIOLÓGICA DOS SERVIÇOS DE VENDA NO VAREJO DE BENS DURÁVEIS TRABALHO E CONSUMO: UMA ANÁLISE SOCIOLÓGICA DOS SERVIÇOS DE VENDA NO VAREJO DE BENS DURÁVEIS Lúbia Gonzaga DUTRA; Jordão Horta NUNES Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Faculdade de Ciências Sociais-UFG

Leia mais

Educação, trabalho e perspectivas para o EMI

Educação, trabalho e perspectivas para o EMI Educação, trabalho e perspectivas para o EMI MÔNICA M. TASSIGNY CCH-UNIDOR, Brasil Mudanças no mundo do trabalho e da educação As relações entre capitalismo, trabalho e educação têm sido objeto de estudo

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE CONTROLE NA PRODUÇÃO CAPITALISTA: considerações teóricas

ESTRATÉGIAS DE CONTROLE NA PRODUÇÃO CAPITALISTA: considerações teóricas 1 ESTRATÉGIAS DE CONTROLE NA PRODUÇÃO CAPITALISTA: considerações teóricas Reivan Marinho de Souza Carneiro RESUMO Este texto aborda as estratégias de controle do capital sobre o trabalho na produção capitalista,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

2) O surgimento do fordismo/taylorismo na indústria automobilística

2) O surgimento do fordismo/taylorismo na indústria automobilística 1 DO TAYLORISMO/FORDISMO À ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL TOYOTISTA: NOVOS PARADIGMAS E VELHOS DILEMMAS From taylorism/fordism to toyotist flexible accumulation: New paradigms and old quandaries Marcos Augusto de

Leia mais

As Transformações no Trabalho e a Educação. Problematizações a partir dos diferentes Ethos Sociais

As Transformações no Trabalho e a Educação. Problematizações a partir dos diferentes Ethos Sociais As Transformações no Trabalho e a Educação Problematizações a partir dos diferentes Ethos Sociais Objetivos Compreender como as necessidades do mundo do trabalho e da economia, influenciam a educação Considerar

Leia mais

Mudanças curriculares

Mudanças curriculares M UDANÇAS C URRICULARES NO E NSINO T ÉCNICO DE S ÃO P AULO Mudanças curriculares no ensino técnico de São Paulo ALMÉRIO MELQUÍADES DE ARAÚJO AREFORMA da educação profissional de nível técnico, determinada

Leia mais

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Sueli de Araújo Montesano 1 Esta pesquisa resgata o trabalho feminino, dos anos 50 a 70, numa metalúrgica, em uma pequena cidade no interior de São Paulo. As trabalhadoras

Leia mais

XI Congresso Brasileiro de Sociologia. 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP. Grupo de trabalho: Reestruturação do Mundo do Trabalho

XI Congresso Brasileiro de Sociologia. 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP. Grupo de trabalho: Reestruturação do Mundo do Trabalho XI Congresso Brasileiro de Sociologia 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Grupo de trabalho: Reestruturação do Mundo do Trabalho Algumas reflexões sobre a qualificação do trabalho a partir

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO Claudia Archer Tema da Pesquisa: A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL, A PARTIR DE 2003:

Leia mais

A relação entre trabalho e tecnologia a partir das organizações prestadoras de serviços de call center

A relação entre trabalho e tecnologia a partir das organizações prestadoras de serviços de call center A relação entre trabalho e tecnologia a partir das organizações prestadoras de serviços de call center Resumo: Como decorrências das próprias invenções humanas, os trabalhadores criaram com o uso da tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA Esse trabalho consiste numa pesquisa acerca dos sentidos que os empregados atribuem ao Sistema de Avaliação de Desempenho

Leia mais

Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação?

Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação? Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação? 1 Erika Batista erikkabatista@gmail.com; Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória 2011 Michel de Vilhena Ferreira Pedagogo (DFCS/UEPA). Psicólogo (IFCH/UFPA). Professor colaborador

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012

Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012 Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROJETO EDUCACIONAL DO EMPRESARIADO INDUSTRIAL BRASILEIRO: UMA ANÁLISE CRÍTICA Rafael Gomes Cavalcante 1 Alessandro de Melo

Leia mais

PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS

PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS Luciana Requião lucianarequiao@inpauta.com.br Universidade Federal Fluminense UFF/PPG em Educação Resumo A tese que venho

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade,

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade, TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA SAÚDE: A LÓGICA CAPITALISTA QUE SUBORDINA AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Sônia Maria Alves de Paiva 1 Cristiane Aparecida Silveira 2 Elizabeth Laus Ribas Gomes 3 Maísa Crivellini

Leia mais

A NATUREZA DO TRABALHO DOCENTE NA ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL *

A NATUREZA DO TRABALHO DOCENTE NA ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL * A NATUREZA DO TRABALHO DOCENTE NA ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL * Kênia Miranda 1 Entender a natureza do trabalho docente não passa somente pela análise profunda de técnicas e procedimentos pedagógicos, do conhecimento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO E A RELAÇÃO EDUCAÇÃO E CAPITALISMO

TEORIA DO CAPITAL HUMANO E A RELAÇÃO EDUCAÇÃO E CAPITALISMO TEORIA DO CAPITAL HUMANO E A RELAÇÃO EDUCAÇÃO E CAPITALISMO EdilaineCristina da Silva 314 Prof. Edmilson Lenardão (Orientador) RESUMO O presente artigo faz parte do Trabalho de Conclusão de Curso em Pedagogia

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO TAMBÉM FAZ PARTE DA ORGANIZAÇÃO: DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO

TERCEIRIZAÇÃO TAMBÉM FAZ PARTE DA ORGANIZAÇÃO: DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO 1 TERCEIRIZAÇÃO TAMBÉM FAZ PARTE DA ORGANIZAÇÃO: DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO A terceirização, que surgiu da adoção de novos sistemas econômicos e políticos empregados pelas

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho

As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho Sonia Aparecida da Silva de Souza Liliane Moser Resumo: O presente trabalho

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Estágios para alunos de ensino médio: análise da relação entre uma escola pública e uma ONG na cidade de São Paulo

Estágios para alunos de ensino médio: análise da relação entre uma escola pública e uma ONG na cidade de São Paulo Estágios para alunos de ensino médio: análise da relação entre uma escola pública e uma ONG na cidade de São Paulo FERREIRA, Moisés Carlos terraemar@gmail.com O texto aqui descrito representa um resumo

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br 1. Introdução O advento dos microprocessadores disseminou a informática a tal ponto

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL VII CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO. O TRABALHO NO SÉCULO XXI - MUDANÇAS, IMPACTOS E PERSPECTIVAS. GT 13 - TRABALHO IMATERIAL E SUAS CONFIGURAÇÕES NA NOVA ECONOMIA O TRABALHO DO WEB DESIGNER

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

OS TELEOPERADORES E O NOVO MUNDO DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS TELEOPERADORES DA CENTRAL DE TELEATENDIMENTO ATENTO CAMPINAS-SP

OS TELEOPERADORES E O NOVO MUNDO DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS TELEOPERADORES DA CENTRAL DE TELEATENDIMENTO ATENTO CAMPINAS-SP OS TELEOPERADORES E O NOVO MUNDO DO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS TELEOPERADORES DA CENTRAL DE TELEATENDIMENTO ATENTO CAMPINAS-SP - 2012-2013 Bruna Piazentin Martinelli 1 Resumo Este trabalho apresenta

Leia mais

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Thiago Leibante * Introdução O trabalho informal é um fenômeno social que se encontra em praticamente todo o mundo capitalista.

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

A ESCOLA E OS CONSTANTES DESAFIOS DA SOCIEDADE

A ESCOLA E OS CONSTANTES DESAFIOS DA SOCIEDADE A ESCOLA E OS CONSTANTES DESAFIOS DA SOCIEDADE Simone Arenhardt 1 Márcia Lenir Gerhardt 2 Elisane Scapin Cargnin 3 Resumo Diante das inúmeras e crescentes modificações que se apresentam na sociedade globalizada,

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ABREU, Rosane de Albuquerque.; NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria.; Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. A Internet na prática docente novos desafios e conflitos para

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE NAS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: CRIAÇÃO DE MONSTROS ÁRIDOS, DE OLHOS ÁGEIS E MÃOS FIRMES 1? RIBEIRO, Nayla Cristine Ferreira FIOCRUZ GT-09: Trabalho e Educação Agência

Leia mais