8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Dezembro de 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003"

Transcrição

1 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da formação de jovens em regime de alternância, estabelecida no DecretoLei n. o 102/84, de 29 de Março, com as alterações introduzidas pelo DecretoLei n. o 436/88, de 23 de Novembro, ao abrigo do qual são publicadas as normas regulamentares nas diferentes áreas de aprendizagem; Considerando a necessidade do estabelecimento, nas portarias sectoriais, de um quadro regulamentar que dê simultaneamente acolhimento à alteração do regime jurídico do sistema de aprendizagem e à evolução dos perfis profissionais sistematizados nos diferentes estudos sectoriais, bem como das normas e perfis profissionais negociados no âmbito do sistema nacional de certificação profissional, regulado pelo DecretoLei n. o 95/92, de 23 de Maio; Considerando que a aprendizagem lançada em Portugal em 1984 reveste uma importância estratégica no quadro da política de educaçãoformaçãotrabalho, na medida em que, sendo um dispositivo profundamente implantado a nível regional e local, contribui para: O aumento das qualificações profissionais de jovens, associado à elevação das respectivas qualificações escolares; A movimentação de contingentes significativos de jovens para vias profissionalizantes, potenciando o desenvolvimento de novos profissionais altamente qualificados que respondem às necessidades das empresas e particularmente das pequenas e médias empresas, em quadros médios e especializados, numa perspectiva do aumento da sua competitividade; Considerando ainda que os objectivos do sistema de aprendizagem encontramse inseridos no âmbito das medidas políticas que se concretizam num conjunto de instrumentos, de que importa realçar o PNE Plano Nacional de Emprego, o PNS Plano Nacional de Desenvolvimento Económico e Social de Médio Prazo e os compromissos do Acordo de Concertação e Estratégia e do Acordo de Políticas de Emprego, Mercado de Trabalho, Educação e Formação; Considerando que as condições decorrentes do mercado aberto e da utilização das novas tecnologias exigem que, cada vez mais, a formação profissional seja altamente eficiente e qualificada, bem como assente numa sólida componente sóciocultural: Importa estabelecer um novo quadro referencial de actualização dos perfis de formação de empregado de contabilidade, técnico de contabilidade e gestão, empregado de secretariado, técnico de secretariado, empregado administrativo, técnico administrativo e técnico de gestão administrativa (comercial/industrial), constantes na Portaria n. o 891/92, de 15 de Setembro, que regulamentava as formações na área de serviços. Nesta conformidade, a presente portaria, para além das formações de nível 1, 2 e 3, consagra também, ao abrigo do n. o 5 do artigo 7. o do DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, formações póssecundárias não superiores, de especialização tecnológica, que conferem o nível 4 e diploma de especialização tecnológica, nos termos da Portaria n. o 989/99, de 3 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Portaria n. o 392/2002, de 12 de Abril, permitindo responder às crescentes necessidades do tecido económico e a nível de quadros intermédios, de forma a acompanhar um mercado de trabalho em rápida mutação e acelerado desenvolvimento científico e tecnológico. Ao abrigo do n. o 2 do artigo 8. o do DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, e por proposta da Comissão Nacional de Aprendizagem: Manda o Governo, pelo Ministro da Educação e pelo Secretário de Estado do Trabalho, o seguinte: 1. o São aprovadas as normas regulamentares de aprendizagem nos seguintes itinerários de formação das áreas de Gestão e Administração, Secretariado e Trabalhos, anexas à presente portaria e que dela fazem parte integrante: a) Práticas Administrativas; b) Técnicas Administrativas 1; c) Técnicas Administrativas 2; d) Secretariado 1; e) Secretariado 2; f) Contabilidade 1; g) Contabilidade 2; h) Técnicas de Apoio à Gestão 1; i) Técnicas de Apoio à Gestão 2; j) Gestão. 2. o Com a publicação da presente portaria, são revogados os perfis de empregado de contabilidade, técnico de contabilidade e gestão, empregado de secretariado, técnico de secretariado, empregado administrativo, técnico administrativo e técnico de gestão administrativa (comercial/industrial), constantes na Portaria n. o 891/92, de 15 de Setembro. 3. o Os itinerários iniciados ao abrigo da Portaria n. o 891/92, de 15 de Setembro, mantêm a estrutura inicial, considerandose válidos os respectivos certificados. 4. o A presente portaria entra em vigor no 1. o dia útil seguinte ao da sua publicação. Em 7 de Novembro de O Ministro da Educação, José David Gomes Justino. O Secretário de Estado do Trabalho, Luís Miguel Pais Antunes. Normas regulamentares da formação profissional de jovens em regime de alternância nas saídas profissionais das áreas de Gestão e Administração, Secretariado e Trabalhos. I Disposições gerais 1 Ao abrigo do n. o 2 do artigo 8. o do DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, a presente portaria fixa as normas de organização e funcionamento da formação de jovens em regime de alternância para os itinerários de formação nas áreas de Gestão e Administração, Secretariado e Trabalhos, constantes do anexo n. o 1. 2 A formação neste regime, nas áreas de Gestão e Administração, Secretariado e Trabalhos, terá de obedecer aos seguintes requisitos: a) Assentar em perfis de banda larga, dirigidos a profissões ou grupos de profissões afins, pelo que os perfis de formação definidos devem assegurar as competências básicas, indispensáveis a qualquer profissional da área;

2 N. o de Dezembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB 8275 b) Possibilitar a preparação técnica e profissional adequada às diversas exigências do exercício profissional, que permita absorver as evoluções tecnológicas e possibilite a reconversão noutras saídas profissionais de base tecnológica comum, através da rentabilização dos saberes préadquiridos. 3 Associadas aos itinerários de formação nas áreas de Gestão e Administração, Secretariado e Trabalhos, constantes do anexo n. o 1, e de acordo com a estrutura de níveis comunitária, são consideradas as seguintes saídas profissionais: a) Nível 2 assistente administrativo, assistente de secretariado e assistente de contabilidade; b) Nível 3 técnico administrativo, técnico de secretariado, técnico de contabilidade e técnico de apoio à gestão; c) Nível 4 Técnico de gestão. 4 Para efeitos do número anterior, os perfis profissionais associados contemplam as tarefas/actividades principais constantes dos anexos n. os 2 a Para além das tarefas enunciadas no perfil profissional, é exigido o domínio das seguintes competências: Dominar os conhecimentos tecnológicos da profissão/grupo de profissões; Seguir os regulamentos aplicáveis e respeitar as normas de segurança, higiene e ambientais em vigor. 6 O itinerário de formação póssecundária não superior de especialização tecnológica, consagrado nesta área de formação e constante do anexo n. o 11, tem por base os referenciais de formação estrutura curricular e duração da formação bem como os critérios de avaliação e certificação para os cursos de especialização tecnológica previstos na Portaria n. o 989/99, de 3 de Novembro, com as alterações de redacção da Portaria n. o 392/2002, de 12 de Abril. II Estrutura curricular e desenvolvimento programático 1 A estrutura curricular destes itinerários, que constam dos anexos n. os 2 a 11, compreende três componentes de formação: a) Formação sóciocultural as competências, atitudes e conhecimentos orientados para o desenvolvimento pessoal, profissional e social dos indivíduos e para a sua inserção na vida activa; b) Formação científicotecnológica os conhecimentos necessários à compreensão das tecnologias e actividades práticas, bem como à resolução dos problemas que integram o exercício profissional; c) Formação prática em contexto de trabalho as actividades de formação realizadas sob a forma de ensaio ou experiência de processos, técnicas, equipamentos e materiais, sob orientação do formador ou tutor, quer se integrem em processos de produção de bens ou prestação de serviços, em situação de trabalho, quer simulem esses processos. 2 A formação tecnológica tem carácter técnico profissional, sendo constituída por diferentes unidades de formação conforme consta do plano curricular anexo (anexos n. os 2 a 11) à presente portaria. 3 A formação prática em contexto de trabalho visa a obtenção de experiência profissional e a integração do formando no ambiente laboral. 4 Os referenciais curriculares para a componente de formação sóciocultural e para a Matemática, para os itinerários de aprendizagem de nível 2 e 3,são os estabelecidos pela Portaria n. o 433/2002, de 19 de Abril. 5 A componente de formação sóciocultural abrange, nos cursos de aprendizagem de nível 2 e 3, a área de competência Línguas, Cultura e Comunicação, bem como a área Cidadania e Sociedade: 5.1 A área de competência Línguas, Cultura e Comunicação compreende os domínios Viver em Português e um domínio de conhecimento de uma língua estrangeira, nomeadamente Comunicar em Francês, Comunicar em Inglês ou Comunicar em Alemão; 5.2 A área de competência Cidadania e Sociedade compreende o Mundo Actual e o Desenvolvimento Pessoal e Social. 6 O domínio Matemática e Realidade integrase nos cursos de aprendizagem de níveis 2 e 3,na componente de formação científicotecnológica, no âmbito da área de competência Ciências Básicas. 7 Os domínios da componente de formação sócio cultural e Matemática, com excepção do Desenvolvimento Pessoal e Social, são estruturados em três graus de aprofundamento, a que correspondem etapas progressivas de aquisição de competências, conforme a Portaria n. o 433/2002, de 19 de Abril. 8 O desenvolvimento dos conteúdos programáticos terá em conta não só as exigências da interdisciplinaridade e dos modelos de organização da formação mas também as necessidades de coordenação entre a formação sóciocultural, a formação científicotecnológica e a formação prática em contexto de trabalho. III Estabelecimentos de formação 1 A componente de formação científicotecnológica poderá ser ministrada nas empresas, centros interempresas, escolas ou centros de formação reconhecidos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). 2 A formação prática em contexto de trabalho será realizada no posto de trabalho de empresas seleccionadas para o efeito, visando a obtenção de experiência profissional e a integração gradual do formando no ambiente laboral. 3 A formação sóciocultural pode ser ministrada em estabelecimento oficial ou particular de ensino, em local adequado pertencente à empresa ou centros de formação reconhecidos pelo IEFP. IV Selecção e número de formandos 1 Na fixação do número máximo de formandos a admitir por empresa deverá terse em conta a capacidade real formativa da mesma, designadamente os meios humanos e técnicos capazes de garantir a formação e o enquadramento do formando.

3 8276 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o de Dezembro de Sem prejuízo do disposto no número anterior, estabelecese o seguinte: a) O número máximo de formandos para os domínios da formação sóciocultural e da formação científicotecnológica não deverá ser superior a 20 formandos por grupo; b) O número máximo de formandos por cada tutor (responsável pela formação prática) não deverá ser superior a 5. 3 Em casos devidamente justificados e desde que autorizados pelas estruturas organizativas da formação de jovens em regime de alternância, o número máximo de formandos previsto anteriormente poderá ser alterado. V Duração da aprendizagem 1 Os itinerários de formação terão a duração de referência estabelecida nos referenciais curriculares constantes dos anexos n. os 2 a Para efeitos deste regulamento, consideramse os períodos de formação, correspondentes aos diferentes anos de formação, como tendo a duração de referência que não exceda as mil e quinhentas horas acrescidas do período de férias. VI Distribuição da carga horária 1 A carga horária não deve exceder trinta e cinco horas semanais e mil e quinhentas horas anuais. 2 O horário da formação prática em contexto de trabalho deve ser preferencialmente fixado pelas entidades de apoio à alternância entre as 8 e as 20 horas, podendo, contudo, ser estabelecido noutro período sempre que a especificidade da actividade profissional o recomende. 3 O número mínimo de horas por cada uma das unidades de formação será o indicado no referencial curricular constante dos anexos n. os 2 a 11 desta portaria. 4 Tendo em atenção os meios humanos e materiais disponíveis, bem como a distribuição geográfica das empresas e o seu dimensionamento, a distribuição da carga horária poderá ter por base a semana, o mês, o semestre ou o ano, salvaguardando os princípios pedagógicos da aprendizagem. VII Avaliação 1 Ao longo do itinerário de formação, o sistema deverá proporcionar elementos para uma avaliação formativa e contínua do formando em todas as componentes da estrutura curricular. 2 Sem prejuízo dos procedimentos globais de avaliação definidos para as diferentes componentes de formação, a avaliação da componente sóciocultural segue o definido na Portaria n. o 433/2002, de 19 de Abril. 3 Como instrumentos de avaliação deverão efectuarse testes e ou provas práticas nas unidades/domínios de formação sóciocultural, científicotecnológica e prática. 4 Sem prejuízo de a avaliação se exercer de forma contínua, a avaliação sumativa deverá ser efectuada em três momentos por cada período de formação, situandose o terceiro momento no final do período de aprendizagem. 5 A classificação em cada unidade/domínio ou componente de formação será expressa na escala numérica de0a20valores. 6 A classificação mínima necessária para a aprovação de cada uma das componentes, formação sócio cultural, formação científicotecnológica e formação prática, é de 10 valores. 7 Em cada período de formação será atribuída uma classificação final resultante da média aritmética das classificações obtidas nas três componentes de formação, nos três momentos, por cada período de formação. 8 A transição entre um período de formação e o seguinte implica a aprovação conjunta nas três componentes de formação. 9 Na situação de não transição a repetição do período de formação pode ser autorizada em casos excepcionais e devidamente justificados. 10 O formando que tiver obtido a aprovação no último período da correspondente saída profissional visada do curso será admitido a uma prova de avaliação final. 11 Todos os elementos de avaliação devem ser apresentados ao júri de prova de avaliação final para serem considerados na avaliação final do curso. VIII Prova de avaliação final 1 O formando que tiver completado com êxito o último período de aprendizagem nos termos do artigo anterior deve ser submetido a uma prova de avaliação final, a organizar por júri regional e assistido por júris de prova, nomeados para o efeito. 2 A prova de avaliação final deve incidir, obrigatoriamente, sobre uma prova de desempenho profissional elaborada a nível regional, com base em critérios de avaliação aprovados para o respectivo itinerário de formação. Assim: 2.1 A prova deve ser elaborada sob responsabilidade das delegações regionais do IEFP, que, para o efeito, designarão especialistas, preferencialmente formadores do sector de actividade profissional correspondente; 2.2 A prova consiste num ou mais trabalhos práticos baseados nas tarefas mais representativas da profissão objecto da aprendizagem e deve avaliar, na medida do possível, as capacidades e conhecimentos mais significativos adquiridos nas restantes componentes de formação. IX Composição dos júris 1 O júri regional, que presidirá à prova de avaliação final, será, no mínimo, constituído por um elemento de cada uma das seguintes entidades: a) IEFP, elemento a designar pela delegação regional, que presidirá; b) Ministério da Educação, representante a designar pela direcção regional de educação; c) Associações patronais; d) Organizações sindicais.

4 N. o de Dezembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB Os júris de prova serão constituídos, no mínimo, por três elementos do respectivo domínio tecnológico: a) Um representante do IEFP, que presidirá; b) Um formador da componente de formação tecnológica; c) Um tutor da prática no posto de trabalho. 3 O júri regional organiza e promove a realização das provas de avaliação final, competindo aos júris de prova o acompanhamento, a realização e a classificação. X Certificação 1 Será conferido um certificado de formação profissional, a ser passado pelo IEFP, aos formandos que tenham sido aprovados na prova de avaliação final. 2 O certificado corresponderá a uma qualificação completa para o exercício de uma actividade bem determinada, com capacidade de utilizar os instrumentos e as técnicas que lhe são próprios. 3 Em função dos diferentes itinerários consagrados nesta portaria, o certificado confere as seguintes equivalências escolares e ou qualificações profissionais para todos os efeitos legais: a) 3. o ciclo do ensino (9. o ano de escolaridade) e nível 2 de qualificação, para o itinerário de Práticas Administrativas; b) Nível 2 de qualificação para os perfis de assistente administrativo (itinerário de Técnicas Administrativas 1), assistente de secretariado (itinerário de Secretariado 1), assistente de contabilidade (itinerário de Contabilidade 1); c) secundário (12. o ano de escolaridade) e nível 3 de qualificação, para os perfis de técnico administrativo (itinerário de Técnicas Administrativas 1), técnico de secretariado (itinerário de Secretariado 1), técnico de contabilidade (itinerário de Contabilidade 1), técnico de apoio à gestão (itinerário de Técnicas de Apoio à Gestão 1); d) Nível 3 de qualificação, para o(s) itinerário(s) de Técnicas Administrativas 2, Secretariado 2, Contabilidade 2 e Técnicas de Apoio à Gestão 2; e) Diploma de especialização tecnológica (T) e nível 4 de qualificação, para o itinerário de Gestão. 4 Pela articulação com o sistema nacional de certificação profissional e nos termos conjugados do disposto no DecretoLei n. o 95/92, de 23 de Maio, e no Decreto Regulamentar n. o 68/94, de 26 de Novembro, a conclusão, com aproveitamento, dos itinerários de nível 2, 3 e 4 pode conferir um certificado de aptidão profissional. XI Disposições finais 1 De acordo com o artigo 41. o do DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, as normas estabelecidas neste quadro regulamentar poderão ser adaptadas ao desenvolvimento de acções dirigidas a grupos específicos ou integrados em regiões ou sectores considerados prioritários ou particularmente carenciados. 2 A regulamentação dos aspectos formais da organização da avaliação, composição de júris e suas competências, provas finais e certificação será estabelecida no regulamento de avaliação. Secretariado e Trabalhos Gestão e Administração ANEXO N.º 1 Quadro dos itinerários da área de Gestão e Administração/ Secretariado e Trabalhos ITINERÁRIO ACESSO SAÍDAS REF.ª SIGNAÇÃO HABILITAÇÕES OUTRAS PROFISSIONAIS EQUIVALÊNCIA ESCOLAR Práticas Administrativas Técnicas Administrativas 1 Técnicas Administrativas 2 4 Secretariado 1 5 Secretariado 2 6 Contabilidade 1 7 Contabilidade Técnicas de apoio à gestão 1 Técnicas de apoio à gestão 2 10 Gestão* Ciclo ensino Ciclo ensino Ciclo ensino Ciclo ensino Ciclo ensino Assistente Assistente de Secretariado Assistente de Contabilidade Nível 3 da área e outras formações de nível 3 afins Assistente Assistente Técnico Técnico Assistente de Secretariado Técnico de Secretariado Técnico de Secretariado Assistente de Contabilidade Técnico de Contabilidade Técnico de Contabilidade Técnico de apoio à gestão Técnico de apoio à gestão Técnico de Gestão Ciclo ensino NÍVEL QUALIFICAÇÃO DURAÇÃO (HORAS) * Nota: Os formandos com o (1 ano) podem ter acesso a este itinerário desde que completem um percurso que lhes atribua o nível 3 de qualificação profissional, de acordo com o n.º 3 do n.º 7 da Portaria n.º 392/2002, de 12 de Abril. PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 2 Práticas Administrativas Gestão e Administração/ Secretariado e Trabalhos Práticas Administrativas Assistente (nível 2 ) Descrição Geral O(a) assistente administrativo(a) é o profissional que, com base nos procedimentos e técnicas adequados bem como nas normas de higiene segurança e ambiente, executa tarefas administrativas relativas ao funcionamento das organizações empresas ou serviços públicos de acordo com as normas previamente estabelecidas Actividades Principais 1. Preparar e executar tarefas relacionadas com o expediente geral das organizações, de acordo com procedimentos estabelecidos. 2. Preencher e conferir documentação de apoio à actividade das organizações. 3. Registar e actualizar dados necessários à gestão das organizações. 4. Atender e encaminhar o público interno e externo das organizações Condições de Ingresso ciclo do ensino Progressão e Equivalência Escolar ciclo do ensino Itinerário de refª 1 Práticas Administrativas Saída Profissional: Assistente (nível 2) Viver em Português Comunicar em: LÍNGUAS, CULTURA E Francês ou Inglês ou Alemão SOCIEDA UNIDAS Mundo Actual DURAÇÃO

5 8278 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o de Dezembro de 2003 UNIDAS DURAÇÃO UNIDAS DURAÇÃO Matemática e realidade Tecnologias de Informação e Comunicação Contabilidade Cálculo comercial 392 Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução à Actividade Económica Práticas Administrativas 210 Organização e Administração de Empresas Atendimento aos públicos Documentação Comercial Legislação Comercial, Administrativa e Laboral Contabilidade Gestão Administrativa dos Recursos Humanos Aprovisionamento e Gestão de Stocks Técnicas e Práticas Administrativas Organização e Administração de Empresas Cálculo Comercial Português e Inglês Comercial e Legislação Comercial, Laboral e Administrativa Expediente geral [] [12] [82] Preenchimento e conferência de documentação [] [10] [] Registo e actualização de dados [] [12] [52] Atendimento aos públicos [] [] Projecto Final [110] [110] PRÁTICA CONTEXTO TRABALHO PRÁTICA Atendimento aos Públicos Expediente Geral Atendimento aos Públicos Economato Contabilidade Gestão de Recursos Humanos Projecto Final CONTEXTO TRABALHO 94 [] [34] * [] [43] [43] 1 [] [] 3 [] [34] [] [43] [73] [] * Saída Profissional de Assistente Assistente administrativo Técnico administrativo PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 3 Técnicas Administrativas 1 Técnicas Administrativas 1 Assistente (nível 2) Técnico administrativo (nível 3) Descrição Geral O(a) assistente(a) administrativo(a) é o profissional que, com base nos procedimentos e técnicas adequados bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, executa tarefas administrativas relativas ao funcionamento das organizações, empresas ou serviços públicos, de acordo com as normas previamente estabelecidas. O(a) técnico(a) administrativo(a) é o profissional que no domínio das técnicas e procedimentos adequados bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, planeia, organiza, executa e controla tarefas administrativas relativamente ao funcionamento das organizações, empresas ou serviços públicos, nomeadamente as que estão associadas aos fluxos internos e externos de circulação de informação, do processo administrativo Actividades Principais Assistente administrativo 1. Preparar e executar tarefas relacionadas com o expediente geral das organizações, de acordo com procedimentos estabelecidos. 2. Preencher e conferir documentação de apoio à actividade das organizações. 3. Registar e actualizar dados necessários à gestão das organizações. 4. Atender e encaminhar o público interno e externo das organizações. Técnico administrativo 1. Planear, organizar, executar e controlar tarefas relacionadas com o expediente geral das organizações. 2. Atender e informar o público interno e externo das organizações em português e língua estrangeira. 3. Efectuar a gestão do economato das organizações. 4. Planear, organizar, executar e controlar tarefas administrativas de apoio à actividade comercial das organizações. 5. Executar tarefas de apoio à contabilidade geral das organizações. 6. Executar tarefas administrativas de apoio à gestão de recursos humanos Condições de Ingresso ciclo do ensino Técnico ciclo do ensino e Assistente PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 4 Técnicas Administrativas 2 Técnicas Administrativas 2 Técnico (nível 3 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) administrativo(a) é o profissional que no domínio das técnicas e procedimentos adequados bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, planeia, organiza, executa e controla tarefas administrativas relativamente ao funcionamento das organizações, empresas ou serviços públicos, nomeadamente as que estão associadas aos fluxos internos e externos de circulação de informação, do processo administrativo Actividades Principais 1. Planear, organizar, executar e controlar tarefas relacionadas com o expediente geral das organizações. 2. Atender e informar o público interno e externo das organizações em português e língua estrangeira 3. Efectuar a gestão do economato das organizações. 4. Planear, organizar, executar e controlar tarefas administrativas de apoio à actividade comercial das organizações. 5. Executar tarefas de apoio à contabilidade geral das organizações. 6. Executar tarefas administrativas de apoio à gestão de recursos humanos Condições de Ingresso secundário Progressão e Equivalência Escolar Progressão e Equivalência Escolar Técnico Itinerário de refª 2 Técnicas Administrativas 1 Saídas Profissionais: Assistente (10 horas nível 2) Técnico ( horas nível 3) UNIDAS DURAÇÃO Itinerário de refª 3 Técnicas Administrativas 2 Saída Profissional: Técnico (nível 3) UNIDAS DURAÇÃO LÍNGUAS, CULTURA E SOCIEDA Viver em Português Comunicar em: Francês ou Inglês ou Alemão Mundo Actual Matemática e Realidade LÍNGUAS E SOCIEDA Português Comercial e Inglês ou Francês Comercial e Princípios do Direito 0 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Gestão Administrativa dos Recursos Humanos 1

6 N. o de Dezembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB 8279 ( ) UNIDAS DURAÇÃO Matemática e Realidade UNIDAS DURAÇÃO 1 2 Princípios do Direito Legislação Comercial, Administrativa e Laboral 1 Tecnologias da Informação e Comunicação 96 Documentação Comercial Contabilidade Aprovisionamento e Gestão de Stocks Técnicas e Práticas Administrativas 1 Organização e Administração de Empresas Cálculo Comercial Atendimento aos Públicos Expediente Geral Atendimento aos Públicos Economato Contabilidade Gestão de Recursos Humanos Projecto Final 214 [] [14] [] [] PRÁTICA 4 PRÁTICA * Saída Profissional de Assistente de Secretariado Princípios do Direito Tecnologias de Informação e Comunicação Legislação Comercial, Administrativa e Laboral Contabilidade Técnicas Secretariado Práticas Administrativas Organização e Administração de Empresas Português Comercial e Inglês Comercial e Aplicações Informáticas de Escritório Técnicas de Comunicação Expediente geral de secretariado A estrutura da Organização Comunicação em português e em inglês Planeamento e organização de rotinas diárias Gestão e organização de secretariado Projecto Final CONTEXTO TRABALHO 1 [] [] 110 [] [] [92] [] [] [] [] [92] * 10 Assistente de Secretariado Técnico de Secretariado PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 5 Secretariado Secretariado 1 Assistente de Secretariado (nível 2) Técnico de Secretariado (nível 3) Descrição Geral O(a) assistente de secretariado é o profissional que executa actividades de secretariado no apoio às chefias das organizações, empresas ou serviços públicos, nomeadamente o expediente geral e outras tarefas inerentes à gestão e organização, de acordo com as técnicas e procedimentos adequados, respeitando as normas previamente estabelecidas bem como as de higiene, segurança e ambiente. O(a) técnico(a) de secretariado é o profissional que com base nas normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, planeia, organiza, assegura e executa actividades de secretariado no apoio às chefias das organizações, empresas ou serviços públicos, para o bom funcionamento do gabinete de trabalho Actividades Principais Assistente de secretariado 1. Executar tarefas relacionadas com o expediente geral do secretariado da chefia. 2. Executar tarefas inerentes à gestão e organização nomeadamente do secretariado interno, sob a orientação dos superiores hierárquicos. Técnico de secretariado 1. Planear e organizar a rotina diária e mensal da chefia, providenciando o cumprimento das actividades agendadas. 2. Assegurar a comunicação da chefia com interlocutores, internos e externos, em língua portuguesa ou estrangeira. 3. Organizar e executar tarefas relacionadas com o expediente geral do secretariado da chefia. 4. Executar tarefas inerentes à gestão e organização do secretariado tanto a nível interno como externo Condições de Ingresso Assistente de Secretariado ciclo do ensino Técnico de Secretariado ciclo do ensino e Assistente de Secretariado Progressão e Equivalência Escolar Técnico de Secretariado PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 6 Secretariado 2 Secretariado 2 Técnico de Secretariado (nível 3 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) de secretariado é o profissional que com base nas normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, planeia, organiza, assegura e executa actividades de secretariado no apoio às chefias das organizações, empresas ou serviços públicos, para o bom funcionamento do gabinete de trabalho Actividades Principais 1. Planear e organizar a rotina diária e mensal da chefia, providenciando o cumprimento das actividades agendadas. 2. Assegurar a comunicação da chefia com interlocutores, internos e externos, em língua portuguesa ou estrangeira. 3. Organizar e executar tarefas relacionadas com o expediente geral do secretariado da chefia. 4. Executar tarefas inerentes à gestão e organização do secretariado tanto a nível interno como externo Condições de Ingresso secundário Progressão e Equivalência Escolar Itinerário de refª 5 Secretariado 2 Saída Profissional: Técnico de Secretariado (nível 3) UNIDAS DURAÇÃO Itinerário de refª 4 Secretariado 1 Saída Profissional: Assistente de Secretariado (10 horas nível 2) Técnico de Secretariado ( horas nível 3) LÍNGUAS E Comunicar em: Português Comercial e Inglês, Francês ou Alemão Comercial e LÍNGUAS, CULTURA E SOCIEDA UNIDAS Viver em Português Comunicar em: Francês ou Inglês ou Alemão Mundo Actual DURAÇÃO SOCIEDA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Organização e Administração de Empresas Princípios do Direito 1

7 82 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o de Dezembro de 2003 ( ) UNIDAS DURAÇÃO Tecnologias da Informação e Comunicação 104 Legislação Comercial, Administrativa e Laboral Contabilidade Técnicas Secretariado 2 Práticas Administrativas Noções de Espanhol Aplicações Informáticas de Escritório Técnicas de Comunicação Expediente geral de secretariado Comunicação em português e em língua estrangeira A estrutura da Organização Gestão e organização de secretariado Planeamento e organização de rotinas diárias Projecto Final 226 [] [] [] [96] PRÁTICA UNIDAS Matemática e Realidade Teoria Geral de Gestão Legislação Laboral e Contrato Social Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução à Contabilidade Contabilidade Geral Contabilidade Analítica Empresa e Sociedade Fiscalidade Cálculo Comercial e Financeiro Direito Comercial e Análise Financeira e Gestão Orçamental Auditoria Aplicações Informáticas Recolha, organização e registo de documentos contabilísticos Classificação e registo de documentos contabilísticos Fiscalidade Relatórios de gestão Projecto Final DURAÇÃO 1 [1] [62] [62] [] PRÁTICA CONTEXTO TRABALHO * Saída Profissional de Assistente de Contabilidade * 10 Assistente de contabilidade 20 [] [1] [62] [62] [] [] Técnico de contabilidade PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 7 Contabilidade 1 Contabilidade 1 Assistente de Contabilidade (nível 2 ) Técnico de Contabilidade (nível 3) Descrição Geral O(a) assistente de contabilidade é o profissional que, no domínio dos procedimentos e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, recolhe e efectua o registo e o tratamento de dados contabilísticos das organizações, empresas ou serviços públicos, efectuando o registo das operações contabilísticas, organizando e arquivando todos os documentos relativos à actividade contabilística de acordo com as normas previamente estabelecidas sob orientação técnica superior. O(a) técnico(a) de contabilidade é o profissional que, no domínio das normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, organiza e efectua o registo e o tratamento de dados contabilísticos das organizações, empresas ou serviços públicos, organizando e classificando documentos, efectuando o registo das operações contabilísticas, preparando a documentação necessária ao cumprimento das obrigações legais e ao controlo das actividades e recolhendo dados necessários à elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação económicofinanceira das organizações bem como garantindo os procedimentos referentes ao arquivo Actividades Principais Assistente de contabilidade 1. Identificar e seleccionar os diferentes tipos de documentos contabilísticos. 2. Efectuar o registo das operações contabilísticas das organizações. 3. Arquivar todos os documentos relativos à actividade contabilística. Técnico de contabilidade 1. Organizar e classificar os documentos contabilísticos das organizações. 2. Efectuar o registo das operações contabilísticas das organizações. 3. Contabilizar as operações das organizações, registando débitos e créditos. 4. Preparar, para a gestão das organizações, a documentação necessária ao cumprimento das obrigações legais e ao controlo das actividades. 5. Recolher dados necessários à elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação económicofinanceira das organizações. 6. Organizar e arquivar todos os documentos relativos à actividade contabilística Condições de Ingresso Assistente de Contabilidade ciclo do ensino Técnico de Contabilidade ciclo do ensino e Assistente de Contabilidade Progressão e Equivalência Escolar Técnico de Contabilidade PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 8 Contabilidade 2 Contabilidade 2 Técnico de Contabilidade (nível 3 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) de contabilidade é o profissional que, no domínio das normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, organiza e efectua o registo e o tratamento de dados contabilísticos das organizações, empresas ou serviços públicos, organizando e classificando documentos, efectuando o registo das operações contabilísticas, preparando a documentação necessária ao cumprimento das obrigações legais e ao controlo das actividades e recolhendo dados necessários à elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação econónicofinanceira das organizações bem como garantindo os procedimentos referentes ao arquivo Actividades Principais 1. Organizar e classificar os documentos contabilísticos das organizações. 2. Efectuar o registo das operações contabilísticas das organizações. 3. Contabilizar as operações das organizações, registando débitos e créditos. 4. Preparar, para a gestão das organizações, a documentação necessária ao cumprimento das obrigações legais e ao controlo das actividades. 5. Recolher dados necessários à elaboração, pela gestão, de relatórios periódicos da situação econónicofinanceira das organizações. 6. Organizar e arquivar todos os documentos relativos à actividade contabilística Condições de Ingresso secundário Progressão e Equivalência Escolar Itinerário de refª 7 Contabilidade 2 Saída Profissional: Técnico de Contabilidade (nível 3) UNIDAS DURAÇÃO Itinerário de refª 6 Contabilidade 1 Saída Profissional: Assistente de Contabilidade (10 horas nível 2) Técnico de Contabilidade ( horas nível 3) LÍNGUAS E SOCIEDA Francês, Inglês ou Alemão técnico UNIDAS DURAÇÃO ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Teoria Geral de Gestão Empresa e Sociedade LÍNGUAS, CULTURA E SOCIEDA Viver em Português Comunicar em: Francês ou Inglês ou Alemão Mundo Actual Ciências Básicas Legislação Laboral e Contrato Social 1

8 N. o de Dezembro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB 8281 UNIDAS DURAÇÃO Tecnologias da Informação e Comunicação 76 Introdução à Contabilidade 74 Contabilidade Geral 1 Contabilidade Analítica Fiscalidade Cálculo Comercial e Financeiro Direito Comercial e Introdução à Estatística Análise Financeira e Gestão Orçamental 55 Auditoria 55 Aplicações Informáticas Organização, classificação e registo de documentos contabilísticos Fiscalidade Relatórios de gestão Projecto Final 210 [] [] [] [] PRÁTICA UNIDAS Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução à Contabilidade Contabilidade Geral Contabilidade Analítica Cálculo Comercial e Financeiro Fiscalidade Direito Comercial e Planeamento e Gestão Análise Financeira e Gestão Orçamental Auditoria Aplicações Informáticas Recolha e tratamento de dados Inventário Previsão orçamental Estudos e análise de mercado Análise de propostas e aquisição de equipamentos Aprovisionamento e gestão de stocks Valores mobiliários Projecto Final DURAÇÃO PRÁTICA CONTEXTO TRABALHO [] [] [] [] [] [] [24] [102] [] [] [] [] [] [] [24] [102] PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 9 Técnicas de Apoio à Gestão 1 Técnicas de Apoio à Gestão 1 Técnico de Apoio à Gestão (nível 3 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) de apoio à gestão é o profissional que no domínio das normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, e com base nas ferramentas de apoio à gestão recolhe, organiza e trata a informação, preparandoa para aprovação da gestão das organizações, empresas ou serviços públicos, executando as decisões daí decorrentes Actividades Principais 1. Recolher e tratar a informação previsional dos e para os departamentos funcionais de forma a permitir a elaboração dos orçamentos operacionais e financeiros. 2. Colaborar com a Direcção, na elaboração dos pressupostos orçamentais e nas várias previsões, bem como na aplicação dos objectivos fixados para curto e médio prazo. 3. Manter actualizado o dossier de normas, processos e circuitos propondo alterações com vista à sua racionalização e qualidade. 4. Fazer estudos e prospecções de mercado, participando na elaboração do plano de marketing. 5. Colaborar no estudo e escolha de equipamentos e materiais. 6. Calcular e participar na uniformização de parâmetros de aprovisionamento e na previsão do consumo de materiais, peças e equipamentos de reserva, bem como analisar a evolução de consumos e participar na elaboração de cadernos de encargos. 7. Acompanhar a preparação dos elementos para entrada da empresa no mercado oficial de transacções públicas de valores mobiliários (Bolsa) Condições de Ingresso ciclo do ensino PERFIS SAÍDA ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: ANEXO N.º 10 Técnicas de Apoio à Gestão 2 Técnicas de Apoio à Gestão 2 Técnico de Apoio à Gestão (nível 3 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) de apoio à gestão é o profissional que no domínio das normas e técnicas adequadas bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, e com base nas ferramentas de apoio à gestão recolhe, organiza e trata a informação, preparandoa para aprovação da gestão das organizações, empresas ou serviços públicos, executando as decisões daí decorrentes Actividades Principais 1. Recolher e tratar a informação previsional dos e para os departamentos funcionais de forma a permitir a elaboração dos orçamentos operacionais e financeiros. 2. Colaborar com a Direcção, na elaboração dos pressupostos orçamentais e nas várias previsões, bem como na aplicação dos objectivos fixados para curto e médio prazo. 3. Manter actualizado o dossier de normas, processos e circuitos propondo alterações com vista à sua racionalização e qualidade. 4. Fazer estudos e prospecções de mercado, participando na elaboração do plano de marketing. 5. Colaborar no estudo e escolha de equipamentos e materiais. 6. Calcular e participar na uniformização de parâmetros de aprovisionamento e na previsão do consumo de materiais, peças e equipamentos de reserva, bem como analisar a evolução de consumos e participar na elaboração de cadernos de encargos. 7. Acompanhar a preparação dos elementos para entrada da empresa no mercado oficial de transacções públicas de valores mobiliários (Bolsa) Condições de Ingresso Progressão e Equivalência Escolar Progressão e Equivalência Escolar Itinerário de refª 8 Técnicas de Apoio à Gestão 1 Saída Profissional: Técnico de Apoio à Gestão (nível 3) LÍNGUAS, CULTURA E SOCIEDA UNIDAS Viver em Português Comunicar em: Francês ou Inglês ou Alemão Mundo Actual Matemática e Realidade Teoria Geral de Gestão Empresa e Sociedade Legislação Laboral e Contrato Social DURAÇÃO Itinerário de refª 9 Técnicas de Apoio à Gestão 2 Saída Profissional: Técnico de Apoio à Gestão (nível 3) LÍNGUAS E SOCIEDA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO UNIDAS Francês, Inglês ou Alemão Técnico Teoria Geral de Gestão Empresa e Sociedade Introdução à Estatística Legislação Laboral e Contrato Social DURAÇÃO 1 1

9 8282 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o de Dezembro de 2003 UNIDAS DURAÇÃO Tecnologias da Informação e Comunicação 136 Introdução à Contabilidade Contabilidade Geral Contabilidade Analítica Fiscalidade Direito Comercial e Cálculo Comercial e Financeiro Planeamento e Gestão Análise Financeira e Gestão Orçamental 47 Auditoria 47 Aplicações Informáticas Prática em Contexto de Formação Recolha e tratamento de dados Inventário Previsão orçamental Estudo e análise de mercados Análise de propostas e aquisição de equipamentos Aprovisionamento e gestão de stocks Valores mobiliários Projecto Final 1 [10] [10] [10] [10] [10] [] PRÁTICA Articular as propostas orçamentais, recorrendo a técnicas de optimização, elaborando programas operacionais. 5. Promover a execução e o controlo do plano de marketing. 6. Estabelecer circuitos documentais de forma a permitir a circulação de informação de gestão eficiente e em condições económicas optimizadas. 7. Coordenar equipas de trabalho no âmbito da organização Condições de Ingresso Nível 3 da área Progressão e Equivalência Escolar Definida em protocolo, com a instituição de ensino superior, a equivalência de formação resultante da conclusão com aproveitamento do curso de especialização tecnológica. Itinerário de refª 10 Gestão Saída Profissional: Técnico de Gestão (nível 4) UNIDAS DURAÇÃO LÍNGUAS E Metodologias de Comunicação SOCIEDA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Liderança e Gestão de Grupos nas Organizações Ciências Básicas: ANEXO N.º 11 Gestão Contabilidade Geral Fiscalidade Matemática Financeira e Estatística Empresa e Estratégia Empresarial PERFIS SAÍDA Gestão Financeira ÁREA : ITINERÁRIO QUALIFICAÇÃO: Gestão Técnico de Gestão (nível 4 ) Descrição Geral O(a) técnico(a) de gestão é o profissional que, no domínio das técnicas e procedimentos adequados bem como nas normas de higiene, segurança e ambiente, prepara, promove e executa decisões de gestão, nomeadamente ao nível do processo da compra, do processo de gestão interna e do processo de controlo da produção e do marketing, assegurando também a representação interna ou externa de acordo com as orientações da organização. E Tecnologias de Informação e Comunicação Contabilidade Analítica e Gestão Orçamental Legislação Laboral, Comercial e Administrativa Sistemas de Controlo de Gestão Gestão de Recursos Informáticos Gestão de Projectos Financeiros Marketing Actividades Principais 1. Assegurar a representação da organização com interlocutores, internos e externos, em língua portuguesa ou estrangeira. 2. Produzir os dados de gestão nomeadamente de relatórios periódicos das situações económicofinanceiras, higiene saúde e segurança, prevenção e ambiente, qualidade, vendas e produção, através de orçamentos, planos de acção, inventários e propostas. 3. Recolher e tratar a informação previsional dos departamentos funcionais de forma a permitir a elaboração dos orçamentos operacionais e financeiros. Prática em Contexto de Formação Projecto Final 1 PRÁTICA 5 1 5

10

2658 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 61 29 de Março de 2005 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO

2658 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 61 29 de Março de 2005 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO 2658 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 61 29 de Março de 05 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDAS ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO Portaria n. o 326/05 de 29 de Março Considerando que o DecretoLei n. o 5/96,

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES N. o 64 1 de Abril de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2773 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 342/2005 de 1 de Abril

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 O Plano Regional de Emprego, aprovado pela Resolução n.º 122/2003, de 9 de Outubro, visa, através de um conjunto de medidas estruturantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 4470 Diário da República, 1.ª série N.º 178 15 de Setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 267/2011 de 15 de Setembro Tendo em conta o reajustamento da organização curricular dos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO -

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201 SEPARATA N. o 5 28 novembro 201 Propriedade Ministério d Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação PROPOSTA DE DECRETO-LEI QUE ESTABELECE O REGIME DE REGULAÇÃO DO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho A estratégia de desenvolvimento sustentável e harmonioso do país, tendo por paradigma a melhoria contínua das condições de vida dos cabo-verdianos, só pode ser bem

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO 2898 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2008 22 de Abril de 2003. A convenção inicial e as alterações foram oportunamente objecto de extensão. Entretanto, a mesma associação de empregadores

Leia mais

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Decreto-Lei n.º 329/98 de 2 de Novembre. Regime de frequência da disciplina de Educação Moral e Religiosa

Decreto-Lei n.º 329/98 de 2 de Novembre. Regime de frequência da disciplina de Educação Moral e Religiosa Decreto-Lei n.º 329/98 de 2 de Novembre Regime de frequência da disciplina de Educação Moral e Religiosa A Constituição da República Portuguesa consagra no seu artigo 41.º a inviolabilidade da liberdade

Leia mais

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro Ministérios das Finanças e da Economia Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro O Decreto-Lei n.º 70-B/2000, de 5 de Maio, aprovou o enquadramento das medidas de política económica para o desenvolvimento

Leia mais

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 21. Segunda-feira, 23 de Maio de 2016

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 21. Segunda-feira, 23 de Maio de 2016 21 Número 21 I SÉRIE do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, constituído pelas séries I e II Segunda-feira, 23 de Maio de 2016 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1991

ACORDO DE POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1991 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1991 LISBOA No contexto da execução do Acordo Económico e Social celebrado em 19 de Outubro de 1990 entre o Governo,

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 II SÉRIE Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral da Administração Escolar: Aviso n.º 6472-A/2014: Abertura do concurso externo

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- Aprova a Estrutura da Inspecção-Geral de Jogos Considerando

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

Protocolo. Carreiras Profissionais

Protocolo. Carreiras Profissionais Protocolo Carreiras Profissionais A TAP e o SITAVA acordam o seguinte: 1. São criadas as seguintes novas categorias profissionais, com a caracterização funcional estabelecida em anexo: a) Analista Programador

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2.

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2. Quarta-Feira, 27 de Julho de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 13 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento constitui-se como um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que específica as normas que

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

3084 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 125 29-5-1999

3084 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 125 29-5-1999 3084 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 125 29-5-1999 Portaria n. o 397/99 de 29 de Maio Sob proposta do Instituto Politécnico de Beja e da sua Escola Superior de Tecnologia e Gestão; Considerando o disposto

Leia mais

( DR N.º 191, Série I 2 Outubro 2008 2 Outubro 2008 )

( DR N.º 191, Série I 2 Outubro 2008 2 Outubro 2008 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 1103/2008, de 2 de Outubro, Estabelece o regime de concessão dos apoios técnicos e financeiros das medidas INOV-JOVEM, INOV Contacto, INOV Vasco da Gama, INOV-ART e INOV Mundus

Leia mais

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura 1. Enquadramento legal do Projecto Dinamizar Considerando o contrato de delegação de competências da Comissão Directiva do POPH

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

MINISTÉRIOS DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO 3638 Diário da República, 1.ª série N.º 118 21 de Junho de 2011 Artigo 25.º Enfermeiros em mobilidade Os enfermeiros que exerçam funções não incluídas no âmbito da prestação de cuidados de saúde em órgãos

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais