OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA"

Transcrição

1 OTITES MÉDIAS AGUDAS Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA

2 Considerações anatômicas:

3 Considerações funcionais: Energia mecânica (SOM) estímulos elétricos AUDIÇÃO

4 1- Conceito: Processo inflamatório e/ou infeccioso da mucosa da orelha média, em geral associado a sintomas clínicos como febre, irritabilidade e otalgia e, a sinais característicos da membrana timpânica (abaulamento/ perda da transparência/ presença de vasos radiais/ alterações da cor)

5 2- Importância: elevada incidência em crianças prescrição ATB (gastos/ resistência) custos diretos (consultas/ internações/ medicamentos) custos indiretos (falta a escola/ trabalho/ gastos previdência) Complicações seqüelas

6 3- Fisiopatogenia: a) Principal fator: IVAS tuba auditiva OMA (viral bacteriana) complicações e sequelas b) Menos freqüentes: - traumas com ruptura da MT infecção secundária; - complicação de cirurgia da orelha média; - complicações de otites externas; - barotraumas.

7 4- Fatores de risco: Anatomofisiologia da tuba auditiva: criança + curta / + horizontal / + calibrosa Posição de amamentação * creche tabagismo *(exposição a microorganismos e antígenos alimentares/ encurtamento do aleitamento materno/dedos e chupetas)

8 Fatores de risco Alergias: respiratórias e alimentares Doenças associadas: Fissura palatina P. Cerebral S. Down DRGE Rinossinusites Hipertrofia de adenóide, tonsilas palatinas e cornetos nasais Doenças mucociliares (Fibrose Cística / Síndrome de Kartagener) Imunodeficiências: primárias e secundárias * * (OMA é a IVAS bacteriana + frequente em crianças HIV +)

9 5- Incidência: Sexo: > masculino Faixa etária: 6 meses < crianças < 6 anos 75% das crianças < 2 anos 1 OMA / ano 50% das crianças < 2 anos 2 OMA / ano 25% das crianças < 2 anos 3 ou mais OMA / ano Pico de incidência: 2 anos imaturidade imunológica baixa produção de IgG (IgG2) resposta a antígenos polissacárides S. pneumoniae / H. influenzae

10 6- Microbiologia: VÍRUS 30% Vírus sincicial respiratório Rhinovírus Parainfluenza Adenovírus Influenzae A ou B BACTÉRIAS (EUA 2008) Streptococcus pneumoniae (25-50%) Haemophilus influenzae (15-30%) Moraxella catarrhalis (3-20%) BRASIL - OTACÍLIO LOPES (FCMSCSP- 1992) Haemophilus influenzae: 7 a 28% Staphylococcus aureus: 22% Moraxella catarrhalis: 5% Streptococcus do grupo A: 3% Pseudomonas aeruginosa: (1 a 2%) 70%

11 Obs.: ESTUDO PRÁTICO DAS OTITES Classificação clínica geral das otites: Otite Média Aguda Otite Média Secretora Otite Média Crônica Classificação das otites quanto ao tempo de duração: - Aguda < 3 semanas de duração - Subaguda de 3 semanas a 3 meses - Crônica > 3 meses de duração

12 7- Formas clínicas e diagnóstico: 7.1- CLASSIFICAÇÃO GERAL DAS OTITES MÉDIAS AGUDAS: OMA simples OMA supurada OMA recorrente 7.2- CLASSIFICAÇÃO ESPECÍFICA (SHAMBAUGH Chicago - EUA)* OMA viral OMA supurativa (bacteriana) OMA necrosante (bacteriana especial) OMA alérgica OMA tuberculosa OMA LATENTE do lactente (supurativa especial)

13 Formas clínicas e diagnóstico OMA simples CLÍNICA: otalgia súbita/ febre/ irritabilidade/ choro/ inapetência OTOSCOPIA: abaulamento/ perda de transparência/ alterações de cor ETIOLOGIA: predominante viral (rinovirus, vírus sincicial respiratório, adenovírus, influenzae A ou B/ parainfluenza)/ pode evoluir para BACTERIANA Em geral são auto-limitadas

14 Formas clínicas e diagnóstico OMA supurada CLINICA: secreção (otorréia) / diminuição ou cessação da dor OTOSCOPIA: ruptura da MT com extravasamento de secreção às vezes dificultando o exame ETIOLOGIA: predomina BACTERIANA (Haemophilus influenzae/ Staphylococcus aureus/ Moraxella catarrhalis/ Streptococcus do grupo A / Pseudômonas aeruginosa)

15 Formas clínicas e diagnóstico OMA recorrente DEFINIÇÃO: 4 OU + EPISÓDIOS DE OMA EM 12 MESES 3 OU + EPISÓDIOS EM 06 MESES CLINICA: FASE AGUDA: otalgia súbita/ febre/ irritabilidade/ choro/ inapetência FASE LATENTE: em geral assintomática OTOSCOPIA: depende da fase do exame ETIOLOGIA: predomina BACTERIANA (resistente?) contaminações

16 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA Viral CLÍNICA Dolorosa; Não melhora com antibióticos; menos frequente 30% Cura em poucos dias; Caráter epidêmico. COMPLICAÇÕES: evolução para forma bacteriana infecção secundária supurativa ou não. FORMA ESPECIAL: MIRINGITE BOLHOSA camada subepitelial da MT formação de vesícula hemorrágica na MT e epitélio adjacente não costuma comprometer a orelha média.

17 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA supurativa (bacteriana/purulenta) CLINICA: É a mais freqüente na prática clínica (predomínio nas crianças) 70% dos casos Tende a supurar (quando não recebe tratamento clínico); Em geral apresenta evolução benigna; Maior destaque nos consensos sobre OMA (ABORL-CCF) DIAGNÓSTICO: Febre, irritabilidade e otalgia; Abaulamento timpânico (é o sinal mais importante); Presença de nível líquido (a criança deve ser examinada sentada); Perda da transparência e presença de vasos radiais na MT; Alterações da cor (hiperemia da MT choro / mudança de cor: esbranquiçada, amarelada); Obs.: Perfuração aguda da MT (em geral é pequena, suficiente para a saída do exsudato, e muitas vezes de difícil visibilização); Otorréia e presença de bolhas de ar.

18 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA necrosante (bacteriana especial) É RARA Quando ocorre é mais freqüente associadas a: (sarampo, escarlatina, pneumonia e doenças com queda do estado geral) Agente mais freqüente: Streptococcus pyogenes Cultura da secreção (pus): Staphilococcus ou Pseudomonas * Evolução muita rápida

19 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA alérgica semelhante aos processos de hipersensibilidade de vias aéreas superiores (ácaros, fungos, poeira, alimentos, corantes, etc.) reação de hipersensibilidade liberação de substâncias (histamina, mastócitos, basófilos,etc.) aumento da permeabilidade capilar e edema tubário liquido estéril e rico em eosinófilos MT pálida. TRATAMENTO: Anti-histaminico; Corticosteróides; Miringotomia; Avaliação e terapêutica antialérgica.

20 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA tuberculosa Adquirida pelo contágio das secreções pulmonares Auto-infecção via tuba auditiva (catarro pulmonar) Pode ocorrer por leite de vaca contaminada (raro em crianças) TRATAMENTO: específico para tuberculose

21 CLASSIFICAÇÃO (SHAMBAUGH) OMA LATENTE do lactente (OTOANTRITE) Pouco freqüente na atualidade Otoscopia: normal (justifica a denominação latente) Diagnóstico: por exclusão (insistência da pediatria / ineficácia terapêutica/ avaliação ORL) Mais comum em lactentes desnutridos (distróficos) Forma Digestiva: é a mais freqüente (vômitos, diarréia aquosa e rebelde ao tratamento); Forma Neurotóxica: toxemia, palidez, rigidez nucal por irritação meníngea, crises convulsivas; Forma Febril: febre persistente e resistente, perda de peso, anorexia, vômitos, é a forma mais branda.

22 8- Tratamento: OMA Viral: Calor local (compressa morna e seca) Analgésico/ Antitérmico (adaptação/ não alergênico) Fitoterápico (Pelargonium sidoides) Descongestionantes Gotas otológicas

23 Tratamento OMA Bacteriana: Analgésico; Antitérmico; Calor local; Antinflamatórios (corticosteróides); VANTAGENS dos ATBs para OMA: Melhora mais rápida dos sintomas Redução de tempo da doença Reduz progressão para OMA bilateral *Antibiótico:? *prevenção de complicações e RECORRÊNCIAS (?) DESVANTAGENS dos ATBs para a OMA: *Uso empírico (colaborando para o aumento de resistência dos microorganismos) ROSENFELD: (Dinamarca, Noruega, Suécia e Finlândia) 80% de cura espontânea em crianças com OMA de 7 a 14 dias 95% de cura em crianças que foram tratadas com ATB

24 Tratamento OMA bacteriana ESCOLHA DO ANTIBIÓTICO: EFICÁCIA TERAPÊUTICA (MICROBIOLOGIA) efeitos colaterais posologia gosto ou sabor custo AMOXACILINA continua sendo a primeira escolha no tratamento da OMA (ABORL-CCF) Dose: 50 mg/kg/dia DURAÇÃO DO TRATAMENTO: em geral 10 dias, podendo se estender até 14 ou 21 dias

25 TRATAMENTO DA OMA BACTERIANA Sem história de OMA pregressa Com história de OMA pregressa e/ou tratamento antibiótico nos últimos 30 dias e/ou tratamento antibiótico nos últimos 30 dias Amoxicilina 40 60mg/kg/dia Alergia à penicilina Macrolídeos ou Sulfatrimetoprima... Amoxicilina + Clavulanato falha terapêutica após 48 a 72 horas Ou Cefalosporinas de 2ª geração ou Cefalosporinas de 3ª geração falha terapêutica Miringotomia + cultura secreção

26 ALTERNATIVAS TERAPÊUTICAS AMOXACILINA (40-60 mg /kg /dia) AMOXACILINA-CLAVULANATO (produtores de BETA-LACTAMASE) CEFALOSPORINAS 2ª OU 3ª GERAÇÃO (Cefuroxima, Cefaclor, Cefprozil, Cefpodoxima) ALERGIA À PENICILINA (Azitromicina, Claritromicina, Sulfatrimetoprim) CEFTRIAXONA - 3 A 5 dias (complicações intracranianas/ complicações intratemporais/ vômitos)

27 INDICAÇÕES PARA TIMPANOCENTESE criança < 6 semanas com hospitalização em UTI (gram negativo) imunodeprimidos (bactérias não usuais) Complicação do Sistema Nervoso Central (abscesso cerebral, meningite, trombose do seio venoso) Comprometimento do VII par craniano (paralisia facial periférica) refratária a 2 a 4 antibióticos diferentes mastoidite aguda labirintite supurada otalgia muito intensa

28 9- Complicações: INTRATEMPORAIS: Mastoidite aguda; Paralisia facial; Labirintite serosa; Labirintite supurativa; Petrosite aguda. INTRACRANIANAS: Abscesso epidural; Trombose do seio sigmóide; Meningite; Abscesso de lobo temporal; Trombose da jugular interna; Trombose do seio cavernoso.

29 Diagnóstico diferencial Disfunção Temporo-Mandibular (otalgia reflexa ) Corpo estranho Otite externa

30 10- Considerações finais: Vacinação antipneumocócica (PREVENAR ) conjugada heptavalente a partir de 2 meses de idade Vacinação antiinfluenza a partir dos 6 meses de idade anualmente, antes do inverno Outras vacinas: Haemophilus influenzae não tipável Moraxella catarrhalis Vírus sincicial respiratório Parainfluenza Terapia alternativa: fitoterápico (Pelargonium sidoides) Novidade: BIOFILME BACTERIANO (?) Bactérias planctônicas (livre flutuação 1%) Biofilmes bacterianos (colônias agrupadas 99%).

31 Obrigado e até a próxima!!! Dúvidas???

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários.

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Introdução ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Definições Otite média aguda(oma): É a presença de secreção

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira INFÂ Dulce Emilia Moreira INFÂ O ANTIBIÓTICO TICO É REALMENTE INDICADO DIANTE DOS ACHADOS CLÍNICOS? INFÂ INFECÇÕES BACTERIANAS ÓBVIAS X INFECÇÕES BACTERIANAS PROVÁVEIS VEIS INFÂ Fatores que devem ser considerados

Leia mais

Infecções das vias aéreas superiores

Infecções das vias aéreas superiores Infecções das vias aéreas superiores INFECÇÕES DAS VIAS AÉREAS SUPERIORES Morbidade elevada. Alta frequência de consultas ambulatoriais. Dificuldades diagnósticas Risco de complicações Uso abusivo de antibióticos

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013 SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NUMERO 02 2013 TÍTULO: OTITE MÉDIA AGUDA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO: 02

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

Otite Pediatria. Definições

Otite Pediatria. Definições Otite Pediatria Definições - Otite Média Aguda (OMA): presença de secreção no ouvido médio associada ao início rápido de um ou mais sinais ou sintomas de inflamação. - Otite Média Recorrente (OMR): ocorrência

Leia mais

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Pneumonia É uma inflamação ou infecção do parênquima pulmonar Agente etiológico: bactérias, vírus, fungos, helmintos,

Leia mais

Qual é o critério mais adequado para o diagnóstico da otite média aguda recorrente?

Qual é o critério mais adequado para o diagnóstico da otite média aguda recorrente? 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 27 QUESTÃO 17 Qual dos achados da otoscopia mais se relaciona com o diagnóstico de certeza da otite média aguda? a) Otalgia. b) Hiperemia do tímpano. c) Efusão

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Otite Média Aguda: Porque Precisamos de Atualizações?

Otite Média Aguda: Porque Precisamos de Atualizações? Otite Média Aguda: Porque Precisamos de Atualizações? Peggy Kelley As atualizações são dadas quando há novas informações a serem disseminadas. Para esta atualização em otite média aguda (OMA) nos apoiamos

Leia mais

Otite média aguda em adultos

Otite média aguda em adultos 1. DEFINIÇÃO A otite média aguda (OMA) é um processo de natureza inflamatória, infecciosa ou não que atinge a orelha média por período inferior a dois meses. Como todos os espaços pneumatizados do osso

Leia mais

As principais causas das perdas condutivas são:

As principais causas das perdas condutivas são: Perda auditiva: Existem três partes principais da orelha envolvidas no processo de audição: a orelha externa, a orelha média e a orelha interna. O processo auditivo começa quando as ondas sonoras entram

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES. Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS MENINGITES Prof. Ma. Júlia Arêas Garbois MENINGITE Infecção que se instala principalmente quando uma bactéria

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Meningites- Etiologia

Meningites- Etiologia Meningites- Etiologia Meningites (meningo/encefalites) Virais Meningites bacterianas Meningites fúngicas e tuberculosas Meningites (meningo/encefalites) assépticas Outros (eosinofílicas) Meningites ndeterminadas

Leia mais

Infecções do Sistema Nervoso Central

Infecções do Sistema Nervoso Central Infecções do Sistema Nervoso Central Doenças graves com risco de vida. Podem ter evolução aguda (< 24horas), subaguda ( 4 semanas). Principais Infecções: Meningites, Meningoencefalites,

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam.

Raniê Ralph Semio 2. As encefalites causam alterações do nível de consciência, torpor. As meningites podem causar quando complicam. 29 de Outubro de 2007. Professora Vera. Caderno da Sassá. Meningites bacterianas Etiologias H. influenzae. Neisseria meningitidis. Streptococcus pneumoniae. Gram-negative bacilli. Staphylococci. Listeria

Leia mais

nfecção das Vias Aéreas Superiores

nfecção das Vias Aéreas Superiores UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA INTERNATO EM PEDIATRIA nfecção das Vias Aéreas Superiores INTERNAS: CAROLINA PARANAGUÁ GABRIELA CAMPOS ORIENTADORA: DRA. CARMEM LÍVIA www.paulomargotto.com.br

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Rautakorpi UM, Klaukka T, Honkanen P, Makela M, Nikkarinen T, Palva E, et al, 2001.

Rautakorpi UM, Klaukka T, Honkanen P, Makela M, Nikkarinen T, Palva E, et al, 2001. INFECÇÕES DAS VIAS AÉREAS UNIFESP Profa. Dra. Rosa Resegue INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS 20-40% dos atendimentosambulatoriais, 12-35% das admissões hospitalares,» Finlândia, diagnósticos durante 1 semana em

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

I. INTRODUÇÃO II. FISIOPATOLOGIA

I. INTRODUÇÃO II. FISIOPATOLOGIA I. INTRODUÇÃO A otite média é uma das doenças mais comuns. Com o uso crescente dos antibióticos, a incidência de complicações de otites médias diminuiu consideravelmente. O índice de complicações caiu

Leia mais

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina GOVERNO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização Informe

Leia mais

Otite Externa. Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi

Otite Externa. Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi Otite Externa Peggy E. Kelley e Alessandro Danesi Introdução Alessandro Danesi A otite externa constitui uma afecção das mais freqüentes nos consultórios pediátricos e otorrinolaringológicos, assim como

Leia mais

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Pneumonia adquirida na comunidade em crianças

Leia mais

Afecções das Glândulas Salivares na Infância

Afecções das Glândulas Salivares na Infância Afecções das Glândulas Salivares na Infância Otávio Piltcher Caso Clínico Natália, três anos, com todas vacinas em dia, tem aumento periódico da região parotídea à esquerda, simulando crises de caxumba

Leia mais

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Granulado. 3,5 mg/sachê

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Granulado. 3,5 mg/sachê BRONCHO VAXOM Takeda Pharma Ltda. Granulado 3,5 mg/sachê APRESENTAÇÕES Granulado de 3,5 mg/ sachê. Embalagem com 30 sachês. USO ORAL USO PEDIÁTRICO. COMPOSIÇÃO Cada sachê contém 3,5 mg de lisado bacteriano

Leia mais

Laringites Agudas na Infância

Laringites Agudas na Infância Laringites Agudas na Infância Hany Simon Junior Crupe Viral - definição O termo síndrome do crupe caracteriza um grupo de doenças que variam em envolvimento anatômico e etiologia, e se manifestam clinicamente

Leia mais

Otite e Sinusite. Clínica, diagnóstico e tratamento. Diana Moreira. Curso de Verão da SPP

Otite e Sinusite. Clínica, diagnóstico e tratamento. Diana Moreira. Curso de Verão da SPP Otite e Sinusite Clínica, diagnóstico e tratamento Diana Moreira Curso de Verão da SPP Caramulo, Junho 2012 Objetivos Abordagem teórico-prática da clínica, diagnóstico e tratamento da otite média aguda

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 5/12/08

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 5/12/08 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 5/12/08 Disciplina: Pediatria II Prof.: Dr. José Gonçalo Marques Tema da Aula Teórica: Otite, Sinusite, Amigdalite e Antibioticoterapia Autores: Ana Neves Equipa Revisora:

Leia mais

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Cápsula. 3,5 e 7,0 mg

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Cápsula. 3,5 e 7,0 mg BRONCHO VAXOM Takeda Pharma Ltda. Cápsula 3,5 e 7,0 mg APRESENTAÇÕES Pediátrico: Cápsulas de 3,5 mg. Embalagem com 10 unidades. Adulto: Cápsulas de 7 mg. Embalagens com 10 e 30 unidades. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA IRA (definição) São infecções de etiologia viral ou bacteriana que podem acometer qualquer segmento do aparelho respiratório, com duração aproximada de 7 dias. Correspondem a diversas síndromes clínicas

Leia mais

criança e do adolescente:

criança e do adolescente: saúde da criança e do adolescente: doenças respiratórias Cristina Gonçalves Alvim Laura Maria de Lima Belizário Facury Lasmar 2ª Edição Módulo: saúde da criança Título e do adolescente: Autores doenças

Leia mais

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Visão global do problema 1 Mortalidade 2012 d. respiratórias 13.908 +4.012 neoplasia traqueia, brônquios e pulmão 50 portugueses/

Leia mais

Otite Média Crônica Não Colesteatomatosa

Otite Média Crônica Não Colesteatomatosa Otite Média Crônica Não Colesteatomatosa Nelson Caldas, Alberto Chinski, Arthur Octávio Kós, Hélio Lessa, Sebastião Diógenes Pinheiro, Sílvio Caldas Neto e Vinícius Cotta Barbosa INTRODUÇÃO A otite média

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

Sociedade Brasileira de Pediatria

Sociedade Brasileira de Pediatria Sociedade Brasileira de Pediatria Antimicrobianos na Prática Clínica Pediátrica Guia Prático para Manejo no Ambulatório, na Emergência e na Enfermaria Os fascículos já editados do curso ANTIMICROBIANOS

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

COMPLICAÇÕES DE OTITE MÉDIA AGUDA

COMPLICAÇÕES DE OTITE MÉDIA AGUDA COMPLICAÇÕES DE OTITE MÉDIA AGUDA Yara Alves de Moraes do Amaral E1 Otorrinolaringologia Hospital da Cruz Vermelha de Curitiba Orientador: Dr Luiz Cesar Widolin História Em 160 AC, Hipócrates disse que

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA DEFINIÇÕES Febre neutropénica: T. auricular > 38ºC mantida durante 1 h, em doente com contagem absoluta de neutrófilos (CAN) < 500/mm 3, ou < 1000/mm

Leia mais

DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar.

DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar. PNEUMONIAS DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar. Doenças respiratórias são responsáveis por aproximadamente 12% das mortes notificadas no país, sendo as pneumonias responsáveis

Leia mais

Otite, Sinusite, Amigdalite e Antibioticoterapia

Otite, Sinusite, Amigdalite e Antibioticoterapia Otite, Sinusite, Amigdalite e Antibioticoterapia - visão pediátrica - José Gonçalo Marques Unidade de Infecciologia Serviço de Pediatria Hospital de Santa Maria Antibióticos na Criança Diferenças por grupo

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

02. Assinale a alternativa na qual todas as doenças listadas são de notificação compulsória:

02. Assinale a alternativa na qual todas as doenças listadas são de notificação compulsória: QUESTÕES OBJETIVAS MÉDICO EQUIPE PSF 01. A expressão Doença inflamatória intestinal se aplica a duas doenças intestinais crônicas e idiopáticas: a doença de Crohn (DC) e a retocolite ulcerativa (RCU).

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Regente Professor Doutor Paulo Magalhães Ramalho Docente Dra. Filipa Nunes CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Ana Catarina Henriques (3884), Ana Luísa Pereira (6197), Anabela Aires (3918), Duarte Martins (3969)

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora:

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 Novembro 2008 Disciplina: Medicina Prof.: Dr. Germano do Carmo Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Nota 1: O professor incidiu

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS Gilberto Petty da Silva Na faixa etária de seis meses aos três anos, as crianças têm de seis a nove infecções

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 67 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2013-2016 Dezembro 2013 Departamento de Otorrinolaringologia Rinossinusite bacteriana aguda em crianças Departamento de

Leia mais

Cefaclor bd. Referência. Ceclor BD (EMS. Apresentação de Cefaclor bd

Cefaclor bd. Referência. Ceclor BD (EMS. Apresentação de Cefaclor bd Cefaclor bd Referência Ceclor BD (EMS Apresentação de Cefaclor bd Comprimidos revestidos de liberação prolongada 500 mg: caixa com 10 comprimidos revestidos. Comprimidos revestidos de liberação prolongada

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas

ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas ANEXO nº 10 - Infecções Respiratórias Agudas Dra. Roberta Nery Cardoso Camargo 14 Dra. Márcia Annarumma Guedes 15 Vias Aéreas Superiores 1. Resfriado Comum O resfriado comum é uma doença viral na qual

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Broncho-Vaxom Adulto 7 mg cápsulas, duras Broncho-Vaxom Infantil 3,5 mg cápsulas, duras Broncho-Vaxom 3,5 mg granulado Lisado bacteriano liofilizado. Leia

Leia mais

ADENÓIDE (Amígdala faringea) AMÍGDALAS PALATINAS AMÍGDALAS LINGUAIS

ADENÓIDE (Amígdala faringea) AMÍGDALAS PALATINAS AMÍGDALAS LINGUAIS INFECÇÕES DE VIAS AÉREAS SUPERIORES II Momento II Prof Ricardo Caraffa Pedro de 7 anos HPMA: Febre há 2 dias com queda do estado geral, adinamia e odinofagia EF: Prostado, febril (38,9 C) Gânglio submandibular

Leia mais

SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA

SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA Rinossinusite é definida como uma resposta inflamatória da mucosa que reveste as fossas nasais e cavidades paranasais. Devido à continuidade

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

41.PEDIATRIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

41.PEDIATRIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE PEDIATRIA ( ) 41.01 Abuso de Menores e Negligência ( ) 41,02 Acesso Venoso / Dissecção Venosa ( ) 41.03 Acidentes Ofídicos ( ) 41.04 Acidentes por Afogamento ( ) 41.05 Agressão por

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

ANEXOS 1. ABORDAGEM DA CRIANÇA COM INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS SUPERIORES 1.1. SINUSITE

ANEXOS 1. ABORDAGEM DA CRIANÇA COM INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS SUPERIORES 1.1. SINUSITE ANEXOS 1. ABORDAGEM DA CRIANÇA COM INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS SUPERIORES 1.1. SINUSITE A sinusite é um processo inflamatório, infeccioso ou não, da mucosa que reveste as cavidades dos ossos que circulam as

Leia mais

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família Urgências Pulpares Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Diagnóstico Anamnese Paciente deve ser motivado a relatar a história

Leia mais

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Respiratória e Imunopreveníveis

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

A ÉDIC A M IC CLÍN CSI INFECTOLOGIA VOL. 1

A ÉDIC A M IC CLÍN CSI INFECTOLOGIA VOL. 1 SIC CLÍNICA MÉDICA INFECTOLOGIA VOL. 1 Autoria e colaboração Durval Alex Gomes e Costa Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Especialista em Infectologia pelo Hospital

Leia mais

Sinusite nas Crianças: uma Perspectiva da Infectologia Pediátrica

Sinusite nas Crianças: uma Perspectiva da Infectologia Pediátrica Sinusite nas Crianças: uma Perspectiva da Infectologia Pediátrica Itzhak Brook Sumário A sinusite é uma doença comum nas crianças. Na maioria dos casos tem resolução espontânea, porém uma parcela pequena

Leia mais

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Objetivos Isolamento e identificação de bactérias do gênero Staphylococcus

Leia mais

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Uol - SP 28/04/2015-12:43 Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Da Redação Tosse pode ser transmitida de pessoa para pessoa. VERDADE: porém, isso só é possível se a tosse for causada por um agente

Leia mais

Zinnat. cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Zinnat. cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO Zinnat cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Zinnat é apresentado

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

ESTIMORAL. Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica LTDA Comprimidos 3 mg

ESTIMORAL. Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica LTDA Comprimidos 3 mg ESTIMORAL Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica LTDA Comprimidos 3 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESTIMORAL lisado bacteriano Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus mitis, Streptococcus

Leia mais

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC Campinas (SP) Ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de

Leia mais