MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal"

Transcrição

1 MANUAL DE GESTÃO SGQ

2 IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_ _ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página 2 de 20

3 Índice 1. Siglas Definições Apresentação Introdução Objetivos do Aprovação e Divulgação do Política de Gestão Integrada da Compromisso da Gestão de Topo Organigrama da Localização da Missão e Objetivos da Âmbito Exclusões Estrutura Documental do SGQ Matriz de Responsabilidades dos Documentos do SGQ Relação entre Estruturas, no Âmbito do SGQ_ Mapa de Processos Matriz de Interação Processual Descrição de Processos Responsabilidades Gestão do SGQ Referências Normativas Índice de Ilustrações Ilustração 1 - Organograma grama... 8 Ilustração 2 - Pirâmide Documental do SGQ Ilustração 3 - Unidades Orgânicas do SGQ_ Ilustração 4 - Equipa da Qualidade da Ilustração 5 - Mapa de Processos SGQ Ilustração 6 - Matriz de Interação Processual Página 3 de 20

4 1. Siglas Câmara Municipal do Seixal DAG Divisão de Administração Geral DEV Divisão de Espaços Verdes DMCU Divisão de Manutenção e Conservação Urbana DS Divisão de Salubridade GCIQ Gabinete do Conhecimento, Inovação e Qualidade GP Gestor de Processo GPrd Gestor de Procedimento GQ Gestor da Qualidade P Processo Prd Procedimento SGQ. 2. Definições Documento que especifica o sistema de gestão de uma organização; Processo Conjunto de atividades inter-relacionadas relacionadas e interatuantes que transformam entradas em saídas; Procedimento Documento que descreve o que fazer no domínio de determinadas atividades; Modelo Formato que serve de base à elaboração de documentos ou registos; Melhoria contínua Atividade permanente com vista a incrementar a capacidade para satisfazer requisitos; Política de Gestão integrada Conjunto de intenções e de orientações de uma organização, relacionadas com a qualidade, ambiente, segurança entre outros, como formalmente expressas pela gestão de topo. Página 4 de 20

5 3. Apresentação 3.1 Introdução O presente Manual reflete o implementado na Câmara Municipal do Seixal, elencando todos os elementos interatuantes que o compõem. O SGQ baseia-se na Norma NP EN ISO 9001:2008, relacionando processos e procedimentos das áreas de atividade da que implementaram um. Pretendeassim, de uma forma progressiva e sustentável, abranger todas as áreas de atuação do município, assegurando a prestação de um serviço público local de qualidade tendo como base a se, melhoria contínua do mesmo. O da pretende constituir-se como um elemento agregador, que dá a conhecer as interações do, permitindo ir ao encontro da melhoria contínua. São aqui abordados os pontos-chave do SGQ da : Campo de aplicação do SGQ; Processos e Procedimentos documentados do SGQ; Descrição e análise da interação processual do SGQ. 3.2 Objetivos do Comunicação da política de gestão integrada da ; Descrição dos processos e procedimentos do SGQ; Promulgar e descrever o SGQ; Apresentar o SGQ para fins externos, para demonstrar a sua conformidade com a norma de referência e com os requisitos da qualidade definidos; Constituição de um documento de referência permanente para implementação, manutenção, controlo e melhoria do SGQ. Página 5 de 20

6 3.3 Aprovação e divulgação do O do SGQ é executado pela equipa da Qualidade e aprovado pelo representante da Gestão da Qualidade da. Sempre que necessário o mesmo é revisto e adaptado através da elaboração de revisões ou de novas versões, controladas via Wiki (portal do conhecimento da Câmara Municipal do Seixal), de acordo com o Manual de controlo e gestão documental. O é divulgado na Wiki através da disponibilização de uma cópia controlada. Todas as atualizações são comunicadas aos gestores de processo, gestores de procedimento e dinamizadores da Qualidade das áreas abrangidas pelo SGQ, sendo estes os responsáveis pela sua divulgação a todos os restantes trabalhadores da unidade orgânica correspondente. Página 6 de 20

7 4. Política da Qualidade da Aprovada na reunião ordinária de Câmara de 5 de março de 2008, Deliberação n.º 59/2008, e revista pela Deliberação de Câmara n.º 158/2012 de 26 de julho. 4.1 Compromisso da Gestão de Topo A Administração da assume o compromisso de implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade focado na satisfação do munícipe/utente. Para o efeito, assume o compromisso da melhoria contínua. Ciente das suas responsabilidades na gestão de recursos, melhoria contínua dos seus processos, diminuição dos impactos da sua atividade sobre o meio ambiente e no controlo dos riscos e perigos que podem afetar as pessoas envolvidas nos processos, a compromete-se a: Implementar Sistemas de Gestão Integrados eficazes que cumpram todos os requisitos da melhoria contínua; Colocar a satisfação das expectativas dos munícipes/utentes e dos trabalhadores como foco principal da sua atuação; Os trabalhadores da são o seu principal valor, pelo que é fundamental para o sucesso o estímulo do seu desenvolvimento permanente, dotando-os de todas as condições de segurança e saúde no trabalho requeridas no exercício das suas funções; Promover a formação dos trabalhadores e estimular um nível de motivação elevado; Cumprir todas as disposições legislativas e regulamentares relevantes em matéria de produtos e serviços, ambiente, segurança e saúde no trabalho, contribuindo assim para um desenvolvimento sustentável das condições de trabalho e da proteção do ambiente; Basear os seus modelos de gestão integrada na abordagem por processos, procurando atingir as expectativas dos munícipes/utentes e da sociedade em geral, com a minimização de impactos ambientais e redução dos riscos para pessoas e bens da ; Garantir a divulgação dos seus compromissos da qualidade, ambiente, segurança e saúde no trabalho de uma forma aberta a todos os níveis da, aos seus fornecedores, a entidades oficiais, a grupos interessados e ao público em geral; Garantir uma utilização responsável dos seus recursos e o cumprimento das suas competências ambientais e sociais; Analisar regularmente a sua Política da Qualidade e os objetivos estratégicos da qualidade, do ambiente, da segurança e saúde no trabalho, de modo a adaptá-la a novas realidades, considerando o desempenho dos Sistemas de Gestão Integrados da ; Medir e analisar sistematicamente o seu desempenho, em todas as vertentes, sendo esta a base dos processos de inovação e melhoria contínua. Página 7 de 20

8 5. Organograma da Ilustração 1 - Organograma da

9 6. Localização da Serviços Centrais da SCCMS Alameda dos Bombeiros Voluntários n.º Seixal Mapa Serviços Operacionais da SOCMS Rua Lino de Carvalho n.º Aldeia de Paio Pires Mapa Contactos Tel Site. cm-seixal.pt

10 6.1 Missão e Objetivos da A Câmara Municipal do Seixal tem por missão definir estratégias e linhas orientadoras para o desenvolvimento sustentável do município, contribuindo para a afirmação da importância e competitividade do mesmo no quadro da região e do país, através da execução de medidas e programas nas diferentes áreas da sua competência e promovendo a qualidade de vida dos seus munícipes, em diálogo constante com as instituições e os diferentes agentes de intervenção local. A partir da missão que definiu, a Câmara Municipal do Seixal instituiu os seguintes objetivos: 1 Promover a constante qualificação dos serviços públicos para melhor satisfazer as exigências dos cidadãos e munícipes; 2 Determinar as políticas municipais no âmbito do desenvolvimento sustentável do município; 3 Garantir a articulação dos diferentes serviços, visando a execução da estratégia municipal; 4 Assegurar a transparência dos processos e dos resultados, através da afirmação de uma administração aberta, direta e dialogante; 5 Desenvolver e consolidar redes de parcerias, fomentando o envolvimento e a participação dos intervenientes locais, regionais e/ou nacionais em projetos municipais. Página 10 de 20

11 Âmbito O da, tem como âmbito, os seguintes setores de atividade: Higiene Urbana Gestão de Espaços Verdes Manutenção e Conservação Urbana Administração Geral À data encontram-se a implementar o SGQ as seguintes áreas de atividade: Mobilidade e Trânsito Piscinas Municipais Água Atendimento Público Urbanismo As áreas que se encontram a implementar um SGQ integrarão o âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade da quando forem objeto de uma auditoria interna da qualidade, que permitirá aferir a eficácia e eficiência do SGQ. 7.2 Exclusões A área de atividade Higiene Urbana do SGQ_ não tem exclusões. Das restantes áreas de atividade do SGQ_, excluem-se os requisitos de controlo de Equipamento de Monitorização e Medição (7.6 da NP EN ISO 9001:2008), considerando que estas áreas não recorrem a nenhum equipamento deste tipo no desenvolvimento da sua atividade. 7.3 Estrutura Documental do SGQ Toda a documentação, no âmbito do SGQ, é regulada pelas Normas de Gestão e Controlo Documental da Câmara Municipal do Seixal, documento aprovado em Reunião de Câmara de 8 de agosto de 2009, estando em vigor a versão 02, aprovada em reunião da Câmara Municipal do Seixal a 26 de abril de As normas de gestão e controlo documental da estão disponíveis na Wiki. Toda a documentação do SGQ hierarquiza-se da seguinte forma: Página 11 de 20

12 MUNICÍPIO DO SEIXAL Política da Qualidade Grandes Opções do Plano Processos e Procedimentos Planos de Trabalho IT e Manuais Documentação e Registos Ilustração 2 - Pirâmide documental do SGQ Política da Qualidade Determina os objetivos desejados e indica à organização quais os recursos necessários para atingir esses objetivos. Proporciona o enquadramento para estabelecer e rever os objetivos da Qualidade. Grandes Opções do Plano Documento que fundamenta a orientação estratégica estratégica da política de desenvolvimento económico e social. Descreve o, os processos e procedimentos definidos pela. Processos e Procedimentos Especificam os processos e procedimentos das áreas de atuação e também servem de guia para a integração de novos trabalhadores. Planos de Trabalho Indicam as tarefas a realizar e a respetiva calendarização, os responsáveis, responsáveis os meios e os métodos a utilizar. Página 12 de 20

13 Instruções de Trabalho e Manuais Possuem informação sobre as práticas, os meios e a sequência das atividades a desenvolver. Complementam os planos. Documentação do Sistema e Registos Nomeadamente de suporte ao SGQ, como a Matriz de Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas, Mapa de Objetivos, Mapa de Indicadores, Relatórios de Auditoria, Relatórios de Revisão pela Gestão, entre outros que evidenciam a informação sobre os processos implementados e resultados alcançados. 7.4 Matriz de responsabilidades dos documentos do SGQ A - Política da Qualidade B - Grandes Opções do Plano C - D - Processos e Procedimentos E - Planos de Trabalho F - Instruções de Trabalho e Manuais G Documentação do Sistema e Documentação do Sistema e Registos ADM Administração CD Chefe de Divisão DD Diretor de Departamento EQ Equipa da Qualidade GP Gestor de Processo Gprd Gestor de Procedimento ADM DD * GP (CD) GPrd EQ Elaboração Aprovação B A - B - C D - E - F G D - E - F G A - C - G D E - F - G E - F - G Divulgação B D - E - F - G E - F - G A - C - G * Pode delegar no CD Página 13 de 20

14 7.5 Relação entre estruturas, no âmbito do SGQ_ Pelouro dos Recursos Humanos, Modernização Administrativa e Desenvolvimento Social Pelouro das unidades orgânicas envolvidas Departamento Gabinete do Conhecimento, Inovação e Qualidade Parceria Divisão Ilustração 3 - Unidades orgânicas do SGQ_ Gabinete do Conhecimento, Inovação e Qualidade Célia Pestana Diretora Gabinete do Conhecimento, Inovação e Qualidade António Paulo Costa Gestor da Qualidade Alexandra Daniel Técnica da Qualidade Ilustração 4 Equipa da Qualidade da Página 14 de 20

15 7.6 Mapa de Processos GESTÃO P1 Gestão do Sistema P2 Monitorização e Avaliação REQUISITOS DO MUNÍCIPE/CIDADÃO Prd1 - Controlo de Documentos e Registos Prd2 - Gestão de Não Conformidades Ações Preventivas e Corretivas Prd3 - Gestão de Reclamações, Participações e Solicitações P3 OPERAÇÃO Higiene Urbana Gestão de Espaços Verdes Manutenção e Conservação Urbana Administração Geral Mobilidade e Trânsito SUPORTE Prd4 - Gestão da Informação Prd5 - Auditorias Internas Prd6 - Avaliação Satisfação Interna Prd7 - Avaliação Satisfação Externa SATISFAÇÃO DO MUNÍCIPE/CIDADÃO P4 Fornecimentos Externos P5 Fornecimentos Internos Ilustração 5 - Mapa de Processos SGQ Página 15 de 20

16 7.7 Matriz de Interação Processual P1 Gestão do Sistema P2 Monitorização e Avaliação P3 Processos operacionais P4 Fornecimentos Externos P5 Fornecimentos Internos P1 Gestão do Sistema Elementos para avaliação da eficácia e eficiência dos processos Elementos para avaliação da eficácia e eficiência dos processos Disponibilização de recursos Disponibilização de recursos P2 Monitorização e Avaliação Indicadores processuais e não processuais Elementos para produção de indicadores Avaliação de fornecimentos externos Avaliação de fornecimentos internos P3 Processos operacionais Objetivos, metas, ações Identificação de áreas com necessidade de atuação Disponibilização de recursos Disponibilização de recursos P4 Fornecimentos Externos Identificação de necessidades de recursos Identificação de necessidades de recursos Identificação de necessidades de recursos Disponibilização de recursos P5 Fornecimentos Internos Identificação de necessidades de recursos Identificação de necessidades de recursos Identificação de necessidades de recursos Disponibilização de recursos Quadro 4 - Quadro de interação processual P1 Gestão do Sistema Objetivos, metas, ações, indicadores processuais e não processuais P3 Processos operacionais Conceção, planeamento e operacionalização das atividades decorrentes das atribuições e competências das unidades orgânicas P2 Monitorização e Avaliação Análise de indicadores e resultados que permitem avaliar a eficácia e eficiência do SGQ_ P4 - Fornecimentos externos Bens e serviços adquiridos através de procedimentos de aquisição P5 - Fornecimentos Internos Bens e serviços adquiridos a fornecedores ores internos. Recursos humanos Ilustração 6 - Matriz de interação processual Página 16 de 20

17 7.8 Descrição de Processos Processo/Procedimento Descrição Requisito Normativo P1 Gestão do Sistema Prd1 Controlo de Documentos e Registos Prd2 Gestão de Não Conformidades, Ações Preventivas e Corretivas Prd3 Gestão de Reclamações, Participações e Solicitações P2 Monitorização e Avaliação Prd4 Gestão da Informação Prd5 Auditorias Internas Prd6 Avaliação da Satisfação Interna Definição do modo de gerir e monitorizar os processos integrados no e de garantir a sua sustentabilidade através de uma visão assente na melhoria contínua. Controlo de documentos e registos do SGQ Este procedimento, que estabelece os mecanismos de controlo das não conformidades detetadas nos processos identificados pelo SGQ, pretende assegurar que os serviços não conformes com os requisitos especificados sejam identificados. Define também as responsabilidades e modo de definir, implementar e acompanhar ações corretivas para eliminar as causas das não conformidades. Tem ainda como objetivo o estabelecimento da metodologia para a aplicação sistemática de ações para eliminar as causas de potenciais não conformidades, tendo em vista prevenir a sua ocorrência. Este procedimento tem como objetivo a definição de uma metodologia para a gestão e tratamento de reclamações, participações e solicitações apresentadas pelos munícipes/utentes no âmbito das atribuições da. Este processo permite monitorizar e avaliar os dados do SGQ, permitindo avaliar a sua eficácia tendo em conta a premissa da melhoria contínua. Gestão do procedimento de gestão da informação das áreas abrangidas pelo SGQ. Este procedimento tem como objetivo definir como são planeadas e realizadas as auditorias internas, de modo a avaliar o cumprimento dos requisitos da norma NP EN ISO 9001:2008 e dos requisitos do SGQ. Definir como analisar os dados obtidos dos questionários de avaliação do clima organizacional da. 4.1 Requisitos Gerais 5. Responsabilidade da Gestão 4.2 Requisitos da Documentação 8.3 Controlo do Produto Não Conforme Melhoria Contínua Ações Corretivas Ações Preventivas 8.4 Análise de Dados 8.3 Controlo de Produto Não Conforme Melhoria Contínua Ações Corretivas Ações Preventivas Monitorização e Medição dos Processos Monitorização e Medição do Produto 8.4 Análise de Dados Comunicação Interna Comunicação com o Cliente Auditorias Internas 6.2 Recursos Humanos 6.3 Infraestrutura Página 17 de 20

18 Prd7 Avaliação da Satisfação Externa P3_HU Higiene Urbana + Prd 8_HU - 9_HU Definição da metodologia de avaliação da satisfação dos munícipes/utentes. Tem como objetivo o planeamento e gestão das atividades da área de higiene urbana, nomeadamente gestão de resíduos e limpeza urbana. 6.4 Ambiente de Trabalho 8.4 Análise de Dados Satisfação do Cliente 8.4 Análise de Dados 6.1 Provisão de Recursos 7.1 Planeamento da Realização do Produto 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 6.1 Provisão de Recursos P3_GEV Gestão de Espaços Verdes + Prd 8_GEV - 9_GEV - 10_GEV - 11_GEV P3_MCU Manutenção e Conservação Urbana + Prd 8_MCU 9_MCU 10_MCU 11_MCU P3_AG Administração Geral + Prd 8_AG 9_AG 10_AG 11_AG 12_AG 13_AG 14_AG 15_AG 17_AG 18_AG Tem como objetivo o planeamento e gestão das atividades da área de gestão de espaços verdes, nomeadamente manutenção e requalificação de espaços verdes, arborização, viveiro municipal e fitossanidade. Tem como objetivo o planeamento e gestão das atividades da área de manutenção e conservação urbana, nomeadamente manutenção e requalificação do parque escolar, manutenção e requalificação do espaço público, manutenção e requalificação de edifícios municipais e apoio técnico e operacional a outras unidades orgânicas. Tem como objetivo o planeamento e gestão das atividades da área de administração geral, nomeadamente gestão dos polos de impressão, comunicações móveis, atendimento presencial, atendimento telefónico, agendamento de salas, reprografia, apoio ao ato eleitoral, correspondência, correspondência digital e normalização de entidades. 7.1 Planeamento da Realização do Produto 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 6.1 Provisão de Recursos 7.1 Planeamento da Realização do Produto 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 6.1 Provisão de Recursos 7.1 Planeamento da Realização do Produto 7.2 Processos Relacionados com o Cliente Página 18 de 20

19 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 6.1 Provisão de Recursos P3_MT Mobilidade etrânsito + Prd 8_MT 9_MT 10_MT 11_MT Prd 10_HU 12_GEV 12_MCU 16_AG 12_MT Conceção e Desenvolvimento P4 Fornecimentos Externos P5 Fornecimentos Internos Tem como objetivo o planeamento e gestão das atividades da área de mobilidade e trânsito, nomeadamente execução, manutenção e requalificação de pavimentos e de sinalização e medidas de acalmia de tráfego, apoio a atividades municipais e pareceres, estudos e projetos de rede viária. Gestão de intervenções/projetos, não abrangidos na gestão corrente das unidades orgânicas, e que carecem, obrigatoriamente, das fases de revisão, verificação, validação e aprovação antes da sua implementação. Planear, gerir e avaliar as atividades inerentes à aquisição de bens e serviços adquiridos a fornecedores externos. Planear, gerir e avaliar as atividades inerentes à aquisição de bens e serviços fornecidos por fornecedores internos. 7.1 Planeamento da Realização do Produto 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço 7.4 Compras 7.4 Compras Página 19 de 20

20 7.9 Responsabilidades As responsabilidades atribuídas aos gestores de processos e gestores de procedimentos estão publicadas na Wiki, por área de atuação: Gestão do SGQ A revisão pela gestão acontece com uma periodicidade anual e consubstancia-se como um momento chave na gestão e melhoria do SGQ. Durante a revisão pela gestão é efetuada uma avaliação da eficácia do desempenho do sistema durante o período a que reporta, sendo também planeadas as estratégias, objetivos e ações de melhoria para o período seguinte. Os participantes, a periodicidade, os responsáveis e a metodologia adotada encontram-se definidos no P1 Processo de Gestão do Sistema SGQ, bem como nos relatórios de revisão pela gestão produzidos pelas unidades orgânicas responsáveis Referências Normativas NP EN ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário NP EN ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos NP EN ISO 9004:2009 Sistemas de Gestão da Qualidade Linhas de Orientação para Melhoria de Desempenho NP EN ISO 19011:2003 Linhas de Orientação para Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou de Gestão Ambiental Página 20 de 20

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos Encontro Anual Agenda 21 Local Guia Agenda 21 Local Um desafio de todos Isabel Lico Montemor-o-Novo 20 novembro 2015 Objetivos do Guia Agenda 21 Um desafio de todos Referencial Normativo Conceção e implementação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Centro Social Nossa Senhora do Amparo Mirandela - Mod. PGM.18/0- Página 1 de 20

MANUAL DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Centro Social Nossa Senhora do Amparo Mirandela - Mod. PGM.18/0- Página 1 de 20 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE ELABORADO POR: DULCE RAMOS APROVADO POR: DIREÇÃO Data: 16/04/2014 Data: 22/04/2014 Centro Social Nossa Senhora do Amparo Mirandela - Mod. PGM.18/0- Página

Leia mais

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 ÍNDICE 4 CAPÍTULO 1 estrutura 4 1. Objetivo e campo de aplicação 5 2. Organização 5 3. Preparação e aprovação 5 4. Revisão, atualização e edição

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE Ponta Delgada, Dezembro de 2013 Modelo LREC PG 05 01 Promulgação Elaborado

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

2.ª ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO

2.ª ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO 2.ª ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO No dia 1 de junho de 2011, entrou em vigor o Regulamento Interno da Agência para a Modernização Administrativa, I.P. (AMA), adiante abreviadamente referido por regulamento

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Versão: 1. Página 1 de 51. Manual da Qualidade. Versão 3 AQ02.2

MANUAL DA QUALIDADE. Versão: 1. Página 1 de 51. Manual da Qualidade. Versão 3 AQ02.2 Versão: 1 Página 1 de 51 Manual da Qualidade Versão 3 Página 2 de 51 FICHA TÉCNICA Título Manual da Qualidade Autoria Área da Qualidade Coordenação Direção Redação Área da Qualidade Ano de Realização 2015

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Artigo 7.º São revogadas as Portarias n. os 513/2007, 518/2007, 556/2007 e 561/2007, todas de 30 de abril. Artigo 8.º O Ministro de Estado

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SEGUNDO OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 Fernando Teixeira de Abreu, engº Consultor Sénior Iberogestão Jornada da Qualidade para a Administração Pública - UCRE Cabo

Leia mais

REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO

REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Guia Agenda 21 Local REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Isabel Lico Divisão de Desempenho e Qualificação Ambiental ESTORIL 23 de Setembro de 2009 A Proposta... REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Apoiar a preparação

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS I. Compromisso ético A Autarquia da Batalha vincula-se a um Compromisso Ético de assegurar a gestão operacional e

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

yourstep TOOL KIT ISO 9001:2015

yourstep TOOL KIT ISO 9001:2015 TOOL KIT yourstep ISO 9001:2015 Todas as normas ISO de sistemas de gestão estão sujeitas a uma revisão periódica, para acompanhar e absorver a evolução das organizações, dos seus sistemas de gestão e das

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

ESTRUTURA E RESPONSABILIDADE. Sistema de Gestão Integrado Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social

ESTRUTURA E RESPONSABILIDADE. Sistema de Gestão Integrado Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social ESTRUTURA E RESPONSABILIDADE Sistema de Gestão Integrado Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social Mora, 24 de Março de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. ORGANIGRAMA... 4 3. FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES...

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

regras aplicáveis ao controlo de gestão na APSS de forma a assegurar que:

regras aplicáveis ao controlo de gestão na APSS de forma a assegurar que: Controlo Interno e Gestão de Riscos 1. Informação sobre a existência de um sistema de controlo interno (SCI) compatível com a dimensão e complexidade da empresa, de modo a proteger os investimentos e os

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014 Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 ÂMBITO GERAL 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro

Leia mais

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ Objetivo e Âmbito da Atividade O Manual da Qualidade define os princípios e os meios adotados para assegurar a qualidade adequada aos serviços fornecidos pelo Programa de Telemedicina da ARSA. O âmbito

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

O seu parceiro para a qualidade

O seu parceiro para a qualidade Página 1 de 5 1. OBJECTIVO Este procedimento geral estabelece as regras para a gestão da transição para a nova norma NM ISO 9001: 2015. 2. ÂMBITO Este procedimento aplica-se a transição normativa da NM

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO 2015

PROGRAMA DE TRABALHO 2015 PROGRAMA DE TRABALHO 2015 DO CENTRO DE TRADUÇÃO DOS ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA CT/CA-042/2014/01PT O presente programa de trabalho foi ajustado com base no orçamento definitivo do Centro de Tradução

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES

GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES GT2 / CS11 Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES Data: 20 de fevereiro 2013 Hora: 14h30 Local: IPQ Fases de elaboração do Plano e Manual da Qualidade numa IES duas instituições: ISEG

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA-BoS-14/259 PT Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA ÍNDICE 1 - PROMULGAÇÃO... 4 2- GESTÃO DO MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA... 5 2.1 Objectivo...

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE 2010 APRESENTAÇÃO A gestão da qualidade das organizações da economia social inspira-se em orientações normativas, corporizadas em Normas da Qualidade internacionalmente reconhecidas,

Leia mais

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação Sistema de Qualificação das Respostas Sociais Processo de Certificação Sistema de Qualificação - Enquadramento O Sistema de Qualificação das Respostas Sociais é baseado num conjunto de regras, requisitos

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

Testemunho Empresa Certificada

Testemunho Empresa Certificada Testemunho Empresa Certificada GERTAL - COMPANHIA GERAL DE RESTAURANTES E ALIMENTAÇÃO, S.A. 1 A NOSSA VISÃO Assegurar permanentemente as soluções de alimentação que levem os nossos Clientes a optarem pela

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável à gestão de atividades inerentes à manutenção e conservação das infraestruturas e. II OBJETIVOS Garantir que as infraestruturas estejam em condições de utilização. Garantir

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade APPACDM Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências 3. Promulgação V - Apresentação

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas Preâmbulo A participação dos cidadãos na gestão dos destinos de uma autarquia é uma abertura necessária à sociedade. As autarquias, sendo o poder

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

APCV - Associação de Paralisia Cerebral de Viseu. Manual de Gestão da Qualidade

APCV - Associação de Paralisia Cerebral de Viseu. Manual de Gestão da Qualidade APCV - Associação de Paralisia Cerebral de Viseu Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice 2 II - Lista de revisões efetuadas 3 III - Lista de abreviaturas 4 IV - Introdução 5 1. Confidencialidade

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais