A Influência do Capital Intelectual sobre a Performance dos Projetos de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Influência do Capital Intelectual sobre a Performance dos Projetos de Software"

Transcrição

1 Influência Intlctual sbr Prfrmanc s Prjt Sftwar MUNIÇÃ DS RESULTDS D drian r, ran B. T. Mrals, Dr. (rintar), Paul M. Slig, Dr. (crintar) PRGRM DE PÓS-GRDUÇÃ EM ENGENRI E GESTÃ D NEIMENT UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT TRIN ntú 1 Intrduç 2 Ml Tóric 3 Mtlgia 3 aractrísticas mtra 4 btis 5 Sbr utr sucss uma mprsa sftwar é altamnt pnnt s rsultas s prjt xcuta. Esta cmunicaç scrv rsultas psquisa raliza ju às mprsas snvlvras sftwartuants n Pl Tcnlógic Flrianóplis, cm part ts utra intitula Ml para nális Influência Intlctual s Prjt Sftwar, fndi m març 2012 na Univrsi Fral Santa atarina. Intrduç sftwar é um lm prvasiv na scidtual, cntrlan inúmr dispitiv sistmas crític para anm s vis pssas, rganizaçõs paíss. ssim, a prduç manutnç sftwar ntr cust aquas quali spra trna-s um fatr imprtant para as cnmias mun intir. psar sucss utilizaç sftwar m uma gran vari áras atuaç humana, prjt snvlvimin cmpartilham uma rputaç fracass. mair part sftwar snvlvi prfissinalmnt é cncbi pla xcuç prjt mprndims tmprári visam prduzir sftwar cumntaç dcr s spcificaçõs s clints. Dsta frma, sucss uma mprsa sftwar é altamnt pnnt s rsultas s prjt xcuta. Trna-s crucial, nt, rcnhcim s fatrs influnciam a prfrmanc s prjt, psibilitan a gstrs rfrçar lms impulsinam rsultas pitiv mitigar lms ngativ. Entr fatrs psívis, a ts fca n rcurs basas m cnhcim s aplicas na xcuç s prjt, rn à tria Intlctual para scrvr a strutura cntú sss rcurs. Um ml tóric é snvlvi para scrvr lms Intlctual, Estrutural Rlacinal prfrmanc s prjt. ml tóric dá rigm a um stinári prmit mnsurar sss lms n prjt sftwar nalisar imprtants rlaçõs ntr msm.

2 2 DUTRD Ml Tóric ts busca na tria Intlctual lms para struturar, analisar mnsurar rcurs intangívis intnsiv m cnhcim. cnhcim. Partin prmissa principais rcurs aplicas na ralizaç um pr s intangívis intnsiv m cnhcim, a ts busca na tria Intlctual lms lms para struturar, analisar mnsurar sss rcurs rcurs. rcurs. par partir tir rvis ml Intlctual aplicas a divrsas áras, frmula frmula--s s sguint ml tóric para cntxt s prjt sftwar: : É c cnhcim nhcim ncntra nas mnts, crp çõs s mmbr quip prj prjt. t. SubdiviSubdivis m: para Prjt Prjt:: É ptncial h, na frma cnhcims, habilis, xpriências frmaç. titu titu:: Rprsnta cmprtams mnstras pla quip durant xcuç prjt, incluin capaci dprndiza, criativi, invaç satisfaç pla participaç n prjt. Estrutural: Estrutural: É c cnhcim nhcim institucinaliza, institucinaliza, fica na mprsa inpnnt prmanência s clabrars clabrars. Subdivi Subdivi--s s m: ultura para Prjt Prjt:: spct spct cultura mprsa rlacinas à vcaç para a ralizaç prjt para a busca mlhr prfrmanc s quips. quips Prcss: Prcss: valia prcss pracinais prmvm a ralizaç s ativis s prjt pr mi mét tr trabalh abalh mais ftiv ftiv.. nhcim: nhcim: Rprsnta cnhcims xplícit, s gras, armaznas cmpartilhas na mprsa pr mi s sus prcss dprndizagm aprndizagm.. Sistmas Infrmaç Infrmaç: Rprsntam as frramntas infrmática suprtam a graç, armaznam transmiss infrmaçõs n intrir mprsa. mprsa 1 1:: Elms ml tóric. ml Rlacinal Rlacinal:: É c cnhcim nhcim nas nas rlaçõs prmiam a mprsa sftwar influnciam a xcuç s s prjt prjt t.. Subdivi Subdivi--s s m: lint: lint: Dscrvspct rlacinam ntr clint quip prjt, bm cm ntr clint mprsa mprsa.. Rs labraç: labraç: Trata s rlacinams cpraç favrcm a prfrmanc pr prjt jt sftwar, incluin parcrias rganizaçõs xtrnas, clabraçõs utr grup msma rganizaç rlacinam ntr mmbr quip prjt.

3 INFLUÊNI D PITL INTELETUL SBRE PERFRMNE DS PRJETS DE SFTWRE 3 Uma vz finis lms Intlctual, rsta a Prfrmanc Prjt fini cm avaliaç xcuç prjt, quali s prdut gras s bnfíci trazis para a mprsa sftwar para as parts intrssas. cncit s divi m: : valia a frma cm prjt fi xcuta, cnsiran a prdutivi quip a arência prjt a rcurs alcas. : valia a quali s prdut gras pl prjt, atndim s rquisit stablcis satisfaç clint s rsultas prduzis. f: valia bnfíci trazis pl prjt na frma prparaç para safi fs rganizaç. ml tóric é cmplmnta plas hipótss acrca s rlaçõs ntr lms acima scrit (figura 1). s hipótss 1, 2, 3 afirmam lms Intlctual influnciam pitivamnt prfrmanc prjt. s hipótss 4, 5 6 afirmam pars lms Intlctual st pitivamnt lacinas, u sja, nívis, Estrutural Rlacinal tnm a variar mnt na xcuç s prjt sftwar. Mtlgia Para mnsurar ca um s lms ml tóric, cm a ultura para Prjt, pr xmpl, fram labras crca quatr stõs afirmativas, valis justas api spcialistas ára acadêmica indústria. stinári fi dispnibiliza m uma página na Intrnt uma carta-cnvit fi nvia às mprsas asscias TE s snvlvras sftwar têm nrç na Gran Flrianóplis. a mprsa participant slcinu até is prjt snvlvim sbr quais um grnt u lír rspnu a stinári in su grau cncrd s afirmaçõs. s rsultas fram analisas pr mi uma técnica mrgnt statística multivaria, nmina Mlagm Equaçõs Estruturais (figura 2). Esta é cnsira aqua à valiç trias m stági snvlvim. aractrísticas mtra Prfrmanc Prjt avalia a xcuç prjt, a quali s prdut gras bnfíci trazis para a mprsa sftwar para as parts intrssas. Fram cltas s sbr 56 prjt snvlvim sftwar, xcutas pr 43 mprsas difrnts. númr médi funcinári s mprsas psquisas é 124, s quais 37, m média, atuam dirtamnt n snvlvim sftwar. mairia s mprsas é pn prt, té 50 funcinári. tmp médi dtuaç s mprsas m snvlvim sftwar é 12 an mair part tm ntr 5 15 an xpriência na ára. Das 43 mprsas, 15 têm algum tip crtificaç prcss snvlvim, cm prmin s ml MPS/BR (6 mprsas), IS (6 mprsas) MMI (4 mprsas). tamanh médi s quips s prjt avalias é 8 pssas, prminan as quips ntr 6 15 pssas. Mais mta s prjt amtra tivram duraç 6 a 18 mss, cm duraç média 15 mss.

4 s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R s tr l lint s lms Estrutural i cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R s tr l lint s lms Estrutural i cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R l s n lint s lms Estrutural cdifica g s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R c s n lint s lms Estrutural cdifica g. s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R c s n lint s lms Estrutural cdifica 4 s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms s n lint s lms Estrutural cdifica 4 s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms lint s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms lint s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms I lint s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R 3 lms I lint, prtnc R s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R 3 lms, prtnc R s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R 3 lms, prtnc R s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms, prtnc R s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms, prtnc R s lms Estrutural cdifica s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms finm, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms E finm, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R lms E finm, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R xibin õs finm, prtnc R s lms Estrutural btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim é btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim é btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim é btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim é btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R õs finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R finm, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R finm õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R finm õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s E msm Estrutural. influência R c finm õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s E msm Estrutural. influência R : tr lms c õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms I õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim btis s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs, v, prtnc R s lms Estrutural nhcim s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs, v prjt cinci mais s nívis, prtnc R s lms Estrutural nhcim s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs (prsnças õs, v -s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms - õs, v s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs, v s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms õs, v s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms R s s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms R s nívl, prtnc R s lms Estrutural s lms Intlctual s msm Estrutural. influência R : tr lms R 2, i s nívl, prtnc R s lms Estrutural. s lms Intlctual s Estrutural. influência R : tr lms, i E s nívl, prtnc R : tr lms, i E R s nívl, prtnc R : tr lms, i R s s nívl, prtnc R : tr lms, i s s nívl, prtnc R : tr lms, i s nívl, prtnc R : tr lms, i s nívl, prtnc R : tr lms, i s nívl, prtnc R c : tr lms, i s nívl cm : tr lms, i s nívl m : tr lms, i s nívl m : tr lms, i s nívl m : tr lms, i : tr lms, i uência s : tr lms, i q uência s : tr lms uência s : tr lms u uência s titu : tr lms u uência s titu : tr lms u uência s titu F : tr lms uência s titu F : tr lms uência s titu : tr lms uência s : s titu : tr lms uência s : titu : tr lms uência s titu : tr lms uência s, titu, : tr lms,, 2: 2: c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual 4 c finm Rlacinal 2: cli ntr Intlctual 4: c finm Rlacinal para Estrutural. 3 cli ntr Intlctual : c finm Rlacinal gra para Estrutural. 3: cli ntr Intlctual rrlaç c finm :, Estrutural, Rlacinal gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual rrlaç c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual c finm, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal aum uma gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal gra para Estrutural. cli ntr Intlctual s 4 lms, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural, Rlacinal cli ntr Intlctual, Estrutural,

5 INFLUÊNI D PITL INTELETUL SBRE PERFRMNE DS PRJETS DE SFTWRE 5 lõs c- ml tóric stablc hipótss sbr prsnça s lms Intlctual aplica na xcuç s prjt sftwar. 5 mtra s Parsn utilizas para tstar as hipótss. hipóts 4, afirma xistir uma pitiva ntr Estrutural, fi cnfirma cm cnfiabili 99%. msm hipóts 5, trata pitiva ntr R hipóts 6, trata ntr Rlacinal Estrutural n é sustnta pl s amtra. bsrva-s a é pitiva magnitu muit baixa sm signific statística. Ess rsulta, crta frma, mtra Intlctual é mais individual rganizacinal. Prém, na mdi part Estrutural s stina a apiar a cpraç a trca cnhcim ntrs pssas, sprava-s uma significativa, n fi rvla nst stu. mplmntan a anális, a figura 6 mtra as õs ntr c finm tr lms I -s a para Prjt, nvlv cnhcims, habilis, xpriências frmaç, cinci mais frntmnt capaci rganizaç dificar nhcim suprt frnci pl Sistmas Infrmaç. titu quip, inclui criativi, iniciativa satisfaç, n aprsnta õs significativas s lms Estrutural. nsira-s lms titu st mais rlacinas naturza s mtivaçõs s pssas cnhcim las transprtam u têm acss, n crta inpndência m rlaç a suprt rganizaç. titudprsnta uma mais frt Rlaç lint, mtran s aspct cmprtamntais quip prjt para frtalcim s canais cmunicaç clabraç clint. 5: rrlaçõs ntr cmpnnts Intlctual aplicas na xcuç s prjt sftwar. nsira-s lms titu st mais rlacinas naturza s mtivaçõs s pssas cnhcim las transprtam u têm acss. 6: rrlaç c finm lms I Sbr utr drian r é gradua m iências mputaç, Mstr m Engnharia Prduç stá btn títul Dutr m Engnharia Gst nhcim, smpr pla Univrsi Fral Santa atarina. tua cm gstr prjt n SERPR Srviç Fral Prcssam Das. S sjar btr txt cmplt ts u trcar iias sbr tma, pr favr ntr m cntat pl -mail:

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br Criação, Dsign Implmntação Soluçõs Eucacionais Corporativas www.braun.com.br QUEM SOMOS Somos uma mprsa xclência na art ucar gstors-lírs organizaçõs com foco m aspctos o comportamnto humano no ambint organizacional.

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Identificação Veicular

Identificação Veicular >> O INSTITUTO DE INFORMÁTICA (INF) >> OS PROJETOS > SIGMA Sistma Infrmaçã Ggráfica para Mnitramnt Ambintal frma, srá invstigad as qustõs prtinnts a utilizaçã tiqutas RFID para rastramnt vículs, talhs

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas Planificação d Ciências Naturais 9.ºAno Altraçõs climáticas Inês Hnriqus Sandra Mnds Tma: Biosfra Aula n.º: 1 Duração: 90 minutos Introdução à unid Altraçõs climáticas. Biosfra, concito importância. Dgração

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Lean na Reciclagem de Materiais da Cooperativa Aliança

Lean na Reciclagem de Materiais da Cooperativa Aliança Lan na Rciclag Matriais a Cprativa Aliança Brun Battaglia Lan Institut Brasil O bjtiv st artig é strar c a aplicaçã alguns cncits lan ajuu a lhrar a prutivia, a rna abint trabalh na Cprativa Aliança Suaré-SP.

Leia mais

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012 In a n a m t a rn d Prv n çã o d A SIPAT Intgrada 2012 Tófilo Otoni 07 a 11-05-2012 ci d nt S Fnord Cmig Tófilo Otoni Projcl Engnharia Ltda. Rdl Eltrificaçõs Fundação Educacional Nordst Miniro s Gast tmpo

Leia mais

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS Os indicadrs d avaliaçã d dsmpnh utilizads plas grands mprsas ajustads s às pqunas médias mprsas d Sctr mbiliári ns cnclhs d Pards Paçs d Frrira CECÍLIA NATÁLIA ROCHA

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES 2015-2016 Junho Julho! Atualizado a 03-06-2016 (http://criatividad.nt) Nota: O prço

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho II Sminário NEPPAS: Caminhos olhars da agrocologia nos srtõs d Prnambuco Normas para nvio d trabalho Srra Talhada, 26,27 28 d abril d 2012 Espaço Roda Mundo - Rodas d convrsas, rlatos trocas d xpriência

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES 2015-2016 (2º príodo) Atualizado a 05-01-2016 (http://criatividad.nt) Nota: O prço d

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO O Município d Duartina, Estado d São Paulo, no uso d suas atribuiçõs lgais, torna público o Edital d Prorrogação das Inscriçõs,

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA Tma: Sxualidad rlaçõs intrpssoais 1º Ano- EB1/JI DE VELAS Turma 2 Formas d Rcursos Atividads Objtivos Contúdos organização/ (humanos (por disciplina)

Leia mais

cargo Programa de Visitas CAC Atendimento NEWSLETTER

cargo Programa de Visitas CAC Atendimento NEWSLETTER NEWSLETTER cargo 02 2013 Para ampliar a comunicação com os usuários clints, o GRU Airport Cargo criou o novo portal www.grucargo.com.br. No sit é possívl conhcr a strutura dos armazéns, srviços disponívis,

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA Encontro d Ensino, Psquisa Extnsão, Prsidnt Prudnt, 0 a 3 d outubro, 014 0 UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA TÍTULO DO TRABALHO EM INGLES Mário Márcio dos Santos Palhars 1, Antonio Carlos Tamarozzi² Univrsidad

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO As qustõs sguints rfrm-s as sus hábits d sn durant mês passad. Suas rspstas dvm dmnstrar, d frma mais prcisa pssívl, qu acntcu na mairia ds dias

Leia mais

ANEXO II VAGAS 1.1 VAGAS PARA PROFESSORES DE CURSOS FIC PRONATEC MULHERES MIL CAMPUS URUAÇU RUA FORMOSA, SN QD. 28/29 - SETOR SANTANA;

ANEXO II VAGAS 1.1 VAGAS PARA PROFESSORES DE CURSOS FIC PRONATEC MULHERES MIL CAMPUS URUAÇU RUA FORMOSA, SN QD. 28/29 - SETOR SANTANA; APLICADOR DE REVESTIMENTO CERÂMICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone Tabla d Prços C PRODUTO Dscritivo Insumos Consultas d Balcão Consulta com imprssão d xtrato simplificado d rgistros, com composição idêntica à Dclaração Consumidor SóChqu Confirm PJ Confirmação dos dados

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009.

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009. Ativis snvolvis pla scrtaria Agricultura Fomnto Agropcuário Mio Ambint durant o ano 2009. Locação um imóvl: Com a locação do novo spaço para funcionamnto Scrtaria Agricultura, EPAGRI microbacia, o spaço

Leia mais

Caros padrinhos, amigos & parceiros,

Caros padrinhos, amigos & parceiros, Caros padrinhos, amigos & parciros, Contato Est ano 2011 foi um ano muitas conquistas muitos rsultados significativos. Além trmos consguido chgar a final um prêmio nacional, o prêmio Itaú Unicf 2011, passamos

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO. Fábio Mamoré Conde

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO. Fábio Mamoré Conde FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Fábi Mamré Cnd Avaiaçã d Dsmpnh ds Prdutrs d Lit: Prpsta d Mtdgia Fundamntada

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP E D I T A L A b r t u r a i n s c O Programa r d Pós-Graduação m Engnharia d Produção, m nívl d Mstrado Doutorado, i comunica a abrtura d inscriçõs para a slção d candidatos, para o prnchimnto ç d vagas

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

EDIÇÃO INTERNET E EVENTOS FORMAÇÃO REDES SOCIAIS E ESTUDOS

EDIÇÃO INTERNET E EVENTOS FORMAÇÃO REDES SOCIAIS E ESTUDOS EDIÇÃO QUEM SOMOS O IIRH Institut Infrmaçã m Rcurss Humans nasc vluçã natural uma part nti ditra rvista RH Magazin para uma rganizaçã mais cmplta dica à prduçã infrmaçã spcializa stina as prfissinais rcurss

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

Como o voltímetro e o amperímetro são ideais, a resistência de terra no eletrodo de teste é calculada por:

Como o voltímetro e o amperímetro são ideais, a resistência de terra no eletrodo de teste é calculada por: Qustã nº a) Cm vltímtr amprímtr sã idais, a rsistência d trra n ltrd d tst é calculada pr: R x V/ I (valr: 8, pnts) b) Para rduzir a rsistência d trra, dvrã sr citadas duas ntr as sguints pssívis sluçõs:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdad d Ciências Dpartamnto d Informática XCONNS LIGAÇÕES A PARCEIROS COMERCIAIS Estágio Vítor Manul Prlqus Gibão Mstrado m Engnharia Informática 2008 UNIVERSIDADE DE LISBOA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES OBJETIVO GERAL Assgurar prmanntmnt a manutnção das populaçõs a distribuição gográfica das várias spécis d Cracida Odontophorida. Atnção spcial srá dada aos táxons amaçados

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais