Direito da Economia Programa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito da Economia Programa"

Transcrição

1 Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2011/2012 Direito da Economia Programa Aulas 1/2-20 de Setembro Apresentação do programa, bibliografia, métodos de ensino e aprendizagem e de avaliação. Introdução à disciplina 1. Direito e sociedade. Direito e economia. Direito, Estado e mercado. 2. Fundamentos da autonomia do Direito Económico. O Direito Económico como ramo de direito. Evolução histórica. A interdisciplinaridade no estudo do Direito Económico. 3. As fontes do Direito Económico. Aulas 3/4-27 de Setembro A Constituição económica 1. Da sociedade agrícola à sociedade industrial e à sociedade da informação: evolução do direito e dos direitos. 2. Direito da economia, integração económica e globalização. 3. A constituição económica. Noção. Constituição económica e ordem jurídica da economia. A Constituição económica na história das constituições. A Constituição económica portuguesa 1. Os direitos e deveres fundamentais com incidência na ordem económica. 2. Os pressupostos básicos da economia de mercado: configuração constitucional da propriedade e da iniciativa económica. 3. Os direitos sociais como condicionamentos das liberdades económicas. 4. A organização económica. Sectores de propriedade dos meios de produção: público, privado e social. Do Estado produtor ao Estado regulador. 5. Os órgãos de definição da política económica. 1

2 Aula 5/6 4 de Outubro A europeização da constituição económica 1. A constituição económica da União Europeia: objectivos, instrumentos, princípios. 2. Instituições comunitárias e suas atribuições na esfera económica. 3. O direito do mercado interno: as liberdades económicas fundamentais. Implicações possíveis da Carta dos Direitos Fundamentais sobre o quadro regulador do mercado interno. 4. Constituição económica da UE e Constituição económica portuguesa. Estado, Economia e Direito 1. Evolução das funções económicas do Estado. Estado liberal, Estado-providência, Estado intervencionista, Estado produtor, Estado regulador. 2. Desenvolvimento e recuo do Estado produtor. O reforço do Estado regulador. Regulação, desregulação, re-regulação, desintervenção. 3. A Administração económica portuguesa. Administração directa e indirecta. Administração concentrada e desconcentrada. As entidades administrativas independentes. As associações públicas com funções económicas. A administração pública por entidades privadas. Aula 7/8 11 de Outubro O sector empresarial do Estado 1. Nacionalizações, privatizações, participações sociais do Estado. 2. Evolução das formas jurídicas do Estado empresário. Os serviços públicos económicos. Das empresas públicas às entidades públicas empresariais. Composição e regime actual do sector empresarial do Estado. 3. A função accionista do Estado. Derrogações ao regime das sociedades comerciais. Golden shares : passado e presente. 4. O regime das parcerias público-privadas. Aulas 9/10 18 de Outubro A regulação pública da economia 1. Objectivo. Tipos de regulação. Procedimentos da regulação. As principais áreas da regulação pública-económica. 2. Planeamento e formas de orientação e auxílio dos agentes económicos. 3. A regulação do acesso à actividade económica. 2

3 3.1 A liberdade de acesso. As excepções ao regime de livre acesso à actividade económica. As reservas do sector público e os regimes de acesso condicionado. 3.2 O licenciamento de actividades económicas: actividade industrial; actividade comercial; licenciamento de outras actividades. 3.3 O regime do investimento estrangeiro. Evolução. Aulas 11/12 25 de Outubro A regulação da concorrência 1. Mercado e concorrência. Concorrência e concentração. Da concorrência perfeita à concorrência praticável. Modelos de defesa da concorrência (legislações anti-trust ). 2. A regulação da concorrência na UE e em Portugal. 2.1 Conceitos e princípios fundamentais. 2.2 O regime das práticas comerciais restritivas. As isenções por categoria. 2.3 O regime do abuso de posição dominante. 2.4 O controlo das concentrações. 2.5 O regime dos auxílios estatais. 2.6 O regime dos serviços de interesse económico geral. Aulas 13/14 8 de Novembro A regulação da concorrência na UE e em Portugal (cont.) Aulas 15/16 15 de Novembro A regulação dos mercados emergentes 1. Dos monopólios públicos à privatização e liberalização das infra-estruturas e da exploração de serviços públicos. O Livro Branco da Comissão Europeia sobre os serviços de interesse económico geral. 2. Objectivos e instrumentos de regulação. Evolução do Estado regulador em Portugal. Organização e funções das entidades administrativas independentes. 3. A regulação das telecomunicações. Do monopólio público à concorrência. Defesa e promoção de um mercado concorrencial. Âmbito do serviço público universal. A Autoridade Nacional das Comunicações, ICP ANACOM. 4. A regulação do sector de águas e resíduos. Evolução do quadro normativo e institucional. A Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos ERSAR. 3

4 Aula 17/18 22 de Novembro Novos desafios da regulação: ambiente, saúde pública, segurança alimentar 1. Regulação e governação do risco. Da regulação centrada à regulação descentrada. Avaliação, comunicação e gestão do risco. 2. Políticas e direito do ambiente na Europa e em Portugal. Novos princípios: da prevenção à precaução; o princípio da participação. Métodos de regulação ambiental. 3. A regulação da qualidade e segurança alimentares. Instituições e instrumentos de regulação. As agências de segurança alimentar. Aula 19/20 29 de Novembro Novos desafios da regulação: mercado e sociedade da informação 1. Mercado e sociedade da informação. Da liberdade de informação aos direitos sobre a informação. A renovada importância da propriedade intelectual. Propriedade intelectual sobre novos produtos de informação: software, bases de dados, produtos multimédia. Direitos de autor na Internet. Regime dos motores de busca. 2. Regime dos serviços de informação e do comércio electrónico. A regulação dos conteúdos da informação circulada na Internet. Aula 21/22 6 de Dezembro Novos desafios da regulação (cont.) Aula 23/24 13 de Dezembro Conclusão do curso: síntese e questões sobre a matéria dada. Bibliografia Manual de apoio SANTOS, António Carlos, Maria Eduarda GONÇALVES e Maria Manuel L. MARQUES (2011), Direito Económico, Coimbra: Almedina (6ª edição). 4

5 Bibliografia complementar Algumas referências M. M. Leitão Marques, A Goucha Soares, Concorrência. Estudos. Coimbra, Almedina, E. P. Ferreira, L. Morais, G. Anastácio (coord.), Regulação em Portugal. Novos Tempos, Novo Modelo?, Coimbra, Almedina, J. N. Calvão da Silva, Mercado e Estado. Serviços de Interesse Económico Geral, Coimbra, Almedina, R. Baldwin, M. Cave, Understanding Regulation. Theory, Strategy and Practice, Oxford, Oxford, (Reimpressão, 2010). Legislação básica * Constituição da República Portuguesa Tratado da União Europeia e Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia Regime do sector empresarial do Estado - DL n.º 558/99, de 17/12, alterado pelo DL n.º 300/2007, de e L n.º 64-A/2008, de Regime das parcerias público-privadas - DL n.º 141/2006, de 27/07 Lei da Concorrência - Lei nº 18/2003, de 11 de Junho Regime do licenciamento da actividade industrial - Decreto-Lei nº 69/2003, de 10 de Abril Regime do licenciamento da actividade comercial - Lei nº 12/2004, de 30 de Março Estatuto da ANACOM - DL n.º 309/2001, de 7 de Dezembro Estatuto da ERSAR - DL n.º 207/2006, de e DL n.º 277/2009, de 2/10 Lei do Comércio Electrónico - Decreto-Lei n.º 7/2004, de 7 de Janeiro * Esta legislação será disponibilizada on-line Método de ensino As aulas serão teóricas e práticas. As aulas teóricas destinam-se a introduzir os temas e tópicos da matéria. As aulas práticas visam permitir a apreciação de casos ilustrativos da matéria, com a participação activa dos estudantes, quer por meio de exposições orais, apoiadas em pesquisa e análise prévias, quer por meio de participação no debate que se seguirá. 5

6 Método de avaliação Os alunos serão avaliados com base nos resultados de um exame a realizar no final do semestre, bem como de um trabalho de grupo a realizar durante o semestre. O trabalho consistirá numa exposição oral em aula (c. 15/20 minutos), seguida de discussão. Até 4 semanas após a realização desta exposição, deverão os alunos entregar um texto escrito (c. 20 páginas) reflectindo essa exposição e levando em linha de conta os comentários recebidos durante a discussão. A assiduidade e uma participação activa nas aulas serão valorizadas na classificação final. Os vários elementos de avaliação serão ponderados da seguinte forma: Exame 50% Trabalho, incluindo exposição 40% Participação nas aulas 10% Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves s: ; 6

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo 2014-2015 Introdução PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Professor Doutor Nuno Cunha Rodrigues DIREITO DA ECONOMIA PROGRAMA Setembro 2014

Leia mais

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo 2010-2011 PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Setembro 2010 Regente/Coordenador Luís D. S. Morais BLOG pessoal especializado em direito

Leia mais

Mestrado: Forense. Disciplina: Responsabilidade Civil. Docente: Maria da Graça Trigo. Ano lectivo: 2010/2011. Semestre: 1º Semestre

Mestrado: Forense. Disciplina: Responsabilidade Civil. Docente: Maria da Graça Trigo. Ano lectivo: 2010/2011. Semestre: 1º Semestre Mestrado: Forense Disciplina: Responsabilidade Civil Docente: Maria da Graça Trigo Ano lectivo: 2010/2011 Semestre: 1º Semestre 1. Programa da disciplina [sujeito a alterações] I Parte Geral 1. Introdução

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Apresentação FINANÇAS PÚBLICAS. Resultados de aprendizagem. Programa. Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09. Finanças Públicas - 2º Ano

Apresentação FINANÇAS PÚBLICAS. Resultados de aprendizagem. Programa. Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09. Finanças Públicas - 2º Ano Apresentação Docente responsável: Linda G. Veiga FINANÇAS PÚBLICAS Licenciatura em Direito 2º Ano, 1º Semestre 2008/09 Equipa docente Aulas teóricas: Linda Gonçalves Veiga Gabinete: 2.36 da Escola de Economia

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Propriedade Industrial

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Propriedade Industrial INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Lectivo 2014/2015 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Regência Professor

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais, Contabilidade Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Eduardo Luís

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Capitais Públicos e Capitais Privados no Mercado Interno: Assegurar um Ambiente Equitativo para Empresas Públicas e Privadas Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt XXIV Congresso FIDE Madrid 2010 Arial Bold

Leia mais

II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL

II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL II CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL (2012/2013) Organização Instituto de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito de Lisboa Coordenação científica Profª Doutora Rosário Palma Ramalho Professora

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DOS ESTÁGIOS INTEGRADOS NOS CICLOS DE PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL

NORMAS REGULADORAS DOS ESTÁGIOS INTEGRADOS NOS CICLOS DE PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL NORMAS REGULADORAS DOS ESTÁGIOS INTEGRADOS NOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL Considerando o processo de adequação da Licenciatura

Leia mais

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 Artigo 17.º Elementos que constam obrigatoriamente dos diplomas e cartas de curso Dos diplomas e cartas de curso constarão os seguintes

Leia mais

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Versão 4.6-2º semestre 2003/04 1996-2004 LMBG, Universidade Fernando Pessoa baseado nos acetatos

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Documento elaborado no âmbito das 1ª, 2ª e 3ª Comissões Permanentes e aprovado na reunião destas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1 Aprovação do documento Função Nome Responsável: CD / Director / Presidente IPL Aprovação: Assembleia de Representantes / Conselho Geral (Acta de Reunião) Divulgação: Comunidade

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO II

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO II FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE MACAU DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO II PLANO DO CURSO SEMESTRAL A MINISTRAR AOS ALUNOS DO 5º ANO JURÍDICO DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU, NO ANO LECTIVO

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE COIMBRA Ficha de Unidade Curricular (Recrutamento e Selecção) ANO LECTIVO 2015/2016 6º Semestre Im-13-124_A0 Página

Leia mais

Plano de transição e equivalências

Plano de transição e equivalências Adequação a Bolonha Curso: Gestão Plano de transição e equivalências -I- REGRAS DE TRANSIÇÃO: 1. Os alunos inscritos no ano lectivo 2005/06 nos 1º e 2º ano do 1º ciclo do curso actual, transitam obrigatoriamente

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Uma Mensagem Positiva

Uma Mensagem Positiva Uma Mensagem Positiva "O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objectivo. Mesmo não atingindo o objectivo, quem procura e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Estratégia Empresarial

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Estratégia Empresarial INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Empreendorismo Social e Empregabilidade Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Empreendorismo Social e Empregabilidade Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Empreendorismo Social e Empregabilidade Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA GERAL DO

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas do pessoal ao serviço nos Tribunais Código: 471 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística Pessoal ao serviço nos Tribunais tem

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ESTATÍSTICA

Leia mais

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL ENQUDRAMENTO Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL A Faculdade de Ciências inclui nos seus planos de estudos diversas disciplinas que têm como objectivo sensibilizar os

Leia mais

M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS

M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS JÁ PENSASTE EM ESTUDAR MATEMÁTICA? Esta brochura destina-se a todos os jovens que gostam de Matemática e que querem conhecer

Leia mais

CD-CTFP-30-ARH/2011 Página 1

CD-CTFP-30-ARH/2011 Página 1 Edital n.º 1230/2011 Doutor Manuel António Cotão de Assunção, Professor Catedrático e Reitor da Universidade de Aveiro, faz saber que, pelo prazo de trinta dias úteis contados do dia útil imediato àquele

Leia mais

Privatizações em Tempo de Crise. Sérgio Gonçalves do Cabo Mestre em Direito das Comunidades Europeias Docente do IDEFF

Privatizações em Tempo de Crise. Sérgio Gonçalves do Cabo Mestre em Direito das Comunidades Europeias Docente do IDEFF Privatizações em Tempo de Crise Sérgio Gonçalves do Cabo Mestre em Direito das Comunidades Europeias Docente do IDEFF As privatizações como elemento do programa de assistência financeira Carta de intenções

Leia mais

O programa da UC encontra-se dividido em quatro (4) módulos principais. Cada módulo encontra-se organizado por tópicos

O programa da UC encontra-se dividido em quatro (4) módulos principais. Cada módulo encontra-se organizado por tópicos CONTABILIDADE FINANCEIRA PÚBLICA I [14000] GERAL Ano Letivo: 201415 Grupo Disciplinar: Contabilidade Pública ECTS: 4,5 Regime: EL Semestre: S1 OBJETIVOS São objectivos da unidade curricular: Compreender

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

Revisor Oficial de Contas, desde 1990.

Revisor Oficial de Contas, desde 1990. 1. Dados pessoais Nome: Vitor Manuel Batista de Almeida Data de nascimento: 14 de Julho de 1956 Naturalidade: Lisboa Residência: Calçada das Lages, Lote 3, Nº 61-A, 14º C 1900-291 Lisboa Telefone casa:

Leia mais

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 I. Introdução 1. A crise da empresa 2. Mecanismos contratuais e legais 3. Recuperação extrajudicial, judicial e híbrida II.

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010 Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Ciências do Património 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP INTRODUÇÃO Em 26 DE Novembro de 2003, os CTT CORREIOS DE PORTUGAL, SA, notificaram à Autoridade da Concorrência,

Leia mais

DADOS PESSOAIS: Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Média de 16 valores. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL:

DADOS PESSOAIS: Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Média de 16 valores. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: DADOS PESSOAIS: Nome: João Jorge Gil Rodrigues Cardoso de Almeida Nacionalidade: Portuguesa Nascimento: 23 de Julho de 1976 Estado civil: Casado Residência: Rua da Serra n.º39 A, Vila Verde. 3090-653 Figueira

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO (4.ª Edição) Actualização N.º 3 Código da Estrada Edição de Bolsa 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DA ESTRADA Actualização N.º 3 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 27/03/2008 DECISÃO DO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CEB DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CEB DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM Módulo 1 - As empresas Turísticas Tipologia 1. Tipologia e classificação quanto ao segmento de mercado em que se enquadram 2. Tipologia dos Serviços prestados 2.1.Operadores turísticos 2.2.Transportadoras

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO. COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO. COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE LICENCIATURA EM MARKETING ANO LECTIVO 2006/2007 1. Objectivos

Leia mais

1 RESPOSTA A EVENTUAIS DÚVIDAS EXPERIMENTADAS PELOS ESTUDANTES A FREQUENTAR O CURSO PELA PRIMEIRA VEZ

1 RESPOSTA A EVENTUAIS DÚVIDAS EXPERIMENTADAS PELOS ESTUDANTES A FREQUENTAR O CURSO PELA PRIMEIRA VEZ DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL E CULTURA 1 RESPOSTA A EVENTUAIS DÚVIDAS EXPERIMENTADAS PELOS ESTUDANTES A FREQUENTAR O CURSO PELA PRIMEIRA VEZ 1. A quem devo dirigir-me, caso tenha dúvidas

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL E CULTURA

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL E CULTURA LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL E CULTURA GUIA DO ESTUDANTE 2013-2014 Esperança Alves (Setembro 2007) GUIA DO ESTUDANTE 2013-2014 1 RESPOSTA A EVENTUAIS DÚVIDAS EXPERIMENTADAS PELOS ESTUDANTES A FREQUENTAR

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação de Gestão

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação de Gestão INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 25/3/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/5/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome PEREIRA DA SILVA, LUÍS M. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL ACTUAL 1999 presente 2003 presente 2009 presente Tipo de empresa ousector 2010 presente Tipo

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

1. A cooperação instituída terá, designadamente, por objecto a realização dos

1. A cooperação instituída terá, designadamente, por objecto a realização dos ~~PROTOCOLO Considerando que o Instituto Nacional de Administração, IP, tem como missão fundamental contribuir, através da formação, da investigação científica e da assessoria técnica, para a modernização

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA 120 HORAS S. JORGE

EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA 120 HORAS S. JORGE EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA 120 HORAS S. JORGE MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 A EMPRESA 12 FILIPE RAMOS 2 12 MÁRIO FERREIRA A ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA 3 OPORTUNIDADE DO 12 MÁRIO FERREIRA NEGÓCIO/DESENVOLVIEMNTO

Leia mais

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 OS QUATRO SISTEMAS DE GESTÃO ACTUALMENTE EM CONFRONTO NO ÂMBITO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) E O PROGRAMA DO PS PARA A SAÚDE RESUMO DESTE ESTUDO Neste momento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Serviço Social (2º Ciclo) UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013 2. Curso Mestrado

Leia mais

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 Revista em Março de 2009 Entidades Municipais, Intermunicipais e Metropolitanas ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1 8 OBJECTIVO 9 FUNÇÕES EQUIVALENTES AO COMPROMISSO DO REVISOR

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HIGIENE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HIGIENE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular HIGIENE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos Humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Ano Letivo: 201516. Grupo Disciplinar: Finanças ECTS: 5,0. Regime: D, PL. Semestre: S1

Ano Letivo: 201516. Grupo Disciplinar: Finanças ECTS: 5,0. Regime: D, PL. Semestre: S1 OPERAÇÕES E PRÁTICA SEGURADORA [8175214] GERAL Ano Letivo: 201516 Grupo Disciplinar: Finanças ECTS: 5,0 Regime: D, PL Semestre: S1 OBJETIVOS Os seguros são uma actividade essencial para o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA Artigo 1º (Princípios Gerais) 1- Nos cursos ministrados pela Escola Superior de Educação da Guarda o regime de avaliação orienta-se pelos seguintes princípios gerais:

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 é uma unidade curricular da licenciatura em Contabilidade ministrada no Instituto Superior de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro. A arrancou em 1998 e

Leia mais

DIREITO DOS MERCADOS FINANCEIROS. Regente Coordenador Professor Doutor Luis Silva Morais

DIREITO DOS MERCADOS FINANCEIROS. Regente Coordenador Professor Doutor Luis Silva Morais DIREITO DOS MERCADOS FINANCEIROS Licenciatura em Direito Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa FDL Ano letivo 2015-2016 3.º Ano Turma A Turno diurno PROGRAMA Regente Coordenador Professor Doutor

Leia mais

ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS

ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS Pós-Graduação ALTA PERFORMANCE NAS VENDAS [ Pós-Graduação na Área Comportamental e Inteligência Emocional ] 9ª Edição Atribuição de créditos (ECTS) a todas as unidades curriculares. Processo de Bolonha

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

Avaliação do Pessoal docente

Avaliação do Pessoal docente Avaliação do Pessoal docente Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série Página 1 de 9 Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série A revisão do sistema de

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Cristina Cota Sequeira e Rua Maluda nº 10 3º Dtº, 1750-465 Lisboa, Portugal Telefone(s) 217931889 Telemóvel: 962835470

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

7. A Formação e as Escolas

7. A Formação e as Escolas 7. A Formação e as Escolas Depois de definir as áreas alvo para orientar os 3ºs ciclos, a parte superior da nossa pirâmide de formação, importa progressivamente estabelecer formações intermédias, de 2º

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17.º: «As taxas para as autarquias locais actualmente existentes são revogadas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 01/2005: IMPRESA / SIC / BPI I INTRODUÇÃO 1. Em 3 de Janeiro de 2005, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação relativa a uma projecto

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA Licenciatura em Engenharia Agro-pecuária Ref.ª : 1510003 Ano lectivo: 2008-09 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR LÍNGUA INGLESA E COMUNICAÇÃO 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 22 - Humanidades 1.2

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais