Adequação das Técnicas de Data Mining para a Análise da Informação na Medição de Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adequação das Técnicas de Data Mining para a Análise da Informação na Medição de Desempenho"

Transcrição

1 Adequação das Técnicas de Data Mining para a Análise da Informação na Medição de Desempenho Flavio Augusto Custodio (UFSCar) Roberto Antonio Martins (UFSCar) Antonio Carlos dos Santos (UFSCar) Resumo O objetivo deste artigo é discutir o uso de data mining na medição de desempenho.a medição tem passado por significativas mudanças desde a constatação da inadequação do sistema de medição de desempenho (SMD) tradicional, oriundo da Contabilidade Gerencial da década de 20 do século passado. Existem vários direcionadores dessas mudanças, sendo a tecnologia de informação (TI) uma deles. Apesar de não ser vital para a medição de desempenho, a TI pode ajudar de forma substancial as atividades de um SMD (processos de coleta de dados eficientes, armazenamento e gestão dos dados sobre desempenho e a disseminação dos resultados sobre desempenho). Uma das abordagens de TI úteis no processo de medição de desempenho é a data mining, pois ela explora bases de dados de desempenho históricas, armazenados em data warehouses ou data marts, para realizar diversas análises com o intuito de extrair informações úteis, tanto em quantidade e qualidade, para os tomadores de decisão. No artigo são exploradas as relações entre operações, técnicas e ferramentas mostrando possibilidades da data mining auxiliar a medição de desempenho. Palavras chave: Medição de desempenho; Data mining; Análise da informação. 1. Introdução Nos dias atuais as dinâmicas econômicas, sociais e políticas afetam o ambiente industrial e a vida das grandes companhias e cada vez mais as mudanças se aceleram. Dentro desse contexto, o sucesso das organizações vai depender da habilidade de reconhecer o ambiente em que estão operando e de se modificarem de acordo com a mudança desse mesmo ambiente (Neely, 1998). Para que seja possível reconhecer o ambiente e alterar de acordo com ele, é necessário tomar decisões baseadas no desempenho (Kaydos,1991). Por isso, para avaliar o desempenho apropriadamente, as medidas de desempenho podem ser de grande utilidade para gerar informação útil para a tomada de decisão visando o alcance de objetivos e metas da organização (LEBAS, 1995). A medição do desempenho aliada a uma arquitetura de informação facilita o uso das informações para a tomada de decisão (Eccles, 1991), porém o excesso de dados coletados e as várias perspectivas ou aspectos do desempenho podem dificultar o estabelecimento e análise dos relacionamentos entre os indicadores de desempenho e conseqüentemente reduzir a eficácia na geração de informação útil para a tomada de decisão (KUENG et al., 2001). Uma forma de superar essa dificuldade é a utilização de uma abordagem de apoio à decisão conhecida como data mining que pode extrair informações úteis de uma base de dados de desempenho, contidas em uma data warehouse ou data mart (Kueng et al., 2001), por meio de conjunto de técnicas presentes em uma operação analítica (modelagem preditiva, por exemplo) que delineia a análise do tomador de decisão (CABENA et al., 1997). Portanto, neste artigo são apresentados os tipos de operações analíticas, técnicas e ferramentas da abordagem data mining e são discutidas as possíveis aplicações na medição de desempenho. ENEGEP 2003 ABEPRO 1

2 O artigo é composto por uma fundamentação teórica em medição de desempenho mostrando a relevância da tecnologia de informação como um direcionador das mudanças ocorridas nesse campo a partir dos anos 90 do século passado. Também são apresentados a tecnologia de informação e o papel do sistema de apoio à decisão no auxílio à medição de desempenho. Posteriormente, é apresentada a abordagem data mining mostrando quando e como se deve aplicá-la. É mostrado o papel da data warehouse no uso da data mining e quais são as etapas de um projeto de data mining. Por fim, são discutidas as relações entre as operações analíticas, técnicas e ferramentas de data mining e o auxílio dessa na medição de desempenho. Conclusões serão feitas a partir da discussão. 2. Medição de Desempenho e o papel da Tecnologia de Informação A medição de desempenho (MD) é um tópico atual no campo da Engenharia de Produção e áreas afins. Ela é definida como um processo de quantificação da eficiência (quão economicamente os recursos são utilizados) e da eficácia (o quanto dos requerimentos dos clientes são realizados) das ações passadas (NEELY, 1995). Vários autores argumentam que a medição de desempenho vive uma revolução desde o início da década passada (Eccles, 1991; Sink, 1991; Neely, 1998; Neely, 1999). Sobre essa revolução, Neely (1999, p.208) apresenta um fato:... Dez anos atrás pouca menção sobre o desempenho não-financeiro era feita nos relatórios para os presidentes e executivos chefes. Recentemente, algumas organizações tem tornado mais explícito a ligação entre as dimensões financeiras e não-financeiras do desempenho.... A razão para essa revolução é a inadequação dos sistemas de medição de desempenho tradicionais desenvolvidos com base na Contabilidade Gerencial do início do século passado, coerente com o paradigma produtivo da produção em massa (MARTINS, 1998). As mudanças internas e externas no ambiente industrial mostraram a incompatibilidade dos princípios tayloristas com as novas demandas na indústria (Quadro 1): Princípios Tayloristas Mecanismos de desempenho são estáveis Acesso à informação completa sobre as tarefas Desempenho se reduz à minimização de custos Custo global é igual ao custo do fator predominante Fonte: Martins (1998). Novas Demandas Aumento da complexidade devido a aceleração da inovação tecnológica de produto e processo, diminuição do ciclo de vida dos produtos e aumento da concorrência no âmbito mundial Aumento da complexidade das tecnologias de produto e processo, crescimento do conteúdo de conhecimento das tarefas e surgimento de especialistas Adoção de estratégias de diferenciação devido ao aumento da concorrência que inverte a lógica do mercado (passa a ser regido pela demanda) O custo da mão de obra de indireta, dos equipamentos (amortização) e dos materiais cresceram e não existe mais o fator dominante Quadro 1 - Perda de Validade dos Princípios Tayloristas Essas mudanças no ambiente industrial se refletem na insatisfação no uso da Contabilidade Gerencial, por meio do intenso aumento das críticas, tanto acadêmicas e empresariais, a medição de desempenho financeira considerada obsoleta, voltada para uma perspectiva de curto prazo e com forte potencial de manipulação por meio dos relatórios financeiros (ECCLES, 1991). Ainda segundo esse mesmo autor, há uma maior preocupação gerencial sobre o fato das medidas de desempenho financeiro mostrarem apenas as conseqüências das decisões do passado e não indicarem o desempenho futuro. Decorrente desses fatores que geraram a inadequação houve então a necessidade de uma visão multidimensional e balanceada para acessar o desempenho levando ao surgimento de vários modelos, como por exemplo, o Balanced Scorecard desenvolvido por Kaplan e Norton, (1996). O objetivo dos modelos é ajudar as organizações a definirem um conjunto de medidas ENEGEP 2003 ABEPRO 2

3 de desempenho que reflitam os objetivos e avaliem o desempenho apropriadamente (KENNERLEY e NEELY, 2002). Pode-se constatar que os modelos de medição de desempenho eficazes e eficientes devem considerar os seguintes fatores que mudaram a realidade das organizações em sua maioria (NEELY, 1999): a mudança da natureza do trabalho; o aumento considerável da competição; as iniciativas de melhorias específicas; os prêmios da qualidade nacionais e internacionais; a mudança de foco do papel das organizações; a mudança de relacionamento das demandas externas; e o poder da tecnologia de informação. Como destaque a esses fatores de mudança tem-se o poder da tecnologia de informação. Apesar de não ser vital para a medição de desempenho, a tecnologia de informação pode ajudar de forma substancial as atividades de um SMD (KUENG et al., 2001). Segundo NEELY (1998, p.5),...um SMD deve possibilitar que decisões e ações sejam tomadas com base em informações porque ele quantifica a eficiência e a eficácia de decisões passadas por meio da aquisição, compilação, categorização, análise, interpretação e disseminação de dados adequados.... Portanto, a tecnologia de informação pode auxiliar uma SMD na automatização da atividade de obtenção de informações, o que Kueng et al.(2000) define como o processo de obtenção de dados relevantes de desempenho provenientes de diferentes recursos, podendo rapidamente comparar os valores atuais com dados históricos e metas e comunicar os resultados para os atores organizacionais. Tendo em vista as mudanças do ambiente industrial com o aumento da complexidade das organizações e a adoção de estratégias competitivas de diferenciação, a complexidade da medição de desempenho aumentou, resultando num conjunto de medidas de desempenho muito maior (Martins, 1998). Desta forma, fica um tanto quanto difícil manipular dados históricos sobre desempenho para identificação de padrões de relacionamento sem lançar mão de conceitos, técnicas e ferramentas da tecnologia de informação (KUENG et al., 20001). A tecnologia de informação agrega um conjunto de tecnologias como hardware, software, telecomunicações, redes de comunicação, workstation, robótica, os chips inteligentes, etc... que tornam possível o funcionamento de um sistema de informação (LAUDON e LAUDON, 2002). Um dos usos da tecnologia de informação é nos sistemas de apoio à decisão que evoluíram bastante nas últimas décadas. Esses sistemas baseados em computador auxiliam o processo decisório utilizando modelos e ferramentas analíticas para resolver problemas não estruturados em uma organização (JUNIOR et al., 2000; LAUDON e LAUDON, 2002). Os sistemas de apoio à decisão podem auxiliar o SMD de duas formas: a primeira é a construção de uma base de dados, como uma data warehouse, contendo os dados de desempenho que facilitam o uso de abordagens analíticas para a tomada de decisão; e a segunda é o enriquecimento de uma rede de relacionamentos entre medidas de desempenho pela realização de variadas atividades analíticas, onde se destaca a data mining. Essas atividades analíticas são complicadas e complexas de serem realizadas ou percebidas pelo ser humano sem requerer um certo grau de automação (KUENG et al., 2001). 3. Data Mining A data mining explora bases de dados históricas para obter padrões e relações existentes nesses dados com o propósito de auxiliar a tomada de decisão (CABENA et al.,1997; TANLER, 1997; LINDEN, 2001; LAUDON e LAUDON, 2002). Geralmente, ela é aplicada ENEGEP 2003 ABEPRO 3

4 numa base de dados, denominada data warehouse ou data mart, que é uma coleção de dados provenientes de múltiplas fontes de dados internos e externos, permitindo o uso de ferramentas analíticas para consultas estruturadas e ad-hoc, relatórios analíticos e suporte a decisão (Hardinjer e Inmon apud Costa et al., 2000). A base de dados pode ser centralizada ou descentralizadas em data marts presentes em áreas ou grupos de uma organização (GARDNER, 1998). A data warehouse, dentro do contexto organizacional, pode auxiliar a data mining da seguinte forma, como ilustra a Figura 1: Empresa Data Warehouse Bases de Dados Transacionais Sistema de Informação Gerencial Técnicas de Data Mining Data Mart. Outras Bases de Dados Missão Informação Fatores Críticos de Sucesso Informação Dados Objetivos do Negócio Define Define Sistema de Produção Medidas Estratégia dos Negócios Fonte: (Desenvolvido pelos autores) Figura 1. Data Warehouse no contexto organizacional A data warehouse pertence ao sistema de informação gerencial da empresa que é responsável pela transformação dos dados em informação útil para verificar se a estratégia de negócios está gerando os efeitos desejados na empresa. Um projeto de data mining pode ser realizado a partir de três possíveis métodos: o primeiro é o top-down, no qual são sugeridas hipóteses a serem validadas, caso não sejam é feita uma revisão e o lançamento de uma nova hipótese. O segundo método é o bottom-up, no qual os dados são analisados e extraídos padrões, duas vertentes surgem desse método que é o bottom-up supervisionado em que os tomadores de decisão têm uma idéia do que estão procurando e o bottom-up não-supervisionado em que os tomadores de decisão não têm idéia do que estão procurando. Existe um método híbrido, que combina os dois métodos apresentados, cuja análise dos dados e descoberta de padrões pode gerar hipóteses para serem validadas em um projeto de data mining (THURAISINGHAM, 1999). Um projeto de data mining apresenta diversas etapas de desenvolvimento, como ilustra a Figura 2. Convém destacar algo pouco mencionado em trabalhos acadêmicos, a necessidade da escolha das operações analíticas de data mining servindo como direcionador para análise dos resultados. Elas são baseadas na definição do problema, e na seleção e processamento dos dados: ENEGEP 2003 ABEPRO 4

5 Problem Definition Acquisition of Background Knowledge Selection of data Pré - processing of data Choosing of the Adequate Data Mining Operation Analysis and Interpretation Reporting and Use Fonte: (Adaptado de Feelders et al., 2000) Figura 2. Estágios do Processo de Data Mining Há três razões para desenvolver um projeto de data mining: a) visualização dos dados (qualificar e organizar os dados para melhor visualizá-los e também encontrar novas formas de visualizar); b) descoberta de novos conhecimentos (busca explicar relacionamentos ocultos, padrões e correlações entre diferentes dados existentes); e c) maior precisão dos dados (obter dados mais consistentes) (FILHO E SHIMIZU, 2002). Várias operações podem ser usadas no projeto de data mining, desde apenas uma até várias delas utilizadas (Cabena et al., 1997; Thuraisingham, 1999). O Quadro 2 apresenta as principais operações em um projeto de data mining: Operações Definição Técnicas Utilizadas Modelos Preditivos Predizer comportamentos ou resultados utilizando Classificação e Predição de valor dados históricos e técnicas de encadeamento lógico como redes neurais, árvore de decisão e métodos de regressão. Agrupamentos em base de dados Agrupa os dados em termos das características desejadas pelos decisores. Agrupamento via redes neurais e separação demográfica Análise de Associações Buscar padrões de relacionamentos entre o fator desejado pelos decisores e outros fatores pertencentes a base de dados construindo regras e condições para se obter o relacionamento. Descoberta de associação, descoberta de padrões seqüenciais e descoberta de seqüências similares no tempo. Detecção de desvios Busca desvios ou falhas em populações de dados. Estatística e visualização gráfica Fonte: (Cabena et al., 1997) Quadro 2. Possíveis operações em um projeto de data mining 4. O uso da data mining na medição de desempenho Para iniciar a discussão são apresentadas, no Quadro, 3 às técnicas de data mining e as possíveis aplicações na medição de desempenho. Uma análise desse quadro pode-se notar que a modelagem preditiva, que contém as técnicas de classificação e predição de valor, se aplica na medição de desempenho no estabelecimento do posicionamento de cada medida de desempenho no sistema de gestão da empresa e na predição da finalidade e do impacto gerado por cada medida e desempenho. O agrupamento de base de dados, que pode ser feita via rede neural ou demográfica, visa organizar os dados de desempenho proveniente de uma base de dados. A organização dos dados pretende facilitar e otimizar a análise perante o problema estabelecido no projeto de data mining. Geralmente, essa operação de data mining é acompanhada de outras operações. A análise de associações, como as associações simples, seqüenciais ou similares no tempo, visam estabelecer relacionamentos entre medidas de desempenho com o estabelecimento de uma regra que dita essa relação. Os relacionamentos entre as medidas podem ocorrer no mesmo ou em diferentes períodos, ou até mesmo com as mesmas medidas de desempenho atendendo a produtos ou processos diferentes. ENEGEP 2003 ABEPRO 5 time

6 Técnicas Definição Aplicações na medição de desempenho Classificação Consiste em determinar uma função ou critério que classifica um registro de dados em uma dentre diversas classes predefinidas Separação das medidas de resultado (lagging) e direcionadoras do resultado (leading) utilizando algum critério como tempo de espera da Predição de valor Agrupamento via redes neurais Separação Demográfica Descoberta de associação Descoberta de padrões seqüenciais Descoberta de seqüências similares no tempo Estatística Visualização Buscam predizer valores usando uma série de valores já existentes. Agrupamentos de inputs são apresentados e outputs passam a competir com outros até encontrar o mais adequado que torna à ligação mais próxima do input apresentado por meio das conexões com os respectivos pesos. Construir segmentos comparando cada registro de dados com todos os segmentos criados e depois adicioná-los a um deles ou criar um novo segmento caso não encontre compatibilidade. Têm o propósito de encontrar registros de dados que implicam na presença de outros registros da mesma transação. Detecta padrões entre registros de dados relacionado com um conjunto de outros registros em transações diferentes de uma base de dados em um dado período de tempo Encontra todas as ocorrências, similares ocorrências ou seqüências similares para uma seqüência alvo com dados em série temporal. Detecta a presença de dados estranhos ou inválidos e os possíveis vieses nos dados que podem inviabilizar a mineração de dados. Possibilita o usuário obter uma compreensão melhor e mais intuitiva dos dados e resultados apresentados. Fonte: (Cabena et al., 1997; Bispo, 1998; Felipe, 2000) resposta das medidas. Predizer uma medida de desempenho a partir de outras medidas relacionadas utilizando algum método de regressão. Rearranjo de dados numéricos de desempenho de uma data mart visando otimizar os relacionamentos entre as medidas de entrada, processo e saída. Agregação ou desagregação de dados de desempenho em classes baseadas em um critério visando atender alguma necessidade estratégica da companhia. Determinação de relacionamentos baseado em regras entre medidas de desempenhos em um mesmo evento. Determinação de relacionamentos baseado em regras entre medidas de desempenhos em eventos seqüenciais, ou seja, eventos ocorridos em tempos diferentes. Análise de valores de variáveis de desempenho em um período visando à descoberta de relacionamentos entre as variáveis. Útil na estimação da probabilidade de um relacionamento de causa e efeito ocorrer entre as medidas de desempenho. Apresentação dos resultados em formato gráfico, matriz ou tabela facilitando a análise de um maior número de variáveis de desempenho. Quadro 3. As técnicas de data mining e as aplicações na medição de desempenho. A detecção de desvios, com as técnicas estatísticas e de visualização, auxilia na determinação de probabilidades de um relacionamento entre medidas de desempenho, como também detectar pequenas flutuações nos dados de desempenho que podem indicar algum desvio ou vieses nos dados. Essa operação pode servir de apoio a outras operações como modelagem preditiva e análise de associações. Cada operação de data mining apresenta ferramentas (softwares, modelos etc.) que são utilizadas na realização da operação. O Quadro 4 apresenta as possíveis ferramentas utilizadas para cada operação. ENEGEP 2003 ABEPRO 6

7 Operações Modelagem Preditiva Agrupamento de base de dados Principais Ferramentas Classificação: Online Analytical Processing (OLAP), árvore de decisão ou rede neural. Predição de valor: regressão linear, não linear e múltipla. Via rede neural: método Kohonen. Separação demográfica: Condorset Análise de Associações Detecção de desvios Market Basket Analysis, Inductive Logic Programming. Estatística: Sumarização estatística dos dados. Fonte: (Cabena et al., 1997; Thuraisingham, 1999; Linden, 2001) Visualização: Uso de softwares estatístico, planilhas eletrônicas ou OLAP. Quadro 4. Principais Ferramentas Utilizadas nas Operações de Data Mining 5. Considerações Finais Pode-se verificar que o uso da abordagem de data mining é útil para a medição de desempenho. Dentre as três razões apresentadas por Filho e Shimizu (2002) para a contribuição da data mining na medição de desempenho pode-se destacar: visualização de dados: definição de um melhor posicionamento das medidas de desempenho frente ao sistema e melhor agrupamento dos dados de desempenho seguindo um critério estratégico; descoberta de novos conhecimentos: estabelecer padrões de relacionamentos de medidas de desempenho; e dados mais consistentes: detectar possíveis desvios na população que contém os dados de desempenho. Porém, para ser possível que um projeto de data mining realize essas atividades, deve-se conter as seguintes premissas (Feelders, 2000): uma base de dados de desempenho na forma de uma data warehouse ou data mart, pois facilita a obtenção de dados para a análise; um conjunto de expertise que sejam especialistas nas operações, ferramentas e técnicas de data mining, especialistas na interpretação dos dados e especialistas na interpretação dos resultados; e um membro da organização profundo conhecedor das atividades da empresa e do problema que ela enfrenta para auxiliar a equipe de expertise. Tendo essas premissas, um projeto de data mining pode ser aplicado na área de medição de desempenho desde que a gestão da organização tenha claramente formulado qual o problema ou desafio que precisa superar. 6. Referências Bibliográficas BISPO, C.A.F. (1998) - Uma análise da nova geração de sistemas de apoio à decisão. In: Data Mining. Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos. CABENA, P.; HADJINIAN, P.; STADLER, R.; ZANASI, A. (1997) - Discovering Data Mining: From Concept to Implementation. In:. Face to Face with the Algorithms. New Jersey: Prentice Hall PTR, pp COSTA, L.C.; KLOSTER, N.J.A; GRAEML,K.S.; MAZIA, R.F. (2000) - Data mining... ou procurar uma pepita de ouro em uma poça de lama. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 10, 2000 São Paulo. Anais... São Paulo: ABEPRO/USP, 8p. ECCLES, R.G. (1991) - The performance measurement manifesto. Harvard Business Review, vol.69, n.1, pp ENEGEP 2003 ABEPRO 1

8 FEELDERS, A.; DANIELS, H.; HOLSHEIMER, M. (2000) - Methodological and practical aspects of data mining. Information & Management, p , vol. 37. FELIPE, Joaquim César. (2000) - Extração de conhecimento sobre metadados de aplicações multimídia em um ambiente multidimensional orientado a objetos. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. FILHO, J.A.F.; SHIMIZU,T. (2002) - Data mining: Conceitos Básicos e Aplicações. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção, São Paulo, BT/PRO/104, 11p. GARDNER, S.R. (1998) - Building the Data Warehouse. Communications of the ACM. Vol. 41, N 9, pp JÚNIOR, O.G.F.; COSTA, E.B.; COSTA, M.P.S. (2000) - Um Sistema de Informação Gerencial para uma Companhia de Bebidas baseado na Tecnologia Data Warehouse. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 10., 2000, São Paulo. Anais... São Paulo: ABEPRO/USP, 8p. KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1996) - Linking the balanced scorecard to strategy. California Management Review, v. 39, n. 1, pp KAYDOS, W. (1991) - Measuring, Managing and Maximizing Performance, Portland, Productivity Press. KENNERLEY, M.; NEELY, A. (2002) - A framework of the factors affecting the evolution of performance measurement systems. International Journal of Operations & Production Management, Vol. 22, N. 11, pp KUENG, P.; MEIER, A.; WETTSTEIN, T. (2000) - Computer-based Performance Measurement in SMEs: Is there any option? Internal Working Paper No KUENG, P.; MEIER, A.; WETTSTEIN, T. (2001) - Performance measurement systems must be engineered. Communications of AIS, vol.7, article 3. LAUDON, K. C & LAUDON, J. P. (2002) - Management Information Systems: Managing the Digital Firm, Prentice Hall, 7th edition, Upper Saddle River, New Jersey. LEBAS, M. J. (1995) - Performance measurement and performance management. International Journal Production Economics, v.41, n.23-25, pp LINDEN, A. (2001) - Advanced Mining for Information and Content. In: GARTNER SYMPOSIUM ITXPO 2001, 2001, Orlando, Florida. Paper. Orlando, Florida, pp.1-18,. MARTINS, R.A. (1998) - Sistema de medição de desempenho: um modelo para estruturação do uso. Tese (Doutorado).Universidade de São Paulo, Escola Politécnica, São Paulo. NEELY, A.; GREGORY, M.; PLATTS, K. (1995) Performance Measurement System Design A Literature Review and Research Agenda International Journal of Operations & Production Management Vol. 15, N 4, pp NEELY, A. (1998) - Measuring business performance. London: The Economist. NEELY, A. (1999) - The performance measurement revolution: Why now and What Next? International Journal of Operations & Production Management Vol. 19, N 2, pp SINK, D.S. (1991) - The role of measurement in achieving world class quality and productivity management. Industrial Engineering, v.21, n.6, pp TANLER, R. (1997) - The intranet data warehouse. New York: John Wiley & Sons, Inc.. THURAISINGHAM, B. (1999) - Data Mining: Technologies, Techniques, Tools, and Trends. CRC Press LLC. ENEGEP 2003 ABEPRO 2

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 1 Disciplina: Análise Essencial de Sistemas Prof. Marcelo Nogueira 13/02/2008 prof. Marcelo Nogueira 2 Mais de que conhecer novas tecnologias é preciso saber como ganhar

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 11 OBJETIVOS OBJETIVOS APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Dados pessoais Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto MSc. em ciência da computação (UFPE) rosalvo.oliveira@univasf.edu.br

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Maicon G. Oliveira a (maicongdo@gmail.com); Henrique Rozenfeld b (roz@sc.usp.br) a,

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br Apresentação Luiz Merschmann Engenheiro

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.

Introdução aos Sistemas de Informação. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes. Introdução aos Sistemas de Informação Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias - UFES Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br Nesta aula Apresentação da disciplina Avaliação Recursos

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso de problemas não-rotineiros e

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Daniela Cristina Medeiros Leite (UFSCar) daniela@dep.ufscar.br Eduard Prancic (UFSCar) prancic@dep.ufscar.br

Daniela Cristina Medeiros Leite (UFSCar) daniela@dep.ufscar.br Eduard Prancic (UFSCar) prancic@dep.ufscar.br Os indicadores de desempenho estabelecidos pela norma ISO 9001:2000 e a sua utilização como um sistema de medição de desempenho eficaz: um estudo de caso. Daniela Cristina Medeiros Leite (UFSCar) daniela@dep.ufscar.br

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE 2011 Disciplina ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Professor MSC. ADOLFO FRANCESCO DE OLIVEIRA COLARES Carga Horária Semanal Curso ADMINISTRAÇÃO Carga Horária

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Sumário Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Capítulo 2 - Reputação corporativa e uma nova ordem empresarial 7 Inovação e virtualidade 9 Coopetição 10 Modelos plurais

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL Antonio Freitas Rentes Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Trabalhador

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS Maria de Fátima de Lima Graduada em Química Industrial e pós-graduada em Engenharia Sanitária e Ambiental - CESAN A questão ambiental tem sido muito discutida,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Design da Informação Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade

Leia mais