INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL. Departamento de Ensino. Curso de Formação de Especialista em Homeopatia para Farmacêutico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL. Departamento de Ensino. Curso de Formação de Especialista em Homeopatia para Farmacêutico"

Transcrição

1 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino Curso de Formação de Especialista em Homeopatia para Farmacêutico QUALIDADE EM MARKETING DE SERVIÇO FARMACÊUTICO JULIANA GONÇALVES MACHADO PINNA RICARDO DE MELO PINNA Rio de Janeiro 2015

2 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino Curso de Formação de Especialista em Homeopatia para Farmacêutico MONOGRAFIA QUALIDADE EM MARKETING DE SERVIÇO FARMACÊUTICO JULIANA GONÇALVES MACHADO PINNA RICARDO DE MELO PINNA Orientador: Fortune Homsani Monografia submetida como requisito parcial para obtenção do certificado de conclusão do curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia área Farmácia. Rio de Janeiro 2015

3 Pinna, Juliana Gonçalves Machado Qualidade em Marketing de Serviço Farmacêutico / Juliana Gonçalves Machado Pinna, Ricardo de Melo Pinna, Fortune Homsani Rio de Janeiro / RJ. Instituto Hahnemanniano do Brasil, p Bibliografia: 51 p 1. Qualidade e Produtividade. 2. Atenção Farmacêutica. 3. Marketing em Farmácias I. Pinna, Juliana Gonçalves Machado. II. Pinna, Ricardo de Melo. III. Instituto Hahnemanianno.

4 INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino Curso de Formação de Especialista em Homeopatia para Farmacêutico MONOGRAFIA QUALIDADE EM MARKETING DE SERVIÇO FARMACÊUTICO JULIANA GONÇALVES MACHADO PINNA RICARDO DE MELO PINNA MONOGRAFIA APROVADA EM / / Fortune Homsani Mestre Instituto Hahnemanniano do Brasil (Orientadora) Tereza Cristina de Andrade Leitão Aguiar Mestre Instituto Hahnemanniano do Brasil (Coordenadora)

5 AGRADECIMENTOS A Deus, o que seria de nós sem a fé que temos dele. Aos nossos pais que nos ensinaram a não desistir jamais. A professora Fortune pela orientação que tornou possível a conclusão desta monografia. Aos professores do Instituto Hahnemanniano do Brasil e aos funcionários da Farmácia Escola pelos ensinamentos, paciência e carinho.

6 RESUMO O objetivo do presente estudo foi avaliar a qualidade, produtividade e a importância do marketing de serviços no mercado magistral. A avaliação da Atenção Farmacêutica prestada pelos profissionais de farmácia se apresenta como uma ferramenta valiosa para o mapeamento da Qualidade em Serviços no setor farmacêutico. Qualquer empresa, independente do ramo da atividade, pode implantar um bom plano de qualidade em serviços. A boa execução deste plano trará para empresa uma vantagem competitiva muito importante em relação aos seus concorrentes. Com base nos resultados do trabalho aqui apresentado, enumeramos os passos mais importantes para a elaboração de um plano de qualidade em serviços: conhecer os desejos e necessidade do cliente, ajustar a produção de bens ou serviços para atender essas necessidades, desenvolver uma estratégia de serviços, comprometer e treinar os funcionários para o bom atendimento aos clientes, dar responsabilidade ao pessoal da linha de frente, desenvolver sistemas voltados para o cliente, montar um plano de relacionamento pós-venda, criar um sistema de acompanhamento. Sendo assim, o profissional de marketing precisa estar atualizado e atento ao desenvolvimento de novas ações visando à qualidade no atendimento ao cliente. Palavras chave: qualidade em serviços, produtividade, atendimento ao cliente.

7 ABSTRACT The aim of this study was to evaluate the quality, productivity and the importance of marketing services in masterful market. The assessment of pharmaceutical care provided by pharmacy professionals is presented as a valuable tool for mapping the Quality Services in the pharmaceutical sector. Any company, regardless of the activity of the branch, can deploy a good quality plan services. Successful implementation of this plan will bring company a very important competitive advantage over their competitors. Based on the results of the work presented here, we list the most important steps for the development of a quality plan in services: meet the desires and needs of the client, adjust the production of goods or services to meet those needs, develop a strategy services, engage and train employees for good customer service, give responsibility to the frontline staff, developing systems geared to the client, mount a post-sale relationship plan, set up a monitoring system. Thus, the marketer needs to be updated and aware of the development of new actions to quality customer service. Keywords: service quality, productivity, customer service.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS B2B TQM OPAS OMS MS COMFAR CFF Popai Brasil Business-to-business Total quality management Organização Pan-Americana de Saúde Organização Mundial da Saúde Ministério da Saúde Comissão de Farmácia Conselho Federal de Farmácia Perfil do usuário de farmácia

9 SUMÁRIO Introdução Metodologia Capítulo I Comportamento do consumidor em encontro de serviços Capítulo II Mix de comunicação de marketing Capítulo III Qualidade e produtividade do serviço Capítulo IV Atenção Farmacêutica Capítulo V Marketing em Farmácias Conclusão Bibliografia consultada Bibliografia citada

10 10 INTRODUÇÃO O setor de serviços vem passando por mudanças quase revolucionárias, que afetam drasticamente o modo de viver e trabalhar de pequenas e grandes empresas. Novos serviços são lançados continuamente para satisfazer as necessidades existentes nos clientes e outras que nem mesmo eles sabiam que existiam. Há menos de dez anos, poucas pessoas preveriam a necessidade de , serviços bancários on-line, hospedagem de sites na Web e muitos outros serviços. Transformações semelhantes estão ocorrendo em mercados B2B (business-tobusiness). O tamanho das organizações de serviços varia muito. Em uma extremidade da escala estão as gigantescas corporações internacionais que operam em setores como transporte aéreo, bancário, seguros, telecomunicações e hotéis. Na outra extremidade da escala existe um vasto conjunto de pequenas empresas de propriedade e operações locais, incluindo restaurantes, farmácias, salões de beleza e numerosos outros serviços B2B, sendo estes alguns exemplos. O termo tecnologia, como é usado comumente, refere-se à aplicação prática de ferramentas e de procedimentos de ponta. Inovadores provedores de serviços estão interessados em como podem usar novos desenvolvimentos tecnológicos para automatizar e acelerar processos, reduzir custos (e talvez preços finais), facilitar a entrega dos serviços, manter um relacionamento mais próximo com seus clientes, lhes oferecer mais conveniência, agregar mais atrativos a produtos existentes e possibilitar o desenvolvimento de novos tipos de serviços. O profissional de marketing é alguém que busca uma resposta (atenção, compra, voto, doação) de outra parte, denominada cliente potencial (prospect). Se duas partes estão buscando vender algo uma para a outra, denominamos ambas de profissionais de marketing. Os profissionais de marketing precisam tentar compreender as necessidades do mercado-alvo, seus desejos e suas demandas. Necessidades descrevem exigências humanas básicas. As pessoas precisam de comida, ar, água, roupa e abrigo para sobreviver. Elas também têm uma necessidade muito grande de recreação, educação e entretenimento. Essas necessidades se tornam desejos

11 11 quando são dirigidas a objetos específicos de satisfazê-las. Desejos são moldados pela sociedade em que se vive. Profissionais de marketing não criam necessidades: as necessidades existem antes dos profissionais de marketing. Os profissionais de marketing, paralelamente a outras influências da sociedade, influenciam desejos e podem reduzir o risco percebido pelos clientes antes da compra de um serviço ajudando-os a ajustar suas necessidades às características específicas do serviço e educando-os quanto ao que esperar tanto durante como após a entrega do serviço. Uma empresa que desenvolve uma reputação de tratamento atencioso e ético conquistará a confiança de seus clientes existentes e se beneficiará da propaganda boca a boca. Nenhuma empresa que busque relacionamentos de longo prazo com clientes ou funcionários pode se dar ao luxo de maltratá-los ou de proporcionar constantemente pouco valor. Mais cedo ou mais tarde, enganar ou maltratar clientes e funcionários provavelmente repercutirá em desvantagem para a empresa. Por conseguinte, as empresas necessitam de um conjunto de valores morais e juridicamente justificáveis para guiar suas ações e modelar suas tratativas com funcionários e com clientes. Um modo útil de pensar em valores é considerá-los como crenças subjacentes sobre como a vida deve ser vivida, como as pessoas devem ser tratadas e como as empresas devem ser administradas. Na medida do possível, seria sensato da parte dos gerentes, que usassem os valores de sua empresa como ponto de referência para recrutar e motivar funcionários. O produto ou oferta alcançará êxito se proporcionar valor e satisfação ao público-alvo. O comprador escolhe entre diferentes ofertas com base naquilo que lhe parece proporcionar maior valor. O varejo de bens é um serviço caracteristicamente marcado pela simultaneidade produção-consumo e pelo uso intensivo de mão-de-obra, em que as falhas ocorrem com certa frequência. Por sua natureza dinâmica e altamente competitiva, esse é um setor cuja essência está na construção de uma base de clientes fiéis, o que constitui tarefa cada vez mais difícil para os varejistas, devido ao amplo número de opções de compras que os clientes têm à disposição. Alguns

12 12 autores defendem que a preservação da fidelidade dos clientes pode ser obtida por meio da busca da sua satisfação total, mediante a compreensão do que lhes é importante, do estabelecimento de padrões de qualidade e da implementação de uma estratégia de recuperação de falhas. O mercado farmacêutico vem crescendo ao longo do tempo e a importância dos serviços prestados no setor farmacêutico de farmácias magistrais, torna cada vez mais relevante os estudos para medir a qualidade daquilo que se entrega ao cliente. O setor farmacêutico que não pode andar na contramão da história, vem buscando medidas estratégicas na prestação de serviços farmacêuticos através de uma comunicação eficaz com os clientes. Ironia, o atendimento direto prestado pelos farmacêuticos ao longo de décadas, se pensado estrategicamente, é a chave para o marketing de serviços, capaz de agregar valor e fortalecer o relacionamento com os clientes. A Atenção Farmacêutica pode ser a base para a interação com os clientes e além de um serviço de promoção à saúde, uma estratégia de marketing de relacionamento e de fidelização dos clientes. Atualmente, com a grande quantidade de farmácias magistrais, o valor percebido pelos clientes no momento de sua experiência de consumo, é definitivamente, um importante diferencial competitivo no varejo farmacêutico. A qualidade em serviço no varejo farmacêutico, através da Atenção Farmacêutica, deve fortalecer a idéia de que uma empresa se diferencie das outras através da retenção dos clientes, que é a melhor medida da capacidade de uma empresa conservar seus clientes, dependendo do grau de consistência com que lhes entrega valor. As melhores empresas do setor magistral serão aquelas que investirem na qualidade do serviço de atendimento dispensado por seus colaboradores e da Atenção Farmacêutica prestada pelos farmacêuticos, tendo como meta atingir altos padrões de eficiência, oriundos de investimento em treinamentos e cultura de orientação para os clientes. No primeiro capítulo propõe um tema que percorrerá todo o estudo: focalizar o cliente. O capítulo 2 mostra a necessidade de avaliar como as organizações devem elaborar o mix de comunicação para serviços.

13 13 O capítulo 3 mostra os desafios envolvidos na melhoria da produtividade e da qualidade em organizações de serviço. A Atenção Farmacêutica será discutida no quarto capítulo e o marketing em farmácias será abordado no quinto e último capítulo. As ferramentas e estratégias de marketing que serão mostrados nos capítulos subseqüentes enfatizam o foco sobre o cliente e uma orientação dinâmica competitiva. A integração efetiva de atividades de marketing com atividades de operações e recursos humanos, requer que profissionais de marketing trabalhem em franca colaboração com a equipe para garantir que o projeto e a entrega do serviço atinjam o equilíbrio ou melhor, ainda, a sinergia - entre qualidade e produtividade.

14 14 METODOLOGIA A metodologia empregada foi a de estudo bibliográfico, internet e artigos de profissionais ligados ao tema. Os principais autores e teóricos utilizados nesta pesquisa foram: Philip Kotler, Christian Grönroos, Christopher Lovelock e Jochen Wirtz.

15 15 CAPÍTULO I COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR EM ENCONTROS DE SERVIÇOS O mundo todo é um palco, e homens e mulheres, não mais que meros atores; entram e saem de cena e durante sua vida nada mais fazem do que desemprenhar muitos papéis. - WILLIAM SHAKESPEARE O propósito do marketing é satisfazer as necessidades e os desejos dos clientes-alvo. O campo do comportamento do consumidor estuda como pessoas, grupos e organizações selecionam, compram, usam e descartam artigos, serviços, ideias ou experiências para satisfazer suas necessidades e seus desejos. Entender o comportamento do consumidor e conhecer os clientes não são tarefas simples. Os clientes podem dizer uma coisa e fazer outra. Eles podem não ter consciência de suas motivações mais profundas. Podem responder a influências que façam com que mudem de ideia no último minuto. O comportamento de compra do consumidor é influenciado por fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos. Os fatores culturais exercem a maior e mais profunda influência. Richard Normann tomou emprestada das touradas a metáfora hora da verdade para mostrar a importância de pontos de contato com clientes. Ele descreve: [Poderíamos] dizer que a qualidade percebida é realizada na hora da verdade, quando o provedor do serviço e o cliente do serviço se confrontam na arena. Naquele instante, eles estão inteiramente por sua própria conta(...)são a habilidade, a motivação e as ferramentas empregadas pelo representante da empresa e as expectativas e comportamento do cliente que, juntos, criarão o processo de entrega do serviço.

16 16 As expectativas de clientes sobre o que constitui um bom serviço variam de uma empresa para outra. Por exemplo, embora contabilidade e cirurgia veterinária sejam ambos serviços profissionais, a experiência de fazer uma reunião com um contador para falar sobre imposto de renda tende a ser muito diferente da experiência de ir a um veterinário para tratar seu animal de estimação que está doente. Expectativas também tendem a variar em relação a provedores de serviços cujos posicionamentos são diferentes em um mesmo setor. Viajantes podem esperar serviço sem supérfluos em um voo doméstico de curta duração por uma empresa aérea de desconto, mas sem dúvida ficariam muito insatisfeitos com esse mesmo nível de serviço, ainda que na classe econômica, em uma empresa de serviços completos que voa de Los Angeles a Sydney ou de Toronto a Paris. Assim, é muito importante que os profissionais de marketing entendam as expectativas dos clientes em relação às ofertas de serviço de suas próprias empresas, em especial no que se refere ao desempenho em elementos específicos de produtos. Expectativas mudam ao longo do tempo, influenciadas por fatores controlados pelo fornecedor, com propaganda, determinação de preços, novas tecnologias e inovações em serviços, bem como por tendência sociais, organizações de defesa do consumidor e mais acesso a informações pela mídia e pela internet. Por exemplo, consumidores de serviços de saúde agora estão mais bem informados e frequentemente procuram desempenhar um papel mais participativo em decisões relativas a tratamento médico. Expectativas de clientes abrangem diversos elementos, incluindo serviço desejado, serviço adequado, serviço previsto e uma zona de tolerância que fica entre os níveis de serviço desejado e adequado.

17 17 Figura 1..Fonte: Adaptado de Valarie A. Zeithaml, Leonard A. Berry e A. Parasuraman, The nature and determinants of customer expectations of servisse, Journal of the Academy of Marketing Science, 21, n. 1, 1993, p O setor farmacêutico possui características muito peculiares e de grandes diferenças se comparado aos outros comércios. Por se tratar da área da saúde, além de vender produtos é também um prestador de serviços, necessitando assim, de manter em seu quadro funcionários qualificados para vender, com conhecimentos técnicos da área farmacêutica e habilidades específicas para aplicar injeções, verificar pressão arterial e outras atividades específicas da área. O setor em que se encontra a farmácia possui algumas situações de particularidade em relação aos demais comércios e à indústria. A prestação de serviços em farmácias, além dos aspectos de qualidade em venda de produtos, expectativas dos clientes muito mais subjetivas e variáveis que vão além da própria manufatura de produtos. Na farmácia estão envolvidos sentimentos como empatia e sensibilidade, aspectos intangíveis, que são extremamente difíceis de serem alcançados. Além disso, trata-se de um comércio que não atende apenas um tipo de público, não podendo direcionar sua forma de atendimento, como acontece, por exemplo, no comércio de roupas para bebês ou roupas para adolescentes surfistas. Isto é, todos são clientes de Farmácia com todos os tipos de perfis e características:

18 18 classe social alta, baixa, média; homens, mulheres, crianças, adolescentes; com nível de escolaridade alta, baixa ou analfabetos; hábitos de consumo variados; homossexuais ou heterossexuais; e assim por diante. Pode-se, portanto, observar que tanto farmacêuticos, quanto os gerentes, proprietários ou balconistas precisam de uma qualificação específica, relacionada aos conhecimentos técnicos, e ao o atendimento diferenciado aos clientes. Estes fatores acabam desembocando num problema para o setor, pois, por se tratar de um público tão heterogêneo e eclético, torna-se necessário e primordial o estudo e o conhecimento do comportamento do consumidor deste ramo varejista. Pensa-se que a melhoria técnica de atendimento dos balconistas em farmácias pode gerar uma venda mais eficiente e mais produtiva nessa área empresarial, com vendas específicas para homens, mulheres e crianças. Os farmacêuticos têm responsabilidade de conhecer as expectativas dos clientes, de satisfazê-las e ainda de superá-las. Para o farmacêutico, como profissional de saúde, a Atenção Farmacêutica torna-se ainda mais importante, já que a sensibilidade é a base da percepção que irá diferenciar a farmácia magistral como lugar daqueles que cuidam da saúde ou lugar daqueles que estão doentes. O serviço quando se avalia a Atenção Farmacêutica compreende a prevenção, a detecção e a resolução de problemas relacionados a medicamentos, a promoção do uso racional dos medicamentos, situações de risco pelo uso incorreto de medicamentos, auto-medicação e a avaliação da eficácia de tratamento prescrito por profissional habilitado. As necessidades e expectativas dos clientes, atuais e potenciais, de exclientes e de usuários do serviço devem ser identificadas, analisadas, compreendidas e utilizadas para a definição de melhorias com relação aos produtos e processos de cada organização, incluindo as do varejo farmacêutico. Os farmacêuticos, através da prestação de serviços farmacêuticos, a medida que participam do cotidiano da população atendida pela farmácia pode reconhecer as necessidades dos clientes, formando um perfil de atendimento que responde aos anseios e necessidades dos clientes. Através do conhecimento do comportamento do consumidor, ações de marketing e de Atenção Farmacêutica podem ser

19 19 elaboradas buscando o encantamento dos clientes e a superação de suas expectativas. Partindo do princípio que consumidores são pessoas que compram bens e serviços para si mesmas e/ ou para outros, não com o objetivo de revender ou usar como insumos, Churchill (2000) afirma que, para criar valor para os consumidores e lucros para as organizações, os profissionais de marketing precisam entender porque os consumidores compram determinados produtos e não outros. E para obter esse entendimento estuda-se o comportamento do consumidor, ou seja os pensamentos, sentimentos e ações dos consumidores e as influências sobre eles que determinam mudanças. Em outras palavras, Kotler (2007) define o comportamento do consumidor, como o campo que estuda como pessoas, grupos e organizações selecionam, compram, usam e descartam artigos, serviços, ideias ou experiências para satisfazer suas necessidades e desejos. Conforme o autor, é benéfico estudar o cliente, pois é o estudo que fornece dados, informações, direções e decisões para o desenvolvimento de novos produtos, características de produtos, preços, canais de distribuição, mensagens e outros elementos do Mix do Marketing. Por outro lado, no parecer de Sheth (2001), o estudo do comportamento do consumidor deve ir além. Conforme suas explicações, o termo consumidor convencionalmente é usado para se referir apenas aos mercados de bens de consumo e o termo usado para mercado industrial tem sido cliente. Afirma também que o termo consumidor é mais utilizado didaticamente, mas nos negócios utiliza-se o termo cliente, exceto em alguns casos que são chamados de pacientes, alunos, doadores. Assim, em sua obra o autor citado, considera ser necessário superar essa divergência e adota o termo cliente abrangendo todas as situações. Consequentemente elabora suas definições com base em comportamentos do cliente ao invés de comportamento do consumidor. Desta forma, para ele, o comportamento do cliente é definido como as atividades físicas e mentais realizadas por clientes de bens de consumo e industriais que resultam em decisões e ações, como comprar e utilizar produtos e serviços, bem como pagar por eles.

20 20 Para Lovelock (2007), entender o comportamento do consumidor está no coração do marketing. Há diferenças acentuadas entre encontros de alto e baixo contato entre clientes e organizações de serviço. Clientes acham difícil avaliar serviços antes da compra, mas sempre têm certas expectativas. Muitos autores consideram que o processo de conhecer e consumir um produto ou serviço, passa pela necessidade de informações sobre o que se vai consumir. Para isso os gerentes de Marketing procuram determinar antecipadamente como a informação chegará ao consumidor. Essa informação passa pelo Marketing dos produtos, mas passa também e principalmente pelo atendimento a esse consumidor.

21 21 CAPÍTULO II MIX DE COMUNICAÇÕES DE MARKETING A vida é para uma geração; um bom nome é para sempre. - Provérbio Japonês Ferramentas de comunicação de marketing são especialmente importantes em um ambiente de serviços porque ajudam a criar imagens poderosas e um sentido de credibilidade, confiança e tranqüilidade. Comunicações de marketing, de uma forma ou de outra, são essenciais para o sucesso de uma empresa. Sem uma comunicação eficaz, clientes potenciais talvez nem tomem conhecimento da existência de uma empresa de serviços, daquilo que ela tem para lhes oferecer ou de como utilizar seus produtos para obter o melhor proveito. Clientes poderiam ser atraídos com mais facilidade por concorrentes e ofertas competitivas e não haveria nenhum gerenciamento proativo nem controle da identidade da empresa. A comunicação de marketing já não pode mais ser definida em sentido tão estrito como era antes. Hoje, a comunicação de marketing entre uma empresa de serviços e seus clientes pode tomar muitas formas. Empresas podem informar a clientes existentes ou potenciais as características e os benefícios de seus serviços, seus preços e outros custos, bem como as opções de entrega de serviço. Profissionais de marketing também podem elaborar argumentos persuasivos que incentivem a utilização de determinado serviço ou reforcem preferências de clientes para marcas específicas. - Agregando valor por meio de conteúdo de comunicação Informação e consulta são modos importantes de agregar valor a um produto. Clientes potenciais podem precisar de informações e conselhos sobre onde, quando e quais opções de serviço estão disponíveis para eles, quanto custam, quais são as características e as funções específicas e quais os benefícios específicos do serviço. Empresas também utilizam comunicações de marketing para persuadir clientes-alvo

22 22 de que suas ofertas de produto que é serviço são a melhor solução para satisfazer as necessidades desses clientes em relação às ofertas de outras empresas. Esforços de comunicação servem não apenas para atrair novos usuários, mas também para manter contato e desenvolver relacionamentos com clientes existentes de uma organização. Cultivar relacionamentos com clientes depende de um banco de dados de clientes abrangente e atualizado e da habilidade de utilizá-lo de modo personalizado. Técnicas para manter a empresa em contato com clientes e desenvolver sua fidelidade incluem mala direta e contatos por telefone ou outras formas de telecomunicações, entre elas fax, e sites Web. Médicos, dentistas e serviços profissionais de manutenção domiciliar enviam lembretes a seus clientes para que eles não se esqueçam de seus ceck-ups anuais. Algumas empresas enviam até mesmo cartões de aniversário a clientes importantes. Bancos e fornecedoras de serviços públicos costumam acrescentar um breve comunicado a seus extratos de contas ou imprimem informações customizadas em cada extrato em um esforço de venda cruzada de serviços adicionais. - Decisões sobre o mix de comunicação em farmácias Para que seja possível informar ao público-alvo o que a empresa tem a oferecer em termos de produtos, serviços, preços e localização, são necessários ao estabelecimento ter formas de comunicação coerentes com o perfil de quem irá receber estas mensagens e de acordo com o posicionamento estratégico da empresa. Sendo as ferramentas para tal finalidade denominadas genericamente de composto promocional de marketing, cabe, então, ao gestor optar por certas formas de contato e comunicação com o seu cliente. Para tal, devem ser considerados os recursos financeiros e de pessoal disponíveis, possíveis parcerias, tamanho da empresa, flexibilidade, formas de controle, custo por contato, continuidade, etc. Diferentemente de outros segmentos, na definição de um plano de comunicação no varejo farmacêutico, é preciso levar em consideração algumas

23 23 características inerentes ao setor, tais como público concentrado, ampla variedade de itens para comercialização, produtos dependentes de prescrição médica para dispensação, possibilidade de trabalhos cooperados com a indústria farmacêutica e distribuidores, etc., além das limitações éticas e legais à divulgação de medicamentos. Assim, os elementos promocionais compreendidos pela propaganda, promoção de vendas, relações públicas, patrocínio de eventos, marketing direto ou digital e vendas pessoais devem ser harmonizados, de tal forma que cumpram o seu papel na criação de uma imagem diferenciada da empresa na mente do consumidor. - Supere os problemas da intangibilidade Como são desempenhos e não objetos,pode ser difícil comunicar os benefícios de serviços a clientes. Banwari Mittal sugere que essa intangibilidade cria quatro problemas para profissionais de marketing que procuram promover atributos ou benefícios de serviços: abstratividade, generalidade, impossibilidade de pesquisa e impalpabilidade mental. Enfatizando que profissionais de marketing de serviços precisam criar mensagens que comuniquem com clareza atributos e benefícios de serviço a clientes potenciais. Generalidade refere-se a itens que compreendem uma classe de objetos, pessoas ou eventos por exemplo, poltronas em aviões, comissários e serviços de bordo. Essas classes gerais têm análogos físicos, e a maioria dos consumidores do serviço sabe quais são eles, mas uma tarefa fundamental para profissionais de marketing é comunicar o que torna uma oferta específica distintamente diferente (e superior) em relação a ofertas concorrentes. Impossibilidade de pesquisa refere-se ao fato de que elementos intangíveis não podem ser pesquisados ou inspecionados antes da compra. Atributos físicos de serviço, como a aparência de uma academia de ginástica e o tipo de equipamentos instalados, podem ser verificados com antecedência, mas a experiência de trabalhar com os instrutores só pode ser determinada pela experiência. Abstratividade refere-se a conceitos como segurança financeira, consultoria especializada ou transporte seguro, que não têm correspondência recíproca com

24 24 objetos físicos. Portanto, pode ser desafiador para profissionais de marketing conectar seus serviços com esses conceitos. Impalpabilidade mental refere-se ao fato de que muitos serviços são tão complexos, multidimensionais ou novos que se torna difícil para os consumidores entenderem como seria a experiência de utilizá-los e quais benefícios resultariam disso. Esse fator é especialmente relevante para novos clientes potenciais. Entre as estratégias comumente usadas na propaganda estão a utilização de pistas tangíveis sempre que possível, em especial para serviços de baixo contato que envolvem poucos elementos tangíveis. Também é útil incluir informações vívidas que prendam a atenção do público e produzam uma impressão clara e forte sobre seus sentimentos, em especial para serviços complexos e de alto grau de intangibilidade. Algumas empresas criaram metáforas de natureza tangível que ajudam a comunicar os benefícios de suas ofertas de serviço. Companhias seguradoras frequentemente utilizam essa abordagem para promover seus produtos de alto grau de intangibilidade. - Fatores para estabelecimento do mix de comunicação de marketing As empresas precisam considerar diversos fatores no desenvolvimento do mix de promoção: o tipo de mercado de produto se utilizarão uma estratégia de pressão ou uma estratégia de atração, a rapidez do consumidor em fazer uma compra, o estágio do ciclo de vida do produto e a classificação da empresa no mercado. - Tipo de mercado de produto As alocações promocionais variam do mercado consumidor para o empresarial. Empresas que vendem ao consumidor final gastam mais com promoção de vendas, propaganda, vendas pessoais e relações públicas, nessa ordem. Empresas que têm como clientes outras empresas gastam com vendas pessoais, promoção de vendas, propaganda e relações públicas, nessa ordem. Em geral, as vendas pessoais são mais utilizadas para mercadorias complexas, caras e

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais.

Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Sua empresa focada no seu core business. Otimização direcionada. Facility Management próximo aos seus processos operacionais. Transformando desafios em oportunidades. Novas dimensões de eficácia requerem

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS

O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS O desenvolvimento econômico e as novas formas de administração impulsionam mudanças de profundidade na área da qualidade. Armand V. Feigenbaum 1 Nas viagens

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados

MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados 1-OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Especializar profissionais com diploma do curso superior, que atuem nos setores empresariais, estratégicos, gerenciais e técnicos

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008 Gestão da Qualidade O que é Modelo de Gestão Todas as organizações tem seu modelo de gestão, normalmente derivado dos conhecimentos e experiências de sua equipe dirigente. Dificilmente esses modelos de

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo Bravante apresenta a todos os seus colaboradores o seu Código de Ética. O objetivo deste é definir com clareza os princípios e valores éticos que norteiam todos os procedimentos

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais