CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. In company. Mar 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. In company. Mar 2014"

Transcrição

1 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO In company Mar

2 O nosso Objetivo A nossa Abordagem Os nossos Clientes O nosso objectivo é contribuir de forma envolvente e eficiente para a melhoria da Competitividade Empresarial, propondo soluções técnicas e operacionais à medida do Cliente. Disponibilizamos o nosso capital de: - Experiência em gestão; - Conhecimento e vivência do tecido empresarial e das Organizações em geral, privadas e públicas, bem como dos profissionais de sucesso; - Experiência na docência e na publicação de conhecimentos, técnicos e de gestão. O que esperam os Clientes de valioso? Conhecimento e experiência aplicados em programas de consultoria, formação e auditoria à sua medida, com utilidade prática para que o seu negócio se desenvolva e prospere! Desenvolvemos soluções práticas adequadas e à medida, mediante serviços de: - Consultoria em Organização e Gestão - Formação e Treino in company - Melhoria Contínua do Desempenho e da Produtividade - Mudança Organizacional - Desempenho e Eficiência Operacional e ainda, Sistemas apoiados em normas - Qualidade, Ambiente e Segurança - IDI e Responsabilidade Social - Segurança Alimentar - Gestão do Risco Nota 1: São emitidos Certificados de Frequência Nota 2: Os Formadores são acreditados pelo IEFP Nota 3: Os formandos e duração indicados são indicativos, sujeitos a uma avaliação caso a caso e em função das necessidades dos Clientes Nota 4: Os cursos apresentados neste catálogo estão inseridos nas áreas de educação e formação 345 gestão e administração e 347 enquadramento na organização/empresa, presencial e não inserida em catálogo nacional de qualificações 2

3 Índice PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 4 SIAG, BSC E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 4 SENSIBILIZAÇÃO SIADAP 5 QUAR E SIADAP - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 5 LEAN E EFICIÊNCIA OPERACIONAL 6 LEAN OPERATORS 5S 6 GESTÃO POR PROCESSOS 7 SENSIBILIZAÇÃO PARA A QUALIDADE 7 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL 8 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ISO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL ISO/TS SISTEMA DE GESTÃO QUALIDADE PARA AERONAUTICA EN HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO 10 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NP 4397 / OHSAS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NP SEGURANÇA ALIMENTAR 12 AUDITORIAS DA QUALIDADE NP EN ISO CONTABILIDADE DE CUSTOS - POCAL 13 APROVISIONAMENTOS E CONTRATAÇÃO PÚBLICA 13 ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA DE PROCESSOS E PROCEDIMENTOS 14 IGUALDADE GENEROS E OPORTUNIDADES 14 3

4 PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SIAG, BSC E AVALIAÇÃO DE C003 DESEMPENHO C006 Estruturar e desenvolver um Mapa Estratégico - Planeamento estratégico das organizações - Estratégia e seu planeamento Endereçar aos formandos a prática das - Os princípios das organizações focalizadas na - Visão e missão das organizações ferramentas e metodologias assinaladas estratégia O Planeamento Estratégico tem que responder a - Exemplos de formulações estratégicas - A Implementação do Balanced Scorecard um conjunto de questões, tais como e a título de - Avaliação de um negócio ou domínio de - Da estratégia à acção exemplo: actividade Estruturar toda a informação de gestão e que - Definição de objectivos, indicadores e 1.Qual o propósito global ou a missão da Empresa? 2.Quais são os negócios ou actividades da Organização? 3.Como utilizar os recursos para satisfação dos propósitos? 4.Que Produtos, Serviços e Mercados? E em que segmentos? 5.Que imagem deve ser projectada para o exterior e interior da Empresa? - O modelo BCG Boston Consulting Group - O modelo Mckinsey ou General Electric - O modelo de Porter - O modelo de a. Little - O modelo de Tesmer - Opções estratégicas da empresa - Como estruturar e desenvolver um mapa tome em consideração a missão e visão da empresa, o desdobramento das opções estratégicas às unidades de gestão e operacionais e a forma de monitorizar o desempenho da Organização e da sua capacidade de cumprir os seus objectivos macro. respectivas metas - Desdobramento dos objectivos pelos processos - O acompanhamento e análise dos indicadores - quadros de bordo - A Gestão baseada no Balanced Scorecard - Os mapas da estratégia 6.Que filosofia, ideias e práticas de acção a Empresa/Entidade deseja que os seus membros possuam? 7.Quais são os grandes objectivos para o período próximo de actividade? 8.Em que sentido queremos trilhar os caminhos do futuro? 9.Para onde nos dirigimos? E quando vamos chegar lá? estratégico - Mapas estratégicos - Ferramentas de planeamento estratégico - Visão, missão - Swot - Análise de stakeholders - Modelos de análise estratégica Gestores e Dirigentes envolvidos em projectos de implementação SIAG, BSC e Avaliação de Desempenho - Conhecer os princípios da avaliação de desempenho - Identificar os objectivos da avaliação de desempenho - Identificar os alvos e os factores críticos da avaliação de desempenho - As perspectivas e o desdobramento do 10.Quem são os nossos competidores? Onde estão e o que fazem? 11.Como nos vamos focar nas áreas/actividades mais importantes? 12.Estão identificados os factores que nos conduzem ou que condicionam o êxito? - Formulação da estratégia - Desenho de mapas estratégicos - Como criar objectivos smart - Planeamento de iniciativas De 8 a 16 formandos De 16 a 40 horas Balanced Scorecard - O Planeamento e o Orçamento - Os princípios essenciais para conseguir uma liderança eficaz, capaz de mobilizar toda a equipa para a mudança em equipas de elevado rendimento Gestores, Diretores, Quadros Superiores De 16 a 40 horas - Exercícios e Estudo de Caso De 8 a 16 formandos 4

5 SENSIBILIZAÇÃO SIADAP QUAR E SIADAP - AVALIAÇÃO DE C005 DESEMPENHO C004 Perceber uma abordagem e técnicas que - Enquadramento Legal do SIADAP facilitam e tornam eficazes e úteis os sistemas - Objecto e Âmbito do SIADAP Perceber uma abordagem e técnicas que - Enquadramento Legal de avaliação de desempenho SIADAP 1, 2 e 3. - Quais os subsistemas do SIADAP facilitam e tornam eficazes e úteis os sistemas - Origem da Reestruturação - SIADAP 1 - Subsistema de Avaliação de de avaliação de desempenho SIADAP 1, 2 e 3. - Princípios Orientadores do SIADAP Desempenho nos Serviços da Administração - Objectivos do Sistema No final da formação os formandos terão Pública QUAR - Principais alterações SIADAP face ao Sistema conhecimentos para: - SIADAP 2 - Avaliação Dirigentes No final da formação os formandos terão Revogado - Compreender o processo de gestão por - SIADAP 3 - Subsistema de Avaliação conhecimentos para: - O que vai ser alvo de Avaliação: Resultados e objectivos Trabalhadores - Compreender o processo de gestão por Competências - Enquadramento legal do SIADAP objectivos - SIADAP 2 - Subsistema de Avaliação - Como definir objectivos, indicadores e metas - Enquadramento legal do SIADAP 1, 2 e 3 Dirigentes - Como definir objectivos, indicadores e metas - SIADAP 3 - Subsistema de Avaliação Trabalhadores Dirigentes, Quadros Superiores, Quadros - Ciclo Anual do Desempenho Técnicos e Administrativos e restantes Dirigentes, Quadros Superiores, Quadros - Intervenientes no Processo de Avaliação e Colaboradores da Administração Pública Técnicos e Administrativos e restantes suas Competências Colaboradores da Administração Pública - Caracterização do Processo de Avaliação - Exemplos De 8 a 16 formandos De 8 a 20 formandos De 3,5 a 21 horas De 3,5 a 75 horas 5

6 LEAN E EFICIÊNCIA OPERACIONAL LEAN OPERATORS 5S C001 C002 No final da formação, o fomando deverá ser - Princípios dos Lean thinking Esta metodologia (5S) torna os locais de - 5s: Enquadramento no LEAN thinking capaz de identificar: - Mapeamento do fluxo de valor (VSM Value trabalho mais eficientes, promove o aumento - Introdução aos 5S s - Os princípios do LEAN; Stream Mapping) da qualidade e a diminuição de custos, uma - O que são os 5 s - Os métodos utilizados para sua - Atividades de valor não acrescentado: os 7 diminuição da taxa de acidentes e incidentes de - Filosofia dos 5S s implementação e desperdícios trabalho. - Vantagens e benefícios - Aplicar pelo menos uma das suas ferramentas - Takt time e Lead time Este curso pretende habilitar os formandos a - Os 7 desperdícios - SMED (Single Minute Exchange of Dies) implementar a metodologia dos 5 S's, - Os 5 S s e sua implementação (8 a 56 horas): - KANBAN nomeadamente a desenvolver um conjunto de - 1º S Seiri Classificar No final da ação formativa, o formando deverá - OEE (Overall Equipment Effectiveness) atividades com vista à organização, limpeza, - 2º S Seiton Organizar ser capaz de: - TPM (Total Productive Maintenance) conservação e arrumação dos postos de - 3º S Seiso Limpar - Compreender os conceitos e os princípios lean - Fluxo contínuo de produção trabalho explorando as razões pelas quais os - 4º S Seiketsu Standarizar thinking, identificando-os correctamente - Tempo de ciclo 5S s podem ajudar na melhoria da qualidade e - 5º S Shitsuke Respeitar - Conhecer e aplicar as ferramentas lean nas - Processos de melhoria contínua (KAIZEN) da produtividade. - Instrumentos dos 5S (2 a 20 horas): suas organizações - Poke-yoke (sistemas anti-erro) - Sistemas de suporte aos 5S s - Transmitir os conhecimentos adquiridos a - Função Logistica - Gestão de etiquetas colegas e pessoas com quem trabalham - Gestão de Stocks No final deste Curso os participantes serão - Auditorias e checklists - Orientar os esforços da sua função e/ou - Compras capazes de: - Sistema de indicadores departamento no sentido do cliente - Armazens - Compreender a importância dos 5'S como - Fomentar o trabalho em equipa e orientado - Transportes condição prévia a todo o projeto de melhoria; para a obtenção de resultados. - Indicadores - Identificar os pontos-chave e a metodologia de introdução dos 5'S; - Formular uma estratégia de implementação e Quadros médios e superiores, com especial manutenção dos 5S e nas suas organizações; Quadros operacionais e médios incidência nas áreas da gestão, produção, - Utilizar os instrumentos dos 5'S. logística, compras e qualidade De 6 a 20 formandos De 8 a 15 formandos 12 a 80 horas De 90 a 120 horas 6

7 GESTÃO POR PROCESSOS SENSIBILIZAÇÃO PARA A QUALIDADE C012 C010 Transmitir aos participantes os conceitos e - Conceitos: Definições e princípios Transmitir aos participantes os conceitos e - Evolução da Qualidade princípios da gestão por processos - Gestão funcional vs gestão por processos princípios da Qualidade - Definições de Qualidade Analisar a gestão de processos como modelo ou - Processos de Melhoria vs Melhoria de Evolução da Qualidade - Sistema da Qualidade ferramenta de gestão Processos Estrutura base ISO Hierarquia Documental (exemplos) Analisar o modelo e metodologia associados à - Modelo de Gestão por Processos: o exemplo - Política da Qualidade (exemplos) gestão por processos da norma ISO 9000: Responsável da Qualidade Habilitar os participantes a desenhar e - Metodologia da Gestão por Processos: No final da ação, os formandos deverão ser - Conceito de Certificação caracterizar os processos da organização Conceitos, projectos, equipa de projecto, capazes de: - Estrutura base ISO 9001 perfil do gestor de processo - Ter o conhecimento dos requisitos da norma - Comportamento orientado para a Gestão por - Desenho e caracterização de processos ISO 9001; Processos No final da acção, os formandos deverão ser - Conceitos, técnicas e métodos de process - Estarem qualificados para aplicar este - Procedimentos documentados capazes de: mapping referencial nas suas organizações - Registos obrigatórios - Fazer a gestão dos processos, identificando - Critérios para a identificação de processos - Ajudarem a na implementação de Sistemas de - Premissas de Qualidade objectivos e indicadores de medida para os - POC processos orientados para o cliente Gestão da Qualidade mesmos, demonstrando capacidade de análise - Orientação dos processos (para os resultados, dos resultados. para a organização interna,...) - Análise de casos práticos e exercícios Direcção Engenharia (produto, qualidade, processo) Direcção Produção, Logística, Comercial, Recursos Engenharia (produto, qualidade, processo) Humanos, Aprovisionamentos, Serviço ao Produção, Logística, Comercial, Recursos Cliente, Informática, Marketing, Humanos, Aprovisionamentos, Serviço ao Supervisores da produção Cliente, Informática,... Supervisores da produção De 3,5 a 14 horas De 3,5 a 25 horas 7

8 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL ISO9001 C008 C011 - Introdução ao tema Sensibilizar os participantes para os principais - Marcos históricos do ambiente Este curso visa dotar os participantes dos - Princípios de Gestão da Qualidade, nova conceitos associados a um sistema de gestão - Desenvolvimento sustentável e a gestão conhecimentos necessários para identificar e abordagem: ambiental. A ISO quais as vantagens ambiental interpretar os requisitos definidos na norma de - Orientação para os Resultados da sua implementação e como se processa a - Sistemas de Gestão Ambiental ISO Sistemas de Gestão da Qualidade NP EN ISO - Focalização no Cliente certificação ambiental. - Aspetos ambientais significativos e exemplos 9001: Liderança e Constância de Propósitos práticos - Gestão por Processos e por Factos - Certificação do Sistema de Gestão Ambiental - Desenvolvimento e envolvimento das Dotar os participantes com o conhecimento e - Legislação aplicável No final deste curso os participantes deverão Pessoas as boas práticas recomendáveis e associadas a ser capazes de: - Aprendizagem, Inovação e Melhorias um desempenho ambiental com o - Identificar as normas da família ISO 9000; Contínuas enquadramento dos princípios e requisitos da - Conhecer os princípios gerais de orientação da - Desenvolvimento de Parcerias norma ISO gestão da qualidade; - Responsabilidade Social Corporativa - Dominar os requisitos da norma NP EN ISO - Princípios de Gestão da Qualidade baseado 9001:2008 ao nível do sistema de gestão da na abordagem por Processos Operadores qualidade, da responsabilidade da gestão, da - Interpretação e implementação da norma ISO Dirigentes, Quadros Médios e Superiores, sem gestão de recursos, da realização do produto, 9001:2008 formação em sistemas ambientais da medição e análise de melhoria. - Introdução - Objectivos da Norma - Terminologia Direcção e Gestão - Caracterização das alterações na norma Engenharia (produto, qualidade, processo) ISO 9001:2008 Produção, Logística, Comercial, Recursos - Estrutura da norma análise dos De 7 a 14 horas Humanos, Aprovisionamentos, Serviço ao requisitos Cliente, Informática, Marketing,... - Outras normas da família: ISO 9000 e ISO Supervisores da produção Casos práticos 8

9 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO PARA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL C009 ISO/TS Princípios da Gestão da Qualidade C013 - Abordagem e Gestão por Processos - Guia IATF para a ISO/TS Estudo e Interpretação dos requisitos da norma - Requisitos Gerais - Compatibilidade com outros sistemas do ISO e sua aplicação prática na - Política Ambiental Interpretação dos requisitos da ISO/TS e setor automóvel (requisitos específicos dos implementação de um Sistema de Gestão - Planeamento aplicação na implementação de um Sistema de clientes) Ambiental - Aspetos Ambientais Gestão da Qualidade em empresas do setor - Sistema da Qualidade - Requisitos Legais e Outros automóvel - Requisitos documentais - Objetivos, Metas e Programa(s) - Responsabilidade da Direção Dotar os participantes do conhecimento efetivo - Implementação e Operação - Plano de Negócios dos princípios e requisitos expressos na norma - Recursos, Atribuições, Responsabilidades No final da ação, os participantes terão a - Comunicação interna de referência. e autoridade capacidade e o conhecimento de estruturar e - Indicadores de Gestão Como transformar os requisitos normativos em - Competência, Formação e Sensibilização desenvolver um SGQ em conformidade com os - Representação do SGQ procedimentos e práticas efetivas - Comunicação requisitos da norma em apreço - Revisão do Sistema - Documentação - Gestão de Recursos - Controlo dos Documentos - Realização do Produto Quadros Médios e Quadros Superiores, com - Controlo Operacional Quadros Superiores e Diretores - Planeamento do produto conhecimentos mínimos de Sistemas de Gestão - Preparação e Capacidade de Resposta a Chefias Intermédias - Planeamento Avançado da Qualidade Ambiental Emergências Quadros Técnicos - Gestão e Aprovação de Amostras de - Ações de Verificação e de Correção Produção (PPAP, p.e.) - Monitorização e Medida - Processos relacionados com clientes - Avaliação da Conformidade - Concepção e Desenvolvimento - Não Conformidades, Ações Corretivas e - Gestão do Aprovisionamento Ações Preventivas - Processos Produtivos - Controlo dos Registos - Dispositivos de Monitorização e Controlo - Auditoria Interna - Monitorização, Medição e Melhoria - Revisão pela Gestão - Satisfação do Cliente - Gestão das Auditorias - Indicadores e dados de gestão - Projetos de Melhoria - Produto não conforme, Ações Corretivas e Preventivas 9

10 SISTEMA DE GESTÃO QUALIDADE PARA HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO AERONAUTICA EN 9100 C015 C014 Dotar os formandos com conhecimentos - Introdução à higiene e segurança no trabalho Interpretação dos requisitos da Norma EN Interpretação e implementação da norma EN básicos sobre higiene e segurança no trabalho - Acidentes de trabalho e sua aplicação prática na implementação de Análise e controlo de riscos profissionais um sistema de Gestão da Qualidade - Introdução - Sinalização de segurança nos locais de - Objectivos da Norma No final das sessões os formandos deverão ser trabalho - Terminologia capazes de identificar perigos, riscos e - Medidas de autoproteção No final da formação os formandos serão - EN 9100 vs ISO9001 consequências nos seus locais de trabalho - Ergonomia e ambiente de trabalho capazes de desenhar, implementar e - Estrutura da norma análise dos requisitos monitorizar um sistema de Gestão da Qualidade - Sistema de Gestão da Qualidade de acordo com a Norma EN Responsabilidade da Gestão Operadores - Gestão de Recursos Quadros Médios e Superiores, sem formação - Realização do Produto/Serviço em higiene e segurança no trabalho Quadros Superiores e responsáveis pela - Medição, Análise e Melhoria qualidade, responsáveis pela implementação da - Requisitos específicos norma EN 9100 e responsáveis de equipas - Gestão da Configuração De 8 a 16 formandos - Gestão do Risco - FAI First Article Inspection De 8 a 16 formandos - Outras normas da família: EN9130, EN9102 e EN Outras normas relacionadas: NP ISO 10007, ISO 9000, ISO 9001 e ISO Casos práticos 10

11 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS E SAÚDE DO TRABALHO NP 4397 / HUMANOS NP 4427 OHSAS C017 C016 - O que é a norma NP 4427 Analisar os requisitos da Norma NP 4427 e sua - Necessidades internas e externas a que a No final do curso de formação, os participantes - Introdução aplicação prática na implementação de um norma responde deverão ser portadores de competências - O Puzzle da OHSAS Sistema de Gestão de Recursos Humanos - Apresentação da estrutura da norma básicas na área da Segurança, Higiene e Saúde - Prevenção de Acidentes - Correspondência da NP 4427 com a NP no Trabalho, que lhes permitam o desempenho - Política da Segurança EN ISO 9001:2008 de funções de prevenção a nível básico - Riscos e sua significância - Interpretar os requisitos normativos de acordo - Identificação dos procedimentos - Requisitos Legais e Outros com a norma NP 4427 obrigatórios da norma - Objetivos e Metas - Conhecer o processo de certificação de acordo - Identificação dos registos obrigatórios da Interpretação dos requisitos da Norma OHSAS - Programas da Segurança com a NP 4427 norma e sua aplicação prática na - Estrutura e Responsabilidades - Compreender a compatibilidade com a norma - Interpretação dos requisitos: implementação de um Sistema de Segurança e - Formação e Competência NP EN ISO Sistema de Gestão de Recursos Humanos Saúde Ocupacional. - Comunicação Interna e Externa - Responsabilidade da Gestão - Sistema de Documentação - Planeamento - Controlo de Documentos Diretores e Gestores - Gestão dos Recursos Humanos Direção e Quadros - A comparação entre as ISO 9000 e Quadros Superiores - Medição, análise e melhoria OHSAS Técnicos e Administrativos - Conceitos específicos da norma e visualização - Procedimentos Operacionais de exemplos De 8 a 16 formandos - Controlo e Medida - Exercícios - Controlo de Não Conformidades De 8 a 16 formandos - Teste final de avaliação - Preparação e Resposta a Situações de Emergência - Registos - Auditorias ao SGS - Revisão pela Direção - Implementação de um SGS - Análise de um caso prático 11

12 SEGURANÇA ALIMENTAR AUDITORIAS DA QUALIDADE NP EN C022 ISO19011 C007 OBJETIVOS Desenvolver os procedimentos adequados para - Noções de microbiologia as boas práticas de higiene na - Saúde e Higiene pessoal Transmitir aos participantes os conceitos e - Introdução produção/confecção dos alimentos - Noções de limpeza e desinfecção princípios das auditorias - Definições - Higienização de utensílios, equipamentos e Transmitir aos participantes o comportamento - Evolução dos conceitos Instalações adequado do Auditor - Normas aplicáveis No final da formação, pretende-se que os - Conservação e armazenamento de géneros Simular uma auditoria com todas as fases - O Sistema documental formandos: Identifiquem as regras de higiene alimentícios desde a preparação até à elaboração do - Sistema de Gestão da Qualidade pessoal e as regras de conduta; Identifiquem as - Princípios gerais de higiene na confecção de relatório da auditoria - Requisitos das funções do sistema (NP EN ISO componentes dos planos de higienização e alimentos 9001) reconheçam a importância do seu - Introdução à aplicação do sistema HACCP - O Manual da Qualidade cumprimento; Identifiquem as regras a cumprir No final da ação, os formandos deverão ser - Os Planos da Qualidade no manuseamento, preservação e conservação capazes de: - Casos práticos dos alimentos - Aplicar corretamente os requisitos da norma - Auditoria da Qualidade (ISO 19011) ISO 19011; - Definições - Estarem qualificados para aplicar este - Classificação das auditorias Esta acção de formação destina-se: referencial no âmbito do programa de - O referencial - Técnicos, quadros superiores e operadores de auditorias internas. - As fases da Auditoria empresas do sector alimentar - Os documentos de suporte - Responsáveis na verificação do - O relatório funcionamento do Sistema HACCP; Direcção - Estudos de Caso - Manipuladores de alimentos; Engenharia (produto, qualidade, processo) - Auditoria documental - Outros colaboradores do sector alimentar Produção, Logística, Comercial, Recursos - Comportamento Humanos, Aprovisionamentos, Serviço ao - Relatório Cliente, Informática,... De 10 a 16 formandos Supervisores da produção De 14 a 40 horas 12

13 CONTABILIDADE DE CUSTOS - POCAL APROVISIONAMENTOS E CONTRATAÇÃO C019 PÚBLICA C020 Dotar os formandos de conhecimentos sobre a - Enquadramento conceptual da contabilidade correta utilização das aplicações informáticas de custos na Administração Pública e face aos Dotar os formandos de conhecimentos para - Centros de custos por forma a apurar os custos diretos e indiretos restantes sistemas Contabilísticos utilizarem corretamente as aplicações - Estrutura de artigos e da Entidade. Definir documentos e circuitos - Enquadramento legal dos sistemas de informáticas e enquadrar legalmente e tratamento/classificação contabilístico de procedimentais únicos para toda a Entidade. contabilidade de Custos previsto no POCAL informaticamente os processos de bens, artigos - Conceitos e procedimentos de contabilidade serviços e empreitadas no modo de - Processos de aquisição de aprovisionamento de custos funcionamento das aplicações. Definir circuitos - Processos de aquisição referentes a bens e No final da formação os formandos serão - Delimitar e caracterizar modelos de procedimentais únicos para toda a Entidade. serviços capazes de introduzir dados. Conferir e corrigir apuramento de custos - Inventário permanente registos relativos á contabilidade de custos e - Circuitos e documentos de suporte ao sistema - Apuramento dos valores para controlo dos retirar e analisar informação sobre os custos da de Contabilidade de custos No final da formação os formandos serão limites de Ajustes Diretos. Entidade. capazes obter e analisar mapas estatísticos e - Integração com as restantes aplicações para conferências de stocks e rankings de controlo dos processos de Bens, Serviços fornecedores. Centralizar as aquisições numa e/ou Empreitadas. Dirigentes e Técnicos Superiores única central de compras da Entidade. - Centralização e Uniformização do Processo de Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais Contratação acompanhando o disposto no DL 18/2008 e portarias adjacentes. Dirigentes e Técnicos Superiores De 8 a 15 formandos Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais 50 horas De 8 a 15 formandos 50 horas 13

14 ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA DE IGUALDADE GENEROS E PROCESSOS E PROCEDIMENTOS OPORTUNIDADES C021 C018 OBJETIVOS Dotar os formandos de conhecimentos sobre a - Estrutura de informação para a administração Os formandos e as formandas no final da - Enquadramento utilização de aplicação informática para a electrónica formação deverão estar sensibilizados para - Igualdade, diversidade e cidadania Administração Eletrónica dos Processos e - Mapas de Processos e Procedimentos distinguir e problematizar os conceitos de - Sexo e género Procedimentos de Registo, Consulta e Gestão - Como rever e reengenheirar Processos papéis sociais, paradigmas e estereótipos no - Papéis sociais de género, paradigmas e de Meta-Informação dos processos externos e - Pontos de decisão e fluxo de informação âmbito da Igualdade de Oportunidades entre as estereótipos dos processos internos de entrada no sistema - Indicadores de gestão electrónica dos mulheres e os homens - Linguagem aplicada com desigualdade de informação. Incrementação, Edição e Gestão processos - A igualdade de género de Documentos em ambiente digital - Projetos ou processos de melhoria - Orientações para a igualdade entre homens (Certificados e Não Certificados). Mapeamento Não especificado e mulheres -Temas e exemplos dos fluxos informacionais dos processos para - Legislação e organizações nacionais implementação de matriz otimizada. Previsão e Dirigentes e Técnicos Superiores validação de indicadores para otimização da Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais qualidade dos processos. De 8 a 15 formandos De 7 a 14 horas No final da formação os formandos serão capazes de registar documentos entrados, internos e saídos do Sistema. Consultar registos 50 horas entrados, internos e saídos do Sistema. Classificar e reclassificar documentos com base em Classificador Orgânico-Funcional ou Funcional (Ex: MEF). Arquivar Documentos / Processos. Editar documentos em ambiente digital (Certificados e Não Certificados). Consultar documentos em ambiente digital (Certificados e Não Certificados). Encaminhar e reencaminhar documentos/processos em ambiente digital. Saber consultar e analisar indicadores para melhorar processos. 14

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE 1. Apresentação JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE O INOV-JOVEM, é um programa destinado a estimular o processo de inovação e desenvolvimento nas PME portuguesas, permitindo assim, a promoção de um emprego

Leia mais

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website.

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. marketing e comunicação SITE E IMAGEM INSTITUCIONAL Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. Entender o enquadramento

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 Fernando Teixeira de Abreu, engº Consultor Sénior Iberogestão Jornada da Qualidade para a Administração Pública - UCRE Cabo

Leia mais

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Está preparado para a gestão de recursos humanos na era da globalização? Desenvolver conhecimentos que permitam melhorar a gestão dos recursos humanos

Leia mais

Qualidade, Processos e Otimização Industrial

Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, ambiente e segurança p. 161 Otimização dos processos p. 165 Otimização industrial p. 168 O sucesso das organizações depende da sua capacidade de

Leia mais

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY 1. Qualidade Tipos de treinamento 1.1 Interpretação das normas ISO 9000 - Requisitos Específicos da Norma ISO 9001 24 1.2 Interpretação da especificação técnica ISO/TS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Curso Higiene e Segurança Alimentar para Manipuladores

Curso Higiene e Segurança Alimentar para Manipuladores Curso Higiene e Segurança Alimentar para Manipuladores Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Sensibilizar os participantes para a importância da higiene alimentar na prevenção de intoxicações

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO SGQ IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_2600204_ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Oferta Formativa 2014 INTRA EMPRESAS

Oferta Formativa 2014 INTRA EMPRESAS Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 14 Gestão por Processos - ISO 9001:2008 8 Melhoria Contínua da Qualidade 21 Seminário em Sistemas de Gestão da Qualidade 7 Sensibilização em Sistemas

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO 22000:2005 Lead Auditor Training course ENTIDADES PARCEIRAS SGS PORTUGAL SOCIEDADE GERAL DE SUPERINTENDÊNCIA, S.A. O Grupo SGS Société

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Parceria entre a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTSC) www.estescoimbra.pt e o CTCV www.ctcv.pt Nota Prévia

Leia mais

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004 Ed. de Serviços da Exponor, 2º Av. Dr. António Macedo 4450 617 Leça da Palmeira t: 22 999 36 00 f: 22 999 36 01 e-mail: info@apcer.pt www.apcer.pt Formação Empresa 4450-617 Leça da Palmeira t: 22 998 1753

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 5S (good housekeeping) GL5S PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 A Comunidade Lean Thinking (CLT Services) é uma organização que se destaca pela sua actividade de criação e transferência

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2016. Qualidade

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2016. Qualidade Qualidade Norma ISO 9001:2015 Qualidade 13 julho 3 novembro Formar acerca do conteúdo da Norma de referência ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade: requisitos Conhecer e saber aplicar as ferramentas

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

MOÇAMBIQUE PLANO DE FORMAÇÃO 2016. O seu parceiro em formação certificada

MOÇAMBIQUE PLANO DE FORMAÇÃO 2016. O seu parceiro em formação certificada MOÇAMBIQUE PLANO DE FORMAÇÃO 201 O seu parceiro em formação certificada ESTRATÉGIA E COMPETITIVIDADE EC 001 Estratégia empresarial e planeamento estratégico FEV - SET 20-23 EC 002 Factores chaves para

Leia mais

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo Empreendedorismo e Organização da Empresa Público-Alvo Formandos que pretendam adquirir um conjunto de conhecimentos e competências na área empresarial, que lhes permita alargar a sua compreensão e posterior

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE A Pós-Graduação em Qualidade na Saúde pretende responder à evolução do setor da Saúde em Portugal, o qual tem vindo a impor crescentes exigências às entidades prestadoras

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS Directores financeiros, Directores Comerciais responsáveis de controlo de crédito, membros de equipas de cobranças, credit managers. Prevenir a cobrança

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 346. Secretariado e Trabalho Administrativo Itinerário de Formação 34601. Práticas Administrativas

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE 2010 APRESENTAÇÃO A gestão da qualidade das organizações da economia social inspira-se em orientações normativas, corporizadas em Normas da Qualidade internacionalmente reconhecidas,

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2016 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 11 Formação em Qualidade Pág. 15 Formação

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 1

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 1 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 1 QUEM SOMOS MISSÃO PRINCÍPIOS E VALORES Empresa de consultoria de gestão, formada por uma equipa de profissionais com vários anos de experiência em consultoria. Criar parcerias efetivas

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

Carga Horária Total: 80 horas

Carga Horária Total: 80 horas COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E PRODUÇÃO DE TEXTOS Norma linguística padrão: padrões de comunicação e níveis de linguagem. Comunicação organizacional como estratégica essencial no âmbito empresarial. Instrumentos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto

Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto 2006 Desenvolvimento Pessoal Balanced Scorecard - Traduzir Estratégia em Acção Desenvolvimento de Competências em Gestão Estratég. para Reforço dos Proc.

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade. Vitor Casimiro da Costa 2008 vefcc@iol.pt

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade. Vitor Casimiro da Costa 2008 vefcc@iol.pt 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Acesso ao mercado ISO 9000 Requisitos sectoriais DS 3027 / ISO 22000 TS 16949 Requisitos da sociedade ISO 14000 OHSAS 18000 SA 8000

Leia mais

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS ABR/MAI.2015 TEMÁTICOS REGIÃO CENTRO ÁREA INOVAÇÃO NP4457:2007 SENSIBILIZAÇÃO E CASOS DE SUCESSO No final da sessão os participantes deverão estar aptos a: Alinhar a Estratégia de negócio incorporando

Leia mais

Catálogo de Formação Intra-Empresas

Catálogo de Formação Intra-Empresas Catálogo de Formação Intra-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos.....Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL.....Pág. 5 Formação em Ambiente....Pág. 6 Formação em Gestão e Logística..Pág. 7 Formação em Inovação

Leia mais

pense lean, seja ágil

pense lean, seja ágil COMUNIDADE LEAN THINKING Departamento de Formação, Coaching e Treino OFERTA FORMATIVA EM LEAN OPERATIONS MANAGEMENT pense lean, seja ágil 2013/15 www.cltservices.net PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES,

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL DOS MÓDULOS GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL Criar competências que possibilitem a utilização da Gestão da Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social como uma

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2016 Página 1 de 7

PLANO DE FORMAÇÃO 2016 Página 1 de 7 AMBIENTE A Certificação da Gestão Florestal e Cadeia de Responsabilidade FSC ou PEFC Acompanhamento Ambiental em Obra e Gestão de RCD s (e-xz) Auditorias Ambientais (e-xz) Conformidade Legal em matéria

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 Figura 41 Vulnerabilidade dos aquíferos. Figura 42 Infra-estruturas de transporte existentes e previstas. Figura 43 Evolução da população residente

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Ciclo de Gestão Planear Definir o rumo da empresa, ou seja, o que se pretende atingir (objectivos) e para tal o que fazer

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: Num mundo em constante aceleração económica, tecnológica e de produção de grandes quantidades de conhecimento,

Leia mais

Esta formação tem como objectivo dotar os profissionais de conhecimentos teóricos e práticos que lhes permitam:

Esta formação tem como objectivo dotar os profissionais de conhecimentos teóricos e práticos que lhes permitam: Pós Graduação Business Process Management Gestão - Pós-Graduações Com certificação Nível: Duração: 180h Sobre o curso O Business Process Management tem vindo a ganhar um posicionamento distintivo nas organizações.

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por:

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por: Página1 Formação Gestão de Armazéns Empresa acreditada por: Página2 A Logisformação A Logisformação é o resultado de 20 anos de experiência da Logistema Consultores de Logística S.A. no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos das OHSAS 18001:2007. Abordar as particularidades de aplicação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO INSTALAÇÕES B-TRAINING, CONSULTING

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES

GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES Data: 20 de fevereiro 2013 Hora: 14h30 Local: IPQ Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES duas instituições: ISEG

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: A Pós-Graduação em Gestão Estratégica dos Recursos Humanos e Inovação tem como objectivo geral dotar os gestores,

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Sistema de Informação da Empresa

Sistema de Informação da Empresa TRABALHO DE GRUPO Carlos Ribeiro, José Bispo, Raul Falcão, Rui Fonseca, Vítor Costa ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA Organização: Grupo de pessoas que se constitui de forma organizada para objetivos comuns (cooperativas,

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos Encontro Anual Agenda 21 Local Guia Agenda 21 Local Um desafio de todos Isabel Lico Montemor-o-Novo 20 novembro 2015 Objetivos do Guia Agenda 21 Um desafio de todos Referencial Normativo Conceção e implementação

Leia mais