Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprendizagem. Liliam Maria da Silva"

Transcrição

1 Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento em razão da experiência passada. A aprendizagem pode ocorrer de forma direta ou indireta, sendo que de forma direta ocorre quando memorizamos as informações e de forma indireta quando aprendemos observando a maneira como uma pessoa cumpre uma tarefa ou reage a uma situação. Aprendemos até mesmo quando não estamos tentando aprender, como é o caso dos consumidores que reconhecem muitos nomes de marcas e podem cantarolar vários jingles de produtos, mesmo que não os utilizem. Podemos definir então que a aprendizagem é uma mudança relativamente permanente no comportamento, causada através da experiência. A aprendizagem é um processo contínuo, onde o nosso conhecimento sobre o mundo é reciclado permanentemente, pois o tempo todo somos expostos à estímulos e passamos a receber permanente feedback que vai nos permitir modificar o comportamento no momento que nos encontrarmos em situações similares novamente. Psicólogos que pesquisam em profundidade a aprendizagem defendem várias teorias psicológicas que explicam este processo.essas teorias explicam as conexões simples entre estímulo e resposta (teorias behavioristas)assim como às que defendem que o consumidor tem a capacidade de resolver problemas complexos, aprendendo regras e conceitos abstratos observando justamente outros indivíduos (teorias cognitivas). Compreender estas teorias também se torna importante para os profissionais de marketing, pois princípios básicos da aprendizagem estão no centro de muitas decisões de compra do consumidor. Teoria Behaviorista A Teoria Behaviorista explica justamente que o aprendizado ocorre como resultado de respostas a eventos externos. Nesta abordagem não se valoriza os processos internos do pensamento, se enfatizando somente os aspectos observáveis do comportamento. Esta teoria percebe a mente humana como uma caixa preta, onde os estímulos ou eventos são percebidos e partir do mundo externo gerando no comportamento humano, respostas ou reações a esses estímulos. Esta abordagem defende que as experiências individuais são moldadas pelo feedback que recebemos ao longo da vida. Podemos refletir em cima desta constatação que de modo semelhante, os consumidores respondem a nomes de marcas, aromas, jingles e outros estímulos de marketing através das conexões aprendidas que construíram com o tempo.

2 2 Aprendizagem de marketing através das conexões aprendidas que construíram com o tempo. Na Teoria Behaviorista também se defende que as pessoas aprendem que suas ações são resultados de recompensas e punições, onde por exemplo os consumidores que recebem cumprimentos pela escolha de um produto ficarão mais inclinados a comprar daquela marca outra vez e os que sofrem intoxicação alimentar ao comer em um novo restaurante provavelmente não mais o freqüentarão futuramente. A Teoria Behaviorista é defendida através de duas grandes abordagens de aprendizagem: 1. Condicionamento Clássico 2. Condicionamento Instrumental 1. Condicionamento Clássico Este condicionamento foi demonstrado primeiramente com cães por Ivan Pavlov, um fisiologista russo que pesquisava sobre a digestão em animais. Este pesquisador combinou um estímulo neutro (som de sino) com um estímulo conhecido para poder causar a salivação em cães (passava pó de carne em suas bocas). O pó era um estímulo não-condicionado(enc), pois era capaz de provocar a resposta de forma natural. Com o tempo, o soar do sino tornou-se um estímulo condicionado(ec), pois no início não causava salivação, mas os cães aprenderam a associar o som do sino com o pó de carne e começaram a salivar apenas com o som. A salivação destes consumidores caninos por causa do som, quando ligado à hora da alimentação, era uma resposta condicionada (RC). Diante deste exemplo, podemos compreender que o condicionamento clássico ocorre quando um estímulo que acarreta uma resposta é igualado a um outro estímulo que inicialmente não promove uma resposta própria. Com o tempo, este segundo estímulo causa uma resposta semelhante porque é associado ao primeiro estímulo. Quanto ao comportamento do consumidor, podemos falar que a forma básica de condicionamento clássico aplica-se primeiramente a respostas controladas pelos sistemas autônomo (salivação) e nervoso (piscar os olhos). Concentra-se em partes visuais e olfativas que provocam fome, sede, excitação sexual e outros impulsos básicos. Quando estas pistas são constantemente combinadas a estímulos condicionados, como nome de marcas, os consumidores aprendem a sentir fome, sede ou excitação quando posteriormente expostos às pistas dadas pelas marcas. O condicionamento clássico pode também ter efeito dentro de contextos mais complexos, como por exemplo com um cartão de crédito que pode se tornar uma pista condicionada que aciona gastos maiores, pois é um estímulo presente na hora que os consumidores estão gastando. As pessoas aprendem que podem comprar com cartões de crédito. 2. Condicionamento Instrumental O condicionamento Instrumental também é conhecido como condicionamento operante. Ele ocorre quando o indivíduo aprende a ter comportamentos que produzem resultados positivos e a evitar os que acarretam conseqüências negativas. O psicólogo Skinner estudou este tipo de condicionamento através do ensinamento a pombos do ato de dançar, jogar pingue-pongue e a desempenhar outras atividades, sempre recompensando os comportamentos desejados. Neste tipo de condicionamento, os consumidores poderão receber brindes de um proprietário de loja, só por terem entrado na loja, com a intenção que com o tempo eles continuem a aparecer finalmente e comprem alguma coisa. A aprendizagem instrumental ocorre como resultado de uma recompensa recebida após o comportamento desejado. Esta aprendizagem ocorre um período de tempo, durante o qual outros comportamentos são tentados e abandonados por não terem sido reforçados.

3 3 Os consumidores, com o passar do tempo, associam-se a pessoas que os recompensam e acabam escolhendo produtos que os fazem sentir-se bem ou que satisfaçam alguma necessidade. 3 formas de ocorrer o condicionamento instrumental: 1. Reforço Positivo 2. Reforço Negativo 3. Punição Reforço Positivo: É a recompensa. É a resposta fortalecida onde o comportamento é a- prendido. EX: Mulher que recebe cumprimentos por usar o perfume Happy aprenderá que o uso deste produto gera o efeito desejado e terá mais probabilidade de continuar comprando-o. Reforço Negativo: Este reforço também fortalece respostas. O comportamento apropriado passa a ser aprendido. A mensagem transmitida é que o consumidor poderia ter evitado o resultado negativo se tivesse consumido determinado produto. EX: Anúncio com mulher sozinha num sábado à noite por não ter usado o perfume Happy. Punição: Ocorre quando uma resposta é acompanhada de eventos desagradáveis, o que faz o consumidor a não repetir comportamentos. EX: Consumidor sendo ridicularizado por amigos por usar um determinado produto. Os princípios de condicionamento instrumental estão em funcionamento quando um consumidor é recompensado ou punido por uma decisão de compra. As empresas modelam o comportamento reforçando gradualmente os consumidores para tomarem atitudes apropriadas. Ex: Um comerciante de carros poderá incentivar um comprador relutante a apenas sentar-se em um modelo na loja, depois sugerir um test drive e então tentar fechar negócio. Os profissionais de marketing buscam muitas maneiras de reforçar os consumidores, desde um simples muito obrigado após uma compra até a realização de descontos substanciais e telefonemas posteriores. EX: Uma companhia de seguros obteve uma taxa bem maior de renovação de apólices entre um gfrupo de novos clientes que receberam uma carta de agradecimento após cada pagamento, comparados a um grupo de controle que nada recebeu, ou seja, não recebeu nenhum reforço. Teoria Cognitiva da Aprendizagem As pessoas quando assistem às ações de outras e notam os reforços que recebem por seus comportamentos, a aprendizagem ocorre como resultado de experiência de outros e não de u- ma experiência direta. As pessoas armazenam essas observações na memória à medida que acumulam conhecimento, utilizando essa informação em um momento posterior para guiar seu próprio comportamento. Este tipo de aprendizagem chama-se aprendizagem observacional, onde o processo de imitar o comportamento de outros é chamado de modelagem. Ex: Uma mulher que quer comprar um novo tipo de perfume pode se lembrar das reações provocadas por uma amiga ao usar uma certa marca há vários meses e baseará seu comportamento nas ações daquela amiga. O processo de modelagem é uma poderosa forma de aprendizagem. Nesta abordagem os profissionais de marketing não tem que recompensar ou punir o consumidor, mas ao contrário eles podem mostrar o que acontece a modelos desejáveis que usam ou não o produto.

4 4 Aprendizagem A Memória na aprendizagem do consumidor O que é memória? A memória é um processo de aquisição de informações e sua armazenagem ao longo do tempo, de modo que estejam disponíveis quando for necessário. Podemos ilustrar da seguinte forma: a mente é em certo sentido como um computador, onde os dados entram, são processados e saem para uso posterior de forma revisada. Os profissionais de marketing acreditam que os consumidores reterão as informações que aprenderam sobre produtos e serviços, confiando que mais tarde sejam aplicadas em situações em que decisões de compra devem ser tomadas. Durante o processo de tomada de decisão do consumidor, a memória interna é combinada com a memória externa, que envolve todos os detalhes do produto na embalagem, estímulos de marketing, etc... Existem pesquisas que defendem a idéia de que os profissionais de marketing podem distorcer a lembrança de um consumidor sobre a experiência com um produto. O que pensamos que sabemos sobre determinados produtos pode receber uma influência de mensagens publicitárias a que somos expostos após utiliza-los. Este tipo de propaganda é utilizado justamente para alterar recordações reais. EX: A propaganda pode tornar a experiência lembrada mais favorável do que realmente foi. Sistemas de memória do consumidor Há 3 sistemas distintos de memória: 1. Memória Sensorial 2. Memória de Curto Prazo 3. Memória de Longo Prazo 1. Memória Sensorial Este tipo de memória promove o armazenamento das informações que recebemos através de nossos 5 sentidos e por conta disto é um armazenamento temporário, durando poucos segundos. EX: Podemos sentir rapidamente o aroma de algo sendo assado ao passarmos pela porta de uma confeitaria. A sensação dura alguns segundos, mas será determinante para o consumidor. Ele poderá ir adiante, mas se a informação for retida para processamento posterior, passará então por uma entrada de atenção e será transferida para a memória de curto prazo. 2. Memória de Curto Prazo Esta memória também armazena informações por um período de tempo limitado e sua capacidade é restrita. 3. Memória de Longo Prazo É o sistema que nos permite reter informações por um longo período de tempo. Esse processo acontece através do pensar sobre o significado de um estímulo e relaciona-lo com outras informações de outro estímulo e relaciona-lo com outras informações já na memória. No marketing podemos observar esta questão, quando slogans e jingles são fáceis de lembrar e que os consumidores repetem por si próprios. Um dos objetivos básicos dos profissionais de marketing que tentam criar e manter a consciência de seus produtos é fazer que a familiaridade anterior com um item estimule a sua recordação. Isto significa que quanto mais experiência um consumidor tem com um produto, melhor uso poderá fazer das informações sobre ele. eficaz em auxiliar na recordação, além disto, anúncios onde a marca não é identificada antes do final, são mais eficientes na construção de associações na memória entre a categoria do produto e a marca. Sabe-se hoje que a informação apresentada na forma de imagem tem mais probabilidade de ser reconhecida mais tarde, pois é mais provável que aspectos visuais de um anúncio captem a atenção do consumidor. Estudos demonstram que o movimento dos olhos indicam que cerca de 90% das pessoas olham para a imagem dominante em um anúncio antes de examinar o resto do material.

5 5 Certamente os profissionais de marketing não querem que os consumidores esqueçam os seus produtos, mas numa pesquisa com 13 mil adultos, foi apurado que mais da metade foi incapaz de lembrar qualquer anúncio específico que tinha visto, ouvido ou lido nos últimos 30 dias Obviamente um bom indicador da boa publicidade é a impressão que a mesma causa nos consumidores. Este impacto justamente pode ser medido através do reconhecimento e da recordação. Os produtos de forma geral funcionam como marcadores de memória e são usados pelos consumidores para recuperar recordações sobre experiências passadas (marketing da nostalgia).

1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social;

1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social; Após o estudo desta teoria, você deve estar apto a: 1. explicar os princípios do condicionamento clássico, do condicionamento operante e a teoria da aprendizagem social; 2. Fazer comparações entre o condicionamento

Leia mais

Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12

Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12 Resolução da Ficha de trabalho de grupo 12 1. A aprendizagem é um processo cognitivo que, numa perspetiva psicológica, consiste em modificar, de forma estável, o comportamento, ou o conhecimento, através

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem Reflexão Pessoal A Aprendizagem No decorrer da nossa vida aprendemos a falar, a utilizar os talheres, a atar os cordões dos sapatos, a ler, a utilizar eletrodomésticos, a cumprimentar pessoas, entre muitas

Leia mais

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Resumo A importância de requisitos Diferentes tipos de requisitos Coleta de dados para requisitos Descrição de tarefas: Cenários Casos de uso Casos

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação. aquiles-2003 pea5900 1

Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação. aquiles-2003 pea5900 1 Bases Psicológicas, Teoria de Sistemas e de Comunicação para a Tecnologia da Educação aquiles-2003 pea5900 1 Teoria do Conexionismo - Thorndike Conexão : Estimulo Resposta Experiência gatos, cachorros

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Objetivos da aula: Nosso objetivo de hoje é iniciar a análise dos fundamentos do comportamento individual nas organizações e suas possíveis influências sobre

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ

A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ A TEORIA BEHAVIORISTA DE SKINNER: ANALISE ACERCA DE SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DO CEARÁ Introdução: Antonio Wescla Vasconcelos Braga wescla-vasconcelos@hotmail.com Mariana Lira Ibiapina mariliraibiapina@hotmail.com

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO?

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Saber se o email é mais ou menos apropriado para o seu negócio depende do tipo de produto ou serviço que vende,

Leia mais

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos Propaganda Desafios É difícil medir a resposta à propaganda A demanda é afetada pela concorrência e pelas decisões relativas ao composto de marketing A resposta pode não ocorrer imediatamente Problemas

Leia mais

Logomarca para Parceiros de Negócios. Junho / 2012

Logomarca para Parceiros de Negócios. Junho / 2012 Logomarca para Parceiros de Negócios Junho / 2012 Apresentação Este manual tem como objetivo facilitar ao nosso Parceiro de Negócios, o entendimento da aplicação dos logos da Valspe em suas comunicações.

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso a técnicas de vendas, uma introdução simples ao processo de venda. Hoje, relembraremos e aprofundaremos os processos de abordagem, sondagem, apoio, fechamento

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners http://virtualmarketingpro.com/products/show_shop/paulocosta1. Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners

Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners http://virtualmarketingpro.com/products/show_shop/paulocosta1. Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners Dicas Para Gerar Mais Contatos e Aumentar As Suas Conversões De Venda Trazido Até Si Por Como Gerar Toneladas de Tráfego Com Banners Termos e Condições Aviso

Leia mais

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio Percepção Sensação Visão, Audição, Tato, Olfato e Paladar Captação de estímulos pelos sentidos Sinais eletroquímicos Condução dos sinais até o córtex sensorial Impulsos

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar.

Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar. Comportamento Animal Comportamento de animais domésticos Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar. Prof. Guilherme Soares Del Claro - 2004 INSTINTO Fator inato do comportamento dos animais,

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO PORQUE USAR?

MARKETING DE RELACIONAMENTO PORQUE USAR? MARKETING DE RELACIONAMENTO PORQUE USAR? O Marketing de Relacionamento é uma forma alternativa de contato por parte da revenda com seu público alvo. Seu objetivo maior é gerar lembrança da marca para que

Leia mais

Psicologia no Gerenciamento de Pessoas

Psicologia no Gerenciamento de Pessoas Psicologia no Gerenciamento de Pessoas Capítulo 3 Behaviorismo, o controle comportamental nas organizações Profª. Márcia Ms. Regina Márcia Banov Regina 3 1. A escola Behaviorista Escola norte-americana.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC AUTOR(ES): LILIAM

Leia mais

Andragogia. Soluções para o aprendizado de adultos. Maristela Alves

Andragogia. Soluções para o aprendizado de adultos. Maristela Alves Andragogia Soluções para o aprendizado de adultos Maristela Alves Seu dia-a-dia como instrutor...... Envolve ensinar novos conceitos e passar informações a pessoas adultas. Você já parou para pensar que

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

9º ANO O progresso da criança

9º ANO O progresso da criança 1 2 3 4 1 2 3 4 6 7 8 PREPARAÇÃO PARA O SUCESSO NO 9º ANO O progresso da criança Uma fonte de recursos para os pais para entender o que a criança deve aprender este ano e sugestões úteis para apoiar o

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/1 Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/2 Conhecer o modelo e as estruturas da teoria do circuito fechado, explicativos da capacidade de detecção e

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social)

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Os seres humanos são, por natureza, seres sociais, que interagem a todo instante nos diferentes ambientes (familiar, escolar, profissional etc.).

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Compreendendo o controle aversivo

Compreendendo o controle aversivo Compreendendo o controle aversivo setembro 2012 Maura Alves Nunes Gongora [Universidade Estadual de Londrina] Justificativa: Controle aversivo constitui um amplo domínio do corpo teórico-conceitual da

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Paulo Sertek Mestre em Tecnologia e Desenvolvimento email: psertek@xmail.com.br www.ief.org.br Nas organizações mecanicistas, o homem é visto apenas por fora, em suas ações,

Leia mais

Cognição e Fatores Humanos em IHC

Cognição e Fatores Humanos em IHC Cognição e Fatores Humanos em IHC Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Conceito de Neuropsicologia É o campo de conhecimento interessado em estudar as relações existente entre o sistema

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 12 Aprendizado de Máquina Agentes Vistos Anteriormente Agentes baseados em busca: Busca cega Busca heurística Busca local

Leia mais

Dicas para seu Cartão de Visita

Dicas para seu Cartão de Visita O Cartão de Visita O cartão de visita é um pequeno cartão contendo os dados de contato de uma pessoa ou corporação. Para muitos, ele é a primeira ferramenta de marketing. Após um contato profissional,

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL

COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL COMPORTAMENTO - CONSUMIDOR - PRODUTO: UMA RELAÇÃO INSEPARÁVEL Lideli Crepaldi Instituições: Universidade Metodista de São Paulo - UMESP; Centro Universitário Municipal de São Caetano do Sul - IMES; Centro

Leia mais

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO

EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO INTRODUÇÃO EXPLORANDO O MUNDO COM OS SENTIDOS RESUMO Andrea Cristina Lombardo Debora Cristina Millan Maria Conceição Olimpio de Almeida deboramillan@yahoo.com.br Ouvir o barulho da chuva, saborear os alimentos, cheirar

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Ancoragem. Robert B. Dilts

Ancoragem. Robert B. Dilts Ancoragem Robert B. Dilts Na PNL, "ancoragem" se refere ao processo de associar reações internas com algum gatilho externo ou interno porque assim, prontamente, podemos acessar essa reação de novo. A ancoragem

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? 1 1 Com esta crise, já não há filas à porta das oficinas, nem listas de marcações com vários dias de espera. Era bom, era, mas já foi! Os tempos são de mudança

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

Como fazer uma apresentação

Como fazer uma apresentação Como fazer uma apresentação Etapas para fazer uma apresentação Definição dos 1 objectivos da apresentação de acordo com as necessidades e o perfil da audiência Preparação de uma linha de trabalho de um

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 Índice 1. Regulamento, Procedimento e Programação em Recursos Humanos...3 2. Aprendizagem...3 3. Como melhorar a aprendizagem...5 4. Avaliação

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Sumário. Marketing e o comércio eletrônico. Marketing 27/04/2016

Sumário. Marketing e o comércio eletrônico. Marketing 27/04/2016 Sumário Marketing e o comércio eletrônico. Prof. Adriano Maranhão Marketing (Conceito). Marketing Digital. Email Marketing (E-mkt). Marketing de Permissão.. Comparativo. 1 2 Marketing Marketing é o processo

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso ERGONOMIA Prof. Ruy Alexandre Generoso Ergonomia de Software - Definição É a ciência que estuda o conforto, a utilização, a organização e a documentação do software. Tem como objetivo facilitar e otimizar

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA

O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA Estágio Pré-natal Concepção ao Nascimento Formação da estrutura e órgãos corporais básicos; O crescimento físico é o mais rápido de todos os períodos; Grande vulnerabilidade

Leia mais

22/03/2013. Primeira aula de etologia Introdução ao estudo do comportamento animal. Por que estudar o comportamento animal???

22/03/2013. Primeira aula de etologia Introdução ao estudo do comportamento animal. Por que estudar o comportamento animal??? Primeira aula de etologia Introdução ao estudo do comportamento animal Por que estudar o comportamento animal??? 1 - Interesse intrínseco - Importância prática E na sua profissão??? 2 O interesse humano

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES (Des)motivação na sala de aula! Sugestões práticas da: Nota introdutória Ser professor é ter o privilégio de deixar em cada aluno algo que este possa levar para a vida, seja

Leia mais

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA Ana Cristina Polycarpo Gameiro Camila Carmo de Menezes Cristiane Ribeiro de Souza Solange Leme Ferreira Universidade Estadual

Leia mais

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É?

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É? BULLYING NA ESCOLA O QUE É? HISTÓRICO Os primeiros trabalhos sobre o Bullying nas escolas vieram de países nórdicos, a partir dos anos 60 - Noruega e Suécia. CONCEITO É uma forma de agressão caracterizada

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Revolução do Ensino a Distância Enir da Silva Fonseca Coordenador de Pólo EAD Campus Guarujá UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE 1 Sumário METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE... 3 Passo Um: OBTER A ATENÇÃO DO COMPRADOR... 4 Passo Dois: MANTER O INTERESSE NA MENSAGEM... 8 Passo Três: DESPERTAR NO CLIENTE O DESEJO DE COMPRAR

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br 1 DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA COMPORTAMENTO MOTOR O comportamento motor estuda de que maneiras seu cérebro e sistema nervoso se desenvolveram e se ajustaram a fim de melhorar seu controle e sua

Leia mais

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Realizado por Janeiro de 2009 De acordo com Bloom a aprendizagem ocorre em três domínios: cognitivo psicomotor (habilidades) afetivo (atitudes ) Domínio cognitivo

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Ação do meio sobre o sujeito Lamarck / EMPIRISMO Ênfase no ambiente Desconsidera o poder do genoma Desconsidera o poder da atividade do sujeito

Ação do meio sobre o sujeito Lamarck / EMPIRISMO Ênfase no ambiente Desconsidera o poder do genoma Desconsidera o poder da atividade do sujeito MOTIVAÇÃO, MEMÓRIA E APRENDIZAGEM Profª Tania Zagury APRENDIZAGEM Quase todo comportamento humano é aprendido Apenas pequena parte é instintiva ou reflexa Mover as pernas; sugar o leite etc. Aprender é

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Raquel do Nascimento DIAS 1 Thais Cristina ROZA 2 Virgínia Felipe MANOEL 3 Lamounier Lucas JÚNIOR 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Leia mais