APOSTILA DIREITO TRIBUTÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA DIREITO TRIBUTÁRIO"

Transcrição

1 APOSTILA DE DIREITO TRIBUTÁRIO Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 1

2 Caro aluno, Apresento-lhe a apostila de direito tributário e informo-lhe que o presente trabalho não pretende esgotar os temas relacionados a esta disciplina, carecendo o estudo de complementação doutrinária e jurisprudencial. Esta apostila visa, apenas, a auxiliá-lo na busca constante do conhecimento, munindolhe com um roteiro e com a primeira reserva de oxigênio para sua viagem individual. Reputo importante destacar que o estudo jurídico eficaz exige leituras variadas e constantes, bem como muita firmeza e concentração no objetivo que se deseja atingir. Lembro-lhe que o operador do direito deve manter-se vigilante, evitando que a inércia tome conta de seus pensamentos e ações. A inércia é como a pulga da fábula de Esopo (A pulga e o Homem): importuna o homem, alimentando-se vagarosamente de seu sangue e retirando-lhe as forças. Parece inofensiva, mas deve eliminada ao menor sinal, pois não é bom deixar o mal crescer, por mais insignificante que pareça. Portanto, mãos à obra! E, no decorrer da caminhada, não deixe que os lances adversos do destino lhe retirem o ânimo e a coragem de seguir em frente, altivo. Grave em sua memória as palavras do Professor Adhemar Ferreira Castilho, que lecionava Direito das Sucessões na Faculdade Mackenzie de São Paulo, falecido em 21/04/08: Sorte é quando o preparo e a oportunidade se encontram. Portanto, estudem e se preparem, pois a oportunidade surgirá. Saibam que o único bem que não entra em inventário é o Saber, este você leva. O saber torna a crise amena, pois você sabe que sabe, e isso lhe transmitirá segurança. Peço a você que contribua com o trabalho de aprimoramento desta apostila, sugerindo temas, questionando posicionamentos, investigando as informações e tecendo críticas. Por fim, prezado aluno, permaneça curioso e busque novas paradas, continue a trajetória, lembrando que o professor, parafraseando o mestre Luis Roberto Barroso, deve ser janela e não espelho. Um abraço afetuoso, Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 2

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESUMIDO DE DIREITO TRIBUTÁRIO TÍTULO I - Introdução ao Direito Tributário - DO SISTEMA TRIBUTÁRIO 1) Teoria Geral do Direito Tributário. 2) Fontes do Direito Tributário. 3) Norma tributária: hermenêutica (vigência, aplicação e interpretação). 4) Limitações ao Poder de Tributar. TÍTULO II - DA RELAÇÃO TRIBUTÁRIA 1) Obrigação tributária (fato gerador, sujeitos ativo e passivo e critério quantitativo). 2) Crédito tributário e o ato de lançamento. 3) Suspensão, extinção e exclusão do crédito tributário. 4) Prescrição e Decadência em matéria tributária. BIBLIOGRAFIA BÁSICA Obrigatória Constituição Federal e Constituição Estadual Código Tributário Nacional e Código Tributário Estadual Legislação tributária extravagante (leis instituidoras de tributos) Disponível BALEEIRO, Aliomar. Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar. Ed. Forense. BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Financeiro e de Direito Tributário. Editora Saraiva. CAIS, Cleide Previtalli. O processo tributário. Ed. RT. CAMPOS, Dejalma de. Direito Processual Tributário. Editora Malheiros. CARRAZA, Roque Antônio. Curso de Direito Constitucional Tributário. Editora RT. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 3

4 CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. Editora Saraiva. CASSONE, Vittorio. Direito Tributário. Editora Atlas. COELHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário Brasileiro. Forense. ICHIHARA, Yoshiaki. Direito Tributário. Editora Atlas. JUNIOR, Humberto Theodoro. Lei de Execução Fiscal. 5ª edição, Ed. Saraiva. MACHADO, Hugo de Brito. Comentários ao Código Tributário Nacional. Ed. Atlas Jurídico. MARTINS, Ives Gandra da Silva. Sistema Tributário na Constituição de Editora Saraiva. MELO, José Eduardo Soares. Curso de Direito Tributário. Ed. Dialética. MORAIS, Bernardo Ribeiro de. Compêndio de Direito Tributário. Editora Forense. NOGUEIRA, Ruy Barbosa Nogueira. Curso de Direito Tributário. Ed. Saraiva. SEGUNDO, Hugo de Brito Machado. Processo Tributário. Ed. Saraiva. TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. Editora Renovar. VALÉRIO, Walter Paldes. Programa de Direito Tributário. Editora Sulina. Sugerida pela Professora AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. Editora Saraiva. HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. Editora Atlas. MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. Ed. Malheiros. PAULO, Marcelo Alexandrino e Vicente. Manual de Direito Tributário. Ed. Método. ROSA JÚNIOR, Luiz Emygdio F. da. Manual de Direito Financeiro e Direito Tributário. Editora Renovar. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 4

5 TÍTULO I - Introdução ao Estudo do Direito Tributário DO SISTEMA TRIBUTÁRIO 1) Teoria Geral do Direito Tributário O fenômeno da tributação A tributação existe desde os tempos mais remotos. Alguns autores, especialmente Rui Barbosa Nogueira, contam que no início eram doações, depois confiscos e, após, com a evolução do constitucionalismo e a democracia, a tributação transformou-se em relação jurídica. Outros informam que sempre foi imposta a cobrança de tributo. O fenômeno da tributação possui três aspectos: a) aspecto financeiro: obtenção de recursos pelo Estado (arrecadação) b) aspecto econômico: intervenção no sistema econômico c) aspecto social: redistribuição de renda O Direito Tributário tem por escopo promover a arrecadação de recursos para a Administração Pública, por intermédio de norma jurídica e sempre submetido aos princípios do Estado de Direito Sistema Tributário Sistema segundo o Dicionário Aurélio é: disposição das partes ou dos elementos de um todo, coordenados entre si, e que funcionam como estrutura organizada. Assim, sistema tributário é o conjunto ordenado e lógico dos tributos e das relações dele decorrentes, com o complexo econômico e com os fins fiscais e extrafiscais da imposição estatal Classificações e Sistema Tributário Brasileiro Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 5

6 O sistema tributário pode ser: a) histórico: quando a coordenação dos institutos advém da evolução histórica (Constituição histórica ou costumeira); b) racional, político ou teórico: quando a coordenação deriva da vontade do legislador ou da organização do sistema político (constituição dogmática ou escrita). i) rígido: o legislador ordinário não dispõe de discricionariedade, sendo que a constituição estabelece as normas essenciais do Sistema, por completo. ii) flexível: o legislador ordinário goza de faculdades amplas, podendo através da lei alterar os conceitos e institutos básicos. De acordo com a sistemática tributária brasileira - eminentemente rígida - somente o que estiver em lei é permitido ao Fisco, restando desobrigado o contribuinte em relação a tudo aquilo que da previsão legal escapar. Logo, resta-nos ao alcance de compreensão que o rígido e normativamente estruturado sistema tributário pátrio deve nortear-se por princípios e institutos próprios do Direito Tributário, os quais podemos apontar insculpidos sobretudo nos artigos 150 a 152 da atual Carta Magna, consagrando as limitações ao poder de tributar. O sistema tributário pode ser ainda: Tendo em vista a intensidade da pressão fiscal: oneroso alta carga tributária leve - baixa carga tributária Tendo em vista a natureza dos impostos dominantes: - regressivo em sua maioria compreendendo impostos indiretos - progressivo em sua maioria compreendendo impostos diretos Tendo em vista critérios de formação: Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 6

7 - sócio-políticos: vinculação à estrutura política do Estado - liberal - autoritário - sócio-econômicos: vinculação à estrutura econômica (os fatos tributáveis são de natureza econômica) países industrializados alto rendimento, estrutura diversificada e equilibrada, impostos diretos e administração fiscal sofisticada. países em via de desenvolvimento - fraco rendimento, estrutura mal equilibrada, fundados em impostos indiretos (sistema regressivo), forte fiscalidade exterior e má administração tributária. países socialistas - sistemas tributários indolores, pois, nas economias socialistas, o tributo desempenha papel secundário (a serviço da planificação econômica) Conceito: O direito tributário estuda as relações jurídico-tributárias, isto é, aquelas existentes entre o Fisco (Administração Pública) e o sujeito passivo (ou contribuinte em sentido amplo, i.e., aquele que deve prestação tributária de qualquer espécie). Para Ricardo Lobo Torres 1, o Direito Tributário é o conjunto de normas e princípios que regulam a atividade financeira relacionada com a instituição e cobrança de tributos e subdivide-se em direito tributário material e formal. Já Luiz Emygdio F. da Rosa Jr. 2 conceitua Direito Tributário como ramo do direito público que rege as relações jurídicas entre o Estado e os particulares decorrentes da atividade financeira do Estado, no que se refere à obtenção de receitas que correspondam ao conceito de tributos. Luciano Amaro 3 conceitua direito tributário sinteticamente, como sendo a disciplina jurídica dos tributos. 1 Curso de Direito Financeiro e Tributário, 7ª edição, Ed. Renovar, Rio de Janeiro, Manual de Direito Financeiro e Direito Tributário, 15ª edição, Ed. Renovar, Rio de Janeiro, Direito Tributário Brasileiro, 7 a edição, Editora Saraiva, São Paulo, Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 7

8 1.5 - Natureza jurídica: ramo do direito público, embora importe conceitos e institutos de direito privado, principalmente do direito civil e econômico Autonomia do Direito Tributário: o direito tributário é disciplina autônoma, estando atualmente deslocado dos universos do direito administrativo, do direito constitucional ou do direito financeiro. Isso porque possui institutos, conceitos e princípios próprios, exclusivos e específicos (autonomia científica) e é estudado individualmente (autonomia didática) Relações do Direito Tributário com outras disciplinas: embora autônomo, o direito tributário mantém diálogo permanente com diversas disciplinas científicas (interdisciplinaridade), como: direito constitucional, financeiro, civil, administrativo, processual civil, penal, internacional, previdenciário, sociologia, economia, psicologia, história, dentre outros Tributo a) Conceito de tributo: legalmente determinado (art. 3º, CTN). i) prestação pecuniária ii) compulsória iii) moeda ou cujo valor nela se possa exprimir iv) que não constitua sanção de ato ilícito v) instituída em lei vi) cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada b) Classificação dos tributos: i) quanto à espécie: impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições especiais e empréstimos compulsórios. - imposto (arts. 145, I, 153, 154, 155, 156, CF; art. 16, CTN) não há contraprestação direta e imediata da Administração; não se vincula à destinação da arrecadação; está ligado à capacidade econômica do contribuinte (auferição de renda, uso gozo e fruição de propriedade e bens etc) Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 8

9 - taxa (art. 145, II, CF; arts. 77/80, CTN) há contraprestação direta e imediata de serviço público, utilizado (efetiva ou potencialmente) ou colocado à disposição, ou exercício de poder de polícia (tributo vinculado). Poder de polícia (art 78, CTN) e serviço público (art 79, CTN). Súmula 670 do STF (outubro de 2003) o serviço de iluminação pública não pode ser remunerado mediante taxa (isso porque é imensurável quanto cada um necessita de iluminação pública falta requisitos de divisibilidade e especificidade das taxas). Ver, ainda, contribuição de iluminação pública art. 149-A, CF. Taxa de coleta domiciliar de lixo é constitucional (Súmula Vinculante nº 19). A de limpeza urbana (varrição etc) não. Ver Súmula Vinculante nº 29 (base de cálculo do valor da taxa e art. 145, 2º, CF). Diferenças entre taxa e tarifa (preço público) TAXA TARIFA (PREÇO PÚBLICO) Receita derivada é tributo Receita originária não é tributo Regime jurídico legal - direito tributário Regime jurídico contratual direito administrativo Compulsoriedade (não há autonomia de Facultatividade (autonomia de vontades) vontades) Não que se falar em rescisão da relação admite rescisão da relação Cobrança autorizada ainda que a utilização do Somente utilização efetiva autoriza cobrança serviço seja potencial Inexistência de proporcionalidade entre existência de proporcionalidade entre utilização e cobrança utilização e cobrança Sujeita aos princípios tributários Não sujeito aos princípios tributários Pessoas jurídicas privadas não podem ser Concessionárias do serviço público podem ser sujeito ativo da relação sujeitos ativos da relação pedágio: controvérsia. Dependendo do regime legal pode ser taxa ou tarifa. Exame casuístico. - contribuição de melhoria (art. 145, III, CF; art. 81, CTN) a obra deve causar efetiva melhora no imóvel (valorização). O custo da obra é o limite global e máximo da cobrança Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 9

10 (repartição individual relacionada à valorização do imóvel da pessoa, não podendo ser cobrado mais do que a valorização do imóvel). Veja Decreto-lei nº 195/1967, recepcionado pela CF/88. O STF tem rejeitado cobrança de contribuição de melhoria sem que o Poder Público faça prova da valorização do imóvel, que entende ser pressuposto da exigência (RE ; ; SP-1993). - contribuições especiais (arts. 149, 149-A, 177, 4º, 195, 212, 5º, 239, CF) subdivididas em: a) contribuições sociais (para a seguridade social PIS/PASEP, COFINS, CSLL etc); b) contribuições de intervenção no domínio econômico (CIDE); c) contribuições de interesse de categoriais profissionais ou econômicas (sistema S, CREA, CRM etc); d) contribuição para a iluminação pública. o FGTS não é tributo (Súmula 353 do STJ). a contribuição sindical é tributo (parte final do art. 8º, IV, da CF), decorrente do art A contribuição confederativa não é tributo (art. 8º, IV, CF), por isso, a Assembléia que fixa e não a lei. a anuidade da OAB é caso peculiar, devendo ser consultada, durante o estudo, a jurisprudência recente do STF e do STJ. - empréstimos compulsórios (art. 148, CF) possui aplicação vinculada à despesa que o fundamentou ( único do art. 148 garantia do contribuinte). Competência exclusiva da União. Necessidade de lei complementar. Atentar para a observância do princípio da anterioridade (Art. 148, inciso I exigibilidade imediata e Art. 148, inciso II atendimento ao princípio da anterioridade). ii) quanto à competência: federais, estaduais e municipais; iii) quanto à vinculação à atividade estatal: vinculados (taxas, contribuições de melhoria, algumas contribuições especiais e os empréstimos compulsórios) e não vinculados (impostos e algumas contribuições especiais); Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 10

11 iv) quanto à função: fiscais (arrecadação de recursos para o Estado), extrafiscais (interferência na economia), e parafiscais (arrecadação de recursos para entidades ligadas ao Estado - paraestatais). 2) Fontes do DIREITO TRIBUTÁRIO 2.1) Teoria Tridimensional do Direito: - Fato: acontecimentos com relevância jurídica e econômica. Relação fática concreta. - Norma: lei. A norma possui o antecedente (fato) e o conseqüente (efeito - valoração). A lei transforma o fato relação fática em relação jurídica. Estabelece a hipótese de incidência e permite a verificação da ocorrência do fato gerador. - Valor: valorar é subsumir o fato à norma, e é, também, antes de tudo, tipificá-lo (estabelecer a hipótese de incidência e o fato gerador - cf. art. 114, CTN) IMPORTANTE TER EM MENTE A VINCULAÇÃO DOS ELEMENTOS DE FATO E DE DIREITO, COMPONENTES DO DENOMINADO FATO GERADOR. 2.2) FONTES REAIS OU MATERIAIS: constituem o suporte de fato da imposição tributária (ex: patrimônio, renda, serviços, doação, venda, operações de transferência etc). São chamados de pressupostos de fato da incidência ou fatos imponíveis. Sem as fontes reais não surge, nem a hipótese de incidência, nem o fato gerador, nem a obrigação tributária. 2.3) FONTES FORMAIS: conjunto das normas (disposições legislativas e complementares) que compõem o Sistema Tributário. Constituição Federal - norma fundamental / - ato normativo originário e inicial Emendas constitucionais - atos normativos derivados Constituições estaduais - atos normativos decorrentes Lei Complementar - normas gerais e casos especiais constitucionais Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 11

12 Lei Ordinária/ Medida Provisória/ Tratados Internacionais - atos normativos primários gerais Decreto legislativo/ Resolução legislativa - atos normativos primários particulares Decretos/ Regulamento - atos normativos secundários Normas complementares Instruções ministeriais e secretariais/ decisões normativas Portarias/ Ordem de serviço - atos normativos secundários específicos do Direito Tributário (art. 100, CNT) 3) Norma tributária: hermenêutica (vigência, aplicação e interpretação) A teoria geral do direito distingue os planos de existência, de validade, de eficácia e de aplicabilidade das normas jurídicas. Assim, após aprovada pelo Poder Legislativo, sancionada pelo Chefe do Poder Executivo e publicada, regra geral, a lei ganha existência e uma eficácia mínima. Não havendo outro prazo expressamente previsto no texto da lei, ela começa a vigorar 45 dias após a sua publicação oficial (vacatio legis - art. 1º, da Lei de Introdução ao Código Civil, Decreto-Lei nº 4657/42), ganhando vigência. Vigente a lei, a eficácia e a aplicabilidade são imediatas (art. 6º, da LICC). Tais regras são aplicáveis ao Direito Tributário, modo geral (art. 101, do CTN). Mas não se pode esquecer das regras constitucionais, como o princípio da anterioridade e a espera nonagesimal EXTRATERRITORIALIDADE DAS LEIS LOCAIS (art.102, do CTN) A legislação da União obviamente vigora em todo o território brasileiro e, em certas circunstâncias, fora dele (tratados internacionais). Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 12

13 Os Estados, o DF e os Municípios legislam para os seus respectivos territórios, e, em alguns casos, tal legislação tem valor fora deles (convênios ou lei complementar federal que lhes dê o alcance) VIGÊNCIA DAS NORMAS COMPLEMENTARES (art. 103, do CTN) As regras de Introdução ao Código Civil não se aplicam às normas complementares do art. 100, porque o art. 103 estabelece a vigência na data da publicação para os atos administrativos; a de 30 dias após a publicação para as decisões dos órgãos jurisdicionais administrativos; e, no tocante aos convênios, deixa que estes fixem o dia de início de sua eficácia A PROIBIÇÃO DA SURPRESA TRIBUTÁRIA: O PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE E O PERÍODO DOS 90 DIAS. Primeiramente, mister ressaltar que a regra da anualidade não mais vigora, entre nós, no sentido de autorização da lei orçamentária para a criação de tributos. As leis tributárias, uma vez publicadas, vigentes e eficazes, não estão sujeitas, ano a ano, a uma prévia autorização contida na lei orçamentária, para que possam surtir os efeitos. Após a Constituição de 1988, logo, o princípio da anualidade inexiste no sistema tributário, sendo relevante apenas para o direito financeiro. Por outro lado, o princípio da anterioridade, que se limita a adiar a eficácia e a ampliação da lei que institui tributo novo, ou majora um já existente, para o exercício financeiro subseqüente ao de uma publicação, este sim, deve ser observado por determinadas leis, em casos específicos, como dispõe a CF/88. A regra da anterioridade do art. 104 do CNT, também instituído pelo art. 150, inciso III, letra b, da CF, aplica-se a todos os impostos, taxas e contribuições, regra geral. As exceções ao principio da anterioridade estão contempladas na Constituição ( 1º, art. 150 ver quadro abaixo, item 4.1, letra i ). Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 13

14 Importante destacar que o inciso III do art. 150 da CF sofreu modificação pela EC nº 42, de 19 de dezembro de 2003, que acrescentou a alínea c, vedando a cobrança de tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b. A mesma Emenda Constitucional introduziu novas exceções ao 1º do art. 150, relacionadas à nova alínea c (ver quadro abaixo, item 4.1, letra i ). As contribuições sociais, destinadas ao custeio da seguridade social, submetem-se, também, a uma regra específica, diferente da anterioridade, mas também garantidora da nãosurpresa. As leis que regulam as contribuições sociais vinculam-se à regra de que, entre a data da publicação que criou ou modificou o tributo e a data que gere efeitos, medeie o espaço de 90 dias, sendo irrelevante que esse período de espera nonagesimal transcorra no mesmo ou em períodos financeiros diferentes (art. 195, 6º, da CF) VIGÊNCIA DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Exceto as regras dos arts. 102 e 104, o CTN regula a vigência da legislação tributária pelas as disposições legais aplicáveis às normas jurídicas em geral. Isso importa reconhecer que, salvo disposição em contrário, as leis e regulamentos tributários seguem a disciplina dos arts. 1º, 2º, 6º e outros de Dec.- Lei nº 4.657/42, que deu nova introdução ao Código Civil brasileiro. Em geral, as leis tributárias, no Brasil, contêm dispositivo no final do texto, segundo o qual entram em vigor na data de sua publicação. A Constituição de 1988, em seu art. 150, III, alíneas b e c, veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar tributos b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os institui aumentou e c) antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 14

15 O art. 195, 6º, dispõe que as contribuições sociais, destinadas ao custeio da seguridade social...só poderão ser exigidas após decorrida noventas dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se aplicando o, disposto no art. 150, II, b. Logo, a Carta Magna proíbe a surpresa tributária, aponta em direção ao planejamento, ao conhecimento antecipado, reforçando, de forma significativa, o valor máximo que é o da segurança jurídica. Como já foi dito, supra, as contribuições sociais devem seguir a regra do insterstício nonagesimal. Outras contribuições, no entanto, quer socias gerais (salário educação do art. 212, 5º, da CF, por exemplo), quer de intervenção no domínio econômico, ou ainda corporativas, submetem-se rigidamente ao princípio da legalidade e da anterioridade, sem qualquer atenuação APLICAÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Agiu corretamente o legislador tributário ao tratar em capítulos distintos da vigência a aplicação, a interpretação e a integração da legislação tributária. São, definitivamente, institutos diversos. A aplicação da lei é a atividade de enquadramento do caso concreto na norma jurídica. Diz o art. 105, do CTN, que a legislação tributária aplica-se imediatamente aos fatos geradores futuros e aos pendentes. Não há dificuldade para compreender que os fatos geradores futuros (aqueles que ocorrerem após a edição da lei) estarão submetidos à ordem legal vigente. Esse é, afinal, o papel da lei, via de regra. Entretanto, o dispositivo determina que a legislação tributária aplicar-se-á aos fatos pendentes, entendidos estes como os que ainda não se completaram. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 15

16 A regra remete-se aos tipos de fato gerador (simples ou instantâneo cuja ocorrência se dá em um momento de tempo e de outro lado, periódico ou complexivo, que tem um ciclo de formação dentre de um período de tempo). O fato gerador pendente seria o complexivo, cujo ciclo iniciou-se, mas quando do advento da nova lei ainda não se completou (condição suspensiva). Segundo a regra legal, tal fato seria submetido ao novo comando. Porém, a matéria é objeto de intensa polêmica. A doutrina diverge, entendendo uns que a regra permanece válida, inclusive por estar abarcada pela Súmula nº 584 do STF. Outros, posicionam-se no sentido de que a regra do art. 105 do CTN, relativamente aos fatos pendentes, não possui assento constitucional, isto é, não foi recepcionada pela CF/88. Essa é a opinião de Hugo de Brito Machado e Luciano Amaro, dentre outros. Com efeito, o art. 150, III, a, da CF firma o princípio da irretroatividade da lei tributária. O próprio STF decidiu, na ADI nº 513-DF (RTJ 141/739), pela inconstitucionalidade do parágrafo único do art. 11 da Lei nº 8.134/90, que instituiu aumento de Imposto de Renda para fatos geradores pendentes. Mas importa ressaltar que a jurisprudência do STJ admite a retroatividade mínima LEI INTERPRETATIVA (art. 106, do CTN) Diz-se interpretação autêntica a que resulta do próprio órgão legislativo. Nos países como o Brasil, em que a irretroatividade da lei assume caráter de direito e garantia individuais da Constituição, a interpretação autêntica há de ser limitada à sua função específica: esclarecer e suprir o que foi legislado, isto é, interpretar outra lei, no sentido de lhe espancar as obscuridades e ambigüidades. Embora vigore no sistema tributário brasileiro o princípio da irretroatividade, o inciso I do art. 106 do CTN dá força retrooperante à lei em qualquer caso, quando seja expressamente interpretativa. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 16

17 A doutrina de direito constitucional entende que este dispositivo encontra-se revogado, por não ter sido recepcionado pela Constituição de 1988, dada à afronta ao princípio da irretroatividade RETROATIVIDADE BENIGNA O inciso II do art. 106 do CTN estabelece três casos de retroatividade da lei mais benigna aos contribuintes e responsáveis, desde que se trate de ato ainda não definitivamente julgado. A interpretação do Código Penal é aplicável às letras a e c do art. 106, II, do CTN. CONCEITO DE PENALIDADE: O conceito de penalidade é decisivo para a aplicação correta do art. 106 do CTN. Multa, qualquer que seja a adjetivação que lhe dê o legislador, é sanção de ato ilícito, penalidade. Aliás, o Código Tributário Nacional não distingue. Corretamente, chama de penalidades inclusive as multas moratórias, conforme o parágrafo único do art.134, do CTN INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA O CNT elegeu o elenco de regras de interpretação e integração, nos arts. 107 a 112. O texto reporta-se à legislação tributária, tal como definida no art. 96. Interpretar a lei é definir o sentido de suas palavras e delimitar o alcance de seu texto, através de métodos lógicos. A norma necessita de interpretação pois é obra humana e aplicada pelos homens; portanto imperfeita na forma e no fundo (Carlos Maximiliano). Integrar a lei é completá-la, preencher as lacunas que impedem a aplicação em determinado caso concreto. No tocante à interpretação (arts. 107, 110, 111 e 112), o CTN expressamente refere-se às interpretações literais e benignas. Quanto à integração, a enumeração do art. 108 é ampla, impõe uma ordem de preferência aos intérpretes e aplicadores e abrange os princípios de Hermenêutica do Direito em geral. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 17

18 Cada regra é aplicada somente após esgotada a anterior (analogia, princípios gerais de direito tributário, princípios gerais de direito público e eqüidade). Vale lembrar que a analogia não pode ser utilizada pelo Fisco para a exigência de tributos, dada a disposição expressa do parágrafo primeiro do art. 108, do CTN. Acerca da eqüidade, vale transcrever as sábias palavras de Pontes de Miranda, para quem a eqüidade é apenas a palavra-válvula, com que se dá entrada a todos os elementos intelectuais ou sentimentais que não caibam nos conceitos primaciais do método de interpretação. A eqüidade é uma solução de justiça para o caso concreto. Segundo a famosa expressão de D argenté : juiz segundo a lei e não juiz da lei. Atente-se para a obrigatoriedade da interpretação literal dos dispositivos que concedam suspensão ou exclusão do crédito tributário, bem como qualquer modalidade de renúncia de receita (art. 111, do CTN). Lembre-se que nesses casos o CTN afasta a aplicação dos incisos I e II do art O in dubio pro reo (na dúvida, decide-se a favor do réu) do Direito Penal está subjacente no art. 112 do CTN (interpretação benigna), exclusivamente para os casos de infrações e penalidades. Observação: a aplicação do in dubio pro reo não deve ocorrer na interpretação das leis tributárias fora das hipóteses de infrações e penalidades. Nos demais casos, não há, no direito tributário, interpretação a favor ou contra o contribuinte ou o Fisco, em razão de dúvida. Alguns doutrinadores afirmam que, em caso de dúvida, deve-se interpretar a favor da Administração, em virtude do interesse público. Entretanto, tal posicionamento é equivocado. A lei tributária deve ser interpretada de modo a verificar a ocorrência ou não do fato gerador, através da subsunção de todos os seus elementos aos termos legais. A exigência de tributo resultará desta operação. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 18

19 Por fim, destaca-se que não só se pode invocar as regras da Lei de Introdução ao Código Civil, mas também os processos consagrados de Hermenêutica, desde que estes não se choquem com os dispositivos do CTN ou com os princípios em que se fundamentou INTERPRETAÇÃO ECONÔMICA DO DIREITO TRIBUTÁRIO: O art. 110 do CTN proíbe ao legislador tributário a modificação de conceitos e institutos do direito privado, quando aplicados à competência tributária. O art. 109 do CTN determina que os princípios gerais do direito privado não podem utilizados para a definição dos efeitos tributários. A análise de tais dispositivos levou alguns doutrinadores a defenderem a aplicação da interpretação econômica do fato no enquadramento tributário, através da flexibilização do enquadramento do fato gerador à hipótese de incidência, atribuindo maior relevância aos efeitos econômicos dos atos ou negócios jurídicos praticados pelo sujeito passivo do que à sua forma e aos seus efeitos jurídicos típicos decorrentes. Pitanga Filho, A interpretação econômica no direito tributário é, para o Professor Aurélio Seixas [...] uma forma da autoridade fiscal, no exercício de sua potestade administrativa de exigir o pagamento do tributo, efetivar o lançamento tributário com base na real ou verdadeira atividade econômica praticada pelo contribuinte, que teria sido encoberta (disfarçada ou fingida), por uma norma jurídica, diferente da normal, que resultasse um pagamento menor do tributo ou sua anulação (A Interpretação Econômica no Direito Tributário, a Lei Complementar nº 104/2001 e os Limites do Planejamento Tributário. O Planejamento Tributário e a Lei Complementar 104. Coordenador Valdir de Oliveira Rocha. São Paulo: Dialética, 2001, p. 9). O mestre Luciano Amaro também a define, nos seguintes termos: De acordo com essa doutrina exegética, não se deveria considerar, na referência feita pela lei tributária a um negócio jurídico regulado pelo direito privado, a forma jurídica por ele revestida, mas sim seu conteúdo econômico. Heinrich Beisse, na Alemanha, expõe a consideração econômica do direito tributário como uma aplicação do método teleológico, pelo qual se deve buscar o significado econômico das leis tributárias, logrando-se uma interpretação mais livre de conceitos jurídicos, principalmente daqueles que têm significado flexível, para abranger estruturações iguais. (Direito tributário brasileiro. 13ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 224). Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 19

20 Em outras palavras, por meio da interpretação econômica do Direito Tributário, a Administração observa os efeitos econômicos do negócio celebrado pelo sujeito passivo (ainda que seja atípico) e, sendo estes efeitos equivalentes aos de fato típico, tributa o negócio como se assim fora. A interpretação econômica do Direito Tributário ganhou força no início do século XX, na Alemanha Nazista, através das mãos de Enno Becker, culminando com a edição do Código Tributário alemão em 1919 (reiterada pela Lei de Adaptação Tributária de 1934). Segundo o ilustre Professor Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy, em 1935, a Suprema Corte dos Estados Unidos da América julgou o caso Gregory v. Helvering (293, U. S. 465), fixando o modelo de interpretação econômica do Direito Tributário naquele país, com a aplicação da doutrina do propósito negocial (business purpose) e da substância sobre a forma (substance over form). Naquele julgado prevaleceu que a substância negocial e não a forma jurídica do negócio realizado é que ensejaria a incidência fiscal. No Brasil, a discussão novamente ganhou relevo com a edição da Lei Complementar nº 104/2001, na qual o legislador tentou criar um dispositivo no CTN (parágrafo único do artigo 116) nos moldes do modelo francês (Art do Code Général des Impôts e artigo 64 do Livre des Procedures Fiscales), aproveitando o conteúdo econômico para fins tributários. A doutrina nacional diverge, embora a maioria rejeite a tese. A interpretação econômica encontrou o seu maior defensor em Amílcar de Araújo Falcão e o seu maior algoz em Alfredo Augusto Becker. Ricardo Lobo Torres entende que o art. 109 do CTN permite a interpretação econômica do direito tributário. Luiz Emygdio leciona que o art. 110 do CTN autoriza, timidamente, a interpretação econômica. Luciano Amaro, Sacha Calmon, Heleno Torres e Hugo de Britto posicionam-se contra a interpretação econômica, aduzindo que tal modalidade fere a Constituição (art. 150, I) e o próprio Código, pois usa a analogia e os costumes para criar obrigação tributária, bem como enfraquece a legalidade material e a própria democracia. Profª Heloísa Helena Antonacio Monteiro Godinho 20

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB. Apresentação & Objetivos

DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB. Apresentação & Objetivos DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB Apresentação & Objetivos O QUE É SISTEMA TRIBUTÁRIO? A IMPORTÂNCIA DO STN PARA A FEDERAÇÃO; CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS TRIBUTÁRIOS. ATRIBUIÇÃO

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 8º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo Gestão Tributária 03.09.2015 André Antunes Soares de Camargo Meus Deus... http://www.impostometro.com.br/ Como está a tributação no Brasil? http://www.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/brazil/ http://ibpt.com.br/home/publicacao.list.php?publicacaotipo_id=2

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi 1 1. Introdução Princípio é a regra básica implícita ou explícita que, por sua grande generalidade, ocupa posição de destaque

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 SUMÁRIO I. Sistema tributário nacional 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 2. Linguagem, direito tributário e ciência do direito tributário - p. 17 3. Noções acerca do sistema tributário

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 1.3.1 CARACTERÍSTICAS DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...25 1.3.1.1 INDELEGABILIDADE...25 1.3.1.2

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO Fls 109 CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM. Sr(a). Dr(a). Juiz(a) da(o) 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 30 de junho de 2015. Regina Cely Martins Correia Fonseca

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s).

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s). Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO I 8º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Noções preliminares de Ciência das Finanças, Direito Financeiro e Direito Tributário. Receita Pública. Despesa Pública.

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 2.2 Exercício da competência tributária 20 Parte I - CAP 03 - Princípios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem I. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA - lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social vide arts. 146 e 148 da CF vide arts.

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II 9º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Garantias e Privilégios do Crédito Tributário. Administração Tributária. Ilícitos e sanções tributários. Processo administrativo-fiscal

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Tributário II JUR 3412 Prof.: Luiz Fernando

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E A POSTERGAÇÃO DE SUA VIGÊNCIA O ARTIGO 104 DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E A POSTERGAÇÃO DE SUA VIGÊNCIA O ARTIGO 104 DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E A POSTERGAÇÃO DE SUA VIGÊNCIA O ARTIGO 104 DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL Dalmiro Camanducaia Advogado Professor de Direito Tributário O art. 104 do CTN traz uma regra que implica

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -569 Pré-requisito: ------ Período Letivo:

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü TRIBUTÁRIO 02 QUESTÕES DE CONCURSO 01 - (TTN/97 ESAF) O Distrito Federal pode instituir a) impostos, taxas e empréstimos compulsórios b) imposto sobre serviços de qualquer natureza; taxas, em razão do

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa Direito Tributário: desenvolvimento nacional Objetivo CF art. 3º

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 CAPÍTULO I DIREITO TRIBUTÁRIO, TRIBUTO E SUAS ESPÉCIES... 13 1. Breve introdução ao Direito Tributário...13 2. Tributo...14 3. Espécies

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Cássio Furlan cassiofurlan@yahoo.com.br Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes

OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO TRIBUTÁRIO RECEITAS ORIGINÁRIAS RECEITAS DERIVADAS OBJETO DE ESTUDO

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL CESPE DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO Prof.: Alexandre Mazza Material de Apoio

OAB 1ª FASE RETA FINAL CESPE DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO Prof.: Alexandre Mazza Material de Apoio 1. Conceito de direito tributário = estuda as atividades estatais de criação, cobrança e fiscalização de tributos. A destinação do dinheiro arrecadado pelo fisco, não é objeto do direito tributário, mas

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada*

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Em inúmeros textos escritos anteriormente deixamos bem claro que a progressividade fiscal nada tem a ver com a natureza real ou pessoal

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Direito Tributário Exercícios Aula 2

Direito Tributário Exercícios Aula 2 Direito Tributário Exercícios Aula 2 Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com (PGE.RN.2001.FCC.47) São causas extintivas do crédito tributário, segundo o Código Tributário Nacional: a) o pagamento,

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Sociais. Concurso para Professor Substituto de Direito Financeiro

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Sociais. Concurso para Professor Substituto de Direito Financeiro Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Sociais Faculdade de Direito Departamento de Direito do Estado Concurso para Professor Substituto de Direito Financeiro Banca: Prof. Dr. Luís

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris)

Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris) MAGISTRATURA FEDERAL - 2014 Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris) Jurisprudência recente PEDÁGIO PREÇO PÚBLICO O

Leia mais

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre DISCIPLINA: Direito Tributário I CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR133 1. EMENTA: Direito tributário. O tributo. Teoria da norma tributária. Espécies tributárias.

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 562.045 RIO GRANDE DO SUL VOTO-VISTA

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 562.045 RIO GRANDE DO SUL VOTO-VISTA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 562.045 RIO GRANDE DO SUL VOTO-VISTA O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO O recurso extraordinário versa sobre a compatibilidade do artigo 18 da Lei nº 8.821/89, do Estado do Rio Grande

Leia mais

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR)

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR) 1. (OAB/CESPE 2007.3) Entre as seguinte vedações, não tem exceção expressa no texto constitucional A a instituição de tributo sem lei que o estabeleça. B a majoração de tributo sem lei que o estabeleça.

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

Primeiras Linhas de Direito Tributário

Primeiras Linhas de Direito Tributário Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Professor da Universidade Católica de Brasília (UCB) Coordenador da Especialização a distância em Direito do Estado da UCB Membro do Conselho Consultivo da Associação

Leia mais

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Kiyoshi Harada* Não há unanimidade na doutrina e na jurisprudência quanto ao fato gerador do IPI. Muitos doutrinadores sustentam que o produto industrializado

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF Tema 1: Quentinho do forno!!! MP 670/2015 PLV 7/2015 Nova tabela do IRPF Isenção de PIS/PASEP e de COFINS sobre óleo diesel Dedução para professores de gastos com livros para si e seus dependentes. Princípio

Leia mais

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM OMAR AUGUSTO LEITE MELO Advogado, sócio do escritório Leite Melo & Camargo Sociedade de Advogados, sócio e editor da Tributo Municipal III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM O sistema tributário

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

Não impede, por óbvio, a imposição de tributos incidentes sobre o comércio aduaneiro.

Não impede, por óbvio, a imposição de tributos incidentes sobre o comércio aduaneiro. 5.7 - PRINCÍPIO DA PROIBIÇÃO À LIMITAÇÃO DO TRÁFEGO V - estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio pela

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

Princípios Constitucionais do Direito Tributário

Princípios Constitucionais do Direito Tributário 1 Princípios Constitucionais do Direito Tributário Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009 01. Analise os itens a seguir: I - Imposto direto é aquele em que a pessoa que praticou o fato tipificado na lei suporta o respectivo ônus fiscal e imposto indireto é aquele em que o ônus financeiro do

Leia mais

Limitações Constitucionais. Princípios Constitucionais Tributários. do Poder de Tributar. CAPÍTULO 2 QUESTÕES DO CAPÍTULO 2

Limitações Constitucionais. Princípios Constitucionais Tributários. do Poder de Tributar. CAPÍTULO 2 QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 CAPÍTULO 2 Limitações Constitucionais do Poder de Tributar. Princípios Constitucionais Tributários. QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 1. (FCC/Procurador de Contas/TCE/MG/2007) Obedece ao princípio da anterioridade

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos importantes para um melhor entendimento de temas futuros, ok! 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES 1. FATO GERADOR/ HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015

PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015 Disciplina DIREITO TRIBUTÁRIO II Curso Graduação Período 7º Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO GFSJ08 - LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO GFSJ08 - LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Departamento / Setor ADMINISTRAÇÃO Nome da Disciplina GFSJ08

Leia mais