Desenvolvimento de Sistema de Comércio de Veículos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de Sistema de Comércio de Veículos"

Transcrição

1 Rafael Lagos Miranda º Semestre Desenvolvimento de Sistema de Comércio de Veículos Jaguariúna 2007

2 Rafael Lagos Miranda º Semestre Desenvolvimento de Sistema de Comércio de Veículos Monografia apresentada à disciplina Trabalho de Conclusão do curso de Ciência da Computação da Faculdade de Jaguariúna, sob orientação do Prof. Ms. Ademário Araujo, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Jaguariúna 2007 I

3 Miranda, Rafael Lagos. Desenvolvimento de sistema de venda de veículos. Monografia defendida e aprovada na FAJ em 20 de dezembro de 2007 pela banca examinadora constituída pelos professores: Prof. Ademário Araújo Jr. Prof. Peter Jandir Jr. Prof. José Arnaldo G. Nunes II

4 Dedico este trabalho a todos aqueles que fazem de sua vida uma luta diária pela melhoria deste mundo. III

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, que me deu força e oportunidade para vencer mais este desafio. Aos meus pais, Vanderlei e Fátima, pelo empenho e dedicação que foi disponibilizada nesta longa e difícil caminhada. Ao meu irmão, Gustavo, que apesar de ser mais novo e menos experiente sempre me incentivou a chegar onde estou. Á minha noiva Loriane, pelo carinho e paciência que demonstrou durante estes anos. Particularmente agradeço ao coordenador do curso Prof. Peter, pelo seu apoio e compreensão das reais necessidades. Aos professores/mestres do curso de ciência da computação que tanto contribuíram para o meu crescimento intelectual. E não poderia deixar de agradecer a todos os meus queridos e grandes amigos do curso de Ciência da Computação, que proporcionaram momentos de grande alegria. IV

6 Transforme as pedras que você tropeça nas pedras de sua escada. (Sócrates, filósofo ateniense) V

7 Miranda, Rafael Lagos. Desenvolvimento de sistema de vendas de veículos Monografia (Bacharelado em Ciência da Computação) Curso de Ciência da Computação da Faculdade de Jaguariúna, Jaguariúna. RESUMO Na computação, o desenvolvimento de software é o ato de elaborar e implementar um sistema computacional, isto é, transformar a necessidade de um utilizador ou de um mercado em um produto de software. O software apresentado neste trabalho é especialista em vendas de veículo, foi desenvolvido utilizando a técnica de desenvolvimento em cascata, será demonstrado cada passo desta técnica e principalmente chamar a atenção para a importância na utilização de técnicas para desenvolvimento de software. Palavras-chave: Desenvolvimento, Software, Sistema Computacional, Técnicas de Desenvolvimento. VI

8 Miranda, Rafael Lagos. Desenvolvimento de sistema de vendas de veículos Monografia (Bacharelado em Ciência da Computação) Curso de Ciência da Computação da Faculdade de Jaguariúna, Jaguariúna. ABSTRACT In computing, the development of software is the act of drawing up and implementing a computer system, that is transforming the need for a user or a market in a software product. The software presented in this work is a specialist in sales of vehicle, has been developed using the technique of development cascade will be demonstrated each step of this technique and mainly draw attention to the importance in the use of techniques for software development. Keywords: Development, Software, Computer System, Technical Development VII

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Capitulo 1- Modelo de Desenvolvimento... 4 Modelos de desenvolvimento em Cascata... 4 Capítulo 2 Requerimento Levantamento de Requisitos Planejamento do processo Definições da Análise de Requisitos Levantamento do banco de dados Levantamento e Estudo da Ferramenta de Desenvolvimento Estudo do Banco de Dados Escolhido Análise de Requisitos Capítulo 3 Projeto Projeto do Sistema Definição de Caso de Uso Capítulo 4 Implementação Implementação ou programação (Codificação) Capítulo 5 - Implantação Implantação Capítulo 6 - Verificação Análise dos Resultados Quanto ao Levantamento de Requisitos Quanto à Análise de Requisitos Quanto ao Projeto Quanto à Implementação Quanto à Validação REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 44

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 Modelo de desenvolvimento em cascata...04 FIGURA 02 Fluxo de atividades...06 FIGURA 03 Diagrama de contexto...14 FIGURA 04 Fluxo do sistema...15 FIGURA 05 Tabela de Clientes...15 FIGURA 06 Tabela de Fornecedores...16 FIGURA 07 Tabela de Funcionários...16 FIGURA 08 Tabela de Veículos...16 FIGURA 09 Tabela de Vendas...17 FIGURA 10 Tabela de Compras...17 FIGURA 11 Tabela de Trocas...17 FIGURA 12 Estudo de caso VENDAS...18 FIGURA 13 Estudo de caso SOLICITAÇÃO DE PEÇAS...19 FIGURA 14 Estudo de caso GERENCIAMENTO...19 FIGURA 15 Componente para conectar ao banco de dados...21 FIGURA 16 Propriedade do SQL Connection...21 FIGURA 17 Cronograma de atividades/período...22

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Plano de Trabalho...11 Tabela 2 Plano para Levantamento de Requisitos...11

12 LISTAGEM DE CÓDIGOS Listagem 1 Importação do banco de dados...08 Listagem 2 Gerar número seqüencial...23 Listagem 3 Gravação no banco de dados...24 Listagem 4 Garantir informações gravadas no banco...25 Listagem 5 Padrão para Form de consulta...26 Listagem 6 Alterar as cores das linhas na consulta...29 Listagem 7 Utilizando Duplo Clique na Consulta...30

13 INTRODUÇÃO Este trabalho constitui basicamente no uso de processo de desenvolvimento, onde exemplificam com o desenvolvimento de um sistema de venda de veículos, as principais funções deste sistema são: Gerenciamento dos movimentos (compra, venda e troca); Marketing de relacionamento - pré-venda e pós-venda -; SAC (Sistema de atendimento ao cliente); Visualização de ficha do cliente; Gestão de veículos novos e usados; Controle de peças; Controle das atividades diárias relacionadas à assistência técnica; Resumo anual da empresa; Controle sobre as operações financeiras; Livros fiscais, folha de pagamento, ativo fixo, administração contábil; Gestão orçamentária, possibilitando a realização da visão consolidada do grupo ou por empresa, definição de metas e objetivos (receitas, custos e despesas). Acompanhamento diário do projetado com o realizado de uma maneira rápida e prática. Controlar os custos de um veículo, evitando assim prejuízos. A motivação deste trabalho sobre o desenvolvimento deste software foi o prévio conhecimento das atividades do ramo, e principalmente a necessidade de um software especialista com baixo custo e que realmente atenda as necessidades. Entretanto desenvolver um software não é um trabalho trivial, pesquisa realizada pelo CHAOS Report de 2003 apresentou as seguintes estatísticas: Apenas 34% dos projetos de software são bem sucedidos; 15% dos projetos são cancelados; 43% é o erro médio em relação ao orçamento do projeto dos 34% mencionados; 52% das características (requisitos não funcionais) e funcionalidades são entregues no produto. 2

14 Para desenvolver um software com qualidade deverá ser adotado um processo de desenvolvimento de software. Um processo de software pode ser entendido como um conjunto estruturado de atividades exigidas para desenvolver um sistema de software. Esse conjunto de atividades é ligado por padrões de relacionamento entre si, as quais se as atividades trabalharem de forma correta e de acordo com os padrões requeridos, o produto final desejado é realizado. O produto final desejado é um software de alta qualidade e baixo custo. Com estas definições podemos considerar que de forma global um processo de software padrão pode ser considerado um conjunto de atividades, de métodos, de ferramentas e práticas utilizadas a fim de construir um produto de software. Para definir um processo de software devem ser vistas as informações de atividades a serem realizados, os recursos necessários, artefatos requeridos e produzidos, também os procedimentos seguidos. Resumidamente o processo de software pode ser definido como um conjunto de atividades uniforme que serão aplicadas sistematicamente e estas são agrupados em fases, cada fase tem que intervir com suas responsabilidades, isto significa que define quem faz o quê, quando e como a fim de atingir certo objetivo. No capitulo 1 é descrito a técnica de desenvolvimento em cascata, os capítulos seguintes demonstram a seqüência da técnica, capitulo 2 levantamento de requisitos, capítulo 3 projeto do sistema, capítulo 4 implementação e capítulo 5 análise dos resultados. O objetivo deste trabalho é desenvolver um software para o segmento de venda de automóveis utilizando a técnica de desenvolvimento em cascata, ao final do projeto, visualizar os produtos em diagramas padronizados. 3

15 CAPITULO 1- MODELO DE DESENVOLVIMENTO Modelos de desenvolvimento em Cascata A principal característica dessa técnica é que o processo de desenvolvimento fica estruturado, isso significa que as fases têm uma ordem seqüencial, uma fase será iniciada após o termino da fase anterior. Devem-se seguir todas as fases bem como as atividades envolvidas em cada uma delas, o modelo é exemplificado na Figura 1 Modelo de Desenvolvimento em cascata. FIGURA 1 Modelo de Desenvolvimento em cascata 4

16 CAPÍTULO 2 REQUERIMENTO 2.1 Levantamento de Requisitos Seguindo a seqüência conforme o modelo proposto, vem à fase de levantamento de requisitos, é necessário reuniões com os clientes e os usuários finais do sistema para descobrir o máximo de informações sobre o domínio da aplicação, por exemplo: que tipo de serviços o sistema tem que fornecer, desempenho necessário pelo sistema, as restrições/necessidades de hardware. Esta etapa envolveu diversas pessoas de diferentes áreas da empresa contratante, isso para levantar a necessidade de abrangência do sistema. Fazem parte da equipe de levantamento de requisitos o analista, o gerente, com a participação do administrador de banco de dados, que constitui na realização de reuniões e entrevistas com o cliente. Nesta fase são designados técnicas de esclarecimento de requisitos, com o objetivo de maximizar o comprometimento do cliente e desenvolvedores com a solução que se deseja construir. É muito importante que os requisitos sejam aproveitados da maneira correta e objetiva. Com as revisões dos requisitos feitas na fase de Concepção, deve ser feita uma revisão envolvendo as pessoas que irão manipular o sistema, cliente, além das pessoas que participaram do projeto. A equipe que executa a revisão deve verificar cada requisito, verificar se há consistência e se realmente atende as necessidades. Corresponde a etapa levantamento de requisitos: pesquisa inicial do material existente, descrição inicial dos requisitos, estruturação dos dados e composição do documento de requisitos. E, referente ao retorno de investimentos é uma das etapas mais importantes a fase de levantamento de requisitos, ou seja, membros da equipe disponibilizaram tempo suficiente para concluir esta etapa do projeto, entender as necessidades dos clientes no que diz respeito ao sistema a ser desenvolvido, traduzir as necessidades ou requisitos operacionais para uma descrição de funcionalidades a ser executada. 5

17 2.2 Planejamento do processo Os estudos realizados conforme instruções do levantamento de requisitos resultaram no planejamento do processo. O planejamento do processo pode ser visto conforme Figura 2: FIGURA 2 Fluxo de Atividades Os trabalhos realizados nesta etapa estão descritos abaixo: Reuniões com gerentes e proprietário de empresas interessadas no desenvolvimento do software. Negociação e contratação. Acesso ao material disponível na organização; Conhecer o ambiente e as principais necessidades, possibilitando ter o embasamento teórico dos trabalhos a serem desenvolvidos; Conhecer as regras internas e documentos da organização. Definição do foco e a abrangência do trabalho. 6

18 Definição do planejamento de atividades, este planejamento aqui denominado de plano de trabalho pode ser visto nas tabelas 1 e 2: Plano de Trabalho: Atividade Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Levantamento de banco de dados existente Levantamento da ferramenta de desenvolvimento Estudo da ferramenta escolhida (Delphi 6) Estudo do banco escolhido (Firebird) Análise de requisitos Projeto do sistema Implementação Implantação Testes Análise dos Resultados TABELA 1 Plano de Trabalho Atividade/Semana Um Dois Três Quatro Cinco Seis Sete Oito Necessidades de armazenamento: cadastros Necessidade para funcionamento: controle Necessidades de demonstrar resultados e organizar: consultas e relatórios Necessidades para implementação: ferramenta de desenvolvimento Necessidades para implantação: Hardware e Softwares TABELA 2 Plano para Levantamento de Requisitos 7

19 2.3 Definições da Análise de Requisitos Para melhor visualização da Análise de Requisitos, esta foi dividida em fases. Partes dos resultados desta fase serão demonstradas abaixo: 2.4 Levantamento do banco de dados Nas empresas envolvidas havia banco de dados que eram utilizadas por outro sistema até a implantação do sistema em desenvolvimento, as informações contidas neste banco de dados teriam que ser importado para o novo banco de dados do novo sistema. Para importar o banco de dados que estava sendo utilizado em Microsoft Excel (arquivo no formato XLS), primeiro o arquivo foi transformado no formato TXT separado por TAB. Com o auxilio da query descrita na Listagem 1 os dados foram importados para as novas tabelas. "1 string" 100 "2 string" 102 "3 string" 104 "4 string" 106 testtable structure CREATE TABLE testtable (id INT NOT NULL AUTO_INCREMENT PRIMARY KEY, text varchar(45) NOT NULL, price integer not null); import java.sql.connection; import java.sql.drivermanager; import java.sql.statement; import java.sql.resultset; import java.sql.sqlexception; public class automateimport { public static void main(string[] args) { DBase db = new DBase(); Connection conn = db.connect("jdbc:mysql://localhost:3306/test","root","caspian"); db.importdata(conn,args[0]); } } class DBase 8

20 { public DBase() { } public Connection connect(string db_connect_str, String db_userid, String db_password) { Connection conn; try { Class.forName("com.mysql.jdbc.Driver").newInstance(); conn = DriverManager.getConnection(db_connect_str, db_userid, db_password); } catch(exception e) { e.printstacktrace(); conn = null; } } return conn; public void importdata(connection conn,string filename) { Statement stmt; String query; try { stmt = conn.createstatement(resultset.type_scroll_sensitive, ResultSet.CONCUR_UPDATABLE); query = "LOAD DATA INFILE '"+filename+ "' INTO TABLE testtable (text,price);"; stmt.executeupdate(query); }; } } catch(exception e) { e.printstacktrace(); stmt = null; } Listagem 1 Importação do banco de dados 9

21 2.5 Levantamento e Estudo da Ferramenta de Desenvolvimento Para desenvolver o sistema é necessária a utilização de uma ferramenta de desenvolvimento, esta ferramenta deve ser escolhida de acordo com as necessidades abordadas na Análise de Requisitos. Portanto foi elegido a ferramenta DELPHI 6. DELPHI 6 Uma ferramenta RAD (Rapid Application Development), sua linguagem nativa é Object Pascal, é uma excelente ferramenta de desenvolvimento tanto para aplicações cliente/servidor quanto de uso genérico. As principais características são as seguintes: Possui o compilador rápido e otimizado; Gera executáveis, sem a necessidade da utilização de bibliotecas RunTime para a distribuição de aplicações. A conseqüência disto é um desempenho muito superior às outras ferramentas; Possibilita a criação de componentes nativos, ou seja, permite a criação de extensões ao próprio Delphi; É uma ferramenta two-way, isto é, cada componente visual é implementado através de um conjunto de linhas de código Object Pascal e esses dois elementos, componente visual e linhas de código, estão intimamente relacionados, de tal forma que uma alteração em qualquer um deles se reflete no outro; A linguagem possui mecanismos especiais para manipulação de exceção (exception handling), o que permite a criação de aplicações mais robustas; Excelente conectividade com bancos de dados, através do Borland Database Engine (BDE); É totalmente orientada a objetos. 10

22 2.6 Estudo do Banco de Dados Escolhido É essencial no desenvolvimento do sistema a escolha do banco de dados, este deve ser escolhido de acordo com as necessidades da Análise de Requisitos e também levando em consideração a conectividade com a ferramenta de desenvolvimento. Firebird Firebird é um banco de dados Client/Servidor relacional que é compatível com SQL- ANSI-92, e foi desenvolvido para ser um banco de dados, independente de plataformas e de sistemas operacionais. Este banco de dados dispensa maiores estruturas dentro da empresa, (DBA / Preparação), onde basta instalar o software e usar-lo, sem a interferência freqüente de profissionais, especializados na manutenção do banco de dados de produção. Acompanhando, isso ele dispensa o uso de super-servidores, usando pouco espaço em disco para sua instalação e utilizando pouca memória em situações normais de uso. Por isso a plataforma necessária para a sua instalação e utilização pode ser reduzida diminuindo consideravelmente os custos do projeto. Ao longo do desenvolvimento, foram introduzidas muitas características, dentre elas: Acesso nativo a driver JDBC Commit Automático de Duas Fases, sombreamento do Banco de Dados, Replicação, tratamento de Blob s Sistema de Eventos, entre outros. O Firebird é uma base de dados Open Source, construído com base no código do Interbase Open Source, sendo que as licenças de utilização e distribuição agora são totalmente FREE! 11

23 IBCONSOLE O IBCONSOLE é o gerenciador de Dados que acompanhava o Interbase, e que pode ser utilizado com o Firebird 1.5.1, a grande vantagem dele é o fato, de não ser uma ferramenta de criação de Tabelas. No Ibconsole, toda e qualquer criação, relacionamento, manutenção, é feito no ISQL, tudo via Linha de Comando 2.7 Análise de Requisitos Seguindo o Plano de Trabalho, a próxima fase do projeto é a Análise de Requisitos, os requisitos foram divididos em Requisitos de Cadastros e Requisitos de Controles, os requisitos são demonstrados abaixo: Requisitos de Cadastros: Cadastro de clientes; Cadastro de fornecedores e vendedores; Cadastro de funcionários; Cadastro de veículos; - Cadastro de ordens de serviços (OS); Cadastro de emissão de orçamentos; Cadastro de vendas; Cadastro de compras; Cadastro de trocas; Cadastro de orçamentos de vendas; Cadastro de produtos; Cadastro de serviços; Requisitos de Controles: Controle de estoque; Controle de cheques; Controle financeiro e administrativo; 12

24 Controle de aniversariantes; Contas a pagar e a receber; Controle de pagamento dos funcionários por comissão; Controle de pagamento dos vendedores por comissão; Suporte a leitora de código de barras; Fluxo de caixa; Emissão de recibos; Emissão de boletos bancários (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Nossa Caixa Nosso Banco, Bradesco e Itaú); Agendamento de revisões; Consulta de registros personalizados a partir de filtros; Gráficos e relatórios diversos; Todos os relatórios com cabeçalho personalizado (logotipo da Empresa e nome); Pesquisa com histórico do cliente; - Pesquisa com histórico do veículo; Permissões de acesso dos usuários por tela; Agendamento de compromissos por usuário; Geração de solicitações a outros usuários; Realização e restauração de backup; Banco de dados cliente servidor (Funciona em rede multiusuários); 13

25 CAPÍTULO 3 PROJETO 3.1 Projeto do Sistema Na fase do Projeto do Sistema, os dados colhidos devem ser desenhados de forma estruturada. Na Figura 3 é demonstrado o diagrama de contexto, onde a sigla SVA representa o controle do sistema, recebendo as informações de movimentos, fluxo de caixa, peças, marketing e sistema de atendimento ao cliente. FIGURA 3 - Diagrama de contexto Na Figura 4 é demonstrado o fluxo do sistema, inicialmente o usuário deve logar no sistema com o seu respectivo usuário, de acordo com a configuração previamente cadastrada para o usuário este terá acesso a todos os controles do sistema ou terá acesso restrito. 14

26 Passando para o controle de cadastros, configurações do sistema, fundo fixo, depósitos bancários ou movimentos que geram receitas. FIGURA 4- Fluxo do sistema Nesta fase também é definido como o sistema funcionará internamente, tradução dos requisitos em uma descrição de todos os componentes para codificar o sistema garantindo que os requisitos do cliente sejam atendidos. Definição das principais tabelas do banco de dados, cliente, fornecedor, funcionários, veículos, vendas, compras e trocas, estas tabelas são demonstradas através das Figuras 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11, respectivamente. Clientes 15

27 FIGURA 05 Tabela de Clientes Fornecedores FIGURA 06 Tabela de Fornecedores Funcionários FIGURA 07 Tabela de Funcionários Veículos 16

28 FIGURA 8 Tabela de Veículos Vendas FIGURA 9 Tabela de Vendas Compras FIGURA 10 Tabela de Compras Trocas 17

29 FIGURA 11 Tabela de Trocas A Figura 12 demonstra o caso de uso para vendas, onde o cliente pode fazer o pedido, verificar o pedido ou cancelar o pedido, este cliente pode ter tratamento diferente de acordo com seu status. FIGURA 12 Caso de uso Vendas 18

30 A Figura 13 demonstra o caso de uso para solicitação de peças, onde o cliente solicita peças, o administrador cadastra a tarefa, o operador realiza a tarefa e finalmente compras entrega as peças. FIGURA 13 Caso de uso Solicitação de Peças A Figura 14 demonstra o caso de uso para gerenciamento, onde o gerente tem acesso as funções do funcionário e pode emitir relatório de vendas. 19

31 FIGURA 14 Caso de uso Gerenciamento 3.2 Definição de Caso de Uso Na Engenharia de Software, um caso de uso (ou use case) é um tipo de classificador representando uma unidade funcional coerente provida pelo sistema, subsistema, ou classe manifestada por seqüências de mensagens intercambiáveis entre os sistemas e um ou mais atores. Pode ser representado por uma elipse contendo, internamente, o nome do caso de uso. Um Caso de Uso representa uma unidade discreta da interação entre um usuário (humano ou máquina) e o sistema. Um Caso de Uso é uma unidade de um trabalho significante. Por exemplo: o "login para o sistema", "registrar no sistema" e "criar pedidos" são todos Casos de Uso. Cada Caso de Uso tem uma descrição o qual descreve a funcionalidade que irá ser construída no sistema proposto. Um Caso de Uso pode "incluir" outra funcionalidade de Caso de Uso ou "estender" outro Caso de Uso com seu próprio comportamento. 20

32 CAPÍTULO 4 IMPLEMENTAÇÃO Implementação ou programação (Codificação) Terminado a etapa do Projeto do Sistema a próxima etapa é a Implementação, ou seja, a produção do código que controla o sistema e realiza a computação lógica envolvida, onde se tornaram possíveis à compilação e geração do código-executável para o software. A estrutura e componentes utilizados para comunicação com o banco de dados são demonstrados na Figura 15. FIGURAS 15 - Componentes para conectar ao banco de dados 21

33 A Figura 16 mostra as propriedades do SQL Conector, fundamental que esteja perfeitamente configurado e apontando para o diretório correto. FIGURA 16 - Propriedade do SQL Connection Na implementação foram definidos alguns padrões, para garantir a integridade do sistema e facilitar caso seja necessário manutenção e/ou customização. Esses padrões estão descritos abaixo bem como o código utilizado. Padrão para gerar código seqüencial em Form s de cadastro: Nos Form s de cadastro (TODOS CADASTROS) é necessário conter um código que será utilizado como chave primária para novos registros, esse código será um número seqüencial gerado automaticamente pelo sistema, na Listagem 2 segue o padrão para o código que gera esse número. 22

34 procedure TFRM_Banco.ARQ_NovoClick(Sender: TObject); var codigo : integer; begin LiberaCampos(); LimpaCampos(); DM.CDS_Codigos.Active := True; DM.SQL_Codigos.Active := True; codigo := DM.CDS_Codigos.FieldByName('cod_banco').AsInteger; codigo := codigo + 1; lbl_codigo.caption := IntToStr(codigo); DM.CDS_Codigos.Edit; DM.CDS_Codigos.FieldByName('cod_banco').AsInteger := codigo; DM.CDS_Codigos.ApplyUpdates(0); DM.CDS_Codigos.Active := False; DM.SQL_Codigos.Active := False; DM.SQL_Banco.Active := True; DM.CDS_Banco.Active := True; DM.CDS_Banco.Append; end; Listagem 2 Gerar número seqüencial O padrão para gravação de novos registros no banco de dados e demonstrado na Listagem 3. 23

35 procedure TFRM_Banco.ARQ_GravarClick(Sender: TObject); begin DM.CDS_Banco.Edit; DM.CDS_Banco.FieldByName('codigo').AsString := lbl_codigo.caption; DM.CDS_Banco.FieldByName('nome').AsString := edt_nome.text; DM.CDS_Banco.FieldByName('conta_corrente').AsString := edt_nroconta.text; DM.CDS_Banco.FieldByName('agencia').AsString := edt_agencia.text; DM.CDS_Banco.FieldByName('saldo_atual').AsString := edt_saldo.text; DM.CDS_Banco.ApplyUpdates(0); DM.CDS_Banco.Active := False; DM.SQL_Banco.Active := False; LimpaCampos; TravaCampos; end; Listagem 3 Gravação no banco de dados Na Listagem 4 será demonstrado o padrão para garantir que não será gravado no banco de dados informações erradas ou que falte informações. 24

36 procedure TFRM_Banco.BitBtn1Click(Sender: TObject); begin if edt_nome.text = '' Then begin ShowMessage ('Nome não pode ser nulo!'); edt_nome.setfocus; end else if edt_nroconta.text = '' Then begin ShowMessage ('Número da Conta Corrente não pode ser nulo!'); edt_nroconta.setfocus; end else if edt_agencia.text = '' Then begin ShowMessage ('Agência não pode ser nulo!'); edt_agencia.setfocus; end else if edt_saldo.text = '' Then begin ShowMessage ('Saldo não pode ser nulo!'); edt_saldo.setfocus; end 25

37 else ARQ_GRAVAR.CLICK; end; Listagem 4 Garantir informações gravadas no banco Padrão para consulta de dados em tela. Foi criado apenas um Form de consulta que deverá fazer a consulta de quaisquer dados no sistema, o motivo para a criação de apenas um Form é que todas as consultas estejam familiarizadas, aumentando o entendimento do usuário. ara realizar este procedimento uma das propriedades do Form, o caption, deve ser alterado em cada consulta, alterando o caption do Form é possível saber qual a consulta foi solicitado, este padrão é demonstrado na Listagem 5. procedure TFRM_Consultas.FormShow(Sender: TObject); begin frm_consultas.cb_itens.items := DM.CDS_Consulta.FieldList; end; procedure TFRM_Consultas.EDT_PesquisaKeyUp(Sender: TObject; var Key: Word; Shift: TShiftState); begin DM.CDS_Consulta.Active := False; DM.SQL_Consulta.Active := False; If FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Banco' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from banco where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 26

38 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Cliente' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from cliente where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Contas a Pagar' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from Contas_Pagar where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Contas a Receber' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from contas_receber where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Financeira' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from financeira where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Funcionarios' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from funcionarios where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if 27

39 FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Plano Pagamento' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from plano_pagamento where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Veiculos' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from veiculos where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Veiculo FILIAL - Pesquisa' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from filial where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Funcionarios NIVEL ACESSO - Pesquisa' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from nivel_acesso where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Filial' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from filial where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de contas pagar BANCO - Pesquisa' then 28

40 DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from banco where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de contas pagar - Pesquisa' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from veiculos where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39 else if FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de contas receber BANCO - Pesquisa' then DM.SQL_Consulta.CommandText := 'select * from banco where ' + CB_itens.Text + ' like ' + #39 + Edt_pesquisa.Text + '%' + #39; DM.SQL_Consulta.Active := True; DM.CDS_Consulta.Active := True; end; Listagem 5 Padrão para Form de consulta Padrão utilizado para facilitar a visualização das informações nas consultas, onde as linhas na consulta são demonstradas em cores diferentes, este padrão esta descrito na Listagem 6. procedure TFRM_Consultas.DBGrid1DrawColumnCell(Sender: TObject; const Rect: TRect; DataCol: Integer; Column: TColumn; State: TGridDrawState); begin if not odd(dm.cds_consulta.recno) then if not (gdselected in State) then begin 29

41 dbgrid1.canvas.brush.color := $00FFEFDF; dbgrid1.canvas.fillrect(rect); dbgrid1.defaultdrawdatacell(rect,column.field,state); end; end; Listagem 6 Alterar as cores das linhas na consulta Padrão utilização de duplo clique na consulta, com a utilização do duplo clique sobre o registro que deseja alterar ou excluir, o registro será inserido no seu respectivo Form de cadastro. A Listagem 7 mostra o código deste padrão. procedure TFRM_Consultas.DBGrid1DblClick(Sender: TObject); var codigo : integer; begin IF FRM_Consultas.Caption = 'Cadastro de Funcionarios' then begin codigo := DM.CDS_Consulta.fieldbyname('codigo').AsInteger; DM.CDS_FUncionarios.Active := False; DM.SQL_Funcionarios.Active := False; DM.SQL_Funcionarios.CommandText := 'select * from funcionarios where codigo = '+ inttostr(codigo); DM.SQL_Funcionarios.Active := True; DM.CDS_FUncionarios.Active := True; FRM_Funcionarios.Enabled := True; FRM_Funcionarios.lbl_codigo.Caption := DM.CDS_Funcionarios.FieldByName('codigo').AsString; 30

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Trabalho de Conclusão de Curso Vera Lúcia Kamiroski Orientador: Paulo Roberto Dias 13/12/2004 1 Roteiro Introdução Objetivos do Trabalho Arquivística

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Vendas...3 Os Recibos...6 Como imprimir?...7 As Listagens...9 Clientes... 10 Consulta... 11 Inclusão... 13 Alteração... 14 Exclusão...

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR SOUZA, R. C. F. 1 VERONA, E. D. 2 RESUMO Este artigo mostra o desenvolvimento de um sistema computacional (CONTROCAR) voltado para gerenciamento de empresas que

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO

MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO Prezado Cliente, Este é o material de apoio aos usuários e implantadores do SOFTLAND COMERCIAL, o seu sistema integrado de gestão empresarial. O bom uso deste manual o habilitará

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

1.Introdução. 2. Posicionamento

1.Introdução. 2. Posicionamento 1.Introdução 1.1 Finalidade Este documento tem o objetivo de demonstrar as necessidades e problemas que a rede de clínicas de vacinação IMUNIZA encontra em seu dia a dia, propondo após um levantamento

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Denise Santiago (FURB) denise@senior.com.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este artigo apresenta

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos

Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos Demonstrar os fundamentos básicos para a manipulação de banco de dados com Java; Apresentar a sintaxe de comandos SQL usados em Java. 2. Definições A

Leia mais

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza O Sql Server possui um recurso extremamente poderoso que é muito pouco utilizado pelos administradores e programadores. Com certeza, sendo

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário preservar os objetos

Leia mais

NeXT ERP Sistema de gestão empresarial A solução integrada e eficiente para sua empresa

NeXT ERP Sistema de gestão empresarial A solução integrada e eficiente para sua empresa Gerencie facilmente seu negócio com o NeXT ERP O que é o NeXT Software? - Um avançado software integrado capaz de automatizar e integrar os processos de negócio de sua empresa - Possibilita que as informações

Leia mais

Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity

Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Especialização em Engenharia de Software Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar os conceitos básicos da especificação de Java

Leia mais

FsBank. Manual do Usuário

FsBank. Manual do Usuário FsBank Manual do Usuário Manual do Usuário Copyright Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução 2 ÍNDICE 1. COMENTÁRIOS... 1.1. Apresentação do Sistema (uso, benefícios, características)...7 1.2.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP

Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP O que é o Freedom ERP? É um software livre para Gestão Empresarial. Pode ser utilizado em estabelecimentos comerciais, varejistas, atacadistas e industriais. Dividido

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

Integrando Java com Banco de Dados

Integrando Java com Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar os conceitos básicos da especificação de Java

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet www.controlenanet.com.br Copyright 2015 - ControleNaNet Conteúdo Tela Principal... 3 Como imprimir?... 4 As Listagens nas Telas... 7 Clientes... 8 Consulta... 9 Inclusão... 11 Alteração... 13 Exclusão...

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI CRIANDO UMA AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIO UTILIZANDO O COMPONENTE QUERY A autenticação de usuários serve para

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece?

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? Não? Então conheça o sistema que é a maior inovação tecnológica voltada para o

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

SISTEGRA SISTEMA DIGITAL BIBLIOTECÁRIO

SISTEGRA SISTEMA DIGITAL BIBLIOTECÁRIO SISTEGRA SISTEMA DIGITAL BIBLIOTECÁRIO Emerson Fernando Alves do Couto, efcouto@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Nova Andradina Resumo:

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

SISFINAN - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE FINANCEIRA PARA DELPHI

SISFINAN - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE FINANCEIRA PARA DELPHI SISFINAN - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE FINANCEIRA PARA DELPHI RESUMO SILVA, P.A; GOMES, E.Y Diante de um grande atraso na área de gerenciamento de financeira, o sistema SISFINAN tem sido gerado para suprir

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Cobre Bem Tecnologia

Cobre Bem Tecnologia Cobre Bem Tecnologia A Empresa Fundada em 1995, a Cobre Bem Tecnologia, sempre visou produzir softwares que automatizassem cada vez mais as cobranças utilizando para isso uma tecnologia de ponta. Com a

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Help Contabilização Rápida E&L Produções de Software

Help Contabilização Rápida E&L Produções de Software Help Contabilização Rápida Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Contents 5 Table of Contents Foreword

Leia mais

Prestador de Serviços

Prestador de Serviços Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Serviços...3 Os Recibos... 5 Como imprimir?... 6 As Listagens...7 Clientes... 9 Consulta...9 Inclusão... 11 Alteração... 12 Exclusão... 13 Serviços...

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Tecnologia para resultados Mais ERP

Tecnologia para resultados Mais ERP Tecnologia para resultados Mais ERP Cada vez mais as pequenas empresas, precisam e procuram a melhor tecnologia que traga resultados concretos na gestão de seus negócios. Porém a falta de recursos sempre

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

SuperStore Sistema para Automação de Óticas

SuperStore Sistema para Automação de Óticas SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Administrador) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACESSANDO O SISTEMA PELA

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

DÚVIDAS E SUGESTÕES? frank@microsize.com.br

DÚVIDAS E SUGESTÕES? frank@microsize.com.br 1 Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, micro fílmicos, fotográficas, reprográficos, fonográficos, videográficos,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs?

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs? BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Um Banco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL Programação para Android Aula 08: Persistência de dados SQL Persistência de dados Na maioria das aplicações precisamos ter algum tipo de persistência de dados. Para guardar informações de forma persistente

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Manual de Instalação GBS-EGIS

Manual de Instalação GBS-EGIS INDÍCE Capítulo Página Microsoft SQL Server 2000 03 Instalação EGIS - SERVIDOR 04 Instalação EGIS - CLIENT 20 Acessando e Configurando o Sistema 24 Instalação do Cliente do MS SQL Server 2000 25 Configurações

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Manual do Usuário. Controle Financeiro. Copyright 2014 - ControleNaNet

Manual do Usuário. Controle Financeiro. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Controle Financeiro Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo Menu Principal...3 Clientes... 4 Consulta... 5 Inclusão...6 Alteração... 8 Exclusão...8 Fornecedores...9 Consulta... 10 Inclusão...

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais...

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais... Sumário UNICO...... 3 Cadastros... 4 Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5 Produtos...... 6 Serviços...... 6 Outros...... 6 Vendas... 7 Notas Fiscais... 7 Estoque...8 Financeiro......

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais