PROVA ESPECÍFICA Cargo 67

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA ESPECÍFICA Cargo 67"

Transcrição

1 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 67 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas à ventilação não-invasiva, EXCETO: a) Arritmias Cardíacas. b) Hemorragia Digestiva alta. c) Insuficiência Coronariana Aguda. d) Grande distúrbio da troca gasosa com necessidade de altas FiO 2. QUESTÃO 27 Marque a afirmativa CORRETA: a) O melhor método de ventilação mecânica para os pacientes críticos é pressão controlada. b) São vantagens do SIMV: diminuir a necessidade de sedação e evitar a acidose respiratória. c) É indicado o uso do CPAP na Insuficiência Cardíaca Aguda, pois aumenta o D.C. e diminui a pós-carga do V.E. d) Nos pacientes com asma grave, a ventilação mecânica deve evitar que ocorra Hipercapnia Permissiva e o aprisionamento de ar nos pulmões (Air Trapping). QUESTÃO 28 Paciente 52 anos, em ventilação por Insuficîência Respiratória Grave (SARA) há 3 meses. Encontra-se em desmame da ventilação mecânica. A fisioterapeuta observou e mediu os seguintes parâmetros: Trabalho muscular respiratório inferior a 0,4/J/L (N= 0,4 e 0,6 J/min) Pimax inferior a 30cm H 2 0. Fr> 20 irpm. Qual o seu diagnóstico? a) Falência do desmame por fraqueza muscular. b) Falência do desmame por obstrução ao fluxo aéreo. c) Paciente em bom controle do desmame ventilatório. d) Falência do desmame por sobrecarga dos músculos respiratórios.

2 12 QUESTÃO 29 Paciente 20 anos, vítima de acidente de moto com TCE grave. Encontra-se em ventilação mecânica volume controlado, sedado. São cuidados importantes em sua ventilação, EXCETO: a) Manter Paco2 entre 28 e 35mmhg. b) Utilizar técnicas que evitam e/ou tratem as Atelectasias. c) Manter volume minuto constante, evitando-se, assim, flutuações na Paco2. d) Evitar PO 2 muito elevado (>150mmHg) pelo risco no aumento da resistência vascular. QUESTÃO 30 Em relação ao Choque Cardiogênico, marque a afirmativa CORRETA: a) É contra indicado o uso do trombolítico nesses pacientes. b) A Angioplastia deve, sempre que possível, ser indicada como primeira escolha. c) No Choque Cardiogênico, devido ao infarto do V.D., o melhor tratamento é volume e vasodilatadores. d) A assistência circulatória mecânica associada ao tratamento farmacológico é, em geral, suficiente para a recuperação dos pacientes em choque. QUESTÃO 31 É mecanismo fisiopatológico do Infarto Agudo do Miocárdio: a) Trombo sobre placa de ateromatose. b) Obstrução por placa de ateromatose. c) Depósito de colesterol em placa de ateroma. d) Alteração plaquetária. QUESTÃO 32 São critérios da inclusão para uso de fibrinolítico no AVC isquêmico, EXCETO: a) Idade 18 anos. b) Confirmação tomográfica. c) Início dos sintomas 6 horas. d) Ausência à tomografia de edema cerebral.

3 13 QUESTÃO 33 Em relação às complicações do infarto agudo do miocárdio, é CORRETO afirmar: a) A ruptura da parede do V.E. é complicação tardia que ocorre após 10 dias do IAM. b) O tratamento mais adequado para ruptura do músculo papilar é o uso do balão intraórtico. c) A insuficiência cardíaca é mais encontrada em homens na faixa etária de 50 anos e trivascular. d) A ruptura do septo ventricular causa rápida deterioração hemodinâmica e, em geral, ocorre na primeira semana do IAM. QUESTÃO 34 Marque a afirmativa CORRETA: a) Miocardites podem causar BAV 2º grau. b) Pode-se usar pequenas doses do atropina em pacientes com BAV 2º grau mobitz I. c) BAV 1º grau em pacientes com IAM de parede anterior devem ser tratados com marca passo provisório. d) É indicado o uso de marca passo provisório em pacientes com BAV 2º grau mobitz II, mesmo assintomáticos. QUESTÃO 35 Paciente 54 anos, portador de miocardiopatia dilatada. Encontra-se em franca insuficiência cardíaca descompensada, dispnéico e em anasarca. Todas as drogas abaixo devem ser usadas no paciente (nível de evidência A) no momento, EXCETO: a) Digital. b) Diurético. c) Beta-bloqueador. d) Inibidores da ECA. QUESTÃO 36 São substâncias que participam na fisiopatologia do choque séptico, EXCETO: a) Integrinas. b) Óxido nitroso. c) Interleucinas. d) Fator ativador plaquetário.

4 14 QUESTÃO 37 Paciente 25 anos, grávida na 32ª semana, apresenta quadro de algúria, febre, dispnéia e vômitos. Ao exame físico, apresenta: PA 80X40mmhg, FC 120 B.P.M. ritmo sinusal FR= 36 irpm, gasometria arterial com PH: 7,20 P0 2 : 60 mmhg, PCO 2 : 20mmhg - HCO3: 12, BE-10 SATO2 89%. Em relação ao quadro acima, marque a afirmativa CORRETA: a) O diagnóstico provável é infecção urinária, evoluindo com Sepse Severa. O melhor tratamento é reposição volêmica, antibióticos adequados e Aminas, se necessário. b) O quadro é de choque séptico e deve-se interromper a gravidez, além das medidas gerais. c) O quadro é de Sepse grave com Acidose metabólica grave. O melhor tratamento é interrupção da gravidez, além das medidas gerais. d) O diagnóstico é de Sepse. O melhor tratamento é antibiótico e reposição volêmica. QUESTÃO 38 Em relação à sedação em pacientes sépticos, ventilados mecanicamente, marque a afirmativa INCORRETA: a) Deve-se evitar bloqueadores neuromusculares. b) A sedação contínua é mais indicada nesses pacientes, que em Bolus. c) Sedação com Midazolan e Fentanila em Bolus pode ser adequada. d) A interrupção diária da sedação contínua, até que o paciente desperte, pode reduzir o tempo de ventilação mecânica. QUESTÃO 39 São indicações para o uso de proteína C em pacientes com Sepse, EXCETO: a) Choque Séptico refratário. b) Pacientes com alto risco de morte (Apache 25). c) Disfunção múltipla dos órgãos. d) Choque séptico.

5 15 QUESTÃO 40 Em relação a Aminas e Sepse, marque a afirmativa CORRETA: a) Deve-se sempre usar doses elevadas de Dobutamina. b) A Dopamina pode ser usada em doses baixas para proteção renal. c) Dopamina deve ser abolida, com uso sempre de Noradrenalina para esses pacientes. d) A Vasopressiva pode ser usada em choques refratários, apesar da ressuscitação volêmica adequada e altas doses de vasopressores convencionais. QUESTÃO 41 Em relação aos distúrbios iônicos, marque a afirmativa CORRETA: a) Sepse pode ser causa do Hipercalcemia e Hipomagnesemia. b) Pode haver depleção de magnésio com Magnesemia normal. c) A Hipernatremia é o distúbio iônico mais encontrado em pacientes internados. d) O tratamento da Hipercalemia deve se basear nos níveis séricos dos mesmos. QUESTÃO 42 São fatores de mau prognóstico à admissão de pacientes com pancreatite aguda, EXCETO: a) TGO maior que 250. b) Idade superior a 55 anos. c) Leucócitos maior que d) Glicemia maior que 200 mg%. QUESTÃO 43 É indicação terapêutica nos estados de mal epiléptico refratário, cujas crises persistem apesar do tratamento: a) Propofol: 1,5 mg/kg ataque. EV: 2-10 mg/kg/h, manutenção. b) Diazepan 10 mg EV, repetida a cada 10 minutos. c) Midazolan: 0,5 mg/kg/ev, ataque. 5 mg/kg/h contínuo. d) Fenintoína 20 mg/kg EV até o máximo de 100 mg/min.

6 16 QUESTÃO 44 Paciente 23 anos, vítima de traumatismo crânio-encefálico por acidente de moto, chega ao Pronto Socorro, desorientado; com resposta motora em flexão de membros superiores ao estímulo doloroso; com abertura ocular ao ser chamado pelo nome. Sua escala de Glasgow é: a) 7. b) 8. c) 9. d) 10. QUESTÃO 45 São recomendações para o uso da terapia trombolítica em pacientes com acidente vascular encefálico (AVE), EXCETO: a) Administração de r-tpa endovenoso. b) Tempo de início do evento < 180 minutos. c) Administração de estreptoquinase endovenosa. d) Internação na UTI para monitorização contínua. QUESTÃO 46 Em relação à Nutrição Parenteral, marque a afirmativa CORRETA: a) É contra-indicado seu uso em pacientes com câncer. b) A glicose é sua principal fonte calórica e deve ser usada a 600 g/dia. c) Pode acarretar Hipermagnesemia como complicação, com formigamento perioral. d) Em pacientes com encefalopatia portossistêmica grau I devem ser utilizados aminoácidos de cadeia ramificada. QUESTÃO 47 Em relação ao uso de antibiótico na UTI, marque a afirmativa CORRETA: a) O intensivista deve conhecer a flora microbiana de sua unidade, assim como sua resistência. b) As associações antimicrobianas são imprescindíveis no CTI. c) Deve-se evitar alguns antibióticos em pacientes idosos. d) Deve-se utilizar sempre antibióticos de largo espectro.

