UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica"

Transcrição

1 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof. Carlos Alberto Costa Agosto de 2000

2 2 Programação: Nome do programa: O O nome do programa deve levar a letra "O", seguida do número de identificação do programa, com até 4 algarismos. Transmissão: Para realizar a transmissão através de cabo do computador para a máquina CNC deve-se adicionar uma linha no início e no final do programa com uma porcentagem %. Ex.: % O1234 G90 G40 G80 G21 : : M05 M30 % Comandos de Referência: G90 - Sistema de coordenadas absolutas (modal) Quando se usa coordenadas absolutas, todos os movimentos são realizados com relação ao ponto de referência programado (zero-peça). G91 - Sistema de coordenadas incremental (modal) Usando-se coordenadas incrementais, todos os movimentos são realizados com relação ao último ponto programado (posição relativa). Portanto o comando especifica a distância a ser percorrida. Coord. Absolutas Coord. Incrementais N1 G90 G00 X0 Y0; N1 G90 G00 X0 Y0; N2 G01 X200. Y50. F100; N2 G91 G01 X200. Y50. F100.; N3 X100. Y100.; N3 X-100. Y50.; Obs.: Chama-se modal aquele comando que passa a atuar em todos os blocos subsequentes até que algum outro comando o desabilite. Sistema de Medidas: G20 - Sistema em polegadas (modal) Este comando especifica a entrada de dados em polegadas. G21 - Sistema em milímetros (modal)

3 3 Este comando especifica a entrada de dados em milímetros (sistema métrico). Obs.: Deve-se utilizar sempre o ponto decimal para os valores de coordenadas, mesmo para números inteiros. Ex.: Para deslocarmos a ferramenta 4 mm no eixo X: G01 X4.; ou G01 X4000; (o comando interpreta este número como mm) Comandos de Posicionamento: G00- Interpolação linear em avanço rápido (modal) Quando este comando é utilizado, a ferramenta é posicionada no ponto programado nas coordenadas X, Y, e Z com avanço rápido (máximo avanço da máquina). G00 X_ Y_ Z_; G90 G00 X150. Y0 Z100.; G01- Interpolação linear em avanço programado (modal) O avanço programado é comandado pelo código F, definindo o avanço de corte desejado. Obs.: O avanço F é modal G01 X_ Y_ Z_ F_; G90 G00 X20. Y20.; G01 X40. Y50. F200; X70.; X50. Y20.; X20.; Comandos de Interpolação Circular:

4 4 G02- Utilizado para movimentar a ferramenta em trajetória circular no sentido horário (modal). G03- Utilizado para movimentar a ferramenta em trajetória circular no sentido anti-horário (modal). a) G02 X_ Y_ R_ F_; ou G03 X_ Y_ R_ F_; Onde: X, Y = ponto de chegada R = raio do arco F = avanço Obs.: Se R for positivo, a ferramenta percorrerá o menor caminho e se R for negativo, a ferramenta percorrerá o maior caminho. arco 1: G02 X100. Y50. R75. F100; arco 2: G02 X100. Y50. R-75. F100; b) G02 X_ Y_ I_ J_ F_; ou G03 X_ Y_ I_ J_ F_; Onde: X, Y = coordenadas do ponto de chegada I, J = coordenadas do centro do arco relativo ao início. Fig. 1- arco de círculo Fig. 2- círculo completo G01 X10. Y15.; G17 G02 X20. Y25. I10. J0; G01 X30. Y10.; G17 G02 X30. Y10. I0 J15.; I=X': distância até o centro (eixo X) J=Y': distância até o centro (eixo Y) Interpolaç

5 5 ão Helicoidal: G02 X_ Y_ Z_ I_ J_ P_; ou G03 X_ Y_ Z_ I_ J_ P_; Onde: X, Y, Z = ponto de chegada I, J = coordenadas do centro do arco relativo ao início. P= número de passos da hélice (voltas). Para um passo incompleto, usa-se P0 ou ignora-se. G01 X30. Y20. Z30.; G03 X30. Y20. Z0 I-5. J0 P4; Sistema de Coordenadas: (modal) Este comando estabelece o ponto zero da peça. G54 até G59 Desabilitado por G52, G53 ou outro G5_. Obs.: Quando não especificado, o comando assume como default o G54. Quando utiliza-se um G5_ diferente do G54, deve-se, a cada troca de ferramenta com parada de máquina, inserir novamente o G5_ no bloco inicial. Planos de Trabalho: Este comando especifica o plano em que a ferramenta executa a interpolação circular e a compensação de corte. G17 - plano XY G18 - plano XZ G19 - plano YZ

6 6 Modos de checagem de Parada Exata: (modais) G61- Controla os eixos para que a máquina pare exatamente no ponto desejado. É desabilitado por G62, G63, G64. G61.1 -Modo de controle de alta precisão. Controla a aceleração e a desaceleração dos eixos para que o posicionamento seja preciso e não haja parada nos eixos. Indicado em usinagem de superfícies com passes muito finos. Desabilitado por G62, G63, G64. Modo de Controle de Cantos: (modal) G62 - Controla a precisão do ângulo entre duas linhas ou arcos e melhora o canto "vivo". Desabilitado por G61, G61.1, G63, G64.

7 7 Modo de Rosqueamento: (modais) G63 - Cria o ambiente para se executar o rosqueamento. Desativa os controles de cantos, o comando bloco a bloco e o feed-hold. Desabilitado por G61, G61.1, G62, G64. G64 - Desabilita G61, G61.1, G62 e G63. Tempo de espera: (não modal) Quando este comando é ativado, a execusão do bloco seguinte é atrasada por um determinado período de tempo. G04 P_; ou G04 X_; Obs.: Deve ser usado juntamente com o comando G94. G94 = avanço na escala mm/min G95 = avanço na escala rot/min G94 G04 P_; X : (seg.) P : (x seg.) Compensação do comprimento da Ferramenta: (modal) Este comando é utilizado para realizar a compensação no comprimento da ferramenta. G43 - Correção positiva no comprimento da ferramenta (Z+) G44 - Correção negativa no comprimento da ferramenta (Z-) G49 - Desabilita G43 e G44 T02 M06; G54 G90; G43 G00 X0 Y0 Z5. H02 M03 S1000;

8 8 Obs.: O valor de H02 é obtido através do "preset" da ferramenta sobre a mesa ou bloco e inserido no comando na tela "Tool Offset". O número do corretor deve preferencialmente corresponder ao número da ferramenta (ex.: T03, corretor H03). Compensação do raio da Ferramenta: Utiliza-se este comando para realizar a compensação do raio da ferramenta em relação a trajetória programada. G41 - Esquerda (a ferramenta se desloca à esquerda do caminho programado) G42 - Direita (a ferramenta se desloca à direita do caminho programado) G40 - Desabilita os comandos de compensação G41 e G42 para ferramenta T01 e plano de trabalho G17. G41 G01 X_ Y_ D1; ou G42 G01 X_ Y_ D1; onde: D1= valor do raio da ferramenta inserido pelo operador na tabela de corretores de ferramentas "Tool Offset", referente a ferramenta número 1. Observações importantes: Para iniciar uma usinagem com compensação, deve-se sempre executar um movimento de aproximação da ferramenta fora da peça, de modo que a ferramenta chegue ao ponto inicial da usinagem já com a compensação. Para finalizar a usinagem com compensação, deve-se adicionar um comando que afaste a ferramenta da peça e só depois desabilitar a compensação. Para utilizar compensação nos planos XZ (G18) e YZ (G19), usa-se uma ferramenta com ponta esférica, de modo que na interpolação circular a ferramenta faz uma trajetória tangente ao caminho programado. Neste caso o comprimento da ferramenta (H_), deve ser considerado em relação ao centro do raio da ponta, ou seja, o valor do raio deve ser descontado do comprimento total da ferramenta.

9 9 Y G41 G42 G17 X G42 Z G41 G18 X Z G41 G42 G19 Y Compensação de Movimento: (não modal) Utilizando-se estes comandos, a distância de movimento nos eixos especificados no mesmo bloco podem ser extendidos ou reduzidos de um valor D, previamente programado na tela de corretores de ferramentas "offset". G45 - extende o movimento G46 - reduz o movimento D01= mm (valor do raio da ferramenta) N100 G91 G46 G00 X40. Y40. D01; N101 G45 G01 X100. F200; N102 G45 G03 X10. Y10. J10.; N103 G45 G01 Y40.;

10 10 G47 e G48 - Semelhante a G45 e G46, somente com a diferença que realizam o dobro da compensação. G47 - Extende o movimento 2 X G48 - Reduz o movimento 2 X D01= mm N100 G46 G02 X-20. Y20. J20.; N101 G45 G01 Y0; N102 G47 X-30.; N103 Y-30.; N104 G48 X-30.; N105 Y30.; N106 G45 X-30.; Funções M (Miscelâneas): M00 - Parada programada M01 - Parada opcional M02 - Fim de programa M03 - Fuso horário M04 - Fuso anti-horário M05 - Parada do fuso M06 - Troca automática de ferramenta M08 - Liga refrigerante M09 - Desliga refrigerante M19 - Posiciona fuso para troca M30 - Fim de programa e posiciona novamente no início M98 - Chamada de sub-programa (sub-rotina) M99 - Retorno ao programa principal

11 11 Velocidade do Fuso: (RPM) S Ex.: G01 X100. Y80. S1000 M03; Troca de Ferramenta: T Indica o número da ferramenta. Para a troca automática, o número da ferramenta T deve vir seguido de M06. Ex.: T02 M06; Ciclos de Furação: Tabela com endereços e significado Endereço Significado G seleciona o ciclo de seqüência X fixa a posição do fuso no eixo X Y fixa a posição do fuso no eixo Y Z fixa a profundidade do furo P fixa o tempo de parada no final do furo (fundo) Q fixa o passo de aprofundamento (G73 ou G83) R fixa a posição R (altura de segurança) F fixa o avanço de usinagem L fixa o número de repetições de determinado ciclo Furação Simples: G81 X_ Y_ Z_ R_ F_; Obs.: O comando G81 deve ser usado conjuntamente com G98 ou G99. G98 -após executado o furo, a ferramenta retorna à posição inicial. G99 -após executado o furo, a ferramenta retorna à posição do ponto R. Operações: 1- posiciona em avanço rápido G00 Xx1 Yy1; 2- avança até o ponto R em avanço rápido G00 Zr1; 3- executa a furação G01 Zz1 Ff1; 4- retorna (*) G98 G00 Z-(z1+r1)ou (*) G98 ou G99 G99 G00 Z-z1;

12 12 Furação com Faceamento: Neste ciclo de furação a ferramenta após executar o furo, permanece um determinado tempo na posição final do mesmo antes de retornar à posição inicial. G82 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Operações: 1- posiciona em avanço rápido G00 Xx1 Yy1; 2- avança até o ponto R em avanço rápido G00 Zr1; 3- executa a furação G01 Zz1 Ff1; 4- tempo de espera G04 Pp1; 5- retorna a posição inicial G98G00Z-(z1+r1);ou G99 G00 Z-z1; Furação Profunda: G83 X_ Y_ Z_ R_ Q_ F_; Sem quebra de cavaco G73 X_ Y_ Z_ R_ Q_ F_ P_; Com quebra de cavaco Operações: 1- posiciona em avanço rápido G00 Xx1 Yy1; 2- avança até o ponto R em avanço rápido G00 Zr1; 3- executa a furação até a prof. q G01 Zq Ff; 4- retorna até a altura R G00 Z-q; 5- avança até o ponto q-m em avanço rápido G00 Z(q-m); 6- executa a furação até a prof. 2.q G01 Z(q+m); 7- retorna até a altura R G00 Z-2.q; 8- avança até o ponto 2.q-m em avanço rápido G00 Z(2.q-m); 9- executa a furação até a prof. 3.q G01 Z(q+m) Ff; 10- retorna a posição inicial G98 G00 Z-(z1+r1); Rosqueamento com

13 13 Macho: G84 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Rosca direita G74 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Rosca esquerda Onde: P= tempo de espera F= passo da rosca Operações: 1- posiciona G00 Xx1 Yy1; 2- avança até o ponto R G00 Zr1; 3- executa o rosqueamento G01 Zz1 Ff1; 4- tempo de espera G04 Pp1; 5- reverte a rotação M4; 6- retorna a posição R G01 Z-z1 Ff1; 7- retorna a posição inicial G98 G00 Z-r1; Mandrilamento: G85 X_ Y_ Z_ R_ F_; Operações: 1- posiciona G00 Xx1 Yy1; 2- avança até o ponto R G00 Zr1; 3- executa o mandrilamento G01 Zz1 Ff1; 4- retorna a posição R em mandrilamento G01 Z-z1 Ff1; 5- retorna a posição inicial G98 G00 Z-r1; Mandrilamento com Faceamento:

14 14 G86 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Mandrilamento de dentro para fora: G87 X_ Y_ Z_ R_ I_ J_ F_; G76 X_ Y_ Z_ R_ I_ J_ F_; Passes de acabamento Onde: I, J = valor a recuar para entrar no furo Mandrilamento saindo com o fuso parado: G88 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Mandrilamento saindo com avanço programado: G89 X_ Y_ Z_ R_ F_ P_; Cancelamento de Ciclos: G80 - Desabilita todos os ciclos Ciclos de Posicionamento: Todos os ciclos de posicionamento devem ser precedidos por um ciclo de furação G81 até G89, sendo necessária a presença da função "L0", que determina que o ciclo não seja executado de imediato e aguarde a instrução do bloco seguinte. Furação de Flange: G34 - Furação em círculo (não modal) G34 X_ Y_ I_ J_ K_; Onde: X,Y = centro da furação I = raio da furação J = ângulo do primeiro furo em relação ao centro K = número de furos Número de furos= 6 G81 Z-10. R5. L0 F200. G99; G34 X100. Y100. I80. J20. K6; Obs.: Quando L0 é atribuído no comando G81, os dados para a execução do furo são armazenados e utilizados no bloco seguinte. O ângulo inicial sempre será com relação ao eixo "X" no sentido anti-horário G35 - Furação em linha com determinado ângulo (não modal)

15 15 G35 X_ Y_ I_ J_ K_; Onde: X,Y = localização do primeiro furo I = distância entre os furos (linear) J = ângulo da linha K = número de furos Número de furos= 5 G81 Z-10. R5. L0 F200; G35 X200. Y100. I100. J30. K5; G36 - Furação em Arco (não modal) G36 X_ Y_ I_ J_ P_ K_; Onde: X,Y = centro da furação I = raio do arco J = ângulo do primeiro furo relativo ao centro (anti-horário ) P = distância angular entre os furos K = número de furos Número de furos= 5 G81 Z-10. R5. L0 F200; G36 X300. Y100. I300. J10. P15. K5; G Malha de Furos (não modal)

16 16 G37.1 X_ Y_ I_ P_ J_ K_; Onde: X,Y = posição inicial da malha I = intervalo no eixo X (distância entre furos) P = número de furos no eixo X J = intervalo no eixo Y (distância entre furos) K = número de furos no eixo Y G81 Z-10. R5. L0 F100; G37.1 X300. Y-100. I150. P4 J100. K5; Sub-programas: (Sub-rotinas) Usa-se sub-programas para executar operações repetitivas, com determinadas variáveis. Pode-se utilizar até 8 níveis de sub-programas. M98 P_ H_ L_; Chama o sub-programa Onde: P = número do sub-programa a ser executado H = número da linha do sub-programa. Se for omitido,inicia pela primeira linha. L = número de repetições do sub-programa M99 P_; Para retornar ao programa principal Onde: P = número da linha que se deseja retornar. Se for omitido, retornará ao bloco seguinte. Programa 10 (principal): G90 G17 G21 G40 G80; T04 M06;

17 17 G54 G43 G00 X0 Y0 Z3. S1500; M03 H04; G91 G01 X-8. Y-18. F100; Z-7.; M98 P12 L8; G00 Z3.; X-64.; G01 Z-7.; M98 P12 L8; G00 Z11.; X-64.; Programa 12 (sub-programa): G01 Y36. F200; X4.; Y-36.; X4.; M99; Sub-programas com variáveis: (Macro) G65- Comando de chamada de sub-programas (não modal) Permite a atribuição de valores a certos endereços que serão associados (dentro do sub-programa) a variáveis pré-determinadas. G65 P_ L_ (endereços); Onde: P = número do sub-programa L = número de repetições endereços = A_ B_ C_... X_ Y_ Z_, designados conforme a tabela seguinte: Endereços e número da variável correspondente Endereços possíveis Endereços Variável em Macro A #1 0 B #2 0 C #3 0 D #7 0 E #8 0 F #9 0 G #10 X H #11 0 I #4 0 J #5 0 K #6 0 L #12 X M #13 0 N #14 X O #15 X P #16 X Q #17 0 R #18 0 S #19 0 T #20 0 U #21 0 V #22 0 W #23 0 X #24 0 Y #25 0 Z #26 0

18 18 Legenda: 0 - pode ser usada X - não pode ser usada Expressões condicionais: Igualdade (=) [#_ EQ #_ ] Diferença ( ) [#_ NE #_ ] Maior ou igual ( ) [#_ GE #_ ] Maior (>) [#_ GT #_ ] Menor ou igual ( ) [#_ LE #_ ] Menor (<) [#_ LT #_ ] Programa 10: O0010 G90 G21 G17 G40 G80; T04 M06; G43 G54 G00 X0 Y0 Z1. H04 M03 S1500; G91 G65 P11 A4. B4. C-5. D-72. E5. I72. J72. K-72. F0; G00 X-40. Y-40.; M30; Sub-programa 11: O0011 N10 G01 X#1 Y#2 F500; (compens. do raio da ferramenta) N20 Z#3; (ferram. avança até a prof. de usinagem) N30 IF[#4 EQ #9] GO TO 110;(compara as duas variáveis e decide se o programa prossegue ou finaliza) N40 G01 X#4; (percorre o valor da var. #4 no eixo X) N50 Y#5; (percorre o valor da var. #5 no eixo Y) N60 X#6; (percorre o valor da var. #6 no eixo X) N70 Y#7; (percorre o valor da var. #7 no eixo Y) N80 #4=[#4-8] #5=[#5-8] #6=[#6+8] #7=[#7+8]; (altera o valor das variáveis para o ciclo seguinte) N90 G01 X#1 Y#2; N100 GO TO 30; (retorna para a linha 30) N110 G00 Z#8; (ferram. recua no eixo Z) N120 M99; (retorna ao programa principal)

19 19 Rotação de Conjuntos: Este comando realiza a repetição de um determinado sub-programa, rotacionando o mesmo em torno de um centro de rotação pré-determinado. M98 P_ H_ I_ J_ K_ L_; Para o plano G17: I, J " G18: K, I " G19: J, K Onde: M98 = chamada de sub-programa P = número do sub-programa H = número da linha do sub-programa I, J, K = valores incrementais de coordenada para o centro de rotação L = número de repetições do sub-programa Programa 5: O0005; G92 X0 Y0; G90 G00 X50.000; M98 P7 L36 I J0; G00 X0 Y0; M02; Sub-programa 7: O0007; G03 X Y0.190 J F100; X Y4.927 I J-0.190; X Y4.358 I4.353 J ; X Y8.682 I J-4.358; M99;

20 20 Rotação de Coordenadas Programadas: (modal) Este comando permite a rotação de coordenadas de trabalho, através da definição de um centro e um ângulo de rotação desejados. Gn G68 a_ ß_ R_; Onde: n = código do plano selecionado: 17, 18 ou 19 a, ß = coordenadas do centro de rotação, correspondentes ao plano selecionado entre X, Y e Z R = ângulo de rotação (graus) (+) sentido anti-horário G69 - Desabilita o comando de rotação de coordenadas N1 G69 G92 X0 Y0 Z0; N2 G90 G17 G68 X30. Y10. R45.; N3 G00 G20; N4 G01 X40. F1000; N5 G02 Y20. R15.; N6 G01 X20.; N7 G03 Y0 R15.; N8 G69 G00 X0 Y0 M02; Escala: (modal) A forma a ser usinada atribuída pelo programa pode ser expandida ou reduzida. O limite de expansão ou de redução vai de a G51 X_ Y_ Z_ P_;

21 21 Onde: X,Y,Z = determina o centro da escala P = valor da escala O comando é desabilitado por G50. G92 X0 Y0 Z0; G90 G51 X-100. Y-100. P0.5; G00 G43 Z-200. H02; G41 X-50. Y-50.D01; G01 Z-250. F300; Y-150. F150; X-150.; G02 Y-50. J50.; G01 X-50.; G00 G49 Z0; G40 G50 X0 Y0; M02; Espelhamento: (modal) Este comando pode ser usado quando se tem formas simétricas para usinar. G51.1 Xx1; ou G51.1 Yy1; ou G51.1 Zz1; Obs.: A coordenada X, Y ou Z determina a posição no respectivo eixo para a criação de um plano de espelhamento perpendicular ao eixo escolhido. G90 G17 G21 G40 G80; T01 M06; G54 G00 X0 Y0 Z1. G43 H01 M03; G51.1 X100.; M98 P100; M30; Sub-programa: O100; G00 X0 Y20.; G01 Z-1.; Y80.; X75. Y50.; X0 Y20.; Z1.; M99; Arredondamento de Cantos ou Chanfros:

22 22 G01 X_ Y_, C_; ou G01 X_ Y_, R_; Onde: C = comprimento do chanfro R = raio de concordância G91 G01 X40., C10.; X20. Y20.; Coordenadas Angulares: G01 A_ X_; ou G01 A_ Y_; Obs.: selecionando-se o plano G17 Onde: A = ângulo relativo ao eixo X X,Y = coordenada do ponto final G17; N1 G01 Aa1 Xx1 (Yy1); N2 G01 A-a2 Xx2 (Yy2); ou N2 G01 Aa3 Xx2 (Yy2); Retorno à posição Zero: G28 -Zero da máquina (Home position) G29 -Zero do programa Obs.: Deve ser utilizado junto com um comando de movimentação (G00 ou G01). Utilização do quarto eixo da máquina:

23 23 Em um centro de usinagem que possui um quarto eixo rotativo, ortogonal ao eixo da ferramenta, é possível, por exemplo, usinar um canal em hélice sobre um cilindro. Para movimento do quarto eixo em avanço rápido: G00 U_ ; Para movimento em avanço programado: G01 U_ F_ ; Onde: U = ângulo de rotação (gráus) + sentido horário - sentido anti-horário F = avanço Obs.: Para a movimentação do quarto eixo deve-se utilizar preferencialmente o sistema de coordenadas incrementais (G91). Este cuidado deve ser tomado pois trabalhando-se com (G90), o movimento de giro ocorre percorrendo sempre o menor caminho, no sentido horário ou anti-horário.

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

Manual de Programação Torno CNC Mach 3

Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC-SP Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Coordenadoria de Mecânica de Precisão Disciplina de CNC Comando Numérico Computadorizado Sumário 1 Introdução 5 11 Equipamento

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Fresadora CNC (denford)

Fresadora CNC (denford) Fresadora CNC (denford) Máquinas à Comando Numérico 08/01/09 - Prof. J. Gregório do Nascimento - 1 Teclado Tutor RESET apaga mensagem de alarme. Reposiciona o programa para iniciar no modo de Editor. ALFA/NUMÉRICO

Leia mais

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1. Ciclos de Torno ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.2 - Ciclo Fixo de Desbaste... 15 1.2.1 - Desbaste simples...

Leia mais

Treinamento e Aplicação

Treinamento e Aplicação MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE GERAL: 1 Ligar a máquina. 1.1 Desligar a máquina 1.2 Referencia 2 Descrição do teclado. 2.1 Funções dos botões 2.2 Páginas de trabalho 3 - Handle (manivela). 3.1 marcadores de

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Manufatura Assistida por Computador

Manufatura Assistida por Computador Manufatura Assistida por Computador Programação CNC Aula 2 Prof. Associado Mário Luiz Tronco Avanço Rápido, com a maior velocidade fornecida pela máquina Avanço Rápido,

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas Mecatrônica 5 Informações preliminares para a programação de Centros de usinagem Ao término desta unidade você conhecerá os principais fatores envolvidos na criação de um programa. Requisitos necessários

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO)

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) SINUMERIK SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Fundamentos da programação 1 Três modos de códigos G 2 Comandos de curso 3 Comandos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Ministério da Edu CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA:

Leia mais

Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula

Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula AULAS 01 a 03 Apresentando o AutoCAD. O AutoCAD é um software da Autodesk muito utilizado para fazer desenhos de projetos de engenharia e arquitetura

Leia mais

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO)

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) Prof.: Daniel

Leia mais

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 MC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

CFAC: Introdução ao AutoCAD - IV. Capitulo IV: Comandos de modificação

CFAC: Introdução ao AutoCAD - IV. Capitulo IV: Comandos de modificação Introdução ao AutoCAD João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Objetivos Métodos de seleção dos comandos de modificação; Criação de arrays retangulares - AR ; Criação de arrays polares - AR ; Entender

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507 CNC 8055 T Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

Manual de utilização do programa

Manual de utilização do programa PCIToGCode Manual de utilização do programa PCIToGCode O PCITOGCODE é um aplicativo desenvolvido para converter imagem de uma placa de circuito impresso em um arquivo de códigos G. Com o arquivo de códigos

Leia mais

Manufatura Assistida por Computador (SEM-0350)

Manufatura Assistida por Computador (SEM-0350) Curso de Graduação em Engenharia Mecânica Manufatura Assistida por Computador (SEM-0350) PROGRAMAÇÃO CNC Prof. Dr. Alessandro Roger Rodrigues Comando Numérico de Máquinas-Ferramenta %10 N10 G00 Z100 T1

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E.

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Proteo Códigos G CÓDIGO G Torno Fresa G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Interpolação Circular / Helicoidal Sentido

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA).

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). 4 - PONTO ZERO PEÇA. 5 - PRESSET DE FERRAMENTA. 6 - EDIÇÃO

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes APOSTILA V DAC Ferramentas Importantes FERRAMENTAS IMPORTANTES PARA A EXECUÇÃO DE UM DESENHO A importância do ZOOM A sintaxe do comando ZOOM permite selecionar um dos diferentes tipos de zoom, conforme

Leia mais

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310 CNC 8055 M Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Usinagem 5-Eixos para Moldes Sandro, Vero Software Vero Software está no topo do relatório de fornecedores de CAM da CIMData 2014 Com maior Market Share, crescimento

Leia mais

Coordenadas, eixos e movimento

Coordenadas, eixos e movimento capítulo 1 Coordenadas, eixos e movimento maior parte de um programa é composta das coordenadas dos pontos que se referem às distâncias para os eixos. Junto com as declarações que determinam como a máquina

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 PÁGINA DEIXADA EM BRANCO INTENCIONALMENTE ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 - INICIALIZAÇÃO 2 - MODO DE REFERENCIAMENTO 3 - MODO MANUAL 4 - DIRETÓRIOS - MANIPULAÇÃO

Leia mais

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento CNC 5

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento CNC 5 Ciclos de Furação UNIFEI EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento CNC 5 Aula 12a Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Comandos que automatizam uma série de movimentos, simplificando a programação

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a ferramenta ou a peça se desloca segundo uma trajetória retilínea,

Leia mais

Retirado da Apostila DIDATECH - Programação Fanuc21T OS CÓDIGOS DOS PROGRAMAS FORAM ALTERADOS CONFORME O SOFTWARE FANUCL - DENFORD

Retirado da Apostila DIDATECH - Programação Fanuc21T OS CÓDIGOS DOS PROGRAMAS FORAM ALTERADOS CONFORME O SOFTWARE FANUCL - DENFORD Estrutura do Programa C.N. Programa C.N. é a transformação do desenho da peça em códigos que são interpretados pelo comando. O programa C.N. é composto por uma seqüência finita de blocos que são memorizados

Leia mais

Notas de Aula AutoCad Prof. Sérgio Viana

Notas de Aula AutoCad Prof. Sérgio Viana Área de Trabalho Juntamente com a área de trabalho, poderão estar abertas algumas barras de ferramentas nas laterais da tela, que servem de suporte ai desenho. Janelas de Comandos Figura 1 Área de trabalho

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Departamento de Eng. Mecânica e Gestão Industrial Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Teste Escrito 14/01/2008 2007/2008 Duração total: 90 min SEM CONSULTA

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas LabMeC Autores: Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena requena@fec.unicamp.br

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AutoCAD

DESENHO TÉCNICO AutoCAD DESENHO TÉCNICO AutoCAD AULA 1 - INTRODUÇÃO Este capítulo tem como objetivo principal familiarizar o usuário com a interface do Auto-CAD, isto é, a forma como o usuário se comunica com o software e vice

Leia mais

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado -

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - 1 Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado ATENÇÃO Lembramos que você poderá consultar o Manual de Referência do Software

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

CONTADOR DIGITAL PARA ESCALA LINEAR

CONTADOR DIGITAL PARA ESCALA LINEAR CONTDOR DIGIT PR ESC INER Eixo X/Y dicionar dados das escalas Zero Método de Modo de por arco Calculadora Coordenada S/INC, SDM Calcula ½ IS-DR2 Eixo X/Y/Z dicionar dados das escalas Zero Método de Modo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS SEQUÊNCIAIS 1. O coração humano bate em média uma vez por segundo. Desenvolver um algoritmo para calcular e escrever quantas

Leia mais