ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 34 dezembro 2001 GOVERNO ELETRÔNICO. COMPRAS ELETRÔNICAS (B2B e B2G/G2B):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 34 dezembro 2001 GOVERNO ELETRÔNICO. COMPRAS ELETRÔNICAS (B2B e B2G/G2B):"

Transcrição

1 INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 34 dezembro 2001 GOVERNO ELETRÔNICO COMPRAS ELETRÔNICAS (B2B e B2G/G2B): alguns conceitos básicos e exemplos O uso das novas tecnologias da informação e da comunicação tem possibilitado que várias tarefas sejam realizadas, por empresas e governos, de modo mais ágil, transparente e eficiente. Uma das atividades onde isto é mais visível é a aquisição de bens e serviços. Os sistemas de e-procurement envolvendo relações entre firmas (B2B) passaram de sistemas eletrônicos privados dedicados de troca de dados que ligavam, com altos custos, algumas firmas a alguns clientes e fornecedores, para sistemas baseados no protocolo Internet, mais abertos e baratos. O estágio mais avançado desse processo é a criação de bolsas eletrônicas, onde são realizados leilões reversos por meio da Internet, para a aquisição dos mais variados tipos de bens e serviços. Este é o primeiro de uma série de informes que trata de compras eletrônicas, com o objetivo de contribuir para a discussão sobre o tema e a escolha das melhores estratégias para a introdução destes sistemas nas compras realizadas pelo setor público. O informe discute alguns conceitos e modelos, além de mostrar como as compras eletrônicas permitem redução de custos, ganhos de eficiência e maior transparência. INTRODUÇÃO As primeiras tentativas de analisar as grandes transformações introduzidas pela Internet nas relações de troca focalizavam, no mais das vezes, as novas empresas que surgiram vendendo bens e serviços para o público em geral, como provedores de acesso e livrarias. Entretanto, começa-se a observar que o maior impacto causado pelo comércio eletrônico, na cadeia produtiva e na economia em geral, deveria ser identificado, sobretudo, do lado dos chamados B2B ( business to business ) e G2B ( government to business ). Em ambos os casos, a Internet permite a utilização de um tipo de tecnologia relativamente acessível, rápida e barata, quando comparada com os caros, complexos e lentos sistemas fechados que originalmente ligavam firmas com outras firmas. Esta mudança de paradigma tem permitido que um número crescente de empresas e, mais recentemente, de governos reduzam custos e melhorem a qualidade e a transparência das compras e das relações com parceiros, fornecedores e investidores. Alguns autores 1 estimam que, em 2004, apenas nos Estados Unidos, as transações on-line entre firmas (B2B) alcançarão US$ 1,5 trilhão, dos quais US$ 600 bilhões referem-se às bolsas de compras eletrônicas. Comparativamente, o mercado americano voltado para o comércio do tipo B2C atingirá, segundo os autores, uma dimensão correspondente à cerca de US$ 108 bilhões em Outros, por sua vez, falam em estimativas para 2004 envolvendo a cifra de US$ 6,9 trilhões para o comércio eletrônico no mundo, dos quais US$ 3,1 trilhões só nos Estados Unidos, sendo US$ 2,7 trilhõe s em B2B. 2 1 Scully e Woods (1999: 6). 2 Informe Setorial de Comércio e Serviços E-business: o uso corporativo da Internet (2000). Não reflete necessariamente as opiniões do BNDES. Informativo apenas para subsidiar análises da AFE, sob a responsabilidade de José Roberto Afonso. Elaborado por Andréa C. Gomes Fernandes. Maiores informações e esclarecimentos, consultar o site do Banco Federativo na Internet (http://www.federativo.b ndes.gov.br); ; ou fax

2 Estas estimativas têm variado muito segundo a fonte, mas indicam de todo modo um crescimento exponencial deste mercado. No Brasil, só os sites de leilões eletrônicos movimentam atualmente US$ 600 milhões, e a estimativa é que o mercado cresça pelo menos dez vezes nos próximos 3 anos. 3 Todos os procedimentos que envolvem a compra pela rede mundial são chamados de e- procurement. Pode ser, por exemplo, homologação, cadastramento de fornecedores, cotação de preços, seleção ou negociação. Estes novos procedimentos eletrônicos permitem combinar compras descentralizadas com um espaço centralizado de mercado, ao transformar sites e portais de compras em market-places virtuais. Na sua primeira seção, este informe discute brevemente alguns conceitos e características dos sistemas de compras eletrônicas. A segunda seção descreve esquematicamente as principais formas de transação realizadas nos sites de compras. Em seguida, nas seções 3 e 4, discutem-se, respectivamente, os modelos mais freqüentes de propried ade e remuneração. Finalmente, na seção 5, comentam-se as principais vantagens destes sistemas de compras. 1- COMPRAS ELETRÔNICAS: O QUE SÃO? As firmas e governos passam usualmente por estágios progressivos de incorporação da Internet aos seus procedimentos de compra. Quando empresas começam a integrar a Internet na sua rotina, além da criação de home pages para o público externo, as primeiras mudanças internas surgem nas formas de comunicação entre funcionários. Em seguida, são alteradas as formas de distribuição e venda dos produtos, bem como os canais de comunicação com outras firmas. Na etapa seguinte, a transformação atinge as relações com os fornecedores, na aquisição dos diversos insumos. Numa etapa posterior, a Internet pode permitir a participação em portais ou bolsas de compras, nas quais os preços das matérias-primas e bens intermediários são determinados de modo bastante dinâmico. Processo análogo tende a ocorrer com os governos. Do ponto de vista interno (isto é, dentro 3 Ver Gazeta Mercantil (9/8/2001). 2 da administração) e no que concerne à aquisição de materiais e serviços 4, a Internet começa sendo usada principalmente como meio de comunicação, interna e externa. Em seguida, os diversos órgãos e departamentos vão progressivamente aumentando seu grau de interação, usando estruturas baseadas na rede para compartilhamento de banco de dados e realização de tarefas comuns. Posteriormente, alteram-se as relações com fornecedores 5, sendo, por exemplo, criados sites para a divulgação de licitações e tomadas de preços. E, em um estágio mais avançado, portais e bolsas de compras são desenvolvidos. Em ambos os casos, tecnologias baseadas na Internet têm substituído a maior parte das tecnologias fechadas que eram usadas anteriormente para ligar as firmas (ou órgãos e departamentos dos govern os entre si e com seus fornecedores) por meio de conexões dedicadas, conhecidas como de tipo EDI (electronic data interchange), ou troca eletrônica de documentos. 6 Sistemas deste tipo já existem há mais de uma década, mas dados os seus elevados custos se restringiam às grandes corporações. Qualquer empresa, organismo ou governo pode aderir aos sistemas baseados na Internet, uma rede aberta. E quanto mais rápida e ampla for a troca de informações, maior o impacto sobre as diversas cadeias produtivas. A discussão sobre modelos e formas de operação pode ajudar técnicos e autoridades públicas a decidir sobre as melhores estratégias de seleção e implantação destes sistemas. 4 Para uma visão geral da evolução dos estágios do governo eletrônico e suas principais funções, bem como uma descrição da experiência brasileira recente ver Informes- SF n. 17 e n. 20, bem como Fernandes e Afonso (2000). 5 Este Informe se concentra nas transformações provocadas pela introdução das novas tecnologias da informação e comunicação nas relações do governo com seus fornecedores, mas evidentemente o impacto da Internet é provavelmente ainda mais considerável nas formas de interação entre governo e cidadãos. Para uma análise interessante sobre questões suscitada pela e-democracia, ver Holmes (2001, cap. 12). 6 Apesar das vantagens que apresenta, a Internet não deverá substituir totalmente as conexões dedicadas nas transações entre empresas e/ou governos. Em alguns casos, por questões econômicas, técnicas ou de segurança, pode ser estrategicamente mais interessante continuar com padrões baseados em EDI. A principal diferença é que no EDI não existe browser para navegação, como é obrigatório na Internet, e a aplicação comunica-se diretamente com a outra aplicação. Sobre o assunto, ver B2B- A Velha Economia Cai na Rede, caderno especial do Valor Econômico (30/11/2000).