7 17 QUESTÃO 48 Em relação aos índices de gravidade, marque a afirmativa CORRETA: a) Os índices não devem ser utilizados para decisões médicas individualizadas. b) O índice Apache II é o melhor utilizado nas primeiras 12 horas de internação na UTI. c) O Sepse Escore é o melhor índice para avaliar o prognóstico dos pacientes sépticos idosos. d) Os índices podem ser utilizados para avaliar prognósticos de um paciente com determinada patologia. QUESTÃO 49 São indicações para o tratamento cirúrgico obrigatório em um paciente internado na UTI com abdômen agudo, EXCETO: a) Perfuração gastroduodenal. b) Pancreatite. c) Trombose mesentérica. d) Colecistite aguda. QUESTÃO 50 Marque a afirmativa CORRETA: a) Pacientes com insuficiência hepática crônica que desenvolvem encefalopatia hepática têm pior prognóstico que os que apresentam insuficiência hepática fulminante. b) Na insuficiência hepática fulminante, pode haver herniação cortical por edema e elevação da pressão intracraniana. c) O cérebro na encefalopatia hepática apresenta-se com lesões isquêmicas. d) A encefalopatia hepática é irreversível. ATENÇÃO COM SUA ESCRITA HABITUAL, TRANSCREVA, PARA O ESPAÇO RESERVADO PELA COMISSÃO, NA FOLHA DE RESPOSTAS, A SEGUINTE FRASE: Responsabilidade social: é prioritário que todas as empresas sejam responsáveis pelo bem-estar de sua comunidade.

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO MARÇO DE 2013 Programa de Residência Médica em Terapia Intensiva 2013 Unidade: Hospital Copa D Or Coordenador do Programa de Residência Médica

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

CHOQUE. SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD

CHOQUE. SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD SEBASTIÃO ERNESTO DA SILVA FILHO Anestesiologista TSA SBA Hospital Municipal São José dos Campos Grupo CAD INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO ESTÁGIOS CLASSIFICAÇÃO INICIAL HIPÓXIA ACIDOSE COMPENSATÓRIO HIPERVENTILAÇÃO

Leia mais

Organizador. Autores

Organizador. Autores ROSTO Apresentação O Guia de Emergências Clínicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na emergência clínica,

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto Ano letivo 2011 Série 4º Carga Horária Total 270 h/a T 54 h/a P 216 h/a Professor: Jorge de Souza

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves 1 Anatomia Cerebral 2 3 swallowing, breathing,heartbeat, wakefulness, brainstem, smell, speech, judgement, foresight, pain, heat, hear=deglutição,

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL QUESTÃO 21 Sobre a insuficiência cardíaca congestiva, é correto afirmar, EXCETO: a) Os inibidores da fosfodiesterase são uma alternativa

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Isquêmico - AVCI Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Acidente Vascular Cerebral Terceira causa de morte nos EUA. Todos os anos 600 mil americanos tem um AVC sendo que 85% são

Leia mais

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques Caso Clínico H.M.A. C.S.T, 72 ANOS, COM HISTÓRIA DE AVCI HÁ 04 ANOS FICANDO COM A FALA EMBOLADA E DIFICULDADE

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 QUESTÃO 26 São alterações cardiovasculares associadas ao envelhecimento, EXCETO: a) Dilatação miocárdica. b) Hipertrofia miocárdica. c) Comprometimento da função endotelial.

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA. Prof. Ana Cristina Costa

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA. Prof. Ana Cristina Costa ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Prof. Ana Cristina Costa INTRODUÇÃO Localização distinta no hospital fácil acesso aos elevadores, centro cirúrgico, serviços de laboratório e radiologia Corresponde geralmente

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009*

Actualizado em 21-09-2009* Recomendações para o tratamento de adultos com gripe pandémica (H1N1) 2009 que necessitem de admissão numa Unidade de Cuidados Intensivos 1. Introdução O vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 tem maior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CARDIOLOGISTA CLÍNICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS

ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS C AD ER N O 2013 DO CURSO Ficha Catalográfica Biblioteca Dr. Fadlo Haidar Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa M129 Machado, Fabio

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DATA: 1 a 3 de SETEMBRO LOCAL: HOTEL GOLDEN TULIP / VITÓRIA-ES Realização: Tema: O Envolvimento Interdisciplinar na Qualidade de Assistência e na Segurança do Paciente COMISSÃO ORGANIZADORA

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais