?4"?47<>"#!>.336"" name="description"> ?4"?47<>"#!>.336"">

!"# " $ %& $!! % (! % ) * (! "%! % ! " #$ ) * # +, -!. +!, / / 0/ ' ( ) *+,-*+.*+,/01,2/* + &+.330

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "!"# " $ %& $!! % (! % ) * (! "%! % ! " #$ ) * # +, -!. +!, / / 0/ ' ( ) *+,-*+.*+,/01,2/* + &+.330"

Transcrição

1 !"!"# $!! %! %!$!' (! % ) (! "%! %! " #$ %'( ) #, -!.!, / / 0/ ' ( ),-.,/01,2/.330

2 % ' ' ' () (,,, 1 1 2,,, (" ($ %3-, 1 1, ) 1, ( 2,,, 1 -./, / / 01/ ( % : 8 ; < =>?4"?47<>"#!>.336" B4CDE" E)$" $944)97.33/F 7 ; B4CDE" E)7!.33/F 7 ; ; : G G < G G G ' ( ),-.,/01,2/.330 #$

3 7 =.33-F ; ( = F = ; F A; H 8 ; ') < =')<IF 9:') < =A!A<C7,002F ( ')<I 8 8 8L ') < 7 G M ')<I N ' ')<I ; 1 H : 8 ' L ')<I ; L O ')<I ' O ')<I ; ' ( ),-.,/01,2/.330 #

4 ' O 8 1 <9 : =99'>4.33,F$=.33.,5KF PQ 9 8 L( J B=,00KF 8 L( = F 8 8 J # =.336FB=,00KF L : H )!, Componentes do Produto Turístico Antes da viagem Agentes públicos, privados e voluntários - Centros de informação - Agentes de viagem - Companhias de transporte - Companhias de seguro - Outros Trânsito Agentes públicos, privados e voluntários - Diferentes modais de transporte: rodoviário, ferroviário, marítimo, aéreo - Outros Destino Agentes públicos, privados e voluntários - Acomodações - Atrações - Infra-estrutura - Vias urbanas, rodovias - Postos de Informações Turísticas - Outros )!A4,S A!A<C7=,002F ' ( ),-.,/01,2/.330 #

5 7 )!, 8 =,00/F H = L G F O =>?4"?47<>"#!>.336" 7 :. )!A4.S' >4>7D= F < = ( F O 7 8 % MAJ49, ' ( ),-.,/01,2/.330 #,

6 MAJ49,4 Autor(es) Poon (1988) Naisbitt (1994) Relação do turismo com a informação Na rotina da atividade turística existe a geração, a coleta, o processamento, a aplicação e a comunicação da informação. A informação é o laço que amarra todos os componentes da indústria turística. Com o crescimento do turismo e com a sofisticação dos viajantes, a demanda por informações levará a uma interconectividade ainda maior. Buhalis Informação é vital para a indústria de viagens. (1998) Cooper et al. A atividade turística depende da boa disseminação de informações e da (2001) distribuição eficaz do produto turístico. O Connor O turismo depende cada vez mais da informação. A informação é o (2001) nutriente básico do turismo. Middleton O turismo é um mercado totalmente baseado no fornecimento de (2002) informações. # O 1 ') < =')<IF ) : L L =7)$>7<9" )#%.33-F 9 ')<I 1 8 ( 7L ')<I 1,. M <L =,000F : : H H 1 ; ; 9')<I H 1 =?>7).335F 9')<I ')<IJ # =.33KF " ( = ' ( ),-.,/01,2/.330 #-

7 S,2 F" ; " ; = : ( F 8 J# =.33KF ')<I ; ')< = LL LF ; =.333F 8 ')<I L ; H : ;9 H J ')<I L H : O J J# =.33KF ')<I 1 ;$: =.33,F ')<I ; 8 ')<I = ; F ; JGL ')<IG O 8 ; -0 9T U O ; L V=,006 KK.F T L U' ' ( ),-.,/01,2/.330 #/

8 T L L U =!)7>)" 944W,00-,0/F > : ; : 8 '>##>4" X97>,00-" 9 8! ( =,00-F 8 O >8 MAJ49. MAJ49.98 Critério Significado Referem-se a quaisquer evidências físicas do serviço, tais como aparência Tangíveis dos funcionários, instalações de apoio e equipamentos utilizados no processo. Engloba as dimensões de estética, limpeza e conforto. Conformidade com experiência anterior, ausência de variabilidade no Consistência resultado. Competênci Habilidade e conhecimento profissional que garantem a execução eficaz do a serviço. Velocidade de Rapidez e prontidão para atender o cliente. Atendimento Atendimento /Atmosfera Flexibilidade Credibilidade /Segurança Acesso Refere-se ao quão agradável é a experiência que o cliente tem durante o processo de prestação do serviço. Inclui a cortesia dos funcionários e a atenção personalizada ao cliente. Capacidade de mudar e adaptar o serviço para se ajustar às necessidades dos clientes. Baixa percepção de risco por parte do cliente e habilidade de transmitir confiança. Facilidade de entrar em contato ou acessar fisicamente o serviço.!)7>)944w=,00-f Y ') < 8.: ')<I 88: = L 49"!4Z.332"##7"EC7J<.33,"9[7>)##.333F ( ( ' ( ),-.,/01,2/.330 #

9 L ')<I ')<I 1 ( 8 L ')<I < G ')<I = F < ; /1 2 ') < ; \ ')<I 7 ')<I =FG = F" =F G 1 8 "=F ; "=FG 7 ; )!58 ')<I> O ; ( 88! ( =,00-F8 MAJ495 7 ; ')<I ;1 L 9 ; ')<I H J ; : ')<I ' ; ')<I T U =C)7,00-F 7 ' ( ),-.,/01,2/.330 ##

10 ')<I, Componentes do Produto Turístico Antes da viagem Trânsito Destino Agentes públicos, privados e voluntários Agentes públicos, privados e voluntários Agentes públicos, privados e voluntários - Centros de informação - Agentes de viagem - Companhias de transporte - Companhias de seguro - Outros - Diferentes modais de transporte: rodoviário, ferroviário, marítimo, aéreo - Outros Acomodações Atrações Infra-estrutura Vias urbanas, rodovias Postos de Informações Turísticas Aspectos analisados na pesquisa Aspectos físicos e acesso Atendentes Informação verbal Material impresso )!A45S ') < J MAJ4958 ')<I Aspectos analisados Aspectos físicos e de acesso Atendentes Informação verbal Critérios de avaliação da qualidade - Tangíveis: equipamentos, infra-estrutura física e tecnológica. - Acesso: localização, sinalização, estacionamento, linhas telefônicas e terminais de internet. - Tangíveis: apresentação e aparência dos funcionários. - Competência: formação, habilidade e conhecimento dos atendentes para executar o serviço. - Velocidade de atendimento: tempo gasto no processo de atendimento. - Flexibilidade: mudança de atitude de acordo com a necessidade do cliente. - Atendimento/Atmosfera: clareza na comunicação, receptividade, simpatia e cordialidade dos funcionários com os turistas. - Consistência: uniformidade de procedimentos realizados durante o atendimento. - Credibilidade/Segurança: confiabilidade das informações repassadas pelos atendentes. Material - Tangíveis: aspectos físicos e disponibilidade dos materiais de divulgação. impresso J ')<I : ' ( ),-.,/01,2/.330 #3

11 T 1 1 U =1 F : J =')<IF ; 8,45 8 ; 1 J J < $ <=><A4F ')<I H 1.!" 9' ) < =')<IF G $ <=><A4F> O : < =>4><4) $A7))'# J> <A4)$9 1 ><A4.332F : " ; L ; " ><A4 =.332F ')<I H ; ')<I 8; MAJ ; ')<I ; L 7 ; G ; G ')<I ; ')<I L 9 1 ')<I ; J 1 ' ( ),-.,/01,2/.330 #

12 G ; ')<I ; = F ( G,45 ')<I8 ; 1 A G ')<I L G ; L L 9 G : ')<I ; 5 4 ; = F><A4 ; ; ' 7 G G ( 1 H 8 <! L( = 8(F> < L= L 5 ( F T U 7 ; ; X ' ( ),-.,/01,2/.330 3$

13 J G ( 1 T U ; > ; L : ; L? J ><A4 ( R( ( ><A4 ; 4 ')<I 7 1 ')<I L = F L ; = ')<IF 4,% 5 > L G L 7 G ' '8 ( 1 J ')<I1 > ')<I 8 ; = F8 H 4-6 ; 7? 48 = F ' ( ),-.,/01,2/.330 3

14 ; ')<I (( 9 8 > ; H; 8 H 9 ><A4 8 ')<I 1 O L ')<I > ( ')<I '8 : ')<I ; >L ; ')<I ; J : T ; U : TL U 4/!2 1%78 ')<I 1 : $ <=><A4F - ' ><A4 ')<I, ) L ')<I ><A4:. ' ')<I > 8 ')<I ' ( ),-.,/01,2/.330 3

15 09:;.-!2 Aspectos Sugestões de melhoria - Melhorar a sinalização viária e nas portas de entrada. - Adquirir mobiliário para armazenamento de material informativo. Aspectos físicos - Melhorar a limpeza e a organização dos banheiros. e de acesso - Melhorar o acesso para os deficientes físicos. - Adquirir equipamentos de informática, linhas e aparelhos telefônicos. - Padronizar o horário de atendimento em todos os PIT s. - Padronizar procedimentos internos (atendimento telefônico, atendimento facea-face, periodicidade e forma de envio do registro de visitantes, apresentação pessoal e postura profissional, etc.) e treinar os atendentes nos novos procedimentos. - Estabelecer critérios de seleção para os estagiários, tais como: ser aluno de curso de Turismo, falar outros idiomas (inglês ou espanhol) ou ter experiência Atendentes na área. - Selecionar um funcionário da Diretoria de Turismo da SETUR para ser o responsável pela gestão dos PIT s. - Realizar reuniões periódicas entre todos os atendentes com os seguintes objetivos: integração da equipe, avaliação do trabalho, sugestões de melhoria e encaminhamento de tarefas prioritárias para a diretoria. - Capacitar funcionários para aumentar a credibilidade e a segurança das Informação verbal informações repassadas aos turistas. - Disponibilizar material da região sul do Brasil e mapas da cidade (praias e centro) em português, inglês e espanhol. - Disponibilizar somente folders de assuntos relacionados com as necessidades Material impresso dos turistas. - Organizar os materiais informacionais por categorias, de acordo com as necessidades dos usuários. J ')<IL H #" 8 $>49A# 1 8 '8 8 7 ') < G 8 8 R # ; ' ' ( ),-.,/01,2/.330 3,

16 ')<I;G > ; ')<I > L ( J ')<I ( L( 7 :L ')<I 8 ' ')<I 8 ; 9 : 8 ')<I 9 H > H : 8 L J L H 8 ' ) < ;< >4>7D $ ) - ' >JA.33. A!A<C7 $ $ < ] 6 (1 71 8,3 J ]8,0K-301-.,,002 ' ( ),-.,/01,2/

17 ##7 4 X" EC7J<!? I ] ]]^> ] 69,5-5, , 49# $ ;"!4Z X $ ; J ] ]]8.0-63/ '>4. '?V.33, J>#A '( ;,5- J =$ ( ) " '>##>4 " X97> $ ] 601:9 18,, 0-51//,00-!)7>))! 7" ; J V 6( ,00/ 4 < ] 6 ' 1 8 / KK516,,00K C" E)$ J" $944)97 $ < L 719,/.,/31,62.33/ $)JJ#><97%<84 4 X.33. $97<>X79X$.' 4.33, 7)?)<<X 4X,00-7)$>7<9 $ X" )#%' ) (< 0,-21/0: " B4CDE 4" E)7!? < X 719,/ K.33/ 9`97794 ' = >,'?V.33, 9[7>)## $ J ] 8'01,35,5,1, ' ( ),-.,/01,2/.330 3/

18 ] ,1K3,02K aaaaaa >4%MA# 1 ] 6 9 /-,,.1-3,022 '997 < ) 9,,KKK5,1K-0,022 J 84 - ',000 >?4"?47<>X#"#!>#< L 8.2 /,K-,1,KK-.336 >4><4) $A7))'# J> <A4)$9 A#<A4 > >'94<> =><A4F J b^^^ a c3,.332 )#%X' : G?.K01.., #E7)',006 <>)_>)4 4 X M ] V,000 $ < V 8492, ,00K C)74(1,.< 9 V ',00- % " '4A4$7 "?>44C # # ' V /,02K ' ( ),-.,/01,2/.330 3

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

Centro de Informações Turís3cas

Centro de Informações Turís3cas Centro de Informações Turís3cas Por dia passam 4.450 carros pela Oswaldo Cruz na altura de São Luiz do Parai

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Experiência: Qualidade com segurança e Satisfação do cliente.

PRÊMIO. Identificação da Experiência: Qualidade com segurança e Satisfação do cliente. PRÊMIO 2012 Empresa: Pluma Conforto e Turismo S/A Categoria da Experiência: Atendimento ao Cliente Identificação da Experiência: Qualidade com segurança e Satisfação do cliente. Período da Experiência:

Leia mais

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente.

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente. A importância da avaliação do transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros através dos critérios de qualidade priorizados pelos clientes Lílian da Silva Santos (UFOP) lilisisa@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA. Engenharia de Produção. Ênfase em Serviços. Projeto de Iniciação Científica:

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA. Engenharia de Produção. Ênfase em Serviços. Projeto de Iniciação Científica: CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA Engenharia de Produção Ênfase em Serviços Projeto de Iniciação Científica: Estratégia de Operações de Serviços: uma análise dos critérios

Leia mais

da avaliação do transporte rodoviário

da avaliação do transporte rodoviário /2007 A IMPORTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DO RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL A Agência Nacional de Transportes Terda avaliação do transporte rodoviário passageiros através dos critérios de qualidade priorizados

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE TURISMO E HOTELARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO NITERÓI 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão.

Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão. Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO. Serviços públicos de apoio ao turismo. Alojamento. Restauração. Atividades de animação turística

ÁREAS DE ATUAÇÃO. Serviços públicos de apoio ao turismo. Alojamento. Restauração. Atividades de animação turística BALANÇO DO OBSERVATÓRIO TURÍSTICO DE MELGAÇO APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DE 12 ÁREAS DE ATUAÇÃO Serviços públicos de apoio ao turismo Alojamento Restauração Atividades de animação turística Serviços públicos

Leia mais

Grupo Security Forçan

Grupo Security Forçan 1 - APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O Grupo Forçan é uma das empresas com maior aceitação no mercado de terceirização de serviços atuando de forma eficaz e oferecendo serviços de alta qualidade através de mão

Leia mais

Enfermeiro: Edmo Oliveira Pinto Júnior. O Processo de Enfermagem no Controle de Qualidade Do Trabalho

Enfermeiro: Edmo Oliveira Pinto Júnior. O Processo de Enfermagem no Controle de Qualidade Do Trabalho Enfermeiro: Edmo Oliveira Pinto Júnior O Processo de Enfermagem no Controle de Qualidade Do Trabalho 4 Introdução. O conceito de Qualidade foi primeiramente associado à definição de conformidade às especificações.

Leia mais

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS Barbosa, Maria Beatriz; Fortes, Melissa Belato; Fischer, Ligia C. Projeto de Estações e Gestão dos Serviços de Transporte A gestão das estações

Leia mais

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão.

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Produto Turístico. Maria Adelice da Silva Luz

Produto Turístico. Maria Adelice da Silva Luz Produto Turístico Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável Publicação no semestre 2015.1 Autora: Maria Adelice da Silva Luz

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

EFICAZ. Conduzindo Soluções

EFICAZ. Conduzindo Soluções MISSÃO Comprometimento com os objetivos de nossos clientes, oferecer-lhes soluções logísticas inovadoras com a percepção de agilidade, qualidade e segurança. VISÃO Investir em tecnologia e aprimoramento

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA I. CRITÉRIOS IMPERATIVOS Comprometo me a cumprir todos os critérios aqui descritos como imperativos,

Leia mais

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão.

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos M&M Soluções Web www.mmsolucoesweb.com.br Página 2 de 18 Apresentação Criada oficialmente em 2009, a M&M iniciou suas atividades através

Leia mais

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO SISTEMA FETRANSPOR Federação das Empresas de Transporte de Passageiros Transporte por ônibus urbanos, intermunicipais, turismo e fretamento

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

PROJETO BÁSICO CALL CENTER

PROJETO BÁSICO CALL CENTER PROJETO BÁSICO CALL CENTER 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição dos serviços que serão prestados por empresa especializada em serviços de Call

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA ITAIMBÉ PALACE HOTEL O Hotel escolhido para a realização do 58º CONAD está localizado na região central de Santa Maria e próximo a Sede da SEDUFSM. Também está a

Leia mais

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Otávio Vieira da Cunha Filho, Presidente Executivo da NTU Fórum Mobilidade Volvo, Curitiba PR 20 de maio de 2015 Estrutura 1. Visão;

Leia mais

Comitê de Atendimento ao Consumidor

Comitê de Atendimento ao Consumidor Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação Para Admissão de Atendentes Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação para Admissão de Atendentes 1 ) Critérios Gerais: 1. Agilidade.

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

BPMS Business Process Management Systems

BPMS Business Process Management Systems BPMS Business Process Management Systems Perspectivas e benefícios em processos no governo II Colóquio Internacional 28-07-2005 La Sociedad de la Información em Perspectiva Comparada: Las Americas y Europa

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br ABORDAGEM DE QUALIDADE EM TRANSPORTE COLETIVO POR PESQUISA QUALITATIVA Stanislav Feriancic

Leia mais

SETORES ADMINISTRATIVOS DAS FACULDADES PONTA GROSSA

SETORES ADMINISTRATIVOS DAS FACULDADES PONTA GROSSA Faculdades Ponta Grossa Comissão Própria de Avaliação Avaliação Institucional 2015/1 INÍCIO SAIR SETORES ADMINISTRATIVOS DAS FACULDADES PONTA GROSSA 01.01. 01 Conheço os meus direitos e deveres como acadêmico.

Leia mais

OUVIDORIA DE SAÚDE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO E SEU PROCESSO DE TRABALHO.

OUVIDORIA DE SAÚDE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO E SEU PROCESSO DE TRABALHO. OUVIDORIA DE SAÚDE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO E SEU PROCESSO DE TRABALHO. Macro Regional NOROESTE CIANORTE ANO: 2015 MACRORREGIONAL LESTE Municípios participantes por RS: Nº DE MUNICÍPIOS REGIONAL DE

Leia mais

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA?

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? Por: Roberto Pessoa Madruga Todos nós sabemos o quanto as empresas estão preocupadas em atender seus clientes de maneira mais profissional e prioritária. Na estrada

Leia mais

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Pesquisa de satisfação 2014 S E C R E T A R I A D E T U R I S M O DE P A R A T Y PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Durante os dias 24 e 25 de junho

Leia mais

CATEGORIA: ATENDIMENTO AO CLIENTE BOAS PRÁTICAS:

CATEGORIA: ATENDIMENTO AO CLIENTE BOAS PRÁTICAS: EXPRESSO GUANABARA S/A - CNPJ: 41.550.112/0001-01 END. ROD BR 116 KM 04 N 700 MESSEJANA FORTALEZA/CE CATEGORIA: ATENDIMENTO AO CLIENTE 2011 BOAS PRÁTICAS: MELHORIA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS AOS

Leia mais

Por Denize BACOCCINA. Isto é Dinheiro - sexta-feira, 03 de maio de 2013 Seção: Economia / Autor: Por Denize BACOCCINA

Por Denize BACOCCINA. Isto é Dinheiro - sexta-feira, 03 de maio de 2013 Seção: Economia / Autor: Por Denize BACOCCINA O poder de compra alimenta o dragão A persistência da inflação em torno de 6,5% ao ano tem um componente virtuoso: o crescimento do setor de serviços, que lidera a criação de empregos e aumenta a renda

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 2 Gestão estratégica da produção - Introdução e evolução histórica da gestão da produção e

Leia mais

Guia Rápido de Viagem

Guia Rápido de Viagem Guia Rápido de Viagem Habilitação para uso no exterior Para aumentar sua segurança, seu cartão tem um bloqueio para uso no exterior. Antes de iniciar sua viagem para destinos internacionais, habilite-o

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

Gestão estratégica de operações de serviço

Gestão estratégica de operações de serviço Artigo / Article 03 Gestão estratégica de operações de serviço Língua / Language Este documento faz parte do web site da Correa & Associados This document is part of Correa & Associados web site Corrêa

Leia mais

RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010

RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010 RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010 RELEMBRANDO O PERFIL DOS RESPONDENTES DISPONIBILIDADE

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Título I. Das Finalidades

Título I. Das Finalidades REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO Título I Das Finalidades Art. 1º - A biblioteca foi criada em 13 de maio de 1961. A missão é contribuir para a melhoria do ensino, da pesquisa e

Leia mais

Indicadores de qualidade da prestação de serviço. mobilidade urbana. contribuição rio como vamos

Indicadores de qualidade da prestação de serviço. mobilidade urbana. contribuição rio como vamos Indicadores de qualidade da prestação de serviço mobilidade urbana contribuição rio como vamos 2015 Apresentação A contribuição do Rio Como Vamos * para o aprimoramento da gestão de mobilidade urbana no

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

Atendimento. Índice. Marketing em empresas de serviços... 02. Satisfação, valor e retenção de clientes... 13. Como lidar com a concorrência...

Atendimento. Índice. Marketing em empresas de serviços... 02. Satisfação, valor e retenção de clientes... 13. Como lidar com a concorrência... Atendimento Índice Pg. Marketing em empresas de serviços... 02 Satisfação, valor e retenção de clientes... 13 Como lidar com a concorrência... 17 Propaganda e promoção... 19 Venda... 19 Telemarketing...

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães Contas-satélites 24/06/2015 Fontes e referências Manual de Contas Nacionais SNA 1993. Manual de Contas Nacionais

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique TERMO DE COOPERAÇÃO ENTRE O INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DE MOÇAMBIQUE (INS) E O INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EM SAÚDE DA FIOCRUZ (ICICT/FIOCRUZ- MS - BRASIL) NO MARCO

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU)

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Muito Satisfeito Satisfeito 300. Pouco Satisfeito Insatisfeito 200. Sinalização da Sede

Muito Satisfeito Satisfeito 300. Pouco Satisfeito Insatisfeito 200. Sinalização da Sede HM/29 7 6 629 28 INSTALAÇÃO DA SEDE 5 4 Muito 3 Pouco 2 1 19 13 12 138 Sinalização da Sede 7 28 INSTALAÇÃO DA SEDE 6 591 5 4 Muito 3 Pouco 2 1 99 136 117 143 Conforto da Instalação 45 4 35 47 28 INSTALAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

ENGENHARIA DE TRANSPORTES

ENGENHARIA DE TRANSPORTES ENGENHARIA DE TRANSPORTES INTRODUÇÃO Conceito: A engenharia de transportes que se relaciona com o projeto geométrico, planejamento e a operação do tráfego de estradas e vias urbanas, suas redes, os seus

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 11 CANAIS DE ACESSO DOS CLIENTES ÀS ORGANIZAÇÕES Objetivo: Ao final desta aula, você estará capacitado a identificar e avaliar alguns dos canais de

Leia mais

Consultoria Linguística Personalizada Englishtown Private Teacher

Consultoria Linguística Personalizada Englishtown Private Teacher Consultoria Linguística Personalizada Englishtown Private Teacher EF / Englishtown A maior companhia privada de educação do mundo 29 mil funcionários 400 escolas e 75 escritórios em 50 países Mais de 40

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

1 Projeto Biblioteca Vitrine Perfil de Biblioteca Parceira Nome da Escola Nome da Biblioteca e CRB Endereço com CEP Cidade, UF (DDD) Telefone e E-mail Telefone E-mail Responsável pela biblioteca Horários

Leia mais

18 FRANQUIAS PARA TRABALHAR EM CASA

18 FRANQUIAS PARA TRABALHAR EM CASA 18 FRANQUIAS PARA TRABALHAR EM CASA EMPREENDER EM HOME OFFICE É PARA VOCÊ? Trabalhar em casa é um hábito que já faz parte da realidade de cerca de 30 milhões de brasileiros, segundo dados do IBGE. Quem

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS A temática tecnologia da informação esta em todas as áreas: áreas da saúde, empresarial, governamental. A humanidade está entrando

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

ANEXO XI FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO E ATESTE DOS SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E AFINS E CONTROLE DE ENTRADA DE MATERIAIS

ANEXO XI FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO E ATESTE DOS SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E AFINS E CONTROLE DE ENTRADA DE MATERIAIS ANEXO XI FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO E ATESTE DOS SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E AFINS E CONTROLE DE ENTRADA DE MATERIAIS Mês / Ano: Localidade: Responsável: Cargo: 1. De um modo geral, como

Leia mais

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 Promoção Turística - Comitê executivo - Proposta inicial - Estrutura Turística Fecomércio 01/10/2009 Infraestrutura Comunicação Dados Comitê Integração GT

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Treinamento Coaching - Assessment

Treinamento Coaching - Assessment Treinamento Coaching - Assessment Treinamento de vendas COACHING ASSESSMENT Para que treinar? A importância "A vontade de ganhar é importante, mas a vontade de se preparar é vital. Apresentando o Coaching

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo FASTPASS Soluções em Transporte Executivo A FastPass é uma empresa que oferece soluções completas em transporte de passageiros, desde a locação de veículos executivos e vans com motorista para transfers,

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema

Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema Versão 3.0.7 BBTUR VIAGENS E TURISMO 27/08/2014 1 Sumário Modulo I Introdução ao Sistema...3 Requisitos mínimos para utilização do Sistema...3

Leia mais

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS 4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS O CONCEITO DE QUALIDADE Existem várias definições para o termo qualidade na literatura, não havendo um consenso entre os diversos autores. Garvin (1984) agrupou as várias

Leia mais

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 1 Composição Orçamentária ISAGS - 2013 (*) Natureza Valor anual (US$) Percentual Projetos 42,6% 1.001.200,00 Pessoal 37,9% 892.958,00 Gastos Operacionais

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Inglaterra Mini Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho

Leia mais

INTERCOMUNICAÇÃO SEM FIO

INTERCOMUNICAÇÃO SEM FIO digi wav e I INTERCOMUNICAÇÃO SEM FIO APLICAÇÕES Produção de Eventos / Teatros / Templo Religioso / Educação / Produção em Campo Remota / Etc. Quatro grupos independentes podem operar mesmo se estiverem

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

CURSO DE IDIOMAS. mil. capital de giro de 40% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS

CURSO DE IDIOMAS. mil. capital de giro de 40% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS CURSO DE IDIOMAS 50 capital de giro de 40% do total O contínuo processo de globalização que a sociedade tem vivenciado nos últimos tempos torna cada vez mais importante a necessidade de domínio de outros

Leia mais