Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008"

Transcrição

1 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

2 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico Precoce Armazenamento de Dados Ambiente Adequado Profissionais Treinados

3 Recursos técnicos Monitorização adequada, à beira do leito e em tempo real dos parâmetros hemodinâmicos, encefálicos, sedação e analgesia e outros Intervenção terapêutica Estrutura hospitalar complexa

4 Critérios de Admissão Insuficiência Respiratória Pós-operatório Politraumatismo Sepse Acidente vascular cerebral

5 Cuidados Gerais Nutrição Precoce Hidratação Antibióticos (PRECOCE) Exames gerais (Hb, gaso, Rx, etc) Medidas Profiláticas: TVP Úlceras de córnea e de pressão

6 Marcadores Prognósticos APACHE II SOFA

7 Avaliação Nutricional Classificação do Estado Nutricional Cálculo de Necessidade Calórica Cálculo de Necessidade Hídrica Balanço Nitrogenado

8 Monitorização CARDIOSCÓPIO GERAL OXIMETRIA DE PULSO CAPNÓGRAFO PA (média, sistólica e diastólica) TEMPERATURA DIURESE

9 Monitorização Hemodinâmica PRESSÃO VENOSA CENTRAL SWAN-GANZ

10 Monitorização Neurológica

11 Evitar a lesão secundária!!! Risco de Lesão Neurológica Lesão Neurológica Infecção Conhecer a doença. Exames clínico/neurológico repetidos. Exames complementares. Monitoração contínua. Ações terapêuticas adequadas.

12 EXAME CLÍNICO

13 Exame Clínico Avaliação pupilas miose/midríase iso/anisocoria reflexo fotomotor Escala de coma Glasgow Escala de Ramsay (sedados)

14 Escala de Coma de Glasgow Abertura Ocular - 1 a 4 Melhor Resposta Motora - 1 a 6 Resposta Verbal - 1 a 5

15 Escala de Coma de Glasgow Espontânea 4 Estímulo verbal 3 Estímulo à dor 2 Sem abertura 1 Abertura Ocular

16 Escala de Coma de Glasgow Melhor Resposta Motora Obedece ordens 6 Localiza dor 5 Reage a dor (retirada) 4 Reage à dor (flexão) 3 Reage à dor (extensão) 2 sem resposta 1

17 Escala de Coma de Glasgow Resposta verbal Orientado e conversa 5 Palavras ou frases 4 Sons incompreensíveis 3 Sons primitivos 2 Sem Resposta 1

18 Escala de Ramsay NÍVEL GRAU DE SEDAÇÃO ATINGIDO ANSIOSO E AGITADO, IRREQUIETO OU AMBOS COOPERATIVO, ACEITANDO VENTILAÇÃO, ORI- ENTADO E TRANQUILO DORMINDO, RESPOSTA DISCRETA A ESTÍMULO TÁTIL OU AUDITIVO DORMINDO,RESPOSTA LEVE A ESTÍMULO TÁTIL OU AUDITIVO SEM RESPOSTA A ESTÍMUO AUDITIVO OU TÁTIL, PORÉM COM RESPOSTA A DOR SEM RESPOSTA A ESTÍMULO DOLOROSO

19 Monitorização PIC

20 Pressão intracraniana Manter abaixo de 20 mmhg PPC 60 mmhg PPC = PAM - PIC Características das ondas: COMPLACÊNCIA Lundberg (1960)

21 CURVA P.I.C. P 1 P 2 P 3 P 1 P 2 P 3 NORMAL COMPLACÊNCIA

22

23 Análise da forma da onda ECG X PIC P1 P2 P3 P1 Onda de Pulso: Ejeção do sangue (sístole). Transmitida através do plexo corióide. P2 Onda Tidal: Propagação e reverberação da onda de pulso. Complacência P1 > P2. P3 Onda Dicrotíca: Fechamento da válvula aórtica. Cardoso ER, Rowan JO, Galbraith S. - J Neurosurg. (1983)

24 Hipertensão Intracraniana P1 P2 Moderada = até 40 mmhg Grave = acima de 41 mmhg

25 Causas de de PIC 33,3% = ESTÍMULO TRAQUEAL OU MOVIMENTO DO PACIENTE. 30,4% = PaCO2 e PAM ( PPC hiperemia) = perda da autorregulação. 16,7% = PAM 9,8% = SjO2 9,8% = idiopática JÚLIO CRUZ et al 1993

26 Tratamento da HIC Suporte Inicial ATLS Ressuscitação Cirurgia de urgência? Medidas gerais. Controle temperatura Cuidados posturais. Sedação e analgesia. Terapia osmótica. Manitol ou solução salina hipertônica Ventilação otimizada. Bloqueio neuromuscular. Drenagem de LCR. Coma barbitúrico. Craniectomia descompressiva. Hipotermia cerebral.

27 Medidas Gerais Medidas Posturais Sedação e Analgesia Controle Ventilatório Hipotermia

28 Medidas Posturais Cabeça centrada = melhora o retorno venoso. Decúbito dorsal elevado 30 graus = melhor relação retorno venoso X pressão de perfusão. < 30 o = retorno venoso inadequado. > 30 o = diminuição da pressão de perfusão.

29 Sedação e Analgesia Diminuir a ansiedade e a dor Diminuir o estímulo traqueal Diminuir a movimentação dos pacientes entubados e/ou politraumatizados Permitir o controle ventilatório

30 Controle Ventilatório Otimizar o padrão ventilatório (PaCO2 e O2) às necessidades do hemometabolismo cerebral Relação: VOLUME MINUTO X PEEP

31 Derivação Ventricular Externa Monitorização PIC. Controle HIC Drenagem LCR: Suficiente para manter a PIC por volta de 15 mmhg Dificuldade: Ventrículos pequenos. Complicações principais: Obstrução. Infecção. ~ 15 mmhg

32 DVE Zerar no conduto auditivo externo Inspecionar a região de inserção do cateter Anotar débito, aspecto e cor da drenagem do líquor Evitar tracionamento do cateter Nunca aspirar ou injetar solução no cateter Protocolo INETI -2008

33

34

35 Oximetria de bulbo jugular

36 Oximetria jugular de O 2 Determinar a SjO 2 (cateter no bulbo jugular): Método contínuo Método intermitente Análise de amostras isoladas. SHEINBERG e cols (1992)

37 Pacientes com lesão encefálica aguda e ECG 08 ou queda de dois pontos no exame seriado. Pacientes sedados e com situações de potencial desacoplamento entre o oferta e o consumo. Indicações Cruz, J (2002)

38 Bulbo da Veia Jugular 2 3% do sangue tem origem extracerebral Dominância (direito)

39 Técnica de Mostert (1970) Woodman & Robertson (1994)

40

41 Cateter de Swan- Ganz

42 Cateter de Swan-Ganz Pós-operatório de clipagem de aneurisma cerebral para controle do vasoespasmo e naqueles pacientes que necessitam de parâmetros hemodinâmicos e controle da função cardíaca no pós-operatório.

43 AD

44 VD

45 AP

46 PAPO

47 BIS (Bispectral Index)

48

49

50 BIS Consciente 80 - Sonolento 70 - Hipnose superficial 55 - Hipnose Intermediária 40 - Hipnose Profunda 0 - Supressão da onda

51 Doppler transcraniano

52 Doppler transcraniano Exame realizado na UTI, não invasivo, sem contraste e repetido na freqüência desejada. Velocidade do fluxo nas artérias do Polígono de Willis. Hemodinâmica cerebral.

53 Doppler transcraniano Vasoespasmo cerebral Índice de Lindegaard Hipertensão intracraniana Estenose arterial Êmbolos Colapso circulatório Testes dinâmicos: Autorregulação Reatividade ao CO 2

54 Falhas da Monitorização Conhecer as indicações, contra- indicações RESPEITAR as limitações de cada método. e

55 Fim da Monitorização Doença de base (história natural, evolução, fase crítica, etc). Condição clínica geral do paciente. Hemodinâmica cerebral. Metabolismo cerebral.

56 UTI

57 r

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR - indicações: trauma cranioencefálico grave hipertensão intracraniana - cateterização da veia jugular interna - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 Coordenação Dr. Luciano Cesar Pontes Azevedo Doutor em medicina pela Universidade de São Paulo - USP

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter GERENCIAMENTO DOS RISCOS ASSISTENCIAIS - Neocenter Gerenciamento de riscos n Objetivos Ter uma base mais sólida e segura para tomada de decisão; Identificar melhor as oportunidades e ameaças; Tirar proveito

Leia mais

Manual de Rotinas CIHDOTT Hospital... Índice

Manual de Rotinas CIHDOTT Hospital... Índice Manual de Rotinas CIHDOTT... Índice 1. Dos Registros da CIHDOTT 2. Busca Ativa de Potencial Doador (PD) 3. Notificação de Potencial Doador ao Serviço de Procura de Órgãos e Tecidos (SPOT) 4. Entrada dos

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

TRIAGEM PARA TRANSPORTE AEREO

TRIAGEM PARA TRANSPORTE AEREO GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA - SESDEC CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA GOA-GRUPO DE OPERAÇÕES AÉREAS TRIAGEM PARA TRANSPORTE AEREO

Leia mais

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Nos gases expirados, a capnografia indica a quantidade de CO2 que é eliminada dos pulmões para o equipamento. Indiretamente reflete a produção de CO2 pelos tecidos

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves 1 Anatomia Cerebral 2 3 swallowing, breathing,heartbeat, wakefulness, brainstem, smell, speech, judgement, foresight, pain, heat, hear=deglutição,

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto Ano letivo 2011 Série 4º Carga Horária Total 270 h/a T 54 h/a P 216 h/a Professor: Jorge de Souza

Leia mais

Estratégias Hemodinâmicas na Prevenção e Tratamento do

Estratégias Hemodinâmicas na Prevenção e Tratamento do Estratégias Hemodinâmicas na Prevenção e Tratamento do Vasoespasmo Cerebral Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Vasoespasmo

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST Coleta de culturas antes ATB adequado em h se sepse Intervalo e dose corretos (peso) Reavaliar em - com culturas Suspender em -0d se boa evolução tratar bacteriúria/

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

Talvez não exista nenhum aspecto na. resistido tanto às transformações da sociedade

Talvez não exista nenhum aspecto na. resistido tanto às transformações da sociedade Talvez não exista nenhum aspecto na história da humanidade que tenha resistido tanto às transformações da sociedade quanto o conceito de morte. falta de compreensão do homem primitivo. constatação dos

Leia mais

Cardiopatia Congênita Acianótica. com Hiperfluxo Pulmonar. Marco Antônio Bramorski. Florianópolis

Cardiopatia Congênita Acianótica. com Hiperfluxo Pulmonar. Marco Antônio Bramorski. Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul Cardiopatia Congênita Acianótica com Hiperfluxo Pulmonar Marco Antônio Bramorski Florianópolis - 2006 Circulação Pulmonar Normal O2 x ad ae AAP VVP

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Soluções em Monitoração GE. Alta tecnologia agora ao seu alcance.

Soluções em Monitoração GE. Alta tecnologia agora ao seu alcance. Soluções em Monitoração GE Alta tecnologia agora ao seu alcance. Monitorização GE A GE Healthcare tem tecnologias inovadoras para oferecer o melhor atendimento na hora de monitorizar o paciente. Com monitores

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO Viviane Cordeiro Veiga Salomón Soriano Ordinola Rojas Elaine Aparecida Silva de Morais Erica Cristina Alves dos Santos Olga Oliveira Cruz Andreia Maria Marchesini Ligia Maria

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia Hipertensão intracraniana Hidrocefalia M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): ANA CAROLINA

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DATA: 1 a 3 de SETEMBRO LOCAL: HOTEL GOLDEN TULIP / VITÓRIA-ES Realização: Tema: O Envolvimento Interdisciplinar na Qualidade de Assistência e na Segurança do Paciente COMISSÃO ORGANIZADORA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: INT5162 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: INT5162 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: INT5162 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ALINE DAIANE COLAÇO FERNANDA MENEZES ROSADO AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Assistência de Enfermagem no Pré e Pós- Operatório de Cirurgias Neurológicas KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014

Assistência de Enfermagem no Pré e Pós- Operatório de Cirurgias Neurológicas KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Assistência de Enfermagem no Pré e Pós- Operatório de Cirurgias Neurológicas KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Indicações Cirurgia de coluna vertebral: Lombalgia, distúrbios motores nos membros, hérnia

Leia mais

CIRURGIA CARDÍACA FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO. Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação

CIRURGIA CARDÍACA FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO. Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO CIRURGIA CARDÍACA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Pré operatório Recuperação pós anestésica UTI Unidades de internação FISIOTERAPIA - ATUAÇÃO Avaliação Pré operatória Índice diafragmático:

Leia mais

PRESSÃO INTRACRANIANA - PIC Monitorização Neurológica Invasiva Umas das grandes preocupações com os pacientes internados em UTI, especialidade na

PRESSÃO INTRACRANIANA - PIC Monitorização Neurológica Invasiva Umas das grandes preocupações com os pacientes internados em UTI, especialidade na PRESSÃO INTRACRANIANA - PIC Monitorização Neurológica Invasiva Umas das grandes preocupações com os pacientes internados em UTI, especialidade na Unidade de Neurologia, é a elevação da Pressão Intracraniana

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA APRESENTAÇÃO DO CURSO A terapia intensiva apresenta-se como área de atuação de alta complexidade

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Morte Encefálica. Dr. Camilo Vieira

Morte Encefálica. Dr. Camilo Vieira Morte Encefálica Dr. Camilo Vieira Diagnóstico da Morte Critério de Determinação: 1. Tradicional a) rigor cadáverico, pele fria e pálida b) parada cardio respiratória 2. Encefálica Diagnóstico da Morte

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA. Prof. Ana Cristina Costa

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA. Prof. Ana Cristina Costa ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Prof. Ana Cristina Costa INTRODUÇÃO Localização distinta no hospital fácil acesso aos elevadores, centro cirúrgico, serviços de laboratório e radiologia Corresponde geralmente

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com INTRODUÇÃO AO ATENDIMENTO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UTI - "unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO MARÇO DE 2013 Programa de Residência Médica em Terapia Intensiva 2013 Unidade: Hospital Copa D Or Coordenador do Programa de Residência Médica

Leia mais

O Paciente Neurocirúrgico Pediátrico

O Paciente Neurocirúrgico Pediátrico A cada dia que passa, tem-se observado o fisioterapeuta como membro fundamental de uma equipe multiprofissional que é responsável pela boa evolução do paciente pediátrico que foi submetido a uma intervenção

Leia mais

MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS. Atender normas vigentes da ABNT Fabricante Garantia Marca Procedência Registro ANVISA/MS

MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS. Atender normas vigentes da ABNT Fabricante Garantia Marca Procedência Registro ANVISA/MS ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência - SEAP Departamento de Administração de Material - DEAM Sistema GMS - GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS MODELO DE PROPOSTA DE PREÇOS

Leia mais

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO TRAUMA CRANIENCEFÁLICO Imad Shehadeh Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões TCE 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito a cada 5 minutos 1 sequela

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

PROCESSOS DE ENFERMAGEM DIRECIONADOS AO PACIENTE COM HIPERTENSÃO INTRACRANIANA. Paulo José Abruceis¹; William Diego Ciconha²; Ellen C.

PROCESSOS DE ENFERMAGEM DIRECIONADOS AO PACIENTE COM HIPERTENSÃO INTRACRANIANA. Paulo José Abruceis¹; William Diego Ciconha²; Ellen C. 53 PROCESSOS DE ENFERMAGEM DIRECIONADOS AO PACIENTE COM HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Paulo José Abruceis¹; William Diego Ciconha²; Ellen C. Gomes Navarro³ RESUMO Esse artigo visa definir o conceito de hipertensão

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde Governo do Estado de São Paulo. Plano de Abandono de Hospitais

Secretaria de Estado da Saúde Governo do Estado de São Paulo. Plano de Abandono de Hospitais Secretaria de Estado da Saúde Governo do Estado de São Paulo Plano de Abandono de Hospitais 2012 Secretaria de Estado da Saúde Giovanni Guido Cerri José Manoel de Camargo Teixeira Elaboração Maria Cecilia

Leia mais

Sistemas de Alimentação de Emergência

Sistemas de Alimentação de Emergência SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Grupo Técnico de Edificações Sistemas de Alimentação de Emergência Recebimento, Operação e Manutenção Eng. Marco Silva Balthazar Normas Aplicáveis RDC 50 NBR 5410 Instalações

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara Técnica de

Leia mais