3 2- FORMAS DE TRANSAÇÃO NOS SITES DE COMPRAS ELETRÔNICAS Uma empresa ou grupo de empresas (ou, analogamente, um governo ou vários deles associados) pode desenvolver seu próprio site de compras, ou pode utilizar um site ou portal administrado por terceiros. Neste caso, participa dos chamados mercados virtuais, onde compradores e vendedores de diversas empresas se encontram para negócios. 7 Existem cinco modelos básicos de sites de compras eletrônicas, segundo a forma mais corrente de transação correspondente: 8 Agregadores; Hubs ou centros de negócios; Post and Browse ou negociação uma-auma; Leilões; Sistemas Eletrônicos Auto-executáveis. Agregadores- Nos sites tipo agregadores, podem ser encontrados os catálogos de inúmeros fornecedores em um único lugar e com um formato padrão. Ao invés de contactar, por fax, telefone ou correio, uma multiplic idade de fornecedores potenciais, os compradores podem se dirigir a um só site para obter informações sobre produtos e cotações de preços. Este tipo de site funciona bem para produtos que têm um preço relativamente reduzido e que são comprados freqüentemente, mas em pequenas quantidades. Neste caso, não vale a pena renegociar preços a cada transação. Do ponto de vista da formação de preços, sites deste tipo tendem a ser relativamente estáticos. Contudo, eles podem evoluir em direção a maior dinamismo quando passam a oferecer serviços de pedidos de cotação, ou ainda quando a firma solicita, através do site, propostas a uma lista de fornecedores, para produtos específicos, fora dos padrões ou demandados em quantidades não usuais. Os agregadores são, em geral, sites voltados para um setor específico da cadeia produtiva, isto é, são sites verticais. Além disso, as informações devem ser padronizadas por técnicos especializados e por pessoas que dominam a tecnologia. Nos Estados Unidos, grandes portais como e- Chemicals (http://www.e-chemicals.com/) e PlasticsNet (http://www.plasticsnet.com/) ligados à indústria química, começaram como agregadores, passando progressivamente a realizar maior número de transações na modalidade leilão. No Brasil, com uma economia que por longas décadas teve de conviver com um ambiente altamente inflacionário, os catálogos de vendas nunca foram tão correntes quanto nos Estados Unidos. Este aspecto da cultura de negócios do país se reproduz no mundo virtual, onde não são comuns sites que sejam exclusivamente agregadores. As chamadas fábricas de catálogos são ainda relativamente raras no país. 9 Hubs os hubs são nós para onde convergem uma vasta gama de ramificações de uma comunidade de compradores e vendedores. São centros de negócios que não apresentam apenas a soma virtual de catálogos de vendas, mas oferecem anúncios, informações, novidades sobre produtos, discussões técnicas, etc. Podem ser verticais (quando são especializados num só setor produtivo), horizontais (quando oferecem o mesmo tipo de serviço para vários ramos industriais) ou diagonais (quando agregam compradores e vendedores de vários setores interessados em uma categoria de produto). Os hubs podem ter mecanismos de leilões para itens demandados em larga escala mas não muito freqüentes, ou, inversamente, leilões que agregam lotes de compradores para produtos demandados em pequena escala, mas com grande freqüência. Neste caso, eles podem ter dispositivos chamados de agregadores de demanda. Eles estocam ordens de compras, para um mesmo item, de diversos compradores, que participam juntos de um único leilão. Podem também oferecer outros tipos de serviços, como bolsa de empregos especializados no setor, seguro, financiamento, etc. A tendência usual é a expansão dos hubs para grandes portais onde ocorram outras formas de negociação, como o leilão reverso. No Brasil, o site JewelBrazil (http://www.jewelbrazil.com.br/) é um exemplo de hub vertical, que tem espaços de negociação do tipo post and browse e leilão, mas que é antes de tudo um centro de negócios para o setor de pedras preciosas. Um grupo de 50 empresas de capital nacional criou o portal que se assemelha a outros já em operação no mundo como o Thai.Gem (http://www.thaigem.com/) e Jnet.com 7 Ver Conjuntura Econômica (jan/2001: 34). 8 Scully e Woods (pp. 34 e 73-91). 3 9 Ver Os Entraves ao crescimento dos negócios na web (Gazeta Mercantil, 27/9/2001).

4 (http://www.jnet.com/). Existem muitos outros em diversos setores. 10 Outro exemplo de hub vertical é o portal (http://www.totalchem.com.br/), voltado para a indústria química. Um exemplo de hub horizontal brasileiro é o Mercado Eletrônico (http://www.mercadoeletronico.com.br/), que também oferece mecanismos de transação mais complexos, mas que funciona basicamente como centro de negócios, trazendo, de modo padronizado, catálogos, cotações de preços, tomadas de preços, ratings de firmas, serviços de logística, de auditoria, de compras conjuntas, notícias, anúncios, etc, para vários setores diferentes da economia. Post and Browse ou negociação uma-a-uma- Estes sites são basicamente uma sala de encontro para compradores e vendedores pré-qualificados que iniciam as negociações anonimamente, mas concluem o contrato através de comunicação direta. Nesta modalidade, compradores e vendedores enviam para o site mensagens expressando o interesse em comprar ou vender uma determinada categoria de produto. Depois do encontro através do site, as partes continuam a negociação entre si. Apenas membros previamente autorizados podem participar do sistema. Nos grandes portais deste tipo, a Internet possibilita que compradores e vendedores de todo o mundo participem on-line. Este é o mecanismo indicado para mercados muito fragmentados, com produtos que não podem ser padronizados e que envolvem contratos de compra e venda muito específicos. Muitas vezes, a própria Internet acaba contribuindo para a organização destes mercados, que vão progressivamente se movendo para contratos mais padronizados que possam ser tratados de modo mais automatizado. Este modelo tem funcionado bem, por exemplo, no setor de resseguros, onde cada contrato envolve riscos muito específicos. Nestes casos é muito difícil preparar contratos padronizados que possam ser negociados automaticamente, mas é possível expressar, numa fase inicial, anonimamente, intenções de compra ou venda de seguro de uma determinada categoria. Bons exemplos deste tipo de mecanismo de post and browse são os portais americanos Catex (http://www.catex.com/) e CreditTrade (http://www.creditrade.com/ ) O primeiro especializado em seguros, e o segundo, em derivativos. 10 Ver Gazeta Mercantil, 13/9/ Como nos outros casos, em torno do mecanismo principal de negociação, vão sendo progressivamente agregados outros tipos de serviço, como informação sobre os produtos, suporte jurídico, serviços de certificação e auditagem, entre outros. Leilões- Talvez uma das grandes inovações introduzidas pela Internet nas transações das mais variadas cadeias de suprimento seja a possibilidade de realizar leilões virtuais, nas quais não se exige a presença física de compradores e vendedores, com relativa facilidade operacional, em pouco tempo e com custos bastante reduzidos. Podem-se dividir os leilões em dois grandes grupos: os leilões de compradores e os leilões de vendedores. 11 No primeiro grupo, os vendedores anunciam, na Internet, a lista de itens que estão à venda, e os compradores competem entre si para apresentar a maior proposta de preço. A vantagem da Internet, nesse caso, é que ela permite atingir um número muito maior de potenciais compradores. Pequenos e médios empresário s, por exemplo, que teriam dificuldade para estar presentes fisicamente em leilões em outra região, podem participar deste modo. O sistema funciona muito bem para produtos únicos e diferenciados, mas que ao mesmo tempo possam ser facilmente identificados. Ele tem sido muito usado para liquidar excesso de estoque e também para vender sucata. Um exemplo deste tipo de leilão no Brasil é o Supermaterial, (http://www.supermaterial.com.br/) voltado para o setor de materiais e equipamentos pesados. Com este tipo de leilão on-line, uma alternativa se abre para os chamados materiais inservíveis- como sucatas de cobre e zinco e máquinas paradas- das muitas empresas espalhadas pelo país. A Internet pode permitir, por exemplo, que empresários da região norte, por questões logísticas, acabem se interessando por lotes específicos, participando de leilões, que antes se concentravam na região sudeste, porque exigiam a participação física dos interessados. 12 O segundo tipo de leilão é o chamado leilão reverso. Neste caso, o preço tende a cair ao longo do tempo, na medida em que se aproxima o final do leilão. Este tipo de leilão favorece claramente os compradores. Estes declaram, no site, o que 11 Para uma classificação mais extensa dos diversos tipos de leilão e exemplos deles nos Estados Unidos, ver The Auction Model (Wyld: 2000). 12 Ver Gazeta Mercantil (9/8/2001).

5 querem adquirir, e os vendedore s competem entre si para proporem o menor preço. Normalmente, os itens a serem leiloados são divididos em lotes, e o número suficiente de fornecedores é admitido para que haja de fato algum grau de competição. Quase sempre, há um algum mecanismo de pré-seleção dos fornecedores realizado pelo site ou portal, para dar alguma garantia de que poderão efetivamente honrar os lances dados. Freqüentemente, instituições financeiras também participam das operações, fazendo seguros e dando garantias. Estes sites são apropriados para commodities, que podem ser perfeitamente especificados e para os quais existe um grande número de potenciais fornecedores. Como nos outros modelos, estes sites também costumam oferecer uma vasta gama de serviços complementares, para um setor específico (tipo vertical), ou para setores diferentes da economia (tipo horizontal). Nos Estados Unidos, um grande portal do primeiro tipo é o e-steel voltado para o setor metalúrgico, e do segundo, é o FreeeMarkets (http://www.freemarkets.com/) onde são negociados quase 200 tipos de bens e serviços. Outro exemplo de peso é o VerticalNet (http://www.verticalnet.com/), que tem mais de 60 tipos de marketplaces em setores que vão desde a indústria aeroespacial ao setor de tratamento de resíduos sólidos. Sistemas Eletrônicos Auto-executáveis- Este modelo se caracteriza por combinar automaticamente, em base contínua, as intenções de compra e venda. Nestes sistemas acontecem o tempo todo leilões bi-direcionais, com um grande número de compradores e vendedores, gerando um processo de formação de preços totalmente dinâmico. As propostas de ofertas e as demandas de cotação podem ter um preço limite fixo ou serem determinados totalmente pelo mercado. O sistema verifica que ordens foram recebidas e verifica se é possível encontrar imediatamente contra-ordens correspondentes. Caso contrário, ele estoca as ordens, até que surja uma contraproposta equivalente. Em geral, este tipo de sistema dá prioridade ao melhor preço, e, no caso de preços iguais, o que vale é a ordem de chegada das propostas. Este tipo de sistema é apropriado para apólices, letras de câmbio, certificados de depósitos, 5 debêntures e outros títulos negociáveis, bem como para qualquer outro tipo de papel ou mesmo bem ou serviço que seja totalmente padronizado e que tenha alta liquidez. 13 Uma grande vantagem da Internet para este tipo de transação é que para estes sistemas é relativamente fácil manter a anonimidade dos usuários. Em mercados muito líquidos e voláteis, esta é uma característica importante, pois conhecer a identidade de quem está comprando ou vendendo pode afetar significativamente os preços. No Brasil, uma tentativa importante de trazer para os meios ele trônicos as operações de balcão é o Sisbex- Sistema de Negociação de Títulos Públicos e Outros Ativos da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (http://www.bvrj.com.br/). Desde agosto o Sisbex foi ampliado para permitir também negociações eletrônicas de câmbio e registra atualmente um giro diário de 25% do volume total. Existem ainda dois outros importantes sistemas em operação no país: o mercado de derivativos da BM&F (http://www.bmf.com.br/) e o Megabolsa da Bovespa (http://www.bovespa.com.br/). Vale ressaltar que no caso da BM&F. o sistema GTS (de Global Trading System) é uma plataforma eletrônica por meio da qual os associados da Bolsa podem operar eletronicamente todos os mercados por ela oferecidos à negociação, além de oferecer interligação com outras bolsas para negociação de produtos disponíveis na rede internacional formada por diversas bolsas e chamada de Aliança Globex. São elas: Chicago Mercantile Exchage, Paris Bourse, Montreal Exchange, Singapore Exchange-Derivatives Trading e MEFF (espanhola). Recentemente, foi criada a Bolsa Transcontinental de Commodities- Transmerx (http://www.transmerx.com.br/). As transações desta bolsa de mercadorias são totalmente via Internet. Trata-se da primeira bolsa digital de commodities no mundo, e as empresas participantes poderão, a partir de fevereiro de 2002, comercializar desde sementes até ações de seqüestro de carbono para empresas poluidoras Figueiredo e Fachada (2001) lembram que nos Estados Unidos as transações eletrônicas de câmbio, já representavam, em junho de 2001, cerca de 87% do volume transacionado, ao mesmo tempo em os sistemas totalmente eletrônicos represen tam uma fatia crescente de transações, especialmente no mercado de derivativos, onde correspondem a 25% dos negócios, e no mercado de ações, particularmente para os papéis listados na Nasdaq. 14 A bolsa está no momento em fase de implantação e venda de títu los patrimoniais. A operação da Transmerx só é feita através de seus sócios membros autorizados (sócios patrimoniais).

6 O portal Transmerx oferta, negocia, vende, registra, transfere e liquida contratos mercantis e suas frações, certificados, títulos, obrigações, etc. Além das garantias das firmas vendedoras e compradoras operando na bolsa, também participarão nas garantias do sistema Transmerx seguradoras e resseguradoras, sociedades corretoras e outras instituições financeiras garantidoras. O sistema de garantias cobrirá operações de curto, médio e longo prazos nos negócios do mercado interno e nas exportações. O desenvolvimento de sistemas eletrônicos de negociação tem conseqüências importantes, especialmente para o setor financeiro. Diversos estudos de bancos centrais e órgãos supervisores apontam como sendo as principais: 15 geram menores custos de transação que aqueles referentes aos sistemas tradicionais; são mais eficientes comparados os percentuais de ordens executadas e o tempo médio de execução; facilitam a supervisão por bancos centrais e órgãos de controle; reduzem o risco da contraparte central, ou seja, as liquidações são protegidas por câmaras, praticamente eliminando o risco de crédito e alavancando os volumes de negócios. Sobre este ponto, vale lembrar que a introdução do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), em abril de 2002, deve ampliar os volumes transacionados por favorecer as transações eletrônicas no país, pois o sistema passará a ser protegido por câmaras de ativos, mitigando o risco de crédito MODELOS DE PROPRIEDADE 17 Quanto a quem é o proprietário do portal ou das bolsas de compra e quem pode negociar nelas, podem-se distinguir quatro modelos básicos de propriedade: de um só grupo de usuários, com número de sócios limitados; de múltiplos grupos de usuários e com subscrições abertas; de um ou mais investidores, com adesão aberta; do governo. Em geral, todos os portais ou bolsas de compra têm alguma forma de pré-seleção ou préqualificação dos participantes. Os critérios podem ser, por exemplo: estar em dia com o fisco, a previdência, a legislação trabalhista; ter um determinado montante de capital; ter determinados certificados, etc. Esta préqualificação vai depender basicamente do tipo de modelo de propriedade e acesso. No primeiro caso, portais ou bolsas de compras pertencentes a um grupo de usuários com acesso restrito, novos membros geralmente têm de comprar uma participação no negócio, como um assento ou título de clube. Também é comum, algumas firmas de um determinado setor se juntarem para realizar conjuntamente suas compras, constituindo para isso um portal unificado. Em ambos os casos, o acesso é restrito aos proprietários-usuários. Um outro tipo de portal é aquele em que o acesso é aberto, ainda que apenas alguns usuários sejam proprietários. Isto significa que aqueles que usam o portal ou bolsa de compras não são necessariamente sócios do negócio, embora quase sempre tenham de ter uma licença para negociar no portal e usar os seus serviços. No terceiro tipo, propriedade de um ou mais investidores com acesso aberto, a participação nas negociações também não tem nada a ver com a propriedade do portal. As duas atividades são completamente independentes, ainda que muitos destes negócios tenham se formado a partir da expertise de alguns consultores especializados em um determinado setor. No quarto tipo, a propriedade e, freqüentemente, a administração são do governo. Neste grupo podem estar desde os pequenos sites ou portais de vendas por catálogos que alguns governos administram para fomentar micro e pequenas empresas, até as bolsas de valores autoexecutáveis que são propriedades do Estado. No entanto, os exemplos mais bem sucedidos são as bolsas de compra governamentais usadas para aquisições de bens e serviços para os diversos órgãos e departamentos do governo. 15 Ver Figueiredo e Fachada (2001). 16 Para maiores informações sobre o SPB, ver (http://www.bancocentral.gov.br/). 17 Ver Scully e Woods (cap. 5). 6

7 4- MODELOS DE REMUNERAÇÃO 18 Os serviços prestados pelas bolsas eletrônicas de compras podem ter diversos tipos de remuneração. Uma das formas mais comum é a cobrança de um percentual sobre o valor das transações realizadas através dos portais. Em geral, é estabelecida uma taxa mínima, bem como um teto máximo para o caso de grandes transações. O problema é que em estágios iniciais a cobrança de taxas sobre o valor de transações tende a desencorajar novas adesões aos portais. Estas taxas também tendem a ser ineficazes no caso de portais onde prevalecem as negociações do tipo uma-a-uma (post and browse ). Elas podem acabar incentivando a prática de usar o portal apenas para estabelecer contacto, mas contorná-lo na hora de fechar o contrato. Para evitar este tipo de dificuldade, muitas bolsas de compra usam o dispositivo de só revelar a identidade das partes após elas terem concluído o acordo e comunicado seus termos de fechamento à bolsa. Algumas bolsas cobram uma taxa não sobre o valor transacionado, mas sobre os custos economizados com o uso do sistema eletrônico. Este tipo de taxa, contudo, só pode ser calculado sobre períodos relativamente longos e tende a diminuir com o passar do tempo. Outro tipo de remuneração é a taxa de adesão ou cadastramento e a taxa de manutenção anual ou taxa de renovação de cadastro. As bolsas podem ainda ceder espaços publicitários, ou ainda permitir a difusão de mensagens publicitárias para seus usuários, quando estes concordam explicitamente que suas referências sejam cedidas a terceiros. Também são cobrados os serviços como hospedagem e difusão de catálogos; taxa para recebimento de informações, boletins periódicos e outros serviços afins; bem como serviços de consultoria e análise de mercado, a partir dos dados gerados pelo funcionamento das próprias bolsas. Finalmente, algumas bolsas são mantidas com renda gerada pela venda a outras empresas do software desenvolvido para sua instalação. Plataformas bem sucedidas podem ser replicadas em outros mercados, setores ou países, gerando renda com licenças pelo uso do software. 5- AS VANTAGENS DOS SISTEMAS DE COMPRAS ELETRÔNICAS Hoje em dia, outros meios de comunicação dificilmente podem competir com a Internet em termos de tempo e baixo custo na transmissão de informações. Associado à relativa facilidade de compartilhá-las através de redes, isto tem gerado uma redução considerável nos custos operacionais da aquisição de insumos, que tende a se espalhar por toda a cadeia produtiva. O outro grande benefício dos sistemas eletrônicos de compras baseados na Internet é a possibilidade de ter associados, ao mesmo tempo, um elevado grau de descentralização nas decisões de compra e um espaço único de negociação. Mercados virtuais não necessitam de instalações físicas, como o prédio do pregão de uma bolsa de mercadorias ou de valores, nem da presença física de compradores e vendedores, para criar um espaço centralizado de negociações. Por isso, tendem a ser muito mais competitivos. Permitem um número maior de participantes, especialmente de pequenas e médias empresas, que por razões de custo talvez não tivessem acesso às negociações. Ampliam também os limites geográficos das transações, que muitas vezes passam a ser mundiais. Tais mercados geram transparência das transações e processos de formação de preço mais dinâmicos. O fato das negociações serem automatizadas e anônimas faz com que se reduzam as ineficiências desses mercados. Além disso, os volumes negociados aumentam expressivamente, e surgem novos mecanismos de fixação de preços, como os leilões bi-direcionais auto-executáveis. Estes sistemas têm também várias vantagens do ponto de vista da gestão das compras. Eles facilitam a constituição de históricos de formação de preços para cada produto e possibilitam uma gama de informações gerenciais pós-negociação extremamente úteis em termos de logística. Eles também facilitam a pré-qualificação dos fornecedores e aumentam a neutralidade dos processos de compras. A utilização da Internet nas compras tem ainda um considerável impacto no que tange à organização interna das empresas, principalmente quanto: integração dos sistemas internos de transporte, armazenagem e estoque; e difusão de instrumentos de trabalho e administração. 18 Ver Scully e Woods (cap. 8). 7

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 35 janeiro 2002 GOVERNO ELETRÔNICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS PELA INTERNET: vantagens e desafios

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 35 janeiro 2002 GOVERNO ELETRÔNICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS PELA INTERNET: vantagens e desafios INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 35 janeiro 2002 GOVERNO ELETRÔNICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS PELA INTERNET: vantagens e desafios Muitos governos já estão utilizando a Internet para

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel

O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 BNDES FINAME BNDESPAR O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel INTRODUÇÃO O desenvolvimento dos mercados possibilitou para o setor papeleiro

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Mercados eletrônicos Os mercados facilitam a troca de: Informações Bens Serviços Pagamentos

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Adequação dos Fornecedores

Adequação dos Fornecedores Melhores Práticas em E-Procurement Adequação dos Fornecedores Paulo Afonso dos Santos Abril, 2005 Promover o fortalecimento das competências tecnológicas Adotar práticas de e-business visando a redução

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

A consumerização do comércio multi canal B2B

A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização de TI é um assunto em evidência pelo fato de as organizações estarem sob crescente pressão para abrir as redes corporativas aos dispositivos

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos.

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. 1 2 Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. O comércio eletrônico é um gigante que movimentou no comércio

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Como Ingressar nos Negócios Digitais

Como Ingressar nos Negócios Digitais Como Ingressar nos Negócios Digitais Resenha do livro por seu autor Eduardo Mayer Fagundes Os dirigentes de empresas mais atendo às mudanças da economia digital estão preocupados e trabalhando para transformar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro NEWS RELEASE Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro Langley, Reino Unido, 12 de junho de 2014: A Travelport, empresa líder no segmento de comércio de viagens, que oferece

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais