CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA. Engenharia de Produção. Ênfase em Serviços. Projeto de Iniciação Científica:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA. Engenharia de Produção. Ênfase em Serviços. Projeto de Iniciação Científica:"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE ENGENHARIA Engenharia de Produção Ênfase em Serviços Projeto de Iniciação Científica: Estratégia de Operações de Serviços: uma análise dos critérios competitivos priorizados pelos clientes de uma empresa prestadora de serviços de contact center (Relatório Final) Aluna: Maria Luíza del Roio Orientadora: Profa. Dra. Denise Luciana Rieg Fevereiro de 2012

2 1 1 Introdução Na tentativa de obter procedimentos para identificar os critérios priorizados pelos clientes, Santos et al. (2008) apresentam um modelo para a análise de critérios de valor percebido, como parte integrante de um processo mais abrangente de formulação de estratégia de operações de serviços. O modelo proposto pelos autores é apresentado na Figura 1.1. Entradas Análise dos Critérios de Valor Percebido Saídasa - Informações sobre os concorrentes - Informações sobre a percepção dos clientes - Informações sobre os processos Definir critérios de valor percebido Analisar a concorrênci a Analisar a matriz importânciadesempenho Analisar as relações entre critérios Correlacion ar critérios com processos - Critérios definidos - Trade offs e relações de apoio mútuo identificadas - Prioridades de melhorias definidas Figura 1.1 Modelo para análise dos critérios de valor percebido Fonte: Santos et al. (2008:04) De acordo com os autores, a primeira etapa deste modelo consiste em identificar os critérios de valor percebido (CVP s) que são característicos para a empresa, tomando como base os nove critérios dados por Gianesi & Corrêa (1994). Em seguida, com base no princípio da desagregação de Garvin (1993), é necessário desmembrar estes critérios em outros mais específicos, de acordo com as características das operações sendo analisadas. A segunda etapa propõe a avaliação do desempenho da própria empresa e de seus principais concorrentes em relação aos CVP s que foram previamente definidos. A terceira etapa consiste na construção da matriz importância-desempenho proposta por Slack (1994) (cruzamento da importância de cada CVP com o desempenho da empresa em relação a cada CVP, quando comparado com os seus principais concorrentes). A próxima etapa do modelo é a construção de outra matriz: a matriz de relações entre os CVP s. Esta matriz permite uma análise cruzada entre os CVP s, identificando possíveis relações de apoio mútuo entre eles e também trade-offs. Finalizando o modelo proposto pelos autores para a análise de CVP s, tem-se a etapa na qual se identificam os diferentes processos de serviços que podem contribuir para um melhor desempenho da empresa nos CVP s desejados. Embora este modelo proposto por Santos et al. (2008) não apresente nenhuma análise ou ferramenta que já não esteja disponível na literatura, como salientam os

3 2 próprios autores, sua contribuição, do ponto de vista científico, está na seqüência das suas etapas. Esta seqüência disponibiliza um roteiro para guiar as ações dos tomadores de decisão no processo de formulação de estratégia de operações de serviços. Todavia, este modelo foi desenvolvido recentemente, carecendo, portanto, de casos práticos de aplicação do mesmo. Neste contexto, frente à importância, no âmbito da formulação de estratégias de operações, em determinar os critérios segundo os quais o cliente avalia um dado serviço e frente à disponibilidade de um modelo para identificação destes critérios que ainda carece de aplicações práticas, é que se justifica a proposta deste trabalho. Neste sentido, o objetivo geral deste trabalho é aplicar, em um caso prático, o modelo proposto por Santos et al. (2008) para a análise de critérios de valor percebido (CVP s), como parte integrante de um processo mais abrangente de formulação de estratégia de operações de serviços, na tentativa de contribuir para a sua avaliação. Para que este objetivo geral seja atingido, propõem-se os seguintes objetivos específicos: Identificar os critérios de valor percebido que deveriam ser priorizados pela empresa a ser estudada; Avaliar o desempenho da empresa nestes critérios frente à concorrência; Frente ao exposto acima, o presente trabalho será desenvolvido com base em estudo de caso único em uma empresa prestadora de serviços de Contact Center, pertencente a uma multinacional americana, localiza-se na região do grande ABC paulista. Procedimentos como análise de documentos e entrevistas estruturadas serão utilizados no presente estudo, visando conhecer a empresa, seus serviços oferecidos aos clientes, os processos que a constituem, quem são seus principais clientes e concorrentes. Além desses procedimentos, a realização do estudo incluirá o levantamento do tipo survey, caracterizando a utilização de uma abordagem combinada (abordagem qualitativa e quantitativa). Isto porque o modelo proposto por Santos et al. (2008) para a análise de critérios de valor percebido (CVP s) prevê em sua aplicação a identificação dos critérios priorizados pelos clientes do segmento de mercado no qual a empresa atua e a análise do desempenho da empresa nestes critérios (com base na concorrência), etapas que exigirão a realização de pesquisas do tipo survey descritivo. 2 Plano de Trabalho e Cronograma de Execução

4 3 O plano de trabalho consistirá das etapas descritas abaixo, seguindo o cronograma de atividades apresentado no Quadro 2.1: - Etapa 1: Revisão bibliográfica relativa aos diversos tópicos associados ao tema proposto; - Etapa 2: Definir os critérios priorizados pelos clientes da empresa analisada (survey pesquisa junto aos clientes da empresa); - Etapa 3: Avaliar o desempenho da empresa nos critérios priorizados pelos clientes (survey pesquisa junto aos clientes da empresa); - Etapa 4: Avaliar o desempenho da principal empresa concorrente nos critérios priorizados pelos clientes (survey pesquisa junto aos clientes da empresa); - Etapa 5: Analisar matriz importância x desempenho (comparando-se o desempenho das duas empresas concorrentes analisadas); - Etapa 6: Analisar relações entre critérios; - Etapa 7: Correlacionar critérios com processos; - Etapa 8: Elaborar conclusões finais. Quadro 2.1 Cronograma de execução das etapas previstas na pesquisa ATIVIDADES / MÊS (2011) FEV MA AB MAI JUN JUL AG SET OU NO DEZ Etapa 1 X X X X Etapa 2 X Etapa 3 X X X Etapa 4 X X X Etapa 5 X X X Etapa 6 X X Etapa 7 X X Etapa 8 X X De acordo com o cronograma apresentado acima, a primeira atividade realizada foi a revisão bibliográfica visando a construção do Referencial Teórico do Trabalho. O mesmo é apresentado a seguir. Uma vez apresentado o Referencial Teórico, segue-se com a descrição das demais etapas desenvolvidas e os resultados finais da pesquisa.

5 4 3. Referencial Teórico 3.1 Serviços e suas Características De acordo com a NBR ISO 9000/2000 (ABNT, 2000) os serviços são resultados intangíveis decorrentes de pelo menos uma atividade realizada pela interface entre o fornecedor e o cliente. Ou ainda, como expõe Troster (1999) apud. Machado et al. (2006), serviços são aquelas atividades que se destinam direta ou indiretamente a satisfazer as necessidades humanas, sem geral algo tangível. Com efeito, as atividades de serviço podem ou não estar associadas à entrega de um bem facilitador ao cliente (algo tangível). Como exposto por Gianesi & Corrêa (1994), definem-se bens facilitadores como bens consumidos ou utilizados pelos clientes durante a prestação de serviço, visto que quando um serviço é adquirido, quase sempre, vem acompanhando de um bem facilitador (refeição servida por um restaurante self service, por exemplo). Além da intangibilidade, as atividades de serviços possuem outras especificidades, quando comparadas às atividades de manufatura: produção e consumo simultâneo, necessária participação do cliente no processo de prestação de serviço e heterogeneidade. Todas elas com implicações na gestão de processos de prestação de serviços (GIANESI & CORRÊA, 1994). A simultaneidade entre produção e consumo está relacionada ao fato de não haver etapas intermediarias entre a geração de serviço e o consumo do mesmo por parte do cliente, implicando na perecibilidade e na não possibilidade de estocagem do serviço. Essa característica tem conseqüências na gestão de qualidade, pois não se torna possível o controle de qualidade através de inspeção final. Assim, outros meios, como a garantia da qualidade dos processos, devem ser utilizadas para fazer esse controle (JOHNSTON & CLARK, 2002). Também como conseqüência desta característica, o cliente não avalia somente o resultado do serviço, mas cada etapa que compõem o seu processo de front office (etapas nas quais o cliente está em contato com a prestadora de serviço) (CORRÊA & CAON, 2002). A segunda característica, necessária participação do cliente no processo de prestação de serviço, refere-se ao fato de que é o cliente quem dispara a ordem de serviço (GIANESI & CORRÊA, 1994). Como exposto em Corrêa & Caon (2002), há muitos serviços nos quais a presença física do cliente em seus processos é

6 5 desnecessária, pois são prestados de forma remota, por telefone, internet, etc., mas, de qualquer forma, através de algum meio de contato, é necessário que o cliente, no mínimo, dispare a ordem de serviço. Como também observam os autores, é a natureza do negócio que definirá o grau de freqüência e intensidade de contato do cliente com o processo prestador de serviço. Sendo que quanto maior a intensidade de contato com o processo, mais o cliente vai usar o processo (além do produto) em sua avaliação de valor do pacote a ele oferecido (CORRÊA & CAON, 2002: 58). Também quanto maior a intensidade de contato do cliente com os funcionários do processo prestador de serviço, mais difícil se torna o controle dos resultados desses funcionários, a não ser através de reclamações de clientes (GIANESI & CORRÊA, 1994). Cabe ainda destacar que os processos de prestação de serviços são divididos em atividades de front office e atividades de back room. As atividades de front office são aqueles nas quais ocorrem o contato do cliente com a prestadora de serviço e as de back room, aquelas que acontecem isoladas dos clientes, mas que são indispensáveis para que as atividades de front office de fato aconteçam, como exemplificado através da Figura 3.1 (GIANESI & CORRÊA, 1994). Sistema de Operações de Serviços Front office (linha de frente) Alto contato com o cliente Incerteza Variabilidade Difícil controle Exemplo: salão de restaurante Back room (retaguarda) Baixo contato com o cliente Previsibilidade Padronização Melhor controle Exemplo: cozinha de restaurante Figura As operações de serviços divididas entre front office e back room Fonte: Adaptado de Gianesi & Corrêa (1994) A terceira característica, heterogeneidade, refere-se à variabilidade, diversidade do serviço. Segundo Parasuraman et al. (1985) apud Machado et al (2006), o resultado e a própria forma na qual se estabelece a prestação de serviço se modifica a medida que envolve diferentes clientes e diferentes funcionários e ocorrem em dias e situações diferentes, dependendo, portanto, da interface fornecedor-cliente. Logo, essa

7 6 característica também irá dificultar o controle dos resultados dos funcionários que estabelecem contato com os clientes durante o processo de prestação de serviço. 3.2 Classificação de Serviços Uma das classificações mais difundidas na literatura é aquela apresentada por Silvestro et al. (1992) apud Gianesi & Corrêa (1994): serviços de massa, lojas de serviços e serviços profissionais. Seis características foram cruzadas com a dimensão de volume para obter essa classificação: foco em pessoas ou equipamentos, grau de contato com o cliente, grau de personalização do serviço, grau de julgamento pessoal dos funcionários (autonomia do funcionário em contato com o cliente para satisfazer a suas necessidades e expectativas específicas), foco no produto ou no processo e foco nas atividades de front office ou back room. Estas características, como já exposto, se cruzam com a dimensão de volume de clientes processados por dia em uma unidade típica de prestação de serviço, como exposto na Figura 3.2. Ênfase em: - Pessoas - Front-office - Processo Alto grau de: - Contato - Personalização - Autonomia Ênfase em: - Equipamentos - Back- room - Produto Baixo grau de: - Contato - Personalização - Autonomia Serviços Profissionais: - Consultoria - Assistência técnica - Serviço médico Lojas de Serviços: - Varejo em geral - Restaurante - Hotelaria Serviços de massa: - Transporte urbano - Comunicações - Energia elétrica Volume de clientes processados por dia numa unidade típica Figura Classificação dos processos de serviços Fonte: Gianesi e Corrêa (1994:44) O serviço de massa caracteriza-se pelo alto número de clientes a serem processados por dia em uma unidade típica de prestação de serviço de forma

8 7 padronizada, ou seja, com baixa personalização, como por exemplo, em metrôs e trens. A ênfase no processo é dada a equipamentos e nas atividades de back room (valor do serviço é gerado no back room) e o grau de contato com o cliente é baixo e impessoal (GIANESI & CORRÊA, 1994). A loja de serviços é, talvez, a mais encontrada, e por estar numa posição intermediária na classificação exposta na Figura 3.2, possui as seguintes características: volume médio de clientes processados por dia, personalização em algumas partes do processo de prestação de serviços e padronização em outras, valor do serviço gerado tanto nas atividades de front office quanto de back room, ênfase em pessoas e equipamentos. São exemplos de lojas de serviços:varejo em geral, hotéis e restaurantes, etc (GIANESI & CORRÊA, 1994). Por fim, os serviços profissionais possuem como principais características a alta personalização dos serviços prestados, sendo que para isso necessitam atender um número limitado de pessoas por dia, a ênfase nas atividades de front office e o alto grau de contato com o cliente (CORRÊA & CAON, 2002). Não sendo possível classificar todas as operações de serviços nestes três tipos descritos acima, Clark & James (1997) apud Johnston & Clark (2002) fizeram uma adaptação desta classificação, como apresentado na Figura 3.3. Figura Classificação de serviços com base nos contínuos de volume e variedade/customização do serviço. Fonte: Adaptado de Corrêa & Caon (2002)

9 8 Como pode ser observada na Figura 3.3, a adaptação realizada refere-se ao tipo loja de serviços, que foi desmembrada em loja de serviços profissionais e loja de serviços de massa. Segundo Johnston & Clark (2002), loja de serviços profissionais são aqueles serviços profissionais que cresceram em escala e que, por isso, enfrentam mudanças como um maior volume de clientes a ser processado por dia e venda e implementação de soluções cada vez mais padronizadas. Já a loja de serviços em massa era antes um serviço de massa que se preocupa agora em fornecer maior variedade de produtos e serviços a seus clientes sem abrir mão dos controles de custo. Exigindo, desta forma, que seus funcionários detenham maiores habilidades para melhor orientar os clientes no processo de escolha (JOHNSTON & CLARK, 2002). 3.3 Avaliação da Qualidade do Serviço pelo Cliente Como já exposto, o serviço, por ser produzido e consumido ao mesmo tempo, não pode ser avaliação antes da compra, sendo possível apenas avaliá-lo durante o seu processo ou após o seu término (após ser conhecido o seu resultado) (GIANESI & CORRÊA, 1994). Por este motivo e por ser o serviço algo intangível, a expectativa do cliente torna-se algo significativo na avaliação da qualidade do serviço pelo cliente, assim como a sua percepção e a comunicação estabelecida momento a momento do processo de prestação do serviço (JOHNSTON & CLARK, 2002). Pesquisas confirmam que clientes comparam o que esperavam com o que receberam, conforme apresentado na Figura 3.4. Expectativas do cliente antes da compra do serviço Expectativas superadas Qualidade ideal Percepção do cliente sobre o serviço prestado Expectativas atendidas Expectativas não atendidas Qualidade satisfatória Qualidade inaceitável Figura Avaliação da qualidade do serviço pelo cliente Fonte: Adaptado de Gianesi & Corrêa (1994)

10 9 Como pode ser observada na Figura 3.4, a qualidade ideal de um processo de prestação de serviço é obtida quando as percepções dos clientes superam suas expectativas. A qualidade é considerada satisfatória quando as expectativas dos clientes são apenas atendidas. E a qualidade é inaceitável quando a percepção do cliente quanto ao processo de prestação de serviço ao qual ele foi submetido nem ao menos atendeu suas expectativas. Gianesi & Corrêa (1994) apontam quatro fatores que influenciam a formação da expectativa dos clientes. O primeiro é a necessidade do cliente que o levou a prestadora de serviços para satisfazê-la. O segundo é a comunicação boca a boca que são informações recebidas de outros clientes que já utilizaram o serviço. A experiência anterior que o próprio cliente teve com a prestadora de serviço também pode ser um fator influenciador de suas expectativas. Por fim, a expectativa do cliente pode ser influenciada pela comunicação externa (propagandas). Além desses fatores, Johnstom & Clark (2002) citam mais três que podem influenciar a expectativa do cliente: o preço, a disponibilidade de alternativas e humor e a atitude do cliente. O preço tem forte influência na expectativa, uma vez que quanto mais se paga pelo serviço, mais se espera do seu resultado. Também quanto maior a possibilidade de alternativas, ou seja, maior o número de opções que as empresas (incluindo as concorrentes) têm a oferecer, mais amplas, provavelmente, serão as faixas de expectativas dos clientes. Por fim, o próprio humor ou atitude de um cliente influencia na sua expectativa. Uma pessoa menos intransigente, por exemplo, pode ter uma zona mais ampla de tolerância, e, conseqüentemente, expectativas menos intensas (JOHNSTOM & CLARK, 2002). Quanto aos fatores que influenciam a percepção dos clientes em relação ao serviço prestado, Gianesi & Corrêa (1994) apontam como sendo os principais a prestação do serviço em si e a comunicação transmitida ao cliente durante ou após o término da prestação serviço. A percepção do cliente é formada em cada momento em que o fornecedor entra em contato com a prestadora de serviço, chamado, de momento da verdade. A totalidade dos momentos da verdade forma o ciclo de serviço. Alguns desses momentos são críticos para a avaliação dos clientes quanto à qualidade do serviço prestado. Geralmente, os momentos iniciais e finais do ciclo de serviços são críticos conforme

11 10 mostrado na Figura 3.5, embora não sejam estes os únicos possíveis, variando de serviço para serviço (GIANESI & CORRÊA, 1994). Figura 3.5 Os momentos da verdade críticos Fonte: Gianesi & Correa (1994: 88) Cada momento da verdade tem suas particularidades, onde os clientes utilizam um conjunto de critérios para avaliá-los. Gianesi & Correa (1994:91-97) expõem nove critérios de avaliação do serviço pelo cliente. São eles: Consistência: Significa conformidade com experiência anterior, ausência de variabilidade no resultado ou processo; Competência: Refere-se à habilidade e ao conhecimento do fornecedor para executar o serviço, relacionando-se às necessidades técnicas dos consumidores; Velocidade de atendimento: Refere-se à prontidão da empresa e de seus funcionários em prestar o serviço; Atendimento/ Atmosfera: Este critério refere-se à quão agradável é a experiência que o cliente tem durante o processo de prestação do serviço. Flexibilidade: Significa à capacidade de mudar e adaptar a operação, devido a mudanças nas necessidades dos clientes no processo ou no suprimento de recursos; Credibilidade/ Segurança: Refere-se à formação de uma baixa percepção de risco no cliente e à habilidade de transmitir confiança; Acesso: avalia a facilidade que o cliente tem em entrar em contato com o fornecedor de serviços. É importante quando o

12 11 cliente tem que comparecer fisicamente ás instalações do fornecedor para que possa recebe o serviço. Tangíveis: Refere-se à qualidade e/ ou aparência de qualquer evidência física do serviço de operações, ou seja, bens facilitadores, equipamentos, instalações, pessoal ou, ainda, outros consumidores. Custo: É o critério que avalia quanto o consumidor irá pagar, em moeda, por determinado serviço; Há que se ressaltar que não existe um consenso na literatura sobre o número de dimensões que compõem a qualidade em serviços. Diferentemente de Gianesi & Corrêa (1994), por exemplo, Johnston & Clark (2002) apresentam dezoito dimensões. Já Parasuraman et al (1985) apresentam somente cinco dimensões da qualidade em serviços. Como expõem Rieg et al (2009), critérios diferentes se tornam necessários quando se avaliam serviços de naturezas diferentes. Portanto, determinar os critérios segundo os quais o cliente avalia um dado serviço é fundamental para que se possam orientar os esforços da prestadora de serviços para que haja uma percepção favorável do serviço pelo cliente. 3.4 Estratégias de Operações de Serviços As estratégias de operações de serviços podem ser entendidas como um padrão coerente de decisões acerca dos recursos organizacionais de forma a alcançar um desempenho que permita a organização competir eficazmente no mercado no qual atua (Gianesi & Corrêa, 1994). Neste sentido, em termos de seu conteúdo, a estratégia de operações de serviços é composta de seus objetivos e suas áreas de decisões (Gianesi & Corrêa, 1994). Os objetivos de uma estratégia de operações de serviços são aqueles critérios que os clientes priorizam e nos quais, portanto, o processo de prestação de serviço deve alcançar excelência. Como já citado anteriormente, são vários os possíveis critérios de avaliação do serviço utilizados pelos clientes e a priorização de um ou mais desses critérios dependem das características do processo a ser analisado e do mercado (Johnston & Clark, 2002).

13 12 A partir dos estudos realizados com base nos critérios priorizados pelos clientes, é possível analisar quais são as necessidades operacionais e, em seguida, focar a estratégia para alcançar excelência nestes critérios. As áreas de decisões, por sua vez, são aqueles conjuntos relacionados de decisões gerenciais a respeito dos recursos operacionais, ou seja, recursos humanos, tecnológicos (equipamentos), e sistemas que influenciam o desempenho do sistema de operações em relação ao atingimento de seus objetivos (Gianesi & Corrêa, 1994:103). O Quadro 3.1 apresenta um conjunto possível de áreas de decisões e seus conteúdos. Quadro 3.1- Áreas de decisões estratégicas para um sistema de operações de serviços Áreas de Decisões Projeto do serviço Processo/tecnologia Instalações Capacidade/demanda Força de trabalho Qualidade Organização Administração de filas e de fluxos Sistema de informações Gestão de materiais Gestão de clientes Medidas de desempenho Controle das operações Sistema de melhoria Fonte: Gianesi & Corrêa (1994:103) Decisões relacionadas a Conteúdo do pacote de serviço; foco; alavancagem de valor sobre o custo. Separação entre front office e back room; tipo de contato com o cliente (hard/soft) métodos de trabalho; equipamentos, automação, capacidade, flexibilidade. Localização, descentralização; layout, arquitetura, decoração, políticas de manutenção. Ajuste da demanda no tempo, adequação da capacidade e demanda. Níveis de qualificação, recrutamento, seleção e treinamento de funcionários; políticas de remuneração. Prevenção e recuperação de falhas;garantia de serviços; padrões de serviços; monitoramento de necessidades e expectativas. Centralização; estilos de liderança; comunicação, autonomia de decisão. Disciplina na fila; configuração da fila; gestão da percepção do cliente sobre o tempo de espera. Coleta de análise e uso de informação experimental. Políticas de fornecimento; papel de estoques; políticas de suprimento; níveis de disponibilidade. Participação do cliente; gestão das expectativas; comunicação com o cliente; treinamento do cliente. Prioridades, padrões e métodos. Programação de operações; regras de decisão. Sistemas que asseguram a melhoria contínua do sistema de operações. Concluindo, como apresentado na Figura 3.6, o processo de desenvolvimento de estratégias de operações de serviços pode ser entendido como o processo de interação entre os objetivos e as áreas de decisões.

14 13 Objetivos das operações Conteúdo de uma estratégia de operações Desenvolvimento da estratégia Áreas de decisão das Figura Processo de desenvolvimento de estratégias de operações Fonte: Adaptado de Gianesi & Corrêa (1994) Formulação de Estratégias de Operações de Serviços É possível verificar o processo de formulação das estratégias de operações pela Figura 3.7 (processo top-down), que é dividido em dois grandes blocos: definição do conceito/ missão do serviço e definição do plano de ação. A definição da missão ou conceito de serviço refere-se à identificação dos atributos do serviço nos quais o sistema deverá proporcionar alto desempenho, ou seja, à identificação dos critérios competitivos priorizados pelos clientes. A definição da missão depende da estratégia competitiva, pois necessita das decisões referentes à segmentação de mercado no qual a empresa atua e o posicionamento dela nestes segmentos para tomar ação a frente de seus concorrentes e atender seus consumidores (Gianesi & Corrêa, 1994). Na Figura 8 é possível analisar como é realizado o estudo para definição do conceito. O processo da segmentação tem como objetivo identificar grupos de consumidores, com características em comum, para que em um determinado projeto de produto ou de serviço atenda às necessidades deste grupo. Como exemplo, a segmentação pode ser feita com bases a dados demográficos (idade, níveis de renda, tamanho familiar, etc.) e/ou psicográficos (características de como as pessoas agem e como vivem: estilo de vida, propensão ao prazer, medo, inovação, etc.) (Gianesi & Corrêa, 1994). O próximo passo é a seleção de um ou mais segmentos de mercado, o que depende de um estudo referente ao que foi informado pela segmentação, sendo o tamanho do grupo, suas necessidades, e as qualificações necessárias para atender este grupo. O processo de posicionamento, que deve ser estudado paralelo a segmentação, procura responder às questões apresentadas pela parte central da Figura 3.8.

15 14 Figura O processo de formulação da estratégia de operações de serviços Fonte: Gianesi & Corrêa (1994:107) Conseqüentemente após analise dos dois processos de posicionamento e segmentação, a definição do conceito ou missão do serviço é entendida, e principalmente são identificados os critérios através dos quais os clientes avaliam o serviço. Estes critérios traduzem os requisitos necessários ao sistema de operações, que

16 15 devem ser priorizados. Para entendimento do processo de priorização pode-se utilizar a escala de 9 pontos para classificação proposta por Hill (1994) apud Slack et al (2002) (Quadro 3.2). Segmentação de Mercado - Quais as características comuns dos segmentos de mercado? - Quais as dimensões a serem usadas para segmentar o mercado? - Quão importantes são os segmentos? - Que necessidades cada um deles têm? - Como estas necessidades têm sido atendidas? De que forma? Por quem? Posicionamento - Como o conceito de serviço se propõe a atender às necessidades dos consumidores? - Como os concorrentes atendem a estas necessidades? - Como o serviço proposto é diferenciado dos concorrentes? - Quão relevantes são estas diferenças? - O que é um bom serviço? - O conceito de serviço proposto é um bom serviço? - Quês esforços são necessários para alinhar as expectativas dos consumidores e as capacitações do serviço proposto? Definição do Conceito de Serviço - Quais os elementos importantes a serem providos, em termos de resultados produzidos para o consumidor? - Como se espera que estes elementos sejam percebidos: - Pelo mercado alvo? - Pelo mercado em geral? - Pelos funcionários? Figura Elementos de definição do conceito de serviço Fonte: Gianesi & Corrêa (1994:109) Após a análise da priorização dos critérios pelo mercado, é necessária a formulação de uma estratégia focalizada. Para tal, é necessário verificar se os critérios priorizados pelos diferentes segmentos a serem atendidos pela operação de serviço não apresentam conflitos entre si. Se for o caso, cria-se uma estratégia para cada segmento. O segundo grande bloco da Figura 3.7 tem como objetivo a definição do plano de ação para alcançar o desempenho desejado.

17 16 Para tal, primeiramente, são analisados os desempenhos dos seus concorrentes e da própria empresa nos critérios competitivos já identificados, utilizando-se a escala dada por Hill (1994) apud Slack et al (2002) (Quadro 3.3). Quadro Uma escala de 9 pontos para a classificação dos critérios competitivos Critérios ganhadores de pedidos 1. Proporciona vantagem crucial junto ao cliente é o principal impulso da competitividade 2. Proporciona importante vantagem junto ao cliente é sempre considerado 3. Proporciona vantagem útil junto à maioria dos clientes é normalmente considerado Critérios qualificadores 4.Precisa estar pelo menos marginalmente acima da média do setor 5.Precisa estar em torno da média do setor 6. Precisa estar a pouca distância da média do setor Critérios pouco relevantes 7. Normalmente, não é considerado pelos clientes, mas pode tornar-se mais importante no futuro. 8. Muito raramente é considerado pelos clientes 9. Nunca é considerado pelos clientes Fonte: Slack et al (2002) Quadro Uma escala de novo pontos para avaliar o desempenho dos objetivos estratégicos frente à concorrência Melhor do que a concorrência 1. Consistente e consideravelmente melhor do que nosso melhor concorrente 2. Consistente e claramente melhor do que nosso melhor concorrente 3. Consistente e marginalmente melhor do que nosso melhor concorrente Igual à concorrência 4. Com freqüência marginalmente melhor do que nosso melhor concorrente 5. Aproximadamente o mesmo da maioria de nossos concorrentes 6. Com freqüência a uma distância curta atrás de nossos principais concorrentes Pior que a concorrência 7. Usual e marginalmente pior do que a maioria de nossos principais concorrentes 8. Usualmente pior do que a maioria de nossos concorrentes 9. Consistentemente pior do que a maioria de nossos concorrentes Fonte: Slack et al (2002) Esta análise comparativa chama-se Análise de Gaps e seu objetivo é a construção da matriz importância x desempenho (Figura 3.9). Nesta matriz, o eixo x apresenta a escala de importância de cada critério competitivo, segundo os clientes (classificação desenvolvida por Hill (1994)): critérios

18 17 pouco importantes, qualificadores (critérios nos quais a empresa precisa estar dentro do padrão médio do setor para poder competir) e ganhadores de clientes (critérios que proporcionam vantagem importante para a empresa na manutenção e conquista de novos clientes). Já o eixo y apresenta a escala de desempenho da empresa em relação a cada critério competitivo, quando comparado com os seus principais concorrentes: pior, igual ou melhor que a concorrência. O cruzamento das duas dimensões importância dos critérios competitivos para os clientes e desempenho nos critérios comparado à concorrência permite identificar regiões específicas na matriz importância x desempenho, conforme mostrado na Figura 3.9. Desempenho Melhor que Igual a Pior que Excesso? Adequação Aprimorar Urgência Pouco relevante Qualificadores Importância Figura Matriz importância x desempenho Fonte: Slack et al (2002) Ganhadores de clientes Para cada região da matriz, faz-se a seguinte interpretação (Slack et al, 2002): - Região excesso : o critério classificado nesta região apresenta desempenho muito superior à concorrência em um aspecto que os clientes não valorizam; - Região adequada : o critério classificado nesta região possui desempenho satisfatório e, por isso, necessita de melhoria apenas em longo prazo; - Região aprimorar : o critério localizado nesta região deve ser alvo de melhorias em médio prazo; - Região urgência : o critério classificado nesta região apresenta desempenho crítico, uma vez que é alta a importância dada a eles pelos clientes e é baixo seu desempenho quando comparado com a concorrência. Portanto, é região de atenção para curto prazo.

19 18 Construída a matriz importância x desempenho, o próximo passo é a determinação das áreas de decisão prioritárias. Uma das ferramentas que podem ser utilizadas para se estabelecer as relações entre os objetivos e as áreas de decisão estratégicas é a construção da matriz objetivo x áreas de decisão, conforme Quadro 3.4 (matriz desenvolvida para uma rede brasileira de restaurante do tipo quick service). Estabelecem-se, nesta matriz, diferentes graus de relacionamento entre cada objetivo e área de decisão. Objetivos Áreas de decisão Projeto do serviço Força de trabalho Quadro 3.4- Matriz objetivos x áreas de decisão desenvolvida para uma rede brasileira de Consistência restaurantes tipo quick service. Vel. de atendimento Custo Flexibilidade Competência Credibilidade Segurança Instalações Qualidade Gestão de materiais Capacid./ demanda Med. de desempenho Adm. de filas relação forte relação média relação fraca Fonte: Adaptado de Gianesi & Corrêa (1994) O objetivo desta matriz é, portanto, apresentar o grau de relacionamento (forte, médio ou fraco) entre os critérios já classificados como sendo os mais importantes, segundo os clientes, e as áreas de decisões, ou seja, determinar quais áreas decisões mais afetam o desempenho da empresa nestes critérios. Outra ferramenta que auxilia na determinação das áreas a serem priorizadas é a matriz objetivos (critérios) x momentos da verdade (Quadro 3.5). A percepção do cliente a respeito da qualidade do serviço é formada em cada um dos momentos que há contato com a empresa de serviço, chamados momentos da verdade que compõe o ciclo do serviço. Deste modo é importante a análise do ciclo de serviço, a fim de identificar os momentos fundamentas ou críticos, sendo eles os momentos nos quais os critérios competitivos mais importantes estão presentes para serem avaliados pelo cliente.

20 19 Como mostrado no Quadro 3.5, na matriz objetivos (critérios) x momentos da verdade estabelece-se o grau de relação entre os critérios previamente classificados nas áreas da matriz importância x desempenho e os momentos da verdade que compõem a operação de serviço sendo analisada. Quadro Matriz objetivos (critérios) x momentos da verdade, para um supermercado Ciclo do serviço Momento 1 Momento 2 Momento3 Momento n Classificação dos critérios Critérios Entrar no estacionamento Encontrar lugar para estacionar Entrar no supermercado Sair do supermercado Ação Urgente Critério A Critério B Critério C Aprimorar Critério D Adequado Excesso Critério Z relação forte relação média relação fraca Fonte: Gianesi & Corrêa (1994) Finalizando o processo de determinação das áreas a serem priorizadas para a elaboração do plano de ação, tem-se a análise do fluxo de processo do serviço (FPS) (Figura 3.10) e a construção da matriz de relacionamento entre atividades essenciais e áreas de decisão (Quadro 3.6). Na análise do FPS, atividades de back room são enfatizadas para garantir o sucesso das atividades de front office nos quais os critérios priorizados pelos clientes são evidenciados (momentos críticos). Isto pode ser realizado analisando o completo fluxo de processo do serviço. É possível identificar na análise das atividades de back room quais fluxos são fundamentais para o sucesso dos momentos críticos e que, portanto, mais influenciam nos critérios competitivos priorizados. O fluxo de processo do serviço (FPS), é o método para mapear as diversas atividades, tanto em front office, como em back room, apresentando as atividades necessárias para realização do serviço, com ou sem a presença do cliente, dividia por uma linha de visibilidade.

CRITÉRIOS COMPETITIVOS E MATRIZ IMPORTÂNCIA VERSUS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CALL CENTER LOCALIZADA NA CIDADE DE SÃO PAULO

CRITÉRIOS COMPETITIVOS E MATRIZ IMPORTÂNCIA VERSUS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CALL CENTER LOCALIZADA NA CIDADE DE SÃO PAULO CRITÉRIOS COMPETITIVOS E MATRIZ IMPORTÂNCIA VERSUS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CALL CENTER LOCALIZADA NA CIDADE DE SÃO PAULO Denise Luciana Rieg (CUFSA) riegsc@yahoo.com Fernando Cezar

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS Compreender a estratégia de produção dentro da organização; Diferenciar requisitos de mercado e recursos de produção Reconhecer as prioridades diferentes

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 03 Projeto de Serviço

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 03 Projeto de Serviço Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 3 Projeto de Serviço BENS VERSUS SERVIÇOS BENS SERVIÇOS Tangibilidade Sim Não Participação do Cliente Não Sim Produção e Consumo Distintos Simultâneos Esforço

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Gestão estratégica de operações de serviço

Gestão estratégica de operações de serviço Artigo / Article 03 Gestão estratégica de operações de serviço Língua / Language Este documento faz parte do web site da Correa & Associados This document is part of Correa & Associados web site Corrêa

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO ESTRATÉGICA NAS EMPRESAS DE SERVIÇOS EM CALL CENTER Por: Luiz Sérgio Gonçalves Leite Orientadora Profª.

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra Análise Estratégica 12 novembro 2015 Fundação Vanzolini Ruy Aguiar da Silva Leme (1925-1997) Engenheiro civil pela Poli-USP - Professor-assistente (1949-1953) e interino (1953) - Primeiro chefe do Departamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

O que é Estratégia? ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO 07/09/2015. Administração das Operações Produtivas. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

O que é Estratégia? ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO 07/09/2015. Administração das Operações Produtivas. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Estratégia? Administração das Operações Produtivas Objetivos Estratégicos das Operações Recursos transformados Materiais Informações

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços Gestão da Qualidade Qualidade em Serviços Clientes Diferentes... Expectativas Diferentes Resultados Diferentes 1 Parte 1 Serviços: Definições e Características Gerais O Crescimento dos Serviços País 1980

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Club Survey Varejo 2014 Estudo Setorial Varejista 14ª edição

Club Survey Varejo 2014 Estudo Setorial Varejista 14ª edição Club Survey Varejo 2014 Estudo Setorial Varejista 14ª edição 2013 Hay Group. All Rights Reserved Club Survey Varejo 2014 Trata-se de um estudo sobre as principais práticas do mercado varejista brasileiro.

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais