MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR"

Transcrição

1 MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS

2 CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes

3 O que são Controle Numérico Computadorizado ou Comando Numérico Computadorizado Surgiu na década de 1950 com o 1º CN. São programadas principalmente com o auxílio de CAD/CAM É possível controlar máquinas, como tornos e fresadoras, com 2, 3 ou mais eixos.

4 Tipos e Aplicações Torno Fresadora Hot-wire Fontes de plasma Jato de água Furadeira Eletroerosão Oxicorte Dobramento sheet Metal Costura

5 Alguns fabricantes Existem centenas...

6 MAQUÍNAS OPERATRIZES CNC LAB. CIM/CAD/CAM DURANTE ESTE CURSO TRABALHAREMOS COM TORNOS CNC 2 EIXOS E FRESADORAS CNC 3 EIXOS.

7 CENTRO DE USINAGEM VERTICAL CNC DIDÁTICO, 3 EIXOS VMC-100.

8 COMANDO EMCOTRONIC TM2 MENU KEYS DISK DRIVE SOFTKEYS MOVIMENTOS XYZ DA MÁQUINA CHAVE ON/OFF EMERGÊNCIA CONTROLE DE ROTAÇÃO DA FERRAMENTA TECLADO DE EDIÇÃO CONTROLE DOS DISPOSITIVOS CONTROLE DE AVANÇO DA MÁQUINA

9 AREA DE TRABALHO FUSO PRINCIPAL EIXO Z (SPINDLE) MAGAZINE PARA 10 FERRAMENTAS MESA: EIXOS XY Orientação dos eixos PORTA DE SEGURANÇA DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO (MORSA)

10 FUNÇÕES G G00 - deslocamento em avanço rápido; G01 - interpolação linear; G02 - interpolação circular no sentido horário; G03 - interpolação circular no sentido anti-horário; G04 - tempo de espera; G72 - ciclo de posicionamento para furação circular; G74 - ciclo de posicionamento para furação linear; G81 - ciclo de furação; G82 - ciclo de furação com tempo de espera; G83 - ciclo de furação profunda com retorno da ferramenta; G84 - ciclo de roscar com macho; G86 - ciclo de furação com quebra de cavaco; G87 - ciclo de cavidade retangular; G88 - ciclo de cavidade circular; G89 - ciclo de fresar rasgo; G94 - definição do avanço em mm/min; G95 - definição do avanço em mm/rot; G53 - cancelamento de G54 e G55;

11 FUNÇÕES G G54 - deslocamento de origem; G55 - deslocamento de origem; G92 - definição de valores para G59; G56 - cancelamento de G57, G58 e G59; G57 - deslocamento de origem; G58 - deslocamento de origem; G59 - deslocamento de origem; G25 - chamada de subrotina; G27 - salto incondicional; G70 - programação de medidas em polegadas; G71 - programação de medidas em milímetros; G40 - cancelamento de G41 e G42; G41 - compensação do raio da ferramenta a esquerda do perfil; G42 - compensação do raio da ferramenta a direita do perfil; G17 - definição do plano de trabalho X, Y (U,V); G18 - definição do plano de trabalho Z, X (W,U); G19 - definição do plano de trabalho Y, Z (V,W); G98 - retrocesso à posição inicial de Z(W) para ciclos; G99 - retrocesso à aproximação da superfície em Z(W) para ciclos; G73 - chamada do ciclo G72; G75 - chamada do ciclo G74.

12 FUNÇÕES M M03 - giro do fuso principal no sentido horário; M04 - giro do fuso principal no sentido anti-horário; M05 - parada do fuso principal; M19 - parada orientada do fuso principal; M38 - ligar para precisa; M39 - desligar parada precisa; M00 - parada programada; M17 - final de subprograma; M30 - final do programa principal; M08 - liga líquido refrigerante; M09 - desliga líquido refrigerante; M50 - desativar lógica direcional do revólver de ferramenta; M51 - ativar lógica direcional do revólver de ferramenta; M90 - Desativação da funções M91, M92, M93; M91 - espelhamento no eixo X; M92 - espelhamento no eixo Y; M93 - espelhamento nos eixos X e Y.

13

14 DESLOCAMENTO DE ORIGEM O Ponto zero peça definido no CAM, deve ser o mesmo que o definido na preparação da máquina.

15 DEFINIÇÃO E COMPENSAÇÃO DA FERRAMENTA Usando o Menukeys e o Softkeys é possível informar ao comando as diferenças de altura e raio de cada ferramenta. A compensação é escrita da seguinte forma no programa. Exemplo: T Posição da ferramenta no magazine Número do corretor da ferramenta

16 DEFINIÇÃO DE ROTAÇÃO DA FERRAMENTA No fresamento convencional a ferramenta gira e a mesa se desloca. S rpm Ex.: N0020 T0303 N0030 S1500 M04 DEFINIÇÃO DE AVANÇO DA MESA F mm/min(g94) ou mm/rot(g95) Ex.: N0020 G94 G54 G40 N0030 G01 X F150

17 TORNO HORIZONTAL CNC DIDÁTICO 2 EIXOS EMCO PC TURN 120.

18 COMANDO FANUC M0 SOFTKEYS TECLADO DE EDIÇÃO MOVIMENTOS XYZ DA MÁQUINA EMERGÊNCIA CONTROLE DE ROTAÇÃO DA FERRAMENTA MENU KEYS DISK DRIVE CONTROLE DOS DISPOSITIVOS CONTROLE DE AVANÇO DA MÁQUINA

19 AREA DE TRABALHO MAGAZINE PARA 8 FERRAMENTAS CONTRA -PONTO Orientação dos eixos PLACA DE TRÊS CASTANHAS MONTADA NO FUSO PRINCIPAL (SPINDLE).

20 FUNÇÕES G G00 - deslocamento em avanço rápido; G01 - interpolação linear; G02 - interpolação circular no sentido horário; G03 - interpolação circular no sentido anti-horário; G04 - tempo de espera; G20 - ciclo de torneamento longitudinal; G21 - ciclo de faceamento; G28 - retorno ao ponto de referência; G40 - cancelamento de compensação de ferramenta; G41 - compensação de ferramenta a esquerda; G42 - compensação de ferramenta a direita; G70 - dados em mm; G71 - dados em polegadas; G80 - cancelamento de ciclos; G83 - ciclo de furação profunda com retorno da ferramenta; G84 - ciclo de roscar com macho; G85 - ciclo de alargamento; G94 - definição do avanço em mm/min; G95 - definição do avanço em mm/rot; G96 - velocidade de corte constante; G97 - rotação do spindle constante; G90 - programação em coordenada absoluta; G91 - programação em coordenada incremental.

21 FUNÇÕES M M03 - giro do fuso principal no sentido horário; M04 - giro do fuso principal no sentido antihorário; M05 - parada do fuso principal; M19 - parada orientada do fuso principal; M38 - ligar para precisa; M39 - desligar parada precisa; M00 - parada programada; M17 - final de subprograma; M30 - final do programa principal; M08 - liga líquido refrigerante; M09 - desliga líquido refrigerante;

22 DESLOCAMENTO DE ORIGEM Usando o Menukeys e o Softkeys é possível deslocar o ponto zero peça, posicionando os eixos XZ no local previamente definido pelo programador CNC (CAM). Posicionamento do carro menu offset - Work Shift O Ponto zero peça definido no CAM, deve ser o mesmo que o definido na preparação da máquina.

23

24 DEFINIÇÃO DE ROTAÇÃO DA FERRAMENTA No torneamento a ferramenta se desloca e a peça gira. S vc(g96) ou rpm(g97) Ex.: N0020 T0303 N0030 G97 S1500 M04 DEFINIÇÃO DE AVANÇO F mm/min(g94) ou mm/rot(g95) Ex.: N0020 G94 G54 G40 N0030 G01 X F150

25 DEMOS FRESADORA Operação de faceamento TORNO Operação de desbaste

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO)

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) Prof.: Daniel

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do Grupo Caet - Divisão de Conteúdos Introdução às Máquinas CNC s. Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23 Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 1.1 Fresadoras Ferramenteiras...07 1.2 Tornos Universais...09 1.2.1 Tornos Leves...09 1.2.2 Tornos Médios...11 1.2.3 Tornos Pesados...13 1.3 Furadeiras Radiais...15

Leia mais

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas Mecatrônica 5 Informações preliminares para a programação de Centros de usinagem Ao término desta unidade você conhecerá os principais fatores envolvidos na criação de um programa. Requisitos necessários

Leia mais

Fresadora CNC (denford)

Fresadora CNC (denford) Fresadora CNC (denford) Máquinas à Comando Numérico 08/01/09 - Prof. J. Gregório do Nascimento - 1 Teclado Tutor RESET apaga mensagem de alarme. Reposiciona o programa para iniciar no modo de Editor. ALFA/NUMÉRICO

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Manual de Programação Torno CNC Mach 3

Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC-SP Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Coordenadoria de Mecânica de Precisão Disciplina de CNC Comando Numérico Computadorizado Sumário 1 Introdução 5 11 Equipamento

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO A VANTAGEM DE NÃO GIRAR A BARRA As máquinas COMBYBAR permitem trabalhar a barra sem rodá-la oferecendo muitas vantagens, como

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

1. Controle numérico computadorizado 2. Programação 3. Manufatura auxiliada por computador I. Título.

1. Controle numérico computadorizado 2. Programação 3. Manufatura auxiliada por computador I. Título. 2013 9 Ficha catalográfica Azevedo, Domingos Flávio de Oliveira. 1958 - Linguagem de programação CNC: Torno e centro de usinagem / Domingos Flávio de Oliveira Azevedo. Mogi das Cruzes:, 2013. 164 p. Bibliografia.

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Usinagem Processos de Fabricação Filipi Vianna Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Porto Alegre, 2013 Processos de Fabricação Dentre os processos tradicionais

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS VOLTEIO SOBRE O BARRAMENTO 1.500 mm LARGURA DO BARRAMENTO 1.000 mm DISTÂNCIA ENTRE CENTROS 2.250~6.250 mm FURO DO EIXO ÁRVORE 181 mm (opcional 255 mm) MOTOR

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM

INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM INFRA-ESTRUTURA DE FÁBRICA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE USINAGEM Com uma área construída de mais de 20.000m 2, a FEZER conta com equipamentos de usinagem computadorizados e convencionais dos mais variados

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Ministério da Edu CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA:

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

2. Painel de Operação

2. Painel de Operação 2. Painel de Operação 2.1 Introdução O painel de operação consiste das 4 partes abaixo; 2.1.1 Parte LCD/ NC 2.1.2 Parte do Teclado (parte UNIDADE MDI) 2.1.3 Parte do painel de controle da máquina 2.1.4

Leia mais

Programação de Máquinas CNC

Programação de Máquinas CNC Programação de Máquinas CNC CONSIDERAÇÕES GERAIS O que significa CNC? C= Comando N= Numérico C= Computadorizado O que é Comando Numérico? O Comando Numérico (CN) é um equipamento eletrônico capaz de receber

Leia mais

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507 CNC 8055 T Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO ASPECTOS DE PROCESSOS DE USINAGEM

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO ASPECTOS DE PROCESSOS DE USINAGEM TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO ASPECTOS DE PROCESSOS DE USINAGEM FERRAMENTAS DE USINAGEM Sandvik Desbaste de Aços Pastilhas Positivas T-MAX U Superfícies na Peça Superfície Transitória Superfície a Usinar

Leia mais

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem,

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, centros de torneamento e eletro-erosão a fio. Por que GibbsCAM?

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

UMDT UNIDADE MÓVEL DE DIFUSÃO TECNOLÓGICA

UMDT UNIDADE MÓVEL DE DIFUSÃO TECNOLÓGICA UMDT UNIDADE MÓVEL DE DIFUSÃO TECNOLÓGICA 1. OBJETIVO Incentivo à modernização do setor produtivo e na geração de soluções com novas técnicas de manufatura; Apoio no desenvolvimento de pequenas e médias

Leia mais

Operação (Fresa) - CNC Proteo

Operação (Fresa) - CNC Proteo MCS Engenharia Operação (Fresa) - CNC Proteo V1.00 2 Manual de Programação - CNC Proteo MCS Engenharia Índice 1- INTRODUÇÃO...14 1.1 Breve histórico da MCS...14 1.2 Arquitetura Proteo...15 1.3 Principais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS Curto Prazo (neste semestre): aprender sobre programação parametrizada Longo Prazo: Desenvolver um sistema para programação CN baseado em features de usinagem.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TEC. LABORATÓRIO ELETROMECÂNICA (CNC)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TEC. LABORATÓRIO ELETROMECÂNICA (CNC) CNHECIMENTS ESPECÍFICS TEC. LABRATÓRI ELETRMECÂNICA (CNC) 21. Sobre as funções G01 e G73, podemos afirmar: A) As duas funções são utilizadas para avanços da ferramenta somente quando compensado o raio

Leia mais

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas A UU L AL A Máquinas CNC Quando seu neto contou que havia visto, numa feira de tecnologia, tornos trabalhando sozinhos, seu Adamastor não acreditou. Riu com pouco caso e mergulhou novamente nas notícias

Leia mais

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E.

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Proteo Códigos G CÓDIGO G Torno Fresa G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Interpolação Circular / Helicoidal Sentido

Leia mais

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 MC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

SINUMERIK. SINUMERIK 802D sl T/M. Máquina Manual Plus, Torneamento. Prefácio. Descrição 1. Interface de software 2

SINUMERIK. SINUMERIK 802D sl T/M. Máquina Manual Plus, Torneamento. Prefácio. Descrição 1. Interface de software 2 Prefácio SINUMERIK SINUMERIK 802D sl SINUMERIK SINUMERIK 802D sl Manual de programação e de utilização Descrição 1 Interface de software 2 Ligação, aproximação do ponto de referência 3 Preparação 4 Usinagem

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL DV DM EIXO ÁRVORE 12000-15000 rpm 24000 rpm DESLOCAMENTO RÁPIDO DO EIXO X, Y DESLOCAMENTO RÁPIDO DO EIXO Z TEMPO DE TROCA DE FERRAMENTAS 36m/min. 24m/min. 1,5 seg. Centros

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada [ E[M]CONOMY] significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço Torno Vertical VT 25 com automação integrada EMCO VERTICAL VT 25 O Torno Vertical EMCO VT 25, projetado para usinagens pesadas, é

Leia mais

Coordenadas, eixos e movimento

Coordenadas, eixos e movimento capítulo 1 Coordenadas, eixos e movimento maior parte de um programa é composta das coordenadas dos pontos que se referem às distâncias para os eixos. Junto com as declarações que determinam como a máquina

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

Treinamento e Aplicação

Treinamento e Aplicação MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE GERAL: 1 Ligar a máquina. 1.1 Desligar a máquina 1.2 Referencia 2 Descrição do teclado. 2.1 Funções dos botões 2.2 Páginas de trabalho 3 - Handle (manivela). 3.1 marcadores de

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba Unidade de Ensino Descentralizada de Cajazeiras Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Disciplina: Manutenção Industrial José Rômulo Vieira

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

Assim mesmo, existe a possibilidade de ativar o modo MDI, durante a inspeção da ferramenta, para adaptar as funções de usinagem à nova ferramenta.

Assim mesmo, existe a possibilidade de ativar o modo MDI, durante a inspeção da ferramenta, para adaptar as funções de usinagem à nova ferramenta. Inspeção de ferramenta A função de inspeção de ferramenta facilita o trabalho do operador pois permite depois de uma interrupção do programa, deslocar os eixos para comprovar o estado da ferramenta, substitui-la

Leia mais

Laboratório de Automação

Laboratório de Automação Laboratório de Automação Prof Márcio Henrique Diniz Marques Processos de Fabricação x Automação Fundição: Areia verde, Areia Rápida, Resina, Casca, Injeção,, etc de Pega Soldagem/União: Eletrodo Revestido,

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Marco Aurélio da Fontoura Gonçalves

Marco Aurélio da Fontoura Gonçalves UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UM ESTUDO SOBRE IMPLEMENTAÇÃO DE CICLOS DE USINAGEM ATRAVÉS DE PROGRAMAÇÃO PARAMETRIZADA EM

Leia mais

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo:

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo: 1 8 - RETIFICAÇÃO 8.1 Introdução A retificação é um processo de usinagem por abrasão. Este processo é realizado utilizando-se uma máquina-ferramenta chamada retificadora, para dar acabamento fino e exatidão

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Departamento de Eng. Mecânica e Gestão Industrial Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Teste Escrito 14/01/2008 2007/2008 Duração total: 90 min SEM CONSULTA

Leia mais

IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto

IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto O IndraMotion MTX micro é a solução CNC compacta, simples, potente e de baixo custo da Rexroth para tornos, fresas e máquinas de usinagem em geral. Consiste

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO EXERCÍCIO DE PROGRAMAÇÃO CNC Matéria-Prima para a Peça Exemplo Peça usada como exemplo para programação Ferramenta T0202: desbaste externo Direção de Corte: direita Dimensões

Leia mais

Manual de utilização do programa

Manual de utilização do programa PCIToGCode Manual de utilização do programa PCIToGCode O PCITOGCODE é um aplicativo desenvolvido para converter imagem de uma placa de circuito impresso em um arquivo de códigos G. Com o arquivo de códigos

Leia mais

Descubra o poder e a simplicidade do GibbsCAM e como podemos ajudar sua empresa

Descubra o poder e a simplicidade do GibbsCAM e como podemos ajudar sua empresa Descubra o poder e a simplicidade do GibbsCAM e como podemos ajudar sua empresa Torneamento e Fresamento 2.5D Turning Package Produtividade máxima em tornos e centros de usinagem Crie sua geometria para

Leia mais

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas Segunda, Quarta e Sexta: 11/05 a 01/06/2009. Noite: 18:30 às 22:30 horas. Sábado: 23/05 a 20/06/2009. Integral: 08:00 ás 12:00-13:00 ás 17:00 horas. Introdução a

Leia mais

Cimatron Ferramentarias Usinagem

Cimatron Ferramentarias Usinagem Metalcam Há mais de 20 anos era fundada a empresa original do Grupo CMC de empresas de novas tecnologias. A vocação inovadora sempre esteve presente por meio de pesquisa e ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

SinuTrain. Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di. Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK

SinuTrain. Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di. Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK SinuTrain Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK 2ª edição revisada de 10/2003 válida a partir da versão de software

Leia mais