As E.P.E. S do Sector da Saúde:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As E.P.E. S do Sector da Saúde:"

Transcrição

1 As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese. * A) As Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde são Estabelecimentos do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde, com natureza empresarial é dizer, são Institutos Públicos de Regime Especial: artº 48º, nº 1, c), da Lei- Quadro dos Institutos Públicos (Lei nº 3/2004, de 15 de Janeiro). 1 - À face da Constituição da República Portuguesa todos têm direito à protecção da saúde, o qual é realizado através de um serviço nacional de saúde universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito [artº 64º, nºs 1 e 2, a) da CRP]. 2 - E, incisivamente, a nossa jurisprudência constitucional afirma que o direito à saúde é um verdadeiro e próprio direito fundamental e o serviço nacional de saúde é uma garantia institucional da realização desse direito (1). 3 - A Lei de Bases da Saúde (Lei nº 48/90, de 24 de Agosto) é uma lei de valor reforçado (2) e, no que para aqui interessa, dela se extrai que: (1) Acórdão do Tribunal Constitucional nº 39/84, de 11/Abril/84 in Acórdãos do Tribunal Constitucional, 3º Vol. (1984), págs. 95 e segs.

2 a) O sistema de saúde visa a efectivação do direito à protecção da saúde (Base IV, nº 1); b) Para efectivação do direito à protecção da saúde, o Estado actua através de serviços próprios (Base IV, nº 2); c) O sistema de saúde é constituído pelo Serviço Nacional de Saúde e por todas as entidades públicas que desenvolvam actividades de promoção, prevenção e tratamento da saúde (Base XII, nº 1); d) A rede nacional da prestação de cuidados de saúde abrange os estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (Base XII, nº 4 sendo nosso o destacado); e) A gestão das unidades de saúde deve obedecer, na medida do possível, a regras de gestão empresarial (Base XXXVI, nº 1). 4 - A Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro, introduziu alterações à Lei nº 48/90, de 24 de Agosto (Lei de Bases da Saúde) e aprovou, como sua parte integrante, o Regime jurídico da gestão hospitalar. 5 - O Capítulo I do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar é dedicado às disposições gerais (artºs 1º a 8º). 6 - O artº 1º define o âmbito e nele se diz que: a) Aplica-se aos hospitais integrados na rede de prestação de cuidados de saúde (nº 1 sendo nosso o destacado); (2) Jorge Miranda, Manual de Direito Constitucional, Tomo V, págs

3 b) A rede da prestação de cuidados de saúde abrange os estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (nº 2 sendo nosso o destacado). 7 - O artº 2º do referido Regime Jurídico da Gestão Hospitalar está epigrafado de natureza jurídica e o seu nº 1 fixa a figura jurídica que os hospitais integrados na rede de prestação de cuidados de saúde podem revestir, interessando para aqui: a) Estabelecimentos públicos, dotados de personalidade jurídica, autonomia administrativa e financeira, com ou sem autonomia patrimonial [alínea a)]; b) Estabelecimentos públicos, dotados de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial e natureza empresarial [alínea b)]; 8 - Assim, e com toda a evidência, quer a Lei de Bases da Saúde quer o Regime Jurídico da Gestão Hospitalar falam de estabelecimentos públicos integrados na rede de prestação de cuidados de saúde do Serviço Nacional de Saúde. Sendo certo que, 9 - Os Estabelecimentos Públicos são espécie dos institutos públicos da qual os Hospitais do Estado são categoria (3) Aliás, isso mesmo decorre da Lei-Quadro dos Institutos Públicos (que é a Lei nº 3/2004, de 15 de Janeiro e que, no aspecto aqui observado, não tem qualquer alteração posterior) Na verdade, à face do artº 48º, nº 1, c), da referida Lei-Quadro os Estabelecimentos do Serviço Nacional são tipo dos institutos público e (3) Freitas do Amaral, Curso de Direito Administrativo, 1987, Vol. I, pág

4 gozam de regime especial, com derrogação do regime comum na estrita medida necessária à sua especificidade (os destacados são nossos) O Capítulo II do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar é dedicado aos Hospitais do sector público administrativo (SPA) e desdobra-se por duas Secções: a) Secção I: Estabelecimentos públicos (artºs 9º a 17º); b) Secção II: Estabelecimentos públicos com natureza empresarial (artº 18º) O nº 3 deste artº 18º do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar [que, como assinalado, está inserido na Secção II ( Estabelecimentos públicos com natureza empresarial ) do Capítulo II ( Hospitais do sector público administrativo (SPA) ] estatui que os hospitais que revistam a natureza jurídica de estabelecimentos públicos dotados de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial e natureza empresarial constam de diploma próprio do Governo. Porém, 12 - Sendo a Lei de Bases da Saúde lei de valor reforçado a denominação, por acto legislativo do Governo, de entidade pública empresarial não retira a qualificação de Estabelecimento do sector público administrativo (SPA) da Saúde, com natureza empresarial. E, 13 - Aliás, a natureza jurídica de um qualquer instituto não é ditada pelo seu nomen juris mas isso sim, é determinada pelos comandos que o regem, pela sua disciplina normativa (4). Sendo que, (4) Sobre a primazia dos comandos reitores, da disciplina normativa, v. Almeida Ferrão, Serviços Públicos no Direito Português, pág. 219; Ferreira Pinto e Guilherme da Fonseca, Direito Processual Administrativo Contencioso, pág. 38; Guilherme da Fonseca, Os hospitais do Estado: sua caracterização, Scientia Ivridica, Separata, Outubro-Dezembro 2005, Tomo LIV nº 304, pág. 636.

5 14 - Este mesmo registo da primazia dos comandos reitores, da disciplina normativa, está presente e foi determinante para o julgado no acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, de 28/Outubro/2009, Procº nº 0484/09 (5) e no acórdão do Tribunal de Conflitos de 6/Fevereiro/2014, Procº nº 024/12 (6) Em suma: as denominadas (por acto legislativo do Governo) Entidades Públicas Empresariais da Saúde são, com propriedade e rigor, Estabelecimentos do Sector Público Administrativo (SPA), da Saúde, com natureza empresarial: artº 64º, nºs 1 a 2, a), da CRP, Bases IV, nºs 1 e 2, XII, nºs 1 e 4, e XXXVI, nº 1, da Lei de Bases da Saúde, e, na sua localização sistemática, artºs 1º, nºs 1 e 2, primeiro segmento, 2º, nº 1, corpo, e alínea b), e 18º do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar (aprovado, como sua parte integrante, pela Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro). B) As Entidades Públicas Empresariais da Saúde desempenham a função administrativa do Estado Nos termos do artº 199º, g), da CRP, compete ao Governo, no exercício de funções administrativas praticar todos os actos e tomar todas as providências necessárias à promoção do desenvolvimento económico-social e à satisfação das necessidades colectivas, assertivando a nossa jurisprudência constitucional que o polimorfismo das estruturas organizatórias e a pluralidade das pessoas colectivas públicas são um instrumento para prosseguir as tarefas da Administração Pública em sentido objectivo, como função ou actividade administrativa (7). (5) V. nºs IV e V do sumário (o aresto está disponível em (6) V. nº 5 do discurso fundamentador (o aresto está disponível em (7) Acórdão do Tribunal Constitucional nº 155/2004 in Diário da República, I-A, nº 95, de 22/Abril/2004, a págs

6 17 - E a função administrativa compreende o conjunto de actos destinados à produção de bens e à prestação de serviços tendo em vista a satisfação das necessidades colectivas, função que é essencialmente desempenhada por pessoas colectivas públicas, e marginalmente, por pessoas colectivas privadas integradas na Administração Pública (8) (9) (10) O Decreto-Lei nº 12/2015, de 26 de Janeiro, harmonizou o regime dos Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E. e das Unidades Locais de Saúde, E.P.E. (cfr. artº 1º), de sorte que em ambos os casos estamos perante pessoas colectivas de direito público de natureza empresarial dotadas de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, nos termos do regime jurídico do sector público empresarial, e do artigo 18º do anexo da Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro (artº 5º, nº 1, do Decreto-Lei nº 233/2005, de 29 de Dezembro, artº 1º, nº 1, dos Estatutos dos Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E. e artº 1º, nº 1, dos Estatutos das Unidades Locais de Saúde, E.P.E., todos anexos ao citado Decreto-Lei nº 12/2015, de 26 de Janeiro) Nos termos do artº 18º, nº 2, do anexo da Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro (que é o Regime jurídico da gestão hospitalar ), os Estabelecimentos Públicos com Natureza Empresarial estão vinculados ao cumprimento das disposições gerais constantes do Capítulo I (do mesmo Regime Jurídico), e, por isso, ao artº 4º ( Princípios gerais na prestação de cuidados de saúde ), ao artº 5º ( Princípios específicos da gestão hospitalar ) e ao artº 6º ( Poderes do Estado ). E, (8) Acórdão do Tribunal de Conflitos de 2/Outubro/2008, Procº nº 012/08 disponível em (9) Na mesma linha, os acórdãos do Tribunal de Conflitos de 4/Novembro/2009, Procº nº 020/09, e de 9/Junho/2010, Procº nº 08/10 disponníveis em htpp:// e que observam figura jurídica pública integrada na rede de prestação de cuidados de saúde do Serviço Nacional de Saúde. (10) Na doutrina, Marcelo Rebelo de Sousa, Lições de Direito Administrativo, 1999, pág. 12; Marcelo Rebelo de Sousa e André Salgado de Matos, Direito Administrativo Geral, Tomo I, 2ª edição, pág. 39; Sérvulo Correia, Noções de Direito Administrativo, Vol. I, pág. 29.

7 20 - O citado artº 4º do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar (aplicável ex vi do nº 2 do artº 18º) estatui que na prestação de cuidados de saúde observam-se os seguintes princípios gerais: a) Liberdade de escolha do estabelecimento hospitalar, em articulação com a rede de cuidados de saúde primários; b) Prestação de cuidados de saúde, com humanidade e respeito pelos utentes; c) Atendimento de qualidade, com eficácia e em tempo útil aos doentes; d) Cumprimento das normas de ética e deontologia profissionais E como melhor resulta do artº 2º, nº 1, dos respectivos Estatutos quer os Hospitais e Centros Hospitalares, E.P.E. quer as Unidades Locais de Saúde, E.P.E. têm por objecto a prestação de cuidados de saúde aos beneficiários do Serviço Nacional de Saúde (no que para aqui interessa) Estes Estabelecimentos Públicos estão no exercício da função administrativa do Estado: são pessoas colectivas públicas com a função de prosseguir a tarefa atribuída ao Estado de promover a protecção da saúde (artº 64º da CRP), tarefa que o Estado só não prossegue em exclusivo por ter entendido que a descentralização dessa missão, conduziria a uma gestão mais ágil, mais eficiente, mais racional e mais económica dos meios que lhe estão afectos e que, portanto, dessa maneira melhor se alcançava a satisfação daquele interesse público (11) (11) Retirado do acórdão do Tribunal de Conflitos de 6/Fevereiro/2014, Procº nº 24/12 disponível em

8 C) As Entidades Públicas Empresariais da Saúde NÃO FAZEM PARTE do Sector Empresarial do Estado 23 - O artº 18º do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar fixa o regime aplicável aos estabelecimentos públicos com natureza empresarial do Serviço Nacional de Saúde. E, 24 - Por um lado, diz que os estabelecimentos públicos com natureza empresarial do Serviço Nacional de Saúde não estão sujeitos às normas aplicáveis aos institutos públicos que revistam a natureza de serviços personalizados ou de fundos autónomos (o destacado é nosso) O serviço personalizado do Estado é um instituto público que pertence ao organograma dos serviços centrais de um Ministério, e desempenha atribuições deste no mesmo plano que as respectivas direcções-gerais (12) Os fundos e serviços autónomos estão integrados no Estado e portanto sem personalidade jurídica e recheiam a administração estadual directa, tanto a nível central como local (13) E é às normas aplicáveis aos institutos públicos que revistam a natureza de serviços personalizados ou de fundos autónomos que não estão sujeitos os estabelecimentos públicos com natureza empresarial do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde Por outro lado, face ao mesmo artº 18º, nº 1, do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar os estabelecimentos públicos com natureza empresarial do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde regem-se ( ) subsidiariamente, pelo (12) Freitas do Amaral, Curso de Direito Administrativo, Vol. I, 1987, pág (13) Freitas do Amaral, Curso de Direito Administrativo, Vol. I, 1987, pág. 317.

9 regime jurídico geral aplicável às entidades públicas empresariais (o destacado é nosso) O Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro, estabeleceu os princípios e regras aplicáveis ao sector público empresarial, incluindo as bases gerais das empresas públicas (artº 1º, nº 1) E à face do artº 2º, nº 1, do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro, o sector público empresarial abrange: a) O sector público empresarial do Estado; b) O sector empresarial local. E, 28 - Face ao nº 2 do mesmo preceito, o sector empresarial do Estado abrange: a) As empresas públicas; b) As empresas participadas As empresas públicas são organizações empresariais constituídas sob a forma de sociedade de responsabilidade limitada nos termos da lei comercial (artº 5º, nº 1, do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro) sendo consideradas ( ) ainda empresas públicas as entidades com natureza empresarial reguladas no Capítulo IV (nº 2 do mesmo preceito) A criação das entidades públicas empresariais do Capítulo IV do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro, está obrigatoriamente sujeita a parecer prévio da Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização do Sector Público Empresarial (artº 57º, nº 3) a qual depende do membro do Governo responsável pela área das finanças (artº 68º, nº 1) e tem por missão prestar o

10 apoio técnico adequado ao membro do Governo responsável pela área das finanças tendo em vista o equilíbrio económico e financeiro do sector (artº 68º, nº 2 sendo nosso o destacado) Assim, bem se compreende que as Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde não estejam neste Capítulo IV do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro: o seu escopo não é a produção de bens para colocar no mercado mediante um preço, e, por isso mesmo, não se coloca em relação a elas a obrigatoriedade de respeito da neutralidade competitiva: as empresas públicas desenvolvem a sua actividade nas mesmas condições e termos aplicáveis a qualquer actividade privada, e estão sujeitas às regras gerais da concorrência, nacionais e de direito da União Europeia (artº 15º, nº 1, do mesmo Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro). E, 32 - Na verdade, as Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde são tratadas no Capítulo VII do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro, dispondo o artº 70º, aí sistematicamente inserido e sob epígrafe de Entidades públicas empresariais do sector da saúde, que o presente decreto-lei tem natureza subsidiária face ao regime aprovado pelo Decreto-Lei nº 233/2005, de 29 de Dezembro, atento o carácter especial deste diploma no que respeita às entidades públicas empresariais do sector da saúde (os destacados são nossos) em alinhamento perfeito com o artº 18º, nº 1, do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar (anexo, como sua parte integrante, à Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro) Em suma: os Estabelecimentos do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde com natureza empresarial, não fazem parte do Sector Empresarial do Estado.

11 D) As Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde estão integradas na administração indirecta do Estado Como antes se mostrou, as denominadas Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde são Estabelecimentos do Serviço Nacional da Saúde. E, 35 - Como também mostrado, os Estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde são Institutos Públicos de regime especial [artº 48º, nº 1, c), da Lei-Quadro dos Institutos Públicos]. Por isso, 36 - Isto é por serem institutos públicos, estão integradas na administração indirecta do Estado: artº 2º, nº 1, da Lei-Quadro dos Institutos Públicos. E, 37 - Esta integração na administração indirecta do Estado está jurisprudencialmente afirmada. Na verdade, 38 - O Supremo Tribunal Administrativo, em acórdão de 28/Outubro/2009 (14), julgou que o Hospital Público que reveste a natureza de entidade pública empresarial goza de um estatuto próprio, é uma pessoa colectiva de direito público, portanto com personalidade jurídica pública, criado por lei, desempenha em substituição do Estado uma das suas tarefas, que é a de prestação de bem estar (a saúde) aos cidadãos (artºs 9º e 64º da CRP), fazendo parte da administração indirecta do Estado; está sujeito ao poder de superintendência do Ministro da Saúde e aos poderes de tutela conjunta dos Ministros de Estado e das Finanças e da Saúde, tem natureza empresarial e é dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial (cfr. IV e V do sumário, sendo nosso o destacado). (14) Procº 048/09, disponível em

12 39 - E também assim julga o Tribunal de Conflitos (15) A Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, define e regula os regimes de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas (artº 1º, nº 1), incluindo no seu âmbito de aplicação subjectiva os actuais trabalhadores com a qualidade de funcionário ou agente de pessoas colectiva que se encontrem excluídas do seu âmbito objectivo de aplicação artº 2º, nº 2) e excluindo do seu âmbito de aplicação objectivo as entidades públicas empresariais (artº 3º, nº 5) A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, aprovou o Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas (artº 1º, nº 1) estatuindo que o seu âmbito de aplicação objectivo é o que se encontra definido no artigo 3º da Lei nº 12- A/2008, de 27 de Fevereiro (artº 3º, nº 1) O artº 9º da Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, introduziu alterações no Decreto- Lei nº 503/99, de 20 de Novembro ( regime jurídico dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais ocorridos ao serviço de entidades empregadoras públicas. E, 43 - Na nova redacção do artº 2º deste Decreto-Lei nº 503/99, de 20 de Novembro, ficou assim: a) O Decreto-Lei nº 503/99, de 20 de Novembro, é aplicável a todos os trabalhadores que exercem funções públicas, nas modalidades de nomeação ou de contrato de trabalho em funções públicas, nos serviços da administração directa e indirecta do Estado (nº 1); (15) Acórdão de 6/Fevereiro/2014, Procº nº 024/12 disponível em

13 b) Aos trabalhadores que exerçam funções em entidades públicas empresariais é aplicável o regime dos acidentes de trabalho previsto no Código do Trabalho (nº 4) Colocou-se, então, a questão de saber qual o regime aplicável em caso de acidente (de trabalho) de trabalhador em contrato de trabalho em funções públicas quando exercendo funções em entidade pública empresarial do sector da saúde: o do nº 1 ou o do nº 4 do artº 2º do Decreto-Lei nº 503/99, de 2 de Novembro? 45 - Isto porque: a) Se se considerasse a entidade pública empresarial do sector da saúde estava integrada na administração indirecta do Estado o regime aplicável era o do nº 1: o Decreto-Lei nº 503/99, de 20 de Novembro; b) Se se considerasse que a entidade pública empresarial do sector da saúde não estava integrada na administração indirecta do Estado o regime aplicável era o do nº 4: o regime do Código do Trabalho A isto respondeu, incisivamente, o Tribunal de Conflitos: O Centro Hospitalar, EPE, é uma pessoa colectiva pública integrada na administração indirecta do Estado, estando os trabalhadores que nele exercem funções públicas sujeitos à disciplina do D. L. nº 503/99, de 20 de Novembro (citado acórdão de 6/Fevereiro/2014, Procº nº 024/12). Sendo que, 47 - O discurso jurídico fundamentador (cfr. nº 5 do acórdão) está em linha com o do citado acórdão do Supremo Tribunal Administrativo de 28/Outubro/2009. Por isso,

14 48 - O concluído em ambos os Tribunais Superiores é inteiramente transponível para a interpretação e aplicação dos artºs 1º, nº 2, primeiro segmento, 2º, nº 1, b), e 4º, nº 4, da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas: as Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde estão integradas na administração indirecta do Estado (e, por isso, em matéria de acidentes de trabalho e doenças profissionais é aplicável aos trabalhadores que exercem funções públicas nas Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde a disciplina do Decreto-Lei nº 503/99, de 20 de Novembro). E) A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas 49 - A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (aprovada pela Lei nº 35/2014, de 20 de Junho) regula o vínculo do trabalho em Funções Públicas (artº 1º, nº 1) Aos trabalhadores (então funcionários e agentes) oriundos das unidades de saúde que deram origem às Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde está legalmente garantida a manutenção integral do seu estatuto jurídico: artº 15º, nº 1, do Decreto-Lei nº 233/2005, de 29 de Dezembro (republicado em anexo ao Decreto-Lei nº 12/2015, de 26 de Janeiro). Assim, 51 - Estes trabalhadores são (continuam a ser) titulares do vínculo de trabalho em funções públicas e, por isso, estão no âmbito de aplicação da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (artº 1º, nºs 1 e 6) A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas exclui do seu âmbito de aplicação as Entidades Públicas Empresariais [artº 2º, nº 1, b)]. Mas, 53 - As Entidades Públicas Empresariais excluídas do âmbito de aplicação da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas não são as Entidades Públicas

15 Empresariais do Sector da Saúde: estas, à face da Lei-Quadro dos Institutos Públicos, são Institutos Públicos de Regime Especial, integrados na administração indirecta do Estado [ou, na formulação da Lei de Bases da Saúde e do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar, são Estabelecimentos do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde, com natureza empresarial]. Por isso, 54 - A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas é aplicável às Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde. Isto, 55 - Naturalmente, e como é óbvio, no que concerne aos trabalhadores com vínculo de trabalho em funções públicas oriundos das unidades de saúde que deram origem àquelas Entidades. F) Em síntese: I - À face da nossa Lei Fundamental todos têm direito à protecção da saúde o qual é realizado através de um serviço nacional de saúde universal e geral, tendencialmente gratuito [artº 64º, nºs 1 e 2, a), da Constituição da República Portuguesa]; II - A Lei de Bases da Saúde (Lei nº 48/90, de 24 de Agosto e que é lei de valor reforçado) estatui que a rede nacional de prestação de cuidados de saúde abrange os estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (Base XII, nº 4); III - O Regime Jurídico da Gestão Hospitalar (aprovado pela Lei nº 27/2002, de 8 de Novembro) aplica-se aos hospitais integrados na rede da prestação de cuidados de saúde (artº 1º, nº 1) e nessa rede estão integrados os

16 estabelecimentos públicos, sem, ou com, natureza empresarial [artº 2º, nº 1, a) e b)]; IV - O Capítulo II do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar é dedicado aos Hospitais do Sector Público Administrativo (SPA) e desdobra-se pela Secção I, Estabelecimentos Públicos e pela Secção II, Estabelecimentos Públicos com natureza empresarial ; V - A Lei-Quadro dos Institutos Públicos (Lei nº 3/2004, de 15 de Janeiro) considera os Estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde como tipo dos institutos públicos; VI - Este tipo de institutos públicos (isto é: os Estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde goza de regime especial ( ) com derrogação do regime comum na estrita medida necessária à sua especificidade (artº 48º, nº 1, c) sendo nossos os destacados); VII - Os institutos públicos (isto é: seja comum seja especial o seu regime) integram a administração indirecta do Estado [artº 2º, nº 1, da referida Lei-Quadro]; VIII- O artº 48º, nº 2, da citada Lei-Quadro dispõe que cada uma destas categorias de institutos públicos pode ser regulada por lei específica. Assim, IX - A margem de conformação deixada pelo nº 2, compaginada com o campo do nº 1, do citado artº 48º, da Lei-Quadro dos Institutos Públicos (que é lei de valor reforçado) é a da estrita medida necessária à especificidade. Com o que, X - Estão em plena conformidade o artº 5º, nº 3, do Decreto-Lei nº 233/2005, de 29 de Dezembro (republicado em anexo ao Decreto-Lei nº 12/2015, de 26 de Janeiro), e o artº 70º do Decreto-Lei nº 133/2013, de 3 de Outubro: o regime jurídico do

17 sector público empresarial é de aplicação subsidiária às Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde. XI - A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas regula o vínculo de trabalho em funções públicas (artº 1º, nº 1) e os trabalhadores (então funcionários e agentes) oriundos das unidades de saúde que deram origem às Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde gozam da garantia legal de manutenção integral do seu estatuto jurídico [artº 15º, nº 1, do Decreto-Lei nº 233/2005, de 29 de Dezembro (republicado em anexo ao Decreto-Lei nº 12/2015, de 26 de Janeiro)] e, por isso, cabem no âmbito de aplicação da referida Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (artº 1º, nºs 1 e 6). XII - O artº 2º, nº 1, b), da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas exclui do seu âmbito de aplicação as Entidades Públicas Empresariais. Mas XIII- As excluídas Entidades Públicas Empresariais não são as Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde. É que, XIV- As Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde são Estabelecimentos do Serviço Nacional da Saúde (Base XII, nº 4, da Lei de Bases da Saúde) ou Estabelecimentos do Sector Público Administrativo (SPA) da Saúde, com natureza empresarial [na formulação do Regime Jurídico da Gestão Hospitalar] e, pois, Institutos Públicos de Regime Especial na disciplina da Lei-Quadro dos Institutos Públicos [artº 48º, nº 1, c), da Lei nº 3/2004, de 15 de Janeiro]. E, XV - As Entidades Públicas Empresariais do Sector da Saúde, porque Estabelecimentos do Serviço Nacional da Saúde, estão integradas na administração indirecta do Estado [artº 2º, nº 1, em leitura conjugada com o artº 48º, nºs 1, c), e 2, da referida Lei-Quadro dos Institutos Públicos]. Assim,

18 XVI- A Lei Geral do Trabalho é-lhes aplicável (artº 1º, nº 2, primeira parte), no que, como é óbvio, concerne aos trabalhadores com vínculo de trabalho em funções públicas oriundos das unidades de saúde que lhes deram origem. * Lisboa, 2 de Fevereiro de 2016 * * *

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL PARECER N.º 27/2011. Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL PARECER N.º 27/2011. Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar 1 PARECER N.º 27/2011 Referência: SM/53/2011.LS.0808 (CJ) Médico(a): Local de Trabalho: Assunto: Legislação: Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar Lei

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO

O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO 15 de outubro 2013 O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO Motivados pelas exigências constantes do Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica celebrado entre

Leia mais

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers.

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers. PARECER Na sequência de diversas denúncias e exposições rececionadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), e de informações prestadas a título de cooperação institucional 1, sobre prestação de cuidados

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PARECER Nº 60/PP/2014-P SUMÁRIO:

PARECER Nº 60/PP/2014-P SUMÁRIO: PARECER Nº 60/PP/2014-P SUMÁRIO: Existência ou não de Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Gestora de Recursos Humanos da Universidade ( ). O Conselho de Deontologia do Porto

Leia mais

PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N

PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N.º 347/2013, DE 28 DE NOVEMBRO, QUE ESTABELECE OS REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DAS UNIDADES PRIVADAS DE DIÁLISE

Leia mais

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 Revista em Março de 2009 Entidades Municipais, Intermunicipais e Metropolitanas ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1 8 OBJECTIVO 9 FUNÇÕES EQUIVALENTES AO COMPROMISSO DO REVISOR

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS INFORMAÇÃO Carreiras Médicas e Contratação Colectiva Na sequência da entrada em vigor da nova legislação laboral da Administração Pública (Lei n.º 12 A/2008 e Lei n.º 59/2008),

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

Lei dos Formulários dos Diplomas

Lei dos Formulários dos Diplomas CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Lei dos Formulários dos Diplomas (1998) Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda. É expressamente

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Regime Jurídico das Cooperativas de Ensino Decreto-Lei nº 441 A/82 de 6 de Novembro

Regime Jurídico das Cooperativas de Ensino Decreto-Lei nº 441 A/82 de 6 de Novembro Regime Jurídico das Cooperativas de Ensino Decreto-Lei nº 441 A/82 de 6 de Novembro ARTIGO 1º Âmbito As cooperativas de ensino, abreviadamente e suas organizações de grau superior regem-se pelas disposições

Leia mais

Decreto-Lei 187/2002, de 21 de Agosto-192 Série I-A

Decreto-Lei 187/2002, de 21 de Agosto-192 Série I-A Decreto-Lei 187/2002, de 21 de Agosto-192 Série I-A Procede à criação dos fundos de sindicação de capital de risco (FSCR) Decreto-Lei n.º 187/2002, de 21 de Agosto Nos termos da Resolução do Conselho de

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

- FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 4 /2008/RC/RS

- FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 4 /2008/RC/RS 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Qual a classificação económica a utilizar para as remunerações (vencimento, subsídio de refeição e subsídio de férias e de Natal) relativas a pessoal contratado

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU Lei nº 14/87, de 29 de abril Com as alterações introduzidas pelos seguintes diplomas legais: Declaração de Retificação de 7 maio 1987, Lei nº 4/94, de 9 de março, e

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA UNL Universidade Nova de Lisboa ARSA Administração Regional de Saúde do Alentejo PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA Nos termos do regime jurídico

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

X Legislatura Número: 24 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 05 de fevereiro de 2014. Suplemento

X Legislatura Número: 24 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 05 de fevereiro de 2014. Suplemento Região Autónoma da Madeira Assembleia Legislativa X Legislatura Número: 24 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 05 de fevereiro de 2014 Suplemento Sumário Decreto: - Define a titularidade de

Leia mais

Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores

Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores Os privilégios creditórios em especial a sua influência no concurso de credores I Traços gerais da figura do privilégio creditório (art.ºs 733.º a 753.º do Código Civil) 1. Espécies: em função da natureza

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218)

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218) REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA A OBSERVAR NA CONCEPÇÃO, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS BALIZAS DE FUTEBOL, DE ANDEBOL, DE HÓQUEI E DE PÓLO AQUÁTICO E DOS EQUIPAMENTOS DE BASQUETEBOL EXISTENTES

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 27/03/2008 DECISÃO DO

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Médicos.

Avaliação do Desempenho dos Médicos. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 24/13 De: 12.11.2013 ASSUNTO: Regulamento de Funcionamento do Conselho Coordenador de Avaliação do Desempenho dos Médicos. Vem o Conselho de Administração, por este meio, informar

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 22 /2010 8.JUN/1ª S/SS

ACÓRDÃO Nº 22 /2010 8.JUN/1ª S/SS Mantido pelo acórdão nº 34/10, de 17/12/10, proferido no recurso nº 14/10 Não transitado em julgado ACÓRDÃO Nº 22 /2010 8.JUN/1ª S/SS Processo nº 187/2010 I OS FACTOS 1. O Município de Gondomar remeteu,

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS REGIME JURÍDICO DO RECENSEAMENTO ELEITORAL Lei n.º 13/99, de 22 de Março. Artigo 1.º - Regra geral O recenseamento eleitoral é oficioso, obrigatório, permanente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Julho 2009 IRECTIVA 2008/48/CE? QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA

Julho 2009 IRECTIVA 2008/48/CE? QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA Julho 2009 A LOCAÇÃO FINANCEIRA E O NOVO REGIME DOS CONTRATOS DE CRÉDITO A CONSUMIDORES: QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA IRECTIVA 2008/48/CE? Para impressionar um potencial cliente numa reunião

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

FÓRUM DOS PRESIDENTES DOS SUPREMOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS PAÍSES E TERRITÓRIOS DE LÍNGUA PORTUGUESA ANGOLA

FÓRUM DOS PRESIDENTES DOS SUPREMOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS PAÍSES E TERRITÓRIOS DE LÍNGUA PORTUGUESA ANGOLA ANGOLA Memorandum Sobre a Estrutura e Funcionamento do Sistema Judicial de Angola O Sistema Judicial da República de Angola, como não podia deixar de ser, pode buscar a sua informação no Texto da Constituição

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentário da APRITEL 17 de Março de 2009 APRITEL comentarios DL23-2009

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 10/2004 DE 24 DE NOVEMBRO LEI DO SISTEMA DE SAÚDE O funcionamento dum sistema de saúde harmónico e estruturado, que possibilite a efectivação

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 1º, 2º, 3º e 4º Mercado interno do gás e da electricidade Contratos de concessão Taxa de ocupação de solos. Processo: nº 2258, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos DIPLOMA DO REGIME DE PRÉMIOS AOS ATLETAS, NA ALTA COMPETIÇÃO I SÉRIE N.º47 8 DE NOVEMBRO DE 1996 CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 33/96 de 8 de Novembro O desporto

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17.º: «As taxas para as autarquias locais actualmente existentes são revogadas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

Assunto: Apreciação dos projetos de diplomas legais de criação de novas carreiras de saúde em apreciação pública.

Assunto: Apreciação dos projetos de diplomas legais de criação de novas carreiras de saúde em apreciação pública. A SUAS EXCELÊNCIAS O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DR. MANUEL TEIXEIRA O SECRETÁRIO DE ESTADO DO EMPREGO DR. OTÁVIO OLIVEIRA Lisboa, 27 de agosto de 2015 Com conhecimento de Suas Excelências, O Ministro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 55 19 de Março de 2010 889 Unidas. Deberá notificar a la otra parte la conclusión de este procedimiento de registro y comunicarle el número de registro atribuido. Hecho

Leia mais

FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena

FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS 2011 FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Fl. 1 INDÍCE PREÂMBULO...Pág.3 CAPÍTULO I Disposições Gerais

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução

MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução No âmbito da estratégia de consolidação orçamental adoptada pelo Governo, foi também publicado,

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Aviso N.º 33/SI/2015 Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projetos em Co-Promoção 30 de novembro de 2015 CONTRATO

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos:

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos: R-47/06 (A4) Assunto: Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Regimes especiais de aposentação. Exercício do direito à negociação colectiva e do direito de participação dos trabalhadores da

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS Exposição de motivos Vários instrumentos de direito convencional comunitário, assim como diversas decisões-quadro

Leia mais

PARECER Nº DE 2015. RELATOR: Senador DOUGLAS CINTRA

PARECER Nº DE 2015. RELATOR: Senador DOUGLAS CINTRA PARECER Nº DE 2015 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 356 de 2012, do Senador Paulo Paim, que altera o artigo 53 do Código Civil

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE SALIR DE MATOS (Lei nº 53-E/2006 de 29 Dezembro) 1 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS JUNTA DE FREGUESIA DE SALIR DE

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Lei nº 9/95 de 15 de Setembro Nos termos da Lei constitucional, o sistema económico e social do País assenta na coexistência dos diversos tipos de propriedade,

Leia mais

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro orgânico

Leia mais

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002 466 Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A de 12 de Abril Organização e funcionamento do sistema de reconhecimento e validação de competências e da educação e formação de adultos A Lei de Bases do

Leia mais

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho A criação de um sistema de caucionamento mútuo em Portugal permitirá às pequenas e médias empresas e às microempresas a utilização de um instrumento que em outros

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais