Pobreza e Exclusão Social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pobreza e Exclusão Social"

Transcrição

1 Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010

2 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos, aluno nº na Faculdade de Economia de Universidade de Coimbra no curso de Sociologia no ano lectivo de 2009/2010. Este trabalho faz parte da avaliação contínua da disciplina de Fontes de Informação Sociológica e é leccionada pelo Professor Paulo Peixoto. Imagem da capa: fome de pdua.jpg

3 Índice 1. Introdução 1 2. O que é a pobreza Causas, consequências e soluções 3 3. O que é a exclusão social Integração Social 5 4. Descrição detalhada da pesquisa 6 5. Ficha de leitura 7 6. Avaliação de uma página da internet 9 7. Conclusão Referências bibliográficas 11 Anexo A Texto usado na ficha de leitura, A integração/ exclusão de uma comunidade cigana residente no Porto que tem como autoras as sociólogas Olga Magano e Luísa Ferreira da Silva. Anexo B Página da internet avaliada.

4 1. Introdução O trabalho sobre o tema Pobreza e Exclusão Social foi elaborado no âmbito da disciplina de Fontes de Informação Sociológica respeitante ao curso de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Terá como objectivo terminar a avaliação contínua e pôr em prática os conhecimentos adquiridos ao longo das aulas. De entre todos os temas apresentados para a elaboração de um trabalho final, este pareceu me o mais aliciante. É um tema actual, sendo este o ano Europeu de Luta Contra a Pobreza e Exclusão Social, e é um problema que qualquer um de nós não está livre de poder vir a enfrentar. Sendo um tema com várias causas e consequências. Será exposto numa primeira parte o que é a exclusão social, e o que se pode fazer para pôr em prática a integração social. Na secção seguinte será enunciado como foi efectuada a pesquisa bibliográfica sobre o tema abordado e posteriormente apresentada a ficha de leitura do artigo por mim escolhido. Será ainda apresentada a avaliação de uma página Web conforme solicitado e, por fim, serão indicadas as referências bibliográficas e anexos do trabalho. 1

5 2. O que é a pobreza A pobreza está associada ao conceito de privação de recursos, e não apenas à insuficiência de rendimentos, a ausência de participação nas actividades culturais e sociais dentro das comunidades onde o indivíduo está inserido. A privação de recursos alimentares e habitacionais são dois dos principais factores de pobreza. A pobreza exprime se também a outros níveis que não o de recursos, por exemplo a níveis sociais culturais, ambientais e políticos, onde as pessoas com poucos recursos não têm tanto alcance sobre estes temas (Bureau Internacional do Trabalho, 2003: 177). Um dos ensinamentos mais importantes do PNLPC [Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza em Portugal] é que, juntamente com outros programas e experiencias, permitiu delimitar, debater e divulgar melhor os conceitos de pobreza e exclusão social. Há, portanto, uma contribuição positiva para a evolução do conhecimento sobre estas áreas. (2003: 177) Assim, para melhor conhecer a realidade e as características do porquê da pobreza. O PNLPC foi muito importante e é nele que me baseio para dar alguns conceitos sobre o que é q pobreza, sobre o que é a exclusão social e como promover a inclusão social. 2

6 2.1 Causas, consequências e soluções Não se poderá dizer que a pobreza resulta de uma causa em particular, mas existem diversos factores que podem contribuir para que o indivíduo se encontre ou possa vir a ficar nessa condição. Passo a enumerar alguns dos principais factores de pobreza: problemas socioculturais indicam que o indivíduo é descriminado pela sua condição e essa pode ser relativa a uma baixa escolaridade e ao facto de ser de uma raça ou cultura diferente; a pobreza também é o resultado de um mau funcionamento politico democratico que falha em promover a igualdade a todos os níveis; desastres naturais podem também ser a causa de pobreza de um indivíduo, que pode como resultado destes, perder todos os bens que possuem (wikipedia, 2010ª). Algumas das consequências de pobreza são também as causas desta, por exemplo, a falta de oportunidades e a descriminação racial. A precariedade da vida, para alguém que seja considerado pobre, pode ser motivada por outros aspectos que não os acima referidos como a fome, uma maior vulnerabilidade a doenças, uma vez que o acesso à higiene e a uma alimentação saudável não é possível. Todos estes factores contribuem para uma grande instabilidade emocional e como consequência um maior risco de optarem por vias criminosas para manterem o sustento próprio e por vezes da família (wikipedia, 2010ª). 3

7 3. O que é a exclusão social Exclusão Social define a perda de vínculos, quer sociais, quer culturais. Associado a este conceito está também o não exercício dos direitos e deveres como cidadão numa comunidade. Podemos afirmar que a exclusão social será o resultado de vários factores tais como pobreza, etnia, religião (wikipedia, 2010b). Estes são os principais geradores de exclusão social. Outro factor não tão falado e que pode ser gerador de discriminação social será a função integradora do trabalho na sociedade, ou seja, um indivíduo que esteja desempregado irá ser vítima de algum tipo de discriminação social (wikipedia, 2010b). 4

8 3.1 Integração Social Para integrar o indivíduo em sociedade será necessário ter em vista duas perspectivas que deverão ser postas em prática, que, segundo Bureau Internacional do Trabalho (2003: 180), deverá actuar conjugadamente a dois níveis: chamemos lhe inserção (do individuo para a sociedade) e da inclusão (da sociedade para o individuo). Este livro aborda um estudo onde foram procurados dois casos e a partir destes pôr em prática estratégias de integração social. Num primeiro caso encontram se as acções na área do desenvolvimento pessoal e comunitário ( ). Trata se de estratégias de reforço de competências («empowerment»), que visam a emancipação dos referidos indivíduos e famílias, (idem: 179). Estas estratégias passam pela formação pessoal, comunitária, profissional, empresarial, educativa e, por fim, formação aquisitiva (Bureau Internacional do Trabalho, 2003) que visam integrar o indivíduo na sociedade. No segundo caso apresenta se a criação ou reforço de equipamentos, infraestruturas ou serviços ( ), de forma a melhor responder às necessidades básicas (idem: 179) do indivíduo. São estratégias de aumento de oportunidades que são implementadas na zona de residência dos indivíduos (Bureau Internacional do Trabalho, 2003). Pretende se desta forma agir junto dos indivíduos e famílias, capacitando os melhor para se assumirem como cidadãos plenos; (idem: 179) e junto das instituições e serviços e da sociedade, no seu todo, tornando a mais rica em oportunidades e respostas (idem: 179). 5

9 4. Descrição detalhada da pesquisa Numa primeira parte decidiu se por escolher o tema pretendido. O tema escolhido foi a Pobreza e Exclusão Social e seria depois abordado também o tema da integração social, o que é que em sociedade podemos fazer para que possamos integrar as pessoas que sofrem de pobreza e exclusão social. Numa primeira fase procurei na biblioteca da Faculdade de Economia por livros sobre o tema. Depois de alguma pesquisa o resultado desta foram dois livros, Comunidades ciganas. Representações e dinâmicas de exclusão/integração e A luta contra a pobreza e a exclusão social em Portugal. Experiências do Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza. Estes livros pareciam me relevantes para o trabalho que pretendia desenvolver, porém, decidi não abordar a questão das comunidades ciganas porque me pareceu que a informação contida no livro não seria relevante para o trabalho que estava a fazer. Assim a maioria do meu trabalho baseia se no livro A luta contra a pobreza e a exclusão social em Portugal. Experiências do Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza e em fontes da internet. 6

10 5. Ficha de leitura A ficha de leitura está baseada num artigo publicado por duas sociólogas portuguesas onde enunciam a exclusão/integração da comunidade cigana em Portugal. Resumo: As sociedades modernas assentam nos princípios democráticos promovendo a igualdade e liberdade das suas comunidades. Também estas comunidades deverão ser capazes de fornecer ao seus cidadãos a possibilidade de educação e as bases sociais, para que o indivíduo seja capaz, a partir de uma boa educação, construir a sua vida. Assim, numa sociedade democrática todos os cidadãos deverão ter os mesmos direitos e deveres. Porém, na sociedade real isto não acontece, sendo alguns grupos minoritários prejudicados por isso, entre eles estão as comunidades ciganas. Os ciganos vêem assim dificultado o exercer da sua cidadania numa sociedade que os discrimina e que não lhes permite ter os direitos plenos como cidadãos, nem mesmo ter um representante político das suas comunidades como acontece, por exemplo, com os imigrantes. Muito do que é escrito sobre esta comunidade mostra a como uma comunidade com muitos problemas sociais e a exclusão social de que são alvo coloca os em condições de vida, muitas vezes, degradantes. Apesar de estarem presentes nesta sociedade há mais tempo que outras comunidades, a sua confrontação com a sociedade portuguesa e a sua resistência à assimilação dos costumes desta não é feita. Talvez por isso ainda não tenha existido uma integração social e económica na sociedade. Tal situação incomoda a cultura dominante, que está habituada a ser regida por um estilo de vida capitalista, e não aceita de bom grado a cultura cigana, que mantém as actividades económicas que lhes permita continuar com o seu estilo de vida. A cultura cigana resistiu à assimilação cultural, mantendo desde o inicio os seus costumes e estruturas familiares. Manteve uma herança cultural e cria uma adaptação mínima às comunidades onde vivem, mas sem nunca se misturarem. 7

11 É por tradição uma cultura nómada, mas com a recente sedentarização, forçada ou não, os problemas com as comunidades locais têm vindo a surgir, sustentando se assim da venda ambulante e da mendicidade, práticas que não são bem vistas perante a sociedade dominante. Devido a um evoluir desta sociedade para uma sociedade mais capitalista não se promoveu a mudança daqueles que não se adaptavam a este novo modelo, então são simplesmente excluídos, que é o que acontece com a comunidade cigana. Por fim, as comunidades ciganas encontram se encurraladas entre ceder ao estilo de vida capitalista e ser aceite ou preservar o seu estilo de vida e continuar a ser um dos focos de exclusão social. 8

12 6. Avaliação de uma página da internet Sendo 2010 o ano europeu de combate à pobreza e exclusão social escolhi uma página alusiva a este mesmo assunto. Portanto, a página que mais suscitou interesse, e se calhar a que contém mais informação sobre este tema, dentro da sociedade em que vivemos, será o próprio site da União Europeia do Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social. Também foi escolhido este site por conter muita informação relativa a este tema e pelo seu autor ser uma instituição credível, a União Europeia. Assim passo a mostrar o link da página em questão, que é Analisando mais pormenorizadamente a página Web escolhida, esta parece estar focada para um público geral, sendo a linguagem e a própria interface desta acessível e intuitiva. Revela tratar do tema numa perspectiva geral, a sua visibilidade é alargada uma vez que pode ser traduzida em mais de 20 línguas. O seu propósito será informar o público do que trata o Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social e como algumas iniciativas são postas em prática para travar a pobreza e a exclusão social. A página pode considerar se abundante em informação sobre o tema, podemos optar por escolher um subtema especifico que queiramos procurar e para isso temos a modalidade de pesquisa avançada. Se pretendemos informação mais geral podemos optar por uma pesquisa rápida. Visualmente a página é atractiva, com cores agradáveis o que torna fácil a leitura do texto, que é de salientar a boa qualidade com que é escrito, podendo ser lido e apreendido por um vasto público. Quanto à sua actualidade, a página aparenta ser refrescada frequentemente, uma vez que pertence a uma instituição com credibilidade e menos não poderia ser exigido. 9

13 7. Conclusão Com este trabalho pode se ficar a melhor saber o que é a pobreza e a exclusão social e o que a sociedade pode fazer para, de algum modo, erradicar estas lacunas da vida em comunidade. 10

14 8. Referências bibliográficas Em livro: Bureau Internacional do Trabalho (2003), A luta contra a pobreza e a exclusão social em Portugal. Experiencias do Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza. Genebra : BIT/STEP. Dias, Eduardo Costa et al.(2006), Comunidades ciganas. Representações e dinâmicas de exclusão/integração. Lisboa : ACIME. Da internet: Direcção Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Igualdade de Oportunidades da Comissão Europeia (2010), Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social. Página consultada em 31 de Maio de 2010, < Wikipedia (2010a), Pobreza. Página consultada em 31 de Maio de 2010, <http://pt.wikipedia.org/wiki/pobreza>. Wikipedia (2010b), Exclusão Social. Página consultada em 31 de Maio de 2010, <http://pt.wikipedia.org/wiki/exclusão_social>. 11

15 Anexo A

16 Anexo B

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Ensino Técnico-Profissional FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico

1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico O Conceito de Responsabilidade Social das Empresas 1. Responsabilidade Social das Empresas enquadramento teórico A Responsabilidade Social das Empresas tem assumido uma visibilidade crescente nos últimos

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS FICHA DO PROJECTO Desporto para todos Nome do Projecto: Sport For All - Desporto e Inovação Objectivos do projecto:. Envolvimento de jovens na criação de um programa inovador de prevenção e integração

Leia mais

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem (Fundamentação Teórica) Trabalho realizado por: Isabel Saraiva Barbosa n.º21666 Universidade Portucalense Porto, Portugal 13 de Junho 2008 Dificuldades

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da indústria artesanal não se concedia demasiada importância ao fenómeno do trabalho infantil. As pessoas de então preocupavam-se,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa Oferta formativa 2009/2010 Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / Ministério dos Negócios Estrangeiros Curso de Formação «A Cidadania Europeia e a Dimensão Europeia na Educação» Formação acreditada,

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Sérgio Nuno Damas Coimbra, 2010 Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Fontes de Informação Sociológica Professor Paulo Peixoto Licenciatura em Sociologia 2º Semestre Tema: Pobreza e Exclusão Social

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva O presente Diário de Bordo serve como parte da avaliação para a disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Posição sobre o Ensino Qualificante

Posição sobre o Ensino Qualificante Posição sobre o Ensino Qualificante Índice Índice... 1 Introdução... 2 Educação e Formação Profissional de Dupla Certificação... 3 Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)... 3 Cursos Tecnológicos...

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

I PRESSUPOSTOS DE ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

I PRESSUPOSTOS DE ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR I PRESSUPOSTOS DE ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA Apesar do esforço que tem vindo

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação Leituras sobre rodas : projeto para a implementação de um serviço de Estrutura da apresentação 1. Educação e literacia 2. Biblioteca: estratégia ao serviço da comunidade Os serviços itinerantes 3. A história

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet

Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Intervenção O Voluntariado Isabel Jonet Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril de 2007 1 O relevo atribuído pelo Senhor Presidente da Republica ao combate à exclusão social

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso)

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Lucília Maria P. T. Santos Universidade de Aveiro Resumo O uso e a aplicação de tecnologias da comunicação e informação, TIC, integram

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2016 Água e Emprego DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março foi instituído em 1992 pela Organização

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591 Organização Trabalho realizado por: André Palma nº 31093 Daniel Jesus nº 28571 Fábio Bota nº 25874 Stephane Fernandes nº 28591 Índice Introdução...3 Conceitos.6 Princípios de uma organização. 7 Posição

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social Transcrição de Entrevista nº 18 E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Desemprego, Pobreza e Exclusão Social

Desemprego, Pobreza e Exclusão Social Desemprego, Pobreza e Exclusão Social Afonso Bento, 2009106571 2010 Faculdade de Economia Universidade de Coimbra Trabalho de Fontes de Informação Sociológica Professor: Paulo Peixoto Índice 1. Introdução

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL)

ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL) ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL) IPSCL - Dados IPSCL - Índices dimensões IPSCL - Gráfico Índices dimensões IPSCL - Índice geral IPSCL - Gráfico Índice geral Conceitos Cálculos

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos)

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Claire Binyon, Hugo Cruz e Sónia Passos 1. Evolução da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade na ESMAE

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Total de Horas (a) (Ciclo de Formação) Componente de Formação Sociocultural Português

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI 2007 2008 Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI Documento de suporte às funções do Coordenador TIC para o ano lectivo 2007/2008. Objectivos, recursos existentes, necessidades ao nível das TIC, actividades

Leia mais

UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA

UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA UNIDADE EDUCATIVA E TERAPÊUTICA A criança Aprende com a doença, porque: valoriza os aspetos positivos da vida gerando uma consciência reforçada sobre os seus êxitos pessoais; aproveita a oportunidade para

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2009

PLANO DE FORMAÇÃO-2009 PLANO DE FORMAÇÃO-2009 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: ) UFCD 4278- Animador- Perfil e Estatuto Profissional (25H) UFCD 4279- Animação Sociocultural- Áreas de Intervenção

Leia mais

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1 Boletim informativo Maio 2012 - Nº 05 Nota de Abertura Por Teles de Araújo Em Maio, entre as atividades da Fundação, devemos destacar a existência dum novo espaço em Lisboa que abre perspectivas para um

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO CADERNO FICHA 4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO 4.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe Instituição Particular de Solidariedade Social Serviços e Equipamentos para Idosos Centro de Convívio Centro de Dia Apoio Domiciliário Centro de Convívio Resposta

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 2015/2016 CATL

PROJETO PEDAGÓGICO 2015/2016 CATL PROJETO PEDAGÓGICO 2015/2016 CATL A vida é a arte de pintar e sentir a nossa própria história. Somos riscos, rabiscos, traços, curvas e cores que fazem da nossa vida uma verdadeira obra de arte! Autor

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE CARÁTER EVENTUAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE CARÁTER EVENTUAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE CARÁTER EVENTUAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/6 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Guião N 40 Subsídio de Caráter Eventual

Leia mais