MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO /03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03"

Transcrição

1 MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO /03

2 PÁGINA DEIXADA EM BRANCO INTENCIONALMENTE

3 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 - INICIALIZAÇÃO 2 - MODO DE REFERENCIAMENTO 3 - MODO MANUAL 4 - DIRETÓRIOS - MANIPULAÇÃO E EDIÇÃO DE PROGRAMAS 5 - MODO DE PROGRAMAÇÃO 6 - PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM PADRÃO ISO 7 - DEFINIÇÃO DE FERRAMENTAS 8 - PROGRAMAÇÃO PARAMÉTRICA 9- CICLOS FIXOS 10- CORREÇÃO DE RAIO DE CORTE 11 - DETERMINAÇÃO DO PONTO ZERO DA PEÇA 12 - MODOS DE EXECUÇÃO 13 - OPERAÇÃO DA CALCULADORA 14 - CÓDIGOS DE USUÁRIO 15 - TRANSMISSÃO E RECEPÇÃO DE DADOS VIA COMUNICAÇÃO SERIAL 16- PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DNC PARA COMANDOS MCS 17 - VISUALIZAÇÃO E INTRODUÇÃO DOS PARÂMETROS DE MÁQUINA ANEXO A - LISTA DE ERROS DE OPERAÇÃO E FALHAS - SÉRIE 500 ANEXO B - LISTA DE PARÂMETROS DE MÁQUINA - ÁREA P SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

4 ÍNDICE GERAL PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

5 ÍNDICE CAPÍTULO INICIALIZAÇÃO OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO COMPLETA OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARCIAL SELEÇÃO DOS MODOS DE OPERAÇÃO BÁSICOS DO COMANDO APRESENTAÇÃO DE DADOS E STATUS NA TELA SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 1.i

6 ÍNDICE CAPÍTULO 1 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 1.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

7 ÍNDICE CAPÍTULO MODO DE REFERENCIAMENTO REFERENCIAMENTO DA MÁQUINA ALTERAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA ABANDONO DO MODO DE REFERENCIAMENTO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 2.i

8 ÍNDICE CAPÍTULO 2 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

9 ÍNDICE CAPÍTULO MODO MANUAL MOVIMENTAÇÃO DA MÁQUINA EM MODO MANUAL MODO MANUAL INCREMENTAL MOVIMENTAÇÃO VIA MANIVELA ELETRÔNICA ALTERAÇÃO DO PONTO ZERO (ORIGEM) DOS EIXOS SOFTKEY REFERÊNCIA CANCELAMENTO DO ESTADO DE MÁQUINA REFERENCIADA SELEÇÃO DO MODO DE REFERENCIAMENTO SOFTKEY PARÂMETROS SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 3.i

10 ÍNDICE CAPÍTULO 3 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 3.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

11 ÍNDICE CAPÍTULO DIRETÓRIOS - MANIPULAÇÃO E EDIÇÃO DE PROGRAMAS ORGANIZAÇÃO DOS DIRETÓRIOS E PROGRAMAS IDENTIFICAÇÃO DE DIRETÓRIOS E PROGRAMAS MANIPULAÇÃO DE DIRETÓRIOS LISTA DE PROGRAMAS DE UM DIRETÓRIO ELIMINAR DIRETÓRIOS APAGAR TODA A MEMÓRIA EDIÇÃO E MANIPULAÇÃO DE PROGRAMAS CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA SELEÇÃO DE UM PROGRAMA JÁ EXISTENTE ALTERAÇÃO OU CORREÇÃO DE PROGRAMAS SELEÇÃO DE UMA SENTENÇA DE PROGRAMA ALTERAÇÕES DE VALORES DENTRO DE UMA SENTENÇA PROCURA DE UM CAMPO PARA VISUALIZAÇÃO OU MODIFICAÇÃO SCROLL DA TELA DE APRESENTAÇÃO DE UM PROGRAMA ELIMINAÇÃO DE UMA SENTENÇA DE UM PROGRAMA INSERÇÃO DE UMA SENTENÇA NO MEIO DE UM PROGRAMA APAGAR O CONTEÚDO DE UM PROGRAMA OPERAÇÃO DE BLOCO ELIMINAR UM PROGRAMA PROCEDIMENTOS ESPECIAIS LISTAR PROGRAMAS COPIAR PROGRAMAS COMPARAR PROGRAMAS RENOMEAR PROGRAMAS ATRIBUTOS DE PROGRAMAS NÍVEIS DE PROGRAMA ACERTO DO RELÓGIO TAXA DE COMUNICAÇÃO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 4.i

12 ÍNDICE CAPÍTULO 4 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 4.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

13 ÍNDICE CAPÍTULO MODO DE PROGRAMAÇÃO PROCEDIMENTO INICIAL PARA PROGRAMAÇÃO DE UMA SENTENÇA EDIÇÃO DE SENTENÇAS SENTENÇAS DE POSICIONAMENTO EM COORDENADAS CARTESIANAS POSICIONAMENTO SIMPLES INTERPOLAÇÃO LINEAR INTERPOLAÇÃO LINEAR 3D INTERPOLAÇÃO LINEAR 4D SENTENÇAS PARA INTERPOLAÇÃO CIRCULAR DEFINIÇÃO DE CENTRO DE CIRCUNFERÊNCIA (PÓLO) INTERPOLAÇÃO CIRCULAR DEFINIDA POR PÓLO E PONTO FINAL INTERPOLAÇÃO CIRCULAR DEFINIDA POR PONTO FINAL E RAIO SENTENÇAS DE POSICIONAMENTO EM COORDENADAS POLARES INTERPOLAÇÃO LINEAR EM COORDENADAS POLARES INTERPOLAÇÃO CIRCULAR EM COORDENADAS POLARES DEFINIÇÃO DE PÓLO EM COORDENADAS POLARES (PÓLO POLAR) INTERPOLAÇÃO CIRCULAR EM COORDENADAS POLARES INTERPOLAÇÃO CIRCULAR POLAR COM DEFINIÇÃO DE RAIO COORDENADAS CILÍNDRICAS - 3D INSERÇÃO DE RAIOS - ROUND INSERÇÃO DE CHANFROS INTERPOLAÇÃO SPLINE ESPELHAMENTO DE EIXOS FATOR DE ESCALA ROTAÇÃO DE COORDENADAS SUB-ROTINAS E REPETIÇÃO DE PARTE DO PROGRAMA INTRODUÇÃO DE MARCAS (LABEL) NOS PROGRAMAS LOCALIZAÇÃO DE UMA MARCA LABEL CHAMADA DE UMA MARCA LABEL MONTAGEM E EXECUÇÃO DE SUB-ROTINAS REPETIÇÃO DE EXECUÇÃO DE PARTE DO PROGRAMA CHAMADA DE SUBPROGRAMAS SENTENÇAS ESPECIAIS - CICLOS FIXOS CICLO 0 - RESET MODAL CICLO 1 - TEMPO DE ESPERA CICLO 2 - ATUAÇÃO DE FUNÇÕES AUXILIARES CICLO 3 - ROSCA CICLO 4 - TRANSLAÇÃO DO SISTEMA DE COORDENADAS CICLO 5 - VERIFICAÇÃO DO ESTADO DE UMA ENTRADA OU SAÍDA CICLO 6 - SALTO A UMA MARCA NO PROGRAMA PARADA PROGRAMADA CHAMADA DE UMA FERRAMENTA SENTENÇA BARRADA (BLOCO BARRADO) PROGRAMAÇÃO TOMANDO COORDENADAS REAIS TEACH-IN FUNÇÕES AUXILIARES M ESPECIAIS EXECUÇÕES ESPECIAIS SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 5.i

14 ÍNDICE CAPÍTULO CICLO 5 + POSICIONAMENTO LOOPING OBSERVANDO ENTRADA TRABALHANDO EM ESTADO MODAL ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

15 ÍNDICE CAPÍTULO PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM PADRÃO ISO 6.1- DESCRIÇÃO DAS VARIÁVEIS FUNÇÕES PREPARATÓRIAS (CÓDIGOS G) GRUPOS ISO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 6.i

16 ÍNDICE CAPÍTULO 6 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 6.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

17 ÍNDICE CAPÍTULO DEFINIÇÃO DE FERRAMENTAS DEFINIÇÃO DE FERRAMENTAS CASO TORNO DEFINIÇÃO DE FERRAMENTAS CASO FRESADORA AJUSTE (SET-UP) AUTOMÁTICO DE FERRAMENTAS PROCURA DE UMA DEFINIÇÃO DE FERRAMENTA ALTERAÇÃO DOS CORRETORES DE FERRAMENTA SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 7.i

18 ÍNDICE CAPÍTULO 7 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 7.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

19 ÍNDICE CAPÍTULO PROGRAMAÇÃO PARAMÉTRICA 8.1- FUNÇÕES ALGÉBRICAS FUNÇÃO 0 - ATRIBUIÇÃO - ATR FUNÇÃO 1 - SOMA - ADD FUNÇÃO 2 - SUBTRAÇÃO - SUB FUNÇÃO 3 - MULTIPLICAÇÃO - MULT FUNÇÃO 4 - DIVISÃO - DIV FUNÇÃO 5 - VALOR ABSOLUTO - ABS FUNÇÃO 6 - RESTO DE DIVISÃO - REST FUNÇÃO 7 - NEGAÇÃO - NEG FUNÇÃO 8 - RAIZ QUADRADA - RAD FUNÇÃO 9 - VALOR DE PI - PI FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS FUNÇÃO 10 - SENO - SEN FUNÇÃO 11 - COSSENO - COS FUNÇÃO 12 - TANGENTE - TAN FUNÇÃO 13 - ARCOTANGENTE - ATG FUNÇÃO 14 - DISTÂNCIA - DIST FUNÇÕES CONDICIONAIS FUNÇÃO 15 - DESVIO CASO IGUAL - JE FUNÇÃO 16 - DESVIO CASO DIFERENTE - JNE FUNÇÃO 17 - DESVIO CASO MAIOR OU IGUAL - JP FUNÇÃO 18 - DESVIO CASO MENOR - JN FUNÇÕES QUE OPERAM COM PLC FUNÇÃO 19 - LEITURA DE UMA POSIÇÃO DE MEMÓRIA - PLCR FUNÇÃO 20 - ESCRITA EM POSIÇÃO DE MEMÓRIA - PLCW FUNÇÃO 21 - LEITURA DE UM PARÂMETRO DE MÁQUINA P - PARR FUNÇÕES QUE OPERAM COM OS CORRETORES DE FERRAMENTAS FUNÇÃO 22 - LEITURA DE DADOS DE FERRAMENTA FUNÇÃO 23 - ESCRITA EM DADOS DE FERRAMENTA VARIÁVEIS AUXILIARES NA PROGRAMAÇÃO PARAMÉTRICA CONDIÇÃO DE GIRO DA ÁRVORE - VARIÁVEL ROTAÇÃO REAL S - VARIÁVEL FATOR DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO - VARIÁVEL CORREÇÃO DE RAIO SELECIONADA - VARIÁVEL SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 8.i

20 ÍNDICE CAPÍTULO 8 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 8.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

21 ÍNDICE CAPÍTULO 9 9- CICLOS FIXOS 9.1- DEFINIÇÃO DE CICLOS FIXOS COMO CRIAR UM CICLO FIXO PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO DE UM CICLO FIXO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 9.i

22 ÍNDICE CAPÍTULO 9 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 9.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

23 ÍNDICE CAPÍTULO CORREÇÃO DE RAIO DE CORTE MODO DE ATIVAÇÃO DE COMPENSAÇÃO DE RAIO DE CORTE USO DE M90 (G40), M91 (G42) E M92 (G41) ENTRADA DA FERRAMENTA NA PEÇA - ATIVAR COMPENSAÇÃO INTERSEÇÕES NA TRAJETÓRIA CORRIGIDA SAÍDA DA FERRAMENTA DA PEÇA - DESATIVAR COMPENSAÇÃO APROXIMAÇÃO TANGENCIAL SAÍDA TANGENCIAL EXECUÇÃO ESPECIAL PARA CANTOS EXTERNOS - M93/M COMPENSAÇÃO DE AVANÇO EM INTERPOLAÇÃO CIRCULAR INTERNA OBSERVAÇÕES SOBRE O USO DA COMPENSAÇÃO DE RAIO DE CORTE SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 10.i

24 ÍNDICE CAPÍTULO 10 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 10.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

25 ÍNDICE CAPÍTULO DETERMINAÇÃO DO PONTO ZERO DA PEÇA TELA DE DESLOCAMENTOS DE ZERO ZERO PEÇA - CASO TORNO ZERO PEÇA - CASO FRESADORA ZERAMENTO VIA APALPADOR EXTERNO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 11.i

26 ÍNDICE CAPÍTULO 11 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 11.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

27 ÍNDICE CAPÍTULO MODOS DE EXECUÇÃO EXECUÇÃO POR ENTRADA MANUAL DE DADOS (MDI) SOFTKEY PARÂMETROS TELAS DOS MODOS DE EXECUÇÃO CONTÍNUA E PASSO-A-PASSO EXECUÇÃO PASSO-A-PASSO EXECUÇÃO CONTÍNUA QUADRO DE ESTADOS MODAIS SOFTKEYS CALCULADORA E COMUNICAÇÃO RETOMADA DE CICLO SIMULAÇÃO GRÁFICA LIMPAR A TELA HABILITAÇÃO DO MODO GRÁFICO ATIVAÇÃO DE DEFORMAÇÃO NA APRESENTAÇÃO GRÁFICA FORMATO DE APRESENTAÇÃO GRÁFICA ESCALAS DE APRESENTAÇÃO GRÁFICA ALTERAÇÃO NA SEQUÊNCIA DE ORIENTAÇÃO DOS EIXOS FUNÇÕES M COM OPERAÇÃO GRÁFICA SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 12.i

28 ÍNDICE CAPÍTULO 12 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 12.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

29 ÍNDICE CAPÍTULO OPERAÇÃO DA CALCULADORA OPERAÇÃO COM VARIÁVEIS H E COTAS DOS EIXOS SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 13.i

30 ÍNDICE CAPÍTULO 13 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 13.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

31 ÍNDICE CAPÍTULO NÍVEIS DE USUÁRIO USUÁRIO INDEFINIDO USUÁRIOS DEFINIDOS ATRIBUIÇÃO DE SENHA ALTERAÇÃO DE SENHA SELEÇÃO DO NÍVEL DE USUÁRIO INDEFINIDO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 14.i

32 ÍNDICE CAPÍTULO 14 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 14.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

33 ÍNDICE CAPÍTULO TRANSMISSÃO E RECEPÇÃO DE DADOS VIA COMUNICAÇÃO SERIAL QUADRO PRINCIPAL DE COMUNICAÇÃO SERIAL CABEÇALHO DE ARQUIVO PROCEDIMENTO PARA RECEBER UM ARQUIVO RECEPÇÃO DE PROGRAMAS RECEPÇÃO DE PARÂMETROS PROCEDIMENTO PARA TRANSMITIR UM ARQUIVO RESTORE BACKUP TAXA ERROS NA COMUNICAÇÃO EXTERNA TRANSMISSÃO SERIAL EM MODO IMPRESSORA OU COMPRIMIDO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 15.i

34 ÍNDICE CAPÍTULO 15 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 15.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

35 ÍNDICE CAPÍTULO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DNC PARA COMANDOS MCS PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO REMOTA (DNC) FORMATO DAS MENSAGENS DESCRIÇÃO DAS MENSAGENS DETALHES ASSOCIADOS ÀS MENSAGENS TECLAS BLOQUEIO DE OPERAÇÃO LOCAL LIBERAÇÃO DE OPERAÇÃO LOCAL PEDIDO DE STATUS INFORMAÇÃO DE STATUS FUNÇÃO M - STATUS DO PROGRAMA USUÁRIO EMERGÊNCIA EXTERNA ERROS INTERRUPÇÃO DE MENSAGEM EXEMPLOS DE APLICAÇÃO COMANDO DE INICIALIZAÇÃO TRANSMISSÃO DE UM PROGRAMA PARA O CNC RECEPÇÃO DE UM PROGRAMA DO CNC SELEÇÃO E EXECUÇÃO DE UM PROGRAMA NO CNC PEDIDO DE STATUS SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 16.i

36 ÍNDICE CAPÍTULO 16 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 16.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

37 ÍNDICE CAPÍTULO VISUALIZAÇÃO E INTRODUÇÃO DOS PARÂMETROS DE MÁQUINA ENTRADA DE PARÂMETROS DE MÁQUINA VISUALIZAÇÃO DE VALORES PROGRAMADOS EM PARÂMETROS ALTERAÇÃO DE PARÂMETROS AJUSTE (SET-UP) AUTOMÁTICO DE PARÂMETROS VARIÁVEIS DE CLP SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 17.i

38 ÍNDICE CAPÍTULO 17 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 17.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

39 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os comandos MCS da série 500 podem ser aplicados em diversos tipos de máquinas operatrizes e outros tipos de máquinas que requeiram controle preciso de movimentos através de servomotores. São capazes de controlar até seis eixos mais um eixo árvore, com interpolação linear de até 4 eixos, circular dois a dois, interpolação spline, com correção de comprimento e raio de ferramenta e execução de roscas encadeadas, paraxiais ou cônicas. O CLP incorporado ao CNC possui capacidade de controlar os eixos da máquina de forma independente do programa CNC, além de ter capacidade de assumir o controle da tela do terminal de operação, o que permite grande flexibilidade na utilização de eixos auxiliares e modos de programação e operação específicos para aplicações em máquinas especiais. Como características especiais ressaltamos: interpolação linear em 4 eixos interpolação spline capacidade de medição em processo correção automática de desgaste de ferramentas simulação gráfica da execução dos programas em simultâneo com a execução da peça ou com os eixos parados modo Calculadora Científica relógio para marcação de tempo de operação CLP incorporado com até 256 pontos de entradas ou saídas controle de eixos auxiliares pelo CLP do comando controle de telas pelo CLP sistema de correção de erro de passo nos fusos sistema de montagem modular 5 opções de terminais de operação com softkeys Os comandos podem ser controlados remotamente por um computador via DNC (Direct Numerical Control), possibilitando carregar ou cancelar programas, modificar os modos de operação, supervisionar a produção ou controlar remotamente as funções operacionais sem o uso do teclado. Podem também executar programas extensos armazenados em discos rígidos de computadores através da porta de comunicação serial (opção de execução de programas longos). Os comandos da série 500 têm sua operação auxiliada por softkeys. O sistema operacional apresenta árvores básicas de operação vinculadas aos diversos modos e telas de operação do comando. O programa aplicativo (CLP) pode acrescentar novas softkeys e novos níveis na árvore básica. Na descrição dos modos de operação são apresentadas as softkeys correspondentes apenas à arvore básica definida pelo sistema operacional do comando. Existem porém aplicações especiais onde toda a árvore de softkeys é definida pelo programa aplicativo. No presente manual estão descritos os modos de operação e telas do comando para uma configuração típica de CNC. Para dar início à operação do comando supomos que os parâmetros de máquina estejam corretos. No caso do comando ser utilizado em aplicações especiais e, dado que o programa de CLP pode alterar as telas básicas do CNC, recomendamos a leitura e utilização do manual de operação específico da aplicação em questão. SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

40 INTRODUÇÃO PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

41 ÍNDICE CAPÍTULO INICIALIZAÇÃO OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO COMPLETA OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARCIAL SELEÇÃO DOS MODOS DE OPERAÇÃO BÁSICOS DO COMANDO APRESENTAÇÃO DE DADOS E STATUS NA TELA SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 1.i

42 ÍNDICE CAPÍTULO 1 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 1.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

43 CAPÍTULO 1 - INICIALIZAÇÃO 1 - INICIALIZAÇÃO Ao ser ligado, o comando apresenta uma tela básica onde aparece a sua identificação, as cotas dos eixos programados e informações sobre eixo árvore, ferramenta e avanço. Definimos este estado do comando como estado de Inicialização, cuja árvore básica de softkeys é: Para entrar em operação normal deve-se inicializar o comando através da tecla ou, se for disponível pelo programa aplicativo, através da softkey INICIALIZA. Para detalhes sobre o procedimento de inicialização consultar o Manual de Instalação e Aplicação. Ao ser inicializado, o comando entra no Modo de Referenciamento. As cotas apresentam os valores de posição assumidos para as marcas de referência dos eixos e o comando aguarda o início do procedimento de referenciamento. OBSERVAÇÕES: 1. Em condições especiais, o comando pode entrar diretamente em Modo Manual após a inicialização. 2. No caso de perda dos parâmetros, após a inicialização o CNC entra no Modo de Introdução de Parâmetros e só permite sair deste modo após a introdução de todos os parâmetros pela via manual ou através da comunicação serial de dados (ver capítulos 15 e 17) OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO COMPLETA Existem duas opções para operação do comando em simulação, dependentes do valor programado no parâmetro de máquina P97 (ver Manual de Parâmetros de Máquina). Caso o parâmetro P97 estabeleça a operação em simulação completa, a softkey SIMULAÇÃO também inicializa o CNC, selecionando o Modo Manual. O CNC, porém, passa a operar de forma independente da máquina (em Simulação). Nesta forma de operação todos os sinais de saída são desligados e o CNC não controla a máquina. Para voltar ao modo de operação normal deve-se desligar o CNC ou teclar no Modo Manual a sequência,,, OPERAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARCIAL Caso o parâmetro P97 estabeleça a operação em simulação parcial, com eixos controlados, a softkey SIMULAÇÃO inicializa o CNC normalmente, permite a busca de referencia dos eixos e passa a controlar a posição atingida após o referenciamento. Todas as funções de controle permanecem ativas exceto o movimento dos eixos. Os movimentos comandados são apenas teóricos, o que permite a visualização gráfica dos movimentos executados no programa de uma peça sem que haja movimentação dos eixos da máquina. Para voltar ao modo de operação normal deve-se desligar o CNC ou teclar no Modo Manual a sequência,,,. SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 1.1

44 CAPÍTULO 1 - INICIALIZAÇÃO SELEÇÃO DOS MODOS DE OPERAÇÃO BÁSICOS DO COMANDO O comando opera nos seguintes modos principais de operação: MODO MANUAL MODO DE PROGRAMAÇÃO MODO DE EXECUÇÃO PASSO A PASSO MODO DE EXECUÇÃO CONTÍNUA MODO MDI (MANUAL/AUTOMÁTICO) Estes modos são selecionados a partir da árvore básica de seleção de modos. A árvore de seleção de modos é selecionada sempre que se escolhe a softkey MODOS, disponível nas árvores básicas dos diversos modos de operação. Os demais modos de operação do comando são selecionados a partir dos 5 modos principais APRESENTAÇÃO DE DADOS E STATUS NA TELA As duas primeiras linhas da tela são reservadas para indicação do modo de operação, apresentação de mensagens de falhas, erros de operação, diálogo de edição e dados recebidos pela interface serial. Figura 1.1 Na primeira linha, à direita, é apresentado o contador de tempo de comando ligado, que pode ser usado também como relógio. O contador é zerado ao ligar o comando e, para ser usado como relógio, deve ser acertado da forma descrita em O tempo de operação só é apresentado caso não exista mensagem de erro ou aviso do CNC. Na linha de separação, à direita, é identificado o nível de usuário selecionado para operação do comando. Inicialmente é selecionado o usuário indefinido, para o qual não há identificação (ver capítulo 14). Na mesma linha de separação, porém à esquerda, são identificados "status" de operação tais como: 1.2 SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

45 CAPÍTULO 1 - INICIALIZAÇÃO EXEC CNC executando movimentos, programa, transmitindo ou recebendo dados; INC 2ND Modo Incremental ativo; Tecla de segunda função ativada; Na parte inferior da tela é apresentada uma linha de estados, identificando funções auxiliares, rotação do eixo árvore (% e velocidade real ou teórica), ferramenta ativa (número, corretor e plano de correção), e avanço do eixo (% e velocidade real). A última linha da tela é reservada para as softkeys. Sua função é descrita pelo texto correspondente e depende do modo de operação ativo e do nível selecionado pela árvore de softkeys. A presença do caracter : nos lados esquerdo ou direito da linha de softkeys indica a existência de extensões da árvore de softkeys à esquerda ou à direita respectivamente. Estes níveis podem ser selecionados através das teclas e. O programa de aplicação (CLP) pode alterar a função das softkeys, acrescentar novas funções e novos níveis nas árvores básicas (ver manual de operação da máquina para detalhes operacionais específicos). SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 1.3

46 CAPÍTULO 1 - INICIALIZAÇÃO PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 1.4 SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

47 ÍNDICE CAPÍTULO MODO DE REFERENCIAMENTO REFERENCIAMENTO DA MÁQUINA ALTERAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA ABANDONO DO MODO DE REFERENCIAMENTO SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 2.i

48 ÍNDICE CAPÍTULO 2 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

49 2 - MODO DE REFERENCIAMENTO CAPÍTULO 2 - MODO REFERENCIAMENTO Geralmente o primeiro passo após a inicialização do comando é referenciar a máquina, pois neste caso as cotas apresentadas na tela não têm relação com a posição física da máquina. Porém, em condições especiais, o comando pode entrar diretamente no Modo Manual, sem passar pelo Modo de Referenciamento. O Modo de Referenciamento é identificado pela mensagem "MODO BUSCA DE REFERÊNCIA". A árvore de softkey apresentada é: REFERENCIAMENTO DA MÁQUINA O referenciamento é iniciado através do botão de partida. A indicação EXEC surge na tela e a árvore de softkeys muda para: Os valores de posição apresentados na tela são os valores de referência, correspondentes às cotas das marcas de referência do sistema de medição da máquina. Estes valores de referência podem ser determinados por parâmetros P ou por memórias do comando. A opção por um ou outro modo é determinada nas opções de condições de operação selecionadas pelo parâmetro de máquina P50. O comando realiza a busca das marcas de referência na sequência determinada pelo parâmetro P40 e adota para estes pontos valores definidos pelo usuário, de tal forma que o ponto zero do sistema de coordenadas da máquina esteja de acordo com o programa a ser executado ou seja o ponto zero peça ou deslocamento G54 (ver capítulo 11). Durante o processo de busca, a cada eixo referenciado o comando passa a controlar sua posição e aciona a busca do próximo eixo. Esta sequência pode ser acompanhada pelo operador através de mensagem na tela. Ao final do processo o comando entra no Modo Manual. O referenciamento pode ser interrompido através do botão externo de parada ou pressionando-se a softkey STOP. Pode-se reiniciar o referenciamento através do botão de partida. O comando repetirá o procedimento de busca de referência em todos os eixos, independentemente de já terem capturado suas marcas. Caso o processo de referenciamento tenha sido completado, o CNC assume o estado de máquina referenciada ALTERAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA Caso os valores de referência sejam determinados por memória, as cotas mostradas na tela podem ser alteradas da seguinte forma: 1- Pressionar a tecla do eixo que se deseja alterar o valor de referência; 2- Teclar e digitar o novo valor de referência. 3- Teclar. O novo valor de referência é apresentado na tela. Estes valores são armazenados pelo comando mesmo com ausência de força. Além disso, no caso de perda de memória, os valores de referência apresentados na tela são ilegais. A sobrepassagem das marcas de referência só será possível após a reintrodução dos valores de referência corretos. A SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 2.1

50 CAPÍTULO 2 - MODO REFERENCIAMENTO tentativa de partida para o referenciamento sem a prévia introdução destes valores ocasionará ERRO 17 - MARCAS DE REFERÊNCIA ERRADAS (ver tabela de erros no anexo A) ABANDONO DO MODO DE REFERENCIAMENTO O operador pode abandonar a busca de referência pressionando a softkey ABANDONA. O comando sinaliza ERRO 08 - FINS DE CURSO EM SOFT. ERRADOS, indicando que a máquina não estará referenciada. Cancela-se o alarme através da tecla. A operação da máquina nesta condição é permitida apenas nos modos habilitados pelo parâmetro de máquina P50. OBSERVAÇÃO: Pode-se repetir o procedimento de referenciamento a partir do Modo Manual (ver capítulo 3). 2.2 SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

51 ÍNDICE CAPÍTULO MODO MANUAL MOVIMENTAÇÃO DA MÁQUINA EM MODO MANUAL MODO MANUAL INCREMENTAL MOVIMENTAÇÃO VIA MANIVELA ELETRÔNICA ALTERAÇÃO DO PONTO ZERO (ORIGEM) DOS EIXOS SOFTKEY REFERÊNCIA CANCELAMENTO DO ESTADO DE MÁQUINA REFERENCIADA SELEÇÃO DO MODO DE REFERENCIAMENTO SOFTKEY PARÂMETROS SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 3.i

52 ÍNDICE CAPÍTULO 3 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 3.ii SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

53 CAPÍTULO 3 - MODO MANUAL 3 - MODO MANUAL No Modo Manual a máquina pode ser movimentada por botões externos de seleção dos eixos ou através de softkeys, com velocidade de deslocamento determinada por um potenciômetro externo. Permitir seleção direta dos modos de Referenciamento, Manual Incremental, Movimentação via Manivela Eletrônica e Visualização ou Programação de Parâmetros. Árvore básica de softkeys correspondente ao Modo Manual: MOVIMENTAÇÃO DA MÁQUINA EM MODO MANUAL O comando permite a movimentação da máquina em Modo Manual diretamente via botões externos ou softkeys definidas pelo programa aplicativo (CLP). A velocidade máxima de deslocamento dos eixos em Modo Manual é definida por parâmetros e controlada via potenciômetro externo. O movimento pode ser executado com ou sem retenção. No modo sem retenção a movimentação dos eixos acontece enquanto o botão externo correspondente estiver pressionado. No modo com retenção a movimentação dos eixos é iniciada ao se pressionar o botão externo correspondente. Caso o botão de partida seja pressionado durante o movimento, este permanece mesmo que se solte o botão de movimentação manual. O movimento só será interrompido via botão externo de parada ou através das teclas e (STOP) do terminal MODO MANUAL INCREMENTAL Seleciona-se o Modo Manual Incremental a partir do Modo Manual através da softkey INCREMENT. Na tela é apresentado um quadro com as opções de incrementos e um cursor de seleção. Os valores listados na tabela indicam o valor do deslocamento dos eixos da máquina a cada vez que se pressiona um dos botões (softkeys) de movimentação manual. Árvore básica de softkeys correspondente ao Modo Manual Incremental: O eixo a ser movimentado e o sentido de deslocamento são dados diretamente pelo botão selecionado. O valor de deslocamento incremental pode ser escolhido através das teclas ou. Para se voltar ao Modo Manual pressionar a softkey MODOS seguida da softkey MANUAL MOVIMENTAÇÃO VIA MANIVELA ELETRÔNICA Seleciona-se o Modo Manivela Eletrônica a partir do Modo Manual através da softkey MANIVELA. Na tela é apresentado um quadro com as opções de incrementos e um cursor de seleção. Os valores listados na tabela indicam o valor do deslocamento dos eixos da máquina a cada pulso fornecido pelo giro da manivela. SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO 3.1

54 CAPÍTULO 3 - MODO MANUAL A árvore básica de softkeys correspondente ao Modo Manivela Eletrônica é igual à do Modo Manual Incremental. O eixo a ser movimentado é selecionado através das teclas, ou. O sentido de deslocamento é dado pelo sentido de giro da manivela. O valor atribuído a cada pulso na manivela pode ser escolhido através das teclas ou. Para se voltar ao Modo Manual pressionar a softkey MODOS seguida da softkey MANUAL. OBSERVAÇÕES: 1. Pode-se equipar a máquina com até três manivelas, atribuindo-se eixos específicos a cada uma delas, sendo permitido inclusive movimentos simultâneos dos eixos. 2. O Modo Manivela é habilitado por parâmetros de máquina ALTERAÇÃO DO PONTO ZERO (ORIGEM) DOS EIXOS No Modo Manual pode-se alterar o ponto zero dos eixos (alteração da origem do sistema de coordenadas dos eixos). Procede-se da seguinte forma: 1- Pressionar a tecla do eixo do qual se deseja alterar a origem; 2- Teclar e digitar o novo valor de posição para o referido eixo. 3- Teclar. O novo valor de posição é transferido para o eixo correspondente. OBSERVAÇÃO: Dependendo do valor do parâmetro P50 a alteração de origem é memorizada no deslocamento de zero da função preparatória G ativa (G54 a G57 - ver capítulo 11) SOFTKEY REFERÊNCIA A softkey REFERÊNCIA realiza duas operações distintas, dependendo do estado de referenciamento da máquina CANCELAMENTO DO ESTADO DE MÁQUINA REFERENCIADA Caso o processo de referenciamento da máquina tenha sido completado (estado de máquina referenciada no CNC), a softkey REFERÊNCIA permite cancelar este estado. Desta forma será possível ao operador repetir a busca de referência da máquina. Ao pressionar a softkey REFERÊNCIA a árvore de softkeys passa a ser: Escolher DESATIVA caso se deseje cancelar o estado de máquina referenciada. Caso contrário, pressionar a softkey. 3.2 SÉRIE MANUAL DE OPERAÇÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

Página deixada intencionalmente em branco

Página deixada intencionalmente em branco Operação Torno 1 Página deixada intencionalmente em branco 2 1 - Operação Máquina... 5 1.1 - Inicialização... 5 1.2 - Busca de Referência.... 8 1.2.1 - Busca através de micros de referência.... 8 1.2.2

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107 CNC 855 Educacional Ref. 7 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE 3 FEE D % 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI

Leia mais

Manual Simulador de Loja

Manual Simulador de Loja Manual Simulador de Loja Índice Início Menu Loja Modelo Loja Modelo Menu Criar Minha Loja Criar Minha Loja Abrir Projeto Salvo Teste Seu Conhecimento 0 04 05 08 09 8 9 0 Início 5 4 Figura 00. Tela inicial.

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Conteúdo BIOTRONIC PLUS

Conteúdo BIOTRONIC PLUS 0 Conteúdo Manual de Instalação...3 RECURSOS DESTE RELÓGIO...5 1 - REGISTRANDO O ACESSO...7 1.1 Acesso através do sensor biométrico:...7 1.2 Acesso através de cartão de código de barras:...7 1.3 Acesso

Leia mais

Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO. Manual Operação Torno Pg. 3

Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO. Manual Operação Torno Pg. 3 Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO Manual Operação Torno Pg. 3 Manual de Operação Torno V1.00 INDICE 1.0 - Introdução... 7 1.1 - Funções das Teclas...13 2.0 - Inicializando

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

2. Painel de Operação

2. Painel de Operação 2. Painel de Operação 2.1 Introdução O painel de operação consiste das 4 partes abaixo; 2.1.1 Parte LCD/ NC 2.1.2 Parte do Teclado (parte UNIDADE MDI) 2.1.3 Parte do painel de controle da máquina 2.1.4

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA).

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). 4 - PONTO ZERO PEÇA. 5 - PRESSET DE FERRAMENTA. 6 - EDIÇÃO

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:...

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 0 Conteúdo Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 4 1.2 Acesso através do teclado (digitando a matrícula):...

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1 - PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO Manual do Programador Digital PD400_01 1 ÍNDICE SECÇÃO PG 1. Apresentação 03 2. Painel de Operação 04 2.1. Interface Touch-screen 04 3. Menu 06 3.1 Senhas

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO DO MÓDULO GUARITA HCS 2005 - Versão 4.04 Bem vindo ao guia rápido

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAMPUS UNIVERSITÁRIO DA REGIÃO DOS VINHEDOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA NATUREZA E DE TECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS Simulador do Processador Neander

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

Treinamento e Aplicação

Treinamento e Aplicação MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE GERAL: 1 Ligar a máquina. 1.1 Desligar a máquina 1.2 Referencia 2 Descrição do teclado. 2.1 Funções dos botões 2.2 Páginas de trabalho 3 - Handle (manivela). 3.1 marcadores de

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x

Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x Ifox Eletrônica Ltda página: 1 de 31 1 Índice 1 ÍNDICE...2 2 APRESENTAÇÃO...3 3 TELA PRINCIPAL...4 3.1 TELA DE CADASTRAMENTOS E RELATÓRIOS F9...4 3.1.1 CADASTRA

Leia mais

Manual de Configuração e Operação

Manual de Configuração e Operação ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual de Configuração e Operação Última alteração Número do documento 21/02/2013 10:38 Este documento contém os procedimentos de configuração e operação do sistema de

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14 Guia do Usuário idocsscan v.2.1.14 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 5 Instalação... 7 Inicializando a aplicação... 12 Barras de acesso e informações... 13 Teclas de atalho... 14 Barra de Ferramentas...

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

IIIIIIII HAND INVENTORY

IIIIIIII HAND INVENTORY MANUAL DE OPERAÇÃO IIIIIIII HAND INVENTORY INVENTÁRIO GENÉRICO e-mail: comercial@mobilitysistemas.com.br site: www.mobilitysistemas.com.br Índice 1 - Introdução... 2 2 - Instalação... 2 2.1. Palm Desktop...

Leia mais

KM-NET for Accounting. Guia de Operação

KM-NET for Accounting. Guia de Operação KM-NET for Accounting Guia de Operação Informações legais e gerais Aviso É proibida a reprodução não autorizada deste guia ou parte dele. As informações neste guia estão sujeitas a alterações sem aviso

Leia mais

Passo-a-Passo das novas Funcionalidades do Gil versão 3.0.05. BACKUP, RESTORE e REPARADOR DE BASE

Passo-a-Passo das novas Funcionalidades do Gil versão 3.0.05. BACKUP, RESTORE e REPARADOR DE BASE Passo-a-Passo das novas Funcionalidades do Gil versão 3.0.05 BACKUP, RESTORE e REPARADOR DE BASE Objetivo:Realizar backup/restore do Sistema de forma automática ou manual, reparar base do Sistema com problemas

Leia mais

CalcForce. Guia do Usuário. Versão 1.0. Revisão 0

CalcForce. Guia do Usuário. Versão 1.0. Revisão 0 CalcForce Guia do Usuário Versão 1.0 Revisão 0 Copyright 2012 Datatific. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Índice analítico

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN

MANUAL DE INSTALAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN MANUAL DE INSTALAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE TOKEN SAFESIGN Manual de utilização do software de gerenciamento SafeSign Índice 1. Instalação... 3 1.1. Instalação no Windows... 3 1.2. Verificar versão do aplicativo...

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA REPASSAR BACKUP s EM CNC s FAGOR 8035 / 8055 ATRAVÉS DO SOFTWARE FAGOR WINDNC. REVISÃO 2.0

PROCEDIMENTO PARA REPASSAR BACKUP s EM CNC s FAGOR 8035 / 8055 ATRAVÉS DO SOFTWARE FAGOR WINDNC. REVISÃO 2.0 PROCEDIMENTO PARA REPASSAR BACKUP s EM CNC s FAGOR 8035 / 8055 ATRAVÉS DO SOFTWARE FAGOR WINDNC. REVISÃO 2.0 1 Ajustes dos parâmetros no CNC. 1.1 Explicações sobre parâmetros de Linha de Série 2 Software

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Microsoft Word 97 Básico

Microsoft Word 97 Básico Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Microsoft Word 97 Básico DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: I. Executando o Word... 4 II. A tela do Word 97... 6 III. Digitando

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP Apêndice A Manual do Usuário JSARP A.1. Introdução JSARP é um simulador e analisador de Redes de Petri. É um aplicativo que permite desenhar uma rede, fazer análises, verificar propriedades e simular sua

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico

MANUAL DE OPERAÇÃO. CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico MANUAL DE OPERAÇÃO CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico Sumário 1. Operação... 4 1.1. Inicialização do Equipamento... 4 1.2. Utilização... 4 1.3. Cadastro... 6 1.3.1. Cadastro de Biometria...

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6 Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Versão 3.6 O Gerenciador é um Software para ambiente Windows que trabalha em conjunto com o Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro, através de

Leia mais

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002)

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002) Tutorial do Sistema GeoOffice Todos os direitos reservados (1999-2002) Sistema GeoOffice Sistema Topográfico Solution Softwares Tutorial Passo a Passo Conteúdo I Tabela de Conteúdos Foreword 0 Parte I

Leia mais

Manual de usuário ISOBUS-TC. para terminais sensíveis ao toque. Última atualização: V2.20140804. Leia e respeite este manual de instruções.

Manual de usuário ISOBUS-TC. para terminais sensíveis ao toque. Última atualização: V2.20140804. Leia e respeite este manual de instruções. Manual de usuário para terminais sensíveis ao toque ISOBUS-TC Última atualização: V2.20140804 30302436a-02-PT Leia e respeite este manual de instruções. Guarde este manual de instruções para utilização

Leia mais

PAINEL DE SENHAS RBSG4JE. Imagem ilustrativa do painel. Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens.

PAINEL DE SENHAS RBSG4JE. Imagem ilustrativa do painel. Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens. PAINEL DE SENHAS RBSG4JE Imagem ilustrativa do painel Operação/Configuração Painel Eletrônico de Senhas / Guichê com jornal de mensagens. Há basicamente dois modos de operação no Painel de Senhas: - Operação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Mobile

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Mobile MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Mobile 1 1 INICIANDO O APLICATIVO PELA PRIMEIRA VEZ... 3 2 PÁGINA PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1 INTERFACE INICIAL... 4 2.2 DISPOSITIVO NÃO REGISTRADO...

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador)

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática. Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,1752'8d 2,1)250É7,&$ Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Junho de 2000 Conteúdo 1. CONCEITOS

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Manual de Operação do software Configurador FIAMMA. Descrição da interface do software.

Manual de Operação do software Configurador FIAMMA. Descrição da interface do software. Manual de Operação do software Configurador FIAMMA O Configurador FIAMMA permite a fácil programação da central F-500 através de uma interface simples e fácil de operar. Requisitos: Microcomputador Pentium

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

Manual de referência do Device Storage Manager

Manual de referência do Device Storage Manager Manual de referência do Device Storage Manager Avisos sobre direitos autorais e marcas comerciais Copyright 2003 Hewlett-Packard Development Company, L.P. É proibida a reprodução, adaptação ou tradução

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008 Guia do Usuário OEC Trader Conta 18 de Junho de 2008 Página 2 18 de Junho de 2008 Tabela de Conteúdos POSIÇÕES MÉDIAS... 4 Exibir e reorganizar colunas... 6 Definições de Posições de cabeçalho na janela...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI

SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI AUTOR: MÁRIO SÉRGIO CINTRA CAMARGO ÍNDICE ACESSANDO O WEBMAIL... 04 TRABALHANDO COM O CORREIO ELETRÔNICO... 09 CONCEITOS BÁSICOS... 09 O VISUAL DO CORREIO ELETRÔNICO... 10 CONHECENDO A JANELA INICIAL DO

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

COLETOR DE DADOS. 1. Verificar ou alterar o modo de interface para avançado COLETOR DE DADOS

COLETOR DE DADOS. 1. Verificar ou alterar o modo de interface para avançado COLETOR DE DADOS COLETOR DE DADOS Objetivo O objetivo deste material é orientar o operador das colhedoras de Cana Série A8000 de como formatar e como operacionalizar o coletor de dados. Descrição O coletor de dados das

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Superprovas Versão 9

Superprovas Versão 9 Superprovas Versão 9 1. Introdução...2 2. Novos Recursos Adicionados...4 3. Janela Principal...7 4. Janela de Questões...11 5. Janela de Desempenho...12 6. Barras de Ferramentas...13 7. Teclas de Atalho...14

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Manual de Instalação. BC-2C Módulo GPRS

Manual de Instalação. BC-2C Módulo GPRS Manual de Instalação BC-2C Módulo GPRS INTRODUÇÃO O BC-2C Módulo GPRS Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

Sistema MSYS. Manual de Instalação, Configuração e Suporte. Versão 7

Sistema MSYS. Manual de Instalação, Configuração e Suporte. Versão 7 Ao abrir o arquivo em PDF, clique em Visualizar, Painéis de navegação, Marcadores para visualizar o menu lateral ou selecione as opções Visualizar, Painéis de Navegação, Marcadores. Sistema Manual de Instalação,

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais