UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS. Doutor José Neves Cruz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS. Doutor José Neves Cruz"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS Doutor José Neves Cruz A disciplina de Finanças Públicas tem como objectivo o estudo da intervenção do Estado na Economia, procurando evidenciar os argumentos que segundo a racionalidade económica a provocam e a condicionam. A interacção do sistema político como veículo de expressão das preferências sociais é abordada numa óptica positiva com o objectivo de perceber a escolha pública existente e com o sentido normativo da descoberta das melhores práticas. Assim, o estudo científico torna-se útil ao fornecer conhecimentos sobre as formas institucionais que possibilitam uma aproximação da escolha colectiva às preferências da colectividade. A avaliação da disciplina será feita através de duas componentes: uma prova escrita no final da leccionação; um trabalho prático sobre os tópicos leccionados. Cada uma das componentes pesa 50% na determinação da nota final. A prova escrita será realizada em duas chamadas (mutuamente exclusivas) cada uma delas com duas horas de duração. As provas escritas realizam-se ao Sábado entre as e as (ver quadro do calendário). A leccionação processar-se-á em 12 aulas de três horas (das às 21.00), às Terças e Quintas-feiras (ver quadro do calendário) e numa aula de uma hora para recepção dos trabalhos práticos e dos elementos complementares. 1 CALENDÁRIO LECTIVO CALENDÁRIO LECTIVO AULA TERÇA-FEIRA QUINTA-FEIRA SÁBADO 1 10/9/ /9/ /9/ /9/ /9/ /9/02 7 1/10/02 8 3/10/02 9 8/10/ /10/ /10/ /10/02 1ª CHAMADA 9/11/02 2ª CHAMADA 16/11/02 ENTREGA DE TRABALHOS 5/12/02 1

2 2 PROGRAMA PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS AULA 1 A - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ORÇAMENTO E ÀS FUNÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA i) O Orçamento da Administração Pública - Funções - Estrutura - Principais regras orçamentais i Funções da Administração Pública - Função afectação - Função redistribuição - Função estabilização Conflitos de funções na actuação pública AULA 2 B A FUNÇÃO AFECTAÇÃO i) A teoria dos bens públicos - Bens púbicos: puros e impuros - Bens de mérito Externalidades - Classificação das externalidades - Correcção das externalidades com ou sem intervenção estatal AULA 3 C A FUNÇÃO REDISTRIBUIÇÃO i) Abordagem tradicional das finanças públicas - Aspiração social à justiça distributiva - Conflito eficiência / equidade no exercício da redistribuição Abordagem Public choice da redistribuição - Racionalidade para redistribuir 2

3 AULA 4 D A INTERVENÇÃO PÚBLICA E A DEMOCRACIA POLÍTICA i) A votação e a escolha pública i O dilema do prisioneiro é um argumento racional para a intervenção pública O poder eleitoral da maioria - A hipótese do votante mediano - Críticas aos pressupostos do teorema do votante mediano O monopólio da burocracia - Hipótese do burocrata maximizador - Hipótese do burocrata controlador da agenda v) O poder eleitoral das minorias - Teoria da regulamentação - O rent-seeking dos grupos de interesse vi) Falhas de informação no mercado político - A ilusão fiscal - A irracionalidade do acto de votar AULA 5 v A democracia e o crescimento do sector público - Argumentos explicativos do crescimento da dimensão do sector público - Criticas à análise do sobredimensionamento do Estado E A ECONOMIA DA DÍVIDA PÚBLICA i) O défice público e a dívida pública em vários países da OCDE i Incidência económica do financiamento do défice através de dívida pública Custos de bem-estar da dívida pública Deve o défice ser reduzido? v) O sistema político e o endividamento público AULA 6 F ANÁLISE ECONÓMICA DA TRIBUTAÇÃO i) Princípios da tributação 3

4 - Princípio do Benefício - Princípio da Capacidade de Pagamento i Problemática da escolha de medidas de capacidade de pagamento Teoria da incidência fiscal - Análise de equilíbrio: parcial; geral - O critério da neutralidade do imposto - O custo de bem-estar da tributação - O custo de bem-estar e a elasticidade-preço da procura e da oferta de mercado AULA 7 G O IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS FÍSICAS i) Análise comparativa para várias economias da OCDE i Impostos sobre os rendimentos do trabalho - Estrutura da tributação do rendimento - O imposto negativo sobre o rendimento em comparação com subsídios específicos e deduções à tributação - Imposto sobre o rendimento e a oferta de trabalho Imposto sobre os rendimentos de capital AULA 8 H O IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS JURÍDICAS i) Análise comparativa para várias economias da OCDE i Incidência em mercados competitivos Custos de bem-estar O problema da dupla tributação e da integração com o imposto sobre o rendimento das pessoas físicas AULA 9 I IMPOSTOS SOBRE O OUTPUT, SOBRE AS VENDAS OU SOBRE O CONSUMO i) Análise comparativa para algumas economias da OCDE Incidência do imposto geral sobre as vendas 4

5 i Incidência do imposto específico sobre as vendas O imposto sobre o valor acrescentado (IVA) v) O imposto pessoal sobre o consumo em substituição do imposto pessoal sobre o rendimento J CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL i) Análise comparativa para algumas economias da OCDE i Divisão do imposto entre empregador e empregado Reformar a tributação relativa à Segurança Social AULA 10 K CONFIGURAÇÃO ÓPTIMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO i) Hipótese de poder discricionário do Estado - Tributação indirecta óptima - Tributação directa óptima i Hipótese de poder limitado do Estado - A Constituição Fiscal A evasão fiscal Custos políticos na determinação da estrutura fiscal AULA 11 L A DESCENTRALIZAÇÃO i) Distribuição de competências entre governo central e governos locais i A dimensão óptima dos governos locais quando há migrações entre unidades políticas locais - Teoria dos clubes - Modelo de Tiebout Exportação para outras comunidades dos efeitos da intervenção pública local 5

6 AULA 12 O orçamento dos governos locais - Transferências intergovernamentais - O flypaper effect - Incidência dos impostos sobre a propriedade quando há autonomia fiscal local - Incidência dos impostos sobre a propriedade quando não há autonomia fiscal local 3 - BIBLIOGRAFIA A Bibliografia respeitante aos conteúdos teóricos ARROW, KENNETH, 1963; Social Choice and Individual Values, 2nd edn., New Haven, Conn.: Yale University Press. ATKINSON, Anthony e STIGLITZ, George, 1987; Lectures on Public Economics, 2ª edição, com 1ª edição em 1980, New York: McGraw-Hill Book Company. AUERBACH, Alan e FELDSTEIN, Martin, 1997, 1999 e 2002; Handbook of Public Economics volume 1, 2 e 3, com 1ª edição respectivamente em 1985, 1987 e 2202, Elsevier Science, Amesterdam, The Netherlands. BARBOSA, António S. Pinto,1997; Economia Pública, McGraw-Hill, Portugal. BRAZ TEIXEIRA, António, 1992; Finanças Públicas e Direito Financeiro ; Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa. BROWNING, Edgar e BROWNING, Jacqueline, 1994; Public Finance and the Price System, 4ª edição, com 1ª edição em 1979, Prentice Hall, Inc., New Jersey, USA. BUCHANAN, James, 1988; The Economic Theory of Politics Reborn, Challenge, vol 31 nº 2, pág BUCHANAN, James e MUSGRAVE, Richard, 1999; Public Finance and Public Choice: Two Contrasting Visions of the State, Massachusetts Institute of Technology (MIT), MIT Press, USA. CÉSAR DAS NEVES, João e REBELO, Sérgio, 1996; Executivos Interpelam Portugal: Questões-Chave da Nossa Economia, Editora Verbo. CHAFFLON, Bernard e WEBER, Luc, 1984; Le Financement du Secteur Public, PUF. COASE, Ronald, 1960, The Problem of Social Cost, Journal of Law and Economics, vol. 3, October, pág

7 CORDES, Joseph, 1997; Reconciling Normative and Positive Theories of Government, The American Economic Review, vol. 87 nº 2, pág COSTA, José, 1993; Conjunto de apontamentos não publicados das aulas da disciplina de Finanças Públicas do Mestrado em Finanças da Universidade Portucalense. CRUZ, José Neves; 1998, Análise Económica da Procura no Mercado Político: Quem Determina as Escolhas Públicas: Eleitores ou Grupos de Interesse?, editado por Edições Vida Económica, Porto. CRUZ, José Neves; 2002, Apontamentos de Economia Pública: As Finanças Públicas e a Escolha Colectiva, Universidade Portucalense. CULLIS, John e JONES, Philip, 1992; Public Finance and Public Choice, Analytical Perspectives, Mcgraw-Hill Book Company Europe CULLIS, John e JONES, Philip, 1998; Public Finance and Public Choice, 2ª edição, com 1ª edição de 1992, Oxford University Press, UK. HAMLIN, Alan, 1993, Public Expenditure and Political Process em The Growth of the Public Sector, Theories and International Evidence, editado por Norman Gemmell, publicado por Edward Elgar Publishing Limited, Gower House, England. LAFFONT, Jean-Jacques, 1988, Fondments de L Economie Publique:Cours de Théorie Microéconomique, 2ª edição, Economica. MARCHAND, Christophe, 1999; Économie des Interventions de L Etat: Théorie des Choix Publics, colecção Que sais-je?, PUF. MORENO, Carlos, 2000; Finanças Públicas: Gestão e Contrlo dos Dinheiros Públicos, 2ª edição revista e aumentada, Universidade Autónoma de Lisboa. MUELLER, Dennis, 1979; Public Choice, Cambridge, Cambridge University Press. MUELLER, Dennis, 1997, Perspectives on Public Choice: A Handbook, Cambridge University Press. MUSGRAVE, Richard e MUSGRAVE, Peggy, 1989, Public Finance in Theory and Practice, 6ª edição, publicado originalmente em 1959; McGraw-Hill, Book Company. PIERCE, David W. e TURNER, R. Kerry, 1990, Economia de los Recursos Naturales y del Medio Ambiente, traduzido de Economics of Natural Resources and the Environment, Celeste Ediciones, PIGOU, Arthur, 1920; La Economia del Bienestar, Aguilar, Madrid 1946; primeira publicação: The Economics of Welfare, Macmillan, Londres. PUY FRAGA, Pedro, 1993; Busqueda de Rentas en el Sector Publico, o una Teoria Economica de La Corrupcion Política, em Análisis Económico del Derecho y de la Política editado por P. Puy Fraga, Santiago de Compostela, Fundación Alfredo Brañas. 7

8 PUY FRAGA, Pedro, 1996, Economia Política del Estado Constitucional: Fundamentos de Economia Constitucional, Cedecs Editorial, ISBN: ROSEN, Harvey, 1999; Public Finance ; 5ª edição, MacGraw-Hill, USA. SOUSA FRANCO, António L., 1990; Finanças Públicas e Direito Financeiro, 3ª edição, Livraria Almedina, Coimbra. SOUSA FRANCO, António L., 1991; Finanças do Sector Público: Introdução aos Subsectores Institucionais ; Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa. TEIXEIRA RIBEIRO, José Joaquim, 1997, Lições de Finanças Públicas, 5ª edição, Coimbra Editora. VENCE DEZA, Xavier, 1995; Economia de la Innovación y del Cambio Tecnológico, Siglo Veintiuno de España Editores, S.A. XAVIER BASTO, 1991; A Tributação do Consumo e a sua Coordenação Internacional, Centro de Estudos Fiscais. B Bibliografia referente a dados estatísticos e a códigos fiscais Os documentos estatísticos mais utilizados são várias publicações da OCDE (como OECD in Numbers ; Economic Outlook ; The Observer ), os Relatórios do Banco de Portugal, o Relatório do Banco Mundial; várias publicações do INE e informações do Ministério das Finanças e do Ministério da Economia, disponíveis na Internet. Outros documentos muito utilizados são o Orçamento Geral do Estado e a Conta Geral do Estado. Recorre-se ainda a diversos artigos e dados publicados em várias revistas e jornais, com especial destaque para as revistas Economia Pura, O Economista ; Economist ; Financial Times. Relativamente ao estudo da Segurança Social, recorre-se ao Livro Branco da Segurança Social, de 1995 e ao site do Ministério da Solidariedade Social. Para o estudo da fiscalidade portuguesa, nomeadamente do IVA, IRS e IRC, utilizam-se os códigos publicados pela Editora Vida Económica, assim como os próprios Decretos- Lei publicados no Diário da República. 8

9 4 TRABALHOS PRÁTICOS A Regras: i) Trabalho individual e original Temas directamente relacionados com pelo menos um dos tópicos leccionados i Os trabalhos não se podem cingir a uma simples descrição (do sistema tributário, por exemplo), devendo centrar-se nas causas ou consequências económicas da intervenção pública Juntamente com o trabalho deve ser fornecida uma cópia da página descritiva do original (capa ou página onde está descrito o título e a referência bibliográfica) de todas as referências bibliográficas indicadas no trabalho. v) Trabalho deve ser escrito usando o Microsoft Word, Times New Roman, Letra 12; Espaço 1,5, Margem superior e inferior de 2,5 cm, esquerda e direita de 3cm vi) O trabalho deve ser entregue em papel e em disquete v Os quadros e as figuras devem estar numerados vi Limite mínimo de páginas: 15 páginas (exclui índice, anexos e apêndices) ix) Limite máximo de páginas: 30 páginas (exclui índice, anexos e apêndices) x) Os apêndices devem ser inseridos antes da bibliografia e os anexos serão inseridos depois da bibliografia xi) As notas são inseridas no final da página onde se encontra a indicação de nota (pé de página) x A bibliografia de publicações periódicas deve ser escrita na seguinte forma (exemplo): CORDES, Joseph, 1997; Reconciling Normative and Positive Theories of Government, The American Economic Review, vol. 87 nº 2, pág xi A bibliografia de publicações (livros) deve ser escrita na seguinte forma (exemplo): SOUSA FRANCO, António L., 1990; Finanças Públicas e Direito Financeiro, 3ª edição, Livraria Almedina, Coimbra. B SUGESTÃO DE TEMAS i) A dimensão do sector público limita a eficiência do mercado? O forte recurso à privatização que se tem verificado em diversas economias corresponde ao esgotamento das áreas de intervenção pública? i Privatizar a segurança social? Políticas de redistribuição e eficiência económica (Segurança Social, Rendimento Mínimo, Subsídio de Desemprego,...): conflito ou complementaridade? v) Escolha pública num contexto político distanciado dos eleitores: deve-se reformar o sistema político? 9

10 vi) O lobbying das minorias (grupos de interesse) dirige a escolha pública? (O poder dos media, Associações, Sindicatos, Ordens, RTP, TAP,... versus eleitores) v Os media controlam a agenda política ou os políticos controlam os media? vi A educação pública sector-chave na formação: reformar, privatizar, subsídio ao aluno? ix) A intervenção pública na área da Saúde: privatizar, exclusividade dos quadros, subsídio ao doente? x) A burocracia e a estagnação da função pública: mito ou realidade? xi) A descentralização: reflexão sobre a transferência de competências, verbas, formação para lidar com novas competências,... x Autonomizar o poder fiscal dos governos locais? xi Equacionar a existência de um nível intermédio de governo entre o governo central e os municípios ou aprofundamento das associações de municípios? x Reflexão sobre a possibilidade de reforma fiscal e análise crítica: IRS, IRC, IVA; SISA; Contribuição Autárquica, Imposto Automóvel, Imposto de selo, outros impostos xv) Dupla tributação do rendimento análise crítica; soluções? xvi) Harmonização fiscal no espaço da União Europeia? Caminho percorrido; futuro; vantagens e desvantagens? xv A evasão fiscal: paraísos fiscais; sigilo bancário, globalização, movimentos de capitais sem restrições,... xvi A tributação das mais-valias num contexto de concorrência fiscal xix) Reforma da administração fiscal flexibilidade e inovação face a novos desafios competitivos xx) Fiscalidade e políticas de família; natalidade; formação educacional;... xxi) O défice público, a dívida pública e o Pacto de Estabilidade: custos e benefícios do caminho a precorrer xx Orçamento público equilibrado é uma boa solução? Reflexão crítica xxi...outros temas 11 de Julho de 2002 José Neves Cruz 10

Apresentação FINANÇAS PÚBLICAS. Resultados de aprendizagem. Programa. Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09. Finanças Públicas - 2º Ano

Apresentação FINANÇAS PÚBLICAS. Resultados de aprendizagem. Programa. Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09. Finanças Públicas - 2º Ano Apresentação Docente responsável: Linda G. Veiga FINANÇAS PÚBLICAS Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09 Equipa docente Aulas teóricas: Linda Gonçalves Veiga Gabinete: 2.36 da Escola de Economia

Leia mais

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado Índice v Prefácio... xix Apresentação da 1ª edição... xxii Agradecimentos... xxiv Nota dos autores à 4ª edição... xxiv Os autores... xxvii PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado 1 Economia e

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E FISCAL ANO LECTIVO 2005/2006 PROGRAMA

DIREITO FINANCEIRO E FISCAL ANO LECTIVO 2005/2006 PROGRAMA DIREITO FINANCEIRO E FISCAL ANO LECTIVO 2005/2006 PROGRAMA Introdução I. Aspectos gerais 1. As Finanças Públicas. Questões de ordem geral 2. Fixação de terminologia (Direito Financeiro, Economia Pública,

Leia mais

Ano Letivo: 201415. Grupo Disciplinar: Contabilidade Pública ECTS: 6,0. Regime: PL. Semestre: S1

Ano Letivo: 201415. Grupo Disciplinar: Contabilidade Pública ECTS: 6,0. Regime: PL. Semestre: S1 COMPLEMENTOS DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PÚBLICAS [9393132] GERAL Ano Letivo: 201415 Grupo Disciplinar: Contabilidade Pública ECTS: 6,0 Regime: PL Semestre: S1 OBJETIVOS A unidade curricular pretende aprofundar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS Curso de Licenciatura em Ciência Política

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS Curso de Licenciatura em Ciência Política Programa I Introdução Razão de ser: a União Europeia (UE), o sistema político internacional e a geoestratégia da UE. O alargamento. O que é a UE. O factor democrático. Ideais, Valores, Princípios e Objectivos

Leia mais

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54 Parte I PRIMEIROS PASSOS 1 1 INTRODUÇÃO 2 FINANÇAS PÚBLICAS E IDEOLOGIA 3 Visão orgânica do governo 3 Visão mecanicista do governo 4 Ponto de vista deste livro 5 O GOVERNO RESUMIDO 5 O marco legal 5 O

Leia mais

ECONOMIA POLÍTICA DEF0116

ECONOMIA POLÍTICA DEF0116 ECONOMIA POLÍTICA DEF0116 1º ANO NOTURNO 3ªs FEIRAS (2 AULAS) e 4ªs FEIRAS (2 AULAS) SALA JOÃO MENDES JÚNIOR TURMA IMPAR SALA BARÃO DE RAMALHO TURMA PAR Professor Titular Luis Eduardo Schoueri Professor

Leia mais

Jurisconsulto Elaboração de pareceres em matéria fiscal

Jurisconsulto Elaboração de pareceres em matéria fiscal Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido/ Nome(s) próprio(s) Habilitações académicas Experiência profissional Agregação em Finanças Públicas lição em Direito Fiscal (2010) Doutor em Ciências Sociais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Economia 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Como nossos impostos afetam o meio ambiente?

Como nossos impostos afetam o meio ambiente? Como nossos impostos afetam o meio ambiente? Pedro Fernando Nery 1 1. Introdução. Na teoria econômica, a relação entre impostos e meio ambiente começou a ser analisada desde o trabalho seminal de 1920

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Propriedade Industrial

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Propriedade Industrial INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

3. As Receitas Públicas

3. As Receitas Públicas 3. As Receitas Públicas 3.1.Enquadramento geral 3.1.1.Noção de receitas públicas 3.1.2.Classificação e tipologias 3.2.Estrutura e importância das receitas públicas 3.2.1.Receitas tributárias e sistema

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

1º SEM/2015 PROGRAMA OBJETIVOS DA DISCIPLINA

1º SEM/2015 PROGRAMA OBJETIVOS DA DISCIPLINA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GESTÃO PÚBLICA GEP CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS DISCIPLINA: ORÇAMENTO E FINANÇAS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão 3. Ciclo de Estudos 2º 4.

Leia mais

Licenciatura 2014-2015

Licenciatura 2014-2015 Licenciatura 2014-2015 DIREITO FISCAL PROFS. DOUTORES ANA PAULA DOURADO PAULA ROSADO PEREIRA GUSTAVO LOPES COURINHA MESTRE NUNO GARCIA Programa 1. Enquadramento geral Objecto da disciplina de Direito Fiscal.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões Proposta de disciplina G3 Ano Lectivo 2003/2004 Economia das Pensões Maria Teresa Medeiros Garcia Lisboa, 31 de Março, 2003 1. Justificação Numa fase de grande incerteza quanto à sustentabilidade financeira

Leia mais

Análise Econômica para a Gestão Ambiental

Análise Econômica para a Gestão Ambiental Departamento de Economia UnB Curso de Mestrado em Gestão Econômica do Meio-Ambiente CEEMA Análise Econômica para a Gestão Ambiental Professores: Charles C. Mueller e Bernardo P. M. Mueller I. Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS Curso de Licenciatura em Ciência Política. Programa

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS Curso de Licenciatura em Ciência Política. Programa Programa PRIMEIRA PARTE A UNIÃO EUROPEIA NUM MUNDO GLOBALIZADO 1,5H Introdução à União Europeia Natureza e visão: uma organização internacional no contexto do sistema político internacional. As teorias

Leia mais

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A A CONFAGRI CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS AGRÍCOLAS E DO CRÉDITO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Divisão Especial de Registro e Controle Acadêmico PROGRAMA DE DISCIPLINA Identificação da disciplina Código Nome FINANÇAS PÚBLICAS Sala 411B/ P4 Carga

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 5 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

História e Sistemas da Psicologia

História e Sistemas da Psicologia 1 História e Sistemas da Psicologia 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Departamento de Gestão de Empresas GESTÃO FINANCEIRA SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS IV - LOCAL E HORÁRIO DE APOIO AOS ALUNOS V - BIBLIOGRAFIA O Docente

Leia mais

Desenvolvimento Económico II PROGRAMA

Desenvolvimento Económico II PROGRAMA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA Faculdade de Economia e Gestão Licenciatura em Economia PROGRAMA Ano lectivo: Semestre: Regente: 2009 2º Dra. Sandrina Berthault Moreira Ano Curricular: Carga horária: Aulas:

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas no Sector Público

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Prestação de Contas no Sector Público INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Análise Económica do Direito

Análise Económica do Direito Análise Económica do Direito O que é? Qual a abordagem? Como surgiu? Aspectos Metodológicos Conceitos Fundamentais Análise Económica do Direito O que é? Qual a abordagem? AED não é Direito Económico nem

Leia mais

ISCED de Luanda FICHA DE UNIDADE CURRICULAR - 2011/2012

ISCED de Luanda FICHA DE UNIDADE CURRICULAR - 2011/2012 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR - 2011/2012 Designação da Unidade Curricular ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Docente(s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) LUÍS LEANDRO DINIS [Instituto de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR CURSO Gestão e Administração de Serviços de Saúde ANO LECTIVO 2008/2009 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular Economia Área Científica

Leia mais

Formação em Protecção Social

Formação em Protecção Social Formação em Protecção Social Sessão 3 A dimensão económica da PS e a relação com outras áreas da política Bilene, Moçambique, 5, 6 e 7 de Maio de 2010 A importância do investimento Ao nível da intervenção

Leia mais

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados Empresas e Mercados Pré-Requisitos: Nenhuns Prerequisites: None Compreender o funcionamento dos mercados e a forma como o mecanismo preço permite a afetação de recursos Compreender e explicar o processo

Leia mais

Direito da Economia Programa

Direito da Economia Programa Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2011/2012 Direito da Economia Programa Aulas 1/2-20 de Setembro Apresentação do programa, bibliografia, métodos de ensino e aprendizagem

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação I

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação I INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 5/11/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 23/2/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

El Enseñanza Superior en Portugal: evolución y perspectivas en torno de la equidad

El Enseñanza Superior en Portugal: evolución y perspectivas en torno de la equidad El Enseñanza Superior en Portugal: evolución y perspectivas en torno de la equidad Introdução Nos últimos 30 anos, Portugal conheceu um processo de democratização sem precedentes. A Revolução Democrática

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Economia UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EDITAL Nº. 2/2015

Universidade de Brasília Departamento de Economia UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EDITAL Nº. 2/2015 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EDITAL Nº. 2/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA)

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) (2007/2008) DISCIPLINA: CONTABILIDADE FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNTING Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL jlacunha@iseg.utl.pt Objectivos da disciplina: Compreender

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE COORDENAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL CRONOGRAMA MOSTRA CIENTÍFICA 2016 1 TRIMESTRE UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE A MOSTRA CIENTÍFICA 2016 do Colégio João Paulo I objetiva propiciar aos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE

EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Políticas de Ambiente EVOLUÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA DE AMBIENTE Francisco Nunes Correia IST, Ano Lectivo 2010/2011 Onde estamos? Projecto de Tratado que estabelece uma CONSTITUIÇÃO PARA A EUROPA 2001-2005

Leia mais

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO COMISSÃO DE INSCRIÇÃO JURI DE EXAME EXAME Artigo 13.º do Regulamento de Inscrição e Exame ANO 2008 3º Grupo de Matérias DATA PROGRAMAS DETALHADOS DOS MÓDULOS QUE INTEGRAM O EXAME DO 3º GRUPO DE MATÉRIAS:

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Faculdade de Ciências Empresariais Licenciatura Ciencias Económicas e Empresariais / Contabilidade Unidade Curricular Análise Económica e Financeira Semestre: 4

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO

CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO Em sistemas educacionais federativos, como o brasileiro, estados e municípios, além da União, dispõem de autonomia política e responsabilidade pela gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2010/2011 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular Economia Social Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Economia Social (L4316)

Leia mais

" MARKETING INTERNACIONAL "

 MARKETING INTERNACIONAL INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Universidade Técnica de Lisboa " MARKETING INTERNACIONAL " 2007/2008 (2º Semestre) Introdução Objectivos Programa Bibliografia MESTRADO DE MARKETING Docente: Profª

Leia mais

O Planeamento das Grandes Empresas

O Planeamento das Grandes Empresas O Planeamento das Grandes Empresas A REFORMA DO IRC: PERSPECTIVAS E CONTRADIÇÕES Universidade Católica Portuguesa Ricardo da Palma Borges Lisboa, 29 de Outubro de 2013 1 Introdução e generalidades Entre

Leia mais

Journal of Transport Literature

Journal of Transport Literature JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Journal of Transport Literature JTL Regras de formatação de Artigos 1. Aspectos Gerais Todos os artigos devem ser acompanhados do preenchimento de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: ECN/899 - Microeconomia II Carga Horária:/Créditos: 60/04 Período: 2º semestre de 2009 Profas.: Mônica Viegas (Primeira e Segunda

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons.

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons. FCTUC - Psicologia Educacional II - 05/06 Bruner 1 TEORIA DE J. BRUNER Jerome BRUNER USA (1915-) construtivista aluno activo métodos activos método da descoberta socio-interaccionista importância das influências

Leia mais

Receitas públicas receitas públicas Receitas patrimoniais ou voluntárias Receitas coactivas taxas impostos Receitas creditícias dívida pública

Receitas públicas receitas públicas Receitas patrimoniais ou voluntárias Receitas coactivas taxas impostos Receitas creditícias dívida pública Receitas públicas As receitas públicas são arrecadadas pelo Estado para financiar as suas despesas. As receitas públicas são constituídas pelas receitas patrimoniais ou voluntárias, pelas receitas coactivas,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A Licenciatura em Engenharia Agro-pecuária Ref.ª : 1531001 Ano lectivo: 2010-11 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO ENTERPRISE MANAGEMENT AND ENTREPRENEURSHIP 1. Unidade

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIASDA EDUCAÇÃO REVISTA INVESTIGAR EM EDUCAÇÃO. Nº5 2ª Série

SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIASDA EDUCAÇÃO REVISTA INVESTIGAR EM EDUCAÇÃO. Nº5 2ª Série SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIASDA EDUCAÇÃO REVISTA INVESTIGAR EM EDUCAÇÃO Nº5 2ª Série Intergeracionalidade e Educação ao Longo da Vida Convite a Publicação (Call for papers) O quinto número da 2ª série

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

A Volta à Europa dos Economistas Progressistas Conferência de Lisboa Futuro do Euro Explosão ou reconfiguração

A Volta à Europa dos Economistas Progressistas Conferência de Lisboa Futuro do Euro Explosão ou reconfiguração CONFERÊNCIA A Volta à Europa dos Economistas Progressistas Conferência de Lisboa Futuro do Euro Explosão ou reconfiguração Bernard Bouton QUA 11 DE DEZEMBRO Pequeno Auditório 18h Entrada gratuita Levantamento

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n.º 2/2013 de 2 de setembro Aprova a Lei das Finanças das Regiões Autónomas A Assembleia da República

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

tópicos Noção de liderança pressupostos Gestão e formação de lideranças na educação

tópicos Noção de liderança pressupostos Gestão e formação de lideranças na educação Gestão e formação de lideranças na educação tópicos pressupostos Gestão e liderança Tipos de liderança e modelos organizacionais especificidade Jorge Adelino Costa Universidade de Aveiro Portugal Especificidade

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª Revoga os benefícios fiscais concedidos a PPR s planos de poupança reforma - e ao regime público de capitalização Procede a

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

Habilitações Literárias

Habilitações Literárias Nome: Carlos Manuel Pereira da Silva Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1948 Estado Civil: Casado Habilitações Literárias Agregação em Gestão pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Ensino Secundário ofertado às comunidades rurais: Estudo comparado entre Brasil e Portugal

Ensino Secundário ofertado às comunidades rurais: Estudo comparado entre Brasil e Portugal Os (des)caminhos do direito à educação: Pontes que ligam estudos e países Ensino Secundário ofertado às comunidades rurais: Estudo comparado entre Brasil e Portugal Autor: Renilton Cruz Orientadora: Fátima

Leia mais

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Gestão de Eventos Área Científica: Ciências da Comunicação CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 CURSO: Comunicação e Relações Públicas Ano: 1º 2º 3º 4º Semestre:

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO

PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento Programa de Pós-Graduação PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO DISCIPLINA: Estudos Avançados em Direito

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1 Domingos Benedetti Rodrigues 2. 1 O presente trabalho é resultado dos estudos relacionados à construção da minha Tese do Doutorado em Educação nas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 ADENDA À NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: COREPER de 9 de Abril de 2003 Assunto: Tributação da energia Junto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

esquerda e direita guia histórico para o século xxi

esquerda e direita guia histórico para o século xxi esquerda e direita guia histórico para o século xxi lisboa: tinta da china MMXV à Marta, por tudo 2015, Rui Tavares e Edições tinta da china, Lda. Rua Francisco Ferrer, 6A 1500 461 Lisboa Tels: 21 726

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio Rodrigues Dias DEIXE O MBA QUE É REFERÊNCIA FALAR POR VOCÊ. OBJETIVO: O MBA em

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais