Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG. BN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN 1518-6091 RG. BN 217.147"

Transcrição

1 Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG. BN Ed

2

3 Palavra do Diretor Consolidar ganhos e gerar mais produtividade o momento é agora Como parte de nossa responsabilidade em mantermos nosso país no rumo do desenvolvimento, através do aumento constante de nossa produtividade, tarefa que em 2006 reiniciamos com muito ânimo e novas perspectivas, devemos consolidar as conquistas do ano passado. Igualmente importante será nossa escolha do futuro presidente do país, o que comporta uma série de variáveis que nos toca a todos. O desafio não é pequeno. Somente através do ganho de produtividade seremos capazes de gerar riquezas para nosso país e, por conseqüência, termos uma distribuição de rendas mais justa e equilibrada. Quando falamos de aumentos reais de salários, temos que considerar que a única forma de conseguirmos isso é através do aumento de nossa produtividade, pois só assim compensaremos o aumento de nossos custos. Pois bem, é aí que podemos fazer a diferença! Para nós, da Sandvik Coromant, 2006 chega repleto de novidades e de novas Foto: P. Y. Refalo Nossa prioridade no entanto é fazer com que estes ganhos potenciais, gerados pelos nossos novos produtos, cheguem até nossos clientes cada vez mais rapidamente e de forma eficiente, gerando assim os resultados esperados. conquistas, como podemos ver nesta edição. Nossa nova classe para usinagem de aço GC 4225 é o melhor exemplo de como podemos aumentar nossa produtividade e atingirmos os objetivos acima citados. Uma classe com desempenho excepcional que certamente trará ganhos de produtividade na usinagem de nossos clientes. Adicionalmente a esta nova classe, estamos consolidando a introdução de nossa broca Corodrill 880, novas geometrias, novas classes para fresamento, etc. Nossa prioridade no entanto é fazer com que estes ganhos potenciais, gerados pelos nossos novos produtos, cheguem até nossos clientes cada vez mais rapidamente e de forma eficiente, gerando assim os resultados esperados. Toda nossa equipe está preparada para realizar testes e simulações em nossos clientes, comprovando assim o ganho que nossos produtos podem proporcionar, e quanto antes fizermos isso, mais cedo os resultados poderão ser usufruídos. Este é um desafio que não é só nosso, pois o trabalho deve ser realizado em conjunto com nossos clientes, e o desejo de ganharmos produtividade deve ser comum a ambos. Vamos então ao trabalho. Não deixemos para amanhã o ganho que podemos gerar hoje! Um forte abraço e um excelente Cláudio José Camacho Diretor - Coromant

4 04 Índice Capa Foto: Luciano Andrade/Criação: Arte Gráfi ca 22 Gestão Empresarial Gestão Empresarial O esperado e o inusitado: Olsen supera expectativas Para muitas pessoas as visitas ao dentista e procedimentos cirúrgicos são momentos difíceis. Para a Olsen S/A, tornar o tratamento odontológico, médico, oftalmológico e ginecológico o mais confortável possível, vai muito além de um objetivo. 06 Suprimentos E Suprimentos chegou ao século XXI No século passado, mais precisamente na década de 80 e parte da década de 90, o Setor de Suprimentos era visto como o Departamento de Compras e por isso trabalhava como tal, independente e distante dos demais setores das empresas, procurando sempre obter o preço mais barato nem que fosse preciso comprar além do que precisava Ponto de Vista Tomando partido em pág. 12 Empreendedores Empreendedorismo na prática... pág. 14 OTS Haas inaugura loja de fábrica... pág. 30 Movimento... pág. 37 Contatos... pág. 38

5 05 Editorial Publicação bimestral da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil S.A., ISSN RG.BN SANDVIK DO BRASIL Presidente: José Viudes Parra DIVISÃO COROMANT Diretor Coromant Cláudio José Camacho Gerente de Marketing e Treinamento Francisco Carlos Marcondes Coordenadora de Marketing Heloisa Helena Pais Giraldes Assistência ao Marketing Cibele Aparecida Rodrigues dos Santos Daiane Miranda Conselho Editorial Nivaldo L. Coppini, Adriano Ventura, José Carlos Maciel, Tadeu B. Lins, Francisco C. Marcondes, Roberto Saruls, Heloisa H. P. Giraldes, Marlene Suanno, Aryoldo Machado, José Edson Bernini e Fernando G. de Oliveira, Vera L. Natale Coordenadora da publicação Vera Lúcia Natale Editoria: Depto. de Marketing da Divisão Coromant Responsável: Francisco C. Marcondes Jornalista responsável Heloisa Helena Pais Giraldes MTB Propaganda: Gerente de contas Thaís Almeida Viceconti Tel.: (11) Cel.: (11) Editoração: RS 2 Comunicação Revisor: Fernando Sacco Gráfica: Type Brasil Tiragem: exemplares Promessas de ano novo são tidas, normalmente, como palavras ao vento. A OMU inicia o ano novo sem nenhuma promessa e, como sempre, acompanhada daqueles que cumprem sua parte no desenvolvimento deste país. Neste número oferecemos a nossos leitores a clareza de quem acredita que a melhoria da competitividade dos produtos brasileiros nos fará conquistar mais e mais do mercado internacional, ali oferecendo qualidade compatível com os mais altos níveis de exigência. Nosso parque industrial tem a seu dispor uma vasta opção de máquinas-ferramenta, como nos demonstra o novo outlet da Haas Sartiec. As linhas de pesquisa e desenvolvimento disponibilizam novas famílias de pastilhas e ferramentas de alta performance. Parcerias, disciplina, empreendedorismo e muita dedicação colocam empresas como a Olsen Odontomédica, de Santa Catarina, no topo do benchmarking industrial, ao lado das melhores empresas do mundo em seu ramo. Tudo acompanhado da consciência de que o passado nos ensinou a não mais confundir compras com Suprimentos e que empreendedorismo pode sim ser ensinado nos bancos escolares. O Mundo da Usinagem vem acompanhando todos os avanços de nosso campo de interesse e para ser cada vez mais participante das atividades de nossos leitores, a partir deste ano de 2006 nossa revista será bimestral, distribuída nos meses de Fevereiro, Abril, Junho, Agosto, Outubro e Dezembro. Temos certeza que este será mais um ano de convivência profícua, em busca da melhoria contínua. Av. das Nações Unidas, Santo Amaro - São Paulo - SP CEP

6 06 Suprimentos E Suprimentos chegou ao século XXI No século passado, mais precisamente na década de 80 e parte da década de 90, o Setor de Suprimentos era visto como o Departamento de Compras e por isso trabalhava como tal, independente e distante dos demais setores das empresas, procurando sempre obter o preço mais barato nem que fosse preciso comprar além do que precisava A esta prática dava-se o nome de compras econômicas oportunistas ou, ainda pior, de compras estratégicas. Este comportamento levou muitas das empresas na época a manterem em seus estoques matérias-primas muito dispendiosas e caras. Com a globalização da economia, nossos estoques passaram a ficar ainda mais caros, principalmente após a liberalização das importações, implantada pelo governo Collor, que serviu para nos mostrar uma nova realidade. Algumas empresas, de médio e pequeno porte, tiveram que fechar suas portas pois o preço das matérias-primas locais era quase o dobro quando comparado com o que se trazia de fora. A tão famosa política protecionista, que imperava até esta recente abertura dos Portos, fez com que as empresas não se preocupassem muito com os processos produtivos e/ou com a evolução da produtividade dos equipamentos, que eram e se tornavam cada vez mais obsoletos e sucateados. Não havia a preocupação da troca por equipamentos mais modernos e melhores, uma vez que podíamos passar para o preço do produto acabado toda a nossa ineficiência. Esta prática protecionista também fez com que os famosos Setores de Compras ficassem, igualmente, por um bom tempo trabalhando de forma ineficaz, e tendo como única e exclusiva política o papel de comprar pagando mais barato. Com a chegada dos R3, famosos ambientes integrados (SAP, Oracle, Data Sul, etc), começamos a experimentar algo novo e que ainda parecia ser um modismo e que todos acreditavam que não fosse pegar. Eram sistemas muito caros e difíceis de implementar. Nesta época então experimentamos de tudo, desde os MRPs caseiros (IBMs) até softwares independentes que procuravam nos mostrar nossa ineficiência, prometendo muito e deixando sempre muito a desejar. Com o tempo aquilo que achavamos ser passageiro, pegou. Eram verdadeiros exércitos de consultores trabalhando nas empresas, tentando empurrar pacotes e, por sua vez, as empresas comprando softwares sem muito saber quais

7 seriam as vantagens e se ocorreriam os tão anunciados benefícios. Realmente foi a era de ouro para as grandes coorporações, que gastavam alguns milhões de dólares para ter em sua empresa os já tão famosos, sonhados e anunciados R3. As empresas de consultoria e de implementação de softwares surgiam às centenas, tendo sérios problemas para adaptar, ou configurar os softwares (na maioria estrangeiros), para atender à nossa fácil e descomplicada Legislação fiscal pois, diferentemente da maioria dos outros países, temos impostos e taxas a perder de vista. Finalmente foram implementados e com sucesso. Mostravam sua eficiência e muita gente boa perdeu seu emprego sendo substituído pelos famosos R3. Era a época do tão famoso Downsize. Após a implementação dos R3 (Ambientes Integrados) começava então uma nova onda e já se ouvia falar da onda do Supply Chain. Isto ocorreu no final do Século XX, por volta dos anos 1998 e Era e é uma ferramenta poderosa que, se bem utilizada, prevê e nos mostra onde podemos aumentar os lucros e ter retorno bastante compensador para quem o implemente. Veio então, a seguir, o que eu chamo de uma revolução no conceito de Compras e que finalmente iria mexer com os famosos senhores feudais. A Cadeia de Supply Chain, (traduzida erroneamente como Cadeia de Logística), se fundamenta basicamente no Planejamento. Planejamento da Produção, Planejamento de Compras (estoques), Planejamento de Expedição e Entrega no seu cliente, Planejamento da Logística interna e externa e Planejamento das mercadorias que devem retornar, o que é chamado de Supply Chain Reverso. Ela vai além do nosso sistema tradicional e avança Foto: Arquivo Alba Adesivos Acyr Ragugnetti visitando uma das plantas. O Mundo 07 da Usinagem

8 Suprimentos para dentro do Fornecedor do meu Fornecedor, procurando atuar em todos os pontos da cadeia, desde o recebimento da matéria-prima, do pedido do cliente, até a sua entrega perfeita a ele (Perfect Orders). O Setor de Compras então iniciava uma nova jornada e passava a ter realmente maior importância pois deixava de atuar de forma estanque e isolada para se reunir nos famosos times de S&OP (Sales and Operational Planning) criados então e mantidos até hoje. Estes times de S&OP se reúnem semanalmente para analisar a vida do cliente, as tendências de vendas e colocam em uma única sala, numa reunião comum, todas as áreas envolvidas com uma finalidade única de atender ao cliente da forma mais rápida, eficaz e com menor custo, fazendo as correções de percurso necessárias. O Setor de Compras então passou a fazer parte destes times e começou a ter papel de grande importância nas decisões e nestas correções de rumo. Passou a ser visto também como um ponto de entrada de informações importantes que se dá através de fornecedores comuns, que trazem e levam informações preciosas do mercado e para o mercado. Trazem notícias de tendências, de produção, de lançamentos, de novidades de embalagens existentes e de novas opções de fornecimento. Os homens do Setor de Compras passaram a encarar a atividade de forma diferente do passado e estão, hoje, sempre buscando agregar mais valor e maior economia em todos os pontos da cadeia produtiva. Compras passou a trabalhar em conjunto com o pessoal de P&D A Alba Adesivos, parte do grupo Hexion Química, que conta com 86 fábricas distribuídas por 18 países da América, Europa e Ásia, é uma empresa líder na fabricação de colas e adesivos e atua nos segmentos madeireiro & moveleiro, construção civil, Do it yourself (artesanato e escolar). No portfólio da Alba Adesivos estão incluídas marcas-líderes, tais como Cascola, Cascorez, Durepoxi, Flexite, Cascolar entre outros produtos. Com 153 funcionários, está localizada em Boituva-SP, com 11 mil m 2 de área construída em um terreno de quase 50 mil m 2. Certificada ISO 9001 Versão 2000 pela BVQI, a Alba Adesivos, além de atender a todos os dispositivos legais brasileiros a respeito do meio-ambiente, segue a política internacional de HSE sou SHE, (Safety, Health and Environmental) e participa como membro da Abiquim e do Programa Responsible Care. A empresa está envolvida em projetos comunitários, como a ABRINQ, Doutores da Alegria e o Projeto da Fundação do Bem Estar da Criança e do Adolescente do município de Boituva-SP. (Pesquisa e Desenvolvimento) e a ser um grande aliado dos Gerentes de Produto e de Marketing, mostrando e informando as novidades, oportunidades e mostrando as alternativas de novas embalagens e novos produtos. As empresas se deram conta da grande importância de haver uma perfeita integração entre todos os setores, (produção, compras, vendas, planejamento, distribuição, contabilidade, fiscal, custos, etc.) e que antes trabalhavam de forma estanque, cada uma tentando obter resultados individuais e departamentais, e passaram a promover esta integração. Foi bastante complicada a mudança pois ela exigia, primeiramente, a mudança de cultura, algo que demora a acontecer. Foram feitos treinamentos com equipes especializadas, onde se viam homens de mãos dadas e chorando como crianças, nos famosos feedbacks. Passaram-se quase 5 anos para que esta integração, realmente, se tornasse realidade e para que os objetivos departamentais fossem superados em prol dos objetivos e resultados da empresa. As empresas perceberam o grande valor de uma compra bem feita e que, ao se comprar errado (maior ou menor quantidade), o resultado pode ser catastrófico. Na maioria das indústrias químicas, a matéria-prima e o material de embalagem representam de 85% a 95% do custo do produto, mostrando então que todo e qualquer erro, em uma compra, poderá ser o diferencial entre ter lucro ou amargar no prejuízo. O Mundo 08 da Usinagem

9

10 Suprimentos Hoje não se fala mais em comprar produtos de qualidade, pois isto é condição mínima exigida de um fornecedor. Custos antes vinculados à compra de determinados produtos (análises de qualidade, devoluções, retrabalhos) já estão sendo cobrados dos fornecedores ou descontados das faturas a serem pagas. Alianças Estratégicas e contratos com fornecedores foram praticamente os últimos passos para a quebra de paradigmas e para que a mudança cultural realmente ocorresse nos compradores do século passado. Hoje temos fornecedores que comandam os nossos estoques, através de seus sistemas, colocando os famosos VMI (Vendor Managed Inventory) e não deixando que nossas linhas de produção sofram interrupção e/ou paradas por desabastecimento. Hoje estes serviços são necessários para que você continue na disputa deste mercado de competição tão acirrada. Temos hoje que buscar obter savings em todos os pontos da cadeia, desde suprimentos até a saída do lixo, e isto só é possível quando você trabalha com fornecedores íntegros e capazes e com uma equipe motivada. A relação com os nossos fornecedores é franca, transparente e honesta, porém sem perder sua integridade moral e ética. Quando você trabalha em compras você acaba fazendo e tendo relacionamento estreito e amigável junto aos seus fornecedores, que passam a também ser alguém próximo de você. O cuidado que se deve ter sempre é o de não ficar muito amigo e acabar dando notícias que você não quer que sejam passadas aos seus concorrentes. O Setor de Relações Humanas, portanto, tem e deve ter papel fundamental neste contexto. Ao tratar bem seu funcionário, com uma política adequada e justa, você terá mais chance de vencer pois terá um aliado e mais um vendedor de seus produtos em sua empresa. Acyr Ragugnetti Supply Chain Manager AlbaAdesivos Ind.e Com. Ltda. Hexion Specialty Chemicals Scanner

11

12 12 Ponto de Vista Tomando partido em 2006 Sem dúvida nenhuma o ano de 2005 foi marcado na área econômica pela surpreendente apreciação da moeda brasileira frente a outras moedas como o dólar e o euro. Claramente, parte desse efeito se deveu às altíssimas taxas de juros praticadas pelo Banco Central brasileiro na busca pela meta de inflação acordada com o Banco Mundial mas, sem dúvida, as exportações também tiveram seu papel decisivo no superavit da balança comercial, trazendo muitos dólares para nossa economia. O lado positivo desse cenário é o de que os fundamentos da economia brasileira finalmente parecem estar nos trilhos, a ponto de alguns analistas até arriscarem dizer que nossa economia está blindada diante do conturbado ambiente político nacional e seus mais recentes escândalos. Por outro lado, contudo, os juros altos dificultam o acesso ao crédito, limitando os financiamentos e, desta forma, emperrando o desenvolvimento. Sob esta realidade é que começa o ano de Trata-se de um ano de eleição que certamente trará mais provas de fogo para a economia, o que coloca uma responsabilidade muito grande nos ombros de nós, eleitores brasileiros, que buscamos o desenvolvimento do país através do crescimento econômico, dos investimentos em produção e da conquista de mercados internacionais pelo aumento das exportações. Vale salientar que nossa responsabilidade pelo desenvolvimento do país não termina na escolha correta e consciente de nossos dirigentes políticos. Ela vai além disso, estando presente no nosso dia-a-dia, nas decisões que afetam a melhoria da competitividade das empresas em que trabalhamos. Este ambiente delicado e cada vez mais competitivo torna ainda mais importante a racionalização da produção. Análises envolvendo a diminuição do número de paradas e diminuição dos tempos de preparação das máquinas de produção, o aumento da produção de peças por tempo de trabalho e a diminuição dos custos unitários de produção são imprescindíveis para qualquer empresa que deseja crescer e conquistar novos clientes e novos mercados. Através do emprego de análises financeiras focadas no custo vs. benefício e das conclusões advindas dessas análises residem grandes oportunidades de melhoria da competitividade que possibilitarão às empresas romperem barreiras e atingirem novos patamares de excelência, conquistando novos clientes. Os mercados consumidores mundiais estão abertos e cada vez mais acessíveis a todas as empresas e enquanto alguns se queixam da invasão de produtos estrangeiros de baixa qualidade, outros se preocupam em melhorar a competitividade dos produtos brasileiros para conquistar mercados como o americano, o europeu e, porque não, até mesmo o chinês. Em 2006, de que lado você estará? Luiz Manetti Diretor Financeiro da Sandvik do Brasil Ilustração: RS 2

13

14 14 Empreendedores Empreendedorismo na Prática O que é ser empreendedor? Ilustração: RS 2 Segundo algumas pessoas, é abrir sua própria empresa. No entanto, é possível encontrar profissionais que abriram suas próprias empresas porque foram vítimas de um processo de terceirização. Por exemplo, a empresa chama o gerente de informática, e comunica que ele deverá abrir uma empresa de serviços de informática, se quiser continuar trabalhando. O pobre gerente não tem alternativa a não ser virar empresário. Seria ele um empreendedor? Parece que não. Para ser um empreendedor, o empresário precisa ter aberto a empresa porque quis, não porque tenha sido pressionado por uma realidade alheia a ele próprio. Para outros, é empreendedor quem é o seu próprio chefe. Se eu sou o dono do meu nariz, eu sou empreendedor. Neste caso, se eu optei por viver na praia, surfando e pescando, eu sou um empreendedor, porque sou meu próprio chefe. A muitos parece, também, que é necessário realizar algo arriscado para ser empreendedor, independentemente de se ter um chefe. O empreendedor poderia ser identificado por sua ousadia e coragem. Em princípio, uma definição razoável para empreendedorismo seria: um processo de busca de oportunidades para além dos recursos que estão atualmente sob controle. Assim, o empreendedor é aquele que, usando uma expressão usual, está sempre querendo levar areia demais em seu caminhãozinho. Ele vai atrás de oportunidades que exigem habilidades, recursos e equipe em quantidade e qualidade superiores às que tem à sua disposição no presente. Cabe apenas uma complementação a esta definição: é essencial que o empreendedor tenha uma postura saudável em relação ao risco. Esta forma de enfrentar o risco (e não a incerteza, que é simplesmente brincar o jogo do vai dar certo ), se expressa de duas formas complementares. Em primeiro lugar, o empreendedor não evita o risco, mas procura saber o seu tamanho e está preparado para o que der e vier. Em segundo lugar, o resultado que ele espera ao enfrentar um risco é a experiência em si, seja ela positiva, com colheita de frutos materiais, sociais ou emocionais, seja ela negativa, com o aprendizado de uma lição que lhe dará melhores condições para realizar empreitadas no futuro.

15 Manual prático de azaração Que tal aplicar a definição de empreendedorismo numa situação real? Um rapaz entra numa festa onde não conhece ninguém. Se ele é um empreendedor, como irá agir? Inicialmente, é bom definir como ele não deverá agir. Ele precisa evitar os três estados de espírito inimigos do empreendedor. O primeiro é a busca da segurança e do conforto: se ele sentar no balcão do bar e aguardar, passivo, que alguém vá conversar com ele, dentro da sua zona de conforto, é nada provável que alguma transação interessante aconteça. Ele irá se cansar e voltar sozinho para casa. Ninguém fica rico assistindo à sessão da tarde na TV comendo batata frita. Podese ter conforto, pode-se ter aventura, nunca os dois ao mesmo tempo. O segundo estado de espírito a evitar é o perfeccionismo. Se ele ficar aguardando que a garota mais charmosa da sala sente ao lado dele, sozinha, no momento em que a música abaixar o volume, e ninguém esteja observando, nem mesmo de longe, nada vai acontecer. Este é um erro muito comum: quem fica esperando o momento ideal para agir, geralmente acaba não agindo. O rapaz está disposto a sair da sua zona de conforto, a arriscar, a baixar seu padrão de exigências para um nível razoável. Que mais ele pode fazer para aumentar sua probabilidade de sucesso? Ele pode evitar o terceiro grande erro, o individualismo. É muito mais fácil empreender em equipe. O primeiro passo é notar que ele não é o único que está sozinho no ambiente. O segundo é perceber que os outros que estão sozinhos não são obrigatoriamente seus concorrentes. Pode-se dizer que há oportunidades para todos. Existe, além disso, a possibilidade de cooperação, porque assim a probabilidade de sucesso de todos aumenta. Seguindo esta linha de raciocínio, o nosso rapaz irá jogar conversa fora, relaxadamente, com alguém, seja quem for, homem ou mulher, jovem ou velho, não importa, sem receio de ser esnobado, porque não tem nada a perder. Para encerrar este pequeno exemplo prático, vale lembrar que o verdadeiro empreendedor não desiste: só depois de escutar o terceiro não é que ele vai atrás de outra ventura. Fases do processo empreendedor Analisando o processo de empreender, é possível detectar oito fases distintas e sucessivas. Fase 1: Levantamento dos recursos disponíveis Lembrando que empreender é procurar aproveitar uma oportunidade mesmo que ela exija recursos hoje não disponíveis, muita gente não somente não empreende como também não consegue esgotar os recursos à sua disposição. Por exemplo, alguém tem facilidade em escrever, mas nunca usou esta habilidade para nada produtivo. Nesta fase, esta pessoa reconhece que tem uma habilidade disponível, pronta para ser usada produtivamente. Fase 2: Domínio dos recursos existentes Porém, não adianta apenas reconhecer que sabe escrever bem. É necessário dominar a praxis do escrever bem. Se a fase de levantamento encontra um machado, a fase de domínio lubrifica a ferramenta, amola o seu fio e a coloca em condições de ser usada. Fase 3: Ativação dos recursos existentes Colocar em ação um recurso, mesmo que com baixo aproveitamento, O Mundo 15 da Usinagem BLASER SWISSLUBE DO BRASIL LTDA AV. PORTUGAL, º ANDAR CEP: SÃO APULO - SP TEL:(11) FAX:(11)

16 Empreendedores desenvolve o domínio e a segurança em usá-lo. Fase 4: Sondagem de oportunidades, para além dos recursos dominados. Começa aqui, efetivamente, o processo empreendedor: que problemas existem hoje e que demandam a atenção de alguém? Isto é a definição mais apropriada para oportunidade: um problema não resolvido. Ninguém é pago para resolver um problema que não existe, um não-problema. Fase 5: Diligência É o momento de analisar as incertezas inerentes à nova oportunidade e transformá-las em riscos calculados. A diferenciação entre incerteza e risco é fundamental. Incerteza é um pulo no escuro. Risco é diligenciar todas as alternativas possíveis e suas conseqüências, de modo a não ser pego de surpresa. Fase 6: Transpiração Esta é a fase que demanda mais persistência. A oportunidade foi detectada, os riscos foram calculados, falta apenas localizar os recursos necessários para empreender, para explorar a nova oportunidade. Isto implica encontrar as pessoas certas que complementarão o conjunto de habilidades da equipe que realizará a empreitada e, é claro, os recursos financeiros para financiá-la. Fase 7: Ação Todas as variáveis foram analisadas, todos os recursos foram localizados e acionados. Agora é dar o salto e assumir os riscos, sem dar espaço para o perfeccionismo tomar conta. Fase 8: Colheita Realizada a empreitada, resta colher os resultados. Eles podem ser materiais, como dinheiro, mais recursos, ou simplesmente lições para o futuro, para que não sejam cometidos os mesmos erros novamente. Esta postura neutra em relação ao sucesso ou insucesso da empreitada é fundamental, mas só acontecerá se todos os riscos tiverem sido considerados previamente na fase de diligência. O que deixa alguém frustado não é o insucesso, mas a incapacidade de ter previsto um desenrolar desfavorável para o qual o empreendedor provavelmente não estará preparado adequadamente. Tipos de empreendedorismo É possível desenvolver em uma pessoa um comportamento empreendedor, através de uma educação específica... Um processo, o empreendedorismo pode acontecer com pessoas, com empresas, com instituições e com comunidades. Alguns tipos de empreendedorismo são apresentados a seguir. 1. Transformação de uma pessoa improdutiva em pessoa produtiva. 2. Transformação de uma pessoa reativa, que é jogada de um lado para outro pelos ventos da vida, em pessoa proativa, que assume as rédeas de sua vida. 3. Transformação de uma pessoa isolada em pessoa entrosada em uma comunidade. O indivíduo precisa saber vender sua imagem, perder a timidez. Precisa também aprender a trabalhar em equipe. Vencer em equipe é mais simples do que vencer sozinho. 4. Transformação de um simples membro de equipe em líder. Ter um bom líder é confortável. As pessoas não gostam de obedecer, gostam de ser inspiradas a agir de uma certa forma. 5. Transformação de uma equipe pouco dinâmica em uma equipe mais dinâmica. 6. Transformação de uma equipe dinâmica isolada em uma equipe associada com outras dentro um arranjo produtivo. As competências do empreendedor É possível desenvolver em uma pessoa um comportamento empreendedor, através de uma educação específica que desenvolva as seguintes habilidades e comportamentos: Comunicação: crie relacionamentos que levem significado para a sua audiência, seja ela de uma ou de muitas pessoas. Aprenda a falar, ler, escrever e escutar com eficácia, usando gráficos, mídia eletrônica, computadores e dados quantitativos. Análise: pense claramente e criticamente. O julgamento deve surgir da fusão da experiência, da razão e do treinamento. O Mundo da Usinagem 16

17

18 Empreendedores Resolução de problemas: deduza qual é o problema e quais são as suas causas. Agindo sozinho ou com outras pessoas, monte estratégias que funcionem em diferentes cenários. Então, faça o que precisa ser feito e avalie os resultados obtidos. Seja engenhoso. Sensibilidade na tomada de decisões: reconheça a existência de diferentes sistemas de valores; ao mesmo tempo, mantenha-se coerente com sua ética pessoal. Reconheça as dimensões morais de suas decisões e assuma a responsabilidade pelas conseqüências de suas ações. Interação social: integre-se a uma equipe e comprometa-se com os seus objetivos. Saiba como atingir resultados em comitês, forçastarefas, projetos de equipe e outros esforços em grupo. Saiba escutar e usar feedback. Perspectiva global: aja levando em conta que existe uma interdependência econômica, social e biológica da vida global. Cidadania de resultados: envolva-se com a comunidade e seja responsável. Aja tendo em mente as questões atuais e seus contextos históricos. Desenvolva habilidades de liderança. Senso estético: familiarize-se com diversas formas de arte e de processos artísticos. Assuma e defenda posições em relação ao significado das expressões artísticas. Tenha senso de humor. Criatividade: pense fora da caixa. Habilidades de aprender: reconheça que o aprendizado não acaba nunca. Autodisciplina: pense, planeje, execute, controle. Assuma compromissos bem definidos. Saiba administrar o seu tempo e outros recursos. Tenha respeito pelos recursos, sejam eles financeiros, humanos, ambientais. Resiliência: aprenda com os seus erros. Ao metabolizar os próprios erros e bem aproveitar seus acertos, o empreendedor gera conhecimentos que a sociedade incorpora. Não é preciso reinventar a roda a cada geração: apenas usá-la para novos fins. José Lerosa Antônio Siqueira Coordenador do Centro Minerva de Empreendedorismo - Escola Politécnica da USP (Este texto baseia-se em palestra apresentada no curso superior de Tecnologia Gráfica da Escola SENAI Theobaldo de Nigris, em São Paulo, a 14/12/2005).

19

20

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa O Seu Provedor de Soluções Personalizadas Apresentação Corporativa A visão corporativa Sacchelli, busca oferecer soluções completas em atendimento as mais rigorosas especificações internacionais e aos

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM

TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM PROGRAMA DE TREINAMENTO SECO TOOLS BRASIL SECO TOOLS O seu verdadeiro parceiro Competente & Prático...4 TECNOLOGIA DE USINAGEM: Fresamento...5

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

1 Visão Sistêmica das Organizações

1 Visão Sistêmica das Organizações Aula 10 Teoria Geral de Sistemas 27/09/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ENFOQUE SISTÊMICO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Visão Sistêmica das Organizações

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório.

VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório. VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório. 1 No dia 24 de outubro de 2013, a turma de Logística Matutino dos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Schaeffler Global Technology Network. Juntos Movemos o Mundo

Schaeffler Global Technology Network. Juntos Movemos o Mundo Schaeffler Global Technology Network Juntos Movemos o Mundo Trabalhando juntos para transformar desafios em oportunidades A globalização abre ilimitadas oportunidades para as empresas, ao mesmo tempo

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo Empreendedor Empresas Micro e Pequenas Empreender Empreendedorismo Cultural Ação

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1 nº 16 janeiro / 2006 Mais um passo Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking Estudos mostram que as organizações que se mantêm na liderança em seus setores durante períodos prolongados medem

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

A importância de um plano de aposentadoria complementar

A importância de um plano de aposentadoria complementar INFORMATIVO É a melhor maneira de planejar a sua aposentadoria; Poupança com 100% de rentabilidade - Parte Patrocinadora; Rentabilidade totalmente revertida ao participante Datusprev sem fins lucrativos;

Leia mais

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL?

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? Por que oferecer um atendimento multicanal? Este livro reúne em uma única fonte dicas para inovar na experiência com clientes, de um jeito simples e prático;

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Briefing O que é? Para que serve?

Briefing O que é? Para que serve? Faculdade de Tecnologia da Paraíba CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA A INTERNET DISCIPLINA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ESTÁTICAS PERÍODO: P2 Semestre: 20082 PROFESSOR Geraldo Rodrigues

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Você encontrará nesse artigo uma análise dos sistemas de gestão integrada na área de supply chain (MRPs) e uma visão diagnóstica sobre os motivos pelos

Leia mais

Grupo SLC - Quadro 4

Grupo SLC - Quadro 4 1 Institucional Grupo SLC 3 Grupo SLC -Quadro 4 Grupo SLC Receita Bruta 5 Histórico 1957 1º/10 a empresa é fundada por Walter Herz( RS) 1965 A FG assume a IcoComercial, de Curitiba (PR) 1973 Incorpora

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Como driblar a crise. e obter sucesso no Gerenciamento de Projetos

Como driblar a crise. e obter sucesso no Gerenciamento de Projetos Como driblar a crise e obter sucesso no Gerenciamento de Projetos COMO DRIBLAR A CRISE E OBTER SUCESSO NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Índice Introdução 03 A crise 04 Conclusão 22 Sobre a Projectlab 24 8

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Criando o hábito de ser mais produtivo

Criando o hábito de ser mais produtivo Criando o hábito de ser mais produtivo Introdução No momento atual brasileiro, aumentar a produtividade é um fator essencial para a sobrevivência das empresas. Além da produtividade, empresas de pequeno

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa e proposta de melhoria de pelo menos 2P s. Tópicos:

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC A EMPRESA Linha de tornos CNC Linha de centros de usinagem Controle final e Expedição Linha de segundas operações Ambiente de trabalho agradável Vista geral do galpão principal Ferramentaria e afiação

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais