Liderança situacional nas organizações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liderança situacional nas organizações"

Transcrição

1 Liderança situacional nas organizações Shayani Estrabelli (Universidade Paranaense Campus Cascavel) Fernanda Pellegrini (Universidade Paranaense Campus Cascavel) Keiti Dayana Dias (Universidade Paranaense Campus Cascavel) Resumo Este artigo tem por objetivo apresentar os conceitos relacionados à Liderança Situacional e como ela vem sendo utilizada pelos líderes nas organizações, visto a necessidade destas avaliarem as estratégias e o comportamento dos seus líderes na tomada de decisão. A maturidade profissional é um dos temas abordados como fator chave nesse estilo de liderança, assim como o relacionamento entre líder e liderado. Um dos principais pontos abordados são as vantagens e desvantagens deste estilo de liderança. Quanto a metodologia, utilizou a pesquisa bibliográfica, com uma análise descritiva e qualitativa de dados secundários, onde a principal fonte de pesquisa utilizada foram livros, artigos e internet. Palavras-chave: Liderança Situacional, Maturidade Profissional, Organizações. Área temática: Áreas Afins das Ciências Sociais Aplicadas 1 Introdução Segundo França (2002, p. 259) a liderança é um processo social no qual se estabelecem relações de influência entre pessoas. O fator chave na liderança situacional é a necessidade do líder desenvolver sua sensibilidade e percepção, diagnosticando sua equipe para que possa definir como irá se comportar, pois em qualquer situação a liderança deve realizar suas funções de gerir a atenção concentrada em objetivos e resultados. Este trabalho justifica-se pela necessidade das organizações avaliarem as estratégias e o comportamento dos seus líderes na tomada de decisão. A pesquisa visa mostrar o potencial dos futuros lideres, e como se comportam em situações adversas, ou seja, situações que não costumam vivenciar na organização. 2 Metodologia Para o alcance do objetivo proposto foi realizado pesquisas bibliográficas, que consiste em ser um estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral. Fornece instrumental analítico para qualquer outro tipo de pesquisa. Esta pesquisa desenvolveu-se através de uma análise qualitativa de dados secundários. A data de acesso foi em 20 de agosto de 2014, dia em que os acadêmicos se reuniram na biblioteca da Universidade Paranaense Campus Cascavel para a realização de tal pesquisa. 3 Fundamentação teórica De acordo com Marques (2014), Liderança Situacional consiste na liderança que é moldada pela situação apresentada, ou seja, o líder tem a capacidade de adequar-se ao momento, e dentro desta dinâmica, ele consegue delegar e motivar seus colaboradores para que reajam positivamente, deem o seu melhor e alcancem os resultados esperados. Oferece 1

2 aos líderes maior compreensão de relação entre um estilo de liderança eficaz e o nível de maturidade dos seus liderados. Ainda conforme o autor, a forma de gestão do líder situacional é diferenciada, pois este consegue ditar as tarefas de forma flexível, dando aos colaboradores a oportunidade de realizarem seu trabalho ao mesmo tempo em que monitora seus desempenhos. As organizações querem líderes que motivem, envolvam e inspirem o grupo, que consigam lapidar os talentos e que descubram novos potenciais, numa relação onde todos ganham. Segundo Silva (2014), o fator chave na liderança situacional é a necessidade do líder desenvolver sua sensibilidade e percepção, diagnosticando sua equipe para que possa definir como irá se comportar, pois em qualquer situação a liderança deve realizar suas funções de gerir a atenção concentrada em objetivos e resultados. Segundo França (2002, p. 259) a liderança é um processo social no qual se estabelecem relações de influência entre pessoas. O que reitera o que Silva (2014) disse acima. Modelos de liderança situacional Neves (2011) cita os modelos de liderança situacional estudados. O modelo Tannenbaum & Schmidt, que propõe três critérios para avaliar cada situação: a forma como o líder se comporta influenciada pela sua formação; as características dos funcionários e o clima da organização. O modelo de Fiedler, pode avaliar em três termos de características: As relações entre líder e seguidores; o grau de estruturação da tarefa e o poder da posição. Baseados em observações acerca da eficácia dos estilos de liderança, Hersey e Blanchard (1986), pesquisadores do Center of Leadership Studies, Califórnia, EUA, desenvolveram o modelo da Liderança Situacional, o qual parte da premissa de que a liderança eficaz é uma função de três variáveis: o estilo do líder (L), a maturidade do liderado (l) e a situação (s). Segundo Neves (2011), o modelo de Hersey e Ken Blanchard é sem dúvida um dos mais conhecidos modelos em termos de liderança situacional, é baseado em duas variáveis: o comportamento do líder (como ele orienta para as tarefas e como é o seu relacionamento com seus seguidores) e a maturidades dos seus subordinados. Para Neves (2011), a chave dessa metodologia é o nível de maturidade dos subordinados em relação ao desempenho com as tarefas, não em relação a sua personalidade. Maturidade profissional Nesse sentido, a Maturidade pode ser considerada como a capacidade do profissional em adequar-se a situação, assumir a responsabilidade, e gerir seu trabalho efetivamente, mesmo sem precisar da interferência direta do líder (MARQUES, 2014). Ainda assim, é bom ressaltar que a maturidade não está ligada a um tipo específico de profissional, mas as suas experiências e conhecimentos, como também a sua forma de lidar com as mudanças sem que estas interfiram negativamente em seus resultados (MARQUES, 2014). De acordo com Queiroz (2011), a aplicabilidade da liderança situacional consiste em avaliar o nível de maturidade dos liderados e se comportar de acordo com o modelo. Na liderança situacional está implícita a ideia de que o líder deve ajudar os liderados a amadurecer até o ponto em que sejam capazes e estejam dispostos a executar suas ações. Esse 2

3 desenvolvimento dos liderados deve ser realizado ajustando o seu comportamento de liderança. A liderança situacional sustenta que, para os liderados imaturos, é apropriada uma direção firme que está relacionada ao comportamento de tarefa se quiser que eles se tornem produtivos. Quando os liderados atingirem altos níveis de maturidade, o líder deverá reduzir ainda mais o controle sobre suas atividades, mas também o apoio no comportamento de relacionamento, visto que com pessoas bem amadurecidas surge a necessidade da autonomia do grupo. Nesse estágio, uma das formas pelas quais os líderes podem demonstrar sua confiança em pessoas de alto nível de maturidade, consiste em deixá-las cada vez mais por sua própria conta. Isso não quer dizer que haja menos confiança mútua e amizade entre líder e liderado, pelo contrário, a confiança e a amizade são maiores ainda, mas o líder precisa adotar menos comportamento de apoio para provar isso (QUEIROZ, 2011). Independentemente do nível de maturidade de um indivíduo ou grupo, podem ocorrer algumas mudanças. Sempre que, por qualquer razão, o desempenho de um liderado começar a regredir e sua capacidade ou motivação diminuir, o líder deverá reavaliar o nível de maturidade a fim de dar apoio novamente no comportamento de relacionamento (QUEIROZ, 2011). O líder situacional Marques (2014) diz que em todas as organizações vamos nos deparar com todos os tipos de profissionais, cada um com seu próprio perfil e modo distinto de lidar com as diversas situações que se apresentam no ambiente de uma empresa. Essas diferenças podem ser ainda melhor visualizadas através da pesquisa sobre Dominância Cerebral, do americano Hermann ( ), que apresenta nossos quatro modelos de comportamentos mentais. Trazendo a pesquisa para o ambiente organizacional, é possível afirmar que os profissionais que utilizam mais o lado esquerdo do cérebro tendem a ser mais Analíticos e Organizados, enquanto que os que utilizam o lado oposto são mais Criativos e Emocionais (MARQUES, 2014). Seguindo este pressuposto, o líder situacional deve procurar conhecer cada um dos estilos de pensar e agir para entender os comportamentos de seus liderados, de modo a potencializar as características de cada um, objetivando atender o que lhes foi proposto, de forma efetiva (MARQUES, 2014). Marques (2014) ressalta que a maturidade não está ligada a um tipo específico de profissional, ou a um dos quatro perfis, mas as suas experiências e conhecimentos, como também a sua forma de lidar com as mudanças sem que estas interfiram negativamente em seus resultados. Competências do líder situacional Marques (2014) cita as quatro competências do líder situacional, que são: Direcionamento Nesta abordagem, o líder deve ensinar ao colaborador como executar suas tarefas, acompanhar o desenvolvimento destas até a conclusão, como também até que o profissional tenha plena confiança para executá-la sozinho. 3

4 Orientação Aqui o líder tem o papel de orientador, de mostrar a tarefa ao colaborador, sua importância, contribuir com novas ideias, ensiná-lo quando precisar de ajuda e motivá-lo para que a execute do modo planejado. Apoio O apoio do líder é fundamental para que o colaborador adquira confiança, busque crescimento e desenvolvimento de suas habilidades de forma contínua. Assim o líder apoia, mas não precisa supervisionar efetivamente seu liderado, pois este consegue desempenhar seu trabalho sem tantas interferências. Delegação Neste caso o líder situacional consegue delegar o trabalho sem precisar acompanhar seus colaboradores de tão perto, pois estes têm mais autonomia e liberdade para trabalharem e, muitas vezes, até autoridade para tomar decisões e fazer mudanças. Neves (2011) explica o Esquema Geral da Liderança Situacional, publicado por Hersey e Blanchard (1986. p.189) que se dispõe da seguinte forma: O estilo de liderança E1 é ideal quando o líder deve fornecer instruções específicas e supervisionar estritamente o cumprimento da tarefa. O estilo deve ser de determinar. A decisão deve ser tomada pelo líder. No estilo de liderança E2, o líder deve explicar suas decisões e oferecer oportunidades de esclarecimento. O estilo deve ser de persuadir. A decisão deve ser tomada pelo líder com diálogo e/ou explicação aos seus liderados. O estilo de liderança E3, o líder deve apenas trocar idéias e facilitar a tomada de decisões. O estilo deve ser de compartilhar. A decisão deve ser tomada pelos líder/liderado, com incentivo do líder. Por sua vez, no Estilo de liderança E4, o líder deve transferir para o liderado a responsabilidade das decisões e da sua execução. O estilo, neste caso, deve ser de delegar. Cada estilo de liderança é uma combinação de comportamentos de tarefa e de relacionamento. Salienta-se de que cada estilo está ligado diretamente ao nível de maturidade do liderado ou do grupo de liderados (NEVES, 2011). De acordo com Neves (2011), a disposição está relacionada com a confiança e o empenho, com o querer fazer, com a motivação. É possível, assim, estabelecer quatro tipos de maturidade: M1 - pouca capacidade e rara disposição; M2 - alguma capacidade e ocasional disposição; M3 - bastante capacidade e frequente disposição; e M4 - muita capacidade e bastante disposição. Neves (2011) cita que um ponto forte dessa teoria é o reconhecimento da competência e da motivação como elementos-chave do processo de liderança, permitindo inferir os seguintes objetivos: 4

5 a) Motivar cada colaborador a assumir a responsabilidade pelo próprio desenvolvimento e identificar suas fontes de poder utilizando-as, construtivamente, para gerenciar a si mesmo, seu cargo e seu gestor; b) Obter um alinhamento entre missão pessoal e organizacional, o que leva à criação de sinergia. A Liderança Situacional é um modelo para desenvolver pessoas e um meio para líderes ajudarem seus colaboradores a se tornarem autoconfiantes e obterem êxito. O papel do líder situacional é fornecer aos colaboradores tudo o que for necessário - metas, direção, treinamento, apoio, feedback ou reconhecimento - para os mesmos poderem desenvolver suas habilidades, sua motivação e sua autoconfiança (NEVES, 2011). Ainda de acordo com Neves (2011), os líderes situacionais aprendem a usar as habilidades para desenvolver pessoas e, ao mesmo tempo, gerenciar a mudança e a diversidade. Também aprendem que não existe um estilo de liderança melhor, mas que existem atitudes melhores. Aprendem ainda as três habilidades de um Líder Situacional: 1. Diagnóstico e/ou Mapeamento; 2. Resiliência e Flexibilidade; 3. Canal de Comunicação e Feedback; Aprendem que liderança deve variar de estilo para estilo, de acordo com o mapeamento da situação. Aprendem também que a liderança é uma parceria - não é algo que se faça às pessoas, mas sim algo que se realiza e se constrói com as pessoas para se exercer influência sobre os comportamentos (NEVES, 2011). Há pessoas que precisam de uma grande dose de direção por parte de um gerente. Para outras, o encorajamento e reconhecimento produzem os melhores resultados. E ainda há aqueles que só dão o melhor de si mesmos quando lhes é permitido tomar conta da situação. A liderança de qualidade exige contínua reflexão, ação, opinião e prática que geram recompensas muito importantes para as organizações (NEVES, 2011). As pesquisas indicam que as pessoas que trabalham para líderes situacionais têm moral mais alto e menos estresse no trabalho. Essas pessoas enxergam o clima organizacional como positivo e percebem seu gerente como uma pessoa interessada no seu crescimento e desenvolvimento, assim como aberta a ideias novas. Sentem-se com mais poder e, portanto, mais dispostos a contribuir com suas ideias e sua energia (NEVES, 2011). Segundo Queiroz (2011), a liderança situacional é de fato aceita nas empresas, visto que os líderes conseguem criar diversos panoramas em diferentes situações, por fornecer informações úteis, além de ser uma ferramenta poderosa como parte de programas de treinamento em diversas organizações. Contudo, as empresas que dispõe de um planejamento conduzido por líderes eficazes, deverão utilizar a liderança situacional como forma de obter o equilíbrio de todas as situações vivenciadas pelos liderados, visando alcançar à satisfação de toda empresa (QUEIROZ, 2011). 5

6 Aspectos positivos da liderança situacional A vantagem da liderança situacional está na facilidade de utilização e na sua simplicidade. Esse método reconhece a necessidade da flexibilidade da liderança e a importância dos funcionários como fator determinante do comportamento do líder. Ele também tem um apelo intuitivo (LYDAMORE, 2014). Desvantagens da Liderança Situacional De acordo com Lydamore (2014), o modelo de liderança situacional tem influência da cultura americana, que negligencia a forma como outras culturas se comunicam e priorizam os valores, como o individualismo e a família. Esse modelo também pode ignorar as diferenças entre os gestores do sexo feminino, que normalmente têm um estilo acolhedor, e os do sexo masculino, que se apoiam em um estilo de gestão orientado para a tarefa. A liderança situacional pode fazer com que os líderes desviem seu foco das estratégias, símbolos, estrutura ou políticas de longo prazo. Os críticos da liderança situacional apontam para a dificuldade em definir e quantificar a maturidade, de quem deve avaliá-la e a tendência para pressupor que a maturidade profissional corresponde à maturidade emocional. Hersey e Blanchard (1986) definem a maturidade profissional como a "capacidade de assumir responsabilidades", mas não fornecem uma fonte plausível para apoiar essa definição. Esse modelo se concentra na maturidade do funcionário como um fator chave determinante do foco do líder direcionado para as tarefas além dos relacionamentos. Essa perspectiva em conflito com outros modelos de liderança, que englobam inúmeros fatores situacionais como determinantes de vários comportamentos do líder, tais como apoio e orientação, participação e foco nos resultados do funcionário. Nos outros modelos, os fatores situacionais incluem as relações entre os líderes e os seus subordinados, a influência do cargo e a estrutura da tarefa. O modelo de Hersey- Blanchard também ignora as relações interpessoais dentro dos grupos de trabalho que podem ter um impacto negativo sobre o desempenho. (LYDAMORE, 2014) 4 Desenvolvimento De acordo com o estudo sobre o comportamento dos líderes que se utilizam da Liderança Situacional dentro das organizações, eles geram pessoas capazes de ultrapassar seus próprios limites, através do amadurecimento emocional e profissional, fatores obtidos por meio das funções principais do Líder Situacional que é: Direcionar; Orientar; Apoiar e Delegar. Ele eleva o nível de seus liderados a ponto de estarem preparados e dispostos para executar suas ações. Entede-se que o ponto principal desse estilo de liderança é o relacionamento entre líder e liderado. Para que haja êxito nesta proposta, o líder deve fornecer ao liderado tudo o que for necessário para seu crescimento metas, direção, treinamento, apoio, feedback ou reconhecimento (NEVES, 2011). Para obter sucesso organizacional é indispensável que a organização possa ter lideres capazes de gerir suas próprias estratégias e romper as barreiras da competitividade. Observando as vantagens desse estilo de ldierança, vemos sua facilidade na aplicabilidade, além de gerar um ambiente equilibrado de frente as adversidades, por isso as organizações tem aderido cada vez mais a Liderança Situacional. Em contrapartida, 6

7 encontramos as desvantagens por ser um estilo baseado na cultura americana (Ocidental), o que despresa valores de outras culturas. Entre outros pontos desvantajosos, está a deficiência em estudos aprofundados, com pesquisas científicas que comprovem pontos de elucidação não muito claros. A pesquisa se desenvolve com o intuito de localizar o perfil do líder situacional, e comportamento desses líderes nas organizações. Para tanto, ainda é de extrema importância uma análise profunda ao tema proposto, realizando pesquisas explorátorias com estudo de caso, dentro de organizações, buscando descobrir o conceito sobre liderança, tipos de liderança e as estratégias das organizações para a conquista e gerenciamento das tarefas dentro da organização. 5 Considerações finais De acordo com o estudo realizado observou-se que a Liderança Situacional vem sendo amplamente utilizada nas organizações. Ainda está em desenvolvimento. Percebe-se que cada vez mais os líderes estão buscando o coaching que é o treinamento nessa área. A Liderança Situacional visando o crescimento dos colaboradores gera um ambiente equilibrado e estável nas organizações, pois seus líderes estão preparados para gerir suas estratégias frente as adversidades, fator que se dá devido a maturidade profissional destes. As organizações só têm a ganhar utilizando esse estilo de liderança. Referências MARQUES, José Roberto. O que é Liderança Situacional. Disponível em: Data de Acesso 20 de Agosto de NEVES, Adilson Romualdo. Liderança situacional: maturidade é a chave. Disponível em: Data de Acesso: 20 de Agosto de QUEIROZ, Levy. Liderança Situacional. Disponível em: Data de Acesso 20 de agosto de SILVA, Michele Cristina Hauptli. Liderança Situacional e Estilos de Líderes: a visão de alunos de especialização do curso MBA gestão de pessoas de uma universidade privada. Disponível em: Estilos-De-Lideres-.htm. Data de acesso em 20 de agosto de LYDAMORE, Vivienne. Os prós e contras da liderança situacional. Disponível em: Data de Acesso em 20 de Agosto de

8 FRANÇA, Ana Cristina; FISCHER, Andre Luiz et al. As Pessoas na Organização. São Paulo: Editora Gente, p. HERSEY, P.; BLANCHARD, K.H. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. Trad. Edwino A. Royer. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p. 8

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Marcelo Augusto Loenert 1 Introdução As práticas de motivação e liderança estão sendo cada vez mais aplicadas nas organizações. Várias mudanças

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Definição de Gestão Gerir, assim como administrar tem a ver com todo o controle e ações propostas de um conjunto que pode envolver pessoas, empresas e clientes. Gerir é conseguir

Leia mais

EAD 615 Gerenciamento de Projetos

EAD 615 Gerenciamento de Projetos EAD 615 Gerenciamento de Projetos O Papel e As Habilidades do Gerente de Projetos Professores: Prof. Dr. Antonio C. Amaru Maximiano Prof. Dr. Roberto Sbragia Colaboradores: Benedito Décio da S. Camargo

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS 12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS Vários estudos foram feitos no sentido de se isolar fatores situacionais que afetam a eficácia da liderança, tais como: a) grau de estruturação da tarefa que

Leia mais

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum.

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Bem-Vindos! É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Fonte: O Monge e o Executivo, James C. Hunter. ... é uma noção

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS Carolina Kellen Drummond Salgado * Bacharel em Relações Internacionais (PUC-MG), funcionária da GRD Minproc. Pós-Graduada em Administração de Compras

Leia mais

Aula 10. Delegação X Empowerment

Aula 10. Delegação X Empowerment Aula 10 Delegação X Empowerment Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br DELEGAÇÃO X EMPOWERMENT Delegar significa orientar o colaborador para que execute uma determinada atividade no lugar

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Análise Ambiental Análise Ambiental : Matriz SWOT A sigla SWOT Ambiente

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail. GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.com INTRODUÇÃO No respectivo trabalho, iremos abordar um

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 17 - Teorias Contingenciais de Liderança Para STONER e FREEMAN (1985; 350) a abordagem contingencial é a visão de que a técnica de administração que melhor

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

AULA 11 Marketing de Serviços

AULA 11 Marketing de Serviços AULA 11 Marketing de Serviços Pessoal de serviço da linha de frente: fonte de fidelidade de clientes e vantagem competitiva A linha de frente é uma fonte importante de diferenciação e vantagem competitiva.

Leia mais

A evolução da liderança

A evolução da liderança A evolução da liderança De Chefe a Líder Ao longo da história identificamos diferentes tipos de chefes ou líderes. De autoritários, paternalistas, manipuladores, servidores... a verdadeiros líderes. A

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT 1 PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 Origem da Psicologia Organizacional e do Trabalho 4 ORIGEM Desde os

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO)

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS TURMA 15/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) COORDENADOR: Prof. Carmen Rizzotto Disciplina CH EMENTA Data Professor

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Ajudando você a fazer a diferença!

Ajudando você a fazer a diferença! Diretores da Lannes Consulting Luciano Lannes Consultor Organizacional e Palestrante com foco no Trabalho em Equipe e o processo de aprendizagem organizacional, visa o desenvolvimento empresarial e a educação

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

5. LIDERANÇA E PODER NAS ORGANIZAÇÕES

5. LIDERANÇA E PODER NAS ORGANIZAÇÕES 5. LIDERANÇA E PODER NAS ORGANIZAÇÕES A conceituação de poder varia de acordo com o contexto em que se está inserido. São pessoas que exercem poder e este é exercido sobre alguém, portanto, neste caso

Leia mais

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina?

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina? Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web Quem é a professora responsável? Qual o objetivo da disciplina? Como estudar e obter nota para aprovação? Qual é a bibliografia básica?

Leia mais

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Liderança Competências Conhecimento Habilidade Atitude - - Relacionamento - - -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Crise Liderança: Qual é a definição? Principal fator de saída da empresa

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NA FORMAÇÃO DE LÍDERES NAS ORGANIZAÇÕES MODERNAS. Luis Carlos Santos Dutra 1 Faculdade Alfredo Nasser admluiscarlos@hotmail.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NA FORMAÇÃO DE LÍDERES NAS ORGANIZAÇÕES MODERNAS. Luis Carlos Santos Dutra 1 Faculdade Alfredo Nasser admluiscarlos@hotmail. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NA FORMAÇÃO DE LÍDERES NAS ORGANIZAÇÕES MODERNAS Luis Carlos Santos Dutra 1 Faculdade Alfredo Nasser admluiscarlos@hotmail.com RESUMO: O objetivo geral deste artigo científico é

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17 KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados Katya Mangili Atua como Coach de Carreira e Liderança. É sócia

Leia mais

Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista

Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista Processos Grupais e Liderança de Grupos: Analise da Percepção de Funcionarios de Comercio Varejista Iaslin Nostório da Silva iaslin_silva@hotmail.com UFF Isabele Rocha da Silva is-abele14@hotmail.com UFF

Leia mais

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Utilizando como ponto de partida os artigos Idéias de Sucesso: Utilizando o Balanced Scorecard escrito por Luis Augusto German, A difícil tarefa

Leia mais

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI_RMP 1 Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI-RMP marlene@prorisks.com.br www.prorisks.com.br Neste artigo

Leia mais

Questionário para área Operacional

Questionário para área Operacional Questionário para área Operacional Pontualidade Chega no horário e cumpre os horários estipulados pela empresa, além de respeitar o cronograma do setor no atendimento às solicitações de serviços. Zelo

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

UNIFEOB. Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIFEOB. Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIFEOB Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSOR MARINA APARECIDA DE MELO ANDRADE SÃO JOÃO

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: UM ESTUDO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS NO COMPORTAMENTO DOS COLABORADORES

8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: UM ESTUDO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS NO COMPORTAMENTO DOS COLABORADORES 8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: UM ESTUDO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS NO COMPORTAMENTO DOS COLABORADORES Autor(es) MARCELA FRANCIELE DA SILVA NAZATTO Orientador(es) GRAZIELA GRAZIANO

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS CONHEÇA OS FUNDAMENTOS O QUE É O COACHING? Coaching é um processo de aceleração de resultados que consiste no desenvolvimento de competências e habilidades profissionais

Leia mais

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br P-06 Revendo o Treinamento Comportamental Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br Proposta Refletir e analisar a metodologia de treinamentos comportamentais. O que acontece

Leia mais

Instituto Líder Coaching 2016 1

Instituto Líder Coaching 2016 1 Instituto Líder Coaching 2016 1 A distância entre o sonho e a realidade chama-se disciplina. (Bernardinho) Porque fazer um curso de Coaching? Felicidade, Realização, Conquistas e Mudanças. Atualmente,

Leia mais

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E TRABALHO EM EQUIPE: SUPERANDO DESAFIOS OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E DOS OUTROS. ANALISAR, ESTUDAR E DISCUTIR AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS EXISTENTES NA EQUIPE DE TRABALHO, VISANDO

Leia mais

www.idsingular.com.br

www.idsingular.com.br Business and Executive Coach ID Coach Seu mundo do tamanho do seu conhecimento Tel. 31 3681 6117 ID COACH No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo.

Leia mais

NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS

NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS O mundo NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS 1 O - TREINAMENTO INTERATIVO DO BRASIL corporativo vem se transformando de uma forma acelerada e contínua, fazendo com que executivos, gestores e empresários se

Leia mais

Gestão de Pessoas Uma janela para o sucesso

Gestão de Pessoas Uma janela para o sucesso Gestão de Pessoas Uma janela para o sucesso Já vivemos muitas eras de mudanças Terra Trabalh o Capital CONHECIMENTO Agora, vivemos uma mudança de era! Exportações EUA Most companies die not because they

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL Fabiana Custódio e Silva * Murilo Sérgio Vieira Silva **

Leia mais

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011 Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com 05 de maio de 2011 LIDERANÇA COACHING : A PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

Leia mais

LIDERANÇA: QUAIS OS IMPACTOS CAUSADOS PELA ATUAÇÃO DOS LÍDERES NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL?

LIDERANÇA: QUAIS OS IMPACTOS CAUSADOS PELA ATUAÇÃO DOS LÍDERES NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL? UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciências da Informação e Documentação Departamento de Administração MARCELO MOREIRA DE SOUZA LIDERANÇA: QUAIS OS IMPACTOS

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Um ambiente em constante mutação, com alterações cada vez mais rápidas e significativas, exige uma empresa com capacidade de adaptação crescente ao

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos I-Organização da Administração Pública A vida da sociedade organizada pressupõe uma organização racional do trabalho, constituída de uma hierarquia

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS Disciplina TURMA 2015/2 Segunda e Quarta - Unidade BUENO COORDENADOR: Profa. Camen Rizzotto da Trindade CH

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Unimed Apucarana Gestão por Competências Unimed Apucarana Unimed Apucarana em números 158 médicos cooperados 16 aspirantes a cooperado 17.676 clientes 63 colaboradores 79 recursos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho (*) Karine Luiza Rezende Silva Araújo e (**) Marco Antônio Vieira Gomes 1. INTRODUÇÃO: A Gestão por Competências

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança Premium The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança Premium The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança Premium The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Jose Exemplo Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança Premium The

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação Resenha Crítica: Qual a relação entre competitividade, gestão do conhecimento e tecnologia da informação? Paulo Fernando da Silva Para discutirmos a relação

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais